Terça-feira, 17 de Novembro de 2020

Além da pandemia da Covid-19, anda por aí a febre do abate-de-árvores, altamente contagiosa, hoje, foi em Viana do Castelo, à revelia do Tribunal…

 

A Câmara Municipal de Viana do Castelo, a exemplo da CM de Aveiro, antecipou-se à decisão do Tribunal e já começou a abater os plátanos da Avenida do Cabedelo. 

Há que penalizar os autarcas por estes crimes ambientais...

Vivemos num país sem rei nem roque. E nós temos de ser o rei e o roque ao mesmo tempo!

 

ALAMEDA VC.png

O antes e o depois. E pensar que este arboricídio está a ser cometido num momento em que o Planeta está a sufocar e a precisar urgentemente de AR PURO!

 

Foi hoje, por volta das 8h30 da manhã, que as moto-serras e máquinas, fortemente “protegidas” pela PSP, começaram a razia na bela alameda da Avenida do Cabedelo, e já foram cortados mais de uma dezena de belos e saudáveis plátanos. 

 

E havia uma providência cautelar, cuja sentença ainda não tinha sido proferida.

 

Assim sendo, como já todos pudemos comprovar, até pelo que aconteceu em Aveiro, que abateu uma alameda, à revelia da decisão judicial, os Tribunais, em Portugal não são necessários para absolutamente nada, porque qualquer presidente de câmara pode antecipar-se à justiça e tomar decisões, sem que sofra qualquer penalização.

 

Em que país estamos?

Obviamente, em PORTUGAL!

 

Estarão a aproveitar-se da pandemia, para abater árvores, e tornar o ar mais irrespirável, para despachar mais portugueses, porque o país está atafulhado de gente improdutiva…? Se não for isto, é algo parecido com isto, porque o que está a passar-se é do foro de um destrambelhamento mental muito acentuado. Ou será gato escondido com o rabo de fora?

 

Obviamente o que o tribunal decidir já não interessará para nada. E o pior é que esta febre já contagiou outros municípios, como Aveiro, Gaia, Espinho, entre muitas outras localidades, onde a sofreguidão de abater árvores está incontrolável.

 

Que interesses estarão por detrás disto tudo?

E os tribunais, que foram desautorizados, não terão uma palavra a dizer?

 

Faço minhas as palavras da activista Ana Macedo, que se tem batido arduamente, para que este arboricídio vianense fosse travado: «Se ainda há alguém que considere isto normal peço o favor de solicitar entrada no manicómio mais próximo...»  

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:23

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020

Desenhos de crianças em defesa das árvores na Avenida do Cabedelo [Viana do Castelo]

 

 Por Carmo Torres   

 

Árvores Cabedelo.jpg

Fotos: DR - Crianças lutam pelas árvores do Cabedelo

 

Vários desenhos de crianças foram colocados esta manhã nas árvores da Avenida do Cabedelo, em Viana do Castelo.

 

Este poderia ser um simples exercício escolar, mas é muito mais que isso, porque estas crianças responderam a um apelo dos adultos para, com os seus desenhos, tentarem impedir o corte destas majestosas árvores.

 

desenhos-arvores.jpg

 

«Cada um de nós pediu a crianças conhecidas para fazerem um desenho para tentar salvar as árvores. Hoje apareceram todos estes e lá andámos a colocar», explicou ao Diário do Distrito Ana Macedo, uma das promotoras dos protestos contra o abate destas árvores.

 

Os moradores estão em luta contra a decisão da Câmara Municipal de Viana do Castelo em abater várias árvores para a construção de uma rotunda de acesso ao novo parque industrial, e já o demonstraram com protestos no local, bem como através de várias providencias cautelares, a última através do PAN – Pessoas, Animais, Natureza.

 

Fonte:

https://diariodistrito.pt/desenhos-de-criancas-em-defesa-das-arvores-na-avenida-do-cabidelo/?feed_id=2440&fbclid=IwAR3aeN6QAusM0oW05yKWJyxuWAyyzZa75vzwNE2U1wZTN9gMmB_zEXU-AHQ

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:01

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 14 de Setembro de 2020

Abraçando as árvores, um grupo de cerca de 50 pessoas impediu o abate de 20 plátanos no Cabedelo, em Viana do Castelo

 

Senhores autarcas, penso que ninguém é contra a obra. Mas é a favor da obra, poupando as árvores. Que mudem o traçado do acesso ao porto de mar, poupando as árvores. É isso que se pretende. Infelizmente, vivemos num mundo em que certos empresários preferem respirar DINHEIRO, e não ar puro.

 

A obra é importante? As árvores também são importantes. São VIDA.

 

Portanto, há que fazer uma coisa apenas: MUDAR o traçado da obra. Simples, não? Naturalmente haverá engenheiros engenhosos que, engenhosamente, poderão mudar esse traçado e poupar as árvores, num Portugal que, desesperadamente, precisa delas.

 

Ah! Não vivo em Viana do Castelo. Mas sou pelos Plátanos que querem abater em Viana do Castelo. E, claro por um melhor acesso ao porto de mar. Mas é da INTELIGÊNCIA conciliar uma e outra coisa.

Sejam, pois, inteligentes!

 

Isabel A. Ferreira

Alameda de Viana.jpg

Eis os Plátanos que querem abater. Um verdadeiro crime ambiental.

Viana.jpg

Foto de Rui Manuel Fonseca

 

De acordo com a notícia da edição online da Rádio Alto Minho, a Associação dos Moradores do Cabedelo, em Viana do Castelo, avançou esta manhã com o embargo extrajudicial dos trabalhos de abate de 20 plátanos numa avenida que liga a Estrada Nacional 13 à praia e à zona habitacional daquela localidade.

 

A empreitada ia ser iniciada esta segunda-feira, contudo, cerca de meia centena de pessoas juntaram-se no local, e quando os trabalhos iam começar a Associação avançou com o embargo, um mecanismo legal que permite a suspensão imediata dos trabalhos. Associação tem agora cinco dias para formalizar o embargo extrajudicial no Tribunal de Viana do Castelo.

 

«O nosso objectivo não é inviabilizar o acesso ao porto de mar. Isto que fique bem claro. O que nós queremos é procurar uma alternativa a este traçado que evite o corte de árvores”, declarou Mariana Rocha Neves, porta-voz da Associação de Moradores, acrescentando: “Sempre estivemos convencidos de que esta obra seria feita através de um cruzamento, através do abate de três ou quatro árvores. Existe um pedido do INCF para classificar este arvoredo como de Interesse Público, pela sua idade, porte e enquadramento paisagístico”.

 

O abate das árvores provocou uma onda de contestação nas redes sociais. Deu também origem ao lançamento de uma petição online, que esta segunda-feira já reúne mais de mil assinaturas. Vereadores da oposição (PSD e CDU) na Câmara de Viana (PS) marcaram presença no protesto e anunciaram que vai ser solicitada a realização de uma reunião extraordinária do executivo para debater a questão do abate dos plátanos no Cabedelo.

 

Fonte da notícia:

https://radioaltominho.pt/noticias/associacao-de-moradores-avanca-com-embargo-extrajudicial-de-abate-de-20-platanos-no-cabedelo/?fbclid=IwAR3udwsGjnQJ29PLME1deBnIEoBjU2wIV98b18MXP6e-5VHvU4th0ivkp0s

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:11

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 13 de Setembro de 2020

Câmara de Viana do Castelo pretende abater 20 plátanos para construir rotunda

 

E pensar que isto acontece num país que precisa desesperadamente de ÁRVORES.

 

«A Câmara de Viana do Castelo começa, nesta segunda-feira, a abater cerca de duas dezenas de plátanos existentes na Avenida do Cabedelo, em Darque, para a construção da nova rotunda que irá permitir um novo acesso ao porto de mar.

 

A medida está a levantar críticas nas redes sociais por se tratarem de árvores antigas e emblemáticas naquela avenida, que possui 170 plátanos ao longo do curso.

 

Apesar da autarquia assegurar o investimento de 30 mil euros para a plantação de outras 200 árvores autóctones (pinheiro-bravo e sobreiro) em várias áreas do Cabedelo, as redes sociais não perdoam, e até Chico da Tina, músico em ascensão do Alto Minho, veio criticar a medida.»

Ler mais aqui:

https://ominho.pt/camara-de-viana-vai-abater-20-platanos-para-construir-rotunda/?fbclid=IwAR22xjvMLmx3Ej89qobAjJxQN_HnaB6YEvCGZF9P-eO6J6Z3r8faePLYLGY

 

Plátanos.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:37

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 16 de Maio de 2020

Covid-19 e touradas

 

«Sempre ouvimos dizer que o fim das touradas traria um grande drama social com milhares de desempregados. É falso
(Plataforma Basta de Touradas)

 

«As touradas não geram emprego nem contribuem para a economia do país.»

Desde o início da pandemia já foram canceladas 30 touradas e não se perdeu nada, muito pelo contrário, cerca de 200 touros foram poupados à tortura na arena (mas ao que dizem foram parar ao MATADOURO) e perderam-se zero empregos, porque os toureiros, os forcados os empresários tauromáquicos, entre outros, não vivem apenas de tourear. Tourear, para eles, é um hobby, tendo empregos principais que lhes dão o sustento.

São os próprios criadores de touros a dizer que só se dedicam a criar bovinos exclusivamente pela paixão das touradas, porque isso não é rentável. «O fim das touradas não vai trazer nenhum drama social como se comprovou em Viana do Castelo e na Póvoa de Varzim, muito pelo contrário, vai permitir a reconversão das praças de touros em espaços para serem utilizados por toda a população o ano inteiro e gerar dezenas de novos postos de trabalho» refere a Basta de Touradas.

Ainda de acordo com esta Plataforma, a própria criação de bovinos pode e deve ser reconvertida numa actividade de lazer e turismo da Natureza, para que todos possam desfrutar da mansidão dos bovinos no campo.

As touradas em nada beneficiam a sociedade portuguesa e a humanidade.

É tempo de evoluir para um Portugal mais civilizado, sem o derramamento do sangue de animais inocentes, indefesos e inofensivos, nas arenas de tortura, para que uma minoria sádica possa divertir-se alarvemente.

 

Touradas.png

 

Fonte: https://www.facebook.com/Basta.pt/photos/a.472890756075069/3210966018934182/?type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:38

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 12 de Março de 2019

A PEDIDO DO PAN, A ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE LISBOA DEBATE, HOJE, O FIM DAS TOURADAS NO “campo pequeno”…

 

… porque é necessário esclarecer as posições da Câmara Municipal de Lisboa (dona do terreno), da Casa Pia (dona do edifício) e do BCP (dono da entidade que explora a praça - a Sociedade de Renovação Urbana do Campo Pequeno).

VER EM DIRECTO:

 

campo pequeno.jpg

 

A Assembleia Municipal de Lisboa terá de olhar para o futuro do “campo pequeno”, num debate promovido pelo PAN, que invoca o fim das touradas na capital portuguesa.


Inês de Sousa Real, deputada municipal do PAN, referiu que, nesta fase, o partido quer ouvir os diferentes grupos municipais, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa sobre o futuro deste edifício, que é a nódoa negra da cidade de Lisboa.


A deputada do PAN salienta que «tendo em conta que a praça pertence à Casa Pia, através de um direito de cedência de superfície, feito pela Câmara Municipal sob a condição de não o transmitirem a terceiros e de ali realizarem corridas de touros e outras actividades, entendemos que estas duas entidades, sendo públicas e com missões muito específicas, devem promover esforços no sentido de reconverter a actividade que ali é prosseguida, e obviamente, através de iniciativas que não promovam o sofrimento animal».

Inês de Sousa Real realça ainda o facto de «a Casa Pia ter por missão proteger crianças e jovens e não realizar touradas, uma vez que não faz sentido, à luz da ética actual, ter a chancela destas duas entidades [Câmara e Casa Pia] na actividade que ali é prosseguida».

 

A deputada lembra ainda que o edifício, por pertencer a uma entidade pública, está isento do pagamento do imposto municipal sobre imóveis (IMI) no valor de nove milhões de euros ano, cujo beneficiário é a entidade que explora a praça, a Sociedade de Renovação Urbana do Campo Pequeno. Esta isenção, de acordo com a deputada, é vista pelo grupo municipal do PAN como uma "injustiça face a outros operadores económicos que trabalham quer na cidade, quer noutros municípios". Importando também debater o facto de a sociedade que explora a praça estar em processo de liquidação, após insolvência. A entidade, detida pelo BCP, deve vários milhões de euros — e cerca de 400 mil euros ao Estado.

 

Salienta ainda a deputada do PAN que «há neste processo questões opacas que têm de ser esclarecidas, questões como a prossecução da exploração do espaço através de uma entidade que está em processo de dissolução e liquidação, ou o facto de o banco, sendo o titular das quotas da sociedade, não promover a realização de outro tipo de actividades que não passe pelo sofrimento animal (…) Não estamos a dizer que queremos que a praça volte à Câmara Municipal, queremos que estas entidades promovam outros espectáculos que não corridas de touros".

 

Diz ainda a deputada municipal do PAN que «tendo uma dívida de 90 milhões de euros, certamente seria muito mais lucrativo prosseguir outras actividades do que as corridas de touros, que é uma actividade em declínio, com a qual os lisboetas não concordam» e cita uma sondagem da Universidade Católica que mostra que 89% dos lisboetas nunca assistiu a uma tourada no Campo Pequeno desde que a praça foi reinaugurada em 2006.

 

O mesmo estudo, de Maio de 2018, revela que 75% dos lisboetas é contra a utilização de dinheiros públicos para financiar ou apoiar touradas — e apenas 2% estão contra o uso do espaço para outros eventos que não touradas.


A esperança do PAN é a de que «os valores humanistas se sobreponham aos valores económicos e ao interesse da actividade tauromáquica, e que Fernando Medina acompanhe o repto do PAN, no sentido de se comprometer a que Lisboa venha a tornar-se numa cidade livre de touradas

 

Inês de Sousa Real afirma ainda que: «Temos noção da esfera de influência que Lisboa tem sobre o restante país. Acreditamos que nalgumas regiões do país em que possa estar mais enraizada a “cultura” tauromáquica possa ser um processo mais difícil, mais lento, mais moroso; mas não nos podemos esquecer de que por algum lado temos de começar a dar este exemplo. Viana do Castelo já se assumiu livre de touradas, Póvoa de Varzim também», o que a leva a acreditar no peso que o fim da tourada na capital pode ter na mesma luta no resto do território.


"Não faz qualquer sentido que Lisboa, que é uma cidade que se tem declarado amiga dos animais, que deu passos importantes, como ao criar a figura do provedor dos animais, que não existiam em mais lado nenhum do país; proibindo o abate de animais de companhia já em 2013, quando ainda não era uma obrigação ao nível de todo o país — acreditamos que também Lisboa tem de dar este passo em relação a outras actividades", realçou a deputada do PAN, lembrando ainda a proibição de circos com animais em espaços públicos.


«Queremos que efectivamente acabem as touradas em pleno coração de Lisboa», conclui Inês de Sousa Real.

 

Fonte de onde foi retirada a notícia:
https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/lisboa-assembleia-municipal-discute-o-fim-das-touradas-na-cidade-com-a-reconversao-do-campo-pequeno


***
Todos nós esperamos que efectivamente as touradas acabem não só em pleno coração de Lisboa, como em Portugal, para que este deixe de constar no rol dos países que ainda vive com um pé fincado na Idade Média.


Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:05

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2019

PAN LISBOA REPUDIA CELEBRAÇÃO DO “dia da tauromaquia”

 

O PAN repudia e todas as pessoas, dotadas de Sensibilidade e Bom Senso e, sobretudo, do sentimento maior do ser humano: a EMPATIA, repudiam esta “celebração” que envergonha até as pedras das calçadas da capital portuguesa, que será reduzida a uma localidade terceiro-mundista, no próximo dia 23 de Fevereiro.

 

CRIANÇAS EXPOSTAS À VIOLÊNCIA DA TAUROMAQUIA COM O APOIO DOS GOVERNANTES?

Isto só num Portugal cada vez mais pequenino e medíocre.

 

art-2320171_960_720-1040x585.jpg

 

O Grupo Municipal do PAN reagiu às práticas medievalescas que vão ser promovidas no dia 23 de Fevereiro e que pretendem expor de forma clara as crianças e jovens às práticas violentas da tauromaquia.

 

O PAN já questionou a Câmara Municipal de Lisboa relativamente às licenças para ocupação do espaço público neste dia e reitera que deve ser dado outro uso à praça do “campo pequeno”.

 

Face a esta loucura, o PAN Lisboa e todos nós reagimos com perplexidade e repúdio perante a intenção dos promotores do evento – a prótoiro – em torná-lo um acontecimento “para toda a família”.

 

As práticas medievalescas, inerentes à tauromaquia, vão decorrer no recinto do “campo pequeno” (pequeno em absolutamente TUDO) e no espaço público envolvente, pelo que o Grupo Municipal do PAN já questionou a Câmara Municipal de Lisboa sobre que licenças foram concedidas para este dia, para que locais, se houve isenção do pagamento de taxas e qual o tipo de actividades a que concretamente se destinam.

 

A intenção dos promotores desta vergonhosa iniciativa é levar a incultura tauromáquica a vários públicos, incluindo actividades antipedagógicas para crianças e adultos, nomeadamente “demonstrações e aulas de toureio e pegas”, como se isto interessasse às pessoas dotadas de Empatia, Sensibilidade e Bom senso! Como se isto fosse adequado às crianças!

 

Onde está a Comissão de Protecção de Menores e Jovens em Risco? Sim, porque estas crianças irão ser expostas à crueldade e violência, que, a exemplo do que já acontece, transformar-se-ão em adultos para os quais a crueldade e a violência farão parte das suas vidas, como sendo coisas normalíssimas?

 

Tais demonstrações antipedagógicas, ignoram por completo a recomendação da ONU para que as crianças não sejam expostas à violência física e psicológica da tauromaquia.

 

Numa altura em que várias cidades do país, como Póvoa de Varzim e Viana do Castelo, já se declararam livres de touradas, é incompreensível que a nossa capital permita não só a realização de eventos tauromáquicos como também a celebração deste dia, do qual pouco ou nada se tinha antes ouvido falar”, refere a deputada municipal Inês de Sousa Real.

 

O terreno onde a Praça de Touros se encontra instalada pertence à Autarquia e a Praça de Touros em si pertence à Casa Pia de Lisboa. Para o PAN e para todos nós, é incompreensível que estas duas entidades públicas não desenvolvam esforços para reconverter o uso que é dado àquele espaço e ignorem a crescente consciencialização da população para a protecção animal.

 

De referir também a situação jurídica pouco clara em que se encontra a Sociedade de Renovação Urbana do “campo pequeno”, que, apesar de dissolvida, detém ainda o direito de exploração do espaço. Mais grave ainda, quando o sector insiste em menosprezar o superior interesse das crianças e jovens, expondo-os a esta actividade violenta e cruel.

 

De acordo com o comunicado do PAN Lisboa, este compromete-se a acompanhar de perto as actividades previstas para o dia 23 de Fevereiro bem como, neste sentido, vai continuar a trabalhar por uma cidade livre de violência contra pessoas e animais.

 

E nós cá estaremos para fazer ECO.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da notícia e imagem:

http://pan.com.pt/na/amlisboa/2019/01/10/pan-lisboa-repudia-celebracao-do-dia-da-tauromaquia/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:38

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2018

Luís Campos Ferreira, deputado do PSD, toca música de tourada na hora da votação do IVA como se o hemiciclo fosse o “campo pequeno”

 

Inacreditável! Inadmissível! Indecoroso!

 

«Luís Campos Ferreira usou o telemóvel para tocar toque de entrada de toiros quando os deputados aprovaram a redução do IVA para as touradas. Foi nesse momento que se ouviu distintamente no Plenário um toque de entrada de touros, como se o Hemiciclo fosse o Campo Pequeno. A música vinha de uma das bancadas e provocou o riso de muitos dos deputados e até do presidente da Assembleia. Mas nem todos se aperceberam de onde vinha o som. O responsável foi o deputado do PSD Luís Campos Ferreira, eleito por Viana do Castelo», lê-se no Expresso.

Até o presidente da Assembleia, que devia manter o decoro no recinto e foi cúmplice de um acto obsceno, bem ao nível da obscenidade das touradas.

Quem enxovalha deste modo, um lugar onde a Nação se espelha, o que merece?

RUA com Luís Campos Ferreira!

 

TROGLODITA.jpg

Origem da imagem: Internet

E a notícia prossegue relatando que no momento em que Carlos César se levantou e olhou para trás, para ver quantos na sua bancada apoiavam a polémica proposta socialista de alteração ao Orçamento - feita à revelia do Governo e da direcção do PS (o que muito duvidamos) Campos Ferreira simulou o comentário de uma corrida de touros: "Aí está o Grupo de Forcados do Largo do Rato. Vai dar entrada o touro!" E pontuou a ironia com um sonoro "Olé!", e com esta música, emitida através do seu telemóvel.

 

 

Mas o pior foi que, «no final, depois de aprovada a proposta, foram muitos os deputados de várias bancadas que, nos corredores, cumprimentaram entre risos o parlamentar do PSD. E «questionado pelo Expresso sobre a sua original forma de intervenção parlamentar, Campos Ferreira considerou que "António Costa, habituado a tourear a oposição, foi desta vez toureado pelo seu líder parlamentar. Foi uma chinquelina de César a Costa."

 

Pois foi uma chinquelina que chincalhou (o mesmo que achincalhar) todo o Parlamento.

Uma vergonha!

 

Sinto-me esmagada com a irracionalidade destes deputados da Nação. Pobre Nação!

 

E como diz a amiga Judite: «Há muito tempo que a Assembleia de República é um local repleto de gente sem a mínima preparação para o cargo que ocupa, pessoas de um nível duvidoso, de educação duvidosa e de índole duvidosa. Não são exigidos os requisitos mínimos . Uma vergonha de gente que não sabe governar nem a própria conduta, quanto mais fazer ou aprovar ou reprovar leis que nos afectam a todos

 

E como diz o meu amigo José: «São criaturas desta estirpe que, cada vez mais, desprestigiam aquela Assembleia da República já num plano inclinado descendente de descrédito. Este fulano, então, desceu bem uns degraus de desrespeito para com aquela Instituição de Soberania, para  com os outros seus colegas, de qualquer dos lados e sobretudo para os  cidadãos deste país. Falta de educação e de cidadania. Uma vergonha.»

 

Grandes verdades.

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da notícia:

https://expresso.sapo.pt/politica/2018-11-28-Deputado-do-PSD-toca-musica-de-tourada-na-hora-da-votacao?fbclid=IwAR1KFdI2jt9AYVoe-aa0lK3tB6qTq-xGnNfudkE7vA-itC_f_ytIIDMm_OI#gs.kTuI=E8

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:40

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 11 de Junho de 2018

FIM DAS TOURADAS NA PÓVOA DE VARZIM?

 

VER PARA CRER…

 

AIRES PEREIRA.png

 

Numa entrevista à Rádio Onda Viva, Aires Pereira, Presidente da Câmara Municipal a Póvoa de Varzim, anunciou o fim das touradas na praça de touros da Póvoa de Varzim. As duas a realizar este ano serão as últimas. Diz-se.

 

Repare-se que se diz fim das touradas na praça, não se diz fim das touradas na Póvoa de Varzim.

 

Diz-se que o edifício será reconvertido para a realização de eventos culturais e desportivos, tal como aconteceu em Viana do Castelo.

 

Isto só vendo para crer. No ano em que Aires Pereira elevou a Póvoa de Varzim a “Cidade Amiga dos Animais” realizaram-se logo duas ou três touradas… Os Touros e os Cavalos não serão animais?

 

Gostaria de acreditar nisto.

 

As touradas podem até terminar na praça, mas onde os caçadores da Estela farão o seu evento troglodita? Numa arena amovível algures ali para o lado do Parque da Cidade?

 

Porque não elevar a Póvoa de Varzim a Cidade Livre de Touradas?

O compromisso terá de ser FIM.

E FIM é FIM.

Só esperando, para ver e depois crer.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte:

https://www.facebook.com/Basta.pt/photos/a.472890756075069.108951.143034799060668/1930391156991681/?type=3&theater

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:57

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 2 de Março de 2018

PENICHE DIZ NÃO ÀS TOURADAS!

 

Parabéns, Peniche!

 

Peniche é a primeira cidade portuguesa a juntar-se à Portugal Sem Touradas, declarando-se uma cidade livre de touradas, não patrocinando, nem promovendo actividades tauromáquicas.

 

Viana Do Castelo já se havia declarado Cidade Anti-Touradas em 2009.

 

Qual a próxima cidade a seguir estas pegadas de evolução?

 

PENICHE.jpg

Fonte:

https://www.facebook.com/redeportugalsemtouradas/photos/a.395217411992.170442.248592866992/10155134615656993/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:50

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Além da pandemia da Covid...

Desenhos de crianças em d...

Abraçando as árvores, um ...

Câmara de Viana do Castel...

Covid-19 e touradas

A PEDIDO DO PAN, A ASSEM...

PAN LISBOA REPUDIA CELEBR...

Luís Campos Ferreira, dep...

FIM DAS TOURADAS NA PÓVOA...

PENICHE DIZ NÃO ÀS TOURAD...

Arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt