Segunda-feira, 18 de Setembro de 2017

VOTAREMOS APENAS EM CANDIDATOS QUE NÃO ESTEJAM COMPROMETIDOS COM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA

 

Proponho-me a reproduzir aqui o precioso  testemunho de uma ribatejana, publicado no Facebook, a qual não se identifica com a barbárie que caracteriza o Ribatejo.

Estas eleições autárquicas poderão servir para penalizar todos os candidatos que, à direita e à esquerda, por todo o país, apoiam a selvajaria tauromáquica, que tortura e mata animais não humanos e tira a vida e estropia animais humanos…

 E nenhum destes candidatos merece o nosso voto…

 

AUTÁRQUICAS17.png

 

Texto de Isabel Faria

 

«Aprendi a rejeitar as touradas, por uma questão de classe. Os donos dos touros eram sempre, nas minhas certezas juvenis, os latifundiários. Os mesmos que iam para a Praça do Mercado escolher os trabalhadores agrícolas para trabalhar à jorna, recusar dar trabalho a trabalhadores agrícolas, ou chamar a GNR para os reprimir.

 

Os toureiros eram deles. Os forcados eram os filhos dos capatazes das suas terras. Os que ambicionavam ser deles.

 

Possivelmente com alguma análise mais adulta, a equação não seria assim tão linear... mas ainda faltava muito para análises adultas.

 

Só com o tempo, juntei à questão da barricada, o marialvismo reaccionário, a barbárie do espectáculo, o sofrimento infringido aos animais, a desumanidade de ir para as bancadas vibrar com o sofrimento e aplaudir o sangue.

 

Por isso tudo, sou claramente a favor do fim das touradas. Por isso tudo, e voltando, de relance, às autárquicas, seria incapaz de votar num candidato ou num programa que as protegesse, impulsionasse, sequer, acriticamente, aceitasse.

 

Morreram dois jovens em pouco mais de uma semana, em arenas de Praças de Touros em Portugal. A morte é sempre uma tragédia. Os acidentes têm sempre responsáveis e culpados.

 

Estes acidentes são fruto de uma "tradição" bárbara e sem nenhum sentido, que massacra animais e mata homens.

 

À Esquerda devia ser uma linha vermelha intransponível, mantê-la ou apoiá-la.»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/josegmatias/posts/10203611412161876?comment_id=10203611523204652&notif_t=comment_mention&notif_id=1505674632260339

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:34

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 8 de Janeiro de 2014

TESTEMUNHO DE UM FOTÓGRAFO QUE ASSISTIU A UMA TOURADA

O que aqui se descreve acontece no século vinte e um depois de Cristo, num país integrado na União Europeia, passados já muitos séculos sobre um tempo ensombrado, em que os “homo” eram ainda muito primitivos.

 

Evolução? Onde...?

 

Que governantes serão os que permitem tamanha carnificina?

 

 

«Curiosidades Jornalísticas de David Callan

 

A minha curiosidade natural como jornalista levou-me a uma tourada durante as minhas férias em Sevilha.

 

Não tem desculpa, eu sei, mas como eu tinha crescido numa fazenda em África, e vi na minha infância, as vacas a serem abatidas para alimentação, pensava eu que estaria bem preparado para ver uma tourada, onde o touro supostamente é morto rapidamente por profissionais desta arte de matar.

 

Mas afinal não foi nada daquilo que eu imaginava, vi-o sofrer indiscriminadamente durante cerca de uma hora, sendo massacrado por diversos tauricidas, com o intuito de, com isso, dar um espectáculo macabro para as pessoas que assistiam na plateia ansiosas por sangue.

 

Ao meu redor estavam jovens casais e pensionistas que se deliciavam e pediam mais sangue, nessa noite de diversão, que mais parecia um encontro de gente satânica.

 

O que eu testemunhei era uma tortura autêntica, estava tão revoltado, que dei por mim a estimular o touro a causar danos aos seus algozes.

 

Como poderia o ser humano torturar e matar lentamente um belo animal, deixando-o cuspir sangue e a afogar-se nos seus próprios fluidos?

 

Deixo Espanha desgostoso com a ''arte'' das touradas e com raiva de mim próprio por ter colocado a fotografia jornalística à frente da crueldade animal.

 

(David Callan - Fotógrafo Profissional)

 

Fonte:

http://novoblogantitouradaportugal.wordpress.com/2014/01/08/curiosidades-jornalisticas-de-david-callan-testemunho/ 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:13

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 20 de Março de 2013

A TORTURA DO TOURO VAI MUITO PARA ALÉM DA LIDE, NOS BASTIDORES DAS ARENAS…

 

 

 

Estes ferros, espetados nas costas de um homem, doem tanto como espetados no lombo de um Touro. Comprovadamente.

 

 TESTEMUNHO DE ESTELA LOURENÇO, A QUEM AGRADEÇO A PERMISSÃO PARA PUBLICAR ESTAS PALAVRAS 

 

«Eu fui testemunha do sofrimento atroz que provocam aos touros, dentro, e pior ainda, depois das touradas. Sobrinha de um toureiro e matador de touros, virei-lhe as costas quando atingi a idade de compreender que afinal os touros sentem dores e muito, no dia em que desmaiei ao ver o que fizeram a um touro depois da corrida, quando lhe tiravam os ferros e ouvir os berros agonizantes do animal...

 

Estive décadas que nem pelo telefone falava com o meu tio, que durante anos me tentara convencer de que os touros não sentiam dores.

 

Foi marcante Isabel, eu estive 3 dias cheia de febre e com o médico á cabeceira da cama. Estava sempre a ouvir os berros de agonia do pobre animal, naquela altura não havia psicólogos, ou se havia, estavam incógnitos, mas bem que precisei de um, porque arrastei até aos dias de hoje os berros do animal na minha mente.

 

Não conto o que vi fazer, porque é mau demais, eu que por várias vezes tinha "brincado" com touros nas lezírias. Eles quando estão em manada, deitados, são pachorrentos, o pior é quando algum se tresmalha, porque o instinto do animal não é matar ou ferir, é defender-se de tudo o que mexe e que ele considera uma ameaça, especialmente quando, desde bezerros, começam a ser picados pelas varas com "agulhões" em ferro.

 

Repare que quando os toureiros passam com as capas pela frente dos touros, eles não vão marrar nos toureiros, só quando estes se descuidam e passam a capa por detrás do corpo, o touro, marra no "objecto" em movimento, e por vezes apanha o corpo do toureiro. Os touros não vêm a cores, só a preto e branco, a cor vermelha é para disfarçar o sangue que lá fica agarrado. Os touros marram no que move á frente dos olhos, não para atacar, mas para se defenderem.

 

Os chifres, que a Natureza lhes colocou na cabeça, são para defesa.

 

Posso descrever com detalhes a barbaridade que vi com os meus olhos, e mais, vi tirarem ferros espetados não no "cachaço" como na gíria é conhecido, mas o verdadeiro nome é "pojadouro", que estavam "enterrados" no meio do lombo.

 

Eu ouvi o meu tio dizer, quando estava em grandes almoçaradas com outros toureiros, que em Espanha chegou a cortar orelhas e rabos e o animal ainda não tinha morrido, estava meio morto-meio vivo, quando eu gritei: malvado! ele tentou acalmar-me dizendo que os touros não sentiam dores, que tinham nascido para aquele fim e que por isso, não sofriam...»

 

***

Ocorre-me fazer quatro observações:

 

Primeira: o efeito nocivo destes rituais macabros nas crianças.

 

Segunda: o sofrimento real dos Touros. Se não sofressem, a Estela Lourenço nunca teria ouvido os berros agonizantes do animal, quando lhe retiravam, a sangue frio, os ferros enterrados no lombo,  e que a perseguem até aos dias de hoje.

 

Terceira: uma criança pode “brincar” com os touros nas lezírias, sem que nada de mal lhe aconteça…

 

Quarta: E é isto que a igreja católica abençoa; e é isto que o governo português apoia com as suas leis pacóvias.

 

***

 

(Este texto assinado pela "Engrácia" foi publicado no âmbito de uma estratégia para desmascarar a prótoiro que, utilizando o nome da Ganadaria Palha, entregou-me pistas preciosas para chegar ao mundo imundo da tauromaquia)

 

 

OUTRO TESTEMUNHO ATROZ:

 

«Que vergonha, e o pior é que é verdade.

Vinda de uma família que criou toiros até uma década atrás, posso atestar pela veracidade de tudo isto. Infelizmente na minha família quando iam os toureiros treinar os cavalos novos com os bebés, usavam detergente para lhes meter nos olhos para que a visão ficasse turva. Normalmente usavam detergente da loiça do tipo Sonasol pois criava uma pelicula como se fosse uma bola de sabão que turvava a vista ao pobre animal.

Tem sido uma luta mas felizmente vou perdendo o medo de falar. Já não me podem fazer mal e está na altura de todos saberem quem eles são realmente.

 

Os anos de violência a que estive sujeita num casamento preso no tempo e no que chamavam de "tradição" deixaram marcas. Agora que já passou tanto tempo estou livre para poder falar. O mundo da afición é um mundo de violência que se estende também a casa e famílias.

 

Tudo o que disse é verdade.

 

Eu fui casada durante 27 anos com um filho bastardo de uma família de ganadeiros. Era ele que tratava da ganadaria e teve sempre problemas com o álcool. Fui agredida anos a fio e a agressão não era só física. A pior era a psicológica constantemente deitando-me abaixo e rebaixando-me junto de tudo e todos. Levei muita pancada, Isabel. Muita.

 

Mas acompanhei sempre a vida no campo e a ganadaria embora nunca tivesse gostado de touradas. Mas sempre que queria falar o medo era sempre maior. Aguentei por causa do meu filho…  

 

Uma das coisas que para além do que lhe contei eles faziam era antes dos treinos colocar dentes de alho no recto dos animais. Um dia antes, o que faz com que os animais fiquem num estado febril e debilitados quando saem à arena. (Maria Engrácia Facas)

 

***

 

Quando pensamos que já conhecemos  todas as torturas por que passam os desventurados Touros, e quem acompanha os tauricidas, aparecem mais e mais...

 

Que mundo mais macabro, este, da tauromaquia!

 

Que monstros andam neste mundo!

 

 

 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:46

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

VOTAREMOS APENAS EM CANDI...

TESTEMUNHO DE UM FOTÓGRA...

A TORTURA DO TOURO VAI MU...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt