Segunda-feira, 20 de Maio de 2024

Tourada à corda de São Mateus, na Ilha Terceira (Açores) correu mal...

 

Vi hoje na televisão, um Touro, numa tourada à corda, defender-se dos seus carrascos, marrando a torto e a direito, nas ruas da troglodita ilha Terceira, nos Açores.



Pois o Touro fez muito bem, só foi pena não ter feito mais estragos, pois poderiam servir para alertar os responsáveis para estas actividades bárbaras, para a urgência de se acabar com este vergonhoso cartão de visita de uma ilha que ainda não saiu da Idade das Trevas.



Nesta imagem, o Touro, depois de sair de um cubículo escuro de um camião, onde teria ficado várias horas, quando saiu para a luz do dia, não se apercebendo onde estava, começou a correr atrás do vermelho e, desnorteado, escorregou.

 

Este vídeo, que não reproduzo, no meu Blogue, para não o conspurcar com imagens absolutamente deploráveis, indignas aos olhos dos seres humanos, e não fazer publicidade a uma tal aberração, está bem patente a ESTUPIDEZ deste divertimento bronco, que apenas os broncos praticam, aplaudem e apoiam.

 

Já era tempo de a ilha Terceira sair da Idade Média e o seu povo divertir-se civilizadamente, porém, enquanto houver trogloditas no Poder, será esta a miséria moral, cultural e social que correrá mundo, para que todos saibam que em Portugal existe uma ilha onde o Sol ainda não brilhou.

 

Estou sempre a favor dos Touros.


Isabel A. Ferreira

Untitled.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:06

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De ICE a 21 de Maio de 2024 às 12:29
"troglodita ilha Terceira"
Acha bem qualificar assim todo um povo e uma região? A senhora não respeita ninguém.
De Isabel A. Ferreira a 21 de Maio de 2024 às 19:01
Na ilha Terceira só enfia a carapuça de troglodita quem é I(ncompatível) C(om) E(volução).

As pessoas civilizadas não enfiam essa carapuça, por isso, não precisam manifestar-se contra...
De Vítor Paulo Ovídio Carvalho a 22 de Maio de 2024 às 21:02
Um troglodita terceirense de que me ocorre é esse analfabeto do Vitorino Nemésio, por acaso um grande aficionado da tourada.
(Para nós, a escumalha, é um gajo com valor, mas sem dúvida um trogodita e analfabeto em relação à Omnisciente autora deste blog, que eu acho até que tem categoria demais para este planeta).
De Isabel A. Ferreira a 23 de Maio de 2024 às 19:33
Vítor Paulo Ovídio Carvalho há uma coisa que tenho de lhe dizer, porque estou a ver que não sabe: os trogloditas estão em todas as classes sociais, desde o presidente da República, um aficionado que gostava de ir a Espanha ver MATAR os Touros, aos deputados da Nação com assento na Assembleia da República, passando por professores universitários, músicos, artistas, escritores, poetas, até ao mais rasca frequentador das tascas rascas.

E sabe porquê, porque ser troglodita não é uma questão de classe social, é uma questão de ausência do sentimento mais nobre do ser humano: a EMPATIA, ou seja, conseguir pôr-se no lugar dos outros, mesmo que esses outros sejam animais não-humanos, e sentir compaixão.

Ora, nem todas as pessoas nasceram com esse DOM da empatia, por isso, existem trogloditas em todas as classes sociais: da mais alta à mais baixa, tendo todos algo em comum: o sadismo, ou seja, o gosto de se divertir com o sofrimento de seres sencientes.

A autora deste Blogue é um grão de poeira cósmica, em comunhão com todo o Universo. Nem é mais nem é menos do que um lagarto verde. Daí ser empática com todas as criaturas sencientes que vivem no Planeta Terra, excepto com os trogloditas que, não sendo seres sencientes, como são os Touros, não passam de uns pobres diabos que andam no mundo só por verem andar os outros, o que não tira de eu NÃO lhes fazer o que não gostaria que me fizessem a mim.

EVOLUAM, se puderem!

A universidades não ensinam a EMPATIA, porque a empatia é um DOM, que apenas alguns alcançam, ou nascem com ele.

Por isso, há tantos "doutores" trogloditas.
De Alexandre Patrício a 23 de Maio de 2024 às 15:21
Algumas bestas paleolíticas dos Açores: Antero de Quental, Curry Cabral, Vitorino Nemésio, Natália Correia, Alfredo Bensaúde, Vitorino Nemésio, Rui Telles Palhinha, Raúl Bensaúde, Linhares Furtado, Aurélio Quintanilha, Gaspar Frutuoso, Mota Amaral, Victor Hugo Forjaz, etc., etc... Alguns deles, grandes aficionados.
De Isabel A. Ferreira a 23 de Maio de 2024 às 19:55
Afinal, mudei de ideias, e publico os nomes dos que o Alexandre Patrício chama de «bestas paleolíticas dos Açores». A frase é SUA.
O senhor lá sabe! São seus conterrâneos?
Aprendeu muito com eles, não foi?

Ser aficionado nada tem a ver com INSTRUÇÃO, mas com BERÇO.
De Isabel A. Ferreira a 23 de Maio de 2024 às 20:07
Há uma coisa que tenho de lhe dizer, como já disse a um outro, suponho que terceirense, porque estou a ver que não sabe: os trogloditas estão em todas as classes sociais, desde o presidente da República, um aficionado que gostava de ir a Espanha ver MATAR os Touros, aos deputados da Nação com assento na Assembleia da República, passando por professores universitários, músicos, artistas, escritores, poetas, até ao mais rasca frequentador das tascas rascas.

E sabe porquê, porque ser troglodita não é uma questão de classe social, é uma questão de ausência do sentimento mais nobre do ser humano: a EMPATIA, ou seja, conseguir pôr-se no lugar dos outros, mesmo que esses outros sejam animais não-humanos, e sentir compaixão.

Ora, nem todas as pessoas nasceram com esse DOM da empatia, por isso, existem trogloditas em todas as classes sociais: da mais alta à mais baixa, tendo todos algo em comum: o sadismo, ou seja, o gosto de se divertir com o sofrimento de seres sencientes.

A autora deste Blogue é um grão de poeira cósmica, em comunhão com todo o Universo. Nem é mais nem é menos do que um lagarto verde. Daí ser empática com todas as criaturas sencientes que vivem no Planeta Terra, excepto com os trogloditas que, não sendo seres sencientes, como são os Touros, não passam de uns pobres diabos que andam no mundo só por verem andar os outros, o que não tira de eu NÃO lhes fazer o que não gostaria que me fizessem a mim.


E tem mais uma coisa: as «algumas bestas paleolíticas dos Açores» como lhes chama (a frase é sua num comentário que não vou publicar para não SUJAR ainda mais os ditos cujos mencionados) nasceram num meio podre terceirense, a cheirar a bosta, a urina e a álcool. E nas universidades não se aprende a ser CIVILIZADO.
EVOLUAM, se puderem! A universidades não ensinam a EMPATIA, porque a empatia é um DOM, que apenas alguns alcançam, ou já nascem com ele.

Por isso, há tantos "doutores" trogloditas, e tantras bestas paleolíticas nos Açores.

Não se se já reparou que o tempo dos trogloditas Reis Filipinos (os que levaram para o arquipélago dos Açores o costume bárbaro das touradas, já PASSOU. Já não existe.

Estamos no século XXI, depois de Cristo!!!!!
Abra os olhos! ACORDE!!!!!

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

O que as escolas NÃO te c...

«Bicadas do meu Aparo»: C...

Portugal não é a casa da ...

Ex-combatentes do Ultrama...

Repondo a verdade dos faC...

XXXI Encontro Nacional ...

Uma fingida “homenagem” a...

Ponte de Lima: «Vaca das ...

«Touradas = Conservação d...

«Outono Marcelista»

Arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt