Quarta-feira, 21 de Novembro de 2018

RTP: NO ÚLTIMO PRÓS&CONTRAS AQUILO É QUE FOI DAR TIROS NA PRÓPRIA CABEÇA!

 

Eles andam por aí, desesperados, a debitar despropósitos, e quanto mais abrem a boca, mais se desclassificam.

E se não soubéssemos que a tauromaquia assenta na mais profunda ignorância e estupidez, bastava ouvir este dito de Hélder Milheiro e um veterinário carniceiro, que de médico nada tem, dizer que os Touros não sofrem, para ficarmos com a certeza absoluta dessa estupidez e ignorância.

 

HELDER MILHEIRO.jpg

 

GRAVE.jpg

E é isto um veterinário. O Touro ALMEJA ser toureado, então não almeja? Quando perguntamos ao Touro se quer ser toureado ele diz imediatamente que almeja ser toureado, é o maior sonho dele!!!!

É só tiros na cabeça!

Fonte das imagens:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2008445895902404&set=a.541639859249689&type=3&theater

 

No seguimento da sua política pró-selvajaria tauromáquica, a RTP transmitiu na passada segunda-feira um pró-tourada, uma vez que, dizem os que viram, a Fátima Campos Ferreira deixou que os trogloditas interrompessem as falas dos abolicionistas. Nem sei como os abolicionistas se dão ao trabalho de ir a programas que de antemão sabemos estar a favor das touradas.

 

E esses programas valem ZERO. Porquê?

 

Porque a sociedade portuguesa já definiu a sua decisão em relação à tauromaquia: a esmagadora maioria dos Portugueses está contra essa prática troglodita, apenas a prótoiro anda por aí a falar para ela própria. E quanto mais abre a boca mais se enterra na lama. E isso é bom. Deixai-os falar, pois quanto mais falam, mais razão nos dão, porque nós, que já evoluímos, não vamos regredir. Os indecisos, ao ouvir da boca dos trogloditas, tamanhas imbecilidades, se tinham dúvidas, ficam imediatamente esclarecidos: a tauromaquia é uma prática de e para imbecis. Portanto, só resta esse pequeno núcleo de aficionados que, por mais que estrebuchem, não conseguirão travar a gigantesca onda a favor da Abolição das Touradas.

E isto é um facto. Não é uma opinião.

 

BULLSHIT.jpg

Conclusão de Arsénio Pires, que faço também minha.


Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2007281439352183&set=a.110640459016300&type=3&theater

 

Não consegui ver até ao fim este pseudo-debate, que de debate nada teve, pelo que por aí se diz, pois todos são unânimes em dizer que os trogloditas interromperam bastamente, em conluio com a nada isenta Fátima Campos Ferreira, os que ao programa foram falar de Cultura e Civilização.

 

E a RTP lá é de passar a mensagem de Cultura ou de Civilização, quando transmite a barbárie para uma audiência cada vez mais diminuta?

 

Eu não consegui ver o programa todo, porque ainda tenho na memória o outro Pró(tourada) que foi para o ar em 2014, em que praticamente as mesmas caras, com a mesma moderadora, se comportaram incivilizadamente, não permitindo que os abolicionistas se pronunciassem. Dizem-me que a Fátima Campos Ferreira teve um comportamento deplorável ao permitir que os aficionados interrompessem vergonhosamente os outros intervenientes. Também me dizem que os da prótoiro não disseram nada de jeito, limitaram-se a vomitar anomalias (como a que imagem mostra) e foi, juntamente com os da mesa em que estava, um malcriadão ao interromper continuamente quem estava contra a tauromaquia. Uma vergonha!

E eu acredito que assim seja.

Então, não perdi nada. Seria assistir a mais do mesmo.

 

E depois do programa o que mudou?

Há uma coisa que mudou: comprova-se largamente que  a RTP saiu deste programa ainda mais desprestigiada, e os prótoiros ainda mais desclassificados.

 

Se foi positivo? Claro que foi imensamente positivo. Mostrou de que lado está a Cultura e a Civilização. Então esta da "pedagogia"!!!! Foi óptimo para a Causa da Abolição das Touradas em Portugal.

 

Pois aqui vos deixo a pedagogia das touradas:

 

PEDAGOGIA!.jpg

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:01

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

Objectivo do "Manual da Civilidade"

 

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2008
 
Dizer coisas que não são ditas à maneira de toda a gente será defeito? Não me cabe a mim julgar.
 
Escrevi este Manual, “vestido” de Civilidade, seguindo apenas o critério do meu pensamento, com o simples objectivo de levantar os véus sob os quais julgo encontrar-se escondida a ideia de civismo, numa tentativa de reabilitar a noção de respeito pelo outro, e de alguns daqueles valores humanos que, nos tempos de hoje, ninguém sabe por onde andam.
 
Eu chamo-lhes valores. Há quem lhes chame virtudes. No fundo, não irá dar tudo ao mesmo? O importante não é o nome das coisas, mas as coisas em si mesmas.
 
Não pretendo ser moralista. Não é esse o meu propósito, quando escrevo nas linhas. No entanto, se nas entrelinhas o pareço ser, terá isso alguma importância? Não andará a moral também tão arredada dos nossos dias?
 
Intento apenas ir ao encontro de noções perdidas algures num mundo que se tornou cego, surdo e mudo aos apelos da humanidade. Por isso, trata-se de um Manual com um cunho pessoalizado e, evidentemente, sujeito a todas as críticas.
 
Devo confessar que nele está contida toda a minha filosofia de vida; todo o meu sentir; todo o meu pensar; todo o meu ser. Toda a minha utopia.
 
Trata-se de um outra visão acerca do mundo. A minha visão.
 
De certa forma, este é o meu grito de revolta contra uma sociedade esvaziada dos valores que eu prezo e não sei onde encontrá-los.
 
Mas este é essencialmente o eco do vazio perceptível nos olhos das crianças e dos jovens que por aí vagueiam, perdidos, sem saberem do futuro, porque lhes dizem: «A água potável escasseia, os alimentos faltam, faltam também empregos, o buraco de ozono aumenta, o ar torna-se irrespirável, bactérias desconhecidas atacam o homem, o homem ataca outros homens, a vida na Terra está em risco de desaparecer…»
 
E eles sabem que isto não é o roteiro de um filme de ficção científica.
 
Perante tão negros horizontes, muitos desses jovens questionam-se: «Se os (h)omens não respeitam o nosso futuro, merecem esses (h)omens o nosso respeito?»
 
A pergunta formulada deste modo torna-se algo difícil de responder e o primeiro impulso é dizer «Não, não merecem qualquer respeito». Porém, se quisermos ser civilizados, a ela responderemos com civismo: «Sim, apesar de os (h)omens não respeitarem o vosso futuro, deveis respeitar esses (h)omens, mostrando-lhes que não sois mesquinhos, mas capazes de agir com muito mais saber e inteligência do que eles».
 
Então porquê uma linguagem de choque num Manual de Civilidade?
 
O modo, por vezes agressivo, manifestado no meu pensamento, é absolutamente intencional. Pretendo evidenciar, com toda a crueza, a diferença existente entre um homem e um “omem, numa linguagem quase chocante.
 
Porquê? Porque, de vez em quando, chocar é preciso, para acordar, ou mesmo agitar até à inquietação, as consciências adormecidas.
 
A pedagogia convencional perde-se no caos em que se transformou as sociedades ditas modernas, totalmente votadas ao culto da mediocridade, da superficialidade e da futilidade, não levando ninguém a lugar nenhum, principalmente os mais jovens.
 
Eu própria já experimentei uma pedagogia de choque, quando me vi confrontada com a abordagem do tema da droga diante de uma criança com apenas sete anos de idade. Ocorreu-me então, na altura, rodeá-la de alguns toxicodependentes com um passado de roubos, prisões, homicídios, vidas destroçadas, vividas nas ruas, os quais, na primeira pessoa e com muitas lágrimas e revolta, lhe contaram a sua passagem pelo inferno.
 
Tentei, deste modo, revolucionar a pedagogia convencional apostando na capacidade da infância para ajuizar das coisas, fria e cruamente.
 
A criança assimilou a mensagem pretendida, não tanto porque soube dizer não à droga, quando teve de enfrentar as suas garras, mas porque ficou vacinada contra essa mesma droga. Sem traumas. Naturalmente.
 
Essa criança era a minha filha, hoje uma destemida jovem mulher.
 
É essa espécie de vacinação que sugiro neste Manual de Civilidade, ao apresentar certos conceitos de civismo através da sua antítese.
 
Por outro lado, um critério oposto esteve na base da escolha das fotografias que ilustram as minhas ideias: exibir a beleza, a harmonia e o equilíbrio existentes na Natureza e que a incivilidade vai aniquilando…
 
Neste Manual, obviamente, não se esgotam todas as hipóteses. Os temas seleccionados, os que considero mais atingidos pela falta de civismo, são intencionalmente abordados pela rama, para dar margem ao leitor de poder acrescentar-lhes a sua própria visão, o seu próprio conceito, a sua própria opinião, a sua própria noção, a sua própria reflexão.
 
A sua própria utopia.
 
Intento apenas sugerir-lhe alguns caminhos que provavelmente poderão conduzi-lo mais além no seu pensar e no seu agir, ao inquietar a sua consciência. Talvez entre o caos provocado pela minha visão do mundo, ele possa vislumbrar o Bem, o Bom, e o Belo, através do seu próprio olhar…
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 16:15

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

RTP: NO ÚLTIMO PRÓS&CONTR...

Objectivo do "Manual da C...

Arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt