Terça-feira, 21 de Novembro de 2023

Reflexões sobre a crise política que, actualmente, assola Portugal, por José Marques Vidal

 

Considerações com as quais me identifico (Isabel A. Ferreira)

 

Those were the days my friend.PNG

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, em Paris, em 12 de Junho de 2016

Those were the days my friend...

Fonte da imagem (que é da responsabilidade da autora do Blogue): https://www.publico.pt/2016/06/12/politica/noticia/reportagem-1734906

 

Por José Marques Vidal

 

 «Tinha de acontecer, era previsível, senão fatal como o destino, são ditames populares que, em conjunto com o adágio “Diz-me com quem andas, dir-te-ei as manhas que tens”, podem servir de justificação ao terramoto político do momento, que derrubou o primeiro-ministro do PS e com seu governo, que fora eleito por uma maioria absoluta.

 

Depois do abalo Sócrates que levou o país à bancarrota e originou a intervenção do fundo Monetário Internacional na orientação da nossa política económico-financeira, e dos avisos da União Europeia sobre a degradação do combate à corrupção que lavrava nos meios da administração central e autárquica, o sistema legislativo e governamental daquele partido continuou a fazer ouvidos de mercador ou a fazer de conta sem mudar uma linha no caminho que trilhava. Os homens do sistema em vigor nos tempos de Sócrates que escaparam à repressão criminal, mantiveram-se em campo uns, foram repescados outros.

 

Mas acontece, pelo menos tem acontecido, ser o eleitor pouco sensível à honestidade ou desonestidade com que se labora a coisa pública. Assim, como dizem os comentadores da bola na véspera dos jogos de futebol, tudo está em aberto quanto aos vencedores das próximas eleições.

 

***

 

O PS não perde tempo, fiel ao princípio do rei morto, rei posto. E, garra é que não lhe falta, avança de imediato com dois candidatos à presidência do partido. Dois jovens, mas já curtidos nas andanças dos palcos políticos e suas subtilezas. Caras novas, embora de promessas antigas, apresentam o PSD, PCP e o BE, enquanto o Chega se mantém com Ventura. Afinal nada de novo na nossa democracia.

 

Pois quanto a mim, simples cidadão eleitor que deixou de confiar nos programas eleitorais, geralmente um rol de promessas e de mentiras piedosas, já ficaria satisfeito se todos os partidos políticos susceptíveis de eleger deputados para a próxima Assembleia da República se comprometessem, em acordo público assinado, certificado e registado em cartório notarial, a três meses depois de constituído o novo poder legislativo terem aprovada nova lei que punisse o enriquecimento ilícito.

 

***

Assim, para não ficar de fora e ser acusado de andar a dormir na forma, ouso botar faladura sobre o caso da demissão do primeiro-ministro António Costa e o escarcéu que assola a comunicação social sobre quem recai a responsabilidade do infausto acontecimento. Na esteira do habitual, sempre que se instaura procedimento criminal contra políticos, banqueiros e poderosos, o bode expiatório de culpas alheias é o M.º P.º e a procuradora-geral da República, no caso concreto porque esta divulgou em nota oficial ter remetido ao Supremo Tribunal de Justiça certidão para abertura de inquérito tendente a averiguar se o chefe do governo tinha ou não rasca na assadura dos comparsas.

 

Certo é que o primeiro-ministro não esperou pelo inquérito e, sem sequer saber quais os factos que lhe eram imputados, se demitiu.

 

Conclusão imediata e assanhada: o M.º P.º e a procuradora-geral derrubaram o governo, opinião que esquece o tráfico de influências apontado a um ministro e ao seu próprio chefe de gabinete, como causa política suficiente para o efeito.

 

Tanto ética como politicamente não vejo que o facto de haver uma denúncia pendente para abertura de inquérito, só por si seja motivo suficiente para a demissão de um cargo público.

 

Qualquer pessoa é susceptível de ser objecto de inquérito, bastando para o seu desencadeamento a denúncia anónima, cabendo à entidade competente a sua investigação. Finda esta, pode o inquérito ser arquivado. Só após a acusação do M.º P.º, sufragada por despacho de pronúncia do juiz de instrução, se poderá falar em indícios suficientes da existência de um comportamento criminoso, o que justificaria eticamente a demissão.

 

Perante este quadro, incorrecto nos parece afirmar que o M.º P.º e a procuradora-geral da República derrubaram o governo em vez de anunciar que António Costa, ponderado o circunstancialismo do caso, entendeu demitir-se.

 

Os que berram contra o regime actual da magistratura do M.º P.º, que lhe atribui a autonomia perante o poder político, berram sem propor alternativa. É que esta vigorou durante quase meio século durante o regime salazarista e continua a manter-se nos regimes totalitários: a de ser o governo a mandar naquela magistratura. Não há meios-termos.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:56

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 5 de Outubro de 2023

Os 113 anos da implantação da República, em Portugal, foram assinalados em cerimónia privada, como se o Povo Português já não fizesse parte dessa República...

 

Outros ventos sopram. Outras vontades [agora muito mais prepotentes] emergem, e o Povo Português foi proibido de assistir à cerimónia solene, que pretendeu celebrar o 113º ano, desde o dia em que, da varanda dos Paços do Concelho, em Lisboa, José Mascarenhas Relvas proclamou a República de Portugal, diante do Povo.

 

A triste cerimónia a que assistimos, via TV, começou na varanda do Salão Nobre dos Paços do Concelho com o hastear da Bandeira Nacional, pelo Presidente da República (?), Marcelo Rebelo de Sousa, ao som do Hino Nacional, diante de uns poucos convidados VIP.

 

Seguiram-se uns discursos cheios de palavras gastas, que nada de novo acrescentaram ao que disseram no ano passado, porque de promessas e “é preciso fazer, mas não se faz” andamos todos fartos.


O recinto circundante aos Paços do Concelho foi bloqueado ao público.

 

Porquê?

Por MEDO dos protestos do Povo, nomeadamente dos Professores, que também comemoram o seu Dia, precisamente hoje.

Hoje ninguém ovacionou ninguém. Os ecos de há 113 anos não ecoaram nesta cerimónia, que mais parecia a de um funeral. Do funeral de um regime já gasto, que nada tem de novo para oferecer. E pior, de uma República que já não é Portuguesa.

 

O Povo está cansado. O Povo está farto. O Povo já não se revê naqueles que se vêem na foto que ilustra este meu protesto, que sei ser o protesto de muitos mais. Não direi de todo o Povo, porque a maioria esteve mais interessada em saber os pormenores e a dar prognósticos sobre jogo Sporting-Atalanta, a ter lugar esta tarde.


Nas televisões não se ouviram muitos ecos da cerimónia privada. Por este andar, talvez para o ano já não haja República Portuguesa para celebrar.

Espero estar muito enganada.

Se estiver, venho aqui fazer o meu acto de contrição.

 

5 de Outubro.png

 

5 de Outubro de 2023, quando estas personagens: presidente da República Portuguesa (?), Marcelo Rebelo de Sousa; presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas; presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva; primeiro-ministro, António Costa; presidente da Assembleia Municipal de Lisboa Maria do Rosário Farmhouse Simões Alberto; se perfilavam, não, diante do Povo. Diante deles poderia estar uma urna com flores, porque ia dar ao mesmo.

 

5 De Outubro de 1910.PNG

 

5 de Outubro de 1910, quando o povo saiu à rua para ouvir a proclamação da República Portuguesa

 

O que tanto fez recuar Portugal, em 113 anos?

 

Uma gradual decadência de todos os sectores públicos: o assentar arraiais de uma senhora chamada Corrupção; uma notória falta de Cultura Culta por parte dos intervenientes políticos; e os que alguma cultura têm, não a usam para fazer elevar Portugal, muito pelo contrário; o egocentrismo político usado para benefício próprio e não para benefício do País, o que culmina com a venda de Portugal ao estrangeiro. E quem pensa, sabe muito bem a que estrangeiro me refiro.



Termino este meu protesto, com a belíssima Marcha Fúnebre de Frédéric François Chopin, que traduz o sentimento que esta triste cerimónia do 113º aniversário da Implantação da República em Portugal, me suscitou.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:46

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 27 de Abril de 2023

António Costa dixit: « (...) com toda a franqueza, do que temos mesmo pena é de não falarmos com o sotaque brasileiro». Se em Portugal houvesse um Presidente da República, o primeiro-ministro seria demitido imediatamente

 

Vou começar esta minha publicação por felicitar Chico Buarque, alguém de quem sou muito fã, na música, nos versos e na prosa, galardoado com o Prémio Camões, embora exista um mar e um longo tempo de distância, entre Camões e Buarque.

 

Chico Buarque.png

 

Agora vamos ao teor deste texto, que gostaria de NÃO ter escrito, porque seria sinal de que Portugal não anda por aí à deriva, espoliado da sua Língua, da sua História e da sua Cultura.
 

Que VERGONHA para Portugal, ter um primeiro-ministro que DESPREZA a Língua Oficial do País - a Língua Portuguesa  - e LOUVA a Variante Brasileira do Português, ainda mais falando em NOME dos Portugueses.


Que fale por ele, e unicamente por ele, que é um apátrida.  Nós, os Portugueses, que prezamos e estamos a lutar pela NOSSA Língua, NÃO temos pena alguma de não falarmos Brasileiro, porque a Língua que se fala no Brasil NÃO é um simples sotaque, um som, uma entoação ou pronúncia particular de um indivíduo ou de uma região. No Brasil fala-se uma linguagem fonologicamente diferente da fonologia portuguesa.

 

 

Se vivêssemos numa Democracia plena, e tivéssemos um Presidente da República PORTUGUÊS a sério (afinal Marcelo diz, com um orgulho que nem tenta disfarçar, ser luso-brasileiro, e pelo que vemos é até mais brasileiro do que português); se tivéssemos um presidente que defendesse a Constituição da República Portuguesa, demitiria imediatamente este primeiro-ministro, que não passa de um BAJULADOR do Brasil, sem o mínimo brio pessoal e político.

Porém, Portugal está muito mal servido, também no que toca ao Chefe de Estado, igualmente um BAJULADOR do Brasil e da sua Língua, que NÃO é a Portuguesa, mas a VARIANTE Brasileira da Língua Portuguesa, que deu novas línguas ao mundo, entre elas a Língua do Brasil, através dos seus valorosos navegadores, que deram novos mundos ao mundo (e não é para aqui chamado o que eles fizeram de menos valoroso, à luz dos nossos valores humanos, e que, no entanto, continua perpetuado nos tempos que correm, apesar dos já declarados "Direitos do Homem", que, há época desses navegadores, ainda não existiam, como tal).

Se o Povo Português não andasse tão entretido com o futebol, com as novelas brasileiras de que António Costa tanto gosta, dos Reality Shows degradantes, levantar-se-ia em massa a EXIGIR a demissão de um ministro que NÃO tem competência para defender os interesses de Portugal.

 

A entrega do Prémio Camões a Chico Buarque serviu para demonstrar o quanto a Língua Portuguesa está à beira do abismo, desprezada pelas autoridades máximas da Nação Portuguesa.

 

Ficou bem claro de que lado está aquele que foi eleito por uma minoria de Portugueses (a abstenção foi das maiores), para ser o presidente da República, e que o é apenas num documento, uma vez que numa notória subserviência aos convidados brasileiros,  pôs nos píncaros a Variante Brasileira da Língua Portuguesa (que nada tem a ver com sotaque) em detrimento da Língua de Camões, que para Marcelo, bem poderia ser a Língua de Chico Buarque.

O brasileirismo do presidente da República de Portugal está de tal forma entranhado em Marcelo Rebelo de Sousa que o faz perder a noção do seu DEVER constitucional de defender a Língua, a História e a Cultura portuguesas.

 

Marcelo mostrou nitidamente estar-se nas tintas para Portugal e para os Portugueses.

Deveríamos ter um mecanismo que permitisse ao Povo Português DEMITIR um presidente que põe os interesses do Brasil acima dos interesses de Portugal, desprezando, às claras, os interesses daqueles que diz representar. O facto é: Marcelo Rebelo de Sousa NÃO representa Portugal.


Portugal NÃO é o Brasil.

As autoridades máximas portuguesas - Presidente da República, Primeiro-ministro e Presidente da Assembleia da República - NÃO têm de prestar vassalagem ao Brasil.

Pelo seu lado, o Brasil NÃO tem o direito de espezinhar a Soberania de Portugal, e se o faz é porque essas autoridades são seus vassalos.


Foi absolutamente patético ouvir Marcelo Rebelo de Sousafálá - e muito mal - “brásilêru”, numa parte do seu discurso, na cerimónia de entrega do Prémio Camões a Chico Buarque, o que deixou o laureado com cara de «o que é isto?????». Seria para “cápitá” (palavra que ouvi de uma comentadora brasileira na CNN) a simpatia daqueles que querem transformar Portugal numa colónia brasileira, tendo, para tal, a inacreditável cumplicidade explícita de Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Augusto Santos Silva?

Conseguem imaginar o que está por detrás deste SERVILISMO?

 

Depois de termos ouvido, nestes dias alucinantes, que foram os da visita de Lula da Silva a Portugal, Marcelo a “fálá” brasileiro, António Costa a dizer em alta voz que os Portugueses têm pena de não falar com o “sotaque” brasileiro, e Augusto Santos Silva, presidente da Assembleia da República Portuguesa, lugar onde a Vida e a Morte de Portugal se decide como estivessem num campo de batalha, a reclamar a Variante Brasileira do Português, como substituta da Língua Portuguesa que lhe deu origem, se os Portugueses não estivessem tão anestesiados, exigiriam a demissão de todos estes agentes da mediocridade, do caos, da incompetência, do vergonhoso SERVILISMO e da estupidez que se implantou em Portugal, e dir-lhes-iam que juntassem os trapinhos e fossem de malas aviadas para o Brasil, onde se sentirão, com toda a certeza, no Paraíso Linguístico que tanto veneram.

 

 

Ouçam com atenção!!!!

UAU!!!!!!! Ouviram bem? Marcelo disse Augusto BUAU????????? BUAU???????

O senhor chama-se Augusto BoaL. Não sei o que pensam os restantes portugueses, EU ENVERGONHO-ME de ter um presidente que não sabe nem falar, nem escrever correCtamente a Língua Portuguesa.

Isabel A. Ferreira


 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:28

link do post | Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022

Meus caros leitores, sabiam que o factor MAIS importante de Unidade Nacional é a SELECÇÃO portuguesa de futebol?

 

Quem o disse, numa entrevista, para justificar a sua ida ao Qatar, foi Augusto Santos Silva, um socialista que não é uma pessoa qualquer. Trata-se exactamente do presidente da Assembleia da República Portuguesa que, antes de o ser, era o ministro dos Negócios DOS Estrangeiros, que tudo fez (e supõe-se que continua a fazer) para que a Cultura, a História e a Língua Portuguesas, bem como (já agora e depois desta declaração) a Bandeira Nacional e o Hino Nacional deixassem de ser os factores mais importantes de Unidade Nacional.

 

No estrangeiro, somos identificados pela NOSSA selecção nacional de futebol. Isto não é para qualquer um.

 

Já no mundial de 2018, Marcelo Rebelo de Sousa, que é nem mais nem menos o presidente da República Portuguesa, disse que a selecção portuguesa de futebol é "um factor de unidade nacional" e até lhes pediu para serem aquilo que são, porque são os melhores do mundo. Aliás, para Marcelo, Portugal é o melhor do mundo, em tudo e mais alguma coisa.

 

Isto não é patriotismo nem futebolismo a mais. Isto é pura cegueira mental.

 

Depois de Marcelo (que foi muito bem-recebido pelo Emir, com honrarias e tal…) e Santos Silva, irá ao Qatar António Costa, que é nem mais nem menos o primeiro-ministro de Portugal, para apoiar, segundo o próprio, NÃO os não-direitos humanos vigentes naquele País, mas a tal SELECCÃO que é o factor MAIS importante da nossa Unidade Nacional.

 

Como identificamos as pessoas que vamos encontrando, quando viajamos?  Perguntando-lhes: «Qual é a sua selecção nacional»? A mim, nunca me aconteceu fazerem-me essa pergunta.

 

Qual Língua Portuguesa, qual Bandeira Nacional, qual Hino Nacional, quais símbolos nacionais? Tudo isto são factores MENORES da Unidade Nacional, para os três representantes MAIORES (???) de Portugal.

 

Com representantes destes quem precisa de INIMIGOS?

 

E o pobre português que pague estas estas viagens, que NÃO são de Estado, mas tão-só de puro recreio. E quantos portugueses não gostariam de ir ao Qatar apoiar a SELECÇÃO deles, e NÃO vão porque NÃO têm dinheiro para a viagem?

 

E isto para não falar da deslocação a um País que NÃO respeita os Direitos Humanos, e à conta deste Mundial, pelo que li, morreram cerca de 6.500 trabalhadores, por falta de condições, foram escravizados, mal pagos; fora a situação das mulheres, enfim…



Mas, já ouvi Marcelo dizer que Portugal mantém boas relações com outras autocracias, e até se consentiu que para a CPLP (que significa Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) entrasse o ditador da Guiné Equatorial, país onde nem sequer se fala Português.

 

Ditadura também a temos entre nós. Basta ver o autoritarismo com que Portugal, actualmente, está a ser governado, inclusive por SS, na Assembleia da República. Ele ali é o dono daquilo tudo!!!!! Viram o TOM MAIOR com que se dirigiu à PSP, na AR?

 

Portugal está mergulhado na MEDIOCRIDADE, na INCULTURA, na ILITERACIA, na POUCA-VERGONHA.

 

Não há um Portugal B, se houvesse, mudava-me para lá. Porque o Portugal A está DESGOVERNADO e não serve os interesses dos Portugueses.



ATENÇÃO! - Não tenho nada contra a Selecção, nem contra o Futebol, quando ele é DESPORTO. Quando é COMÉRCIO não gosto. Não sou de ver futebol, mas não critico quem vê e gosta e aplaude. Não gosto do fanatismo, nem futebolístico, nem de qualquer outro. E sim, quando a Selecção de Portugal joga, eu ASSISTO, e torço por ela. O que NÃO gosto é quando os governantes fazem os Portugueses de PARVOS!!!!!!  Por isso, escrevi este texto.

 

Isabel A. Ferreira

 

Santos Silva.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:44

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 30 de Agosto de 2022

Até que enfim! A ministra da Saúde fez alguma coisa útil e acertada: DEMITIU-SE!

 

Já devia ter-se demitido no anterior governo, e nem sequer devia ter sido readmitida no actual governo, que é o do vira-o disco-e-toca-o-mesmo.

 

Foi preciso morrer uma jovem Mãe, e um bebé ficar órfão, logo à nascença (isto é tão grave, tão grave!)  por falta de assistência médica, para que a INCOMPETENTE (desde a primeira hora), ministra da Saúde tivesse a hombridade de se demitir!

 

O primeiro-ministro António Costa também devia demitir-se, por não ter capacidade de SABER escolher ministros competentes para o seu governo.

 

Mudaram-se algumas caras, mas as políticas continuam as mesmas, ou seja, NENHUMAS.

 

E que adianta demitir ministros se não há alternativa, ou seja, não há políticas inteligentes, úteis e eficientes, para serem postas em prática e mudarem o statu quo?

 

É uma total incompetência. E António Costa, mentor desta incompetência, não consegue discernir entre o que é BOM e o que é MAU para Portugal, e continua a manter ministros altamente incompetentes no actual executivo, como é o caso do Ministro da Educação (que tal como no SNS, se mantém um gigantesco CAOS, sem luz ao fundo do túnel); do Ministro dos Negócios Estrangeiros (que continua a política de SERVILISMO ao estrangeiro, herdada do anterior ministro, que agora é presidente da Assembleia da República, mas ainda não se deu conta disso); do Ministro da Cultura, que continua a confundir CULTURA com TORTURA, e não apoia devidamente uma, mas apoia a outra, e  não dá um murro na mesa, como devia dar,  para que Portugal possa dar um salto para o Século XXI d. C., pois ainda mantém um pé na Idade Média.  Mas há mais ministros que deviam demitir-se. E secretários de Estado. E outros que tais políticos.

 

Nunca, como hoje, Portugal esteve tão mal servido de governantes, que falam, falam, falam, e não dizem nada de jeito e também não fazem nada que se aproveite. Parecem papagaios a repetir o que alguém lhes sopra ao ouvido para dizerem, e ficam-se por aí...

 

O SNS está um caos desde há muito, desde o tempo da geringonça, que nada fez pela SAÚDE dos Portugueses, em Portugal.


Já se morria sentado nas cadeiras das urgências por falta de ASSISTÊNCIA, em 2015. NADA se fez, desde então, para dar DIGNIDADE ao Serviço Nacional de Saúde, porque os dinheiros dos nossos impostos servem para servir outros interesses que NÃO os dos Portugueses.

 

Se o povo português fosse suficientemente esclarecido, jamais teria dado uma maioria absoluta a um partido que demonstrou TANTA incompetência no anterior mandato, e continua a mantê-la no actual mandato, além de que as maiorias absolutas são sinónimo de DITADURAS, e não se encaixam nas DEMOCRACIAS.

 

Poder a mais na mão de INCOMPETENTES é igual a CAOS.

E é no CAOS, em todos os sectores, que Portugal vive actualmente.

 

BASTA! Precisamos de uma nova revolução, para que a tão desejada DEMOCRACIA  seja uma realidade, e não uma simples miragem de uns, e uma palavra gasta, na boca de outros.

Isabel A. Ferreira

 

O-agravamento-das-dificuldades-do-SNS.jpg

Fonte da imagem: Jornal online Tornado

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:14

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 9 de Fevereiro de 2022

Fiquei estupefacta quando li a notícia de que António Costa «elege como objectivo sair da cauda da Europa»…

 

E por que fiquei estupefacta, perguntarão os leitores?

 

António Costa.jpg

Origem da imagem: Internet


Muito simples: porque António Costa, finalmente, ADMITE que Portugal ESTÁ na cauda da Europa, como sempre se disse por aí, mas só ele não acreditava. Até agora foi um tal de encher a boca para dizer que tudo estava bem no Reino de Belém, e o senhor de Belém também sempre encheu a boca para dizer que «os portugueses são os melhores do mundo», quando tudo demonstrava que nem TODOS os portugueses são os melhores do mundo, e que nem tudo o que reluz é ouro, neste nosso pequeno país, que já foi grande e brilhante, e hoje em dia, além de ter perdido a sua identidade linguística, perdeu também a sua dignidade de País independente dos quereres estrangeiros.

 

Quem manda em Portugal?

 

Hoje, resta-nos uma bolha, onde gente conscienciosa, racional, inteligente, gente com mentes brilhantes, dentro e fora de Portugal, se distinguem pelo brilhantismo das suas acções, das suas profissões, do seu saber, da sua competência, dos seus valores humanos, fazendo tudo para não envergonhar o nosso passado e aqueles que tudo fizeram para que pudéssemos ser um Povo e ter um País.

 

Fora dessa bolha, reina uma mediocridade absolutamente inaceitável, porque há quem não tenha dignidade, e mantém Portugal na cauda da Europa, em quase, quase, quase tudo…  

 

E agora vem o Dr. António Costa dizer que «elege como objectivo sair da cauda da Europa», ele, que durante os seis anos do seu mandato, como primeiro-ministro, mais os seus INCOMPETENTES ministros, tudo fizeram para que rastejássemos na cauda da Europa, em matérias cruciais para o nosso desenvolvimento, como Nação livre, e por mais que fosse advertido, por aqueles que não são paus-mandados, nem bajuladores, nem servilistas, nem seguidistas, prevaleceu a política do eu posso, quero e mando, que, esperemos, seja abandonada, neste próximo governo, ainda que a maioria absoluta seja terreno fértil para a continuidade dessa política, que só tem prejudicado o nosso País.

Mas, lá diz o saber do Povo que mais vale tarde do que nunca.

 

António Costa acordaria da profunda sonolência em que se manteve nestes últimos seis anos?

Eu sempre fui como São Tomé: só acredito no que vejo. Aguardarei.



E para sairmos da cauda da Europa não está apenas em causa as actividades financeiro-económicas. Está muito mais. Há que ter brio, há que ter competência, há que ter honestidade, há que combater a CORRUPÇÃO, a ladroagem, a pobreza; há que fazer grandes reformas na Justiça (na qual ninguém já acredita), na Lei Eleitoral, no ENSINO, que anda por um chão de lama, começando por devolver aos alunos a sua Língua Materna, íntegra e intacta - a Língua Portuguesa, anulando o ILEGAL AO90; há que ABOLIR as práticas bárbaras tauromáquicas, que suja o nome de Portugal e põe-no na cauda da Europa (um país civilizado e culto, não se diverte a torturar seres vivos, que já não são considerados OBJECTOS); há que INVESTIR no Serviço Nacional de Saúde; há que INVESTIR na Cultura Culta, na Educação, no Ensino, para que não tenhamos um povo tanso e manso, servilista e seguidista, marionetes nas mãos dos políticos; há que ter comportamentos e políticas inteligentes para o ambiente, para o combate aos incêndios, para a Fauna e Flora de Portugal, para a Habitação; enfim, há que tomar Portugal por um TODO e não só por LISBOA.  

 

Ah! e outra coisa muito importante: há que aprender a falar e a escrever correCtamente o Português, para não envergonhar Portugal, porque é uma vergonha a linguagem dos políticos, que vão fazer discursos em Inglês correcto, mas quando se trata de falar Português é uma miséria franciscana, com a parolice do “todas e todos” e muitos outros erros de estilo, algo que é comum também aos repórteres televisivos, que parecem não ter sequer frequentado a escola básica, e tudo isto também nos põe  na cauda da Europa.

 

Doutor António Costa, louvo esta sua preocupação em retirar Portugal da cauda da Europa, mas terá muito, muito, muito que lhe dar, para que, já não direi, ficarmos no topo, mas pelo menos a meio da tabela, é que Roma e Pavia não se fizeram num dia, e levará o seu tempo, até que se concretize o tanto que se tem de mudar em Portugal, para que possamos acompanhar a civilização dos mais civilizados países da Europa.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:42

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2022

Os Portugueses, que ontem deram a maioria absoluta ao PS, não sabiam que em Democracia não há lugar para o “Absolutismo”?

 

 

Quando o governo caiu e se partiu para novas eleições legislativas, vaticinei que teríamos mais do mesmo… para PIOR.

 

E o PIOR aconteceu:

resultados-mapa-legislativas-20221809ea26defaultla

Infografia: Rodrigo Machado/RR

 

1º - O Partido Socialista teve maioria absoluta

2º - O Chega e a Iniciativa Liberal chegaram-se à frente.



Sempre se criticou as monarquias absolutas.

Sempre se criticou o Absolutismo.

Sempre se criticou a maioria absoluta dos outros, mas quando um Povo, pouco esclarecido nestas coisas de absolutismos, lhes dá a maioria que eles sempre desejaram, faz-se uma grande festa!

 

E para isto contribuíram duas coisas terríveis: o MEDO da mudança, e o facto de termos um Povo ainda POUCO ESCLARECIDO. E uma Democracia só funciona em pleno numa sociedade maioritariamente esclarecida. E quando digo esclarecida não se julgue que me refiro a canudos universitários, porque já vimos, pelas experiências na política portuguesa, que ter um canudo universitário não é sinónimo de ser-se esclarecido. Além disso, pelas entrevistas de rua que vi na televisão, há gente que tem a bandeira de um partido na mão, mas não sabe de quem é. Como irão votar em consciência?



Ontem, Portugal deu um passo na direcção errada, embora com a legitimidade que o Povo lhe conferiu.  Se já tínhamos um governo do eu quero, posso e mando, o que será agora, com uma maioria? António Costa começou logo por dizer, no seu discurso de vencedor, que não falará com o Chega. Esta não será uma atitude ditatorial, como outras que já teve no anterior mandato? Afinal, o Chega é a terceira força política. Existe. Quer se goste ou não se goste. E se chegou a tal, foi pela má prestação dos que se dizem de esquerda, que não conseguiram convencer os da esquerda, com as suas atitudes, por vezes, dúbias, embora isto de “esquerda/direita” seja coisa da tropa.

 
Além disso, estamos em vias de ter o mesmo primeiro-ministro, que desconhece a Língua Portuguesa, usando redundâncias sem saber o que está a dizer, fazendo discursos numa linguagem insólita, incoerente, onde nem todos são todas, nem os portugueses são as portuguesas, nem os cidadãos são as cidadãs, ou tudo isto no seu vice-versa.

 

Primeiro-ministro.png

Primeiro-ministro, António Costa © Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

 

Tudo isto é muito triste.


Se Portugal já estava na cauda da Europa em tantas coisas; se em Portugal a contestação, em várias frentes, é o pão nosso de cada dia, há tanto tempo; se nestes seis anos de governação, Portugal não avançou no SNS, que continua bastante caótico; se não avançou no Ensino, que continua super-caótico; se não investiu na Cultura CULTA (não a rasteira, que recebe chorudos subsídios) que continua a ser marginalizada;  se não anulou o ILEGAL AO90, que estraçalhou a Língua Portuguesa, violando a Constituição da República Portuguesa, a Lei e o direitos dos cidadãos; não aboliu a tauromaquia, a caça e todas as outras actividades que vivem da tortura de seres vivos, catapultando Portugal para a Idade Média; se não orientou da melhor forma as actividades económico-financeiras do país; se não conseguiu pôr fim à corrupção, à pobreza, à ladroagem que nos cerca por todos os cantos e esquinas; se não conseguiu diminuir o fosso entre ricos e pobres; SE não… SE não … SE não… tanta coisa!!!! Com a maioria absoluta, sem que a democracia plena seja executada, sem o contraponto dos restantes partidos políticos com assento na Assembleia da República, vaticino um tsunami que afundará ainda mais um Portugal que já está afundado, desvirtuado, desconjuntado na sua identidade.


Um povo pouco esclarecido é um maná dos deuses para os governantes.



Esperemos que o novo governo absolutista,  tenha a hombridade de consultar TODOS os outros partidos eleitos, e com assento no Parlamento, conforme as regras democráticas, e não vá governar conforme lhe der na real gana.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:02

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2021

«A “Prótoiro” É Perita em Dar Tiros nos Pés»

 

O novo delírio dos desesperados "prótoiros".

Isabel A. Ferreira

 

prótoiro.jpg

 

«A “Prótoiro” É Perita em Dar Tiros nos Pés»

 

«O ano mal começou e os aficionados já andam às turras. Tudo porque a federação da treta gastou uma pipa de massa num outdoor posicionado em frente da Assembleia da República com a foto de António Costa e André Silva com a afirmação “Já conheces os novos pais dos teus filhos? “

 

A provocaçãozinha tem a ver com o facto da eventual proibição de menores de 18 anos assistirem ou participarem em espectáculos bárbaros vulgo touradas.

 

A “prótoiro” achou que a ideia era genial, no entanto, esqueceu-se que quem os alimenta poderia não gostar.

 

E a prova  é que o gestor do Campo Pequeno veio a terreno chamar-lhes idiotas porque abusaram da imagem do Primeiro-Ministro considerando que a tauromaquia não tem a ver com política e que devido a tal facto a empresa que o mesmo gere deixa de fazer parte da APET-Associação Portuguesa de Empresários Tauromáquicos.

 

Uma vez mais se prova que a “prótoiro” é uma anedota que só existe para sugar dinheiro aos aficionados.

 

Pela nossa parte só podemos dizer que os abolicionistas agradecem à “prótoiro” a publicidade dada ao PAN!

 

Prótouro
Pelos touros em liberdade

 

Fonte:  https://protouro.wordpress.com/2021/01/07/a-protoiro-e-perita-em-dar-tiros-nos-pes/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Quarta-feira, 11 de Novembro de 2020

Nunca a democracia portuguesa esteve tanto em risco como nos tempos que correm

 

Porque os que se dizem seus guardiães comportam-se como pequenos ditadores: querem, podem, mandam e dizem o que bem lhes apetece, não respeitando a Casa da Democracia.

Por vezes, fazem do Parlamento uma arena de combate, com “olés” e tudo, o que não dignifica a Democracia.

E Democracia é outra coisa.

 

SS.png

 

Se Augusto Santos Silva não é fofinho com tiranos, eu, como cidadã portuguesa, que paga impostos, para ser bem servida pelos governantes que os gerem (infelizmente mal) e a quem ajudo a pagar os salários, também não tenho de ser fofinha com os tiranos que estão no PODER, a pôr por água abaixo com atitudes ditatoriais, o esforço para manter a Democracia, que, aliás, nunca o foi a 100%, porque não houve nenhum político pós-25 de Abril que tivesse a coragem de desembaraçar Portugal de práticas monárquicas, que não dignificam os Portugueses e o País.

 

Também não posso ser fofinha com o ditador que mantém a Língua Portuguesa cativa, nos calabouços do Poder, estando com isso a destruir um dos nossos mais preciosos patrimónios.  

 

Então, ora chegando-se mais para aqui, ora chegando-se mais para ali, os que se dizem de esquerda, unem-se frequentemente com os da direita, para viabilizar políticas retrógradas, e depois vituperam os da direita, por se unirem à direita para criarem uma geringonça de direita, nos Açores, tão legítima quanto a geringonça de esquerda, que os socialistas criaram no continente, em 2016, quando perderam as eleições para o social-democrata Pedro Passos Coelho.

 

Se uns podem, por que não os outros? Perguntam os que estão atentos a estes meandros da politiquice, em que se transformou a falsa “democracia” portuguesa.  

 

A verdade é que todos os partidos políticos, incluindo o presidente da República,  morrem de medo da ascensão do CHEGA, mas tudo fazem para que o CHEGA, aproveitando a tibieza e atitudes ditatoriais dos socialistas, e do pobre contributo que os comunistas e bloquistas e centristas e sociais-democratas e o próprio presidente estão a dar para a construção de um Portugal que se quer civilizado e longe da cauda da Europa, e que não seja a chacota do mundo, com o seu linguajar básico, que representa um nível baixo de literacia (uma vergonha!), o CHEGA vai se chegando à frente, sub-repticiamente, como quem não quer a coisa…



E de quem é a culpa? É de uma esquerda que baralha todos os cromos, e pretende construir uma sociedade esvaziada da sua História, da sua Cultura [culta, porque a inculta está protegida], das suas Raízes, faz o que quer, e não o que deve.  E isto paga-se caro.

 

Depois há coisas inadmissíveis. Aquela de o primeiro-ministro de Portugal ter mencionado o Partido CHEGA como um partido de extrema-direita e XENÓFOBO. Isto poderá ser dito por qualquer cidadão português, mas não por um primeiro-ministro. Não esquecer que o deputado André Ventura foi eleito. Tem os seus direitos dentro do Parlamento. Não está no Parlamento porque resolveu estar. É extremista? É xenófobo?

 

Pois… Então há que não ser fofinhos com ditadores, nem de esquerda, nem de direita.

 

Neste momento temos em curso uma ditadura de esquerda. Todos o dizem. E, pelo andar da carruagem, não me surpreenderá nada que possamos vir a ter uma ditadura de direita, ambas perniciosas, em igual medida.


Haja coragem para mudar os paradigmas, e não pretender apagar Portugal do mapa. Porque é isto que está em causa.


Os Portugueses anseiam por uma DEMOCRACIA, que o seja de verdade. Porque o que temos é uma ditadura, nada fofinha, fantasiada de democracia.

 

Isabel A. Ferreira

 

***

Não sou fofinho com tiranos”, respondeu esta quarta-feira o ministro Santos Silva à acusação da Iniciativa Liberal (IL) de “tibieza” com a China, acusando em contrapartida o partido liberal de estar "encostado a quem gosta de ditadores” nos Açores.»

 

A notícia pode ser lida aqui.

https://www.publico.pt/2020/11/11/politica/noticia/nao-fofinho-tiranos-santos-silva-il-encostada-gosta-ditadores-1938778

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:36

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2020

«A Tauromáfia Entrou em Histeria Total»

 

Fonte:

Prótouro - Pelos touros em liberdade 

https://protouro.wordpress.com/2020/11/08/a-tauromafia-entrou-em-histeria-total/

 

«Após ter sido conhecido o acordo que o PAN fez com o governo para que os menores de 16 ou 18 anos – porque a idade ainda não está definida – não pudessem assistir ou participar em touradas a tauromáfia subiu pelas paredes e bateu no tecto.
 
A “prótoiro” diz que o projecto-lei é um atentado à liberdade e está condenado a ser chumbado pelos deputados.
 
Um gajo chamado Besugo presidente da junta de freguesia de Beringel e militante do PS há 20 anos ameaça numa carta aberta ao Primeiro-Ministro rasgar o cartão de militante.
 
A presidente da junta de freguesia da Azambuja Inês Louro ameaça ir para o Tribunal Constitucional.
 
 
 
 
«Os argumentos são os do costume é um atentado à cultura, os pais é que decidem da educação dos filhos, o governo só aceitou esta proibição a troco da aprovação do orçamento quando tal nem sequer estava no programa do governo, e etc..
 
O que toda esta gente ainda não percebeu é que de acordo com o PAN esta medida não vai passar pela Assembleia da República porque se passasse todos nós saberíamos que seria chumbada tal como aconteceu no passado.
 
Vai ser o governo por decreto a declarar tal medida tal como fez o governo de Passos Coelho quando decretou que os menores de 12 anos não podiam assistir a touradas.
 
Mas como os aficionados têm memória curta esqueceram-se do tal decreto que, diga-se de passagem, foi na altura um caramelo dado aos abolicionistas já que na prática os menores de 12 continuaram a frequentar praças de tortura.
 
Portanto esqueçam petições para o parlamento, esqueçam o tribunal constitucional porque se o governo mantiver a sua palavra, e nós temos sempre muitas dúvidas quanto se trata de promessas de políticos, esta medida entrará em vigor no primeiro trimestre de 2021, e esperamos, que a mesma tenha severas sanções para os empresários que não a cumprirem tal como pesadas multas e em caso de reincidência serem proibidos de continuar a explorar praças de touros porque esta é única forma de implementar a lei já que todos sabemos que os aficionados se julgam acima da mesma.
 
Prótouro
Pelos touros em liberdade»
 
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 15:47

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Reflexões sobre a crise p...

Os 113 anos da implantaçã...

António Costa dixit: « (....

Meus caros leitores, sabi...

Até que enfim! A ministra...

Fiquei estupefacta quando...

Os Portugueses, que ontem...

«A “Prótoiro” É Perita em...

Nunca a democracia portug...

«A Tauromáfia Entrou em H...

Arquivos

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt