Terça-feira, 21 de Agosto de 2012

A propósito de a Igreja Católica ser cúmplice das celebrações de Santos e Santas com tortura de Touros e Cavalos

 

 
É desta barbárie que a Igreja Católica portuguesa é cúmplice

 

 

Rfof, deixou um comentário ao meu texto Uma vez mais a Igreja Católica portuguesa de mãos dadas com a tortura de seres vivos para celebrar Santos e Santas às 14:34, 2012-08-21.

 

Minha cara Isabel A. Ferreira,

Estou espantado como não consegue, obviamente, viver num meio de seres humanos e levar às últimas consequências aquilo que a mesma senhora defende: que as pessoas são iguais aos animais.

Deixe-me partilhar consigo que a senhora é um excelente exemplar. Contudo, nem todos os humanos - sim, aqueles que procuram viver como humanos e não apenas numa situação puramente natural(!) - pretendem viver como animais.

A grande questão de fundo que aqui se põe é sempre a mesma: podemos discutir infinitamente sobre se a alma (ímpeto) vital dos animais é igual à alma racional do ser humano.

A senhora não quer aceitar os dados que vêm da própria experiência, quanto mais os argumentos filosóficos mais agudos! Não há, enfim, uma discussão possível na medida em que a senhora coloca certos dogmas que são insuperáveis para si...

Não deixa de ser interessante o grande desprezo que tem pela espécie humana em relação com os animais. Eu arriscaria quase a afirmar que a senhora é a favor do aborto e da eutanásia. Se não for, ainda bem! O que acontece a maior parte das vezes é que muitos dos grandes defensores dos direitos dos animais são os primeiros a defender a morte de criaturas indefesas da mesma espécie, se quiser reduzir o discurso a um nível puramente naturalista.

É com muita pena que assisto ao seu fechamento em termos de discussão e a não deixar qualquer porta aberta a um diálogo frutífero. Como disse o Gonçalves: «Não aceito e repugna-me que não aceite o legítimo direito de quem tem opinião diferente, no que se refere à argumentação apresentada». Por fim, fica a esperança que na era apocalíptica, tal como descrita pelo profeta Isaías, em que o cordeiro estará junto do lobo, também a senhora consiga encetar uma paz verdadeira com quem se aproxima de si para a fazer compreender que a realidade do mundo é muito mais que o meio metro que está à sua volta ou que a senhora constrói na sua cabeça.

Ah, e já agora, tente aprofundar um pouco mais os seus conhecimentos bíblicos para não dizer tal número de babuzeiras quando se referiu às passagens bíblicas sobre a criação. É mais uma prova da sua soberba diante de um texto antiquíssimo que diz muito mais sobre o que é o ser humano do que a senhora parece suspeitar. Com os melhores cumprimentos, Espero que compreenda as minhas invectivas, mas continuo a ter igual respeito por si. Rfof

 

***

Como o meu comentário ao comentário do Rfof se alargou (porque tinha de ser, pois já veio na sequência de um outro, que está publicado no post) não coube no quadradinho a ele destinado, por isso, transcrevo-o aqui, porque pode também servir para algo mais.

 

Caríssimo Rfof:

 

Não sei o que o levou a pensar que não consigo viver no meio de seres humanos. Será porque não me considero superior a um animal não-humano?

 

É verdade. Não me sinto superior a um animal não-humano.

 

Porque eu também sou um animal, e estou de acordo com São Francisco de Assis: eles são MEUS IRMÃOS, e tenho o DEVER de os respeitar e de PARTILHAR o PLANETA com eles (até porque foram eles que chegaram primeiro, e nós mal chegámos, começámos a matá-los, a comê-los a DESTRUIR o mundo que era deles.

 

Pois também considero que sou um excelente exemplar de animal humano: não faço mal a uma mosca, literalmente.

 

Sigo uma página no Facebook, intitulada «Dentro do Padrão Divino» em inglês (Inside the Divine Pattern), que recomendo, a qual vem ao encontro da minha filosofia de vida. Um destes dias li, num dos belíssimos posts que lá são publicados, esta fantástica frase: «Eu não tenho de provar que os outros animais (os não-humanos, naturalmente) têm uma alma, muitos já me mostraram a alma deles» (frase de Anthony  Douglas Williams).

 

 É isso. Os animais com quem partilhei e partilho a minha vida, já me mostraram a alma deles. E digo-lhe que há gente que se diz “humana” muito menos racional e desalmada do que qualquer um dos meus amigos não-humanos.

 

Eu aceito os dados que me vêm da MINHA experiência; os filósofos, nem sempre me dizem o que SEI e SINTO. Tenho uma intuição apurada, e isso basta-me para saber da VIDA.

 

Não há discussão possível, tem razão. Eu estou noutra dimensão. Não sou um ser humano comum. Já ouviu falar nos “seres índigos”? Pois sou um deles.

 

Não sei de onde foi tirar a barbaridade que disse: «Não deixa de ser interessante o grande desprezo que tem pela espécie humana em relação com os animais. Eu arriscaria quase a afirmar que a senhora é a favor do aborto e da eutanásia».

 

Não admira. Não conhece nada do meu trabalho. Dos meus escritos. Dos meus artigos. Dos meus livros. Das minhas lutas. NADA. De outro modo não se atreveria a dizer essa ATROCIDADE que disse. É um ignorante a meu respeito.

 

Apenas desprezo, não tenho apreço, para ser mais delicada,  os animais humanos-predadores, os o animal-homem desumano, que não me merecem qualquer consideração. De resto, até as prostitutas merecem o meu respeito.

 

Sou absolutamente contra o aborto. Quanto à eutanásia cada um saberá de si. Se me pedissem para eutanasiar um ser humano, eu não teria coragem de o fazer, por isso, não o faria. Quanto a mim, nunca o pediria.

 

Mas já tive de utilizar a eutanásia nos meus GRANDES AMIGOS NÃO-HUMANOS, que morreram tranquilamente, nos meus braços, sem sofrer os horrores de doenças terminais. Muito abraçadinhos a mim. Sem sofrimento algum. O que me fez doer a alma, e estraçalhá-la aos pedacinhos. E até hoje, o sinto profundamente.

 

O que diz a seguir, no seu comentário, é absolutamente descabido.

 

Eu não estou aqui a discutir IDEIAS ou OPINIÕES. Cada um tem as suas, e eu aceito-as.

 

Estou aqui a discutir atitudes. Actos primitivos. Rituais cruéis contra seres vivos, para divertir sádicos e bêbados. E nesta matéria sou absolutamente intransigente: nenhum ser, dito humano, tem o direito ou a liberdade de torturar um ser não-humano, seja para o que for, muito menos para se divertir.  

 

Neste aspecto não há nada que discutir. Não vamos argumentar quando se trata de torturar ou matar prisioneiros de guerra. Ou vamos? Não temos o direito de torturar ou matar prisioneiros de guerra, que são animais humanos.  Ponto.

 

O mesmo se passa com os animais não-humanos. Ponto..

 

Meu caro Rfof, poderia colocar-me neste momento, diante de Deus, para ser julgada pelos meus actos na Terra, e não teria medo algum desse julgamento. Se é que Deus tem olhos, olharia bem fundo nos Seus olhos e sorriria.

 

O mundo não gira à volta do meu umbigo. O mundo gira à volta de todos os seres vivos, de todas as coisas, animadas e não animadas que existem no nosso Planeta, e pelas quais me bato. Sou um ser cósmico. Faço parte do TODO. Por isso todo o TODO me diz respeito.

 

A mim, o Rfof não me vem falar de “conhecimentos bíblicos”, porque sobre a Bíblia eu tenho a minha própria interpretação.  E baboseiras sobre a criação, diz quem lê a Bíblia nas linhas. Eu leio-a nas entrelinhas, que é onde eventualmente poderá estar a verdade.

 

Como se engana, Rfof, sobre o que diz no seu último parágrafo: «É mais uma prova da sua soberba diante de um texto antiquíssimo que diz muito mais sobre o que é o ser humano do que a senhora parece suspeitar».

 

Esse texto antiquíssimo foi escrito numa época antiquíssima, quando os homens eram antiquíssimos e tinham evoluído pouquíssimo. Apenas a partir do NOVO TESTAMENTO, já com a presença de Jesus Cristo, é que se pode vislumbrar algo da Nova Humanidade, que ainda assim ficou muito aquém daquela que Jesus preconizou.

 

Evoluiu-se tecnologicamente. Mas a mentalidade de certos animais humanos ficou nessa época antiquíssima de que fala, e o mundo é o caos que é.

 

Só mais um pormenorzinho: eu sigo a minha consciência, e sou dotada de espírito crítico.  

 

Não sou maria-vai-com-as-outras.

 

E só pretendo que deixem os animais não-humanos em paz.  

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:26

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
17
18
19
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Posts recentes

A propósito de a Igreja C...

Arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt