Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015

Imagens que esmagam a alma humana

 

Imagens que reduzem os “poderosos” do mundo à condição de bactérias…

 

Imagens possíveis apenas pela mera existência do maior predador do Universo: a besta humana...

 

Imagens da violência que me aniquilam a mim…

 

As well as I was Charlie, I also am all these unlucky children

Assim como fui Charlie, sou também todas estas desafortunadas crianças.

 

Menino morto na praia.jpeg

 

 

Refugiado morto.jpeg

Origem da foto: STRINGER / TURKEY / Reuters Fotos de Nilüfer Demir

http://expresso.sapo.pt/internacional/2015-09-02-Naufragos-da-humanidade

 

«Esta criança recolhida pela polícia numa praia da Turquia não chegou à Europa. Afogou-se a caminho do outro lado do Mediterrâneo, o destino de milhares de refugiados que fogem à morte nos países que abandonam. É uma imagem que está a correr e a impressionar o mundo - e tem um movimento associado com a hashtag #KiyiyaVuranInsanlik. Que significa o “naufrágio da humanidade”» - 2015

 

 

Menino com fome.jpeg

Ásia  - século XXI d. C.

 

Palestina.png

Palestina - século XXI d. C.

Israel.jpeg

 Gaza Século XXI d. C. depois de um bombardeamento

Meninos com armas.jpeg

 Crianças da Palestina -  Século XXI d. C. incitadas á violência

PULITZER.jpeg

 

Sudão 1993

Imagem 5.jpeg

 

Imagem 6.jpeg

Imagem 7.jpeg

Etiópia - Século XXI d. C.

iMAGEM 8.jpeg

 Síria - Século XXI d. C.

iMAGEM 9.jpeg

 Vietname 1954/1975

aUSCHWITZ.jpeg

Europa (Auschwitz) 1939/1945

ImAGEM 11.jpeg

Crianças aprendem a torturar seres vivos em Portugal, Espanha, França, México, Peru, Venezuela, Equador e Colômbia  para diversão no Século XXI d. C.

 

E pensar que o melhor do mundo são as inocentes, indefesas e inofensivas crianças, e que elas, todas elas, em todo o mundo, em qualquer época,  poderiam brincar assim:

 

 

Crianças a brincar.jpeg

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:16

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 5 de Março de 2015

QUEM NOS DERA QUE O HOMEM PREDADOR FOSSE ASSIM TÃO RACIONAL COMO É ESTE GORILA

 

A racionalidade dos animais não humanos é espantosa.

 

O animal homem-predador, que se arrasta pelo mundo como um morto-vivo, a destruir os da sua espécie e os outros seres vivos e o meio ambiente, ainda não desenvolveu a racionalidade. Está a um nível bastante abaixo do humanóide.

 

O gorila evoluiu.

 

 

in

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/03/04/simplesmente-maravilhoso-e-profundamente-tocante-reencontro-com-o-gorila-kwibi/comment-page-1/#comment-208

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:46

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 24 de Maio de 2013

Batida à Raposa 2013, pelo clube de caçadores da Estela (Póvoa de Varzim)

 

A morte de inofensivos e inocentes seres vivos foi aplaudida por um punhado de gente que vive ainda na Pré-história (abrir link)

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.549552911730772.125707.117220188297382&type=3

 

Nesta galeria de fotos é bem visível o ambiente insalubre e carniceiro em que toda esta gente está envolvida, incluindo o actual Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, e médico-cirurgião, Dr. José Macedo Vieira, também ele caçador, que, desconhecendo o sofrimento causado a estes infelizes animais, que tiveram o azar de lhes passar pela frente, apoia esta iniciativa absolutamente ultrapassada, retrógrada e que não tem mais razão de ser nos tempos modernos, e que só desprestigia o município e as suas gentes.

 

 

Esta cena é patética e diz da boçalidade de quem dela faz parte.

 

 

Parecer científico sobre a caça, pelo Dr. Vasco Reis, único Médico-Veterinário que dá a cara pela defesa dos animais

 

«Caçar é assustar, ferir, provocar sofrimento e matar.

 

No entanto, há quem chame desporto a esta actividade, que pode provocar paixão e ser elogiada pelos adeptos. Envolve muitas verbas.

 

Pois, se há gosto no contacto com a natureza e no exercício físico, isso deve acontecer sem a arma a tiracolo ou apontada, aumentando muito a concentração para a desfrutar.

 

Para muita gente, os animais vivos são bem mais belos e interessantes do que mortos e ensanguentados.

 

Pode disparar-se também, mas com máquinas fotográficas ou de filmar e assim conseguirem-se, de modo pacífico, belos troféus em imagens.

 

O tiro ao alvo (mas não aos pombos) é uma boa alternativa para treino da pontaria, para fazer o gosto ao dedo, para proporcionar convívio.

 

Hoje em dia, a caça em Portugal mal se justifica até para servir as pessoas que se alimentam de carne pois, em geral, para se obter o mesmo valor nutritivo é preciso abaterem-se muitos mais animais dentre as espécies cinegéticas do que animais das espécies domesticadas, criadas e com o destino imposto pelo consumo para servirem de alimento.

 

Poupar-se-iam, portanto, muito mais vidas no caso de opção por esta possibilidade. Aliás, o consumo de carne é absolutamente dispensável e nem é dos alimentos mais saudáveis. A experiência dos vegetarianos e dos veganos demonstra isso mesmo, enquanto poupa o sacrifício de animais, protege o ambiente, serve a economia, é eticamente louvável.

 

A caça provoca enorme susto aos animais, sejam eles alvejados ou não. Mesmo se a morte for rápida, trata-se sempre de um impacto violentíssimo.

Se o animal ficar ferido, sem morte rápida, ficará em terrível sofrimento.

 

Espécies cinegéticas estão a ser criadas para serem lançadas perante os canos de caçadores, sofrendo estes animais os mesmos terríveis choques.

 

O sofrimento está presente durante a criação em recintos fechados e apertados.

 

Cartuchos e restos de projécteis espalhados pela natureza são prejudiciais, provocando poluição física e visual.

 

Em parques naturais de Portugal é permitida a caça. Impõe-se, por isso, a pergunta:

 

Mas que parques naturais são estes, que não protegem a sua fauna e a tranquilidade ambiental?

 

A caça contribui para a diminuição ou quase extinção e até mesmo extinção dos animais das espécies designadas por cinegéticas.

 

Acontecem acidentes que vitimam pessoas.

 

Muitos cães de caça estão sujeitos a condições deficientes de tratamento e de manutenção. Alimentação, espaço, protecção contra intempéries, contenção, desparasitação, etc. muitas vezes não permitem uma razoável qualidade de vida para estes animais.

 

 

 

Cão de caça, abandonado à sua pouca sorte, depois de explorado até ao tutano. Mas esperar o quê de caçadores? Piedade? Compreensão? Empatia? Não… Um caçador é fundamentalmente um PREDADOR implacável e cruel…

 

 

…que nem as crianças respeitam…

 

Num acto de profunda crueldade, muitos cães de caça são abandonados, porque não satisfazem o caçador. Outros são abatidos com maior ou menor sofrimento.

 

Em Portugal existem milhares de caçadores, no meio de cerca de 10 milhões de portugueses. Dentre estes últimos, a maior parte não tem simpatia pela actividade, muitos sentem-se por ela incomodados e reprovam-na, mas pouco se manifestam.

 

Legislação relativamente recente reconhece o direito à não caça em terrenos de quem o requerer.

 

A caça incomoda pelo ruído, pela perturbação do ambiente, pelo perigo e, também muito, pela angústia e revolta que provoca a quem está consciente do dizimar e do sofrimento que provoca em animais sencientes, dotados de sistema nervoso comparável ao dos caçadores e não caçadores.»

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:54

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2013

ESTAS IMAGENS SÃO A MAIOR PROVA DA IRRACIONALIDADE DO ANIMAL HUMANO PREDADOR

 

 

VEJAM AS IMAGENS E SE PERTENCEREM À ESPÉCIE HUMANA REVEJAM A VOSSA POSIÇÃO PERANTE A VIDA

 

https://www.facebook.com/#!/media/set/?set=a.3531293116136.2158552.1086502164&type=3

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:21

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013

OS ANIMAIS SELVAGENS NUNCA MATAM POR DIVERTIMENTO, APENAS O ANIMAL HUMANO PREDADOR TORTURA E MATA POR PRAZER

 

 

AS IMAGENS DIZEM TUDO O QUE JAMES ANTHONY FROUDE COLOCOU EM PALAVRAS

 

O QUE PRECISAMOS DE ACRESCENTAR MAIS?

 

APENAS QUE É PRECISO QUE OS GOVERNANTES SEJAM COMPETENTES E LEGISLEM DE ACORDO COM A EVOLUÇÃO E ACOMPANHEM A CONTEMPORANEIDADE

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:14

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 6 de Novembro de 2012

«CAÇAR É ASSUSTAR, FERIR, PROVOCAR SOFRIMENTO E MATAR»

 


Eis o protótipo do caçador do século XXI depois de Cristo...

 

O PRESIDENTE DE BOTSUANA PROÍBE A CAÇA NO PAÍS A PARTIR DE 2013... E EM PORTUGAL, PARA QUANDO UMA MEDIDA INTELIGENTE EM RELAÇÃO A ESTA PRÁTICA PRIMITIVA DO “HOMEM” PREDADOR?

 

A CAÇA

 

Por VASCO REIS (médico veterinário)

 

 

Caçar é assustar, ferir, provocar sofrimento e matar.

 

No entanto, há quem chame desporto a esta actividade, que pode provocar paixão e ser elogiada.

 

Envolve muitas verbas.

 

Pois se há gosto no contacto com a natureza e no exercício físico, issom pode acontecer sem a arma a tiracolo ou apontada, aumentando até o desfrutar.

Para muita gente, os animais vivos são bem mais belos e interessantes do que mortos e ensanguentados. Pode disparar-se também, mas com máquinas fotográficas ou de filmar e assim conseguirem-se, de modo pacífico, belos troféus em imagens.  

 

O tiro ao alvo é uma boa alternativa para treino da pontaria, para fazer o gosto ao dedo, para proporcionar convívio.

 

Poupar-se-iam, portanto, muito mais vidas no caso de opção por esta possibilidade. Aliás, o consumo de carne é dispensável e nem é dos alimentos mais saudáveis. A experiência dos vegetarianos e dos veganos demonstra isso mesmo, enquanto poupa o sacrifício de animais.

 

A caça provoca enorme susto aos animais, sejam eles alvejados ou não. Mesmo se a morte for rápida, trata-se sempre de um impacto violentíssimo.

 

Se o animal ficar ferido, sem morte rápida, ficará em terrível sofrimento.

 

Espécies cinegéticas podem ser criadas para serem lançadas perante canos de caçadores, sofrendo estes animais os mesmos choques.

 

Não falta sofrimento durante a criação em recintos fechados e apertados.

Cartuchos e restos de projécteis espalhados pela natureza são prejudiciais, provocando poluição física e visual.

 

Acontecem acidentes que vitimam pessoas.

 

Muitos cães de caça estão sujeitos a condições deficientes de tratamento e de manutenção. Alimentação, espaço, protecção contra intempéries, contenção, desparasitação, etc. muitas vezes não permitem uma razoável qualidade de vida para estes animais.

 

Num acto de profunda crueldade, muitos cães de caça são abandonados, porque não satisfazem o caçador. Outros são abatidos com maior ou menor sofrimento.

 

Em Portugal existem milhares de caçadores, no meio de cerca de 10 milhões de portugueses. Dentre estes últimos, a maior parte não tem simpatia pela actividade, muitos sentem-se por ela incomodados e abominam-na, mas pouco se manifestam contra ela.

 

Legislação recente reconhece o direito à não caça em terrenos de quem o requerer.

 

A caça incomoda pelo ruído, pela perturbação do ambiente, pelo perigo e, também muito, pela angústia e revolta que provoca a quem está consciente do dizimar e do sofrimento que provoca em animais sencientes, dotados de sistema nervoso comparável ao dos caçadores.

 

***

EM SUMA: A CAÇA SÓ SE JUSTIFICOU ENQUANTO A HUMANIDADE NÃO EVOLUIU.

 

HOJE, A CAÇA É UMA PRÁTICA DE GENTE IGNORANTE E PRIMITIVA.

 

MAIS UMA CULTURA DA MORTE QUE O GOVERNO PORTUGUÊS APOIA...

 

http://www.anda.jor.br/05/11/2012/presidente-de-botsuana-proibe-caca-no-pais-a-partir-de-2013

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:06

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 18 de Abril de 2010

UMA HISTÓRIA BANAL

Gostaria de partilhar com os leitores do Arco de Almedina, uma história banal, que deve passar-se com milhões de pessoas, contudo não as conheço, às histórias e às pessoas, e esta está a passar-se comigo.

 

Por isso, posso partilhá-la com conhecimento de causa.

 

Já há algum tempo, um predador (podem ser mais, não sei) da Internet, anda a “perseguir-me” através deste blog, não sei com que intenção, e já o fez de diversas maneiras. Porém, hoje, achei curioso o seguinte e-mail, proveniente do Brasil, que transcrevo exactamente conforme o recebi, com toda a “preciosidade” de escrita: «Oi... Discupa estar lhe falando isso. Mais seu nome foi comentando num blog, sei que nao é da minha conta mais achei que voce deveria ver isto. Pois estao falando Horrores de você. Tem até uma foto sua por isso acreditei que era vc mesmo que estavam falando. Deletaram o Post que estava os comentários sobre vc. Mais salvei para vc...» e trazia um nome, naturalmente falso, e a respectiva via, para que eu pudesse ir ver os despropósitos que a mensagem sugere.

 

Posto isto, pensei cá para mim, “o cara” (ou “os caras”) voltou à carga. Das outras vezes limitei-me a apagar os vestígios do predador (que já se apresentou com vários nomes, e a bandeirinha brasileira, sempre).

 

Como é óbvio (e aprendi bem a lição) nunca vou aos finalmentes das mensagens, ou seja, não passo do primeiro passo, porque esta gente é esperta: coloca um nome fiável e um assunto também fiável. Mas quando vejo que atrás disso está um predador, paro por ali mesmo, e não lhe dou a mínima importância: primeiro porque nunca me interessei (e não é agora que vou passar a interessar-me) por aquilo que dizem a meu respeito, embora a Internet tenha perigos mais pérfidos. Segundo, uma linguagem destas, naturalmente ou é para disfarçar o predador (que desconfio seja mais (in)culto do que faz pensar)  ou  é um analfabeto de primeira apanha, e “apanhado” da cabeça, por isso não merece mais do que o meu desprezo.

 

Então, perguntarão, porque dei importância a este episódio?

 

Primeiro porque achei piada à mensagem, e ela veio precisamente num momento em que está para ir para o ar, na RTP um programa luso-brasileiro, do qual vou deixar aqui o link, e que abordarei numa próxima oportunidade, até porque serei uma das suas intervenientes (uma vez que vieram a minha casa filmar as minhas declarações, sobre o livro que escrevi a contestar o «1808» do jornalista brasileiro Laurentino Gomes, no qual os portugueses são muito mal tratados).

 

http://www.youtube.com/watch?v=D_clf6cLXpw

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:07

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Imagens que esmagam a alm...

QUEM NOS DERA QUE O HOMEM...

Batida à Raposa 2013, pel...

ESTAS IMAGENS SÃO A MAIOR...

OS ANIMAIS SELVAGENS NUNC...

«CAÇAR É ASSUSTAR, FERIR,...

UMA HISTÓRIA BANAL

Arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt