Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

ENTRE O CAOS, A QUIETUDE...

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2008
 
 
 
 
           
Aguardo com ansiedade a visita do ser exótico, o meu misterioso amigo. Prometeu-me vir hoje, logo que no antiquíssimo relógio da torre da Igreja do Senhor do Bom-Fim soe a primeira das 27 badaladas de um tempo que só nós sabemos. Contudo, inesperadamente, o relógio veio instalar-se entre a folhagem do velho embondeiro que vejo agora flutuar no meu jardim, como uma nuvem.
 
Não é tarde, nem será cedo, talvez! Não sei exactamente da hora. Ouço apenas os estranhos uivos das pedras, aqueles de que enigmaticamente me falara o ser exótico, da última vez que me visitou. Lá nas alturas vejo a lua rasgar os seus véus prateados e despudoradamente desnudar-se diante do mundo, enquanto as estrelas se lançam no espaço, numa atitude aparentemente suicida. Terão o propósito de assustar os anjos? As trevas afundam-se agora nas nuvens, e eu confundo-me com toda esta grotesca cena apocalíptica.
 
Os uivos das pedras tornam-se cada vez mais lancinantes. O Sol, que a esta hora costuma iluminar o outro lado do mundo, completamente endoidecido, acaba de despedaçar todos os seus raios e deixa-se afundar no Pacífico, queimando as águas deste oceano, que se torna da cor do sangue.
 
E o meu amigo que não vem...!
 
Mas ainda não é tarde. Nem será cedo, talvez! Continuo a não saber da hora. Ouço passos. Dlão! A primeira badalada. É ele que chega. A janela! Esqueci-me de abrir a janela.
 
— Que aconteceu à porta da sua casa?
 
— Não sei, meu amigo. Simplesmente sumiu. Enquanto eu olhava a Lua rasgando os seus véus prateados, a porta saiu numa desenfreada correria. Pareceu-me ouvi-la dizer qualquer coisa como abrirei a minha mente e não mais a encerrarei...
 
— O que me diz?!
        
— Exactamente o que acabou de ouvir, meu amigo.
        
Na verdade, esta era a chave que abriria a porta do caos. Disse-me o ser exótico. Estava tudo escrito naqueles farrapos que encontrara pendurados nos fios de ovos que as velhas galinhas do galinheiro de ninguém expeliram para dentro de um lindíssimo cálice de ouro.
 
O meu amigo não tinha qualquer dúvida.
 
— Um australopiteco nunca se engana – disse – Um australopiteco escreve sempre torto por linhas direitas e ziguezagueando segue o rasto dos cometas que o levam a lugar nenhum. Mas ele não se importa. Afinal, ele é um australopiteco. Nasceu das asas de uma vespa e alimenta-se de estrelas cadentes. É um governante, e os governantes governam sentados, para não se cansarem demasiado, enquanto o povo dorme tranquilamente o sono dos injustos, pois que injustiça maior senão aquela que exorta os governantes a governarem?
 
O ser exótico vai-me dizendo tudo isto, enquanto que, com algum esforço, entra pela janela, uma vez que a porta da minha casa decidiu simplesmente abandonar-me, para que o caos se instalasse no universo. É isto, meu amigo, é isto que devo deduzir das suas palavras?
        
O ser exótico não me respondeu imediatamente, porque, entretanto, o Sol que havia despedaçado todos os seus raios, parece arrependido, e, através da nesga de mar que se vislumbra da minha janela, podemos vê-lo juntando, desesperadamente, os estilhaços do seu ser, espalhados pelas águas avermelhadas.
 
— Observe bem, minha amiga, jamais terá outra visão igual. O Sol reconstrói-se no mar, e a Lua, repare bem, a Lua, envergonhada da sua nudez diante do mundo, pede ajuda aos bichos-da-seda para que refaçam os seus véus prateados. E as estrelas, que apenas fingiram um suicídio colectivo, voltam aos seus lugares. E mais, o relógio que se instalou entre a folhagem do velho embondeiro que, repare, já não flutua no seu jardim, voltou à antiquíssima torre da Igreja do Senhor do Bom-Fim. E a porta da sua casa, veja como tenta encaixar-se novamente nesta parede! Mas foi preciso que as galinhas expelissem aqueles fios de ovos no lindíssimo cálice de ouro, para que o caos se instalasse.
 
Eis a resposta que, ansiosamente, eu esperava! Afinal, não fora a minha porta a causadora de toda esta anarquia, embora ela tivesse proferido a frase-chave que daria início ao caos: «Abrirei a minha mente e não mais a encerrarei...». Agora sabia, foram os vómitos das velhas galinhas do galinheiro de ninguém, que desencadearam todo este desequilíbrio da Natureza.
 
— Não se esqueça, minha amiga, é preciso que os australopitecos se alimentem de estrelas cadentes para que o mundo volte ao seu normal. Por isso os luzeiros do céu apenas fingiram suicidar-se.
 
— Então, e o Sol e a Lua fingiram também? – Pergunto, um tanto incomodada com a minha ignorância.
 
— Não, esses entraram apenas em colapso. Temporariamente, como pôde observar. São eles os baluartes do tempo. A seu cargo têm os dias e as noites. Porém, mal ouviram os uivos das pedras (o sinal de Deus para que entrassem em autodestruição) nada mais fizeram do que obedecer ao Criador.
 
Neste momento já não ouvimos os uivos das pedras. Os sons agora são outros. É o vento que passa, sem pressa, serenamente...
 
— Minha amiga, aproveito esta acalmia para a deixar. Voltarei outro dia. Mas antes de partir quero que atente no que vou dizer-lhe: os australopitecos alimentam-se de estrelas cadentes e o caos humano, em linguagem eterna, escreve-se k ooooos...
 
Que tarde esta! Sinto que algo escapou aos meus sentidos. Fui protagonista de um estranho fenómeno, e o meu amigo partiu sem me explicar o que realmente se passou. Não endoideci, com certeza. Visionaria, na verdade, o k ooooos descrito naqueles farrapos pendurados nos fios de ovos que as velhas galinhas do galinheiro de ninguém verteram no cálice de ouro?...

Isabel A. Ferreira

 
publicado por Isabel A. Ferreira às 16:05

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 13 de Junho de 2017

ANGRA DO HEROÍSMO (AÇORES) CADA VEZ MAIS PRIMITIVA E MERGULHADA EM TREVAS MEDIEVALESCAS

 

Há povos assim: em vez de optarem pelo conhecimento, e evoluírem, preferem continuar na ignorância e enfiados em tocas sombrias e a cheirar à mofo.

 

Em Angra do Heroísmo o povo continua a comemorar o São João, santo católico, com uma bacoca afición, que se estende às crianças que, naquela terra, onde sopram ares bafientos, não merecem a protecção de quem de direito, ficando à mercê da violência e da crueldade intrínsecas às touradas à corda e de praça.

 

É uma coisa que faz parte de uma sociedade a que chamam  "democrática e plural”.

 

Tudo isto abençoado pela igreja católica e por governantes que devem milhares de euros ao bom senso.

 

Angra do Heroísmo é, pois, um lugar à margem, ostracizado pelo turismo culto.

 

digitalizar0001.jpg

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:01

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 20 de Março de 2017

DE SÚBITO, AS TREVAS DISSIPAM-SE E SOU ÁRVORE…

 

(Para celebrar a Primavera, a Árvore, o Bosque, a Natureza)

 

… sou folha, sou erva, sou vento. Sou gota de orvalho suspensa na flor. Sou sombra, sou luz, sou nuvem que passa. Sou ave que voa até às estrelas e entre elas vagueio ao ritmo dos sons do amanhecer…

 

BOSQUE.png

 

(…)

Entretanto, o caminho convergiu para um bosque que, à distância, parecia inacessível. As vozes, que se ouviam, sussurrantes, calaram-se e deram lugar à melodia das árvores. Ouvi, então, o uivo do vento, frágil e lento, enquanto os cedros, ciprestes, pinheiros, sicómoros, castanheiros, álamos, tílias, acácias, carvalhos, sequóias, salgueiros, e muitas mais espécies de árvores erguiam os seus ramos, no que parecia uma inocente súplica aos céus. E o entrançado de troncos e raízes muito antigas diziam da longevidade das árvores.

 

Uma luz coada rompia a folhagem, que moldava um rendilhado verde num fundo azul, já liberto da nuvem transparente que o cingia. E, por momentos, pareceu-me sentir os aromas acres do Outono, quando deambulava pelo meu pequeno bosque. Subitamente, apoderou-se de mim uma inquietude, um deslumbramento, um espanto diante de asas que, à nossa passagem, se levantavam dos ramos, e de olhos atentos que, por entre eles, espreitavam. Encontrava-me, sem dúvida, numa floresta intacta, como se tivesse sido acabada de criar, indomável, livre, imaculada, jamais tocada sequer pela sombra do homem, apesar dos velhos troncos e fortes raízes somarem séculos de existência, entre as humildes plantas silvestres que cresciam ao seu redor.

 

Parecia-me, aquele, o princípio do mundo, onde a vida propriamente dita começara, ou seria um ponto de chegada, o lugar para onde todos os caminhos convergiam? O arvoredo estendia a sua folhagem ao Sol que, altivo e fingindo-se indiferente, espargia a sua claridade sobre a floresta, e envolveu-me o perfume delicado da vegetação. Foi então que o sentido provisório do tempo se contrapôs à consciência do eterno, que se respirava naquele lugar, e voltei a sentir a sensação de estar perdido, algures, dentro de uma fábula.

 

À medida que avançava no caminho, deixei de ouvir o rumorejar do vento. Apenas se ouvia o som dos meus passos e o dos passos do Lobo, que seguia a meu lado, em silêncio. Pisávamos o chão juncado das folhas caídas dos abetos que grafavam mensagens secretas da terra e das águas, trazidas por uma aragem quase imperceptível, que rendeu o vento, na sua guarda ao bosque. Ali, naquele lugar, a Natureza havia desabrochado como um milagre. Uma delicada neblina erguia-se de um rio de águas vagarosas que margeava o caminho, e onde flutuavam cisnes melancólicos que, em silêncio, acompanhavam o nosso percurso. Naquele momento, senti o ritmo tranquilo da vida do bosque entranhar-se em mim como se fizesse parte do meu ser. Entre as árvores, que sempre me pareceram eternas, por ultrapassarem a existência dos homens, os animais da selva davam azo à sua liberdade. Contemplava-os, finalmente. Havia-os de todas as espécies. O seu discreto alarido contrastava com o silêncio imanente da floresta, que começava a ficar para trás. Deixámos as sombras. Diante de nós abriu-se uma planície imensa, grávida de verde, onde pastavam, pacificamente, numa partilha harmoniosa, nunca vista, leões, tigres, elefantes, girafas, servos, veados, lobos, panteras-negras…

 

(…)

O caminho estava traçado entre o arvoredo, como uma claridade e nele, distraidamente, eu ia pisando as sombras reflectidas no chão, pejado de folhas secas e flores murchas, evitando os fios de luz, que o Sol projectava por entre os ramos, num jogo que me entregou a infância.

 

 

(…)

Num lugar como aquele, verde, tingido de púrpura, onde soprava uma brisa vagarosa, e que um Sol, aparentemente ausente, enchia de contornos imprecisos, o tempo parecia não existir. Era eterno como as árvores e, nos momentos de profundo silêncio, parecia que a floresta estava adormecida.

 

in «A Hora do Lobo» © Josefina Maller

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:50

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 14 de Novembro de 2016

«O QUE ACONTECERIA SE AS TOURADAS ACABASSEM EM PORTUGAL?»

 

 

O dia em que Portugal se libertar desta miséria moral, cultural e social, será um dia glorioso, iluminado, luminoso, tanto quanto foi o dia da abolição da pena de morte, da escravatura, da ditadura, do tribunal da santa inquisição, e de tantas outras barbaridades que mantiveram nas trevas o país.

E a tauromaquia é a nuvem negra que ainda vemos pairar sobre os céus de Portugal, não deixando que o Sol nele penetre plenamente.

Quando as touradas acabarem em Portugal, o país dará um grande passo em direcção à evolução e à civilização.

Para já é um país com um atraso civilizacional considerável, visto ainda permitir práticas selváticas contra bovinos indefesos, para divertir sádicos.

E isto não é coisa da civilização, nem da cultura culta.

(Isabel A. Ferreira)

 

abolição.png

 

Recordemos o que Ana Chaves escreveu, aqui há tempos no P3

 

«Há oito países no mundo onde as touradas são legais. Portugal é um deles. Quem defende a actividade tauromáquica não cogita sobre um hipotético ponto final. Citam-se razões como o fim do “património cultural do país”, o desemprego que se geraria e a extinção da raça taurina brava.

 

Do outro lado, contra-atacam: “no Médio Oriente, a mutilação genital feminina também é cultura”, o desemprego é residual (há em média três trabalhadores por ganadaria) e a maioria não extrai rendimentos exclusivos desta actividade, e para quê preservar uma raça que terá como único fim o sofrimento?

 

Vamos a factos:  no próximo dia 1 de Junho, o PAN apresenta o projecto de lei n.º 181  que proíbe a utilização de menores de idade em espectáculos tauromáquicos, quer como actores, quer como espectadores. “Não faz sentido que uma criança de 12 anos assista ou participe num espectáculo de violência explícita, que tem repercussões a nível psíquico, social e emocional”. “Há pareceres, nomeadamente os do Comité dos Direitos da Criança, que comparam o espectáculo tauromáquico a trabalho infantil ou ao tráfico de droga, tendo em conta o grau de perigo e degradação”, refere o deputado do partido, André Silva em entrevista ao P3.

 

O BE (projecto de lei n.º 217) acrescenta outro objectivo: além de proibir menores, pretende eliminar a categoria matadores de touros. “Se os touros de morte são proibidos em Portugal, por que razão havemos de reconhecer essa profissão?” questiona o deputado Pedro Soares. “É uma incongruência”.

 

Para Hélder Milheiro, porta-voz e activista da Prótoiro, esta já é «mais uma rotina demagógica de alguns partidos extremistas” do que qualquer outra coisa, pelo que não traz nada de novo. A tauromaquia é uma “arte perfomativa” que goza de boa saúde, mesmo sem apoios públicos».

 

Será assim?

 

Os subsídios públicos

 

“Há vários tipos de apoios e benefícios autárquicos (compra de bilhetes, alocamento de transporte, publicidade), institucionais (como o financiamento de livros) e até fiscais/estatais (os toureiros estão isentos de IVA, os bilhetes são taxados a 13% e não a 23%) (...). Não são regulares, embora “tudo isto somado, possa chegar aos 20 milhões de euros anuais”, contrapõe André Silva.

 

Já a presidente da Animal, Rita Silva, corrobora o valor em causa (a organização tem inclusive uma petição a decorrer neste sentido) e fala em “vergonha” no caso da RTP. Os números parecem dar-lhe razão: em 2015, registaram-se 8280 queixas de telespectadores da RTP a propósito das touradas, mais de metade do total. E as corridas transmitidas mostram quebras de audiência permanentes.

 

Mas o que aconteceria, afinal, se a tauromaquia fosse extinta?

 

A resposta de Rita é peremptória: “Rigorosamente nada”. E dá exemplos de outros locais: as praças foram reconvertidas (veja-se o caso da de Barcelona), as pessoas já tinham outra forma de subsistência e os touros bravos em si “não representam especial mais-valia para o ecossistema ou para a biodiversidade”, explica. São bovinos, como os outros, não falamos da extinção da espécie, mas apenas de uma raça em particular.

 

O cenário de abolição “não está ainda em cima da mesa” diz André Silva. No entanto, acredita que o “tauronegócio” terá o seu fim: “A questão não é se, é quando” e será a “evolução das consciências, que já é a maioria dos portugueses, que o ditará”. Já Pedro Soares, do BE, admite que mais importante do que eliminar a prática em si é erradicar a violência.

 

Gáudio ou dor?

 

É precisamente em torno desta questão, a da violência, que giram todos os raciocínios.

 

Hélder Milheiro considera que falar em dor e violência é “falso” e “básico”: os touros não são maltratados, são “respeitados”. “O animal é acompanhado por um veterinário antes, durante e após a faena” e o embolamento (serrar as pontas dos cornos) é como “cortar as unhas”, esclarece. Além disso, “um toureiro que arrisca a sua vida em frente a um animal, representa o máximo da excelência humana”.

 

Um estudo da AVATMA (Asociación de Veterinários Abolicionistas de la Tauromaquia y del Maltrato Animal) relaciona a produção de betaendorfinas com os touros de lide. Segundo este, o animal produz estas hormonas em 15 situações concretas (entre as quais, stress, dor, fome, sede, esgotamento físico, acidose metabólica ou hemorragia) e “todas elas estão presentes durante a lide”. Não são, portanto, as hormonas do prazer e da felicidade (não se verificam durante o orgasmo, por exemplo), bem como não neutralizam a dor.

 

Estudo:

https://drive.google.com/file/d/0B4wndnBWq378cHk3RE84Slo4ZGs/view?pli=1

 

Fonte:

http://p3.publico.pt/node/20590?fb_comment_id=fbc_1228375193854356_1230705023621373_1230705023621373#f20678fce760bb2

 

(Acrescente-se que este projecto de lei, por mais incrível que possa parecer, foi chumbado pela Assembleia da República Portuguesa)

 

Fixemo-nos agora nesta inacreditável declaração:

 

Para Helder Milheiro «um toureiro que arrisca a sua vida em frente a um animal  (para o torturar até à morte, há que acrescentar), representa o máximo da excelência humana».

 

Saberá esta personagem da ficção mais mórbida que possa existir por aí, o que é “excelência humana”?

 

Se torturar um animal até à morte é excelência humana, que expressão devemos usar para o que vemos neste vídeo?

 

 

 

E depois não gostam que digamos que sofrem de doença do foro psiquiátrico.



 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 20 de Maio de 2016

AINDA A QUESTÃO DO PROTESTO DA IRMANDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO DA ILHA DE SÃO MIGUEL (AÇORES)

 

Recebi este comentário que não poderia deixar de analisar, porque é difícil fazer-se luz, onde as trevas são tenebrosas

 

19623019_EBWTh[1].jpg

 

Anónimo, deixou um comentário ao post PROTESTO DA IRMANDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO DA MÃE DE DEUS, A PROPÓSITO DO MEU TEXTO «DENÚNCIA AO CUIDADO DO PAN (AÇORES)» às 13:28, 2016-05-20.

 

Comentário:

Olá Isabel, Sou continental e trabalho em Vila Franca do Campo, na Ilha de São Miguel, nos Açores. Admiro muito todo o teu trabalho em defesa dos animais. Durante vários anos tenho acompanhado esta tradição do Espírito Santo. Vivemos num país livre, e todos têm direito a uma opinião. A minha opinião é muito simples, tratou-se de um ato isolado, um acidente. Estas Irmandades recebem de graça para darem de graça, "recebei de graça, dai de graça". A sua missão é ajudar famílias, distribuindo "pensões" , é o termo utilizado cá. Cada "pensão" é composta por carne, pão, Massa sovada e vinho. Tudo isto é distribuído a mais de 300 famílias e a mais de 1000 pessoas, tudo de forma gratuita. Conheço os membros da Irmandade, são pessoas honestas e defensoras dos animais. Certamente não queriam que isto acontece-se ao tal animal. Porque desde que me lembro nunca aconteceu. Louvo o teu trabalho Isabel, mas também louvo o trabalho destas pessoas que trabalham no duro em prol de outras pessoas. Talvez as pessoas tenham exagerado em algumas afirmações, mas compreendo, visto que a imagem da foto é fala por si. Devo dizer também, que não considero o texto da Irmandade enviado para ti como protesto, mas como esclarecimento. Conheço muito bem o sr. Carlos Vieira, é um homem de fé, crente, muito honesto e defensor dos animais. Considero que algumas afirmações proferidas no blog sobre ele sejam injustas. Ele apenas tentou explicar o sucedido, talvez não tenha sido muito explícito. Isabel, digo-te que os animais neste dia vão em desfile, em clima festivo, sem violência alguma. Depois uns regressam aos seus pastos e os outros são abatidos, no Matadouro, para as tais "pensões". Isabel és uma pessoa de bem, mas eles, a Irmandade também são, posso comprovar isso. Falei com um dos membros da Irmandade, eles estão tristes, não queriam que isto tivesse acontecido. Ele disse-me que terão mais atenção na subida e na descida dos animais no próximo ano e que a questão das tais argolas nas narinas, vão informar-se junto das autoridades competentes na ilha se devem ou não ser aplicadas pelos agricultores. Ouvi relatos, que na ilha de São Miguel, já houve mortes de agricultores, em plena pastagem, de animais destas dimensões. Por isso o motivo da sua colocação. Devo dizer que alguns animais são mesmo agressivos, vi com os meus próprios olhos. Um outro animal este ano, não saiu do atrelado para não magoar ninguém, ordem a Irmandade. Sou Continental, mas respeito os Açorianos. Sei o que digo, espero que tenho esclarecido algo mais sobre este assunto. Isabel desejo-te tudo de bom. À Irmandade também desejo a maiores felicidades. Agora é tempo de paz... E tal como se diz aqui "VIVA O ESPÍRITO SANTO".

 

***

Infelizmente, não posso cumprimentar o autor deste comentário, porque não existe como pessoa. Não tem nome. Mas ainda assim vou responder, porque seja quem for que esteja escondido por trás do anonimato merece “ouvir” umas verdades, que apesar de estarem bem explicadas no meu texto, tenho de repetir, devido à iliteracia que é uma praga que afecta muitos alfabetizados.

 

Começo por dizer que não dei autorização a nenhum açoriano sem nome para me tratar por TU. Para me tratarem por TU, têm de merecer o meu respeito e a minha consideração. O que não é o caso, apesar de FINGIR que admira todo o meu trabalho. Se admirasse, dava a CARA. É assim que agem os HOMENS.

 

Pois vivemos num país livre que, infelizmente, ainda não se colocou inteiramente no século XXI d. C., mantendo em algumas (felizmente poucas) localidades, costumes que não se adequam aos tempos modernos. E basta isso para este país sofrer um atraso civilizacional ainda muito acentuado.

 

E é claro que todos podem expressar opiniões, mas quando se trata de maus-tratos a animais indefesos não humanos, não há opiniões: há FACTOS, há ACTOS, há ATITUDES, e as opiniões perante factos e actos e a atitudes primitivas VALEM ZERO.

 

Isto não se tratou de um acto isolado, nem de um acidente. Pelo que me deram a saber, é uso, por essas bandas, colocarem argolas nas narinas dos bezerros, por eles serem uma AMEAÇA para os tratadores/criadores. Mas a verdade é que um bezerrinho não constitui ameaça para ninguém. Isso é um ACTO de uma violência cruel contra um animal totalmente indefeso, que depois é levado com a BRUTALIDADE típica de quem acha que os animais não humanos são pedaços de PAU, para um lugar estranho, longe do habitat natural deles, e eles, muito HUMANAMENTE assustam-se, sentem medo, sofrem psicologicamente e fisicamente o FACTO de estarem amarrados e argolados e atirados para uma rua qualquer.

 

As irmandades já não se justificam nos tempos que correm. Se querem receber de graça, para darem de graça, que recebam batatas, milho, farinha, pão, vinho e outras coisas que tais e façam lá a sua caridadezinha, sem terem de estar a sacrificar animais, em cortejos medievais, que pertencem a um tempo onde reinava uma profunda ignorância.

 

Hoje só é ignorante quem quer.

 

Querem fazerem caridadezinha façam. Eu também faço, mas não sacrifico nenhum animal. Não há necessidade disso. Dou de comer a quem tem fome, de beber a quem tem sede, visto os nus, mas sem sacrificar animais não humanos.

 

E aqui, não será apenas a massa que é SOVADA. Os animais também são sovados.

 

Que os membros da irmandade sejam honestos, ninguém duvida. Agora que sejam “defensores” dos animais, existem todas as dúvidas do mundo. Se fossem defensores dos animais, garanto-lhe que não permitiriam que andassem argolados, que os retirassem do prado brutalmente, que os atirassem amarrados para uma rua qualquer, que os obrigassem a DESFILAR num cortejo medieval, porque para tal não nasceram.

 

Se louvasse o meu trabalho, daria a cara por ele. Não seja hipócrita.

A foto é bastante elucidativa da BRUTALIDADE com que os animais são tratados. E não me venha dizer que é apenas este. Os outros, amarrados a cordas, e argolados também, sofrem do mesmo TERROR por estarem fora do seu meio ambiente.

 

O texto da irmandade foi um protesto. Não esclareceu nada.

 

O senhor Carlos Vieira pode até ser um homem de fé, um crente, muito honesto, ninguém duvida, mas DEFENSOR DE ANIMAIS, NÃO É. Se fosse, não permitiria que os animais fossem retirados do campo, para servirem de “espectáculo” a um povo que ficou especado na Idade Média.

 

Além de que os maiores torturadores de bovinos (os cobardes toureiros, forcados, bandarilheiros e a miudagem das touradas à corda) são criaturas que vão à missa, papam hóstias, batem no peito e são uns verdadeiros diabos.

 

Eu não proferi nenhuma afirmação INJUSTA acerca do senhor Carlos Vieira, quem nem sei quem é, ou o que representa na irmandade.

 

Dizer que «os animais neste dia vão em desfile, em clima festivo, sem violência alguma», já é uma violência. Coloque-se no lugar dos animais. É isso que têm de aprender, porque a PIEDADE, a compaixão cristã, é colocarmo-nos no lugar dos animais e não fazermos a eles o que não gostaríamos que fizessem a nós.

 

ISTO é que os padres deveriam ensinar nas MISSAS. Teríamos uma sociedade mais humana e harmoniosa para com os nossos irmãos animais, que também eram irmãos de São Francisco de Assis. Garanto-lhe que este Santo, se vivesse hoje, dar-me-ia toda a RAZÃO.

 

Sou uma pessoa do BEM, e por ser uma pessoa do BEM e da LUZ não posso aplaudir as pessoas que praticam o MAL e vivem nas trevas POR OPÇÃO.

 

A irmandade, o que tem a fazer é ACABAR DEFINITIVAMENTE com estes cortejos medievais, primitivos, desadequados à evolução dos tempos. Não estamos mais na Idade Média. Quantas vezes é preciso repetir isto? Querem fazer cortejos, façam, mas com pessoas a levarem OFERENDAS de pão, de farinha, de batatas, de vinho, mas NÃO DE ANIMAIS AMARRADOS.

 

Mantém o COSTUME e CIVILIZAM-SE.

 

Dizer que os agricultores morrem por causa de bovinos bravos é uma FALÁCIA. Em criança, eu passava as minhas férias numa quinta, onde havia gado bovino, a pastar nos campos, livremente. Convivi com vacas, bois, bezerros, como convivi com cães e gatos, e cabras e ovelhas e porcos nunca nenhum me fez mal a mim ou aos seus tratadores. Porque os tratávamos com carinho. E nenhum usava argolas nas narinas, nem eram marcados com ferros em fogo.

 

Os bovinos só são agressivos para quem lhes faz mal. Eu sou uma pessoa pacata, pacífica. Mas se se meterem comigo, viro uma MULHER BRAVA e sou capaz de dar xutos e pontapés, para me defender. Como qualquer animal faz. Porque não sei se sabe, mas EU TAMBÉM SOU UM ANIMAL.

 

E também sou continental. Tenho amigos açorianos, cultos, instruídos, bem-educados, que se envergonham desse primitivismo em que está mergulhada uma boa fatia do povo açoriano. E respeito-os. Só não respeito os broncos que se RECUSAM as deixar de ser broncos. Entendeu? Tenho amigos ANALFABETOS e respeito-os, porque ser analfabeto não significa ser BRONCO.

 

Será tempo de PAZ, quando deixarem em PAZ os indefesos animais não humanos.

 

E tenho certeza de que o ESPÍRITO SANTO não está nada satisfeito com o que se passa nos Açores, cuja Natureza foi abençoada por Deus, mas o povo (algum povo) foi bafejado pelo Demo.

 

E o pior, é que por muito que o iluminemos, ele recusa-se a aceitar a LUZ.

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015

GOVERNANTES PORTUGUESES FAZEM ORELHAS MOUCAS ÀS RECOMENDAÇÕES DA ONU E VIOLAM OS DIREITOS DAS CRIANÇAS

 

«Depois de Portugal, é a vez de a Colômbia ser alertada para a necessidade de afastar os menores de idade da “violência das touradas”. O Relatório do CDC (Comité dos Direitos das Crianças) das Nações Unidas coloca a tauromaquia a par do tráfico de droga como uma forma de trabalho perigosa e degradante que «preocupa profundamente o Comité».

 

Em 2014 Portugal foi instado pela ONU para proteger as crianças de assistir e participar em touradas, tendo sido reconhecido pela Vice-Presidente do Comité que «a participação de crianças e adolescentes em actividades taurinas constitui uma forte violação da convenção dos Direitos da Criança, sendo doutrinada para uma acção violenta».

 

ONU.png

Mas se os governantes portugueses estão-se nas tintas para os Direitos das Crianças, a ONU não lhe fica muito atrás na hipocrisia, porque seria muito mais racional recomendar ou até mesmo exigir a abolição da selvajaria tauromáquica, que é manifestamente aviltadora para qualquer ser humano, tenha a idade que tiver.

 

A violência e a crueldade gratuitas contra seres vivos devem ser veementemente condenadas e abolidas, porque nem uma coisa nem outra dignifica o ser humano.

 

Além disso, se as touradas violam fortemente os Direitos das Crianças, muito mais violarão os Direitos dos Animais, consignados na Declaração Universal dos Direitos dos Animais, proclamada pela UNESCO, em 27 de Janeiro de 1978, e que Portugal ratificou, apenas para constar, porque nada cumpre do que ali se diz.

 

Mas pior do que isso, Portugal não reconhece os Touros e Cavalos como animais. Algo totalmente incompreensível e irracional.

 

Por que motivo a ONU não corta o mal pela raiz?

 

Por que motivo anda-se aqui a fazer-que-se-faz para tudo continuar igual a como sempre foi, sabendo-se como sabemos, que interesses económicos obscuros estão acima de qualquer protecção aos Direitos das Crianças?

 

Isto não será um paradoxo?

 

Isto não será da irracionalidade?

 

Evidentemente que é.

 

Mas quem terá a capacidade, a coragem e a lucidez de rasgar o véu da ignomínia e acabar de vez com esta selvajaria, que não tem mais cabimento nos tempos que correm?

 

Ou as mentalidades dos que podem e mandam criaram raízes de tal modo profundas no tempo das trevas, onde uma obscura ignorância reinava, e nenhuma “sachola” dos tempos modernos tem o “fio” bastante afiado para poder cortá-las definitivamente?

 

A luz dará lugar às trevas, tal como o dia se segue à noite, inevitavelmente, desde o início dos tempos.

 

É apenas uma questão de tempo.

 

Mas temos de resistir, insistir e jamais desistir.

 

Pelos Touros e Cavalos, VENCEREMOS!

 

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/Basta.pt/photos/a.472890756075069.108951.143034799060668/915632268467580/?type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:31

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 31 de Julho de 2015

AGORA SIM, PALMA DE MAIORCA É ANTI-TOURADA

 

(Enquanto o mundo evolui, Portugal permanece mergulhado nas trevas)

 

ANIMA NATURALIS1.gif

ANIMA NATURALIS2.jpg

 Guillermo Amengual Cantallops liderando uma manifestação

 

É impressionante o que se sente nestes momentos. Acabámos de sair da Câmara Municipal de Palma de Maiorca, com uma vitória incrível nas nossas mãos: a declaração de Palma como cidade anti-tourada!

 

Nós conseguimos!

 

Palma de Maiorca une-se aos 19 (dezanove) municípios da ilha, que se declararam anti-tourada.

 

Palma disse sim à vida, ao respeito, ao progresso… mas este não é o fim do caminho. Ainda é necessário que toda a região se declare contra a corrida de touros e que esta prática selvagem seja abolida para sempre.

 

Vamos continuar a celebrar mais vitórias em nome dos animais!

 

Contigo, conseguiremos que sejam muitas mais cidades a declararem-se livres do maltrato animal.

 

Com o apoio de gente como tu, que acredita num mundo onde os animais têm direitos e são respeitados, conseguiremos acabar com a tauromaquia nas Ilhas Baleares e na Espanha inteira.

 

Ajuda-nos a tornar realidade esse mundo.

 

Ajuda-nos a continuar a fazer história em nome dos animais.

Une-te a nós!

 

Contigo conseguiremos a vitória definitiva.

 

Obrigada, por estares com os animais.

 

Guillermo Amengual Cantallops

Coordenador da Campanha | AnimaNaturalis Internacional

www.AnimaNaturalis.org

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:31

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 26 de Maio de 2015

UM COMENTÁRIO QUE DIZ MUITO DA (IN) CULTURA TAUROMÁQUICA QUE OS GOVERNANTES PORTUGUESES SEMEIAM POR ESTE NOSSO PAÍS EM FRANCA DECADÊNCIA

 

SONHO DE CRIANÇA.jpg

A “Cárina” deste comentário nunca saberá o que é um sonho de criança…

 

Comentário no post MENINOS QUE SONHAM SER TOUREIROS E QUANDO FOREM GRANDES QUEREM MATAR TOUROS

 

Basto me ler pouco, para chegar a meio e ler meia duzia de asneiras sem sentido! Gostava de saber dês de quando quer ser toureiro/ matador de touros é estar a roubaram a infância ás criança? Gostava. Eu sempre disse " um dia vou ser tourreira, isso nu ... Basto me ler pouco, para chegar a meio e ler meia duzia de asneiras sem sentido! Gostava de saber dês de quando quer ser toureiro/ matador de touros é estar a roubaram a infância ás criança? Gostava. Eu sempre disse " um dia vou ser tourreira, isso nunca me fez mal e eu sou muito saudavel.. Enfim crescam mais de mentalidade -.- * um dia só irei morrer se for levada por um touro * 🐎🍀❤💋

 

Cárina a 26 de Maio 2015, 01:24:28

 

***

Isto não é extremamente aterrador? Inquietante?

 

Esmiuçando a linguagem, ela não terá alguma coisa a ver com o acordo ortográfico/1990, que o governo português já impingiu às crianças, ou será fruto daquela ignorância ateada na Assembleia da República e que depois alastra, por aí, como um fogo destruidor de alminhas perdidas…?

 

Uma “Cárina” que quando crescer quer ser “tourreira” (menos mal, porque será algo que não existe).

 

Mas uma “Cárina” que um dia só irá morrer levada por um touro é algo que ultrapassa a sensatez e a saúde mental desta criatura que, tenha a idade que tiver, já nasceu velha e destrambelhada.

 

E é isto que os governantes portugueses querem para as crianças portuguesas, que têm a desdita de nascer no estreito e rasteiro mundo da tauromaquia?

 

E dizer que o povo português prepara-se para dar continuidade a este destrambelhamento instalado também no poder político!...

 

Seja quem for esta “Cárina”, agradeço-lhe esta oportunidade de mostrar ao mundo o que é o mundinho abetesgado da selvajaria tauromáquica.

***
E Cárina respondeu:

Cárina, deixou um comentário ao post MENINOS QUE SONHAM SER TOUREIROS E QUANDO FOREM GRANDES QUEREM MATAR TOUROS às 12:31, 2015-05-26.

Comentário: A senhora não reparou á hora que eu escrevi o comentário já devia tar mais a dormir que acordada? Independete mente do que digam vou continuar com o meu sonho mais agora só para calar a boca a muita gente que tenta acabar com o mundo tauromaquico em portugal, sim vocês anti-taurinos -.- e sim mantenho o meu desejo, de ser toureira neste portugal. Nasci velha com sonhos dos velhos admito que sim tem toda a razão no que diz, não sei o que é sonhos de criança? Saber sei mas cansei de lutar por uma coisa que nunca vai dar em nada, em criança sonhava trabalhar na area da estetica, mas des dai comecei a não quer saber de cabelos, unhas, já trocava isso tudo por uma corrida de touros, se hoje digo que quero ser toureira eu vou mesmo ser... Prontos mantenham a vossa opiniao que nos mantemos a nossa... 🐎🍀🐮🐴💋 Para Isabel A. Ferreira ou wtv.

 

***

Pois… à hora em que escreveu aquele comentário já «devia TAR mais a dormir do que acordada»?

 

Estaria mesmo?

 

É que “este” chegou às 12:31, e a diferença entre um e outro é ZERO. Ainda “taria “ adormecida?

 

Quem nasce velho, como você, dificilmente progredirá, por mais que se lhe “injecte” informação. O seu cérebro está murcho, estéril, e nele jamais nada de bom germinará, se continua a recusar-se a evoluir.

 

Tenho pena de si, sabe? Lamento muito que viva no meio das trevas, e tenha a “fantasia” (sonho é outra coisa) de um dia vir a ser carrasca de bovinos indefesos.

 

Não, não sabe o que é ter sonhos de criança.

 

Queria ser esteticista? E desistiu? Pois… como poderia lutar por uma profissão de gente civilizada, se nas suas entranhas corre fel, em vez de mel?

 

Como evoluir se não tem quem lhe mostre um caminho iluminado?

 

Pobre criança velha!

 

O que vale é que a selvajaria tauromáquica está com os pés na cova. A Cárina nunca chegará a ser carrasca de bovinos indefesos, e como a sua pretensão de ser esteticista se perdeu no meio das trevas em que vive, pobre moça!

 

Nunca será ninguém… a não ser que se liberte dessa “fantasia” cruel de querer ser verduga, algo que o mundo civilizado abomina e rejeita, e queira ser “gente”.

 

Para já, nem “gente” é, o que sinceramente lamento.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:53

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 4 de Maio de 2015

“SANGUE NA ARENA” É O DIVERTIMENTO DOS BRONCOS (FELIZMENTE EM EXTINÇÃO) QUE AINDA SE ARRASTAM PELO MUNDO DAS TREVAS TAUROMÁQUICAS

 

SANGRE EN LA ARENA

Asalto a la Real Maestranza de Sevilla

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:42

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 1 de Junho de 2014

CARTA ABERTA AO SENHOR DOUTOR RICARDO RIO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGA

 

Li, mas não acreditei.

Li e pasmei!

 

Braga quer retroceder no tempo e mergulhar nas trevas mais negras, recuperando o costume bárbaro da “corrida do porco preto”, pelas mãos de um tal Rui Ferreira, novo responsável máximo pelas festas do São João de Braga?

 

 

Exmo. Sr. Doutor Ricardo Rio,

 

Isto é verdade?

 

Recuperar antigas tradições das festas de São João em Braga é uma garantia deixada pelo novo responsável desta festividade, uma escolha de V. Exa., já aprovada em reunião do executivo?

Não tenho nada contra o cidadão Rui Ferreira, nem contra tradições culturais de qualidade.

 

Contudo, considero uma autêntica aberração a escolha do costume bárbaro (que de tradição nada tem) que esse cidadão quer introduzir nos festejos de São João de Braga, que eram limpos, e a ser verdade esta insólita iniciativa, passam a ser sórdidos.

 

Uma corrida de porco preto? Nos tempos que correm? Quando o mundo civilizado está a tentar fazer evoluir as terrinhas com um atraso civilizacional, devido a este tipo de iniciativas, que as colocam paradas num passado longínquo, onde proliferava a ignorância e um povo pacóvio?

 

É isso que V. Exa quer para Braga que, pensava eu, já tinha evoluído?

 

O tal cidadão Rui Ferreira não tem a mínima culpa de pretender desenterrar mortos putrefactos e tentar ressuscitá-los numa cidade, enfim, que já ganhou algum estatuto de qualidade, e que o perderá imediatamente, logo que esta barbárie, que ele considera algo verdadeiramente “minhoto”, seja recuperada.

 

A culpa será das autoridades que permitirem tal idiotice.


Numa altura em que os maus tratos aos Animais estão a ser veementemente  contestados em todo o mundo civilizado, este cidadão quer fazer corridas de porcos?

 

Saberá esse Rui Ferreira que o porco não é um alho-porro?

 

E se esse costume bárbaro estava enterrado, por algum motivo foi.

 

Não queira o município de Braga regredir…  

 

Tudo menos exploração de animais, Senhor Doutor Ricardo Rio.

 

Por isso, é muito humildemente,  que solicito a V. Exa. que não permita que a cidade de Braga (que eu tinha no coração) se conspurque e perca a sua dignidade de cidade limpa, com esse costume primitivo da corrida do porco preto, sem o mínimo interesse para a cultura de qualidade, que todos nós queremos para a cidade de Braga.

 

Até porque o Porco é um animal muito inteligente e bastante meigo, e quando é criado com carinho ele comporta-se quase como um cãozinho, seguindo os nossos passos e reconhecendo as pessoas que com ele vivem. (Falo com conhecimento de causa).

 

Esperando que V. Exa. reconsidere este meu apelo (que, afinal,  é o apelo de milhares de portugueses), apresento os meus melhores cumprimentos,

Isabel A. Ferreira
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 16:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

ENTRE O CAOS, A QUIETUDE....

ANGRA DO HEROÍSMO (AÇORES...

DE SÚBITO, AS TREVAS DISS...

«O QUE ACONTECERIA SE AS ...

AINDA A QUESTÃO DO PROTES...

GOVERNANTES PORTUGUESES F...

AGORA SIM, PALMA DE MAIOR...

UM COMENTÁRIO QUE DIZ MUI...

“SANGUE NA ARENA” É O DIV...

CARTA ABERTA AO SENHOR DO...

Arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt