Quarta-feira, 4 de Maio de 2022

Brothers In Arms Dire Straits For Ukraine

 

Uma das minhas Bandas (mais) preferidas, numa celebração à Ucrânia...
 
Associo-me a esta celebração.
 
Isabel A. Ferreira



 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 17:55

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 3 de Maio de 2022

«Portugal deve ser o único País, do Mundo, que coloca Russos, nas Autarquias, a receber Ucranianos refugiados»

 

Este é o Portugal dos pequeninos e dos toinos.

 

Se Dom Afonso Henriques soubesse ao que Portugal iria chegar, não teria fundado o País, porque mais vale não existir, do que existir VERGONHOSAMENTE, DESONROSAMENTE e ter gente MEDÍOCRE a (des)governá-lo.

 

Vejamos o que nos diz, a este respeito, Manuel Damas.

 

Isabel A. Ferreira

 

O TOINO.jpg

Texto de Manuel Damas

 

«Portugal deve ser o único País, do Mundo, que coloca Russos, nas Autarquias, a receber Ucranianos refugiados.
Inclusive Russos que nem sequer são funcionários das Autarquias.
E escrevi Autarquias e não Autarquia.
Porque não é apenas Setúbal.
Mas também Aveiro e Gondomar. E Portimão.
E suspeito que a lista de Autarquias envolvidas ainda não terminou.
Russos a receber Ucranianos?!...
Os mesmos Russos que invadiram a Ucrânia. E que torturaram e assassinaram Ucranianos...
E a fotocopiar documentos de identificação pessoal...prática proibida por Lei.

Aliás...


Também neste aspecto a "Lei" funciona à portuguesa ou seja...de socas...de madeira...
Ao contrário do que muitas notícias veiculadas na "imprensa" afirmam, não é proibido pedir a fotocópia do Cartão de Cidadão.
O que a lei diz, no n.º 2 do artigo 5.º, é que é ...
“interdita a reprodução do Cartão de Cidadão em fotocópia ou qualquer outro meio sem consentimento do titular”.
Ou seja, ninguém pode tirar uma cópia do seu Cartão de Cidadão... sem lhe pedir primeiro. Apenas...


Por isso a AR gasta, anualmente, milhões de euros com Sociedades de Advogados.
Para fazerem "leis"...mas com buracos. Convenientemente.
Buracos que só eles conhecem. E entre si traficam...sempre que necessário.
Posto isto...


Todo este tema tem sido gerido com artesanal falta de profissionalismo.
Por desfaçatez debochada. Por leviandade.
Provavelmente por os russos serem aqueles que, disponíveis, falavam ucraniano.
E assim se resolveu, com absoluta falta de profissionalismo, com evidente "nacional-parolismo", as eventuais dificuldades de comunicação.
Mas não justifica!


Há tradutores/intérpretes. Oficiais. Formais.
A estupidez bacoca e parola não pode justificar práticas ordinárias e levianas. Nomeadamente em serviços oficiais!
Porque se as Autarquias têm verba para pagar viagens ao Dubai aos seus gordos e anafados autarcas...tem que haver dinheiro para prestar serviços oficiais com qualidade e profissionalismo!
Colocar russos a receberem ucranianos...


Mas numa abordagem mais profunda o tema levanta outras questões. Mais "complexas"...
Os "Serviços Secretos Portugueses" não sabiam da existência de "associações" ilegais de russos em Portugal?
Não receberam concomitantes informações, a preceito, de congéneres Serviços Secretos Internacionais, que não fazem de conta que brincam aos bandidos e aos ladrões?
Ou foram informados e nada fizeram?


É que os ditos "serviços secretos" ainda que à portuguesa, recebem uma avultada verba, especificada em Orçamento de Estado anual, para existirem e funcionarem...ou, pelo menos, para fingirem que funcionam...
E se souberam, reportaram às devidas entidades, nomeadamente ao Ministério da Administração Interna e, em simultâneo, às Autarquias envolvidas?
Este assunto tresanda...


Mas merece ser acompanhado se, entretanto, não for "convenientemente apagado" da "imprensa" lusa...
Olhando-se para Portugal, cada vez mais fica a sensação de taberna...rasca e à rasca!
Oh Toino...serve aí mais um copito, home. É prá viagem!»

 

Fonte:    https://www.facebook.com/photo/?fbid=5253409458014307&set=a.133659383322699

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 27 de Abril de 2022

Ano de 2022 d. C.: milhões de crianças correm risco de morrer à fome, e gastam-se milhõe€ a fabricar armas que, apesar de proibidas, são usadas para matar crianças em guerras insanas

 

Que HUMANIDADE será esta, a do século XXI DEPOIS de Cristo?

 

Matar crianças.png

 

Pelo mundo milhões de crianças desnutridas estendem a mão por comida; em Mariupol (Ucrânia), as tropas russas usam armas proibidas, e não só, nas quais se esbanjam milhões de milhões de Euros, para MATAR milhares de pessoas inocentes e indefesas…

 

Como é possível que a INSANIDADE de uns poucos, que se arvoram em “donos do mundo”, prevaleça sobre a LUCIDEZ da restante Humanidade?

 

Algo de errado se passa.

 

Quanto mais o mundo avança na tecnologia, mais recua na mentalidade, e o regresso aos tempos bárbaros em que povos bárbaros, que nada mais sabiam fazer do que fazer a guerra, destruindo, saqueando, violando e MATANDO, em nome de uma psicopatia atávica, é uma terrível realidade.

 

[Descrição de um psicopata, para quem não sabe: é caracterizado por um desvio de carácter, ausência de sentimentos, frieza, insensibilidade aos sentimentos alheios, manipulação, narcisismo, egocentrismo, falta de remorso e de culpa para actos cruéis e inflexibilidade, com castigos e punições.]

 

Qualquer semelhança, com quem todos nós estamos a pensar, NÃO é mera coincidência. É a mais pura e cruel realidade.

 

As execuções na praça.

«As pessoas dirigiram-se para lá em multidão. Naquela época bárbara uma execução era um espectáculo a não faltar.

Gente devota assistia aos mais atrozes suplícios.

Um jovem nobre diz à noiva: estas pessoas vieram assistir à execução de criminosos [leia-se inimigos] e aquele com o machado e outros instrumentos é o CARRASCO, que está encarregado de os cortar aos pedaços. Esmagavam-lhes os dedos das mãos, que se ouviam os horríveis estalidos dos ossos. O carrasco atava-lhes as mãos e os pés a estacas preparadas para este efeito.

Destrói-se-lhes os membros na roda, ainda vivos, depois de várias torturas; por fim, cortam-lhes a cabeça e é o fim. Antes gritarão e agitar-se-ão

 

Diz Nicolai Gogol, autor do Livro «Taras Bulba» (século XIX) do qual retirei o anterior excerto: «Estes suplícios eram fruto de uma época brutal, em que a guerra interminável tinha endurecido os homens ao ponto de lhes tirar qualquer vestígio de humanidade. (…) Infelizmente a opinião e a autoridade dos mais sábios pesavam bem pouco, em comparação com a barbaridade dos magnates, homens de vistas curtas».

 

O que é que aquela época bárbara, como refere Gogol, difere da ACTUAL época bárbara? Apenas as armas, com que se MATAM homens, mulheres, crianças e velhos, diferem das daquela época bárbara. Tudo o resto, a brutalidade com que se matam pessoas inocentes e indefesas, a vontade exacerbada de vingança e de uma doentia pretensão imperialista, é a mesma brutalidade e a mesma vontade que move os actuais senhores da guerra, que invadiram um país livre, e estão a destruí-lo aleatoriamente, como o faziam os antigos magnates de vistas curtas.

 

As vistas curtas são o denominador comum, entre os tempos bárbaros de outrora, e os tempos bárbaros de agora.

 

Entretanto, noutras partes do mundo, há crianças que estão a morrer à fome, e a guerra da Rússia contra a Ucrânia está a levar mais fome a muitas mais partes deste nosso desventurado Planeta, onde vivem criaturas sem qualquer vestígio de humanidade…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:19

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 26 de Abril de 2022

«Bicadas do meu aparo: Polícia política portuguesa», por Artur Soares

 

«No mês de Junho de 2021, o país ouviu e leu que a Câmara Municipal de Lisboa tinha enviado dados pessoais, para a Embaixada da Rússia em Lisboa, de manifestantes russos, porque não Putinnistas, isto é, porque defensores da democracia e dos direitos humanos a serem praticados no seu país.

 

Feita uma auditoria aos serviços camarários, concluiu-se que mais dados pessoais tinham sido enviados a outras Embaixadas, devido a protestos verificados em Lisboa. Pelo que, a estes polícias políticos nos serviços camarários da capital, chamaram-lhe então o caso Russiagate.

 

O Russiagate foi anunciado em plena campanha eleitoral das eleições para as Autarquias locais de 2021, onde o presidente da Câmara era, como se sabe, o dr. Fernando Medina, que se recandidatava. Carlos Moedas do PSD, opositor a Medina, ganhou-lhe as eleições. O presidente da República, Marcelo R. de Sousa, ao ter conhecimento do caso, considerou-o “efectivamente lamentável” e Carlos Moedas em plena campanha pediu a demissão de Medina, pela polícia política interna – sob a sua liderança – ter fornecido dados pessoais de manifestantes estrangeiros, como os antigos bufos forneciam nomes à antiga p.i.d.e. de Salazar.

 

PCP ausente.png

 

Vive o Mundo inteiro, a guerra na Ucrânia iniciada por Putin, da Rússia. Presentemente a Ucrânia está a transformar-se no maior palco de uma guerra criminosa, onde a Rússia parece não querer desarmar: matam-se ucranianos a qualquer hora do dia e não se importa Putin onde caem as suas bombas: é tudo para devastar, é tudo para ser carne para açougues, melhor, carne para abutres ou para valas colectivas.

 

Porque esta é a realidade de um tempo que parece parado, vários países da Europa e não só, enxotaram – porque não aceitam a guerra na Ucrânia – os embaixadores russos a quem chamaram de personas non gratas. Portugal, copiando as atitudes de condenação dos outros países à guerra que se vive, expulsou dez funcionários russos, argumentando que são pessoas “contrárias à segurança nacional” e a nota governamental acrescenta que - ao expulsar os servidores de Putin – “reitera a condenação, firme e veemente, da agressão russa em território ucraniano”.

 

Ora o sr. dr. Fernando Medina, então presidente da Câmara de Lisboa, por amizade política a Putin, pois mandava-lhe para a Embaixada russa os dados pessoais dos seus opositores em Lisboa. Sendo amigo político de Putin, ou então seu servidor ou então seu assalariado, não conheceria Medina, o seu partido e o seu Governo quem era esse polícia do KGB, homem que tem vindo há mais de uma dezena de anos a contrariar a nova política da Rússia, iniciada por Mikhail Gorbachev?

 

Onde está a coerência política, o saber ou o sentido de estadista de Fernando Medina em Junho de 2021, e agora ministro do Estado português que concorda com a expulsão dos seus “amigos”, ou dos seus “donos”, russos?

 

Pertencemos, no momento que passa, a um Mundo onde a toxicose da política manda, mata e se marimba para valores, cultura, usos e costumes. Manda no cidadão toda a merda transformada em bifes, desde que esteja em causa a obtenção de dinheiro e de poder. Os ditadores do Mundo dão – sempre procuraram dar – em vez de pão, pedras e granadas e, em vez de peixe, ódio e armas. São a antítese do bem, são os que matam o milagre dos cinco pães de cevada e dos peixes, anunciado nas salas do cristianismo.

 

Busca-se a paz e toda a Europa fala na paz que Putin não quer, odeia. O presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, solicita à Europa que trabalhem e que lutem pela paz. Pede auxílios, dá sugestões e parece, na verdade, que se podia fazer mais pela paz e pela Ucrânia, onde o genocídio é o aroma que este país e este povo, respiram.

 

Portugal, por sugestão do partido PAN e por convite do presidente Marcelo e do presidente da Assembleia da República, convidaram o presidente Zelenskii da Ucrânia a discursar na AR. O dirigente ucraniano já informou que aceita falar, dirigindo-se aos deputados portugueses.

 

Pois este convite, este acolhimento, este testemunho de que Portugal está com o povo ucraniano e desejado pelos deputados portugueses, só teve um “senão”: o Partido Comunista Português, opôs-se a tal convite, condenou o convite e afirmou que a “Assembleia da República portuguesa não deve contribuir para o conflito”. O PCP, partido defensor de Josef Stalin e de Lenine, que foram causadores de várias dezenas de milhões de mortos para implantarem o comunismo, continua como nasceram: defensores dos genocídios até à obtenção do poder. Nem Álvaro Cunhal aceitou seguir Mikhail Gorbachev, nem Jerónimo de Sousa quer ouvir Zelenskii da Ucrânia.

 

Artur Soares

(O autor não segue o acordo ortográfico de 1990)»

 

(Nota: Volodymyr Zelensky falou ao Parlamento Português, depois deste texto ter sido escrito. E, de facto, o PCP não o quis ouvir na frente dos restantes deputados da Nação e dos Portugueses. Ouvi-o às escondidas, e depois veio opinar, diante dos microfones da comunicação social, pela boca da sua líder parlamentar, Paula Santos, que, sem se dar conta, enterrou o partido (que já estava enterrado até à cintura) até ao pescoço. A continuar assim, não tarda nada ficará completamente soterrado. – Isabel A. Ferreira)

O discurso de Zelenski, para Portugal, na íntegra:


 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:06

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 10 de Abril de 2022

«O lírio branco que queria ser roxo», um conto de Idalete Giga que tomo a liberdade de dedicar a TODAS as crianças do mundo, que sofrem com a insanidade das guerras

 

A poetisa Idalete Giga escreveu este conto para a Ana Miguel, neta de uma amiga, e também o dedicou aos meus netos.

 

Obrigada, amiga Idalete, em meu nome e em nome dos meus netos.

 

Tomo a liberdade de o dedicar, também, a todas as crianças do Mundo, nesta Páscoa, especialmente às crianças que estão a ser assassinadas, massacradas, violentadas esmagadas, separadas das famílias e dos pais, nas guerras, não só na da Ucrânia, que criaturas abomináveis andam por aí a fazer, em nome da estupidez, porque todas as guerras são estúpidas, nos tempos que correm, porque fazer guerras é um regresso a tempos antigos, em que imperavam mentalidades ainda primitivas, ignorantes, mesquinhas, cruéis, que achavam que só as guerras resolviam os problemas dos Povos. Nada mais falso. É o diálogo, ao redor de uma Távola Redonda, que resolve os problemas entre os Povos, no mundo actual. E nenhuma criança do mundo merece viver os horrores e as crueldades de guerras INSANAS, levadas a cabo por criaturas luciféricas, absolutamente despidas de qualquer sentimento humano.   

 

Todas as crianças merecem o privilégio de sonhar e viver as fantasias próprias da infância, e ninguém, NINGUÉM tem o direito de as privar da VIDA, e ceifar os seus sonhos, as suas fantasias, seja em nome do que for, muito menos em nome de absolutamente NADA. 

 

O desenho de Páscoa, que faz parte da fantasia das crianças, esta época, e que ilustra lustrarei o conto é da autoria do premiado autor de Banda Desenhada, Agonia Sampaio, porque só a ARTE pode resgatar a Essência Humana.



Isabel A. Ferreira

 

Páscoa Toné.png

 

«O lírio branco que queria ser roxo»

para a Ana Miguel

 

«Num cantinho do jardim quase-mágico da pequena vila de Arcos d´Órion nasceu um lírio branco numa linda manhã de Primavera. Era um lírio solitário, pois não havia mais lírios brancos à sua volta. Havia lírios roxos, mas viviam todos no outro lado do jardim. O pequeno lírio branco vivia mesmo à beira do caminho. Por aqui passavam muitas pessoas, sempre agitadas, sempre a correr de um lado para o outro. Ninguém parava um bocadinho para ver e cheirar o lírio solitário.

 

Por todo o jardim se ouviam pássaros a cantar e a improvisar ritmos encantatórios. Os melhores cantores eram os melros de bico amarelo. Mas havia também rouxinóis, pintassilgos, e pardais atarefados a construir os seus ninhos. Eram a delícia do lírio branco que passava os dias a ouvir o belo canto dos seus amigos do jardim quase-mágico.

 

O tempo ia passando e o lírio, um dia, ao olhar para as suas pétalas, viu que começavam a murchar. Então pensou: - deve ser por eu ser branco. Se eu fosse um lírio roxo não murchava assim e podia viver feliz durante toda a Primavera. Quem passasse neste caminho havia de parar um pouco, havia de olhar para mim e beber o meu perfume. E com estes tristes pensamentos começou a chorar convulsivamente.

 

O sol já tinha nascido e brilhava intensamente beijando toda a terra. O jardim quase-mágico também se ia transfigurando e ficando todo iluminado. O lírio, agora já não se alegrava com o canto dos seus amigos. Continuava a chorar. Então, uma criança que passava no cantinho onde vivia o lírio, ouviu os seus soluços, parou imediatamente e perguntou-lhe:

 

- Porque estás a chorar lírio branco? –

 

- Não quero ser branco. Quero ser roxo.

 

E olhando para aquela criança envolvida em luz que mais parecia um anjo, o lírio deixou de chorar e perguntou-lhe:

 

- Como te chamas? Onde é a tua casa? És tão linda!

- Chamo-me Lina e venho de muito, muito longe. Venho de Sírius.

- Sírius? Onde fica? É alguma cidade? É bonita?

- É a minha estrela.  Sabias, querido lírio, que é a estrela mais brilhante que há no céu? Fica na constelação de Órion.

- Constelação de Órion? Que lindo nome. Mas o que é uma constelação?

- É um grupo de estrelas, umas são muito brilhantes e ficam pertinho umas das outras. Todos os habitantes de Órion são como anjos e fadas. Eu e os meus amigos andamos a viajar por muitas estrelas e nesta Primavera viemos visitar todos os jardins do teu planeta que nós já visitámos muitas vezes.  Hoje, desci aqui no cantinho onde vives, porque te ouvi chorar, lírio branco. Porque é que tu queres ser roxo?

 

E o lírio, que tinha ficado encantado com a casa-estrela de Lina, recomeçou a chorar.

 

- Quero ser roxo porque as minhas pétalas seriam coloridas e assim, já todas as pessoas haviam de parar aqui para ver a minha cor e cheirar o meu perfume.

- Não chores mais, lírio branco.  Tu és lindo! Tenho uma surpresa para ti.

 

O mês de Abril estava quase no fim. Maio preparava-se para encher de flores o colo da Mãe-Terra. De repente, surgiram muitas nuvens no céu e começou a chover. Ao cair no jardim quase- mágico onde vivia o lírio branco, a chuva transformava-se em pequeninas estrelas prateadas. Então, Lina, a menina vinda de Sírius, ao proteger o lírio daquela chuva intensa, olhou para o céu e viu surgir um arco-íris tão radioso como jamais vira. A chuva parou.  Lina olhou ternamente para o lírio e pediu-lhe:

 

- Lírio branco, olha para o céu. Vês aquele arco-íris com cores tão belas?

- Ah! Sim, Lina, como são belas! Mas como posso eu ter todas aquelas cores nas minhas pétalas brancas?

- Olha querido lírio, tu és mais belo que o lírio roxo que só tem uma cor. Vou confiar-te um segredo. As tuas pétalas brancas escondem dentro de ti todas as cores que estás a ver no arco-íris. São sete: vamos contá-las e dizer os seus nomes.

 

 Então, Lina e o lírio, em uníssono, começaram a contar e a pronunciar lentamente, como uma lengalenga, cada uma daquelas belíssimas cores:

 

- Um-violeta/, dois-anil/três-azul/, quatro-verde/, cinco-amarelo/, seis-laranja/, sete-vermelho!

Depois de ver estas cores, o lírio ficou tão maravilhado e nem queria acreditar que as continha todas nas suas pétalas brancas.

 

- Estás feliz, lírio branco? Ainda tenho mais um segredo para te confiar. Cada cor do arco-íris esconde um som musical que tu podes ouvir sempre que quiseres. Todos os sons formam uma linda melodia que se chama a Música do Universo. Basta que olhes para o céu e feches os olhos. Ouvirás sempre esta Música.

 

Agora tenho de ir visitar outro jardim. Depois vou regressar à minha estrela e levo comigo um bocadinho do teu perfume. Nunca mais te vou esquecer. Adeus, lírio branco! És o lírio mais belo deste jardim que eu transformei num Jardim Mágico. E desapareceu como uma Fada dentro de um globo de luz azul e rosa.

 

O lírio branco, ao ouvir Lina, ficou muito pensativo e triste ao mesmo tempo por vê-la partir, mas também ficou muito feliz. Agora sabia que tinha dentro das suas pétalas não só as cores do arco-íris, mas também os mais belos sons musicais que existem na Terra e no Universo. Desde aquele dia, nunca mais chorou.

 

Quando os adultos passavam, sempre apressados, sempre a correr, só viam um lírio branco no cantinho do jardim agora mágico. Quando passavam crianças, todas paravam para ver o lírio branco. Viam as lindas cores do arco-íris e ouviam os sons musicais que as encantavam.

 

Idalete Giga                                                                                                              

Paço de Arcos, 8 de Fevereiro de 2022»

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 21 de Março de 2022

Mujica sobre a crise na Ucrânia e a “loucura da guerra”

 

«Qual o sentido da vida humana, se não somos capazes de reagir e sair da pré-história, porque considero que enquanto a guerra for uma maneira de desatar os nossos conflitos e de resolver os nossos conflitos, continuaremos na pré-história, com a única diferença de que a barbárie dos homens primitivos, dos humanos primitivos, parece brincadeira de criança comparada à barbárie do tempo actual». (Mujica)

 

 Obrigada, senhor Mujica. O senhor tem uma grande alma, é um grande ser humano, um Homo Sapiens Sapiens,  que veio do futuro.

 

Obrigada, por esta preciosa lição de humanidade.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:14

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 10 de Março de 2022

Presidente ucraniano denuncia ataque aéreo russo a hospital pediátrico e maternidade em Mariupol, uma criança de seis anos morta e vários feridos, incluindo grávidas…

 

Isto, a ser verdade, é um acto absolutamente ignóbil, cobarde, diabólico, insano, que deve ser energicamente repudiado e condenado como crime contra a Humanidade.



Não poderei ficar indiferente a tal acto bárbaro. Tomo partido, como sugere Elie Wiesel, porque assim deve ser. Recomendo a leitura dde todos os livros deste HOMEM, assim, em letras maiúsculas.


Não podemos ficar calados. Não podemos assistir à destruição dos Povos, apenas porque mentes insanas assim o querem.

 

Elie Wiesel.png

 

Já aqui disse que todas as guerras são estúpidas, porque assentam na mais gigantesca estupidez humana, e apenas humana, porque os animais não-humanos NÃO sofrem do mal da ESTUPIDEZ. Nada, absolutamente nada justifica uma guerra, a invasão de um Povo, ou a perseguição a seres humanos, por motivos étnicos. Não, nos tempos que correm.


Seria da inteligência do Homo Sapiens Sapiens que nenhum país do mundo tivesse exércitos, armas de qualquer espécie, muito menos, nucleares, químicas e biológicas. Isto só diz da IRRACIONALIDADE desses, que se dizem homens, e não passam de vis criaturas com forma humana.

 

O MAL maior da Humanidade é a INDÚSTRIA DAS ARMAS, que nenhum país, daqueles que as fabricam, está disposto a destruir. Muito pelo contrário: quanto mais guerras melhor, para encherem os cofres, à custa de milhares e milhares de mortos.

 

Quanta hipocrisia!


A Ucrânia foi invadida, e limita-se a defender-se. Se o invasor não tivesse armas, não invadiria a Ucrânia. Se a China não tivesse armas, não teria invadido o Tibete, em 10 de Março de 1959 (já hoje aqui recordei essa chacina), nem teria a pretensão de invadir Taiwan.

 

O tempo das invasões bárbaras já ficou lá muito para trás. É inadmissível, hoje, uma Síria, um Afeganistão, um Iraque, um Tibete, uma Ucrânia, e tantos outros povos oprimidos por TIRANOS que não são bem-vindos no mundo do século XXI d. C..

 

Todas as invasões são INSANAS.

Opressores do mundo: deixai os POVOS viver em Paz.

Destruí as armas. Não destruam VIDAS.



Nenhum Povo livre deve ser invadido. A ideia dos “impérios” é uma ideia obsoleta, que apenas mentes obsoletas e insanas desejam.

 

As armas destroem. Gastam-se fortunas a fabricar armas para destruir vidas e cidades inteiras, quando essas fortunas deveriam ser gastas para construir um mundo, onde TODOS os Povos, TODOS, pudessem viver em Paz e abastadamente.

Tanta fome no mundo, tantos países a precisar de ajuda humanitária, tanta seca, tanta desgraça, e um punhado, apenas um punhado, de gente insana tenta destruir o que tanto custou a construir.

 

Como é possível, no século XXI d. C. estarem a acontecer guerras, em nome de vontades imperialistas ridículas e de opressores insanos?



O mundo civilizado e livre exige que esta guerra sem sentido, que todas as guerras acabem imediatamente, e que a INDÚSTRIA das ARMAS seja destruída, a bem da Humanidade.



E os fabricantes dessas armas que vão plantar hortas, pomares, vinhas, searas, nos campos do mundo, e teriam, desse modo, muito mais utilidade.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:32

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

10 de Março de 1959 - Aniversário da Revolta Nacional Tibetana. Porque nenhum Povo deve ser invadido e subjugado por governos imperialistas e despóticos

 

«Na semana passada, divulgámos uma declaração de solidariedade em nome do Movimento pela Liberdade Tibetana, condenando a invasão da Rússia, a agressão em larga escala, e o ataque contra os valores globais da justiça, autodeterminação, e democracia. E apelámos aos governos mundiais para que tomassem as medidas mais fortes possíveis para dissuadir novas agressões e garantir a segurança e a liberdade do povo da Ucrânia  

 

Um texto que transcrevo do «Blog Contra a Tauromaquia, em Portugal e no mundo! Pelos  Touros, pelos Cavalos, e pelas Pessoas, pelos Direitos Humanos», da autoria de Mário Amorim.

Fonte:

unnamed.png

 

«Sublevação Tibetana!

 

Olá Mário

 

10 de Março, Aniversário da Revolta Nacional Tibetana, é uma das datas mais importantes do calendário tibetano.

 

Neste dia, em 1959, milhares de tibetanos de todos os estratos sociais levantaram-se em revolta contra a invasão e ocupação do seu país pela China.

 

Os protestos foram seguidos por uma brutal repressão em todo o Tibete, reclamando dezenas de milhares de vidas.



A cada 10 de Março, comunidades tibetanas exiladas, grupos tibetanos e apoiantes reúnem-se nas ruas de todo o mundo para recordar a coragem e a força dos tibetanos, e para manter viva a resistência.

 

E este ano, à medida que a brutal tentativa da Rússia de invadir a Ucrânia se desenrola diante dos nossos olhos, a ocupação de sete décadas do Tibete é mais pungente do que nunca.

 

Na semana passada, divulgámos uma declaração de solidariedade em nome do Movimento pela Liberdade Tibetana, condenando a invasão da Rússia, a agressão em larga escala, e o ataque contra os valores globais da justiça, autodeterminação, e democracia.


E apelámos aos governos mundiais para que tomassem as medidas mais fortes possíveis para dissuadir novas agressões e garantir a segurança e a liberdade do povo da Ucrânia.

 

in: https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2022/03/09/sublevacao-tibetana/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:54

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 9 de Março de 2022

O discurso de Volodymyr Zelenski ao Povo Russo, horas antes do ataque de Putin à Ucrânia

 

Um discurso brilhante que só os GRANDES HOMENS (reparem que não disse políticos) conseguem fazer, cheio daquela humanidade que vem da alma de um POVO.



Um discurso que talvez os Russos não tivessem ouvido, mas é um discurso que deve ser partilhado por todo o mundo.



Traduzi, das legendas em Castelhano, todo o discurso de Zelenski, que transcrevo depois do vídeo.


 
Slava Ukraini

Isabel A. Ferreira

 

 

Zelenski.png

 

- Hoje, telefonei ao presidente da Federação Russa.

- E qual foi o resultado? o silêncio.

- Todavia, o silêncio deveria estar em Donbass.

- Por isso, hoje, faço um apelo a todos os cidadãos da Rússia.

- Não como presidente. Mas como cidadão da Ucrânia.

- Partilhamos mais de 2.000 quilómetros de fronteira.

- Nela se encontra o nosso exército. Quase 200 mil soldados. Milhares de unidades.

- E o vosso líder deu luz verde para que avancem até nós.

- Até ao território de outro país.

- Este pode ser o primeiro passo para uma grande guerra na Europa.

- Em todo o mundo fala-se do que pode acontecer a qualquer momento.

- Qualquer provocação, qualquer fagulha que acabe incendiando tudo.

- Disseram-vos que essa chama trará liberdade ao Povo da Ucrânia.

- Mas o Povo da Ucrânia já é livre.

- Recordam o seu passado, estão a construir o seu futuro.

- Constroem-no, não o destroem, como vos dizem através da televisão.

- A Ucrânia que aparece nas vossas notícias e a realidade são diferentes.

- A diferença mais importante é que a nossa é verdadeira.

- Dizem-vos que somos nazis.

- Como podem chamar nazi a uma Nação que sacrificou oito milhões de vidas para acabar com o nazismo?

-Como posso ser um nazi, quando o meu Avô resistiu à guerra como membro da infantaria soviética,

- e morreu como Coronel de uma Ucrânia independente?

- Disseram-vos que odiamos a Cultura da Rússia. Como se odeia a Cultura?

- Os nossos vizinhos enriqueceram-nos culturalmente.

 - Isso não nos converte numa única entidade, tão-pouco nos separa.

- Somos diferentes, mas isso não é razão para sermos inimigos.

- Queremos construir a nossa própria História. pacificamente. Honestamente.

- Dizem-vos que dou ordem de atacar Donbass. Disparar sem perguntar.

 - Há duas perguntas afazer: disparar contra quem? Bombardear a quem?

 - Donetst? Onde já estive dezenas de vezes? Onde vi os seus rostos?

- Artema, onde estive andando com os meus amigos?

- O Estádio de Donbass? Onde apoiei a Selecção durante o Campeonato Europeu?

- O Parque Shcherbakova, onde fomos beber depois da derrota?

- Lugansk? O lar da melhor amiga da minha Mãe?

- Onde o seu Pai está enterrado?
- Estou a falar Russo.

- Ainda que ninguém na Rússia entenda o que estes nomes significam,

- estas ruas, estes acontecimentos.

- Tudo isto é desconhecido para vós. é a nossa terra, , a nossa história.

- Contra o que lutais? Contra quem?

- Muitos de vós, haveis visitado a Ucrânia, muitos têm família na Ucrânia.

- Alguns de vós, haveis estudado nas nossas universidades, feito amizades,

 - conheceis o nosso carácter, o nosso Povo, os nossos princípios.

- Sabeis que é o que mais apreciamos.

- Ouvi o vosso íntimo, o senso comum. Ouvi as nossas vozes.

- O Povo da Ucrânia quem Paz. As autoridades da Ucrânia querem Paz.

- Queremos Paz e fazemos tudo o que podemos.

- Não estamos sós. Muitos países apoiam a Ucrânia. Porquê?

- Porque não falamos na “paz a qualquer preço”.

- Falamos de Paz, Princípios, Justiça. O direito de decidir o nosso futuro, a segurança, e o direito de viver sem ameaças.

- Tudo isto é importante para nós. é importante para a Paz.

- Também é importante para vós.

- Temos a certeza de que não queremos uma guerra. Nem fia, nem quente, nem híbrida.

- Se nos ameaçam, se alguém tenta apoderar-se do nosso país, da nossa liberdade,

- das nossa vidas, das vidas dos nossos filhos… defender-nos-emos.

- Não atacaremos. Defender-nos-emos.

 - Se nos atacais, vereis o nosso rosto, não as nossas costas.

- A guerra implica pagar um enorme preço, em todos os sentidos.

- O Povo perde dinheiro, reputação, qualidade de vida, liberdade e a sua família.

- Perdem-se a si mesmos.

- Na guerra faltam muitas coisas.

- Mas o que há de sobra é dor, sujidade, sangue, morte.

- Milhares, dezenas de milhares de mortes.

- Dizem-vos que a Ucrânia é uma ameaça para a Rússia.

- Não era verdade antes, não é agora, nem será no futuro.

- Quereis garantias de segurança da NATO. Nós também.

- Queremos estar seguros de vós, da Rússia e de outras Nações.

- Não fazemos parte de nenhuma aliança de segurança.

- A segurança da Ucrânia depende da segurança dos nossos vizinhos.

 - Por isso, agora falamos da segurança de toda a Europa.

- Mas o nosso objectivo principal é a Paz na Ucrânia,

- a segurança dos nossos cidadãos, dos Ucranianos.

- Fazemo-lo saber a todos e avós também.

- A guerra acaba com todas as garantias. Ninguém terá segurança.

- Quem vai sofrer mais? É o Povo.

- Quem quer que isto pare, mais do que ninguém? É o Povo.

- Quem pode prevenir que isto se passe? O Povo.

- É certo que estas pessoas estão entre vós.

- Músicos, actores, atletas, cientistas, doutores, bloggers, comediantes, tiktokers…  

- Gente normal, gente sensível.

- Homens, mulheres, velhos, jovens, pais, e mais importante, mães,

- tanto quanto o Povo da Ucrânia, por muito que vos digam o contrário.

- Sei que este discurso não sairá na televisão russa,

-mas os cidadãos da Rússia têm que vê-lo. Têm que saber a verdade.

- A verdade é que isto tem de parar, antes que seja demasiado tarde.

- E se as autoridades da Rússia não querem falar connosco… talvez queiram falar convosco.

- O Povo da Rússia quer a guerra?

- Oxalá que pudesse responder a isto.

- A resposta depende de vós,

- cidadãos da Federação Russa.

- Obrigado.

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:15

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 8 de Março de 2022

Cores da Ucrânia na Embaixada da Rússia (Lisboa)

 

Uns jovens tiveram a brilhante ideia de projectar as cores da Ucrânia, na fachada da Embaixada da Rússia, em Lisboa.

Uma acção extraordinária, com uma mensagem de um simbolismo político de grande peso: RÚSSIA: acabem com esta guerra insana!

 

Isabel A. Ferreira

 

Cores da Ucrânia na embaixada russa (Lisboa).png

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
18
20
21
23
24
25
27
28
29
30

Posts recentes

Brothers In Arms Dire St...

«Portugal deve ser o únic...

Ano de 2022 d. C.: milhõe...

«Bicadas do meu aparo: Po...

«O lírio branco que queri...

Mujica sobre a crise na U...

Presidente ucraniano denu...

10 de Março de 1959 - An...

O discurso de Volodymyr Z...

Cores da Ucrânia na Embai...

Arquivos

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt