Quarta-feira, 27 de Março de 2013

«UMA SALVA DE PALMAS PARA OS TOUROS E CAVALOS (OS ÚNICOS SERES PRESENTES NUMA TOURADA QUE A MERECEM)…»

 

 

 

 

 

Jose Dores, deixou um comentário ao post «ESTÁ NOS DIREITOS HUMANOS QUE TODAS AS PESSOAS TÊM O DIREITO À CULTURA» … às 13:11, 2013-03-27.

Comentário:

 

«Gosto especialmente deste ponto 2 do artigo 13º: "2. As cenas de violência nas quais os animais são vítimas, devem ser proibidas no cinema e na televisão, salvo se essas cenas têm como fim mostrar os atentados contra os direitos do animal."

 

Penso que está na hora das associações internacionais em defesa da abolição da tourada lerem este parágrafo e enviarem ao Google. Porque não é isto que o Youtube vai fazer, mas é isto que tem de fazer, não permitir vídeos de promoção, mas permitir vídeos de sensibilização para o sofrimento vivido pelo touro durante a lide, seja em que momento for.

 

Para os aficionados isto representa uma injustiça, uma ditadura da nossa parte, mas isso é porque não leram com atenção este post da Isabel e têm um Transtorno da Conduta que lhes afeta a capacidade de perceber que os touros sofrem.

 

Quanto ao resto do post espero que os Sr. Luis Soares tenha percebido que um touro tem estes direitos e que além disso ele pertence à família dos mamíferos como nós, pelo que a maioria do seu corpo é composto por estruturas que são idênticas em composição e funcionamento às nossas. Este facto torna completamente ridículo considerar que o touro não sofre e se trata de um direito do homem viver experiências culturais através do seu sofrimento.

 

Imaginemos, Sr. Luís Soares, que o touro tem uma maior tolerância à dor que o homem, coisa que não sabemos com toda a certeza, será que temos o direito de o fazer sofrer porque ele sente "pouca" dor?

 

A partir de que grau de dor é que podemos fazê-lo sofrer? Como é que avaliamos o grau de dor do touro? Penso que ninguém sabe responder a estas perguntas, o que sabemos é que ele tem terminações nervosas, que manifesta a dor em cada ferro cravado, mais nos primeiros e menos nos últimos (como era de esperar), por isso ninguém tem o direito de causar esse sofrimento, que existe mesmo, para experienciar sensações de alegria... só pode ser um transtorno de facto!

 

Mais ainda, no ano de 2012, provou-se cientificamente que os mamíferos são seres conscientes, todos eles, não apenas o homem, lembro-o que o touro é um mamífero. Por isso ele sabe que está preso, que o estão a atacar, que lhe está a doer e que vai morrer, no meio disso investe sobre o cavalo no sentido de se defender, o que é entendido, e bem, pelos doentes mentais (aficionados) como nobreza e bravura... sim o touro é nobre e bravo, porque perante um bando de doentes mentais humanos que se divertem com o seu sofrimento não desiste de lutar pela sua vida, até ao seu último fôlego, no caso de Espanha.

 

Os doentes mentais (aficionados) vêem o heroísmo do toureiro, que usa os "enganos" para se superiorizar ao touro, nós que não temos nenhum transtorno vemos um ser (des)humano que usa a sua inteligência para torturar um ser inferior mas heróico que é o touro que no fim da lide merece, ele sim, uma ovação de pé, pela sua coragem em se defender até ao fim de um ser (des)humano prepotente que o usa para ganhar estatuto social e dinheiro.

 

UMA SALVA DE PALMAS PARA OS TOUROS E CAVALOS (os únicos seres presentes numa Tourada que a merecem)!»

 

***

 

José Dores, falou quem sabe das coisas.

 

Eu escrevi o texto «ESTÁ NOS DIREITOS HUMANOS QUE TODAS AS PESSOAS TÊM O DIREITO À CULTURA» com uma certa metodologia, com a intenção de que o Luís Soares pudesse reflectir e ver as imagens, e ler as palavras e os direitos, e perceber, e até o desafiei a convencer-me de que a aberração de uma tourada era “cultura e arte”.

 

Pois foi tempo perdido. Queimei neurónios inutilmente.

 

Quem nasce aficionado, morrerá aficionado, se não tiver massa cinzenta suficiente para conseguir desatolar-se.

 

O Luís Soares é o exemplo típico do aficionado, que num cardo vê uma rosa, como podemos verificar neste seu comentário:

 

Desconhecido disse sobre «ESTÁ NOS DIREITOS HUMANOS QUE TODAS AS PESSOAS TÊM O DIREITO À CULTURA» … na Terça-feira, 26 de Março de 2013 às 19:24     

 

"Cultura significa cultivar, e vem do latim colere. Genericamente a cultura é todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo homem não somente em família, como também por fazer parte de uma sociedade como membro dela que é."

"Arte é a actividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e ideias, com o objectivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores, e cada obra de arte possui um significado único e diferente."

"(...) aquele complexo (...)"; "(...) os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo homem (...)"; "(...)actividade humana(...);"(...)com o objectivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores(...)"

Não vejo a dificuldade em enquadrar a tourada aqui. Mas é como se costuma dizer, "Pior cego é aquele que não quer ver".

Quanto ao final, para bom entendedor meia palavra basta. Bem, tendo em conto o meu nível de cultura, que aqui foi tão badalado. Gostaria de perceber melhor aquele titulo.

Com os melhores cumprimentos,
Luís Soares»

 

***

 

«Não vejo a dificuldade em enquadrar a tourada aqui. Mas é como se costuma dizer, "Pior cego é aquele que não quer ver".»

 

José Dores, pois eu tenho grande dificuldade em enquadrar a TORTURA de um animal no panorama que o Luís Soares apresentou.

 

Não sei se o José Dores consegue fazer alguma ligação.

 

Eu não. Será defeito meu.

 

***

Luís Soares, quem não percebe que tortura não é cultura nem arte, não percebe o título que tanto o incomoda. Mas já lhe disse que terá de perguntar ao Ricardo.

 

E NUNCA ENTENDERÁ o que quer que seja.

 

A sua missão falhou por completo.

 

E eu não vou perder mais o meu precioso tempo a mostrar o óbvio, a quem não tem capacidade de o ver.  
 
***

 

Jose Dores disse sobre «UMA SALVA DE PALMAS PARA OS TOUROS E CAVALOS (OS ÚNICOS SERES PRESENTES NUMA TOURADA QUE A MERECEM)…» na Quarta-feira, 27 de Março de 2013 às 16:46:

 

«Pronto vamos perguntar ao Sr. Luís Soares:

Para si a Legislação que mantem os animais ao nível de coisas está correta e não precisa de alterações?

Para si o touro não sofre?

Para si considera saudável crianças com menos de 6 anos irem a touradas?

Para si considera a idade de 6 anos a idade correta para que por lei as crianças possam começar a ir a touradas?

Para si é idiota impedir atividades económicas humanas para respeitar o bem-estar animal?

Para si os animais não humanos não têm sentimentos?

Começou a ir a touradas antes dos 9 anos?

Se respondeu que SIM a todas as perguntas está deslocado da realidade atual, vive num mundo que pertence ao passado.

Caro Luís Soares até a cultura é uma coisa mutável, as expressões culturais mudam em função dos conhecimentos científicos, dos valores sociais e das condições de vida de um povo. Eu não sou os meus pais (os meus pais e toda a minha família é aficionada), eu cresci num mundo que promove um relacionamento saudável com os animais e a natureza. Em todos os países civilizados o material educativo e audiovisual para crianças não pode conter situações de crueldade para com animais, muitas vezes até representados com características humanas para promover a empatia pela natureza. Num mundo desses é natural que expressões culturais como a Tourada simplesmente deixem de fazer parte integrante da verdadeira cultura do povo em que ela está inserida.

Dai a Prótoiro andar a acenar com Patrimónios Culturais Imateriais, dai se Criarem Escolas ou Ateliers de Expressões Tauromáquicas... porque senão a tourada qualquer dia será uma cultura de ninguém... esse dia, se não é amanhã, é depois de amanhã, a nossa ideia de cultura mudou.»

***

Luís Soares, aqui fica o repto.

 

Se acha que tem assim tanta razão responda, por favor, às perguntas do José Dores.

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:52

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 22 de Março de 2013

DELEITAR-SE COM TOURADAS É UM TRANSTORNO DE CONDUTA, DE ACORDO COM O «MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS»

 

O QUE É UM AFICIONADO: LEITURA DE UM CIDADÃO QUE CONHECE OS MEANDROS DA TAUROMAQUIA

 

 

Que género de criatura sugere esta figura? Não são precisos nem estudos, nem provas científicas. Basta observar bem a expressão.

 

 

José Dores, deixou um comentário ao post DESCRIÇÃO DE UM AFICIONADO, NARRADA PELO PRÓPRIO às 12:11, 2013-03-22.

 

Comentário:

 

«Isabel,

 

Não me canso de dizer isto e esperava de quem defende a nossa causa maior ênfase a este facto que tende a ser ignorado ou omitido e que é na minha perspectiva da maior relevância nesta disputa entre quem defende a tourada e quem quer a sua abolição. Segundo o DSM IV - "O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais” -  Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – DSM ) que é um manual para profissionais da área da saúde mental que lista diferentes categorias de transtornos mentais e critérios para diagnosticá-los, de acordo com a Associação Americana de Psiquiatria American Psychiatric Association - APA ), e é usado ao redor do mundo por clínicos e pesquisadores bem como por companhias de seguro, indústria farmacêutica e parlamentos políticos.”

 

Segundo este Manual, que serve de apoio aos técnicos na área da saúde mental em Portugal, nomeadamente na definição de diagnósticos, gostar de touradas é um Transtorno de Conduta, porque a Tourada é uma forma de crueldade para com animais. A nossa lei assume-a como tal, mas concede-lhe uma excepção por ser entendida como uma tradição portuguesa. Não diz que não é cruel, diz que é uma crueldade aceite pela lei. Mas se é uma crueldade, e não me venham sequer tentar argumentar que não é, porque isso é estupidez pura e simples, então quem não vê essa cruueldade sofre de um Transtorno de Conduta como podemos ler aqui: http://virtualpsy.locaweb.com.br

 

/dsm_janela.php?cod=200 

 

Está bem explícito no Manual de Diagnóstico que a crueldade para com animais é um sintoma desta perturbação, que tem como linha de base a incapacidade de gerar empatia pelo sofrimento alheio, nos casos mais graves pode manifestar-se através de violações. Se lermos o texto e os sintomas entendemos o porquê de termos uma sociedade como a que temos, estes comportamentos desadequados são comuns e promovidos na sociedade portuguesa em geral, e especialmente em situações como a Tourada. Isto são factos científicos, nos quais as leis e o seu cumprimento devem ser fundados.

 

Este tema não é discutível, porque para ser incluído este sintoma no Transtorno de Conduta tiveram de haver estudos científicos de comprovada fiabilidade para afirmar e incluir esse sintoma. Estamos a educar gerações e gerações de crianças a terem uma conduta desadequada, quando a obrigação da sociedade e do estado em particular é salvaguardar o seu correto desenvolvimento.

 

É do interesse de todos os portugueses que as futuras gerações tenham uma conduta saudável, de forma a evitar problemas sociais futuros.

 

Não se entende como é que aos 6 anos uma criança tem legalmente autorização para visionar uma Tourada e muito menos como é que são permitidas entradas de crianças com idades inferiores a isso. Dir-me-ão os aficionados, vão acompanhadas dos pais que têm o direito de lhes querer ensinar o que entenderem.

 

Não, não é assim. Em primeiro lugar os pais sofrem de um Transtorno Mental, como acima referido, em segundo lugar existe o "maior interesse da criança", ou seja existem coisas que são do interesse da criança independentemente da opinião dos pais ou tutores, e nesses casos o Estado tem obrigação de intervir. Argumentar com doentes mentais não vale a pena, os aficionados não percebem os nossos argumentos porque não geram empatia com o sofrimento do touro, isso para eles não existe ou não é relevante, vêem-no, mas não lhes produz qualquer sentimento e isso não é normal, é patológico. Espero que este assunto assuma a relevância que lhe é devida nesta batalha de argumentos.»

 

***

 

José Dores, de um modo menos “científico” já se tem abordado, neste Blog, o problema da saúde mental de todos os que de um modo ou de outro, estão ligados à tauromaquia, precisamente porque gostar da crueldade, cometê-la ou apoiá-la não é normal.

 

Por outro lado, o Estado Português está-se nas tintas para a SAÚDE MENTAL dos portugueses, nomeadamente das crianças, pois apoia as escolas taurinas onde crianças, com menos de seis anos, APRENDEM A VIOLÊNCIA E A MATAR SERES VIVOS.

 

Já enviámos várias “recomendações” a vários ministérios e entidades que tinham o DEVER de zelar pelo bem-estar físico e mental das nossas crianças (e até dos adultos também), mas é o mesmo que atirar pérolas a um charco de água choca (desculpem a expressão, mas dada a gravidade do assunto, não me ocorre outro modo de dizê-lo).

José Dores, eu também espero que este seu texto tenha a visibilidade que merece, junto dos responsáveis do nosso país que está entregue a gente desatinada.

 

Esta questão da tauromaquia ultrapassa tudo o que é razoável, ético, moral e humano.

 

É uma calamidade pública, a que os governantes não dão a menos importância.

 

Mas a verdade é que, enquanto não se legislar no sentido de proteger os Direitos dos Animais, os Direitos dos Homens serão afectados, como estão a ser. O estado de um país, vê-se pela forma como os governantes lidam com a sua fauna. E o nosso país, coitado, está milhares de graus abaixo de zero, quanto a esta matéria.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:57

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«UMA SALVA DE PALMAS PARA...

DELEITAR-SE COM TOURADAS ...

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt