Sábado, 10 de Agosto de 2019

SEIS FORCADOS FERIDOS, DOIS COM GRAVIDADE, NUMA SESSÃO DE TORTURA DE TOUROS EM TOMAR, APOIADA PELO GOVERNO PORTUGUÊS

 

Quem anda à chuva molha-se, e quando é por gosto e com apoio dos governantes, não estará tudo bem?

 

O pior disto tudo, é que somos todos nós, com os nossos impostos, a pagar os tratamentos a estas criaturas cobardes, que vão para as arenas torturar Touros moribundos, por GOSTO, e para divertir os SÁDICOS.

Os Touros, em legítima defesa, reúnem as derradeiras forças, e marram (e têm esse direito) para defender a VIDA, e os cobardes choram, não aprendem nada, e quando ficam estropiados querem ser ajudados!... Por alma de quem?

 

naom_5d15274e2693e.jpg

Origem da imagem:

https://www.noticiasaominuto.com/pais/1303098/seis-forcados-feridos-dois-com-gravidade-na-corrida-de-touros-de-tomar

 

A notícia refere que as vítimas pertencem ao Grupo de Forcados Amadores do Montijo e ao Grupo de Forcados Amadores de Tomar.

 

Vítimas? Que vítimas? Se a única vítima ali é o Touro moribundo, atacado por cobardes. Os cobardes foram para arena por livre e espontânea vontade. O Touro foi levado para a arena à força. Portanto, os forcados não são vítimas. Estavam ali apenas a pedi-las.

 

Se estivessem a TRABALHAR na lavoura, não teriam sido colhidos por um Touro, que apenas se defendeu dos ataques cobardes dos forcados.

 

Ai sofreram traumatismo cervical grave? Lesão no ombro? Pancadas? Perfuração de pulmão? Fracturação de costelas? Escoriações várias?

 

Esperavam o quê? Que o Touro lhes fizesse festinhas? O Touro cumpriu o derradeiro dever de defender a própria VIDA.

 

Os forcados estavam lá para DAR CABO DELE.

 

Querem o quê? Que lamentemos? Não aplaudimos, mas não choramos baba e ranho por carrascos de seres vivos.

 

Lamentamos, sim, os pobres Touros moribundos, que caem nas mãos dos cobardes forcados.

 

Lamentamos também que os cobardes se divirtam a torturar bovinos, que pertencem às lezírias, não, às arenas.

 

Lamentamos que o governo português apoie esta deformação mental que se prolonga desde a Idade das Trevas, e ainda a mantenha em pleno século XXI depois de Cristo.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:10

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos (1)
Sexta-feira, 21 de Junho de 2019

PORTUGUESES, PONHAM OS OLHOS EM HONG KONG E SAIAM ÀS RUAS

 

 

Milhões de pessoas saíram às ruas em protesto contra a lei da extradição. E Hong Kong tem cerca de 7,5 milhões de pessoas. Portugal tem cerca de 10 milhões. O que se passa com os Portugueses?

Precisamos de mudar Portugal. Precisamos de protestar. Exigir mudanças radicais. Precisamos de entupir as ruas.

A minha amiga Idalete Giga faz, a seguir,  uma grande análise sobre esta inércia dos portugueses, a qual subscrevo, em absoluto. E o pior é que os "poderosos" assentam todo o seu poder nessa inércia. (Isabel A. Ferreira)

ACORDEM!

 

880x495_282810.jpg

Foto: Internet

 

«O povo português, em geral, gosta é de futebol e merdas de programas idiotas em praticamente todos os canais de televisão, incluindo os públicos que andamos a pagar a peso de ouro. ganha isto, ganha aquilo, ganha aqueloutro. É só apelar ao ter, ter, ter e não há um único programa televisivo que apele ao SER - ser honesto, ser verdadeiro, ser competente, ser respeitador, ser amigo do seu amigo, ser HUMANO!!!!! O povo português está completamente ALIENADO, ESTUPIDIFICADO(!). O povo português, em geral, é escravo da OLIGARQUIA PULHÍTICA que se traveste de democracia todos os dias(!). O povo português não percebe que estamos a criar uma sociedade de MONSTROS que continuarão a desgovernar Portugal até à sua destruição total. Os senhores bilderberguianos só dão valor aos cifrões. Nunca houve, na História de Portugal, tanta escravatura(!!!!) A escravatura do século XXI é sofisticadíssima (!!!!!!) (Idalete Giga)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019

PROGRAMA DA CRISTINA – ANDRÉ SILVA (PAN) VS. RUI SALVADOR (TOUREIRO) – MAIS UM PASSO EM DIRECÇÃO À ABOLIÇÃO

 

O programa foi muito bem conduzido pela Cristina. Nota 10.

André Silva esteve politicamente correcto. Nota 10.

O toureiro Rui Salvador apresentou as falácias habituais, em que a tauromaquia assenta, desde que foi introduzida em Portugal, pelos monarcas espanhóis, a partir de 1580. Perdeu o debate e só enterrou a tauromaquia, mais do que ela já estava enterrada. Nota ZERO.

 

CRISTINA 50210410_1165010376981654_423448695810713

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/o.programa.da.cristina.na.sic/photos/a.1143061482509877/1165010373648321/?type=3&theater

 

Mais um passo foi dado em direcção à abolição desta prática, assente em muitas mentiras, já bastamente desmascaradas pela Ciência.

 

Confesso que cheguei a ter dó do toureiro que, desesperadamente, tentou defender a sua querida "dama", mas não convenceu: cada sentença, cada machadada.

 

Dizer-lhe que a tauromaquia vai acabar, como acabaram outras práticas desumanas, teve um impacto tão destruidor na mente deste toureiro, como se lhe dissessem que os pais que ele conhece desde que nasceu e que ama profundamente, afinal, não são os seus pais verdadeiros. E isto custa a ouvir. E o desespero ficou bem patente no semblante de Rui Salvador.

 

André Silva baseou-se em factos comprovados pela Ciência, em estatísticas da IGAC, e em suportes humanísticos vistos à luz dos valores éticos do Século XXI depois de Cristo.

 

Os Touros - que não são mais do que mansos bovinos, torturados para serem “bravos”, ou seja, para se defenderem das sevícias provocadas pelos seus carrascos) - seres sencientes, são retirados do seu habitat para serem cruelmente massacrados, rasgados, sangrados, humilhados, o que lhes provoca um sofrimento físico e psicológico atroz, antes, durante e depois da lide, acabando por morrer lentamente, sem os mínimos cuidados paliativos.

 

Dizem as estatísticas da IGAC que não só o número de touradas diminuiu consideravelmente nestes últimos anos, como também o número de espectadores, cada vez menos interessados em “espectáculos” bárbaros.

 

Esta será uma herança cultural (se é que a tortura é algo cultural) já ultrapassada pela evolução.

 

Rui Salvador, que frisou já ter recebido das mãos de António Costa (actual primeiro-ministro de Portugal) uma medalha de mérito (ficámos sem saber se foi pelo mérito de serviços prestados ao país ou ao bem-estar animal) disse que toureia há 44 anos, ou seja, tortura Touros há 44 anos, criou-se numa família apaixonada pelos animais, sobretudo Cavalos (sabemos que existem paixões doentias que retiram prazer fazendo sofrer o alvo da sua paixão, neste caso os Cavalos e os Touros), e disse que é com paixão que lida um Touro, que é o mesmo que dizer que é com paixão que tortura um Touro.

 

E o resto foi mais do mesmo. Mentiras, mentiras e mais mentiras.

 

Fazem touradas para preservarem os Touros bravos, como se os Touros bravos existissem na Natureza. São um produto de uma selecção de bezerrinhos que são retirados às mães-vacas para, desde bebés, sofrerem as mais horríveis sevícias. Se as touradas acabarem, os bezerrinhos continuarão a nascer, e serão deixados em paz.

 

“Produzir” seres vivos, para viverem durante apenas 4 anos (quando poderiam viver de 18 a 22 anos) uma vida mais ou menos, para depois acabarem numa arena e serem torturados cruelmente, é coisa de mentes deformadas. Também está comprovado pela Ciência.

 

Ficou comprovado que o toureiro Rui Salvador vive numa bolha onde a ilusão tem uma dimensão de mundo. Ele acha que os aficionados são meio milhão, negando as estatísticas; ele acha que a tortura de Touros e Cavalos faz parte do Património Cultural Português, desconhecendo que tal prática não passa de um costume bárbaro herdado dos bárbaros espanhóis; ele também acha grandiosa e coisa única no mundo, a actuação dos cobardes forcados que, no final da lide, vão para a arena atacar um Touro já moribundo e a sangrar abundantemente e em grande sofrimento; ele diz que em Portugal não se matam Touros nas arenas, esquecendo-se de Barrancos (acto legal mas cruel) e de Monsaraz (acto ilegal, cruel e consentido pelas autoridades); ele diz que todos os bovinos nascem para morrer, esquecendo-se de que esse é o destino de todos os seres vivos, incluindo ele próprio, e que entre o nascer e o morrer há uma VIDA a preservar; ele também acha que as touradas não vão acabar nunca, quando já estão a acabar, nos outros sete países em processo de evolução.

 

Senhor Rui Salvador, obrigada pela sua intervenção desastrosa. Só contribuiu para apressar a abolição desta prática, que nada tem de meritosa, e está assente na mais descomunal ignorância.

 

Isabel A. Ferreira

 

A entevista completa no vídeo:

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:02

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 29 de Dezembro de 2018

A TAUROMAQUIA NÃO É COMPATÍVEL COM A ESSÊNCIA HUMANA

 

Respondendo a Francisco Laranjeira sobre a abominável prática das touradas.

Os NINS nunca fizeram evoluir a Humanidade.

 

Anónimo comentou o comentário NUNCA AS TOURADAS LEVARAM TANTA PANCADA COMO NESTES ÚLTIMOS DIAS PORQUE SE CÃO COMO NÓS, TOURO COMO NÓS. PORQUE NÃO? às 19:22, 28/12/2018 :

Dª.Isabel Ferreira: Sobre as touradas já me pronunciei aqui neste espaço. Como disse antes, quando se me deparar a oportunidade de dar o meu voto não terei duvidas de que votarei contra as touradas. Ponto. Paralelamente a este espectaculo grotesco; existem outros de que pouco ou nada se fala e talvez me impressionem mais do q as touradas: são os animais selvagens retidos nos Zoos. Isto é que eu considero absolutamete vergonhoso, ver leões, tigres, elefantes, macacos e outros animais selvagens, moribundos, cheios de moscas, apodrecerem, fedorentos, coisa absolutamente vergonhosa. E os animais no circo também não fazem sentido algum. De resto, quando a Assembleia da Republica não proibe tais espectaculos o que poderei eu fazer humilde cidadão. Melhores cumprimentos. Francisco Laranjeira.

 

PESSOAS DE BEM.png

 

 

Senhor Francisco Laranjeira, do modo como fala, dá-me a sensação de que, embora não goste de touradas, não as condena. Aceita-as, como algo normal, na sociedade do Século XXI depois de Cristo. E nesta questão não podemos ser NIM.

 

Imagine a existência, HOJE, de uma “homada”, ou seja, de uma prática em que um leão esfomeado estraçalha um homem encurralado numa arena, onde uma turba ensandecida aplaude, em delírio, cada dentada, cada golpe na carne, cada pingo de sangue que mancha a arena, como no tempo do Circo Romano. O que teria a dizer? Também aceitaria, para não interferir na LIBERDADE de quem delira com esta luta DESIGUAL?



Sabia que a capacidade de se colocar no lugar do outro, seja esse outro um animal humano ou um animal não-humano, é uma das funções mais importantes da inteligência humana, porque demonstra o grau de maturidade do ser humano (Augusto Cury, médico psiquiatra brasileiro dixit)?

 

Sabia que “não faças aos outros (sejam esses outros humanos ou não-humanos) o que não gostas que te façam a ti” é o preceito máximo, que percorre a existência do Ser Humano, desde tempos imemoráveis, e faz parte da ESSÊNCIA HUMANA?

 

Sabia que a EMPATIA é o sentimento mais nobre do ser humano? Aquele que nos permite colocarmo-nos no lugar dos outros e sentir a dor dos outros?

 

Não basta VOTAR contra. Tem de se SER CONTRA esta “coisa” abominável, que não faz parte dos valores humanos: torturar um ser vivo para se divertirem com o atroz sofrimento dele.

 

Quanto ao resto, saiba que no mundo existem milhares de pessoas a lutar contra isto: jardins zoológicos e circos com animais, a que acrescento as corridas de cavalos e de galgos, as rinhas de galos, a CAÇA e a PESCA desportivas, o uso das charretes, a matança de animais nos matadouros sem o mínimo respeito pela dor deles, enfim, todas as situações que envolvam INDEFESOS ANIMAIS NÃO-HUMANOS à mercê de carrascos DESUMANOS estão no mesmo patamar das touradas, e são abomináveis, e são condenáveis, e devemos lutar pela abolição de tudo isto, que não é compatível com a essência humana.



E se os deputados da Nação, que se recusam a evoluir, não  proíbem tais práticas (não lhes chame espectáculos, porque um espectáculo implica algo ADMIRÁVEL, e não BÁRBARO) o que poderá fazer um humilde cidadão?

 

O humilde cidadão poderá simplesmente NÃO VOTAR neles, e escolher deputados que tenham a capacidade de se colocarem no lugar dos outros, que não façam aos outros o que não gostam que lhes façam a eles, e que tenham EMPATIA pela restante fauna que com eles partilham o mesmo PLANETA.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:11

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 7 de Novembro de 2018

CARTA ABERTA DE MANUEL ALEGRE A ANTÓNIO COSTA ENTERRA O PS, A LIBERDADE E A DEMOCRACIA

 

 

andre-silva-pan.jpg

André Silva, deputado do PAN, reage à Carta Aberta de Manuel Alegre 

 

Hoje, Portugal pasmou com a Carta Aberta que Manuel Alegre escreveu a António Costa, pondo-se do lado da incultura e da incivilização, pedindo para os pobrezinhos da tauromaquia, para a continuidade da barbárie, algo que não combina com Liberdade, com Democracia, com Socialismo.

 

Manuel Alegre, não sabe, mas com a sua atitude anti-civilização, só está a favorecer o PAN e a enterrar o PS. Porque o discurso dele, de Manuel Alegre, é realmente de um conservador monarquista, não de um socialista contemporâneo.

 

E tal atitude antidemocrática só prejudica o PS. E ainda bem, porque os Portugueses já estão fartos das políticas retrógradas de quem está com os pés fincados no passado, e se recusa a evoluir. Pode ser que tudo isto contribua para uma mudança. PS, PSD, PCP e CDS/PP são todos farinha do mesmo saco, no que respeita ao apoio às práticas medievalescas (touradas e caça) quando o mundo grita por Evolução.

 

Confrontado com a Carta Aberta de Manuel Alegre, o deputado do PAN (partido Pessoas-Animais-Natureza) André Silva, referiu que a reacção de Manuel Alegre, que se manifesta contra o que diz ser o "fanatismo do politicamente correcto", é normal num conservador. O deputado do PAN considera ainda que as reacções como as de Manuel Alegre, são normais quando se quer dar passos civilizacionais e se está preso a uma cultura do passado, mas que aos poucos se vai destruindo.

 

Para André Silva, não estão apenas em causa os gostos das pessoas, mas também implicações na vida de terceiros, ou seja, dos animais envolvidos nessas práticas, seres sencientes, e acrescenta que a sociedade portuguesa do século XXI não aceita mais a utilização de animais para entretenimento.

 

Para ouvir as declarações de André Silva, clicar neste link:

https://www.rtp.pt/noticias/politica/manuel-alegre-esta-agarrado-ao-passado-diz-deputado-do-pan_a1109841

 

***

Mas afinal, o que tanto traz agitado Manuel Alegre, o caçador?

 

«Carta aberta a António Costa

 

É chegada a hora de enfrentar cultural e civicamente o fanatismo do politicamente correcto.

 

Antes mesmo de ele existir, já eu apoiava este Governo que tem vindo a espantar o diabo tantas vezes anunciado. Portugal, apesar das dificuldades, é hoje uma boa excepção, numa Europa e num Mundo marcados por um processo de desconsolidação da Democracia e pela emergência de várias formas de populismo. Os partidos tradicionais estão em decadência, alguns em vias de desaparecimento. E a revolta popular contra o sistema já não está do lado da esquerda, passou para a direita, estimulada e manipulada pela hegemonia do poder financeiro global.

 

Devíamos estar atentos. Mas às vezes a euforia conduz à distracção. Eu, por exemplo, vivo uma situação paradoxal. Apoio esta solução governativa, o PS está no poder e, no entanto, por vezes sinto a minha liberdade pessoal ameaçada. Não por causa do que se passa no Mundo. Mas porque o diabo esconde-se nos detalhes. Está no fundamentalismo do politicamente correcto, na tentação de interferir nos gostos e comportamentos das pessoas, no protagonismo de alguns deputados e governantes que ninguém mandatou para reordenarem ou desordenarem a nossa civilização.

 

(Liberdade pessoal ameaçada, a liberdade de matar animais indefesos, para passar o tempo? Fundamentalismo do politicamente correcto, na tentação de interferir nos gostos, quando o que aqui está em causa não são gostos, mas passos evolutivos, que todos os deputados da Nação deviam dar, para reordenarem a nossa civilização, corrompida por actividades bárbaras, e o que fazem? Vergam-se aos lobbies da barbárie).

 

O deputado do PAN foi legitimamente eleito. Com pouco votos, mas foi. Tem o direito de defender as suas opiniões. Mas não pode virar o país do avesso, com a cumplicidade dos fundamentalistas de outros partidos (com a honrosa excepção do PCP) e o calculismo dos que pensam que, em certas circunstâncias, o voto dele pode ser útil para a maioria. Uma espécie de um novo deputado “limiano”, salvo o devido respeito. O facto é que um deputado, um só, traz milhares de portugueses inquietos. Isto não é normal nem saudável numa Democracia pluralista. De modo que é chegada a hora de enfrentar cultural e civicamente o fanatismo do politicamente correcto. É uma questão de liberdade. Liberdade para não gostar de touradas. Mas liberdade para gostar. Liberdade para não gostar da caça. Mas liberdade para gostar. Algo que não se pode decidir por decreto nem por decisões impostas por maiorias tácticas e conjunturais, Não é democrático. Para mim, que sou um velho resistente, cheira a totalitarismo. E não aceito.

 

(Pois Manuel Alegre está redondamente enganado e vê-se que vive na sua bolha de caçador e não vê o que o rodeia. O deputado André Silva não traz milhares de Portugueses inquietos. Traz apenas alvoroçadas umas centenas de caçadores e tauricidas, porque os restantes Portugueses clamam pela abolição dessas práticas trogloditas. E na caça ou na tourada não há liberdade para gostar, porque essas práticas não são uma questão de gosto, mas de Ética Civilizacional, que é um conceito que caçadores e tauricidas desconhecem. E um socialista, que devia ser progressista, segue os valores retrógrados monarquistas e ditatoriais, que o 25 de Abril não foi capaz de banir.)

 

Por isso, meu caro António Costa, peço-lhe que intervenha a favor de valores essenciais do PS: o pluralismo, a tolerância, o respeito pela opinião do outro. Peço-lhe que interceda pela descida de 6% do IVA para todos os espectáculos, sem discriminar a tauromaquia, já que os prejudicados serão os mais pobres, os trabalhadores que tornam possível este espectáculo. Peço-lhe que se oponha à proposta do PAN para alterar a Lei 92/95, que vem comprometer várias actividades do mundo da caça, como provas de Santo Huberto, largadas cinegéticas e cetraria – Património Mundial da Humanidade. A alteração da referida Lei provocará danos irreversíveis em muitas associações e clubes de caçadores, clubes de tiro desportivo, campos de treino e caça. Estão em causa centenas de postos de trabalho e elevadas perdas económicas para o País, sobretudo para aquelas regiões onde a empregabilidade e a actividade económica estão quase exclusivamente ligadas à caça. Sim, meu caro António Costa, trata-se de uma tradição cultural e social que é parte integrante da nossa civilização. É, também, um problema que diz respeito ao emprego e à vida de milhares de pessoas. E é, sobretudo, uma questão de liberdade, que sempre foi a a essência e a alma do Partido Socialista. Militante histórico do PS; escritor

 

(Que discurso mais minguado, rogar ao caro António que mantenha o IVA para os pobrezinhos torturadores de Touros, que recebem milhares de Euros, provenientes dos impostos dos portugueses, para comprar Ferraris e Porches, e torturar seres sencientes. Este último parágrafo desta Carta Aberta, mostra a mesquinhez de espírito de um indivíduo que perdeu a noção da realidade do século XXI D.C., e do que é o verdadeiro Socialismo. Não, isto não é sobretudo uma questão de liberdade, que sempre foi a essência e a alma do Partido Socialista, porque essa essência e alma do Partido Socialista perdeu-se ao negarem o progresso, a evolução da nossa descarrilada sociedade. Além disso, ser militante histórico do PS e escritor não são habilitações suficientes para levar o diploma de Progressista. Não me vou repetir. Deixo aqui o que já escrevi sobre esta posição retrógrada de alguém que se diz socialista, mas perdeu a noção do que ser socialista requer:

 

O CAÇADOR MANUEL ALEGRE FICOU MELINDRADO PORQUE A MINISTRA DA CULTURA DEFENDEU A CIVILIZAÇÃO

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/o-cacador-manuel-alegre-ficou-841604?utm_source=posts&utm_content=1541609491

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da Carta Aberta:

https://www.publico.pt/2018/11/07/politica/opiniao/carta-aberta-antonio-costa-1850064?fbclid=IwAR1MGCydxWzqY5wsmQPU5WC7gaVG-ldrO55jG93NDcB3PlH91F_Y31-NtIM#comments

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:03

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 20 de Julho de 2018

OS CIVILIZADOS E MODERNOS VÃO AO FESTIVAL “SUPER BOCK SUPER ROCK” (LISBOA) E OS PAROLOS E ATRASADOS VÃO À TOURADA (PÓVOA DE VARZIM)

 

E esta é a grande diferença entre divertimento civilizado e divertimento bronco.

Lisboa também os tem broncos, no campo pequeno, a nódoa negra da capital de Portugal, que a torna civilizacionalmente atrasada.

Mas hoje, Lisboa ganha à Póvoa.

Porque hoje, todos os caminhos floridos vão dar ao Parque das Nações (Lisboa); e todos os caminhos enlameados vão dar à arena de tortura da Póvoa de Varzim.

E nesta escolha, vemos quem está no Século XXI D.C., e quem tem os pés enfiados no lamaçal dos caminhos medievais, que iam dar às arenas onde os broncos se divertiam...

 

SUPER ROCK.jpg

 

TOURADA PÓVOA.png

 (Neste cartaz o A assinalado leva assento: À)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:35

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 8 de Junho de 2018

«NÃO PODE HAVER HONRA ONDE NÃO EXISTA JUSTIÇA»...

 

 

 Marco Túlio Cícero
 

Copyright © Isabel A. Ferreira 

 

Hoje apetece-me mergulhar no pensamento dos meus filósofos, dos Homens que ainda nos fazem acreditar na capacidade da razão humana.

 

Hoje, aproveitarei uma citação do filósofo e estadista latino, Marco Túlio Cícero, (que serve de título a esta crónica) para enviar uma mensagem discreta àqueles que, porventura, estarão confusos acerca da interligação entre Honra e Justiça.

 

E tudo isto vem a propósito de tantas coisas que acontecem no dia a dia, comigo, com outros, com tantas e tantas pessoas...

 

Na verdade, chegamos à conclusão de que não pode haver Honra onde não existe Justiça.

 

Ao que podemos verificar, o conceito de Justiça, isto é, aquela virtude moral que inspira (ou deveria inspirar) o respeito pelo Direito de outrem anda muito desvirtuado.

 

E o que dizer da Honra? Aquele sentimento que leva (ou deveria levar) o homem a procurar a consideração pública pelo cumprimento do dever e pela prática das boas acções... onde está ele?

 

Hoje em dia, são raras aquelas pessoas para quem estas moralidades, ou seja, estas doutrinas dos costumes e dos deveres do Homem para com os seus semelhantes, têm algum significado.

 

Para mim, a Justiça ainda é uma questão de Honra, por isso, dela não abdico.

 

Um dia, li algures: «Se os criminosos não forem punidos, como poderemos acreditar na Justiça

 

É um facto. Vivemos numa sociedade em que os valores afectos ao Homem estão a desvirtuar-se vertiginosamente. O respeito pelo próximo dilui-se como o pó em água. O respeito pelas leis e pelos direitos é constantemente violado, das mais variadas formas, e por quem devia defendê-lo.

 

E o que acontece?

 

Assiste-se a este desmoronamento de valores, impávida e serenamente, e quem ousa levantar a voz contra essas imoralidades, é molestado por tal ousadia, tal como acontecia na Idade das Trevas.

 

«As nossas opiniões não poderão sobreviver, se não tivermos oportunidade de lutarmos por elas», dizia Thomas Mann. E é precisamente essa a minha filosofia.

 

Como poderei ficar quieta no meu canto, acomodada, indiferente, se o mundo ao meu redor se desmorona tão aparatosamente?

 

Que devo fazer das minhas ideias? Dos meus ideais? Dos sonhos que ainda sonho? Da vida que tenho para viver?

 

Enterro-os na areia e deixo que as ondas do mar os levem para as profundezas dos abismos?

 

Tal seria o mesmo que regressar à Idade das Trevas. Mas eu vivo (todos nós vivemos) no século XXI D. C..

 

E o que se vê? Uma regressão vertiginosa da Razão, dita humana. A desinteligência a tomar o lugar da inteligência. E a percepção deste fenómeno constrange-me.

 

Henri David Thoreau, um escritor norte-americano, disse certa vez que «a Sabedoria contém o Desespero»; daí que eu deduza que a Ignorância contém a Indiferença. E isso é o pior dos males.

 

Quem consegue ver mais além do que os seus olhos podem alcançar, vive num constante desassossego, pois tem a nítida percepção do que poderia ser a vida se pudesse eliminar, por completo e definitivamente, a ignorância que ainda está instalada nas sociedades ditas humanas.

 

O nosso sábio poeta Luiz de Camões cantou num dos seus versos: «Mais c’o saber se vence, que c’o braço».

 

E esta é uma verdade irrefutável.

 

Quem deveria ter a percepção destes “fenómenos humanos”, porém, não a possui e dá mau exemplo a quem já tem a visão curta.

 

Por isso, esta nossa sociedade está virada do avesso, e a Justiça não existe porque se perdeu a Honra.

 

Para finalizar esta divagação, citarei um pensamento do estadista britânico Sir Winston Churchill: «A Coragem é a primeira das virtudes humanas, porque é ela que garante todas as outras».

 

Por vezes, sou abordada pelas pessoas que costumam ler as minhas crónicas, e falam-me da “minha coragem” ao tratar determinados assuntos. Talvez seja essa a minha única virtude. Mas, na verdade, ela é necessária para se enfrentar a vida de frente, se bem que nos traga muitos dissabores e inimigos.

 

Já lá diz o povo: «Viver não custa, o que custa é saber viver». Contudo, para se saber viver há que ter coragem de enfrentar certos monstros que nos barram o caminho, até porque para trás anda o caranguejo, e como o homem não é um caranguejo não posso aceitar que ele recue tão grosseiramente.

 

A propósito das citações de que, por vezes, me valho para ilustrar as minhas crónicas, e para aqueles que criticam o “saber enciclopédico”, gostaria de dizer que os filósofos, os pensadores, os sábios, deixaram-nos o seu legado de inteligência, para nele podermos reflectir, e se com ele concordarmos, utilizá-lo para bem da Humanidade.

 

É o que faço.

 

E, como diz o povo francês:

 

«Não há almofada mais fofa do que uma consciência tranquila».

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:33

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 4 de Junho de 2018

A PROPÓSITO DA “ALIANÇA” ENTRE A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS E A PROTÓIRO…

 

… que pode ser consultada neste link:

 

NUMA ÉPOCA EM QUE AS TOURADAS SÃO MUNDIALMENTE REJEITADAS, AS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS UNEM-SE À PRÓTOIRO PARA DINAMIZAR OS ANTROS DE TORTURA DE TOUROS

 

 

 

 

 

MISERICÓRDIAS.png

 

… recebi, via e-mail, do meu amigo Manuel Figueiredo as seguintes considerações:

 

«Não posso (nem quero) acreditar que isto está a acontecer, hoje, no meu país! Um protocolo da União das Misericórdias para dinamizar as suas praças de touros? Realizando touradas? Este presidente, que assim (não) pensa devia ser demitido e já! Queixa-se da falta de verbas para tratar dos idosos – a falsa caridadezinha. Nojento! Investiguem-se, a propósito, as contas de todas essas casas (sempre há-de haver alguma com as contas em dia…), incluindo os ganhos dessa gente “generosa”.

E a Igreja cala-se ou também quer abocanhar receitas?

E se o tipo fosse chamado ao Parlamento (vai toda a gente…) explicar, bem explicadinho, a reactivação dos novos circos romanos?

E de caminho: se a tal Federação (?!) recebe dinheiros públicos, acabe-se com a generosa dádiva…

Um país sem vergonha, país de ladrões!»

 

***

Faço também minhas estas considerações.

Realmente é inconcebível o que está a passar-se em Portugal, actualmente e a muitos níveis!

 

Isto só num país com uma política quinto-mundista (já nem sequer é terceiro-mundista), atrasado civilizacionalmente, e governado por socialistas absolutistas.

 

Tudo isto causa repugnância a cidadãos dotados de espírito crítico e senso comum. Portugal encontra-se numa fase regressiva como há muito não se via.

 

Há que penalizar os partidos políticos que estão a contribuir para este retrocesso sem precedentes.

 

Estamos em pleno século XXI D.C. e com políticas medievalescas, retrógradas, e com uma igreja católica nada cristã, nem misericordiosa.

 

Realmente vivemos num país onde não há vergonha, nem dignidade; vivemos num país onde vale tudo, quando se trata de encher os bolsos a ladrões. Um país de corruptos ao mais alto nível. Um país que rasteja para trás, em vez de caminhar erecto para o Futuro.

 

E um governo que não ouve a voz do povo é um governo despótico. E fez-se um 25 de Abril para acabar com uma ditadura e o Partido Socialista lança-nos numa autocracia fantasiada de democracia.

 

Tudo isto nos causa uma descomunal repugnância!

 

Isabel A. Ferreira

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 24 de Março de 2018

«OLHE QUE NÃO, SENHOR MINISTRO…»

 

NUNO PACHECO.jpg

Nuno Pacheco

 

Que um homem de cultura venha reduzir a questão ortográfica a uma “luta de religiões” é o que realmente indigna.

 

22 de Março de 2018, 7:30

 

Deu-se o ministro da Cultura ao trabalho, em entrevista recente (Diário de Notícias, 10 de Março), de falar do acordo ortográfico (AO). Não o fez de forma clara nem convicta, fê-lo contrariado, como se estivesse a tomar um remédio obrigatório, mas de difícil ingestão. E o que disse? Que o acordo não é perfeito. Ora isto transporta a mesma novidade do que anunciar, em pleno século XXI, que a Terra é redonda. Mesmo assim, não sendo perfeito, segue-o. Porquê? Ele explica (eis, na íntegra, o parágrafo onde o faz): “Não considero que este Acordo Ortográfico seja perfeito e penso que há coisas suscetíveis [sic] de melhoria, mas sendo o que se utiliza oficialmente achei que seria hipócrita não o fazer. Isto sem criticar outras pessoas, até porque não tenho ideias tão fortes sobre ortografia como elas. O acordo não é o melhor possível mas está vigente e segui-o para horror e espanto de muitos amigos. Não porque lhe tenha um grande amor, mas porque para mim a ortografia é uma convenção e não considero que a anterior seja a maior das maravilhas. Tudo se pode aperfeiçoar, é a minha opinião. Enquanto estiver em vigor vou segui-lo e lamento os meus amigos que consideram isto uma traição. Há como que uma luta de religiões em torno do acordo, só que eu não tenho religião. Acredito que esta opção vá ser muito criticada, mas é assim.”.

 

Convém explicar que tal justificação se deve, não a comunicados do seu ministério ou a qualquer discurso oficial, mas a um livro de poesia dele próprio. Nem sequer um livro novo, escrito agora, mas uma colectânea de 800 páginas onde, segundo o entrevistador, citando o ministro, “os poemas estão tal como apareceram na altura em que foram publicados.” Bom, “tal como apareceram” não é verdade, agora estão filtrados pelo acordo ortográfico.

 

O que mais espanta, aqui, não é o facto de o ministro-poeta (ou o poeta-ministro, o que vai dar ao mesmo) usar a ortografia que entende. É sobretudo a displicência e o pálido relativismo com que encara esse facto. Não considera o acordo perfeito, mas usa-o; não lhe tem grande amor, mas, caramba, afinal a ortografia é uma convenção e tanto se lhe dá; não tem ideias fortes sobre ortografia, mas considera-se capaz de dizer (com base em quê?) que a anterior convenção não é a maior das maravilhas; lamenta o horror e espanto dos amigos, diz até que alguns o acusam de traição, mas continuará a seguir o AO. Porquê? Porque sim. Não haverá, da parte do ministro-poeta, algo sólido? Um objectivo patriótico, uma miragem utópica? Nada, apenas qualquer coisa como um triste “não lhe tenho grande amor, mas o casamento mantém-se porque me colaram a aliança ao dedo.” Mas há pior. Sobretudo quando ele sugere que isto não passará de “uma luta de religiões”, uma luta na qual ele, que nem tem religião, não cabe nem se imiscui. Extraordinário. A levar a sério as suas palavras, uma “religião” pô-lo a escrever assim e ele não se importa; outra “religião” aponta-lhe o dedo e grita “traidor”; e ele, que até nem tem religião, veste resignadamente a “farda” da primeira.

 

Temos aqui, portanto, um homem decidido. Resoluto. Com ideias firmes. Um ministro verdadeiramente poético ou um poeta indubitavelmente ministeriável. Um homem que até diz: “Tudo se pode aperfeiçoar, é a minha opinião.” É verdade. Podemos começar pela política do seu ministério, e isto já sem ortografias nenhumas; ou pelo comportamento de muitos políticos, do Governo à oposição. Afinal, com tanta coisa lamentável, há muito por onde melhorar, aqui e em todo o planeta Terra. Mas se descermos ao chão inicial da ortografia, por onde este texto começou, a conversa do aperfeiçoamento é já insuportável. Há anos, mesmo há décadas, que se fala em aperfeiçoar o acordo ortográfico; mas tirando o voluntarioso (mas até agora sem consequências práticas) gesto da Academia das Ciências, nenhum responsável mexeu uma só palha para cumprir tal desiderato. Percebe-se: a maioria não sabe no que nos meteram, e por isso cala-se. Mas que um homem de cultura, poeta, com vários livros publicados e ainda por cima nomeado ministro, venha reduzir a uma “luta de religiões” aquilo que é, pelo contrário, uma causa de bases científicas, mais do que justificadas em milhares e milhares de páginas, em tratados, pareceres, artigos, abaixo-assinados, é o que realmente indigna. Por isso, senhor ministro, leia e informe-se. Se para isso tiver coragem.

 

Fonte:

https://www.publico.pt/2018/03/22/culturaipsilon/opiniao/olhe-que-nao-senhor-ministro-1807041#comments

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:45

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 5 de Dezembro de 2017

NEM OS HOMENS DAS CAVERNAS TINHAM ESTE COMPORTAMENTO BRUTAL

 

Os Homens das Cavernas eram primitivos, mas não eram BRUTOS.

E o pior é que toda esta brutalidade acontece com o aval de governantes sem o mínimo respeito por si próprios. Por governantes tão brutos como os brutos que fazem isto a um herbívoro, senciente, sensível e inteligente, tudo o que eles não são.

Como é possível que isto aconteça em pleno século XXI da era cristã, quando o homem já flutuou na Lua?

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:39

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

SEIS FORCADOS FERIDOS, DO...

PORTUGUESES, PONHAM OS OL...

PROGRAMA DA CRISTINA – AN...

A TAUROMAQUIA NÃO É COMPA...

CARTA ABERTA DE MANUEL AL...

OS CIVILIZADOS E MODERNOS...

«NÃO PODE HAVER HONRA OND...

A PROPÓSITO DA “ALIANÇA” ...

«OLHE QUE NÃO, SENHOR MIN...

NEM OS HOMENS DAS CAVERNA...

Arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt