Segunda-feira, 6 de Abril de 2020

«Enquanto as ruas estão vazias, as condições para o próximo vírus já estão a ser preparadas»

 

Um texto com pernas e cabeça e penas de aves…

Obrigatório ler.

Só os cegos mentais não conseguem ver o óbvio, que há tanto tempo entra pelos olhos dentro, de todos os povos do mundo.

 

Vírus.jpg

 

Por Paulo Veiga

 

«Entre 1918 e 1919 uma versão melhorada do Influenza H1N1 matou cerca de 50 milhões de sapiens, mais do dobro do que a recém-terminada I Guerra Mundial. Nessa altura não se sabia o que originava a chamada “gripe espanhola”, mas hoje sabemos o que são vírus e como surgiram entre nós. Vieram dos animais que comemos.

 

A ciência genética dá uma ajuda: o vírus do sarampo deriva de um seu primo que ataca os bovinos, o da peste bovina. Até hoje, nas áreas onde não há vacina, o sarampo mata mais de meio milhão de sapiens por ano. Imagine-se o "nosso mundo" sem vacina.


Se o sarampo veio da criação de vacas, a gripe é filha das pocilgas e galinheiros. O caminho do influenza começa nas aves selvagens que carregam o vírus sem ter como infectar sapiens. Mas estes arranjaram maneira de isso acontecer.

 

Durante as suas migrações, as aves selvagens acabavam por beber água nos reservatórios das criações de galinhas. E também faziam as suas necessidades por lá. Como galinhas e porcos sempre foram criados juntos, não demorou que surgisse um vírus mutante dessa gripe aviária capaz de atacar os suínos… Agora é imaginar a quantidade de mutações e combinações proteicas que ocorreram em milhares de anos nos laboratórios com pernas que são os porcos.


Neste momento em que os sapiens vivem quase tão assustados como porcos a caminho do matadouro, colocam-se algumas opções: ir para a janela bater palmas e cantar o hino nacional; dar ouvidos aos profetas do apocalipse que asseguram que iremos morrer todos (esta parte é verdade); encomendar pizzas pela Internet; testar os dotes matemáticos ou de adivinhação sobre o número de mortos do dia seguinte; pensar em acções verdadeiramente inteligentes e éticas.

 

Pronto, se não for pela ética, ao menos que seja pela inteligência.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=3035826786439152&set=a.101135483241645&type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:35

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020

Espanha: mais de cem porcos morreram depois de estarem a agonizar durante cinco horas, dentro de um camião acidentado, sem receber nenhum tipo de ajuda…

 

Algo que é preciso denunciar.

E sim, há vítimas a lamentar, quando morrem animais não-humanos seja em que circunstância for.  

O que se passou na A6, em Espanha, é revoltante.

Uma carta pungente que recebi da Igualdad Animal -  uma Organização não Governamental (ONG) sem fins lucrativos de carácter internacional, cujo objectivo é "abolir a escravatura animal, assegurando que os outros animais são considerados iguais aos seres humanos e respeitados como tal".

 

Morte de porquinhos.jpg

 

 

Tras varias horas encerrados y atrapados en el camión sin que nadie hiciera nada, los chillidos de los cerdos iban apagándose. No te puedes imaginar la impotencia que sentimos, no nos dejaban acceder al lugar, tampoco a los periodistas.
 

Depois de várias horas trancados e presos no camião sem ninguém fazer nada, os gritos dos porcos iam diminuindo. Não podes imaginar a impotência que sentimos, porque não nos deixavam aceder ao lugar, nem sequer os jornalistas. 

 


Finalmente llegó una grúa y empezó a sacar cadáveres del camión, y los pocos que quedaron con vida (murieron 130 cerdos) vimos cómo los metían en otro camión, dándoles patadas.

 

Finalmente, chegou uma grua e começou a tirar os cadáveres do camião, e aos poucos que restaram com vida (130 porcos morreram) vimos como os metiam num outro camião, dando-lhes pontapés.
 


Era la primera vez que sentían la luz del sol, después de una vida miserable hacinados en granjas. Era su primer y último viaje: camino del matadero.

 

Era a primeira vez que sentiam a luz do sol, depois de uma vida miserável amontoados em herdades. Era a sua primeira e última viagem: a caminho do matadouro.


 
Pero esta vez al menos estuvimos allí, haciéndolos visibles. Silvia entró en directo en varios medios y dio voz a los animales, consiguiendo que esos gritos fueran escuchados por millones de personas.

 

Mas desta vez pelo menos estávamos lá, tornando-os visíveis. Silvia entrou em directo em vários órgãos de informação e deu voz aos animais, conseguindo que os gritos dos animais fossem ouvidos por milhões de pessoas.

 

Tras estar allí, vinimos a la oficina. Era una mezcla de rabia, impotencia y tristeza lo que sentíamos. Aunque llevemos años documentando el horror que viven los animales, nunca te acostumbras a ello. Sus chillidos en el camión durante horas no los vamos a olvidar.

 

Depois de estarmos lá, chegámos ao escritório. O que sentimos foi uma mistura de raiva, impotência e tristeza. Embora tenhamos documentado o horror que os animais vivem há anos, nunca te acostumas a isto. Não vamos esquecer nunca os gritos dos animais, durante horas, no camião.

 

Y por eso estuvimos trabajando sin descanso para enviar a todos los medios de comunicación las fotografías y los vídeos, y lo más importante, contar lo que había sucedido, que más de cien cerdos habían muerto tras agonizar durante 5 horas en un camión sin recibir ningún tipo de auxilio.

 

E por isso estivemos a trabalhar incansavelmente para enviar a todos os meios de comunicação social as fotografias e os vídeos e, o mais importante, contar o que havia sucedido, ou seja, que mais de cem porcos morreram depois de estarem a agonizar durante cinco horas, dentro de um camião, sem receber nenhum tipo de ajuda.   

 
Junto a ti
  Isabel seguiremos haciendo visible lo invisible.
 
Gracias de corazón,

 

Junto a ti, Isabel, continuaremos a tornar visível o invisível,

 Obrigada de coração,

Igualdade animal.png

xavier.png

Javier Moreno

Co-fundador e Director de Comunicação

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

MATANÇA DE PORCO EM VALE DE MACEIRAS (FRONTEIRA -PORTALEGRE)

 

Mais uma vez, em Portugal, faz-se da morte de um ser senciente, uma festa, apesar da unanimidade conseguida no Parlamento quanto ao novo estatuto jurídico dos animais.

 

Os animais não humanos já não são considerados objectos, mas isto foi aprovado apenas para constar no Código Civil, sem serventia prática alguma?

 

E a vergonha da matança de porcos continua, numa localidade que sabemos ser civilizacionalmente atrasada, é certo, mas serão as autoridades assim tão atrasadas também, que permitam uma acção tão troglodita?

 

CARTAZ.png

 

É que estamos a falar de uma festa assente na morte de um ser senciente, com a inteligência de uma criança humana de três anos.

 

Sabemos que os animais carnívoros matam para se alimentarem. Mas apenas o animal humano carnívoro mata, diverte-se com essa morte e depois alimenta-se do fruto do seu divertimento.

 

E isto não condiz com as mais básicas regras da civilização.

 

Por isso apelamos novamente às autoridades para que suspendam esta iniciativa, que envergonha Portugal e os Portugueses civilizados, evoluídos e sensíveis.

 

Fonte:

http://www.cm-fronteira.pt/pt/municipio/lista-de-eventos/icalrepeat.detail/2017/01/21/85/61%7C62%7C63%7C64%7C65%7C66%7C67%7C68%7C69%7C70/matanca-do-porco-vale-de-maceiras

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:48

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 15 de Julho de 2016

«ENTRE O ASSASSINO E O TOURO, DE CARAS QUE ESCOLHO O TOURO» (***)

 

Este é um sentimento comum a todos os que abominam o divertimento assente no sofrimento de um ser senciente e tão animal como os humanos.

 

Este magnífico texto, do professor Luís Vicente, foi eliminado da sua cronologia, no Facebook, devido a uma denúncia. Contudo, e apesar disso, está a ser largamente difundido nesta rede social, porque não pode perder-se uma tão preciosa e magistral lição, apenas porque não convém a alguém...

 

TOURO SOFRIDO.jpg

 

Texto do Professor Luís Vicente

 

«Hoje um post de uma senhora de Alcochete em defesa das touradas irritou-me o suficiente para lhe responder com o que abaixo transcrevo:

 

Cara Senhora Mestre em Psicologia Inês Pinto Tavares,

 

Sabe o que é racismo? Racismo é a senhora ser caucasiana e considerar negros, judeus, palestinianos, asiáticos, etc., seres inferiores. Sendo seres inferiores considerava-se, não há muitos anos, que não tinham alma e, portanto, podiam ser mortos em campos de concentração ou noutros processos genocidas. A isso chamou-se no século XX, NAZISMO.

 

Por generalização, o ESPECISMO é uma extensão e um corolário do nazismo. É portanto uma forma de nazismo. É considerar que os outros animais, cães, gatos, porcos, touros, burros, etc. não têm alma e que, portanto, podem ser mortos. É rigorosamente a mesma coisa: NAZISMO, FASCISMO!!!!!

 

Chamemos as coisas pelo nome!

 

Pessoas congratularem-se com a tortura pública de um outro animal é um sentimento baixo (no caso que a senhora tanto aprecia, um touro), reles, primitivo, repugnante, NAZI. Nem se trata de matar um ser vivo numa situação de fome para comer, trata-se de torturar e matar por puro prazer. Se a senhora tivesse vivido no século XVI, XVII ou XVIII, certamente que se divertiria com os Autos de Fé no Rossio em que pessoas eram queimadas na fogueira. Talvez tivesse um imenso prazer na matança dos cristãos-novos. Se tivesse vivido na antiga Roma, muito se divertiria com os cristãos lançados aos leões para gáudio da população.

 

Enfim, estudou Psicologia na universidade onde sou professor, fez um mestrado em Psicologia Comunitária e Protecção de Menores. Provavelmente não aprendeu nada. Foi uma perda de tempo. Sabe o que são neurotransmissores? Sabe o que é cortisol? Sabe o que é oxitocina? Sabe o que é serotonina? Conhece a anatomia do encéfalo?

 

Sabe que numa tomografia de emissão de positrões as áreas do encéfalo afectadas pelo sofrimento num touro, num rato, num cão ou num humano são rigorosamente as mesmas?

 

Sabe que as variações químicas no encéfalo são rigorosamente as mesmas em situações de prazer ou de dor em qualquer dos animais referidos, incluindo os humanos?

 

Se a senhora aprendeu alguma coisa sobre ciência e método científico o que é que deduz sobre o sofrimento do touro na arena? Não vale a pena explicar-lhe, pois não?

 

Também deve pensar que Deus colocou o homem no centro do universo à sua imagem e semelhança logo abaixo dos anjos. Sabe, o meu Deus não é o seu. O meu Deus é infinitamente bondoso e misericordioso. Não pactua com os crimes que tanto prazer lhe dão a si. Não se compadece com pessoas que, da mesma forma que o louva-a-deus, rezam antes de matar.

 

Quer que eu tenha mais pena de um assassino do que de um touro que é torturado até à morte com requintes de malvadez? Lamento mas não tenho. Entre o assassino e o touro, de caras que escolho o touro.

 

Divirta-se nas suas touradas, divirta-se nos autos de fé no Rossio, divirta-se na praça da revolução em Paris enquanto cabeças dos guilhotinados rolam para um cesto de serradura, divirta-se nos circos romanos, divirta-se nos fornos crematórios de Auschwitz, divirta-se com a morte e o sofrimento dos outros, seja cúmplice!!!

Tenho a certeza absoluta de que a senhora é incapaz, pelas suas limitações cognitivas, de compreender aquilo que estou a escrever. Não é certamente. Por isso perco o meu tempo.

 

Enfim, só lhe envio esta mensagem porque a senhora me tirou o sono.

Faça o favor de ser feliz com as suas mãos conspurcadas de sangue alheio!»

 

(***) O título foi retirado do texto e é da responsabilidade da autora do Blogue.

 

Fontes:

https://www.facebook.com/luis.vicente.5602/posts/10153710769873837?pnref=story

https://www.facebook.com/luis.vicente.5602?pnref=story

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=817167215051729&set=a.222412374527219.36135.100002753757658&type=3&theater

http://abolicionistastauromaquiaportugal.blogspot.pt/2016/07/touros-de-morte.html

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:31

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 2 de Novembro de 2015

APENAS UMA SOMBRA

 

Um belo texto sobre a miséria da condição animal.

Para reflectir…

 

APENAS UMA SOMBRA.jpg

 

Um texto de "QUEBRA DO SILÊNCIO"

 

Perdido. Talvez seja essa a melhor definição para o estado actual dele. Desconhece como chegou àquele antro de tristeza cinzenta. Desconhece se é dia ou de noite: a pequena luz que ilumina o espaço não calendariza o tempo. Só o desprezo pela sua existência grita na intermitência daquela parca luz.

 

Se tem um nome, não o sabe. Se tem pai ou mãe é algo que também não deve passar-lhe pela cabeça. Ou se calhar passa-lhe, sabe-se lá. É complicado compreender um bicho; torna-se mais fácil desapropriá-lo, na nossa mente, de quaisquer emoções que ele possa sentir. Deste modo o desapego e a despreocupação tornam-se mais fáceis para o nosso coração.

 

Os seus olhos não discernem o quanto ele já cresceu e o quanto ele é renegado pelo mundo lá fora. Melhor assim, talvez. Melhor ignorar que do outro lado da parede ninguém se questiona sobre ele.

 

Se ele está bem.

Se ele precisa de alguém.

Se ele precisa de ser retirado daquele abraço gélido e sentir o cheiro da liberdade e o calor do amor puro. Embrulhar-se na erva fresca e respirar o sol.

 

Ninguém questiona.

E ele não sabe que ninguém questiona.

Melhor assim. Talvez.

 

Os seus olhos somente vislumbram os seus companheiros, igualmente encafuados em jaulas como a dele. O toque do metal é medúsico, ao ponto de trespassar a pele e petrificar os ossos. A fadiga emocional agita-os, tornando o choro e o lamento num silêncio ensurdecedor. Uma vez por outra aparecem os homens para deixar-lhes alimento, mas nem o mínimo gesto de carinho têm para com eles. Nem a mais pequena atenção. Simplesmente atiram com a comida aleatoriamente e nem nos olhos os encaram. São só bichos. Desconsiderá-los é a máxima consideração que têm por eles.

 

Uma vez por outra, também, repara que os mesmos homens retiram alguns dos bichos das suas jaulas e levam-nos pelo corredor a uma outra sala, para depois regressarem sem eles. É uma estranheza que lhe arrepia a pele e eriça-lhe o pêlo: uma incógnita que fica por desvendar eternamente e que o perturba.

 

Ele repara que aqueles que se encontram mais tempo naquela sala é que são os escolhidos para caminharem pelo corredor até serem engolidos pelo desconhecido. Provavelmente alguém veio buscá-los para oferecer-lhes a oportunidade que merecem: a liberdade, que é tão arbitrariamente pintada nas suas expectativas de bicho. A vontade de sentir o sereno Zéfiro que não entra naquele Hades sufocante e tenebroso. E a espera, a tremenda espera sem saber o seu destino. É uma ânsia que o mutila.

 

Como se disse, ele desconhece se é de dia ou de noite. Conceitos temporais como dias, semanas, meses ou anos não existem para ele.

Mas existem para nós.

 

Passam, portanto, cerca de quatro meses. A rotina é, finalmente, quebrada: um homem retira-o do seu pequeno espaço e leva-o pelo tal corredor misterioso. Os tons neutros do chão inquietam-no, deixando-o num pânico descomunal. Algo não está certo e ele sente-o. Sente que, afinal, se sair daquela ala, não será a liberdade a recebê-lo de braços abertos: se o fosse, não ouviria o berreiro infernal que se aproxima cada vez mais, num ritmo aterrorizante e descompassado.

 

Ele tenta soltar-se das amarras que lhe foram colocadas, mas em vão. As mãos que só olham para ele como uma coisa, e não como alguém, apertam-lhe a alma e obrigam-no a prosseguir. A agonia que continua a ouvir começa a sussurrar-lhe ao ouvido, dizendo-lhe que não há escapatória possível.

 

Ninguém quis saber dele. Ninguém se lembrou de pensar nele, mesmo sem saber da sua existência. Ninguém pensou em salvá-lo. Agora, ele encontra-se no mesmo estado em que estava quando chegou à sala, e que o acompanhou durante aquele tempo todo. Perdido.

 

Assim que ele chega ao outro lado, o seu destino está irreversivelmente registado. As suas súplicas chorosas ecoam pelo ar até um único golpe silenciá-lo definitivamente. Aos poucos, numa convulsão abismal, a sua vida abandona o corpo. Os seus pequenos olhos fecham-se, derramando a última lágrima que é olvidada por aqueles que o arrastaram até à morte. A compaixão, aqui, é proibida: se ninguém se deu ao trabalho de pensar nele, muito menos aqueles homens têm de fazê-lo. Afinal, é apenas um bicho.

Apenas uma sombra.

 

Apenas um porco

um bezerro

uma raposa

um cão.

 

Não importa o animal que pensou. Importa o sofrimento causado.

 

Na verdade, este texto retrata, de um modo muito amplo e suavizado, aquilo que os porcos passam na indústria pecuária: no entanto, também serve para retratar o que acontece com outros animais explorados no mesmo sector, com os animais que são aprisionados em fazendas de produção de peles e com os animais que foram abandonados e/ou atirados para os canis.

 

Todos os dias, a cada segundo, milhares de animais morrem porque ainda há quem os coma, quem os vista e quem os veja como lixo urbano. E, com isto, não estou a contabilizar os animais marinhos utilizados para propósitos alimentares e os que são alvo de experiências e de entretenimento.

 

Todos os dias, diversas almas somem dos seus corpos porque tiveram a triste sina de nascerem como animais não-humanos. A cada piscar de olhos (e só tendo em conta a indústria da carne, do leite e dos ovos) setecentas e trinta e seis vidas foram ceifadas. Cada um de nós pode fazer a sua parte ao abraçar uma filosofia de vida não-violenta.

 

Ao rejeitar a exploração, a tortura e a morte.

Ao rejeitar que os animais são coisas.

Cada um de nós é uma esperança para esses animais.

Essa esperança só precisa de ser despertada.

Desperte. Viva e deixe viver.

 

Fonte:

http://grito-silenciado.blogspot.pt/2015/11/apenas-uma-sombra.html?showComment=1446460397141#c8723926328641590772

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:17

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 28 de Outubro de 2015

VINTE E UM MOTIVOS PARA SER VEGETARIANO

 

Em nome dos animais que são brutalmente abatidos

 

(Além de serem brutalmente abatidos, são, na sua maior parte, criados em condições de más a péssimas e são transportados sofrendo de ansiedade, pânico, claustrofobia e sujeitos a má climatização e a acidentes, que podem ser mortais - Dr. Vasco Reis, Médico Veterinário)

 

Em nome da saúde humana

 

Em nome do Planeta

 

VEGETARIANISMO.jpg

 

O vegetarianismo é a tendência que mais cresce no mundo desenvolvido.

 

Eis 21 motivos para se reflectir sobre uma possível mudança de hábitos alimentares mais saudáveis, mais solidários com os animais e com o Planeta:

 

1 - Evitar carne é um dos melhores e mais simples caminhos para cortar a ingestão de gorduras. A criação moderna de animais provoca artificialmente a engorda para obter mais lucros. Ingerir gordura animal aumenta a possibilidade de vir a ter um ataque cardíaco ou desenvolver cancro.

 

2 - A cada minuto, todos os dias da semana, milhares de animais são barbaramente assassinados nos matadouros. Muitos sangram vivos até morrer. A dor e o sofrimento são atrozes. Só nos EUA, 500.000 (meio milhão) de animais são exterminados a cada hora!

 

3 - Há milhões de casos de envenenamento por comida relatados a cada ano. A vasta maioria é causada pela ingestão de carne.

 

4 - A carne não contém absolutamente nada de proteínas, vitaminas ou minerais que o corpo humano não possa obter perfeitamente numa dieta vegetariana.

 

5 - Os países africanos - onde milhões de seres humanos morrem de fome - exportam grãos para o primeiro mundo para engordar animais que vão parar à mesa das nações mais ricas.

 

6 – A "carne" pode incluir rabo, cabeça, pés, recto e a coluna vertebral de um animal.

 

7 - Uma salsicha pode conter pedaços de intestino. Como é que alguém pode estar certo de que os intestinos estavam vazios quando utilizados? Será estimulante comer o conteúdo do intestino de um porco?

 

8 - Se comêssemos as plantas que cultivamos ao invés de alimentar animais para abate, o deficit mundial de alimentos desapareceria da noite para o dia. Lembrem-se de que 40 hectares de terra produz carne suficiente para 20 pessoas, mas produz grãos suficientes para alimentar 240 pessoas!

 

9 - Todos os dias dezenas de milhões de pintainhos de apenas 1 dia de vida são trucidados apenas por que não podem pôr ovos. Não há regras para determinar como ocorre esta matança. Alguns são moídos vivos ou sufocados até à morte. Muitos são utilizados como fertilizantes ou como ração para alimentar outros animais.

 

10 - Os animais, que morrem para serem servidos à mesa do animal homem, morrem sozinhos, em pânico, em grande depressão e profunda dor. A matança é impiedosa e desumana.

 

11 - É muito mais fácil ser e manter-se elegante quando se é vegetariano.

 

12 - Metade das florestas tropicais do mundo foram destruídas para dar lugar a pastagens para criação de gado para confecção de hambúrgueres. Cerca de 1000 espécies são extintas por ano devido à destruição das florestas tropicais.

 

13 - Todos os anos 400 toneladas de grãos alimentam animais de abate – deste modo, os mais ricos do mundo podem comer carne. Ao mesmo tempo, 500 milhões de pessoas, nos países pobres, morrem de fome. A cada seis segundos alguém morre de fome por que pessoas no Ocidente comem carne. Cerca de 60 milhões de pessoas morrem de fome por ano. Todas essas vidas poderiam ser salvas, porque estas pessoas poderiam estar a comer os grãos usados para alimentar animais de abate se os norte-americanos comessem 10% a menos de carne.

 

14 - As reservas de água fresca do mundo estão a ser contaminadas pela criação de gado de abate. E os produtores de carne são os maiores poluidores das águas. Se a indústria de carne, nos EUA, não fosse subsidiada pelo governo no seu colossal consumo de água, alguns gramas de hambúrguer custariam 35 dólares.

 

15 – Quem come carne, está a consumir hormonas que foram administradas aos animais. Ninguém sabe os efeitos que estas hormonas causam à saúde. Em alguns testes, um, em cada quatro hambúrgueres, contem hormonas de crescimento originalmente administradas ao gado.

 

16 - As seguintes doenças são comuns em quem come carne: anemias, apendicite, artrite, cancros da mama, do cólon, da próstata, prisão de ventre, diabetes, pedras na vesícula, gota, tensão alta, indigestão, obesidade, varizes. Os vegetarianos há longo tempo precisam de 22% menos de cuidados médicos do que os carnívoros, e têm 20% menos colesterol, o que reduz consideravelmente os ataques cardíacos e o cancro.

 

17 - Alguns produtores usam calmantes para manter os animais calmos. Usam antibióticos para evitar ou combater infecções. Quando se come, ingere-se também estas drogas. Na América do Norte 55% de todos os antibióticos são dados a animais de abate, e a percentagem de infecções por bactérias resistentes a penicilina avançou de 13% em 1960 para 91% em 1998.

 

18 - Num período de vida médio quem come carne terá consumido 36 porcos, 36 ovelhas e 750 galinhas e perus. Desejam assim tanta carnificina na vossa consciência!?

 

19 - Os animais sofrem dor e sentem medo como todos nós. Passam as últimas horas da sua vida trancados num camião, encerrados com centenas de outros animais, igualmente apavorados, e depois são empurrados para um corredor da morte alagado em sangue. Quem come carne é responsável pelo modo brutal como os animais são tratados.

 

20 - Animais com um ano de vida são frequentemente muito mais racionais e capazes de pensamento lógico do que bebés humanos de seis semanas. Porcos e ovelhas são muito mais inteligentes do que crianças de tenra idade. Comer esses animais é um acto bárbaro.

 

21 – Os vegetarianos são mais aptos fisicamente do que quem come carne. Muitos dos mais bem-sucedidos atletas do mundo são vegetarianos.

 

(Texto extraído do livro "Food For Thought" do Dr. Vernon Coleman)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:20

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2015

A PROPÓSITO DOS PORCOS QUE TRIUNFARAM PELA PENA DE UM “JORNALISTA”

 

(Aproveito para recomendar a leitura deste livro na Língua Portuguesa original, ou na Língua Inglesa de origem)

 

leitura-16-638[1].jpg

O que mudou desde 1945? O nosso idealismo não estará, nos dias que correm, a ser traído pelo poder, pela corrupção e pelas mentiras que os políticos pretendem impingir-nos?

 

António, deixou um comentário ao post OS PORCOS SÃO MUITO MAIS DIGNOS… DO QUE ALGUNS “JORNALISTAS”… às 02:11, 2015-10-14.

 

Comentário:

É óbvio que o programa eleitoral do PAN é um total disparate, porque enquanto elenca um conjunto de valores éticos que visam a protecçao dos animais e do ecossistema, não passa dum conjunto de medidas completamente descabidas sem exequibilidade nenhuma. As propostas do PAN para a política social são uma coisa de fugir - não fazem o menor sentido nenhum. O plano de economia e finanças do PAN é de doidos e impossível de implementar. De resto, a única coisa que sobra são as medidas sem sentido e sem utilidade tipo incluir os animais no agregado familiar, e coisas do género. É um partido cheio de medidas e alternativas sobre como tratar os animais, e como proteger a natureza, mas no que toca a governar um país, não fazem a menor ideia do que estão a fazer. Percebe-se o artigo jornalístico.

 

***

(Antes de responder a este comentário devo lembrar que sou militantemente apartidária, mas não apolítica).

 

***

António, é óbvio que o programa eleitoral do PAN, um programa projectado para o futuro, não é entendível por mentalidades estagnadas.

 

É óbvio que o PAN sabe, tal como Mahtama Gandhi sabia e dizia, que a nobreza de um povo, a grandeza de uma nação e o seu progresso moral, o grau de civilização de uma determinada sociedade podem ser avaliados pela forma como são tratados os seus membros mais vulneráveis, crianças, deficientes, velhos, pobres e naturalmente os animais não-humanos, que fazem parte integrante de uma sociedade constituída pelos Reinos Animal, Vegetal e Mineral.

 

Não é verdade?

 

Pois os governantes portugueses que até agora se sentaram nas bancadas do poder não fizeram nada, absolutamente nada, pelas crianças, pelos deficientes, pelos velhos, pelos pobres e pelos animais não-humanos, até porque as crianças, os deficientes, a maioria dos velhos e pobres e os animais não humanos NÃO VOTAM. Então para quê perder tempo com eles?

 

Não é o que pensam os políticos vulgares?

 

O plano de economia e finanças do PAN não é de doidos nem difícil de implementar, António.

 

Simplesmente é impossível os doidos implementá-lo, por uma razão absolutamente óbvia: incompetência.

 

Só um indivíduo desprovido de sensibilidade e bom senso dirá que o PAN tem medidas sem sentido e sem utilidade «tipo incluir os animais no agregado familiar, e coisas do género»…

 

Pois fique sabendo, António, que em Portugal, para as mentalidadezinhas mesquinhas, estas medidas podem parecer sem sentido, mas nos países evoluídos e civilizados elas já estão implementadas.

 

Dizer que o PAN é um partido cheio de medidas e alternativas sobre como tratar os animais, e como proteger a natureza, mas no que toca a governar um país, não fazem a menor ideia do que estão a fazer, é não saber absolutamente nada da política vigente e dos políticos fixados no poder com supercola.

 

Pois diga-me lá, António, no que toca a governar o país, o que é que os governantes, que até agora governaram, fizeram pelas camadas mais frágeis da sociedade portuguesa? O que é que eles têm feito para proteger a sua fauna humana e não-humana, a sua flora, o seu meio ambiente, as suas florestas, os seus rios? Ou será que isto não tem a menor importância para o País?

 

O António acha que o PAN deveria ter políticas de como encher os bolsos à custa dos impostos dos Portugueses? De como esbanjar dinheiros públicos em coisas absolutamente inúteis, insignificantes e indignas do ser humano?

 

É isso que pretende do PAN?

 

Não, não se percebe o artigo “jornalístico” que deu origem a este comentário.

 

Primeiro porque o artigo não é “jornalístico”. Se fosse jornalístico deveria obedecer à Ética Jornalística, e não obedece.

 

Segundo, porque criticar, apenas por criticar uma filosofia, um modo de estar no mundo global, com olhos postos no futuro, e que as mentezinhas estagnadinhas não compreendem, é altamente pernicioso, contraproducente e não dignifica o jornalismo de opinião.

 

Quem pretende ousar o jornalismo de opinião (e não foi o caso) deve, no mínimo, ter algum conhecimento sobre a matéria que vai opinar, de outro modo corre o risco de fazer triunfar os porcos errados.

 

E atenção! Ao contrário do que os mais “distraídos” acham, os Porcos, são animais bastante inteligentes, por isso, merecem toda a minha consideração e respeito, ao contrário de muitos indivíduos, que andam por aí a armar-se em chico-espertos.

 

144 PORCOS.jpg

 

Ler artigo completo neste link:

https://vista-se.com.br/porcos-os-animais-domesticados-mais-inteligentes-do-mundo/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:23

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 9 de Outubro de 2015

OS PORCOS SÃO MUITO MAIS DIGNOS… DO QUE ALGUNS “JORNALISTAS”…

 

DIGNIDADE DOS PORCOS.jpg

Foto: Mark Clifford/Barcroft Media/Getty Images

 

Por que é que os porcos são muito mais dignos?

Ora leiam porquê…

 

  ***

 O "jornalista" escreveu o seguinte:

Alfredo Leite.jpg«O triunfo dos porcos»

Origem da foto: https://protouro.wordpress.com/2015/10/09/os-rancios-saem-da-toca/

«Das surpresas que a noite eleitoral trouxe, terá sido a eleição de um "utópico assumido" a mais surpreendente. Mas talvez não tenhamos a noção do pasmo onde nos pode levar a utopia de André Silva, o solitário eleito do PAN.

 

Da leitura das 163 páginas com os princípios programáticos, percebemos uma nova dimensão da acção política. Porquê? Porque André não poderá frustrar as expectativas de quem o elegeu e a quem prometeu, por exemplo, um sistema de partilha de horas diárias entre vitelo e progenitora. Nesta questão fracturante, o PAN recusa que o vitelo seja retirado 48 horas após o parto porque isso é "bastante negativo no desenvolvimento (…) dos animais". O ecléctico documento prevê também a proibição do "uso de animais não humanos para acções de mendicidade", embora não refira o mendigo propriamente dito.

 

Não se pense, contudo, que o PAN não se preocupa com os animais humanos. Ostentando uma invulgar amplitude de medidas de defesa ambiental, o PAN surpreende ao propor "distribuir gratuitamente copos menstruais" no sentido de garantir "a gestão saudável dos recursos", até porque o gasto "em pensos higiénicos, tampões e outros meios de higiene feminina é incomensurável".

 

É, portanto, a economia. E os estúpidos somos nós

 

(Este texto foi transcrito para Língua Portuguesa - é que nem sequer a Língua respeitam)

 

Fonte do texto:

http://www.cmjornal.xl.pt/opiniao/colunistas/alfredo_leite/detalhe/o_triunfo__dos_porcos.html

 

 

Mas qual é a dúvida?

 

Os estúpidos são mesmo aqueles que não conseguem ver um palmo adiante do próprio nariz, e se metem a escrever disparates deste desmedido calibre.

 

Aqueles que só pensam nas pessoas, não têm consciência cósmica.

 

O Planeta não pertence ao animal homem. A

Vida não é só do animal homem.

 

O animal homem não é a medida de todas as coisas.

 

Quem assim pensa, ainda não evoluiu mentalmente. Possui uma “consciência” nivelada à de uma bactéria.

 

É que André Silva, o solitário eleito do PAN, possui uma consciência cósmica.

 

O PAN pertence ao futuro. Não está preso a um passado impregnado de ignorância.

 

(Interrompo apenas para dizer que sou militantemente apartidária).

 

O PAN tem a percepção de que o dever de um Governante é pugnar pelo bem-estar dos animais humanos (vulgo pessoas), pelo bem-estar dos animais não humanos (onde se incluem os porcos, o terceiro animal mais inteligente depois do animal homem); e pela preservação da Natureza (o meio ambiente em que todos nós, animais, vivemos).

 

Um verdadeiro Governante tem o dever de proteger a fauna e a flora do seu País, globalmente.

 

Mas esta evolução só as mentes superiores alcançam.

 

Por isso, não podemos esperar que os alfredos leites do mundo entendam um programa eleitoral que engloba a VIDA CÓSMICA, na qual todos os seres vivos estão incluídos. Inclusive os porcos.

 

Pudessem os Portugueses terem esta perspectiva cósmica de governação.

 

Infelizmente o atraso mental que por aí grassa ainda é muito acentuado.

 

Por isso ainda há quem não tenha vergonha de esparramar por aí a sua profunda ignorância.

 

George Orwell, uma consciência cósmica, autor de «O Triunfo dos Porcos» (em inglês “Animal Farm”), foi vilmente insultado nesta tentativa de plágio…

 

E o Jornalismo, uma vez mais, foi enlameado.

 

Porque há OPINIÕES e opiniões.

 

E quem não consegue ver a diferença… está fora do futuro.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:59

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 26 de Julho de 2015

TODAS AS FORMAS DE VIDA SÃO SAGRADAS

 

"A única coisa que distingue a criança do animal, aos olhos dos que defendem que ela tem direito à vida, é o facto de ser, biologicamente, um membro da espécie Homo Sapiens, ao passo que os chimpanzés, os cães e os porcos não o são. Mas utilizar esta distinção como base para conceber o direito à vida à criança e não aos outros animais é, claramente, puro especismo. É exactamente este o tipo de distinção arbitrária que o racista mais cruel e assumido utiliza para tentar justificar a discriminação racial."

Peter Singer, Libertação Animal (pág. 17)

Via Óptima

 

QUEBRA DO SILÊNCIO.jpg

 

Fonte:

http://grito-silenciado.blogspot.pt/2015/07/todas-as-formas-de-vida-sencientes-sao.html?showComment=1437908081670#c7885623068207383769

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:02

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«Enquanto as ruas estão v...

Espanha: mais de cem porc...

MATANÇA DE PORCO EM VALE ...

«ENTRE O ASSASSINO E O TO...

APENAS UMA SOMBRA

VINTE E UM MOTIVOS PARA S...

A PROPÓSITO DOS PORCOS QU...

OS PORCOS SÃO MUITO MAIS ...

TODAS AS FORMAS DE VIDA S...

Arquivos

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt