Quinta-feira, 11 de Junho de 2020

«Touradas em tempos de pandemia»

 

«O desespero destes tristes autodenominados "artistas", marginalizados pela maioria dos que fazem das artes, da criatividade e do talento o seu ganha-pão, é tal que decidiram expor-se da forma mais ridícula e ultrapassada que só as suas mentes limitadas conseguiram (…)»

 

Um texto de Teresa Botelho no Blogue Retalhos de Outono.

 

campo pequeno.jpg

Toureiros acorrentados, fazem pose em frente ao campo pequeno...

Imagem: Farpas Blogue

 

Por Teresa Botelho

 

«Vivemos tempos difíceis e inesperados!

 

A confiança que adquirimos ao longo dos tempos e a catadupa de novas descobertas científicas, tornou-nos afinal tão ignorantes que não nos deixou sequer imaginar que a Natureza nos iria penalizar com um vírus misterioso e incontrolável que nos limitaria as liberdades mais básicas, despertando em cada um de nós o medo e varrendo o mundo de cima a baixo! 

 

A destruição e o desrespeito tocou o insustentável e este Planeta, outrora azul, tornou-se cinzento, após todos os avisos que nos enviou, mas que sempre recusámos ver.

 

Destruímos espécies animais, florestas, ecossistemas, derrubámos e ocupámos tudo o que encontrámos pela frente, poluímos os oceanos e envenenámos o ar, transformando a nossa espécie, numa feroz predadora, empenhada em aniquilar-se a si própria através de selecções raciais, étnicas e especistas.

Mas será que um simples vírus invisível nos irá ensinar alguma coisa?

 

Acreditar em boas intenções, não é coisa que se encontre ao virar da esquina e até o Pai Natal, se calhar já comeu as renas, e prefere agora cruzar os céus de avião...

 

É evidente que o que agora interessa, é domesticar este vírus, sem pensar em qualquer outro, mais feroz que possa aí aparecer, retomando a vidinha de antes, porque a economia assim o dita e as tradições também... 

 

Portugal que é afinal o país que aqui nos interessa analisar, fechou-se,  tentando agora reabrir com máscaras e desinfectante, mas será que andar de máscara, consegue ocultar o íntimo de quem a usa, ou a desinfecção compulsiva é suficiente para limpar a baixeza dos sentimentos de quem sempre fez da tortura o seu espectáculo e desporto favorito?   

 

É sem sombra de espanto que se continua a verificar a ausência de qualquer aprendizagem, a continuação dos argumentos batidos e a pouca noção do ridículo que caracterizam uma certa fasquia menor do nosso povo!

 

Este vírus que afinal, fez questão de só infectar animais humanos, conseguiu a proeza de salvar as centenas de touros que durante alguns meses iriam divertir, à custa das suas vidas e do seu sangue, muitas sanguessugas ávidas dessa aberração a que chamam "arte"!

 

O desespero destes tristes auto denominados "artistas", marginalizados pela maioria dos que fazem das artes, da criatividade e do talento o seu ganha pão, é tal que decidiram expor-se da forma mais ridícula e ultrapassada que só as suas mentes limitadas conseguiram, mas perante esta comédia de protagonistas de meia tigela, talvez este fosse o  tempo dos nossos governantes pensarem que urge dignificar a verdadeira cultura, tão premente nos dias que passam para os portugueses, cada vez mais afastados dela, entre populismos baratos, futilidades, pobreza e profundas lacunas de literacia. 

      

 "A educação não transforma o mundo.  

 Educação muda as pessoas.  

 Pessoas mudam o mundo" 

Paulo Freire (inesquecível amigo dos serões de Bissau)»

 

Fonte:

https://retalhosdeoutono.blogspot.com/2020/06/touradas-em-tempos-de-pandemia.html?showComment=1591882254375#c4454274217042182839

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:27

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013

A GRANDE FARSA DO NATAL

Este Natal poderia ser realmente Feliz, se o Touro e o Cavalo, estes dois ANIMAIS magníficos (que em Portugal, inexplicavelmente, os legisladores não consideram animais), pudessem estar tranquilos, a pastar nos campos, ou a aquecer crianças, nas "grutas" deste mundo, sem o estigma da tortura a pesar-lhes na vida.

 

Não foi esse o exemplo deixado por Jesus Cristo, aquele, cujo nascimento os católicos (NÃO) celebram nesta época, esquecendo-se de que foi ao bafo de um bovino e de um burro, que aquele Menino foi aquecido.

 

Hoje torturam os bovinos e os cavalos, impiedosamente, para celebrarem a demência.

 

Que Natal? Que exemplo dá a Igreja Católica?

 

Que celebração?

 

Esta é a época do consumismo. Da hipocrisia.

 

Quase todos fingem uma solidariedade que durante o ano não praticam.

 

O que se celebra nesta época?

 

Não é o nascimento de Jesus.

 

Celebra-se a coca-cola, e tudo o que ela trouxe atrás dela.

 

O Menino Jesus não existe mais. É o Pai Natal quem reina.

 

É uma farsa que se agiganta para vender objectos.

 

E o espírito natalício fica submerso nessa onda desmesurada do consumo e da falsa caridade.

 

Milhares de pessoas no mundo passam fome e morrem de fome TODOS OS DIAS.

 

Mas nesta época, oferecem-lhes comida para “celebrar”.

 

Para celebrar o quê?

 

O VAZIO das almas afundadas na ganância? Na mediocridade? Na desumanização? Na ignorância?

 

Passada esta época, tudo regressa à ANORMALIDADE.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:11

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 9 de Dezembro de 2012

CARTA DE UM MENINO AOS REIS MAGOS

 

 

 

Mais um excelente texto de Julio Ortega, que não posso deixar de transcrever, porque ele também “fala” por mim.

 

 

Texto de JULIO ORTEGA

 

Queridos Reis Magos*:  

 

Este ano não vos escrevo para pedir que me tragais prendas, mas para que leveis umas tantas coisas. Não, não estou louco, acontece que me dei conta de que o que sobra na minha vida está a ocupar o espaço daquilo que me falta, e que sou um menino mais pobre pelo que tenho, do que pelo que já não quero ter.

 

Por favor, levai os animais das mesas de Natal da minha casa. Não me importa quão tenras estejam as costeletas do cordeirinho. Não quero mastigar o seu cadáver, e necessito de que os meus pais, por causa disso, não me olhem como se eu estivesse louco ou como se fosse ficar doente, bem como temo que também terás de lançar no teu saco os preconceitos deles.

 

Levai as armas da casa do meu tio, que é caçador. Não quero que ele me torne a dizer: «Rapaz, não falta muito para que venhas caçar comigo, e logo verás como juntos passaremos uns bons momentos

 

Não! Tenho medo do meu tio, porque o meu tio gosta de matar e sorri quando o faz. Levai as espingardas e os sorrisos dele e, sobretudo, não permitais que me leve a mim com ele.

 

Levai as corridas de touros da minha cidade. E a esses senhores que vêm à minha escola tentar convencer-nos de que os toureiros são uns heróis.

 

Lembro-me que lhes perguntei se eu também seria um herói se   apanhasse um pano e uma faca da cozinha da minha casa, saísse para a rua e depois de dar uns tantos “capotazos” (passos que o toureiro realiza com a capa) ao primeiro cão que encontrasse e o matasse, cravando-lhe uma e outra vez a faca.

 

Um, que me assegurou ter toureado em Las Ventas, disse-me piscando-me um olho: «Bem, não o faças porque é proibido, e além disso isso não é arte, como na tauromaquia, mas só cá entre nós, serias muito valente!»

 

Levai os circos com animais. Melhor dizendo, levai os animais e deixai os circos. Sim, levai os elefantes, os leões, os macacos ou os tigres para o lugar de onde nunca deveriam ter saído, os seus verdadeiros habitats, e deixai os trapezistas, os malabaristas, os palhaços, os contorcionistas…

 

Deixai os que trabalham debaixo do toldo de forma voluntária e por um salário, não os escravos que o fazem, porque estão drogados ou porque lhes dói o castigo físico.

 

Tal como nos dói a todos nós.  

  

Abri todas as jaulas dos jardins zoológicos, levai os animais que lá estão para santuários, e levai também as chaves para que nunca mais possam fechar-se os cadeados. Não quero que os meus pais tornem a dizer-me, a sorrir: «Olha, esta tarde vamos ao zoo, ver os animais», e que eu já não saiba como explicar-lhes que ali só vejo criaturas tristes, doentes de tanto tédio e solidão, prisioneiros que perderam a alegria nos olhares, e toda a esperança de liberdade, e que a mim isso não me diverte, ao contrário, só me destroça o coração.

 

Animais? Não. Fantasmas com forma de animais.

 

Levai os cães e os gatos das montras, levai-os das lojas de animais, porque não quero abrir um embrulho a 6 de Janeiro, e que o meu presente ladre, mie, pie ou dê voltas dentro de um aquário. Não sou um carcereiro, nem um traficante de vidas.

 

A amizade não necessita de pedigree, nem as ruas precisam de mais cães e gatos abandonados, porque cresceram, porque sujam, porque fazem gastar dinheiro ou porque estragam as férias.

 

Levai o egoísmo, a indiferença, a crueldade, a ganância e a ignorância dos adultos. E se não podeis levar uma carga tão grande e tão pesada, trazei-me o seu montante, para que eu possa enfrentar esses adultos e uma sociedade onde os hábitos, as tradições, as diversões e os negócios são tantas vezes o alibi de um crime.

 

Prefiro a desobediência que rompe os laços de sangue, a que outros sangrem devido à minha covardia.

 

*(Em Espanha o mais importante da festa de Natal é a chegada dos Reis Magos, a Belém, por isso as cartas dos meninos são escritas aos Reis, e não ao Pai Natal (moda da coca-cola) ou ao Menino Jesus (a principal personagem da Natividade).

 

Fonte do original, traduzido por Isabel A. Ferreira

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=4549549853222&set=a.1479904274001.2064338.1125623170&type=1

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:15

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«Touradas em tempos de pa...

A GRANDE FARSA DO NATAL

CARTA DE UM MENINO AOS RE...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt