Quarta-feira, 3 de Outubro de 2018

«IVO ROSA, O JUIZ “ARQUIVADOR”

 

Texto publicado a

29 Setembro, 2018

por

Cristina Miranda

aqui:

 

https://blasfemias.net/2018/09/29/ivo-rosa-o-juiz-arquivador/

 

 

JUSTIÇA.jpg

 

«Há meses foi-me dito em mensagem privada, que o Juiz Carlos Alexandre e a Procuradora Joana Marques Vidal iriam ser afastados dos processos que envolvem Sócrates e outros. Nessa altura, como o faço sempre, coloquei em dúvida essa possibilidade pela importância que estes processos têm e que, ao mudar de mãos, sem justificação plausível, iria destruir por completo a credibilidade da justiça portuguesa aos olhos da sociedade nacional e internacional. Ontem, ficamos a saber que afinal havia mesmo um plano e a última peça do xadrez foi jogada para xeque-mate! Tiro o chapéu!

 

O afastamento de Joana Marques Vidal foi por culpa do Presidente da República que jamais imaginaria ver colocar os  interesses da Nação no caixote do lixo ao aliar-se a Costa nesta decisão.  Agora, para a nomeação de um novo juiz,  foi  um sorteio electrónico para duas pessoas apenas, completamente viciado, onde só à quarta tentativa deixou de dar “erro”. É claro que o português comum e pouco informado não deu pela pirataria. Não sabe que basta colocar um algoritmo que rejeite o nome que não se pretende, sinalizando-o como “erro”, para assegurar o resultado pretendido. Não entende que não foram erros mas sim 4 tentativas para obter o que desejavam. O que eles não previram foi que por TRÊS VEZES o computador escolhesse o nome de Carlos Alexandre e por isso houve uma sucessão escandalosa de “erros”  que não o foram e com os quais ficaram desmascarados. Este programa informático devia ser imediatamente investigado sem demoras! Ficou clarinho a movimentação tentacular que já vem de trás para safar o peixe graúdo entalado  e bem, nas malhas da justiça.

 

Que nos espera, então esta nomeação de um juiz que, por ironia, tem o apelido “rosa”!!?   Bem, não é preciso pesquisar muito para saber. Este senhor já vem com um largo currículo de “safanços” de suspeitos de  corrupção. Pois é! Conhecido por não  gostar de apoiar as teses incriminatórias do MP sobretudo quando dizem respeito "a caça grossa", Ivo Rosa ilibou 18 dos arguidos da “Operação Zeus”, processo relacionado com a corrupção nas messes da Força Aérea. No caso EDP retirou a  Manuel Pinho o estatuto de arguido mesmo com todas as evidências e suspeitas impedindo ainda  que a PJ fizesse buscas nas suas casas e ainda tivesse acesso às suas contas e movimentos bancários, por entender não haver indícios mínimos de corrupção  sem no entanto permitir a investigação esmiuçada para tirar as dúvidas. Ainda no caso das rendas da EDP, foi este mesmo juiz que impediu também o acesso às contas bancárias de António Mexia e Manso Neto, o que levou procuradores a pedir o seu afastamento do processo acusando-o de parcialidade.  Mas não ficamos por aqui: Ivo Rosa num processo em que, a TAP era suspeita de lavar dinheiro de figuras da elite angolana, decidiu não levar nenhum dos suspeitos a julgamento destruindo todo um trabalho de investigação do DCIAP.  Mas calma, ainda há mais: este juiz, no caso do Gangue do Multibanco, um grupo de violentos criminosos responsáveis por mais de 100 assaltos e outros crimes graves, libertou 11 dos 12 membros. Valeu-nos o recurso do MP para um tribunal superior que reverteu por completo esta decisão e onde todos os arguidos acabaram por ser condenados a duras penas. 

 

Por isso, os advogados de Sócrates batem palmas! Por isso, figuras do PS estão em êxtase! O juiz que mais safou gente ficou com o Processo Marquês. Dúvidas?

 

Eu não, não tenho dúvidas depois do que vi ontem. Só certezas. A certeza que vamos regredir aos tempos de Pinto Monteiro e Cândida Almeida, que não viam corrupção em Portugal... 

 

É só “bons rapazes”!!!»

 

Cristina Miranda

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:42

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 17 de Abril de 2018

PENAS TÊM-NAS AS GALINHAS...

 

TRIBUNAL.jpg

 (Origem da imagem: Internet)

 

As notícias que ultimamente têm vindo a público sobre crimes hediondos praticados no nosso país (que já não é o de brandos costumes e ainda menos o de duras leis) e os perpetrados nos E.U.A., por exemplo, e as penas aplicadas aos respectivos criminosos, suscitaram-me uma reflexão acerca do abismo existente entre a justiça que se administra num e noutro país.

 

Sei que não vou modificar coisa nenhuma, se disser o que penso sobre o Código Penal Português, porém, ficará o testemunho de alguém que, decididamente, não acredita na justiça do seu país.

 

Bem sei que em Portugal, apesar de tudo, os crimes mais horripilantes não acontecem todos os dias, e que nos E.U.A. (o modelo do que se faz do bom e do pior), eles (os crimes) são o pão nosso de cada dia, e há que existir penas elevadas para tentar travar essa criminalidade (se bem que não resultem, nem sequer a pena de morte, com a qual não concordo, em absoluto).

 

Contudo, tem-se verificado que no nosso país, de há alguns anos a esta parte, crimes que nem ao diabo lembra, aumentaram assustadoramente. E o que acontece? Os criminosos são punidos com peninhas de galinha. Ficam meia dúzia de anos na prisão, e depois, porque até são boas pessoas, comportaram-se muito bem, durante a estadia entre as grades, com um conforto que muitas vezes não têm cá fora, e principalmente porque a TV os transforma em heróis muito coitadinhos, com entrevistas que fazem as pedras chorar, e depois há que soltá-los. E se uns poucos até se reabilitam, outros, mal se apanham cá fora, retomam a vida criminosa, com maior vigor ainda, cheios de raivas acumuladas.

 

Em Portugal, o violador de um bebé (que não tem como se defender) leva uns oito anos no máximo de prisão (quando não o deixam à solta, apenas com a obrigação de se apresentar de X em X dias na esquadra da PSP). Uma vergonha! Nos E.U.A., aqui há uns anos, aquele pugilista que violou uma jovem de 18 anos (que já tinha muito tino para saber que não se vai para um hotel, com um matulão daqueles, tomar chá com torradas) podia ter apanhado uma pena até 60 anos de prisão.

 

Estou a recordar-me também do hediondo “crime da mala” (de Braga) cujos criminosos apanharam uma pena conjunta (45 anos) menos do que a do violador americano.

 

 

Enfim, no nosso país, um violador, um esquartejador, um matador que mate com requintes de malvadez, se for considerado debilzinho, coitadinho, não pode ir para a cadeia, e a nossa justiça, nesses casos, age como Cristo na hora da agonia: perdoe-se-lhes os crimes, porque não sabiam o que estavam a fazer!

 

Hoje em dia, não podemos dar um estalo (para não ir mais longe) a um ladrão que nos entre em casa. Deus nos livre! Vamos nós para a cadeia, por agressão, e o ladrão não sofre nada, porque não teve tempo de roubar nada.

 

A propósito, não resisto a contar uma peripécia passada comigo, já há algum tempo. Estava eu num determinado sítio a tentar levantar dinheiro de uma máquina automática, em pleno dia, quando sinto uma pressão nas costas, e uma voz grave, de homem, a dizer: «Isto é um assalto».

 

Instintivamente, olhei para o chão para ver onde estavam colocadas as pernas do assaltante, ao mesmo tempo que levantava o calcanhar para lhe aplicar um “golpe baixo” que o neutralizasse. Um golpe, entre outros, que aprendi, no Brasil, para defesa pessoal.

 

Nisto ouvi um “espera lá” gritado, e depois uma gargalhada. Era uma partida de um amigo brincalhão. Não aconteceu nada de grave. O “assaltante” não era um assaltante. Mas se fosse? E se o golpe resultasse? Talvez eu fosse parar à prisão, e ainda teria de pagar uma indemnização ao assaltante, por danos físicos, morais, pedir-lhe muita desculpa, etc., etc., etc,.

 

São as leis que temos. E não vale a pena recorrer à justiça, pois esta fica por aplicar.

 

Lembro-me de um crime que envolveu dois idosos, barbaramente assassinados, com um martelo de picar carne, há uns anos. A PJ deixou-me entrar no local do crime (a casa onde viviam), estavam ainda os corpos no sítio exacto onde foram mortos. Eu, naquele momento, era a única jornalista. Sem mexer em nada, verifiquei tudo o que me interessava para a reportagem e mais alguns pormenores para a investigação que me propus fazer para ajudar a polícia a encontrar o assassino, uma vez que me revoltei com o que vi e até porque conhecia os velhinhos.

 

Consegui, por mero acaso, descobrir quem foi o assassino, homem influente, no meio, que andou à solta até morrer de um cancro, passados uns anos. Nunca foi preso, as autoridades “nada conseguiram apurar” e o caso foi arquivado. O Inspector, que andava a investigar o caso, foi inesperadamente mandado para casa com uma boa reforma. Eu fui contar à polícia o que descobri. Que guardasse para mim as minhas descobertas. Foi uma luta que travei sem glória. Ainda cheguei a ser ameaçada. Não foi feita justiça. E eu que descobri todo o enredo, pormenorizadamente! Revoltei-me, como é óbvio. De vez em quando lá passava eu pelo assassino. Ele sabia que eu sabia, porque o interroguei. Olhava para mim com uns olhos, que se matassem, já estaria morta. E eu tive de engolir aquela afronta. Não me deixaram outra opção.

 

Este duplo assassinato (sem culpado) e os dois processos, aos quais estive kafkianamente ligada durante dois anos, abusivamente enredada nas malhas da justiça, deixaram-me completamente descrente da justiça portuguesa.

 

E uma vez que fui aconselhada por um amigo Delegado do Ministério Público a “mergulhar” nesses meandros para ficar a conhecer por dentro e por fora o que é um tribunal português, e ainda porque nunca perdi uma história dos inspectores Maigret, Poirot e Holmes, decidi dedicar-me ao estudo desses assuntos judiciais e policiais.

 

Aquilo que hoje sei poderá valer-me um dia, quem sabe, para escrever histórias verídicas do arco-da-velha.

 

E enquanto, no meu país, os bandidos forem mais protegidos por leis, do que os cumpridores dos seus deveres cívicos, sociais e morais, não me cansarei de dizer que penas têm-nas as galinhas!...

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:12

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 6 de Setembro de 2016

«TOURADA VOLTA AO CDS PELA MÃO DA JP COM APOIO “APAGADO” DA DIRECÇÃO»

 

«Uma vergonha e um escândalo! Uma direcção (CDS) cobarde e hipócrita (Cristas é "católica", o partido é faz de conta). Boicote-se o CDS, enquanto mantiver esta postura!»

 

Recebi, via-email,o texto que foi editado no jornal Público sob o título acima referido, pelas mãos de um amigo, com este recadinho, que faço completamente meu.

«Nos tempos do império romano, eram os cristãos que eram enviados para dentro das arenas. Hoje, são os cristãos que se sentam nas bancadas e berram, olham delirantes, batem palmas pelo sofrimento de outros seres vivos, num ritual de sangue e morte.» (Jorge Correia)

 

JP1.jpg

É esta “tradição” sanguinária que a JP defende. E dizem que são eles que gostam do Touro. Nós, que o defendemos, não gostamos… (dizem). Por aqui podemos imaginar o que fariam ao infeliz Touro se não gostassem dele. 

 

É que o CDS continua com os pés fincados num passado que já passou de moda, e com palavras de “futuro” na boca da sua presidente, que sempre apoiou a tauromaquia, enquanto Ministra da Agricultura do governo anterior, e continua a apoiar como deputada e presidente do CDS, votando a favor de subsídios para que duas dezenas de famílias de ganadeiros vivam à tripa forra, à custa dos impostos dos portugueses, e aceitando que inocentes e desprotegidas crianças possam praticar e assistir a esta selvajaria: á crueldade e à violência que é a tortura de Touros.

 

Porém, como as touradas estão na mó de baixo, e os seus praticantes, aficionados e apoiantes começam a ser olhados de lado, como indivíduos afectados por uma doença perversa, do foro mental, há quem queira distanciar-se disfarçadamente…

 

E o texto que Luciano Alvarez escreveu para o jornal Público dá-nos um panorama absolutamente bizarro que claramente se encaixa no que os especialistas em distúrbios mentais chamam de mentes deformadas.

 

Cristas não quis ver o nome do partido associado à “corrida de touros em defesa das tradiçõescomo disse Jorge Rosa, o jotinha encarregado da secção de tradição e cultura na comissão política nacional, mas não se opõe a tal iniciativa, até porque “quem quer vai quem não quer não vai”, que é algo muito condizente com a mentalidade dos que apoiam estas práticas que nada têm a ver com “gostos” mas com taras. E hoje, mais do que nunca, com o progresso das ciências sabemos que assim é.

 

Os jotinhas acham que a selvajaria tauromáquica é uma tradição cultural que tem de ser defendida, desconhecendo que a tradição é a personalidade dos imbecis (de acordo com Albert Einstein, e este sabia bem o que dizia).

 

Tivemos o ‘ok’ [da direcção] um bocadinho apagado, mas deram o seu apoio à realização e divulgação da corrida”, afirmou o Jorge Rosa. É que Assunção Cristas dá uma no cravo e outra na ferradura, pensando que, com isso, lava as mãos sujas do sangue derramado por indefesos seres vivos, que são massacrados para divertir os sádicos.

 

Entre os centristas há os que nem são carne nem peixe, são os nins que não fazem evoluir o mundo, e também pensam que tomando essa posição dúbia lavam as mãos ensanguentadas, como Adolfo Mesquita Nunes, que justifica a sandice desta iniciativa da JP, com outra sandice. Diz ele que «autarquias do PS, BE, PCP e PSD também organizam corridas de touros, mas não sendo um “proibicionista” não pede o seu fim. Não frequento, mas não peço que sejam proibidas», e acredita que a corrida da JP não causa qualquer incómodo ao CDS.

 

Pois não causa. Porque haveria de causar, se o CDS é aficionado desde os pés à cabeça?

 

E pronto. Está tudo dito.

 

Os jotinhas já nasceram velhos, com as mentes mirradas, e quando isto acontece, é impossível injectar-lhes a modernidade, para que percebam que os divertimentos dos jovens modernos, do século XXI da era cristã, são, por exemplo, os festivais de Verão, onde milhares de jovens saudáveis cantam e balançam os corpos ao som da música do mundo…

 

PJ2.jpg

 

Mas os jotinhas preferem as touradas, um entretenimento de velhos a cheirar ao mofo do século XII. Os jotinhas adoram ver imagens como esta:

PJ3.png

E a isto acham “tradição” e acham que é muito “cultural”… e existe uma razão nobre para torturarem um ser senciente e indefeso a este ponto…

 

Atente-se no que disse a JP:

 

A JP garante que o evento não nasceu «para fazer política, ou para atrair militantes, mas sim “por razões mais nobres».

 

Então que razões mais nobres serão essas?

 

Pasmem:

 

«Sendo CDS e a JP conservadores, cabe-lhes defender as tradições do país. A tourada é uma das nossas tradições mais bonitas e passa a vida a ser atacada pelos partidos de esquerda no parlamento e mais recentemente pelo PAN [Partido dos Animais e da Natureza] que usam as suas vozes raivosas contra a festa brava. O CDS é único partido que defende esta tradição da cultura portuguesa porque é a memória de um povo que mantém vida a identidade de um país”, diz Jorge Rosa.

 

Ó Jorge Rosa, quantos anos tem? Pelo menos uns 850 anos terá, mas com boas probabilidades de serem mais…

 

Não é só o PAN que ataca, não com vozes raivosas (raiva têm os jotinhas dos belos touros, por isso os torturam com convicção) mas com as vozes da Razão, da Ética, da Moral, da Evolução, da Civilização… É o mundo inteiro evoluído, moderno e jovem que ataca, rejeita e condena estas práticas mofosas, ultrapassadas e completamente desadequadas â Humanidade do terceiro milénio d. C.

 

Quanto às críticas que os grupos anti-tourada lhes dirigem, o jotinha Jorge Rosa não só não se surpreende com elas, como diz esta coisa espantosa: «São pessoas que não gostam de touros. Aqueles que os criam, os que os lidam e pegam e os que assistem, esses sim gostam de touros».

 

Então não gostam? Mais do que gostar, adoram vê-los espetados com bandarilhas, a sangrar, a sofrer, a berrar com dores… Adoram, aplaudem, deliram, babam-se e masturbam-se mentalmente, pois só assim se sentem vivos.

 

E depois não querem que se diga que a tauromaquia é uma doença do foro psiquiátrico.

 

Mas tem mais, mandam-nos ler o veterinário Joaquim Grave (não é para rir?) para percebermos (pasmem) «as diferenças entre dor e sofrimento e entre humilhação e adrenalina que o animal sente durante a lide», como se o Joaquim Grave fosse um Médico Veterinário a sério. Poderá ser veterinário… Mas não Médico, se fosse Médico não seria tão ignorante nas suas “afirmações”, que envergonham a classe dos Médicos Veterinários.

 

Também diz o jotinha que quem defende o fim das touradas «não percebe que, se elas acabarem acaba, também o touro de lide». “É o fim da raça, se as touradas acabarem, acaba a raça. É isso que querem?».

 

Eu respondo:

 

Por aqui há uma ignorância descomunal, mas tão descomunal que se perde de vista.

 

Dou-lhes o benefício da dúvida. Coitaditos, dirão tudo isto que disseram porque foi isto que lhes impingiram desde a nascença, e cresceram a ouvir estas mentiras seculares, que já vêm do tempo das trevas. Daí acharem que isto é verdade. E repetem-no com tanta inocência que até dói.

 

Jotinhas, para que não morram ignorantes, deixarei aqui uns links, onde podem ler a verdade verdadeira que envolve a doença do foro psiquiátrico, denominada tauromaquia.

 

Façam um favor a vós próprios, para não andarem pelos jornais a esparramar tanta ignorância: leiam estes artigos. E se depois de os lerem optarem pela ignorância, devo dizer-vos que são um caso completamente perdido para a Racionalidade.

 

A VERDADE PERVERSA SOBRE A TORTURA DE TOUROS E CAVALOS, ANTES, DURANTE E DEPOIS DA LIDE

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/484004.html

 

«A TOURADA, RAZÃO DA EXISTÊNCIA DO TOURO BRAVO?» OU A QUEDA DE UM MITO

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/98835.html?thread=1885459#t1885459

 

A TOURADA VISTA POR UM MÉDICO VETERINÁRIO

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/572988.html

 

VERDADES SOBRE AS TOURADAS QUE OS TAURICIDAS DIZEM SER MENTIRAS

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/verdades-sobre-as-touradas-que-os-606277

 

TAUROMAQUIA - DOENÇA DO FORO PSIQUIÁTRICO

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/tauromaquia-doenca-do-foro-673168

 

TORTURA DE TOUROS E CAVALOS DEMONSTRAM O GRANDE ATRASO CIVILIZACIONAL DOS SERES PRÉ-HUMANOS

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/tortura-de-touros-e-cavalos-demonstram-665248

 

INTOLERÂNCIA?

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/intolerancia-674968

 

A ORIGEM CIENTÍFICA DA "AFICIÓN"

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/a-origem-cientifica-da-aficion-673814

 

«QUANDO NÃO TIVEREM FRUTOS COMAM OS TRONCOS» - DIÁLOGO ENTRE UM HOMO SAPIENS E UM HOMO PARVUS

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/quando-nao-tiverem-frutos-comam-os-674792

 

Fonte da notícia, que pode ser lida na íntegra aqui:

https://www.publico.pt/politica/noticia/tourada-volta-ao-cds-pela-mao-da-jp-com-apoio-um-bocadinho-apagado-da-direccao-1743267?page=2#/follow

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:41

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
18
20
25
26
27
28

Posts recentes

«IVO ROSA, O JUIZ “ARQUIV...

PENAS TÊM-NAS AS GALINHAS...

«TOURADA VOLTA AO CDS PEL...

Arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt