Quinta-feira, 17 de Maio de 2018

O QUE OS PORTUGUESES MAIS ESCLARECIDOS PENSAM ACERCA DA APROVAÇÃO DO FURO DE PETRÓLEO EM ALJEZUR

 

O mal-esclarecido governo português, ao serviço de interesses estrangeiros, aprovou furo de petróleo em Aljezur, ainda que contra a vontade esclarecida de milhares de portugueses.

 

O Dr. Vasco Reis, a mais ruidosa voz contra este atentado ambiental, escreveu este excelente texto que aqui reproduzo, como um grito desesperado, de um povo que assiste à derrocada irracional do seu País.

 

É a ditadura econocrata a ultrapassar todos os limites.

Faço totalmente minhas as palavras do Dr. Vasco Reis.

 

E abaixo este governo que está a destruir Portugal!

 

FURO DE ALJEZUR.jpg

Origem da Foto:

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/furo-em-aljezur-com-premio-europeu-de-pior-subsidio-a-combustiveis-fosseis

 

Texto do Dr. Vasco Reis (Médico Veterinário de Aljezur)

 

«Muitos políticos são medíocres de conhecimento, de carácter, subservientes, interesseiros, defendem interesses mesquinhos de grupos estrangeiros, nacionais e próprios, pouco lhes interessando a arte de bem governar.

 

Consta que alguns até sejam corruptos! De qualquer modo, pouco defendem a Natureza, o Ambiente, a Vida e o Bem-Estar de animais humanos e ainda menos, de não-humanos. Tudo é explorado para seu lucro próprio quando servem outros interesses, traindo o país, como quando servem interesses de petrolíferas, para dar um exemplo actual e bem destacado!

 

Por outro lado, muitos cidadãos são pouco cientes, mal informados, enganados, distraídos, abúlicos, medrosos e incapazes de exercerem o seu direito e dever de cidadania.

 

Nem conseguem destrinçar os políticos lastimáveis (estes são muitos) dos políticos decentes (que são poucos). Não reconhecem ninguém, criticam tudo, desconfiam de tudo e de todos, viram as costas à cidadania e acham que fazem bem! No entanto, deixam os políticos à vontade para fazerem o que bem apetece a estes, não tomam atitudes de defesa perante a agressão e exploração dos mal "eleitos".

 

Muito mais lhes interessam os futebóis e porradas criminosas que os jogadores e staff da equipa de futebol do SPORTING sofreram, o que aliás, também é importante!

 

E neste círculo vicioso vai-se desgraçando este país que devia ser nosso, a caminho da destruição, da poluição, do saque, da exploração sem escrúpulos!!!

 

Aqui vai um apelo desesperado: vamos levantar-nos e defender a Natureza, a qualidade do Ambiente que serve a qualidade da Saúde, a Economia, o Turismo, a nossa Identidade, a Soberania de Portugal!!!

 

Vamos mostrar que Portugueses e residentes solidários são capazes de defender o país contra a má governação pactuante com a destruição da nossa terra!

 

Sejam bem-vindos a Aljezur!»

 

***

 

A esta hora, frente à Câmara Municipal de Aljezur, está a realizar-se uma manifestação, com a palavra de ordem:

VIVA PORTUGAL PRESERVADO E SOBERANO!

 

A este propósito eis a posição do PAN - Partido Animais e Natureza

«A Agêndia Portuguesa do Ambiente existe para defender os valores ambientais e não para ser uma secretaria do Ministério da Economia. É assim com o petróleo, com as celuloses e com as suiniculturas

 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2017

A ILHA TERCEIRA NA BOCA DO MUNDO PELOS PIORES MOTIVOS – TAUROMAQUIA

 

Um texto capital, escrito pelo médico veterinário, Dr. Vasco Reis, em 26 de Janeiro de 2014, ainda actual, e que nos conduz pelo mundinho tauromáquico da Ilha Terceira, que envergonha o Arquipélago dos Açores, Portugal, o Mundo e a Humanidade com o que os terceirenses chamam “cultura taurina”, ou seja, a selvajaria das selvajarias, como podemos ver na imagem…

 

(Estou a pensar traduzir para Inglês estes e outros textos semelhantes, e enviá-los às agências turísticas de todo o mundo, para que se fique a saber que Portugal não é apenas a Ilha da Madeira, o Algarve, Lisboa e os seus hostals, o Porto e o Rio Douro. Existe este submundo que muito nos envergonha.)

 

COLTURA.jpg

 Esta imagem diz tudo sobre a “coltura” taurina da ilha Terceira….

 

«A PROPÓSITO DO III FÓRUM MUNDIAL DA CULTURA TAURINA NOS AÇORES

Um dos intervenientes pretende que os touros plantam biodiversidade???

 

Ou será uma falácia para servir a ânsia de inventar vantagens ambientais da criação de gado bravo que é explorado nas touradas???

 

A informação objectiva que eu tenho, é que o gado bravo ocupa largas áreas da Ilha Terceira, o que impede que essas áreas sejam percorridas por pessoas/turistas com gosto por passeios na natureza.

 

Por isso, tais potenciais turistas devem procurar outros destinos, que não a Ilha Terceira.

 

A presença desses animais representa um perigo para quem inadvertidamente, ou por não conhecer a zona, ande por ali.

 

Já aconteceram ataques por touros.

 

- A tourada à portuguesa implica uma enorme tortura para touros e cavalos e é degradante para a sociedade e para o prestígio do país.

 

- A Sorte de Varas como autorizada em Espanha, não é permitida em Portugal. É uma modalidade de tortura maquiavélica destinada a perfurar e destruir musculatura do pescoço do touro, que deixará de poder levantar a cabeça ao investir contra o toureiro. O animal sangrando, debilitado, torturado por dores fortíssimas, fica impossibilitado para a luta.

 

Agora as autoridades estão "generosamente" a autorizar este massacre para agradar aos visitantes do FÓRUM, desrespeitando a lei proibitiva.

 

- A tourada à corda é propagandeada como atractivo turístico e como evento festivo, muito interessante, popular, emocionante, desopilante, lucrativo, etc.

 

Na realidade o que ali acontece é grave:

 

- um grande sofrimento psicossomático para o touro, que arrisca ser ferido gravemente e até a morte;

 

- elementos do público, mais afoitos, mais exibicionistas, mais alcoolizados, mais estúpidos, menos ágeis, arriscam-se a sofrer acidentes mais ou menos graves e até mortais por quedas, colhidas pelo touro, síncopes, etc.;

 

- despesas várias, desde organizativas (policiamento, bombeiros, ambulância, pessoal médico e enfermeiro, médico veterinário. etc) até outras, mais do que prováveis, em consequência de acidentes, tais como, de exames clínicos, hospitalização, cirurgia, morgue, autópsia, funeral, tudo à custa de dinheiros públicos alimentados pelos impostos dos contribuintes;

 

Daí resulta uma reputação lastimável para a cultura, para a ética das gentes, das autoridades, da Ilha, da Região.

 

O interesse pelo turismo na Terceira fica muito abalado.

É enorme a vergonha que recai sobre a Ilha Terceira e os Açores, por tanta exploração, por tanta tortura, por tanta mentira!

 

Vasco Reis»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/vmmreis/posts/1219164091507302?notif_t=notify_me&notif_id=1485440731300468

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:37

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2015

MANIFESTO CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA SORTE DE VARAS NOS AÇORES

 

 

897819[1].jpg

É na tranquilidade dos pastos que devem viver os bovinos, nos Açores

 

Somos todos Açores e qualquer prática legalizada numa das nossas ilhas implicará a Região no seu todo.

 

Ora, a recente divulgação de que estará a ser preparada, por parte de um grupo de deputados à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, uma iniciativa legislativa que contempla a introdução da chamada “Sorte de Varas”, ou “Tourada Picada”, na ilha Terceira (o que significa, naturalmente, verter para os Açores essa pretensa legalização), tem gerado forte contestação na opinião pública. Muitas são as vozes, de todos os quadrantes da sociedade, mesmo entre os aficionados, que se têm posicionado contra esta prática de crueldade extrema para com o touro, proibida em todo o país e que não se reveste, nas nossas ilhas, de qualquer caráter cultural, tradicional ou identitário. Acrescente-se que se trata da terceira tentativa de legalização desta variante tauromáquica, tendo sido rejeitada em 2009 por parcos dois votos.

 

Somos todos Açores e, numa altura de forte aposta no Turismo Sustentável, no Turismo de Natureza, assente sobretudo no respeito ambiental e na estreita e harmoniosa ligação do Homem com a Terra e com o Mar, não consideramos compreensível esta pretensão, que remete para uma forma de sofrimento animal que não é admissível nos dias que correm, e que mancharia, cá dentro e para quem nos visita, a imagem dos Açores – abrindo, além do mais, gravíssimas fendas na sociedade açoriana, que se quer coesa e unida.

 

Somos todos Açores. Estas nove ilhas do verde e das águas límpidas, das belezas naturais e da comunhão com a Natureza, não merecem isto. Não merecem ficar conotados com uma nova forma de crueldade animal. Não merecem a mancha social e política que a legalização de uma prática deste teor traria para todo o arquipélago.

 

Porque somos todos Açores, e independentemente de a suposta iniciativa parlamentar chegar ou não à Assembleia Legislativa Regional, manifestamo-nos CONTRA a legalização da Sorte de Varas nos Açores.

 

(Segue-se uma extensa lista dos nomes dos subscritores, ao qual gostaria de acrescentar o meu, por concordar inteiramente com o teor deste manifesto)

 

Subscritores: Álamo Oliveira, Escritor; Alexandra Correia, Administrativa; Alexandra Patrícia Manes, Aux. Ação Educativa; Alexandre Pascoal, Sociólogo/Promotor Cultural; Álvaro Borralho, Prof. Univ.; Alzira Silva, Jornalista (ref.) e Ex-Dep. ALRAA; Ana Isabel Serpa, Prof; Ana Loura, Eng. Téc. Eletrotecnia; Ana Luísa Araújo, Hematologista; Ana Madeira, Prof.; Ana Paula Andrade, Pianista/Prof. Música; Ana Paula Marques, Prof. e Ex-Dep. ALRAA; Ana Rita Afonso, Prof.; Ana Teresa Almeida Bettencourt, Ass. Social; André Bradford, Dep. ALRAA; André Franqueira Rodrigues, Jornalista; Aníbal Pires, Dep. ALRAA; Aníbal Raposo, Cantautor; Antero Ávila, Músico/Compositor; António Inocêncio, Dirig. Sindical; António Lucas, Prof./Pres. SPRA; António Manuel Amaral, Deleg. Sindical SITAVA; António Teixeira Maduro, Téc. Sup. (ref.); Armando Mendes, Jornalista; Benilde Oliveira, Dep. ALRAA; Bruno da Ponte, Editor; Bruno de Jesus Pereira, Piloto; Carla Rita Couto, Secretária; Carlos Cordeiro, Prof. Univ.; Carlos Costa Neves, Dep. AR e Ex-Ministro da Agricultura; Carlos Enes, Dep. AR; Carlos Frazão, Maestro; Carlos Arruda, Ortopedista; Carlos Manuel Martins do Vale César, Ex-Presidente do Governo Regional dos Açores; Carlos Medeiros, Músico; Carlos Mendonça, Fisioterapeuta/Pres. CMN e Ex-Dep. ALRAA; Carlos Oliveira, Prof.; Carlos Ribeiro, Prof. Univ.; Catarina Fraga, Dentista; Catarina Moniz Furtado, Dep. ALRAA; Catia Benedetti, Prof. Univ.; César Gonçalves, Médico Cl. Geral; Chrys Chrystello, Jornalista; Cipriano Pacheco, Padre; Clara Queirós, Prof. Univ. (ref.); Daniel Gonçalves, Prof./Escritor; Daniel Pavão, Prof; Davide Santos, Biólogo; Dinarte Oliveira Melo, Gestor; Diogo Caetano, Geólogo; Duarte Melo, Padre; Eduardo Ferraz da Rosa, Prof. Univ.; Elsa Violante Cavaleiro Lobo Ferreira, Téc Reinserção Social; Emanuel Couto, Solicitador; Emanuel Jorge Botelho, Prof. (ref.)/Escritor; Emília Mendonça, Prof (ref.).; Fabíola Jael Cardoso, Prof.; Fátima Mota, Prof. (ref.)/Galerista; Fernando Lopes, Prof Univ. e Ex-Dep. ALRAA; Filipe Cordeiro, Coord. Secção PDL do SBSI; Filipe Tavares, Produtor/Realizador; Filomena Maduro, Funcionária da ALRAA (ref.); Francisco César, Dep. ALRAA; Francisco Wallenstein Macedo, Biólogo; Gilberta Rocha, Prof. Univ., Dir. CES-UA e Ex-Dep. ALRAA; Graça Silva, Dep. ALRAA; Guilherme Figueiredo, Reumatologista; Hélder Medeiros (Helfimed), Téc. Sup./Humorista; Hélder Silva, Prof. Univ., Dir do DOP-UA e Ex-Dep. ALRAA; Henrique Schanderl, Prof. Univ.; Herberto Gomes, Jornalista; Hernâni Jorge, Jurista e Ex-Dep. ALRAA; Hugo Arruda, Magister d'Os Tunídeos; Inês Soares Sá, Secretária; Ivo Machado, Escritor; Joana Borges Coutinho, Empresária; Joana Félix, Poeta; Joana Sarmento, Eng. Ambiente; João Cordeiro, Ass. Imprensa; João de Melo, Escritor; João Decq Mota, Coord. USH; João Stattmiller, Sociólogo; Jorge Barata Almeida e Sousa, Eng. Mecânico; Jorge Kol, Arquiteto; Jorge Macedo, Dep. ALRAA; Jorge Santos, Neurologista, Pres. Deleg. Açores Ordem dos Médicos; José (Zeca) Medeiros, Realizador e Músico; José Andrade Melo, Prof.; José Carlos Frias, Empresário; José Cascalho, Prof. Univ., Ex-Dep. ALRAA; José Couto, Advogado; José de Sousa Rego, Prof. e Ex-Dep. ALRAA; José Decq Mota, Pres. C. Naval da Horta, Ex-Dep. ALRAA; José Gabriel Ávila, Jornalista (ref.); José Guilherme Reis Leite, Ex-Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores; José Manuel Santos Narciso, Jornalista; José Maria Cardoso Jorge, Chefe do Núcleo de São Miguel do CNE; José Maria Pacheco (Tia Maria do Nordeste), Bancário (ref.); José Maria Teixeira Dias, Prof. Univ. (ref.); Labieno Moniz Furtado, Empresário; Laurindo Frias, Pneumologista; Lídia Bulcão, Dep. AR; Lizuarte Machado, Dep. ALRAA; Lúcia Arruda, Jurista; Lúcio Rodrigues, Dep. ALRAA; Luís Alberto Bettencourt, Realizador de TV e Cantautor; Luís Banrezes, Promotor Cultural; Luís Noronha Botelho, Prof. (ref.); Luiz Fagundes Duarte, Prof. Univ.; Luz Paramio, Oceanógrafa; Manuel António Santos, Ouvidor de S. Jorge; Manuel Conde Bettencourt, Prof.; Manuel Faria, Tenente Coronel (na reserva); Manuel Moniz, Jornalista; Marco Coelho, Oficial de Placa; Marco Melo, Veterinário; Mª Alexandra Pacheco Vieira, Advogada; Mª Antónia Fraga, Prof (ref.); Mª das Mercês Pacheco, Empresária; Mª do Carmo Barreto, Prof Univ.; Mª do Céu Guerra, Atriz; Mª Fernanda Mendes, Psiquiatra e Ex-Dep. ALRAA; Mª Helena Frias, Livreira; Mª Isabel Lopes, Enfermeira; Mª Manuel Arruda, Prof. (ref.); Mª Margarida Lopes, Designer; Mário Abrantes, Eng. Silvicultor; Mário Furtado, Prof./Pres. Junta da Matriz da RG; Mário Roberto Carvalho, Artista; Marta Cabral, Veterinária; Marta Couto, Dep. ALRAA; Martim Cymbron, Artista Plástico; Martinho Baptista, Empregado Comercial; Miguel Balacó Amaral, Veterinário e Pres. CR Açores Ordem dos Médicos Veterinários; Milagres Paz, Bailarina e Prof. Dança; Milton Mendonça, Bancário/Vice-Pres. CMN; Milton Sarmento, Advogado; Nélia Amaral, Psicóloga e Ex-Dep. ALRAA; Nélio Lourenço, Sociólogo; Nelson Cabral, Ator e Encenador; Nuno Tomé, Jurista; Onésimo Teotónio de Almeida, Prof. Univ. e Escritor; Orlando Guerreiro, Eng. Ambiente; Paulo Borges, Prof. Univ. e Ex-Dep. ALRAA; Paulo Linhares Dias, Advogado; Paulo Marques, Coord. USSMSM; Paulo Matos, Técnico de Óticas; Paulo Mendes, Psicólogo e Ex-Dep. ALRAA; Paulo Pacheco, Veterinário; Paulo Sanona, Ajudante de Reabilitação; Paulo Santos, Advogado; Paulo Valadão, Veterinário e Ex-Dep. ALRAA; Pedro Bradford, Acupunctor; Piedade Lalanda, Prof. Univ. e Ex-Dep. ALRAA; Renata Correia Botelho, Dep. ALRAA; Ricardo Rodrigues, Advogado, Pres. CMVFC e Ex-Dep. AR; Ricardo Serrão Santos, Prof. Univ./Eurodeputado; Rita Blanco, Atriz; Roberto Correia Batista, Secretário; Rogério Sousa, Promotor Cultural; Rogério Veiros, Dep. ALRAA; Rosa Chaves, Designer de Comunicação; Rui Coutinho, Prof. Univ.; Rui Goulart, Jornalista; Rute Rocha, Professora; Sandra Medeiros, Dermatologista; Sara Carreiro, Administrativa; Sara Coutinho, Jornalista; Sílvia Torres (Sonasfly), Cantautora; Sónia Pastor Furtado, Secretária; Sónia Nicolau, Prof.; Suzete Frias, Psicóloga e Pres. Dir. ARRISCA; Tânia Fonseca, Psicóloga/Vice-Pres. CMRG; Teófilo Braga, Prof.; Tiago Matias, Ass. Imprensa; Tiago Miranda, Pres. Juv. Monárquica dos Açores; Tiago Redondo, Secretário; Tomás Silva, Arquiteto; Urbano Bettencourt, Prof. e Escritor; Urbano Resendes, Artista Plástico; Valentina Matos, Bióloga; Vamberto Freitas, Prof. Univ. e Escritor; Vera Pires, Func. SATA; Vítor Marques, Promotor Cultural; Vítor Silva, Coord. CGTP Açores; Zuraida Soares, Dep. ALRAA.

 

***

Maria João Oliveira, deixou um comentário ao post MANIFESTO CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA SORTE DE VARAS NOS AÇORES às 03:03, 2015-02-07.

Comentário:

Subscrevo, integralmente, o teor deste Manifesto. A beleza dos Açores não pode ficar manchada de sangue inocente. E os culpados deste flagelo não imaginam quanto sofre também quem ama estes pobres animais e se sente impotente, perante tão bárbaros e arcaicos "espectáculos"! Chegamos a perder o sono, mas os culpados é que o deviam perder, se tivessem um pouco de consciência, pelo menos. Por favor, acabem com essas práticas cruéis! Se tentarem interiorizar o sofrimento dos touros, tudo mudará. O que era importante para vós, deixará de o ser. E o mundo se tornará mais humano e fraterno!

***

Obrigada, Maria João, pelo seu contributo para a evolução de um Arquipélago que também é nosso.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

NA INTERNET EXISTE UM EXCELENTE SITE PARA QUE OS TURISTAS FAÇAM ESCOLHAS ACERTADAS E NÃO VISITEM PAÍSES QUE PRATIQUEM CRUELDADE CONTRA ANIMAIS

 

Um turismo responsável, esclarecido, livre de culpa e humano
(O turismo que eu própria pratico, fora e dentro de Portugal)

 

E na lista dos países marcados com um cartão vermelho está obviamente Portugal, Espanha, França e “partes” da América Latina (ex-colónias espanholas)

Que vergonha!

 

 

Link do site:

 

http://right-tourism.com/issues/#sthash.2FZmumQe.dpbs

 

 

Depois de se explicar o que é a tourada,  diz-se neste site:

 

A tourada ocorre em um número relativamente pequeno de países de todo o mundo, incluindo Espanha, Portugal, França, Colômbia, México, Venezuela, Peru, Guatemala e EUA (nos Estados Unidos a selvajaria foi introduzida por portugueses broncos). Um número muito maior de países proibiu as touradas por lei. Estes países são Argentina, Canadá, Cuba, Alemanha, Itália, Holanda, Nova Zelândia e Reino Unido. Veja mais em

 

http://right-tourism.com/issues/cruel-sports/bull-fighting/#sthash.ubmtiRGE.dpuf

 

Como gostaria que Portugal constasse da lista dos países que proibiram a selvajaria POR LEI… (porqueuma vez que por evolução de mentalidades nunca mais lá chegaremos…!

 

Infelizmente, existe uma lei em Portugal que legitima a violência, a tortura e a crueldade exercidas cobardemente sobre seres vivos indefesos, encurralados numa arena, e maus tratos psicológicos e físicos (escolas de toureio e permissão para assistir à selvajaria) a crianças menores de 18 anos, e a famigerada ilegalidade cometida por autoridades absolutamente incompetentes.

 

E andam os governantes portugueses, pelas televisões, a apregoar uma civilidade que eles próprios não têm. (Quando estiverem a ser filmados, lembrem-se de que milhares de portugueses, em Portugal e no mundo, estão a pensar: «que grandes treteiros!»

 

Que ideia os turistas cultos fazem deste nosso pobrezinho país em moral e cultura!

 

Quando viajo e me deparo com comentários a este respeito, socorro-me da época dos descobrimentos, do pioneirismo na pena de morte… enfim em nobres coisas que os nossos antepassados, tão criticados pelos que vivem no século XXI (talvez por uma inveja desmedida) fizeram e deixaram para a posteridade, e tudo foi destruído, e admito, com muita mágoa, que os governantes, meus contemporâneos, são absolutamente retrógrados e um autêntico fracasso, enquanto governantes!

 

Poor things!

publicado por Isabel A. Ferreira às 09:28

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 29 de Julho de 2014

DEZ ARGUMENTOS A FAVOR DA TOURADA

 

(Magnífico texto)

 

 

In POR FALAR NOUTRA COISA

http://porfalarnoutracoisa.blogspot.pt/2014/07/10-argumentos-favor-da-tourada.html

 

Já escrevi sobre tourada mas senti que me tinham faltado algumas coisas, e como a semana passada foi assunto quente, aqui ficam opiniões que são minhas. Deixo-vos com 10 argumentos a favor da tourada.

 

A TOURADA É TRADIÇÃO E CULTURA

 

É uma actividade que remonta ao século XII, altura em que a maioria das pessoas não sabia ler nem escrever, em que a consciência humana e social era quase nula e ainda se cagava em penicos. Por si só este argumento é parvo, já que os coliseus romanos, queimar bruxas na fogueira e a escravatura também eram tradições culturais de tempos antigos. Felizmente vamos evoluindo enquanto espécie, alguns pelo menos, e vamos adaptando as nossas tradições aos valores da sociedade.

 

SÓ VÊ QUEM QUER, SÃO GOSTOS E TEMOS QUE RESPEITAR

 

Sim, a liberdade de opinião é sempre de valorizar. Tem que existir toda a liberdade para se ser parvo é um facto, que é o que este argumento é. Comentaram uma vez aqui no blogue a dizer "Eu também não gosto de boxe, quando está a dar na TV mudo". Comparar boxe com tourada é o mesmo que comparar violação com sado-masoquismo. Ambos fazem dói-dói mas num estão lá os dois por livre vontade. Quando se fala de direitos e civismo, o gosto e a liberdade não são para aqui chamados, muitos padres também gostam de criancinhas e não é por aí que se vai legalizar a pedofilia.

 

NÃO COMES CARNE?

 

O argumento mais parvo de todos que infelizmente é utilizado por muitos vegans para atacar quem não o é, em vez de apoiarem quem está a tentar acabar com a tourada. Comer carne só seria comparável à tourada se começassem a cobrar bilhete para ir ao matadouro assistir ao break dance que as vacas e os porcos fazem quando estão a ser electrocutados. Com direito a transmissão televisiva e a desfile de homens de calças vermelhas, mulheres oxigenadas com filhos de cabelo à playmobil pela mão a dizer "Veja Martim, veja a vaca a contorcer-se, se não fosse tradição e cultura era horrendo, agora assim é uma caturreira." E eu até sou vegan não praticante como já aqui escrevi.

 

OS TOUROS BRAVOS ESTARIAM EXTINTOS SEM AS TOURADAS

 

E então? 99% das espécies que já existiram estão extintas. Não fomos nós que as matámos todas, é o curso da natureza. Se for de forma natural é deixá-las ir, não faz muito sentido, a meu ver, manter uma espécie viva para lhe causar sofrimento. Esse argumento seria o que os apoiantes da escravatura utilizariam se a raça negra se estivesse a extinguir. Antes extintos do que escravos, digo eu que nunca fui escravizado mas pelo que li não devia ser agradável.

 

O TOURO NÃO SOFRE

 

Este argumento é parvo. Já viram que há um padrão nos argumentos? Não digo que sofra mais que em muitos matadouros, provavelmente sofre menos, mas não é isso que está em causa. É o espectáculo deprimente que se monta à volta de um animal que está a ser espicaçado e sangrado. Mesmo que as bandarilhas não lhe doam assim tanto, não justifica a ritual medieval que hoje em dia é mais para agradar à direita "chique" do que ao povo. Ver pessoas na plateia a tapar a cara de horror, mas que vão na mesma porque está na moda... era um par de chapadas à padrasto para aprenderem.

 

OS TOUROS SÃO ANIMAIS AGRESSIVOS E NASCERAM PARA A LIDE

 

Os touros são animais territoriais e selvagens e como tal, quem lhes invada o território sujeita-se a levar com um chifre nas nalgas. Fora isso são animais normais colocados entre a bandarilha e parede, onde se vêem forçados a marrar nos forcados. Nunca vi um touro a andar a vaguear à noite, escondido em esquinas e becos à espera de uma rapariga perdida para a violar. Nunca vi gangues de touros com lenços na cabeça a arranjar confusão no bairro alto. No entanto os humanos fazem isso e nós, infelizmente, não os pomos numa arena a serem espetados com bandarilhas no lombo. Agressivo e parvo é o ser humano, uns mais que outros.

 

É UMA ARTE BONITA DE SE VER

 

Também é bonito ver mulheres nuas na rua (algumas) e não é por isso que é legal. Infelizmente. A definição de arte e a beleza são subjectivas, se o Da Vinci para a tinta dos seus quadros tivesse utilizado bebés e um espremedor de laranjas, também continuavam a ser obras de arte, mas os meios não justificavam os fins. Cá para mim a arte que os aficionados se referem é ver a tomatada dos toureiros ali toda pronunciada no meio dos collants e lantejolas, normalmente de tons rosas e amarelos. Sim, é realmente uma arte conseguirem arrumar aquilo para um lado e ainda conseguirem andar como deve ser.

 

ATRAI TURISMO

 

Acredito que sim, mas sabem o que também atrai turismo? Prostituição e drogas. Há até quem vá a certos países de 3º mundo para comer criancinhas. É esse o turismo que queremos ter? Eu cá passo bem sem os estrangeiros que querem ver um animal a sofrer, prefiro mil vezes um grupo de 10 ingleses bêbedos a vomitar.

 

DÁ EMPREGO A MUITA GENTE

 

O desemprego é na sua maioria mau, mas há muita gente que está desempregada porque ou não quer trabalhar ou não tem capacidades para fazer nada. Se a tauromaquia é a única coisa que se sabe fazer na vida então se calhar o desemprego é justo. Sem subsídio neste caso se faz favor. Mais uma vez, a droga e a prostituição também dão emprego a muita gente, a diferença é que no caso da droga e da prostituição a legalização iria diminuir o número de pessoas que estão nessa vida contra a sua própria vontade.

 

PREOCUPEM-SE ANTES COM OS CÃES ABANDONADOS

 

As coisas não são mutuamente exclusivas. A questão é que uma acontece às escondidas (e agora já é crime), a outra passa na RTP. É normal que chame mais à atenção. Não acho que quem goste de tourada seja automaticamente atrasado mental e má pessoa como acho de quem abandona um cão. Quem faz isso a um animal com o qual conviveu e devia ter criado laços, para o deixar a sofrer algures na beira de uma estrada ou numa mata, devia morrer. Quem faz isso é impossível ser uma pessoa decente e devia estar numa arena a ser sodomizado por uma manada de touros com elefantíase do pénis. O touro sempre tirava algum prazer assim.

 

Por falar na nova lei que criminaliza os maus tratos a animais, como sabem só se aplica aos de companhia. Será que se eu tiver um touro amestrado lhe posso espetar ferros no lombo para o ensinar a dar a sentar e dar a pata? E os circos a mesma coisa, aliás os circos com animais e as touradas têm um ponto em comum, ambos maltratam e exploram seres vivos contra a sua vontade e ambos têm palhaços, no caso das touradas costumam estar também nas bancadas.

 

***

 

Posto isto, quero apenas terminar dizendo que respeito muito mais quem gosta de tourada e diz que gosta porque sim, porque cresceu com isso e não está preocupado com o touro. Que o sofrimento do animal não o preocupa. Respeito muito mais quem tem essa honestidade do que quem tenta dar um destes argumentos parvos que fazem tanto sentido como a tourada ainda existir. Nenhum.

 

PS - Quem gostou, pode ler também este texto. Quem não gostou, pode ir lá deixar ofensas.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:35

link do post | Comentar | Ver comentários (14) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 13 de Novembro de 2013

«MAIS TORTURA ANIMAL – GOLEGÃ CORRIDAS DE CAVALOS»

 

«Os abusadores de animais continuam a procurar novas fórmulas de enriquecer à custa do sofrimento animal. No penúltimo dia da Feira do Cavalo, que teve lugar na Golegã, foram introduzidas, pela Câmara Municipal, corridas de cavalos.

 

 

Estaremos em 2013 ANTES de Cristo?

 

De acordo com o presidente Rui Medinas, é uma forma de desenvolver a economia da região e até do País. E vai mais longe afirmando: “Agora é preciso que o poder político perceba que esta pode ser uma actividade económica de interesse e que crie legislação adequada.”

 

Apelou ainda à Santa Casa para que crie um sistema de apostas.

 

Será que esta gente não consegue compreender de uma vez por todas, que os animais não existem para serem sistematicamente explorados e torturados em actividades lúdicas!

 

E não nos venham dizer que não existe tortura nas corridas de cavalos. Os cavalos são drogados para aumentar a performance e milhares de cavalos morrem anualmente. E os que não morrem durante as corridas mas sofrem lesões são posteriormente abatidos porque já não servem para competir.

 

Este tipo de actividade, tal como a tauromaquia, é execrável e não desenvolve a economia nem da região nem do país bem pelo contrário não só afasta turistas como mancha a imagem de Portugal.

 

Prótouro

Pelos touros em liberdade»

Fonte:

http://protouro.wordpress.com/2013/11/12/mais-tortura-animal-golega-corridas-de-cavalos/comment-page-1/#comment-2009

 

***

COMENTÁRIOS:

 

Concordo completamente com esta crítica do PRÓTOURO!

 

As corridas de cavalos são controladas por uma máfia terrível, que, por vaidade, por ambição, por ganância, pelo sistema de apostas, manipulam, corrompem. Cavalos são explorados, dopados, sacrificados até ao limite, sem escrúpulos.

 

Infelizmente, as corridas de cavalos atraem público pela emoção da competição, pela beleza e generosidade dos animais, e ainda pela tentação/ chegando até ao extremo do vício das apostas.

 

Muito público não prima por cultura científica biológica, por respeito pelos animais, por ética, por compaixão. Deixa-se levar por curiosidade, exibicionismo, “voyeurismo”, sede de emoções, pelo gosto da aposta.

 

Enfim, pouco pensarão no muito esforço, risco, sofrimento do veloz animal.

 

A pouco compassiva e, talvez, pouco escrupulosa, Santa Casa da Misericórdia pode ver aí um filão para lucros num sistema de apostas.

 

Os ganadeiros, ameaçados de falência pelo progressivo desinteresse do público pela tauromaquia e habituados a explorar animais, podem virar-se para aí.

 

Da parte da governação não se espera a força do conhecimento, da ética, da compaixão, da decência em relação a esse extraordinário ser, o cavalo.

 

O que resta para tentar evitar mais essa fonte de exploração e sofrimento para o cavalo é um competente, consequente, insistente alerta muito divulgado sobre esta desgraça que se poderia esperar!!! (Dr. Vasco Reis – Médico Veterinário)

 

***

Faço minhas as palavras do Dr. Vasco Reis e a crítica da Prótouro.

 

Explorar o magnífico ser que é o Cavalo, para estas manifestações pseudo-

lúdicas e bárbaras só interessa a quem não tem o mínimo de sentimentos e vê nos animais uma fonte de lucro, sem olhar ao enorme sofrimento que causa.

 

Apetece dizer que esta gente sinta em triplo o que faz os cavalos sentirem neste jogo sujo, incivilizado e desadequado aos tempos que correm. (Isabel A. Ferreira)

publicado por Isabel A. Ferreira às 09:36

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 23 de Outubro de 2013

UM BEBÉ BOVINO A SER COBARDEMENTE TORTURADO NA GANADARIA AÇORIANA DE REGO BOTELHO

 

Três grandes cobardes! Isto é o mesmo que bater numa criança a dormir num berço; ou numa velhinha acamada. 

 

Torturar seres indefesos demonstra uma INVIRILIDADE colossal.

 

Que raça de animais são estes três IRRACIONAIS, que montam três seres racionais e torturam um bebé bovino indefeso?

 

Não são seres humanos, com toda a certeza.

 

 
(Origem da foto: Facebook, com a possibilidade de partilha disponível, num grupo aberto e visível a todos)  https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151679703424109&set=gm.516440141782818&type=1&theater ) 

 

Há uns tempos atrás um açoriano, que dá pelo nome de Paulo Oliveira, enviou-me o seguinte comentário:

 

«De Paulo Oliveira a 18 de Setembro de 2013 às 15:40

 

Acho muito bem que seja contra a tourada á corda, assim como eu sou contra muitas coisas nesta vida, mas acho estranho algumas coisas nestes 12 pontos que enumerou.

 

Acho que aqui na BRONCOLANDIA nunca ninguém classificou uma tourada como desporto, se são cultura ou não, não sei dizer mas que fazem parte da cultura da Ilha isso não pode ser contestado.

 

No ponto 3 diz que os touros vivem uma vida de tortura? onde no pasto? no seu habitat? essa não entendi que classifique a tourada como tortura tudo bem agora o caminho destes animais até lá chegarem acho que é ignorância da sua parte.

 

No ponto 7 diz que prejudica o turismo, aceito mas também quantos recebemos para observar esta tradição? Quando se refere á contribuição para a violência e alcoolismo deve algum estudo que apoie isto ou é o facto de se vender álcool nas touradas?

 

No ponto 9, pode provar que esses custos são suportados pelos contribuintes?

 

No 11 quando fala em saúde publica só se corre riscos nas touradas ou se estas vendas ocorrerem fora das touradas passam a ser puras e cristalinas?

Não entendo que interessa que tenha introduzido o costume, ele existe e faz parte da cultura da ilha.

 

Aceito que seja contra as touradas e a tortura dos animais, mas não é por repetir uma mentira varias vezes que ela se vai tornar realidade. Um abraço e gostava de ter uma resposta sua.»

 

***

Estes 12 pontos foram enunciados por Jay Nandi, que responde agora ao Paulo Oliveira.

Diga-se que as palavras de Jay Nandi são FEITAS DE SABER, e é importante que se DENUNCIE o que se passa nos AÇORES, para que o mundo saiba e boicote o TURISMO AÇORIANO enquanto “isto” existir por lá…

***

Jay Nandi, deixou um comentário ao comentário AO CUIDADO DOS TERCEIRENSES PARA QUE APRENDAM QUE A TOURADA À CORDA É UMA VIOLAÇÃO DA DIGNIDADE DO SER HUMANO E UM DELITO DE VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA CONTRA OS ANIMAIS às 13:13, 2013-10-23.

Comentário:

«No ponto 3.º ficou bem explicado porque é que os bovinos criados pela indústria da tourada à corda vivem uma vida de tortura, quer durante as touradas, quer nas ganadarias.

 

No entanto repete-se: A vida dos bovinos nas ganadarias são tentas (tortura de bebés), ferras (queimadelas com ferros em brasa), separação de bebés das mães à paulada, treinos, abstinência sexual forçada (bovinos machos vivem isolados gerando manadas instáveis, onde imperam as lutas e os consequentes ferimentos e mortes). A maioria dos bovinos não tem acesso a cuidados veterinários. As feridas e ossos partidos nas touradas à corda curam-se ao ar livre por si só. Um touro famoso das touradas à corda da ilha Terceira morreu com problemas cardíacos enterrado no próprio esterco, sem cuidado veterinário algum, em agonia, enquanto era filmado. Como ilustração, aqui fica um bebé bovino a ser torturado na famosa ganadaria açoriana Rego Botelho que custa todos os anos milhões de euros aos contribuintes portugueses!  

 

Quanto ao ponto 7.º, também não é novidade nenhuma que as touradas à corda prejudicam o turismo e contribuem para elevados níveis de violência e alcoolismo. Inúmeros estudos, nomeadamente ao nível das ciências forenses e criminais, estabelecem a relação entre a violência contra os animais e a violência entre humanos.

 

Allen Brantley, um ex-agente especial do FBI e membro da unidade especial BSU (Behavioral Science Unit) diz mesmo que “Maltratar um animal nunca é apenas um facto lamentável, mas sim um sério alerta de perigo”. Cynthia Hodges, especialista americana em ciências criminais, alerta também para a relação directa entre a violência contra animais e a violência contra seres humanos.

 

http://www.incasa.org/PDF/2011/animal_human_violence.pdf

 

Como foi dito, as touradas à corda prejudicam gravemente o turismo da ilha Terceira, já que a violência tauromáquica repele a esmagadora maioria dos estrangeiros, pouco habituados ao culto da violência gratuita contra animais como forma de diversão.

 

A Ilha Terceira é das que tem menos turistas estrangeiros visitantes no conjunto do arquipélago dos Açores e isso deve-se em grande parte a estas práticas trogloditas de bandos de bêbados atacarem animais pelas ruas.

 

Os frequentadores das touradas à corda são quase sempre os mesmos e os poucos curiosos que a elas acorrem dificilmente querem repetir a experiência selvática, degradante e indigna à luz dos parâmetros de qualquer pessoa civilizada.

 

Quanto à relação entre a violência contra os animais e alcoolismo importa referir que existe a mesma lógica de relação directa.

 

A tortura de bovinos com cordas atrai essencialmente pessoas embriagadas, delinquentes com problemas de integração social e psicopatas insensíveis ao sofrimento dos animais.

 

Em larga medida, as touradas à corda contribuem para a Terceira se manter no ranking de níveis de alcoolismo. Violência e alcoolismo estimulam-se mutuamente e também aqui não há nada de novo a dizer, que centenas de especialistas já não tenham alertado. No entanto, vamos dar voz aos próprios aficionados envolvidos nas touradas à corda para esclarecer o assunto. José Bertão, delegado municipal de touradas à corda de Angra do Heroísmo, em declarações a um jornal dos Açores diz:

 

- “Penso que nos ambientes das touradas à corda é muito difícil controlar a venda de bebida. As tascas, que geralmente instalam-se nos limites das touradas, são praticamente invadidas nos intervalos da corrida e os indivíduos que estão a servir não têm capacidade para controlar o fornecimento de álcool, não só a adultos, como a menores. E um pouco vergonhoso, mas acontece. […] O álcool, nomeadamente a cerveja, porque antigamente era mais o vinho, tem a sua função e, na minha opinião, nunca deixará de existir enquanto houver touradas. No entanto, em determinados casos, acho que há abusos. Já andei por alguns países do estrangeiro e nunca vi abusarem tanto do álcool em público como aqui.

 

Os terceirenses, não têm nada a ganhar com as touradas, apenas prejuízos derivados dos danos no património público e privado causado pela touradas à corda, e do dinheiro público desviado para meia dúzia de pessoas da indústria tauromáquica, em lugar de ser canalizado para bens e serviços do interesse público dos terceirenses (educação, saúde, etc.). Os valores das taxas pagas pelos organizadores das touradas à corda são anedóticos face aos custos dos prejuízos e subsídios públicos entregues à máfia tauromáquica. Isto para não falar das isenções de taxas e licenças, como acontece nos períodos das festas São Joaninas.

 

Quanto ao ponto 9.º, que refere que as touradas à corda provocam danos no património público e privado e os seus custos são suportados pelos contribuintes, segue-se uma lista breve dos imensos custos que acarretam as taras de uns poucos doentes:

 

- Custos em recursos humanos com policiamento e fiscalização municipal;

- Custos com estragos nas vias públicas (calçadas e passeios pedonais);

- Custos com património público destruído e vandalizado (sinais de trânsito, jardins, mobiliário urbano etc.);

- Custos com o património privado danificado (casas e carros);

- Custos financeiros e humanos derivados dos feridos e mortos das touradas à corda, designadamente ao nível do Serviço Nacional de Saúde (SNS);

- Custos económicos decorrentes dos cortes das vias públicas (atrasos e faltas ao trabalho, distribuição de bens etc.).

 

Os aficionados que provem, que apresentem uma factura que seja comprovativa de danos provocados em touradas à corda reparados pela indústria tauromáquica.

 

Quanto ao ponto 11º, acerca da venda ambulante durante as touradas à corda, que constitui um perigo para a saúde pública, foi mencionado por ser falso o argumento dos aficionados que dizem que os vendedores dependem das touradas à corda, pois eles podem exercer a sua actividade fora delas.

Não é verdade que exista um grande número de vendedores ambulantes nas touradas à corda. Muito menos é verdade que esses vendedores ambulantes não pudessem vender os seus produtos em outras festas e lugares.

 

O que os lunáticos aficionados chamam de tascas, trata-se afinal de contas de latas velhas sobre rodas que representam um perigo para a saúde pública. Nem no mais pobre país da África subsariana  essas latas sujas e imundas poderiam ser consideradas como tendo peso na economia. Comida e bebida não tem de ser à custa de sofrimento desnecessário dos animais. Seres humanos civilizados comem e bebem sem necessidade de castigar seres inocentes.

 

Noutros eventos, a venda ambulante de comidas e bebidas, quando feita sem condições, pode de facto acarretar riscos para a saúde pública. Mas no caso das touradas à corda é o pão nosso de cada dia. Dêmos voz aos aficionados, quanto à porcaria a que chamam de tascas das touradas à corda:

 

“… muitas fazem as bifanas mechem no cabelo depois vao abrir os papo-secos ao tao a soar passem a mao na cara e depois fazem isto ja vi em muitas tascas. […] mesmo as carrinhas em si nunca sao pintadas, as arcas todas sujas, o gelo por vezes vem a cheiras a peixe, ate as vezes as mao de quem tá a servir tao sujas

 

Sim é verdade, os aficionados vomitam muita mentira. Sim é verdade, as aldrabices dos aficionados não se tornam verdade por eles as repetirem tantas vezes, porque a triste verdade das touradas à corda está diante dos olhos de todos que a queiram ver.»

   

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:14

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 13 de Julho de 2013

OPINIÃO SOBRE MANIFESTAÇÕES CONTRA A TAUROMAQUIA

 
 
 

Enganados com o mito da tradição e do folclore, um grupo de turistas saem de uma praça de touros a chorar, horrorizados com a atrocidade que testemunharam na presença de carniceiros psicopatas, disfarçados de jarretas.

 

Por Dr. Vasco Reis (Médico Veterinário)

 

«São acções de grande importância para se demonstrar, para dentro e para fora de Portugal, que neste país há gente que está contra a actividade.

 

Motivação é, essencialmente, protestar contra o sofrimento de touros e cavalos, bem como contra apoios à tauromaquia por dinheiros públicos e contra mais implicações negativas de ordem social e no prestígio do país, que ela provoca.

 

Desejavelmente, as manifestações devem ser pacíficas, silenciosas ou não, transmitindo mensagens do senso comum, da ciência e da ética.

 

Alertam-se as pessoas directamente e através da comunicação social e dá-se voz aos abolicionistas através de argumentos irrefutáveis.

 

A actividade e lobbistas e aficionados são criticados frontalmente. Estes contra argumentam pobre e falaciosamente e, com frequência, usando de linguagem insultuosa e até de agressão física. Não se notam neles preocupações de ordem ética.

 

Chegam ao desplante de afirmar, que o gosto pela tauromaquia é uma afirmação de portuguesismo e que Portugal é famoso por isso mesmo.

 

Os abolicionistas afirmam, pelo contrário, que Portugal é, por isso muito mal-afamado e criticado.

 

Tremendamente corrosiva para a reputação e o turismo de Portugal é a propaganda e o apoio que empresas de turismo nacionais e internacionais, em parceria com o lobby tauromáquico, estão a prestar à actividade tauromáquica, inclusive fazendo oferta de bilhetes para touradas em contratos turísticos, aliciando com a informação de que os animais não são mortos, não sofrem e que se trata de uma brincadeira (“for fun”).

 

Turistas vão, curiosos e descontraídos pela publicidade enganosa, corresponder ao convite. São ali cruelmente surpreendidos, abandonando em muitos os casos o “espectáculo” chocados, deprimidos, por vezes lavados em lágrimas de desgosto, revoltados em palavras e alguns, até vomitando. Tudo isto é documentado por imagem, som e escrita graças ao testemunho de jornalistas e de manifestantes que afirmam a sua cidadania em manifestações democrática e legalmente autorizadas e policialmente acompanhadas.

 

Sinceramente, não compreendo como há abolicionistas que se afirmam contra manifestações, quando estas, afinal, contribuem para alertar, informar e lavar a honra de portugueses e de Portugal perante o fenómeno tauromáquico, castigador de touros e de cavalos e não só

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 1 de Maio de 2013

ILHA TERCEIRA (AÇORES) CAPITAL DA ESTUPIDEZ – HOJE INICIA-SE A PRIMEIRA DAS TRINTA E TRÊS TOURADAS À CORDA PREVISTAS PARA O MÊS DE MAIO

 

Será isto verdade? No mundo civilizado questionamos esta mediocridade.

 

 

 

A ilha é bela, mas os costumes são podres, mofosos, primitivos, abeirando a estupidez pura. E os que apoiam este ritual da parvoíce, sem o menor pudor, sujam o nome dos Açores, que já são conhecidos como a “terra dos broncos”.

 

Nenhum turista culto visitará a ilha nos festejos Sanjoaninos. Isto é coisa para os da casa, gente medíocre, já habituados à mediocridade.

 

Hoje começa a época tauromáquica nesta ilha, e com ela o desrespeito para com touros, cavalos e crianças, e para com a inteligência humana.

 

Em Junho realiza-se a Feira Taurina que inclui um espectáculo para crianças. Vamos contestar toda esta barbaridade começando por divulgar o máximo possível este cartaz, a solicitar o boicote às touradas de praça e ao turismo, durante as festas de São João (Sanjoaninas).

 

Sempre o sagrado ligado ao profano grosseiro.

 

E a Igreja Católica a apoiar.

 

Na verdade, a estupidez nesta ilha, não tem limites. Vejam:

 

 

 

Ouçam a mulher que diz: «Ai coitadinho do bichinho

 

Pois! Coitadinho!

 

 

NÃO HAVERÁ NA ILHA NENHUMA AUTORIDADE LÚCIDA PARA VER QUE ISTO NÃO DIGNIFICA A TERRA? PELO CONTRÁRIO: PÕE-NA NA CAUDA DO MUNDO?

 

OU SERÃO TODOS BRONCOS?

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:26

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 5 de Março de 2013

PELO FIM DOS SUBSÍDIOS PÚBLICOS À TAUROMAQUIA NOS AÇORES

 

 

BOICOTEMOS O TURISMO AOS AÇORES

 

 

Veja-se onde se esbanjam os dinheiros públicos

 

Pelo fim dos subsídios públicos à tauromaquia nos Açores

 

O Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores (MCATA) condena a rejeição por parte dos partidos da maioria da petição pública “Pelo fim dos subsídios públicos à tauromaquia nos Açores”, apresentada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA) e discutida em sessão plenária no passado dia 22 de fevereiro. O MCATA lamenta igualmente que a maior petição pública apresentada até o momento na região, com quase 2.500 assinaturas, tenha sido ignorada durante meses, discutida em plenário sem conhecimento dos primeiros peticionários, e finalmente rejeitada com base em argumentos falsos e despropositados. Com esta atitude a Assembleia e os partidos mais votados fizeram um fraco serviço à democracia e à tão desejada participação pública da cidadania nos assuntos que lhe dizem respeito.

 

O MCATA quer manifestar a sua indignação por alguns argumentos e atitudes utilizados no plenário da ALRAA, e assim gostava de salientar que:

 

A ALRAA não pode agora olhar para o outro lado e ignorar o tema dos subsídios públicos dados à tauromaquia precisamente quando o número de touradas realizadas na região duplicou nas duas últimas décadas devido ao número crescente de apoios públicos dados a esta actividade pelo governo regional e pelas autarquias. Se durante muitos anos sobrou tanto dinheiro público para oferecer à indústria tauromáquica, agora, num momento de tantas dificuldades para a região, parece ser de elementar justiça cortar definitivamente com esses apoios.

 

Não é eticamente aceitável que todos os cidadãos açorianos estejam a pagar através dos seus impostos a manutenção da actividade tauromáquica quando a grande maioria deles mostra uma profunda aversão contra a realização destas práticas cruéis e violentas, proibidas na maioria dos países e que só continuam a estar permitidas em Portugal devido a uma absurda excepção introduzida nas leis vigentes. Nenhuns contribuintes podem estar obrigados a pagar para a realização duma actividade anacrónica, violenta e minoritária, quando ao mesmo tempo estão a passar por tantas dificuldades económicas e estão a lutar diariamente para manter os seus direitos mais básicos, como são a alimentação, a habitação, a saúde ou a educação.

 

Os deputados da ALRAA têm todas as competências necessárias em matéria de política educativa e cultural para decidir que actividades recebem ou não subsídios regionais. Queremos relembrar que estes subsídios têm-se traduzido nos últimos anos em quantidades muito elevadas, como por exemplo os 69.850 euros atribuídos a fundo perdido por parte da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas em 2009 ou os 75.000 euros atribuídos pelo Governo Regional para a realização dum Fórum tauromáquico em 2012. Mas também têm-se traduzido em quantidades pequenas e muito regulares, como demonstra o facto de só nos últimos meses terem sido já atribuídos mais 22.700 euros.

 

O MCATA quer ainda denunciar as tristes declarações proferidas na ALRAA pelo deputado Luís Rendeiro, do PSD, a propósito desta Petição. Só podemos qualificar como completamente disparatadas, ou mesmo cómicas, afirmações como que os touros são respeitados nas touradas, que as touradas são essenciais para o turismo da região, que têm retorno para o bem-estar social, ou que são um contributo para a manutenção dos ecossistemas naturais. Achamos que todos os peticionários e a sua proposta mereciam mais respeito por parte deste deputado.

 

O MCATA manifesta que vai continuar a lutar pelo fim dos subsídios públicos à tauromaquia nos Açores, fim que considera justo e legítimo, mediante a realização de novas acções e campanhas

 

(http://iniciativa-de-cidadaos.blogspot.pt).

 

Açores, 3 de Março de 2013

 

A Equipa do MCATA

 

ANEXO

Alguns subsídios atribuídos diretamente pelo Governo Regional à indústria tauromáquica:

 

(ARCTTC -Associação Regional de Criadores de Toiros da Tourada à Corda; TTT - Tertúlia Tauromáquica Terceirense)

 

50.000 € -ARCTTC (Portaria nº 30/2004, de 6 de Janeiro de 2004)

 

35.000 € - ARCTTC, 2004, a fundo perdido pela Secretaria Regional da Agricultura e Pescas (Portaria nº 500/2004, de 7 de Setembro de 2004)

 

66.000 € -ARCTTC (Portaria n.º 634/2005 de 13 de Dezembro de 2005)

 

109.448 €- ARCTTC (Portaria n.º 491/2008 de 24 de Julho de 2008)

 

50.000 € -TTT (2008, Listagem de subsídios atribuídos ao abrigo do DLR nº18/2005/A)

 

7.500 € -Tertúlia Tauromáquica Picoense (Portaria nº 575/2008, de 19 de Agosto de 2008)

 

69.850 € - ARCTTC, 2009, a fundo perdido pela Secretaria Regional da Agricultura e Florestas (Portaria nº 394/2009, de 9 de Junho de 2009)

 

49.000 € -ARCTTC (2009, Subsídio da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas)

 

68.585 € -TTT (2007-2013, Prorural)

 

3.000 € - Grupo de Forcados Amadores da TTT, 2011, corrida promocional no Campo Pequeno, pela Secretaria Regional de Economia (Despacho de 17 Novembro de 2011)

 

No último ano, 2012:

 

75.000 € -TTT (pelo Governo Regional para a realização dum Fórum tauromáquico)

 

5.000 € - Delegação Açores Casa Pessoal RTP, 5ª tourada à corda

 

2.000 € - TTT, pela Presidência do Governo Regional (Despacho nº 1451/2012, de 22 de Outubro de 2012)

 

5.000 € - ARCTTC, pela Secretaria Regional da Agricultura e Florestas (Portaria nº 1700/2012, de 31 de Outubro de 2012)

 

15.700 € - ARCTTC, pela Secretaria Regional da Agricultura e Florestas (Portaria nº 1771/2012, de 16 de Novembro de 2012)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:02

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

O QUE OS PORTUGUESES MAIS...

A ILHA TERCEIRA NA BOCA D...

MANIFESTO CONTRA A LEGALI...

NA INTERNET EXISTE UM EXC...

DEZ ARGUMENTOS A FAVOR DA...

«MAIS TORTURA ANIMAL – GO...

UM BEBÉ BOVINO A SER COBA...

OPINIÃO SOBRE MANIFESTAÇÕ...

ILHA TERCEIRA (AÇORES) CA...

PELO FIM DOS SUBSÍDIOS PÚ...

Arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

DIREITOS

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

COMENTÁRIOS

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt