Quinta-feira, 2 de Setembro de 2010

«PORTUGAL É UM PARAÍSO ONDE AINDA PODEMOS VIVER PLACIDAMENTE...»

 

Castelo de Marvão (Portugal)

 

Quem visitar o Arco de Almedina pode verificar que um indivíduo chamado Fulano deixou um comentário no meu texto intitulado «Um Povo que não se sente não é filho de boa gente», onde diz: “«Portugal é um paraíso onde ainda podemos viver placidamente». Pimba!

 

Obviamente, que cada um pode interpretar como bem entender a minha frase. E não é isso que aqui vou pôr em causa.

 

É que, o Fulano deu-me uma ideia para uma pequena crónica, acerca do que entendo ser Portugal.

 

Normalmente ouvimos dizer mal de «Portugal» e são os próprios Portugueses que enchem a boca com «Portugal é um país atrasado», «Portugal está na cauda da Europa»... Claro, se os de “dentro” dizem isto, o que dirão os de “fora”?

 

 Não, não é Portugal que é um país atrasado. Não é Portugal que está na cauda da Europa.

 

Há que inverter esta tendência retrógrada.

 

Quem é atrasado e está na cauda dos europeus é um grupo, bastante considerável ainda (infelizmente) constituído por Fulanos que só sabem “dizer mal” mas em nada contribuem para dignificar o seu País, pelo contrário... e pelos Desgovernantes que andam a brincar aos governozinhos...

 

O Portugal físico, o território é, na verdade, um Paraíso, à excepção obviamente daqueles lugares onde os Fulanos retrógrados puseram os pés e as mãos. Onde os Fulanos governam, ou melhor, desgovernam.

 

Mas existe um Portugal selvagem (no sentido mais puro da palavra), quase virgem, e esse é, de facto, o meu Paraíso. E não o trocaria por lugar nenhum do mundo.

 

Quando pronuncio a palavra “Portugal” estou a referir-me ao meu País, e não ao Estado, à Nação ou aos Desgovernantes (não podemos confundi-los com políticos, porque a Política é uma Arte que apenas os sábios sabem pôr em prática – o que não é o caso) ou aos Fulanos.

 

Então o que acontece? Acontece que eu, como Portuguesa, intervenho activamente naquilo que entendo que desonra e humilha Portugal, o meu País, e destaco o que ele tem de bom.

 

Defendo-o das más-línguas, dos que só dizem mal e nada fazem de positivo, para inverter a má imagem que passam cá dentro e lá fora.

 

Defendi-o do jornalista brasileiro, Laurentino Gomes, que no seu livro «1808» (aliás um plágio do livro «Portugal à Deriva» do australiano Patrick Wilcken) considerou os portugueses porcos, feios, maus e ignorantes, e os portuguesinhos encolheram-se, e acharam que tudo isso era verdade; e até permitiram que se publicasse tal afronta em Portugal.

 

Obviamente que não defendo nem os Fulanos nem os Desgovernantes. Nem essa gente que fere a honra de Portugal. Nenhum merece a minha consideração.

 

Eu voto. Sim. Mas voto em branco. Descontentíssima com a oferta do mercado da governação.

Aponto caminhos, nas cartas que escrevo (às autoridades) e às quais ninguém responde. Não me admira. Não sabem o que fazer, muito menos o que dizer...

 

Quem, de entre os Fulanos que pensam que Portugal não é um Paraíso onde podemos viver placidamente, faz algo para mudar o rumo desastroso para o qual o conduzem os Desgovernantes e os maldizentes de sofá?

 

Portugal é o meu Paraíso, sim. Aproveito dele o que de melhor ele tem: os seus lugares selvagens; as suas magníficas paisagens; as suas flores; as suas florestas (aquelas que ainda não foram dizimadas pelo fogo – até isto nos querem tirar aqueles que não sabem governar); a sua riqueza arquitectónica; a sua Arte; a sua Música, os seus Artistas; os feitos dos seus grandes Homens; os seus Poetas; os seus Literatas (não os actuais “litretas”); a sua gastronomia; o seu folclore; a sua cultura popular, igualmente riquíssima (não me refiro à popularucha)... Enfim, esse Portugal que existe e que os treteiros menosprezam, porque não querem ver... Não lhes convém, ou não sabem...

 

Intervenho em tudo o que posso, numa tentativa de contribuir para uma mudança de mentalidades entre os Fulanos...

 

Não é Portugal que tem de mudar. São as mentalidades mesquinhas e retrógradas que têm de mudar, para que Portugal se liberte desse peso infame, e possa ter o brilho que merece...

 

Vivo no meu país placidamente, sim.

 

Em comparação com quase todos os países do mundo, aqui vive-se placidamente, sim.

 

Ainda há muita incivilidade. Há. Entre os Fulanos.

 

Ainda há muita fome, pobreza, insegurança. Há. Devido às más políticas dos Desgovernantes e à inactividade dos Fulanos que só sabem dizer mal e nada constroem, no sentido de pôr fim à situação caótica em que se vive.

 

A Cultura, a Educação, a Saúde, o Ensino, a Habitação, os Costumes ainda são os da Idade Média? São. Uma vez mais por culpa das políticas retrógradas e da incapacidade dos maldizentes de construir algo de positivo.

 

Portugal não tem a mínima culpa de albergar Fulanos e Desgovernantes que só o desprestigiam.

Ou mudam-se as vontades e as mentalidades medíocres dos Fulanos e dos Desgovernantes, ou melhor será atirarem-se todos a um precipício e deixar o caminho livre para a reconstrução de um País que merece recuperar o seu lugar ao Sol...

 

Portugal é um país pequeno territorialmente, sim, mas grande na sua riqueza intrínseca.

 

É essa riqueza que é necessário SALVAGUARDAR, HONRAR E PROMOVER.

 

É isso que faço.

 

Texto e Foto © Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«PORTUGAL É UM PARAÍSO ON...

Arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt