Terça-feira, 17 de Julho de 2018

Touradas: «Há limites para a parvoíce»

 

Depois daquela monumental demonstração de atraso civilizacional, protagonizada pela maioria dos deputados da Nação, no Parlamento, quando se negaram a dar um passo em direcção à evolução, ao chumbarem o Projecto de Lei do PAN, para a Abolição das Touradas em Portugal, choveram críticas de todos os lados.

É que os Portugueses esperavam que os deputados da Nação fossem evoluídos.

Reuni aqui três textos basilares que arrasam a atitude troglodita de partidos como o PS e PCP (que se dizem de esquerda) unindo-se aos partidos da direita (PSD e CDS/PP) naquele que é um acto da maior subserviência a um lobby menor e parasita, o qual vive à custa dos impostos dos Portugueses.

 

Primeiro texto:

 

Representante da Juventude Socialista chama "retrógrados, masoquistas e psicopatas" a deputados do PS 

 

JOÃO BISCAIA67605_png.jpg

Foto: João Biscaia 

 

Débora Rodrigues, 26 anos, representante da Juventude Socialista, na Comissão Nacional do Partido Socialista e adjunta do secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo - de quem já foi chefe de gabinete em regime de substituição - não gostou de ver o PS a chumbar a Abolição das Touradas na Assembleia da República, no passado dia 6 de Julho e decidiu publicar na sua página do Facebook o seguinte:

 

«Uma vergonha para o país e para o partido, os deputados do PS que tomaram a decisão de votar contra ou se abster, ou preocupados com os eleitoralismos regionais ou então aficionados por serem simplesmente retrógrados, masoquistas e psicopatas que gostam de touradas».

 

E disse mais, nos seus comentários:

 

«Quero acreditar que são poucos (os socialistas) ou então o nível de inteligência dos deputados eleitos pelo PS é menor do que aquele que pensava… Que eu saiba o nível de inteligência de um ser humano também se mede pela capacidade de viver e conviver num mundo em que não é o único ser, preocupando-se com o seu futuro e com o futuro dos outros, bem como com o meio em que vive...»

 

Certíssimo.

Esta atitude da Débora Rodrigues é de louvar, por dois motivos:

Primeiro: tem personalidade própria, não é seguidista, nem retrógrada, nem sádica, nem psicopata.

Segundo: a sua atitude demonstra que tem os pés fincados no século XXI D. C., e não cheira a mofo, como os socialistas medievalescos e seguidores de uma prática monarquista de direita.

 

E o que a Débora escreveu não são insultos. Porque a Débora limitou-se a dizer a verdade. E dizer a verdade não é insultar.

 

Para completar, aqui ficam os nomes dos oito deputados socialistas (em 86) que votaram a favor da Abolição das Touradas em Portugal: Pedro Delgado Alves, Rosa Albernaz, Ana Passos, Luís Graça, Diogo Leão, Hugo Carvalho, Tiago Barbosa Ribeiro e Carla Sousa. Os NIM, 12 deputados socialistas, abstiveram-se.

 

Eu também me envergonho deste PS que se diz de esquerda e pratica esta política de direita.

 

Segundo texto:

 

«Avante pela tradição»

 

Um texto de Viriato Teles

 

VIRIATO TELES.jpg

 

«O «respeito pela diversidade cultural e pela tradição» foi o principal argumento esgrimido no parlamento para chumbar a proposta de abolição das touradas apresentada pelo PAN. Que se discuta a proibição e as suas envolventes sociais, ainda posso entender. Agora, chamar àquilo «cultura», desculpem, mas há limites para a parvoíce.

 

Não estou seguro de que proibir as touradas seja a melhor opção para acabar com elas, mas por algum lado tem de se começar. Porque, disso tenho a certeza, quando esse entretenimento perverso for abolido (seja pela lei, seja pela grei) Portugal terá dado mais um importante passo civilizacional. Concretizando, afinal, o que já foi tentado, há quase 200 anos, por Passos Manuel – e, antes dele ainda, pelo Papa Pio V que, no século XVI, emitiu uma bula contra «esses espectáculos sangrentos e vergonhosos dignos de demónios e não dos homens». A luta contra as touradas, como se vê, já vem de longe.

 

A proposta de lei do PAN tinha fragilidades, mas era um ponto de partida. Que podia, e devia, ser melhorado e acrescentado, mas é para isso mesmo que existe a Assembleia da República. A aprovação da lei traria problemas e não seria consensual? Com certeza. Mas não foi sempre assim que se deram os grandes avanços da história e da civilização?

 

Resistir à mudança é próprio de todos os sistemas: por mais modernos que julguem ser, são sempre estruturalmente conservadores. E quando essa mudança atinge um potencial eleitorado, os partidos são os primeiros a temê-la e preferem «atirar a areia para debaixo do tapete». Já não em nome de princípios, como aconteceu noutros tempos, mas de meros fins eleitorais de curto prazo e efeito duvidoso.

 

O invocado «respeito pela tradição» não é um argumento sério: a ser assim, ainda a escravatura seria legal e socialmente aceite, as mulheres continuariam a ser propriedade dos maridos, os «crimes-de-honra» ainda seriam tolerados, uma jornada de trabalho duraria de sol-a-sol, e por aí adiante.

 

Quanto à «diversidade cultural», só se for em homenagem à ex-ministra Canavilhas, a quem a indústria tauromáquica tanto deve – afinal, foi ela quem incluiu o divertimento taurino na lista dos produtos culturais. Sim, aconteceu, e foi já no século XXI. Admiro pessoas com sentido de humor, mas este parece-me excessivamente negro.

 

Ora se este enredo de algum modo se compreende quando executado por políticos de direita, já começa a ser mais difícil de entender quando é usado por arguentes de esquerda. Ângela Moreira, a parlamentar escalada pelo PCP para o debate, conseguiu superar-se na justificação, quando explicou, sem se rir, que «o caminho que há a fazer é o do respeito pela diversidade cultural e o da efectiva responsabilização do Estado na promoção de uma relação mais saudável entre os animais e os seres humanos, acompanhada de uma acção pedagógica com o objectivo de sensibilizar os cidadãos, em particular as crianças e os jovens, para a importância do bem-estar animal e a sua efectiva protecção». Só faltaram os violinos.

 

Para a deputada comunista, ao propor o fim das touradas, «o PAN não admite que haja outras culturas, identidades, tradições, sensibilidades que não as suas, só admite os seus próprios padrões culturais e morais e quer impô-los, se possível pela lei e pela força».

 

Acontece que foi precisamente uma «visão cultural uniformizada e uniformizadora do mundo» o que o PCP demonstrou, por exemplo, nos debates recentes sobre a canábis ou a eutanásia, alijando-se numa visão conservadora e temerosa que contradiz a própria história, muito honrada, da luta travada por várias gerações de comunistas portugueses em prol de um mundo novo e livre.

 

Mas acontece também que, seja por convicção ou por oportunismo, nos dias de hoje o Partido Comunista surge com demasiada frequência ao lado dos que, por duvidosos princípios morais ou obscuros interesses materiais, procuram controlar os nossos hábitos, os nossos comportamentos, os nossos vícios e as nossas virtudes – as nossas vidas, em suma.

 

A legalização da canábis pode levar à tolerância legal do consumo recreativo? E então?

 

A descriminalização da eutanásia pode levar à prática de crimes? Provavelmente sim. E vice-versa também.

 

O fim das touradas cria um problema económico e social? Talvez. O fim do império também criou, e bem maior, mas nem por isso deixou de acontecer. Porque era o que tinha de ser feito, é assim a normal evolução da história e da vida. Porque «todo o mundo é composto de mudança / tomando sempre novas qualidades», lembram-se?

 

Acabado o sonho de mudar o mundo como queria Marx, valeria a pena pensar em mudar a vida como propunha Rimbaud. Ou fazer por isso. Tradicionalmente, é esta a função de um partido revolucionário, ou pelo menos de esquerda.

 

Mas, definitivamente, a tradição já não é o que era. Nem o PCP.»

 

Fonte:

https://www.rtp.pt/noticias/opiniao/viriato-teles/avante-pela-tradicao_1086634

 

Muito bem, Viriato Teles.

Também a mim me faz “espécie” que o PCP, dizendo-se um partido de esquerda, pratique uma política monarquista de direita, porque todos sabemos que isto das touradas é um costume bárbaro introduzido em Portugal pelo rei Filipe II de Espanha, I de Portugal, e era um entretenimento dos monarquistas abastados, porque os pobres entretinham-se a jogar à patela, no chão lamacento…

 

Terceiro texto:

 

«Torturar Touros e enforcar Cães»

 

Muito bem, Diogo Faro.

 

Celebro a sua lucidez, que anda tão arredada dos fantoches políticos que nos desgovernam, e que mantêm uma pequena fatia do povo português estagnado em águas turvas e fétidas.

 

DIOGO FARO.jpg

 

Opinião de Diogo Faro

 

«Peço desculpa pelo título, às pessoas que ainda têm alguns sentimentos e que até apreciam a evolução da civilização, mas vamos ter de falar nisto.

 

A proposta para a abolição da tourada foi chumbada no Parlamento, como era esperado, convenhamos. E entende-se. Um dos elementos baluarte dos tauromáquicos é que aquela espécie de touros se vai extinguir com o fim da tourada. Os antepassados das pessoas que dizem isto também diziam que a abolição da escravatura ia acabar com todas as pessoas pretas. E veja-se o que aconteceu, hoje em dia só existem brancos, para grande pena do KKK e grupos que tais. O que nos leva a aceitar que há torturas que valem a pena.

 

O líder parlamentar do CDS apontou para algumas dezenas de pessoas que assistiam à sessão na Assembleia. Vestiam todas blazer de bom corte, camisas engomadas pela criada (provavelmente preta, para tentar ainda salvaguardar a espécie), corte de cabelo irrepreensível (muitos com gel e puxadinho atrás) e algumas ainda envergavam um Terço prateado ao peito, Deus as tenha, provavelmente todas com os seus BMs e Mercedes Pato Bravo estacionados lá fora. E então o líder do CDS falou e disse: “se a tauromaquia é uma fonte de rendimento para tanta gente, como é que estas pessoas vão sobreviver com a abolição da tourada?”. Comovi-me. E aceitei que de se espetar ferros que parecem lanças medievais em touros, se faça um espectáculo lucrativo para manter o estilo de vida destas pobres pessoas.

 

Agradeço então a todos os deputados que não deixaram a proposta de lei passar. Mais importante que o progresso civilizacional é preservar as tradições – não importa se são selváticas, são tradições e pronto! – e o financiamento dos baldes de gel e botões de punho dourados para aqueles senhores.

 

Por falar em psicopatia, algo do género que me chegou à retina foi a notícia de ter sido encontrada uma cadela enforcada numa mata em Casal de Cambra. Ah, e foi ainda descoberto que estava grávida. Não me vou alongar para não ficarem com estas imagens na cabeça como eu fiquei. Mas a linha é a mesma. Nós humanos, somos superiores – quem disse? Nós próprios, claro – a qualquer ser e temos o direito divino (?) a fazer com eles o que bem nos apetecer. A questão é, se torturar cães desta maneira for (ou vier a ser) tradição, é para preservar? Provavelmente sim. E com um bocadinho de sorte ainda se usa dinheiro do Estado (aquele que é de todos, sabem?) para se financiar a criação de cães para enforcamento e a televisão estatal ainda começa a transmitir espectáculos disso em horário nobre. Não é boa ideia? Se é para sermos bárbaros, então vamos sê-lo o tempo todo.

 

Sugestões mais ou menos culturais que, no caso de não valerem a pena, vos permitem vir insultar-me e cobrar-me uma jola:

 

- Costa Vicentina: É irem agora enquanto está pouca gente, àquela que é a minha zona preferida de todo o país.

 

- "The Incredible"s 2: Já está em exibição e foi com muito orgulho e felicidade que eu fiz uma das vozes da versão portuguesa. É só uma participação pequenina, mas ESTOU FELIZ, VÃO VER O FILME, VÁ!»

 

Fonte:

https://24.sapo.pt/opiniao/artigos/torturar-touros-e-enforcar-caes

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:08

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2015

PRÉMIO FEMINA 2015 SERÁ ENTREGUE A UMA TORTURADORA DE TOUROS OU HAVERÁ BOM SENSO?

 

Já escrevi sobre a minha INDIGNAÇÃO quanto á atribuição do Prémio Femina 2015, também a uma torturadora de Touros e Cavalos Lusitanos

 

PÉMIO FEMINA.jpg

 Estas são as agraciadas com o Prémio Femina 2015

Origem da imagem e texto sobre as agraciadas:

http://www.conexaolusofona.org/a-forca-da-mulher-lusofona-conheca-os-nomes-destacados-no-premio-femina-2015/

 

Georgina Benrós de Mello, directora-geral da CPLP, recebe o Prémio Femina de Honra. Georgina é cabo-verdiana, licenciada em Economia e Gestão e já exerceu a profissão em Cabo Verde e em Timor-Leste, tendo trabalhado nesses países com projectos de diferentes agências das Nações Unidas.

 

Inocência Mata e Ana Mafalda Leite, recebem o prémio por mérito nas Artes e Letras; Fátima Cardoso, por mérito nas Ciências, Soraya Gadit, por méritos relevantes, e Sónia Matias (a que tortura Touros e Cavalos Lusitanos) vai receber o mesmo prémio (PASME-SE!) pela divulgação da cultura, da história e da matriz portuguesa no estrangeiro e na lusofonia...

 

***

Enviei às senhoras laureadas, os dois textos que escrevi a este propósito, cujos links aqui deixo:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/2015/11/05/

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/2015/11/06/

 

Uma das senhoras, muito amavelmente, respondeu-me, e vou partilhar publicamente o conteúdo da mensagem, por entender ser do interesse dos leitores.

 

Por motivos óbvios, OMITIREI o nome da senhora:

 

«Exma Senhora Isabel A. Ferreira

 

Agradeço o envio das suas mensagens.

Penso que sabe que não tenho qualquer influência na escolha das agraciadas.

 

Compreendo a sua posição em relação à Tauromaquia.

 

Na verdade eu também não gosto dessa actividade.

 

No entanto compreendo que seja algo típico da cultura Portuguesa. Sobretudo aliada ao Cavalo Lusitano, um ser muito bonito.

 

Sendo uma actividade normalmente efectuada e dominada por homens, é muito difícil a uma mulher ter uma posição de relevo nesse tipo de actividades.

 

Penso que terá sido essa a óptica da Comissão de Honra na escolha da Sra Dª Sónia Matias.

 

No entanto, quem melhor poderá responder às suas questões e indignação, será a própria Comissão.

 

Da minha parte, agradeço-lhe as amáveis palavras relativamente à minha nomeação e ao trabalho que tenho desenvolvido (…)…

 

Melhores cumprimentos

(...)

 

***

Respondi à Senhora e aqui deixo a minha resposta, com um grande pesar no coração.

 

Exma. Senhora (…)

 

Agradeço a gentileza da sua resposta.

 

Ao escrever o que escrevi sobre o Prémio Femina 2015, a minha intenção era a de evitar que as senhoras laureadas se recusassem a receber um prémio que, ao mesmo nível, foi atribuído a uma torturadora de seres vivos, que em nada dignifica as Mulheres Portuguesas, os Valores Humanos, a Cultura Portuguesa e o Avanço Civilizacional.

 

Vejo que não fui entendida.

 

Se eu estivesse no lugar das laureadas, recusar-me-ia a receber um prémio que, ao ser atribuído também a uma personagem cujo maior feito é torturar Touros e Cavalos Lusitanos, numa arena, para gáudio de sádicos, estaria a desonrar actividades civilizadas e dignas de serem louvadas, por trazerem mais-valia às sociedades humanas.

 

Esta “actividade” aviltante de torturadora de seres vivos, foi colocada ao nível da actividade que a Senhora (…) exerce e, por isso, fiquei absolutamente INDIGNADA, pela falta de lucidez de um júri masculino completamente alienado.

 

Confundir uma actividade DIGNA com algo INDIGNO não é da racionalidade. Até porque a tauromaquia não representa nem de perto nem de longe a Cultura Portuguesa.

 

A TORTURA de seres vivos nunca foi CULTURA em parte alguma do Universo.

 

O Cavalo Lusitano é um animal sensível e nobre, barbaramente vilipendiado nestas demonstrações bárbaras, e ficam bastante maltratados, física e psicologicamente, e muitos morrem nas arenas. A Sónia Matias não representa, nem de perto nem de longe, a Mulher Portuguesa.

 

E nós, se queremos dignificar a nossa acção feminina na sociedade, temos o DEVER de nos insurgir contra este tipo de machismo e orquestração masculina, para ELEVAR aos píncaros, uma actividade que é condenada por todo o mundo civilizado, e nada acrescenta ao avanço da civilização.

 

Peço desculpa, mas não posso deixar de me INDIGNAR ao ver colocar ao mesmo nível uma Senhora que contribui para o avanço da civilização, a receber um mesmo prémio atribuído a uma torturadora de seres vivos, que em nada contribui para a dignidade humana, nem para o avanço civilizacional que pretendemos para o nosso País.

 

No próximo dia 28 de Novembro, se as senhoras laureadas aceitarem receber o Prémio Femina 2015, ao lado de alguém cujo maior feito é espetar bandarilhas no corpo de um Touro e fazê-lo sangrar até à morte, e sujeitar o belo Cavalo Lusitano a maus-tratos inconcebíveis ao ser manipulado numa arena, estarão a contribuir para o retrocesso civilizacional e a desacreditar um Prémio que, este ano, não cumpre a sua função: destacar o VALOR da mulher portuguesa.

 

Se a Senhora (…) entende que torturar seres vivos para divertir sádicos (porque é essa a “utilidade” da tauromaquia) faz parte da Cultura Portuguesa e da Dignidade Humana, e é uma actividade que VALORIZA a mulher portuguesa, peço desculpa, mas por muito que já tenha feito pela humanidade, esse muito evaporar-se-á no momento em que aceitar receber um prémio conspurcado pela iniquidade de um júri masculino que desconhece o verdadeiro sentido do VALOR FEMININO.

 

Com os meus cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:55

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 20 de Novembro de 2013

Em Espanha condena-se tauricidas por maltratar Cavalos, mas não por maltratar Touros

 

Que justiça será esta? Por que leis se regerão os tribunais espanhóis?  

 

Naturalmente por leis tão irracionais quanto as portuguesas, que não consideram os Touros e os Cavalos animais.  

  

 

O toureiro José Antonio Canales Rivera foi condenado pelo Tribunal de Magistrados Número 1, de Puerto Real, em Cádis, a pagar uma multa de 600 euros, após admitir ter maltratado com crueldade um Cavalo. 

 

O ponto de partida foi uma denúncia apresentada pelo Observatório de Justiça e Defesa Animal, no Instituto do Meio Ambiente de Cádis, em Espanha.

 

Esta é a primeira vez que um toureiro é condenado neste país por abuso animal.  

 

O caso remonta ao passado mês de Fevereiro quando, num clube de equitação, na província de Cádis, um cavalo sofreu múltiplas lesões no seu focinho.

 

O animal apresentava ferimentos profundos, com sangramento e em forma de meia-lua, acima do seu nariz. De acordo com testemunhas presentes, as lesões foram causadas pela utilização de “serretas vivas” que são instrumentos cruéis de punição, fabricados com pontas de ferro colocadas directamente sobre a pele do focinho do Cavalo.

 

De acordo com especialistas, estes aparelhos oprimem violentamente o animal, de modo que ao menor movimento contrário à vontade deste, os dentes afiados das “serretas” são cravados no focinho do animal, numa área particularmente sensível, onde existem muitas terminações nervosas.

 

O Observatório de Justiça e Defesa Animal emitiu o seguinte comunicado:

 

«Como defensores legais dos direitos dos animais, lamentamos que ainda no século XXI, os animais não gozem do respeito e consideração que merecem como seres vivos que são, mas ao mesmo tempo, celebramos que a sociedade, no seu conjunto avance, estando cada vez mais sensibilizada para o abuso de animais, de modo que o sofrimento destes não lhe é indiferente, e torna-se cada vez mais normal que os próprios cidadãos chamem a atenção das autoridades e das organizações de defesa animal, como é o nosso caso, quando existem episódios de possíveis maus-tratos e dos quais foram testemunhas».

 

Fonte:

http://www.anda.jor.br/20/11/2013/toureiro-condenado-abuso-animais-espanha?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=toureiro-condenado-abuso-animais-espanha

***

Contributo do Dr. Vasco Reis, médico veterinário português, para entendermos melhor o que aqui esteve em causa.

 

«O cavalo é um animal que procura evitar o perigo através da fuga. No entanto, este animal sociável, generoso, tornado submisso, é obrigado na lide a enfrentar o touro pelo respeito/receio que o cavaleiro lhe incute por meio da voz, por inclinações do corpo, por pressão das pernas e pela pressão e dor que instrumentos utilizados pelo cavaleiro lhe provocam (serreta, freio, bridão, barbela, rédeas, esporas).

 

O sofrimento psicológico e físico do cavalo está sempre presente na lide e incide principalmente no foro psíquico, na boca através de freio e bridão, na mandíbula pela barbela, no chanfro pela serreta e no ventre pelas esporas.

 

O grau de sofrimento depende da acção do cavaleiro ser mais ou menos violenta, provocando mais ou menos dor. A acção da serreta pode ser forte a ponto de ferir o chanfro e até partir os ossos nasais subjacentes ao chanfro. Há casos de cavalos que morrem durante a lide por síncope cardíaca provocada por esforço e por pânico.

 

A tourada significa enorme sofrimento para touros e cavalos.

 

No caso desta punição, tratou-se simplesmente de resultado de violência bem detectada ou de mais atenção prestada por quem denunciou, mas não se trata de um caso isolado

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:05

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
19
20
22
23
28
29
30
31

Posts recentes

Touradas: «Há limites par...

PRÉMIO FEMINA 2015 SERÁ E...

Em Espanha condena-se tau...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt