Domingo, 21 de Março de 2021

Celebrando o Dia Mundial da Poesia

 

Rosa Silvestre 1.png

 

Auto-retrato

 

Sou rosa silvestre

Nascida em Janeiro.

 

Sou folha caída

Em tarde invernosa.

 

Sou vento forte

Que sopra do Norte.

 

Sou tarde chuvosa,

Sou triste,

Sou só.

 

Sou vida

De Outono

Que vem e que vai.

 

Sou Sol que

Não nasce,

Sou nuvem escura,

Sou chuva que cai.

 

Sou lágrima,

Sou dor,

Sou noite sem lua,

Sou charco da rua,

Sou luz que apagou.

 

Sou rosa silvestre,

Sou flor delicada,

Que entre a penedia

O tempo esmagou...

 

Isabel A. Ferreira

 

***

 

pôr-do-sol.jpg

 

Esperança…

 

A Noite veio

e trouxe o silêncio…

 

As Estrelas vieram

e cintilaram no céu…

 

A Lua veio

e iluminou os caminhos…

 

O Vento veio

e soprou de mansinho…

 

A Chuva veio

e humedeceu as campinas…

 

As Aves vieram

e cantaram baixinho…

 

Vieram depois

os sonhos,

os medos,

os segredos…

 

Vieram até os anjos

de uma corte celeste…

 

Só tu não vieste…

 

Josefina Maller

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:28

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 7 de Maio de 2017

OS PODEROSOS NADA PODEM CONTRA O PODER DO TEMPO

 

Todos os que usam e abusam do poder, mais dia menos dia, serão obrigados a vergar-se ao inexorável poder do tempo.

Quem actualmente detém o poder  e não o utiliza para o bem comum, terá de prestar contas à Força Cósmica que verdadeiramente comanda o mundo.

Sempre assim foi. Sempre assim será.

Senhores governantes, saiam da caverna onde habitam. E não se esqueçam de que basta um só fósforo...

 

OS PODEROSOS NADA PODEM  CONTRA O PODER DO TEMPO.p(Imagem recebida via e-mail) 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:55

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 7 de Maio de 2014

GARRAIADA DA ACADEMIA DO PORTO, PREVISTA PARA O PRÓXIMO DIA 11 NA CIDADE CARNICEIRA DA PÓVOA DE VARZIM, ENVERGONHA A CLASSE ESTUDANTIL

 

Sejam estudantes, não ignorantes!  

 

Leu-se num cartaz no ano passado.

 

Mas qual quê?

 

A inteligência destes pseudo-estudantes é igual à de uma porta: não dá para perceberem que torturar novilhos não é adequado a quem frequenta o ensino superior, e então optam pela ignorância.

 

 

(Imagem retirada da Internet)

Triste figura a dos cobardes.

 

Nada aprenderam desde o ano passado, em que foram bastamente enxovalhados por se portarem como broncos e não como estudantes.

E quem não aprende com os erros o que é?????

 

Pois!...

 

No entanto a culpa será dos autarcas poveiros que promovem e apoiam a "cultura" carniceira em várias frentes (touradas, garraiadas, vacadas, batida à raposa, circos com animais, tiro aos pombos, luta de cães, corrida de galgos… enfim…), e tinham o dever de dar o exemplo maior, uma vez que “conduzem” o destino da cidade.

 

Mas qual quê!

 

A nota principal que caracteriza a actuação dos autarcas da Póvoa de Varzim é a mediocridade.

 

Portanto, a estupidez de uns pseudo-estudantes junta-se à vulgaridade da política cultural da Póvoa de Varzim, e o que temos?

 

UMA VERGONHOSA E PRIMITIVA RECREAÇÃO DE BRONCOS, QUE SUJA O NOME DA UNIVERSIDADE DO PORTO E DA CIDADE QUE PERMITE TAL POBREZA MORAL E SOCIAL.

 

JÁ ERA TEMPO DE DEIXAREM DE SER BRONCOS.

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:23

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 13 de Fevereiro de 2014

CRIANÇAS NA TOURADA À CORDA NOS AÇORES

 

À ATENÇÃO DAS AUTORIDADES PORTUGUESAS!

 

 

Vejam até onde vai a demência dos adultos que TÊM O DEVER de zelar pela saúde mental das crianças!

 

Alguém tem de fazer alguma coisa.

 

Alguém RESPONSÁVEL tem de tomar medidas drásticas.

 

Alguém com LUCIDEZ tem de internar esta gente num manicómio.

 

O futuro está em risco, quando as crianças são atiradas à violência e à estupidez, por quem devia protegê-las dessa violência e dessa estupidez… 

 

***

Eis o teor de um texto INACREDITÁVEL! Como é possível dizer-se tantas barbaridades em meia dúzia de linhas?

 

«Na foto vemos duas crianças vestidas com trajes de pastores.

 

São um símbolo que a tauromaquia está bem presente e enraizada na juventude e certamente assegurada por muitos anos.

 

O sonho da maioria das crianças terceirenses não é ser jogador de futebol, mas sim ser pastor ou capinha como seus pais ou avós foram um dia.

 

Desde cedo são inseridos neste meio, desde de ir às touradas e ir ver o maneio de gado. O gosto vai aumentado ao longo dos anos acompanhado pelo conhecimento.

 

Assim, certamente a FESTA BRAVA NUNCA VAI DESAPARECER.

 

Um bem-haja a todos os aficionados.

 

Texto: André. M

Foto: Renato. B

Fonte:

https://www.facebook.com/otoiroaarteeosaber/photos/a.281720448643910.1073741827.281532515329370/285996688216286/?type=1&theater

 

***

AQUI FICA UM GRITO, PARA QUE ALGUÉM RESPONSÁVEL O OUÇA!

 

SALVEM, ENQUANTO É TEMPO, ESTAS CRIANÇAS!

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:35

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Matando o tempo...

 

 Copyright © Isabel A. Ferreira 2008
 
 
 
 
 
 O vento sopra com fúria. A chuva cai desnorteada. O mar revolta-se. As pessoas agitam-se como que confundidas. Apressadas, sobem e descem as ruas. De onde vêm? Para onde vão?... Não sei, nem me interessa.
 
O “café” está cheio de gente. Não! De homens. Aqui há só três mulheres além de mim. Uma, aliás, acaba de sair.
 
Da mesa onde me encontro, vejo o mar. Olho a sua revolta. Estou a fazer horas. Que ironia! Como se tal fosse possível! Estou é a perdê-las, uma a uma. Rapidamente. Não! Demasiado lentamente para me aperceber de que as desperdiço não fazendo nada. Ou melhor, gasto-as, gastando papel, tinta, palavras e pensamentos inúteis. Gasto-as sonhando de olhos abertos, esperando que algo aconteça e me afaste desta tempestade.
        
Tempo perdido!...
Lá fora, a chuva continua a cair insistentemente. E as pessoas correm. Na certa, sem saberem para onde. E molham-se também, sem quererem molhar-se. E os automóveis circulam, devagar. E o barulho é intenso. E o meu cérebro rodopia. Corre. Entra em órbita. Espanta-se. Rebenta...
 
E as conversas são loucas.
A recente visita do Papa à Austrália. Para uns bem-vindo. Para outros inutilidade.
 
– Peregrinos somos todos nós. Ele (o Papa) é apenas um peregrino privilegiado. Os países gastam milhares de contos com estas visitas. Não faziam melhor os Governos gastá-los a matar a fome aos povos que morrem por não terem o que comer?
 
Esta é a conversa de um idoso. Um descrente, talvez! Um anti-Papa. Ou simplesmente um descontente!
 
Outro dia foi dia de greve geral! Os pobres deviam fazer greve também –diz o mesmo homem a um pedinte, deficiente mental, que se encostou a uma cadeira à minha frente – Hoje não ganhaste nem para a gasolina – continua o idoso – As pessoas não te deram quase nada. Levas pouco dinheiro. É melhor ires embora. Por causa dos ladrões, claro!
 
Conversa de quem não tem mais nada para dizer, numa tarde de chuva. Conversa para matar o tempo e a consciência de quem a ouve!
 
Tarde agitada, esta! Mais homens. Tomam a sua bica, apressadamente, e saem como autómatos. Conversas. Correrias. Chuva. Rebuliço. E a minha revolta, nesta tarde tempestuosa, vai aumentando. É do vento. Da tempestade. Da fúria do mar. É do medo do nada. Do vazio.
 
Vou embora. Não! Não quero! Estou bem aqui. Ouço as conversas. Olho o movimento. Que confusão! O vidrado dos meus olhos quebra-se. E os meus sentidos fogem. E os meus sentimentos confundem-se. Sinto-me entontecer... Ah!... Eis que uma lufada de ar vem refrescar-me a fronte!
 
Outro homem. O dos longos cabelos brancos. Cabelos à poeta. Será poeta? Talvez! Pois poetas não somos todos nós quando nos sentimos sós?...
 
Estou farta do barulho deste “café”. Apetecia-me estar noutro lugar. Não! Aqui está-se bem. Mas... este sujeito da mesa ao lado está a ver o que escrevo. Incomoda-me. Porque não irá embora? É boa!... E porque não mudo eu de mesa?
 
Um casal idoso está na mesa junto à janela. Cabelos brancos. Olhares cansados, olhando a chuva, a tempestade, a fúria do mar. Não falam. Olham apenas. Mas vê-se que não se sentem sós. O silêncio entre dois seres pode transformar-se na melhor das companhias, quando existe cumplicidade.
 
Cansei-me de todo este ruído. Da chuva. Do vento. Do mar. Das pessoas. Das caras. Das vozes. Cansei-me desta tempestade...
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 15:27

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

Celebrando o Dia Mundial ...

OS PODEROSOS NADA PODEM C...

GARRAIADA DA ACADEMIA DO ...

CRIANÇAS NA TOURADA À COR...

Matando o tempo...

Arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt