Quinta-feira, 1 de Abril de 2021

«Tempos de Páscoa»

 

Cristo incendiou a História

Uma outra perspectiva acerca de Jesus Cristo, da autoria de Artur Soares.

 

Jesus Cristo.jpg

(Desenho da autoria de Agonia Sampaio,  premiadíssimo autor de Bandas Desenhadas, oriundo da Póvoa de Varzim)

 

Por Artur Soares

 

«Filho de pais bondosos e justos nasceu entre quatro paredes grosseiras, em pavimento (talvez) sujo e malcheiroso; de limpo só a manjedoura onde o dono dispôs o feno e a aveia.

 

Cresceu como qualquer criança e bem cedo aprendeu a trabalhar na madeira, crescendo em “grande sabedoria”. Analisava atitudes e conhecia como ninguém o ambiente ao redor, ao ponto de deixar estupefactos os intelectuais daquele tempo, pelo que afirmava aos doze anos.

 

Sua Mãe, atenta e justa com tudo que ao filho respeitava, “guardava para si” os actos, acções e a sua maneira de ser. Já homem, senhor absoluto da humanidade, fisicamente forte e alto, rude de aspecto como qualquer homem do seu tempo, inteligente e conhecedor dos sofrimentos e anseios de quem o rodeava, mete pés ao caminho e põe em acção a missão para o que veio: “servir e não ser servido” e o chocar com os ensinamentos do amor àqueles que eram feras, levando sempre tudo até às últimas consequências: morrer pelos testemunhos que dava e pelo plano que ia expondo: este Homem chamou-se Jesus Cristo.

 

Este Homem é! Alma aberta e profunda; Homem de recolhimento e voltado para a vida. O mundo exterior existe para Ele: as aves que debicam os grãos, as que fazem os ninhos nos ramos, as que são apanhadas e se vendem por alguns dinheiros, as crianças que brincam, que lutam, que amuam, os desempregados que esperam na praça por um contrato, a dona de casa que busca a moeda perdida, o amigo importuno que vai de noite bater à porta… tudo isto é cheio de vida, é cheio de humanidade!

 

Alma capaz de admirar ouve a voz da natureza. Nunca se extasia e sente-se à vontade em todas as coisas. Fala dos assuntos mais extraordinários e, às vezes, lê os pensamentos mais dramáticos através duma imagem familiar ou de imagens da natureza.

 

Ensina como só Ele é capaz, cura e ama os doentes, alimenta os famintos, dá esperança aos estáticos e até acalma os ventos e as tempestades. Ele é verdadeiramente Deus!

 

Perseguem-no: dizem que é profeta dos fracos e, afinal, deu força aos definhados e colocou-os mais alto que aos reis; disseram (dizem) que é anunciador duma mensagem doente ou moribunda, mas cura e ressuscita; disseram (dizem) que é anarquista e ensina e pratica a justiça elevando os infelizes!

 

E este Homem, Jesus de Nazaré, tem coração e fala aos corações; é espírito puro e quer purificar espíritos; ama e quer inflamar a todos com amor; tem alma grande e pretende dilatar todas as pequenas almas abandonadas.

 

Este Homem, quando falava às multidões, aos fariseus, homens de letras e comerciantes, muitos abanavam a cabeça com ar de mau agouro e erguiam-se torcendo a boca e fazendo sinais uns aos outros entre irritados e escandalizados e, mal saíam, um murmúrio de prudente desaprovação brotava das grandes barbas negras ou brancas. Mas nenhum ria.

 

Escolheu companheiros, nunca se preocupou com o que havia de vestir e de comer, formou a primeira Igreja e anunciou o Reino de Deus, quando pensavam que vinha para ser o rei da matéria. Por isso o mataram.

 

Mas Cristo está sempre vivo entre os cristãos e em todos que o admiram. Há quem o ame e quem o odeie; há uma paixão pela sua paixão e outra pela sua destruição. Os mercenários não acabam. Estes, geralmente, detestam o que foram, choram o que não têm, receiam o que poderão perder e esquecem-se de viver. Vivem inconformados, rapam o que não lhes pertence, julgam-se únicos nas cadeiras do poder, defendem-se com a mentira e hipocrisia e não conhecem os seus. E o encarniçarem-se contra Cristo, prova que vive.

 

Na verdade, Cristo foi uma fagulha que nasceu entre animais, cresceu numa região desprezada, mas incendiou a história de toda a humanidade! E os que foram pasto para feras e os que tombaram ao fio da espada, bem como aqueles que ainda hoje tombam por causa do Seu Nome, sempre serão adubo para cultivar novas safras de sementes.»

 

(Artur Soares)

 

(O autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:35

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (2)
Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019

«Sermão do Bom Ladrão» - Mudam-se os tempos, mas as vontades de ladroar continuam no ADN de quem detém o Poder

 

(Recebido via e-mail)

 

O Sermão do Bom Ladrão foi proferido em 1655 na Igreja da Misericórdia (hoje, Conceição Velha), perante o Rei D. João IV, a sua corte e os maiores dignitários do reino - juízes, ministros e conselheiros.



Desassombrado, o texto critica todos aqueles que se valem do poder público para enriquecer de forma ilícita; denuncia escândalos no governo, gestões fraudulentas e reclama contra a falta de punições. Quando se lê este sermão, parece que estamos nos tempos actuais. Uma visão perfeita do comportamento imoral da época que parece não ter acabado até aos nossos dias. Aqui fica um pequeno excerto.

 

Padre Vieira.jpg

 

Padre António Vieira – Pintura de Cândido Portinari

 

"Levarem os Reis consigo ao paraíso os ladrões, não só não é companhia indecente, mas acção tão gloriosa e verdadeiramente real. (...) Mas o que vemos praticar em todos os reinos do mundo é, em vez de os Reis levaram consigo os ladrões ao paraíso, os ladrões são os que levam consigo os Reis ao inferno.


(...)


O ladrão que furta para comer, não vai nem leva ao inferno: os que não só vão, mas levam, de que eu trato, são outros ladrões de maior calibre e de mais alta esfera.



Não só são ladrões os que roubam bolsas; (...) os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título, são aqueles a quem os Reis encomendam exércitos e legiões, ou o governo das províncias ou a administração das cidades, os quais, pela manha, pela força, roubam e despojam os povos.


Os outros ladrões roubam um homem; estes roubam cidades e reinos: os outros furtam correndo risco; estes sem temor nem perigo: os outros, se furtam, são enforcados; estes furtam e enforcam os outros".



****


O Padre António Vieira, foi um dos maiores religiosos, filósofos, escritores e oradores portugueses do século XVII, nasceu em Lisboa a 6 de Fevereiro 1608, e morreu na Bahia a 18 de Julho 1697, com 89 anos. Deixou cerca de 700 cartas e 200 sermões.



 
A Igreja da Conceição Velha resultou da reconstrução da Igreja da Misericórdia, destruída pelo terramoto de 1775. O seu Portal é o que resta da antiga Misericórdia.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:31

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
18
20
21
23
24
25
27
28
29
30

Posts recentes

«Tempos de Páscoa»

«Sermão do Bom Ladrão» - ...

Arquivos

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt