Terça-feira, 23 de Janeiro de 2018

ESTATÍSTICAS OFICIAIS ANIMADORAS – TAUROMAQUIA EM QUEDA

 

Foi, esta semana, tornado público o "Relatório da Actividade Tauromáquica 2017", da IGAC - Inspecção-geral das Actividades Culturais (entidade tutelada pelo Secretário de Estado da Cultura). Os dados oficiais contidos no referido relatório permitem constatar o seguinte:

 

Desde 2009 que, ano após ano, o número de "espectáculos" tauromáquicos tem vindo a decrescer.

 

GRAFICO1.jpg

 

De acordo com um método de contagem de espectadores que incorpora uma enorme margem de erro*, e ainda que em 2016 o número de espectadores tenha sido menor que o de 2015, mas aparentemente também ligeiramente menor que o de 2017 (ver quadro IGAC), não há dúvidas de que a o número de espectadores vai decrescendo e tendendo para zero, conforme se pode perceber melhor pelo quadro seguinte:

 

GRAFICO2.jpg

Tal como mencionado nos gráficos acima, os mesmos foram elaborados por nós, mas os dados são os da IGAC. Segue-se uma cópia do quadro de onde foram retirados.

 

GRAFICO3.jpg

 As estatísticas são animadoras, pois demonstram que a tauromaquia vai perdendo público e que a indústria tauromáquica, a contar com cada vez menos touradas, menos entradas e, como tal, menos receitas, vai ficando enfraquecida. Este enfraquecimento, a par de toda a contestação de que as touradas vão sendo alvo, traduzir-se-á, muito em breve, na abolição da tauromaquia. 

 

_______ * Conforme referido no relatório da IGAC "(...) efectuou-se cálculo por estimativa do número de espectadores presente nos espectáculos. Este número é calculado com base nos números identificados pelos Delegados Técnicos Tauromáquicos em cada espectáculo." Ou seja, há um elemento subjectivo no cálculo do número de espectadores. Cada delegado técnico tauromáquico refere que há, por exemplo, 1/2 ou 1/3 ou 1/4 de lugares preenchidos, sendo que é com base nesta técnica (e no número de lugares que determinada praça de touros tem) que o número de espectadores é apurado, nunca sendo, como tal, rigoroso.  

 

Fonte:

http://mgranti-touradas.blogspot.pt/2018/01/estatisticas-oficiais-animadoras.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+MarinhensesAnti-touradas+(MARINHENSES+ANTI-TOURADAS)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:57

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 12 de Maio de 2015

PAN APRESENTA QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA PELOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E JOVENS NA ACTIVIDADE TAUROMÁQUICA

 

fe8bfc1b99c9ede76699e9aaec65452f_XL PAN.jpg

 

Lisboa, 29 de Abril de 2015 – O PAN – Pessoas-Animais-Natureza acaba de apresentar uma queixa ao provedor de justiça no âmbito da aprovação da Proposta de Lei n.º 209/XII (3ª), expondo as suas preocupações com a compatibilidade daquele diploma com os direitos fundamentais intrínsecos das crianças.

 

Segundo aquele diploma, as actividades de artista tauromáquico e auxiliar podem ser exercidas por menores de 18 anos e por crianças menores de 16 anos mediante autorização da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco. Comissão, essa que, a par de outras entidades, reconheceu que a actividade tauromáquica “pode colocar em perigo crianças e jovens” (in Circular n.º 4/2009).

 

A Amnistia Internacional emitiu parecer no mesmo sentido. Mais expressivo ainda, é o parecer da Comissão de Regulação do Acesso a Profissões, que recomendou que, tendo a legislação fixado a escolaridade obrigatória até aos 18 anos, então também só deveriam participar neste tipo de actividades indivíduos cuja escolaridade obrigatória esteja já cumprida. Para além disso, a idade mínima de 16 anos corresponde à idade mínima de admissão ao trabalho subordinado (n.º 2 do art. 68.º do Código do Trabalho).

 

«A tourada é uma actividade violenta e, como tal, deve estar sujeita às mesmas restrições etárias que outras actividades de natureza artística e outros divertimentos públicos considerados violentos. Nomeadamente, não faz sentido proibir um menor de 18 anos de assistir a um filme de ficção no cinema, mas depois permitir que uma criança de 12 anos esteja envolvida na morte de um animal, seja por frequentar a escola de toureio, seja por assistir à morte de um animal para mero entretenimento de quem assiste», defende André Silva, porta-voz do PAN.

 

Diversos estudos a que o PAN recorreu para elaborar a queixa ao provedor confirmam que a exposição das crianças a violência explícita provoca efeitos significativos no seu desenvolvimento, donde resulta a necessidade de proteger os menores de tais impactos, como manda a Constituição.

 

No que diz respeito especificamente ao trabalho infantil, o Comité de Direitos da Criança, já expressou a sua preocupação ao referir que «O Comité (…) continua profundamente preocupado com o envolvimento persistente de crianças em trabalhos perigosos e/ou degradantes como o trabalho agrícola em culturas ilegais, tráfico de drogas, mineração ilegal e touradas».

 

Face ao exposto, o PAN conclui que o diploma em causa enfrenta uma série de constrangimentos legais nacionais e internacionais mas, mais importante que isso, efectivamente revela uma desconsideração pelos direitos fundamentais das crianças a um desenvolvimento saudável.

 

Importa ainda referir que, no âmbito do supra mencionado processo legislativo, foram ouvidas as seguintes entidades: Associação Portuguesa de Criadores de Toiros de Lide; Associação Nacional dos Grupos de Forcados; Associação Nacional de Toureiros Portugueses; Associação Nacional de Empresários Taurinos; Secretário de Estado da Cultura e Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados.

 

Não foi ouvido um único representante dos direitos das crianças, o Comité dos Direitos da Criança da ONU, assim como não foi ouvida nenhuma ONG que defenda os direitos de animais humanos e não humanos.

Fonte:

http://www.pan.com.pt/comunicacao/noticias/item/573-provedor.html

 

***

Apenas umas dúvidas:

 

Associação Portuguesa de Criadores de Toiros de Lide; Associação Nacional dos Grupos de Forcados; Associação Nacional de Toureiros Portugueses; Associação Nacional de Empresários Taurinos são ENTIDADES de quê?

 

O secretário de estado da cultura acima mencionado é secretário de estado de que CULTURA?

 

Não foi ouvido um único representante dos Direitos das Crianças, o Comité dos Direitos da Criança da ONU, assim como não foi ouvida nenhuma ONG que defenda os direitos de animais humanos e não humanos, porquê?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:39

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2015

«A VIOLÊNCIA É A LEI DO BRUTO» (GANDHI)

 

Na audição do Secretário de Estado da (In) cultura, Jorge Barreto Xavier, realizada no passado dia 6 de Janeiro, o tema discutido com uma “solenidade” que abeirou o ridículo, foi o “acesso à profissão de artista e auxiliar tauromáquico», ou seja, o acesso à prática da crueldade, da tortura e da violência gratuitas contra inofensivos, indefesos e inocentes bovinos, a qual é aqui considerada “profissão de artista”, o que além de ser a demonstração de uma tremenda ignorância sobre o que é um artista, entende-se que ser carrasco é uma profissão ainda viável no século XXI, depois de Cristo.

 

Desconhecem que a profissão de carrasco (que é o tal artista tauromáquico) ficou lá muito para trás, com a extinção dos costumes bárbaros praticados num tempo em que a mente humana estava mergulhada no mais profundo obscurantismo, do qual os governantes portugueses ainda não se libertaram.

(Pode ver-se esta intervenção de muito baixo nível cultural aqui)

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/audicao-do-secretario-de-estado-da-in-502321

 

316901_242537305782574_240564585979846_632069_6586

Em Portugal, com os governantes retrógrados que temos, não, não serão capazes de notar a diferença nesta imagem: a amorosa criança, doce e mansa, e o monstrinho, que numa idade tão precoce, já mostra a expressão diabólica dos que se dedicam à violência e a matar bovinos por prazer.

 

Nesta audiência, estiveram a discutir qual a idade mais apropriada para as crianças portuguesas (que têm a infelicidade de ver o seu destino nas mãos de desassisados), serem iniciadas nesta brutalidade, como sendo algo (para os intervenientes nesta discussão) importantíssimo para o futuro de Portugal.

 

Ora isto além de ser um atentado a tudo quanto é da essência racional humana e cívica, é inconstitucional e viola a Declaração Universal dos Direitos das Crianças, hipocritamente assinada pelo governo português.

 

E só não vê isto quem é cego mental e muito tacanho das ideias.

 

Ora sabendo-se, como se sabe (e isto é um dado universal adquirido) que a violência, a crueldade, a banalização do acto de torturar e de matar, a imbecilidade, a cobardia, a brutalidade, enfim, tudo o que caracteriza a selvajaria tauromáquica, não faz parte da Cultura de nenhum povo, nem da identidade cultural de nenhum povo, a não ser de uma minoria bronca, que os governantes teimam em manter bronca. De uma minoria inculta. De uma minoria a quem não deram e continuam anão dar a oportunidade de evoluir.

 

Mahatma Gandhi, um dos grandes mestres iluminados e bafejados pela sublimidade da sabedoria, diz que a violência é a lei do bruto, e outra coisa não poderia ser.

 

Para os governantes portugueses, contudo, a violência é uma lei que pretendem impor às crianças, enviando-as para antros, onde as ensinam a ser monstrinhos indesejáveis e inúteis à sociedade.

 

Enquanto esta mentalidade pacóvia perversa continuar a prevalecer nestes “debates” de secretários de estado de uma incultura crassa, Portugal nunca avançará para o século XXI depois de Cristo.

 

Continuaremos a ter brutos entre nós, o que comprometerá o futuro civilizado que todos desejamos.

 

sec estado jorge barreto xavier.jpg

Senhor Doutor Jorge Barreto Xavier, não sei o que lhe ensinaram na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, mas quase posso garantir que não lhe ensinaram que da Cultura Culta não faz parte a selvajaria tauromáquica em todas as suas cruéis modalidades.

 

Abra-se este link para ver o “curriculum” deste governante apologista da brutalidade.

 

http://www.portugal.gov.pt/pt/os-ministerios/primeiro-ministro/secretarios-de-estado/secretario-de-estado-da-cultura/conheca-a-equipa/secretario-de-estado/jorge-barreto-xavier.aspx

 

O que levará um governante, com um tal “curriculum”, a ver na selvajaria tauromáquica, uma alternativa válida para a educação de crianças e jovens portugueses?

 

Que futuro pretende para Portugal, Senhor Doutor Jorge Barreto Xavier?

 

Um futuro terceiro-mundista?

 

Agora veja-se como é constituído o Gabinete do Secretário de Estado da Cultura, para que a Cultura Culta em Portugal, seja apenas a miragem que é:

http://www.portugal.gov.pt/pt/o-governo/nomeacoes/secretario-de-estado-da-cultura.aspx

 

Não há dinheiro para as Academias de Música, de Teatro, de Dança, de Cinema, de Artes Plásticas?

 

Pois não. Como poderá haver, se o dinheiro é canalizado para tanta gente inútil e para a tauromaquia?

 

Há apenas lugar para o “fabrico” de broncos, como um tal João Amaro, de Vila Franca de Xira, que me enviou um comentário a propósito de algo que eu disse acerca de uma montagem abusiva que a prótoiro fez da imagem de Cristiano Ronaldo: «Há quem odeie tanto o Ronaldo, ao ponto de o vestir à moda do que há de pior no ser humano: um cobarde forcado», porque um forcado, na realidade, não passa disso mesmo: um cobarde que ataca bovinos moribundos.

 

E então o génio inculto com o "valor" da marca «made in Portugal» declarou o seguinte (a linguagem é a original):

 

«Um cobarde forcardo excelentíssimos gostaria de os ver a pegar um toiro, vocês em vez de se preocuparem com as barbaridades mundiais, como a fome e a pobreza preocupam-se com as touradas. Gostaria que um dia fossem a vila franca de xira exporem a vossa insatisfação com as touradas. Gostava mesmo.»

 

Esta é a “cultura” que os governantes portugueses fomentam.

 

Miserável povo, aquele a quem não dão oportunidade de evoluir.

 

Não precisamos de ir a Vila Franca de Xira para expormos a nossa insatisfação acerca das touradas, João Amaro.

 

Daqui mesmo dizemos que as touradas são a identidade cultural de uma minoria bronca de portugueses, fomentada por aqueles que têm a seu cargo a função de promover a Educação, a Cultura e o Desenvolvimento da Personalidade no sentido do progresso da sociedade, ou seja, fomentada pelo Estado Português, o qual, contrariando a Constituição, favorece a deseducação, a incultura, e a germinação da psicopatia no seio da sociedade, no sentido do retrocesso e do obscurantismo.

 

Demitam-se todos aqueles que servem o lobby tauromáquico e o obscurantismo.

 

Envergonham Portugal e os Portugueses.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:16

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2015

AUDIÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA (IN) CULTURA EM RELAÇÃO À SELVAJARIA TAUROMÁQUICA

 

Se tivessem VERGONHA NA CARA iam para casa lavar o chão, ou cavar batatas no quintal. Era algo muito mais DIGNO.

 

200 alunos da Academia de Música de Almada em dificuldades porque o Estado não paga o que lhe é devido.

 

Que "governantes" são estes?

 

Discutir SELVAJARIA TAUROMÁQUICA?

 

 

Algo que deveria estar banida há muito da sociedade portuguesa, porque é o que de mais baixo existe entre as actividades humanas, depois do terrorismo contra seres humanos?

 

Estão a perder tempo a discutir uma prática PODRE e PRIMITIVA como se de algo muito importante se tratasse?

 

Que VERGONHA!

 

Vá para casa, Senhor Secretário de Estado da INCULTURA!

 

Vá para casa, Senhora Idália Serrão. É a vergonha do género feminino.

 

O seu discurso é o discurso da incultura.

 

Se tem filhos, coloque-os numa arena a enfrentar um touro inteiro e eu irei aplaudir.

 

Quanta ignorância.

 

Querem, à força, fabricar MONSTRINHOS para o futuro?

 

Não percam o vosso tempo.

 

A selvajaria tauromáquica tem os dias contados.

 

EVOLUAM.

 

E por favor... não chamem ARTISTAS aos COBARDES que entram numa arena, para torturar seres vivos.

 

Isso é INSULTAR os verdadeiros artistas, e toda a CULTURA CULTA.

 

Ver e ouvir este vídeo provocou-me NÁUSEAS.

 

O que aqui ouvi pertence ao domínio dos loucos.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:55

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 24 de Novembro de 2013

«A INCULTURA LUSITANA»

 

 Um excelente texto que tenho a honra de transcrever, e que sintetiza na perfeição o que andam, ou melhor não andam a fazer os nossos “governantes” no que respeita à Cultura, que em qualquer país que se preze é uma mais-valia… mas não em Portugal.

 

Por Manuel CD Figueiredo

 

(Comandante da Marinha Portuguesa)

 

 «Pelas touradas se torturam animais. A tortura dos animais é crime. A tourada é um crime.

 

Apoiadas por governantes insensíveis e incultos, assim são elas, as touradas!

 

Suportadas com dinheiros públicos.

 

Em Portugal, hoje, os impostos pagam touradas! Pagam o crime da tortura de animais! E pagam a transmissão de espectáculos degradantes!

 

Os deputados da Nação fogem às suas responsabilidades e obrigações: depois de adiarem, sem justificação, a discussão de uma proposta de lei visando a revogação da actual legislação vergonhosa, no sentido de acabar com a tortura animal, particularmente com as touradas, predispõem-se a manter os interesses instalados, mesmo que isso constitua uma violação das suas próprias consciências.

 

Inconcebível num país culto!

 

Inimaginável num país civilizado!

 

Cabe aqui uma especial chamada de atenção à entidade que tem a obrigação de reprovar a lei que autoriza as touradas e permite a tortura dos animais: a entidade governamental responsável pela Cultura em Portugal - a Secretaria de Estado da Cultura.

 

Só por grande distracção poderá o Senhor Secretário de Estado da Cultura permitir a existência de leis irracionais e incultas que colocam Portugal na lista dos países subdesenvolvidos e sem cultura.

 

Acredito que o Senhor Secretário de Estado não deseje que no nosso país seja legalizada a tortura de animais. Por isso - por acreditar nisso - espero que promova a lei que faça abolir as touradas!

 

Que faça de Portugal um país respeitado!

 

Que mostre ao Mundo que Portugal quer voltar a ser um país onde a Cultura é vasta e predominante!

 

Que seja um marco da Civilização

 

Fonte:

 

http://sextante-poveiro.blogspot.pt/2013/11/a-incultura-lusitana-pelas-touradas-se.html


 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:36

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA É MELHOR PEDIR A DEMISSÃO, PORQUE AS DECLARAÇÕES DE V. EXA. SOBRE O REGULAMENTO TAUROMÁQUICO FORAM INCULTAS

 

Existe um “Regulamento Tauromáquico” em Portugal que (pasme-se) regula o modo como se deve TORTURAR seres vivos, numa arena, para divertir psicopatas e sádicos, e encher os bolsos de uns poucos.

 

Esta aberração legislativa pertencerá à área da Cultura, ou ao âmbito da Loucura?

 

 

Jorge Barreto Xavier, Secretário de Estado da Cultura

 

Pois este senhor, que tem o deve de zelar pela Cultura Culta do nosso País, com certeza vergado ao lobby tauromáquico, que “conduz” a maioria dos deputados com assento na Assembleia da República, teve o desplante de proferir as seguintes palavras:

 

Obviamente tem havido alguma dificuldade de articular os interesses dos aficionados da tauromaquia com os interesses da defesa dos animais e nós estamos a tentar encontrar aqui um equilíbrio que possa de alguma forma ser o melhor para ambas as partes o que nunca será, porque aquilo que uns querem os outros não querem.

 

Tem havido dificuldade em articular os “interesses dos aficionados da tauromaquia”?

 

Que interesses? Os de TORTURAR seres vivos?

 

Estão a tentar “encontrar um equilíbrio” entre TORTURA e CULTURA?

 

O Senhor Secretário de Estado tem a noção do despautério que proferiu?

 

Depois de tudo o que tem vindo a público sobre a psicopatia da tauromaquia, com bases científicas; depois de todas as sondagens, pelo mundo inteiro, serem esmagadoras contra essa aberração social, que só desprestigia os poucos países terceiro-mundistas que ainda a mantém, o Senhor Secretário de Estado ainda tem dúvidas quanto ao que fazer, no ano de 2013, depois de Cristo?

 

Assim como a violência, a pedofilia, o homicídio, o suicídio (quando morre um toureiro na arena significa um suicídio permitido por lei), a automutilação (quando um forcado fica tetraplégico devido à sua exibição cobarde e voluntária na arena é algo permitido por lei) não são para consentir. Ou serão?

 

Sigam a lógica.

 

No próximo dia 6 de Dezembro, a Assembleia da República só tem uma saída: ABOLIR A TAUROMAQUIA e legislar no sentido de proteger os nossos animais não humanos, humanamente.

 

O Senhor Secretário de Estado não ocupa esse cargo para proteger os “interesses sinistros” de uma MINORIA, que não tem representatividade alguma no País. Apenas a abolição é válida. Nada mais. O fazer que se faz é demasiado infantil para ser posto em prática por quem já tem barba na cara.

 

A era dos ganadeiros já lá vai. A tauromaquia está morta.

 

ENTERRE-SE A TAUROMAQUIA!

 

Será um ACTO RACIONAL.

 

***

Ouçam as declarações do Sec. de Estado clicando na setinha ao fundo, abrindo este link:

http://www.radiocampanario.com/r/index.php/regional/2297-secretario-de-estado-da-cultura-procura-equilibrio-na-actualizacao-do-regulamento-taurino-c-som 

***

Para saber mais sobre Jorge Barreto Xavier abram este outro link:

https://www.facebook.com/miguel.andrade.9883/posts/555204147895867

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:07

link do post | Comentar | Ver comentários (11) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 5 de Junho de 2012

O REGULAMENTO DO ESPECTÁCULO TAUROMÁQUICO DEVE SER IMEDIATAMENTE DEITADO AO LIXO

 

 

Senhor Secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, nesta matéria, estaremos atentos: terá em conta a CULTURA ou a TORTURA? Não queríamos estar no lugar de V. Exa. Porque, neste momento, o senhor está na berlinda. E os Portugueses estarão atentos à decisão que se vier a tomar. E a questão formular-se-á deste modo: viveremos num país civilizado ou num país inculto?

 

 

Refiro-me ao Decreto Regulamentar nº 62/91, de 29 de Novembro.

 

Nossa opinião:este regulamento deve ser deitado ao lixo imediatamente.

 

Porquê?

 

Porque este regulamento

 

... não serve os interesses de um povo civilizado, e muito menos os interesses dos seres vivos não humanos, aos quais estas obtusas normas se referem.

 

... apenas serve os interesses económicos de uns poucos (porque são poucos, não tenhamos dúvidas) indivíduos primitivos, que ainda não se deram conta de que já estamos no século XXI depois de Cristo, e se serve apenas uns poucos, porquê haver um regulamento para regular os interesses sangrentos desses poucos?

 

Porque Portugal não pode continuar a estar na cauda do mundo, como sendo um país atrasado, onde ainda vive uma fatia de população lerda, sanguinolenta, sádica, necrófila e extremamente ignorante.

(Emprego estes termos, porque não gosto de chamar Joaquim a quem se chama João).

 

Este regulamento é extremamente desprezível, e diz da pequenez dos legisladores, que pretendem ainda discutir algo que não tem discussão possível: a TORTURA DE SERES VIVOS PARA DIVERSÃO.

 

Uma infâmia.

 

Por tudo isto, senhor secretário de Estado da Cultura e  senhores deputados da Assembleia da República Portuguesa, atirem com este lixo, para o caixote de lixo, que é um lugar apropriado para essa papelada inútil, e tratem de fazer uma lei CIVILIZADA com PARÁGRAFO ÚNICO:

 

Estão proibidas, em todo o território nacional (ilhas inclusive), as chamadas corridas de touros; novilhadas; corridas mistas; novilhadas populares; todas as outras variedades taurinas; e todos os espectáculos que utilizem animais.

 

Numa segunda fase tratar-se-ia da lei dos maus-tratos a animais e das penas a aplicar.

 

Só assim, entraremos para o rol dos países civilizados, e (facto muito importante), só assim, os senhores deputados da Assembleia da República Portuguesa  limparão o nome, que está mais sujo de sangue do que as arenas, no fim das lides.

 

Deixem-se de manobras de diversão.

 

Se querem, na verdade, fazerem LEIS, façam-nas com INTELIGÊNCIA, e não andem a fazer de conta que fazem.

 

Isabel A. Ferreira

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:45

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 1 de Junho de 2012

AO QUE CHEGOU O DESESPERO DA PRÓTOIRO...

 

 

COMUNICADO DA PRÓTOIRO

 

A PRÓTOIRO deu a público este comunicado que é uma “pérola” do DESESPERO em que se encontram, porquanto nem se dão conta do ridículo esta atitude...

 

Vamos sublinhar  e comentar em bolt, os pontos mais caricatos, que dizem da aflição desta gente e da figura burlesca que fazem, por desconhecerem totalmente o significado das palavras que empregam.

 

Quanto mais dizem, mais se enterram...

 

Eis o teor desta laracha:

 

«O Sr. Secretário de Estado da Cultura receberá, hoje, movimentos anti taurinos a propósito do novo regulamento tauromáquico.

Este gesto sem qualquer fundamento, denota uma total irresponsabilidade e falta de respeito pelo sector da cultura taurina, pelo impacto económico desta atividade cultural, pelos seus profissionais e pelos milhões de aficionados por todo o país. Atitude ainda agravada pelo facto de ser realizada por quem deve ser o primeiro defensor da cultura portuguesa

 

(Os milhões de aficionados são mais do que as mães de todo o mundo... Esta será para rir?...)

«Como pode ser aceitável que para a definição de um regulamento e de um estatuto profissional, se oiça quem pura e simplesmente quer eliminar essa atividade? Onde estaríamos nós se o Ministério da Administração Interna adiasse a aprovação de um regulamento sobre bombeiros, fruto de consensos, por decidir ouvir associações de pirómanos?»

 

(Esta é das boas! Que comparação mais disparatada, mesmo de quem não tem a noção do que diz...)

«O Sr. Senhor Secretário de Estado tem o regulamento pronto desde o início da legislatura e que mereceu o consenso de todos os agentes da Tauromaquia, da Associação Nacional de Municípios e de todas as demais entidades estatais que supervisionam o sector, como é o caso da Direcção-Geral de Veterinária. Trata-se de um projeto que está pronto e que vai atualizar uma regulamentação com mais de 20 anos. Só falta a coragem política de aprová-lo

 

(Entretanto houve uma EVOLUÇÃO? Não repararam ainda? A esmagadora maioria dos Portugueses NÃO QUER A TORTURA DE TOUROS E CAVALOS. Ainda não se deram conta disso? O tal regulamento mereceu o consenso apenas de uma MINORIA)...

«Francisco José Viegas já afirmou publicamente, por diversas vezes, que a aprovação estava iminente. Mas primeiro foi a Troika, depois foram os problemas no “acesso a profissões” e agora a aprovação vai aguardar, sem justificação alguma, pela audição de movimentos extremistas e radicais, que nada têm que ver com este setor. E depois, qual será a desculpa para não aprovar um diploma que está concluído há anos?»

 

(Este diploma, tal como está, é um ATENTADO À CIVILIZAÇÃO, à INTELIGÊNCIA, à CULTURA, à ÉTICA.... Ainda não entenderam?)

«Num momento grave da vida económica e cultural do país, quando o cinema, o teatro e toda a demais produção cultural estão em pré-falência, arriscando os seus profissionais caírem no fosso do desemprego, as preocupações da Secretaria da Cultura não se focam nos agentes culturais que tutela, mas sim em agentes destruidores da cultura portuguesa

 

(A produção cultural está em pré-falência, é verdade, mas os SUBSÍDIOS PARA A TAUROMAQUIA CONTINUAM A SAIR DOS IMPOSTOS DO POVO, por isso a verdadeira CULTURA PORTUGUESA está em decadência, e a TORTURA DE TOUROS E CAVALOS a valer-se disso... Mas por pouco tempo...)

«A Prótoiro exige do Sr. Secretário de Estado da Cultura a imediata aprovação do novo regulamento e o fim deste capítulo lamentável.»

(EXIGE? EXIGE que o Governo Português continue a ser CÚMPLICE e a APOIAR a BARBÁRIE? Não acham que isto é demasiado RIDÍCULO?)
 
PRÓTOIRO
Federação Portuguesa das Associações Taurinas

 

VENHAM  MAIS DESTAS. OS ABOLICIONISTAS AGRADECEM. E OS TOUROS E OS CAVALOS TAMBÉM.

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:35

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012

CARTA ABERTA AO SR. DR. FRANCISCO JOSÉ VIEGAS, SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA

 

Aproveitando a presença do Senhor Secretário de Estado da Cultura, na Póvoa de Varzim, para a cerimónia de abertura do Correntes d'Escritas, um evento cultural de grande prestígio, entreguei-lhe em mãos a presente carta, a tratar de outro evento menos "cultural" mas que o Governo Português teima em considerar "Cultura e Arte", ou seja, a cultura e a arte da tortura de Touros e Cavalos. Entendi ser oportuno, este meu acto, num lugar onde se realizou CULTURA CULTA. Será que devemos meter tudo no mesmo saco?

 

 

 

Póvoa de Varzim, 23 de Fevereiro de 2012

 

Exmo. Sr. Dr. Francisco José Viegas, Secretário de Estado da Cultura:

 

Como defensora dos Direitos dos Animais Humanos e Não Humanos, cidadã portuguesa, com direito à indignação, venho expressar o meu profundo desagrado com a política cultural do meu País, que não tem culpa de não ser bem governado (estando muito mal visto lá por fora), e também a minha decepção quanto ao modo inculto como a Cultura Portuguesa está a ser tratada.

 

O Sr. Dr. Francisco José Viegas não quererá ficar para a História como o «Secretário de Estado da INCULTURA» do XIX Governo Constitucional de Portugal. Por isso, atrevo-me a deixar aqui uma sugestão, com todo o respeito.

 

Daquilo que me deu a entender numa entrevista que o Senhor Secretário deu, outro dia, sobre a questão do sórdido espectáculo denominado tourada, pareceu-me que titubeou, e nem foi carne, nem peixe, e não tem uma opinião definida. Aliás, salvo raras excepções, nenhum dos governantes portugueses parece ter uma opinião clara sobre algo que é indigno de um ser humano e de um país que se preze.

 

E porquê? Porque se baseiam numa lei absolutamente obsoleta, ultrapassada, a cair de podre, de tão velha. Mas se a lei está velha então faça-se uma nova lei, baseada em novos conceitos humanos, na lucidez, na evolução, na civilização, e não fiquem parados num tempo medieval, com contornos embrutecidos, pacóvios, ignorantes, de uma baixeza humana e moral atroz.

 

E um Secretário de Estado da Cultura, de quem se espera que defenda uma Cultura Culta, não tem opinião formada sobre algo que é a vergonha do País?

 

 

O Senhor Secretário olhe com olhos de ver esta imagem do Campo Pequeno, de uma “cultura” e de uma “arte” protegidas pela lei portuguesa, e diga alto e em bom som, se nela vê alguma DIGNIDADE.

 

Será que o que vê é de uma cultura requintada, digna de constar nos livros de Arte Universal? Tem a coragem de dizer isso aos portugueses?

 

Quem é a favor da tortura de Touros e de Cavalos numa arena dificilmente muda de opinião, ainda que lhes apresentemos argumentos suficientemente racionais e óbvios. E porquê? Porque são mentalmente cegos. E essa é a pior das cegueiras, pois não conseguem ver o que é visível aos olhos. Não lhes permitindo “beber” o néctar de uma cultura culta. Dizem: «sempre gostei de ver touradas, e é como gostar de futebol...».

 

Pois não é. No futebol ninguém tortura seres vivos. E o que está em causa numa tourada, não é o gosto pessoal, é o SOFRIMENTO de um animal não humano. Muito, muito diferente de qualquer outro espectáculo.

 

Os aficionados são deseducados desde o berço nessa escuridão, e crescem às apalpadelas, desconhecendo o chão que pisam e acreditando que a verdade é aquela mentira grosseira que lhes contaram logo à nascença: os Touros nasceram para serem toureados, e os Cavalos para servirem os torturadores.

 

Então tentam justificar a injustificável Tortura dos Touros, baseando-se em lugares comuns, que, no entanto, são facilmente contraditados.

 

Li algures que «as touradas enaltecem a nobreza do Touro».

 

E também li algures que «só uma mente muito ignorante ou distorcida pode realmente acreditar que os Touros quando vão para uma arena cumprem um qualquer desígnio divino. A justificação de que o Touro é nobre por lutar pela vida numa tourada vem de quem alimenta o seu negócio e enriquece à custa deste espectáculo perverso mas rentável. A nobreza é um conceito inventado pelo homem. Na natureza todos os animais são iguais e todos lutam pela sobrevivência. Ninguém duvida de que o Homem, numa luta com as suas armas e condições consegue ser superior a qualquer outro animal. Provar isso numa luta desigual não é nobre, é ESTÚPIDO».

 

Portanto Sr. Secretário de Estado, não existe a mínima justificação moral ou cultural para se causar sofrimento a um animal, em circunstância alguma, muito menos para diversão.

 

A insistência na preservação de um espectáculo cujo âmago é o sofrimento cruel de dois magníficos animais – o Touro e o Cavalo – tem a sua génese numa gritante falta de cultura e educação, na ignorância e estupidez, e numa chocante falta de carácter.

 

Vem o Senhor Secretário de Estado, presidir à abertura do Correntes d’Escritas, à Póvoa de Varzim, uma cidade que acolhe este evento de alto nível Cultural, mas também apoia a tourada, a batida às raposas, e possui um canil municipal à medida dos campos de concentração nazis.

 

Uma vergonha.

 

O que pretendo, Senhor Secretário de Estado?

 

Pretendo que Portugal evolua e o Governo Português destrua este lixo “cultural”, que só nos envergonha e suja o nome, para que possamos viver num País verdadeiramente civilizado, e não termos vergonha de sermos portugueses.

 

Com os meus melhores cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

(Jornalista, Autora, Licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra).

 

isabel.bonari@gmail.com

 

Esta carta será publicada no seguinte Blog:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

ESTATÍSTICAS OFICIAIS ANI...

PAN APRESENTA QUEIXA AO P...

«A VIOLÊNCIA É A LEI DO B...

AUDIÇÃO DO SECRETÁRIO DE ...

«A INCULTURA LUSITANA»

SENHOR SECRETÁRIO DE ESTA...

O REGULAMENTO DO ESPECTÁC...

AO QUE CHEGOU O DESESPERO...

CARTA ABERTA AO SR. DR. F...

Arquivos

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

DIREITOS

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

COMENTÁRIOS

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt