Sexta-feira, 27 de Setembro de 2013

MAIS OUTRA PALERMICE DE AFICIONADOS AÇORIANOS

 
 
 

Este touro é tão bravo como uma criancinha acabada de nascer. O que o faz bravo são os maus tratos que sofre antes de ir para a arena e quando avista os carrascos que vão torturá-lo (quem o diz é a Ciência) 

 

Então ele fica tão bravo como eu ficaria se um energúmeno atravessasse o meu caminho.

 

É preciso ser muito bronco para não saber distinguir um bovino manso, de um bovino que é atacado por um bando de cobardes.

 

O Touro bravo não existe na Natureza (quem o diz é a Ciência).

 

O Touro bravo é símbolo de uma terra, o culto de um povo?

 

Sim, será o culto sanguinário e primitivo de um povo que não evoluiu.

(E atenção! Não fui eu que falei em “povo”).

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:35

link do post | Comentar | Ver comentários (10) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 27 de Março de 2013

MAIS UMA VEZ A FALTA DE INTELIGÊNCIA AFICIONADA DA PRÓTOIRO VEM AO DE CIMA

 

 

 

 

Ricardo, deixou um comentário ao post A PROPÓSITO DA MARIA ENGRÁCIA FACAS… E DO FACEBOOK às 02:47, 2013-03-27.

Comentário:

 

«Independentemente da existência ou não da Maria Engrácia, o que acho importante reter nesta situação é o facto de ninguém ter sequer desconfiado da veracidade das suas afirmações.

 

Admitindo que realmente é uma invenção dos pategos da Prótoiro (já que eles vivem num mundo imaginário, não será de estranhar começarem também a criar personagens fictícias), torna esta questão mais prejudicial...para o lado dos aficionados!

 

Admitindo que os relatos da Maria Engrácia foram forjados, repare Isabel, que ninguém lhe passou pela cabeça que houvesse ali marosca. Porquê? Porque do lado aficionado espera-se tudo, por mais macabro e ridículo que seja.

 

Em que dimensão se pode considerar o relato de uma mulher abusada fisicamente por um marido alcoólico e aficionado como ficção? Esta descrição adequa-se a basicamente todos os aficionados do planeta. As palavras-chave são mesmo essas: alcoólico e violento! Eu acredito que quem quer que elaborou esta farsa não perdeu mais de 2 minutos a criar a história. Bastou basear-se na sua própria!

 

Mais uma vez a falta de inteligência aficionada vem ao de cima. Se queriam realmente criar uma história fictícia sobre um aficionado, então que tal uma sobre um forcado que conseguiu acabar o ensino secundário? Ou que leu um jornal até ao fim? Garanto que aí ficava logo toda a gente desconfiada! Falho em ver em que medida este episódio ridicularizou a comunidade abolicionista.

 

E digo mais: falho em ver em que medida este episódio não ridicularizou ainda mais a comunidade aficionada. O facto de ninguém ter questionado estes relatos (nem mesmo os aficionados que não sabiam que isto era uma brincadeira de meninos sem juízo) prova como a imagem do aficionado violento e labrego, que abusa de todo o qualquer animal, está enraizada na nossa sociedade.

 

Enfim, a prótoiro que fique por lá a rir sozinha desta pretensa palhaçada; nós ficamos por cá a ver o pôr-do-sol através do magnífico buraco que restou deste último seu tiro no pé».

 

***

 

Pois, Ricardo, digo consigo: os relatos da Engrácia eram tão óbvios, que nem sequer deu para desconfiar que eram fictícios.

 

O mundo dos aficionados é isso mesmo: álcool e violência.

 

São gerações, atrás de gerações a passar esses “valores” às crianças, e elas crescem e não sabem mais nada. Já vem no ADN.

 

Cheguei à conclusão (aliás, coisa que qualquer um chega) de que uma vez aficionado, para sempre aficionado. O que se traz da infância dificilmente se perde. A não ser que se seja MUIIIIIIITO INTELIGENTE, para conseguir discernir o racional do irracional.

 

São raros os aficionados que conseguiram EVOLUIR.

 

É por isso que encontramos gente das letras e das artes metidas nesta coisa sanguinária. Desde a infância que iam com o avô ou com o pai assistir à tourada, na época áurea do marialvismo, e isso ficou-lhes entranhado na pele, como uma doença incurável.

 

Por isso, penso que não vale a pena perder tempo a tentar que uma parede deixe de ser parede.

 

Este episódio do "engrácio prótoiro" foi uma grande pedrada no charco.

 

Depois disto, nada mais será igual.

 

A prótoiro e todos os aficionados (que continuam a rir-se, coitados, pois ainda não se aperceberam de que foram apanhados) afundaram-se num charco de palermice, e desse charco não se levantarão jamais.

 

Daqui para a frente é sempre a afundar cada vez mais…

 

A HORA DO TOURO ESTÁ A CHEGAR.

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:24

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 3 de Janeiro de 2013

OLÉ COVARDIA!

 

 

Gafa, fraqueza, palermice! Seis covardes da jaqueta, para um Touro moribundo...

 

 

Fonte

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=372701032825565&set=a.349969111765424.79589.313825062046496&type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

MAIS OUTRA PALERMICE DE A...

MAIS UMA VEZ A FALTA DE I...

OLÉ COVARDIA!

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt