Segunda-feira, 25 de Março de 2013

Ó “Engrácia" como pudeste ser tão pascácia?!!!!

 

 

A verdadeira história da Engrácia Prótoiro  

 


Para o génio Albert Einstein há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana, e do primeiro, não está seguro.

 

 

Pela verdade, pelo desmascaramento da prótoiro, pela abolição do cruel ritual tauromáquico, pela libertação dos Touros e dos Cavalos, e principalmente por uma explicação que devo a todos quantos seguiram a história que fui publicando sobre a falsa “Engrácia” e que foram interagindo comigo sem se aperceberem, este texto é imperioso.

 

Não havia outro modo de desmascarar a “engrácia prótoiro”.

 

Eu andava atrás desta "engrácia", já há algum tempo. Agora fartam-se de rir com o que pensam ter sido uma comédia.

 

Nem inteligência tiveram para se aperceberem de que estavam a ser gozados (por mim). E nas mensagens privadas, a tal "engrácia" nem desconfiou que estava a cair numa armadilha.

 

Pediu-me amizade no Facebook. Desconfiei imediatamente, pois com um nome daqueles, Maria Engrácia Facas (note-se a propensão para as armas cortantes) não me mereceu qualquer confiança.

 

Deixei passar algum tempo. Depois decidi aceitar, até para ver no que dava. E como já esperava, lá veio o início da conversa nas mensagens privadas do Facebook. A conversa começou em 18/3 (atenção que a linguagem da “engrácia” está intocável – uma das pistas).

 

10:40

Maria Engrácia Facas

 

http://www.facebook.com/Patolas.Patinhas?fref=ts#!/photo.php?fbid=326397307463870&set=a.279981235438811.46185.279278758842392&type=1&theater

 

Talvez ainda não saiba Isabel.

Que pouca vergonha

Mais uma associação enganada pela protoiro

Isto tem de ser desmascarado

 

11:43

Isabel A. Ferreira

 

Maria Engrácia Facas, não é por nada, mas sendo amiga da prótoiro, porque veio contar-me esta notícia?

 

11:47

Maria Engrácia Facas

 

Desculpe Isabel mas eu não sou amiga da protoiro. mantenho o like apenas para poder acompanhar o que eles vão partilhando.

 

Já expliquei isto a varios amigos que temos em comum e que fizeram a mesma observação. Para além do mais eu venho de uma familia que era criadora de toiros bravos e por isso estou por dentro de todas aalcatruas que eles fazem.

 

12:08

Isabel A. Ferreira

 

Eu também sigo a página. Mas não preciso de colocar lá o "gosto". Não é preciso.

 

12:25

Maria Engrácia Facas

 

E como recebemos as notificações?

 

14:14

Isabel A. Ferreira

 

Não recebemos. Não é necessário receber as notificações para seguir a página.

 

18:19

Maria Engrácia Facas

 

Já retirei Isabel.

 

19:10

Isabel A. Ferreira

 

 

 

Terça-feira

16:20

Maria Engrácia Facas

 

Boa tarde Isabel. Vi agora na pagina da Animal que o responsável pelo donativo de racao da Patolas e Patinhas foi um dos directores da Prótoiro. Investiguei e foi o José Carmo Reis! Que coisas se escondem por detrás deste donativo sujo de sangue? Que pessoas conseguiu ele comprar? Passo esta informação porque a Isabel quando escreve faz com impacto que eu não tenho. Bem haja. Beijinho

 

17:32

Isabel A. Ferreira

 

Tudo o que está por detrás das sujeiras da prótoiro é obra do Carmo Reis. Toda a gente sabe disso. Toda a gente o conhece. É o elemento desestabilizador desse organismo tauricida.

Já não surpreende ninguém.

Obrigada pela informação. Beijinhos.

 

***

 

(Este foi um recado velado para o José Carmo Reis, já não tendo a mínima dúvida de quem era a tal “engrácia”).

 

Entretanto a “engrácia” comentou algo numa publicação no meu mural do FB, ou seja, cantou o fado da desgraçadinha (que eu apoiei, evidentemente). E então começou a verdadeira FARSA:

 

Quarta-feira

19:49

Maria Engrácia Facas

 

Obrigada pelo seu apio Isabel

 

Tudo o que disse é verdade mas pensei ser melhor por aqui continuar a conversa. Eu fui casada durante 27 anos com um filho bastardo da familia (palha mas não revele). O meu nome verdadeiro é Maria Engrácia Facas Palha. Era ele que tratava da ganadaria e teve sempre problemas com o alcool. Fui agredida anos a fio e a agressão não era só fisica. A pior era a psicologica constantemente deitando-me a baixo e rebaixando-me junto de tudo e todos. Levei muita pancada Isabel. Muita. mas acompanhei sempre a vida no campo e a ganadaria embora nunca tivesse gostado de touradas. mas sempre que queria falar o medo era sempre maior.

 

(O resto da história fui publicando no Blogue, à excepção do que a “engrácia” não queria que fosse revelado, e alguma coisa que EU não quis revelar, para poder investigar)

 

***

 

Bem, comecei logo por investigar a família Palha.

A desgraçadinha da “engrácia” tinha um filho Palha que morreu num acidente, mais o pai Palha.

Ora sabendo como sabemos da "importância" da Ganadaria Palha, foi fácil descobrir que não houve mortos dos “famosos” Palha, apenas um acidente de um tal Joaquim Palha.

Se houvesse mortos de tal monta, haveria notícias em todos os pasquins pró-tourada. Mas nem uma notícia, a não ser a do acidente do Joaquim.

 

E pronto.

 

A partir daqui foi só continuar a fazer o jogo da “engrácia”. Queria ver até onde ia a prótoiro, e pegá-la numa esquina.

 

E foi fácil.

 

Quando acharam que estavam a enganar-me, fizeram uma grande festa, embebedaram-se todos, e depois escreveram o texto que foi publicado, e riram-se muito. E acharam que enganaram quem já tem muita experiência nestas coisas e é “especialista” em investigação. 

 

E depois disto lá veio a enxurrada de comentários IDIOTAS de gente como o Miguel Pereira, António, Rui Ferreira, Pró-Toiro, João Bruges, Manuel Marçal, Anónimos… às carradas, e com muito tintol à mistura…

Acham que vou publicar tanta idiotice?

 

Façam o seguinte: vão todos para a escola primária, sigam para a secundária, frequentem uma universidade ESTRANGEIRA (as nossas estão viciadas), leiam muito, deixem de BEBER e depois tentem escrever. Talvez saia alguma coisa que valha a pena publicar.

 

***

 

De tudo o que a “engrácia” quis “desabafar” com a Isabel há muita coisa verdadeira nas entrelinhas.

 

Pois as “engrácias” tauricidas não conseguem ter imaginação para inventar histórias novas. De modo que, quase tudo o que a “engrácia” quis denunciar podemos comprovar.

 

Uma coisa é certa e segura:

 

Os tauricidas embebedam-se à grande, e a violência doméstica é o prato do dia (mulher, filhos e Bezerros, e tudo o que é vivo e se lhes mete à frente, e depois, claro, Touros e Cavalos).

 

Os Touros são maltratados desde que nascem. E os Bezerrinhos que são seleccionados para serem "Touros de lide" são sacrificados em treinos, como podemos ver no link, no fim destas linhas.  

 

Reparem na "espadinha com pico" usada pelos cobardes contra um bebé bovino, e no sangue que mancha a camisa.  Ou será sumo de tomate?

 

Reparem também no despertar da líbido que a tortura provoca nestes psicopatas. a tal necrofilia.

 

 Ó "Engrácia" como pudeste ser tão pascácia?!!!!

 

***

O mundo imundo da ganadaria Palha
(Carreguem em "imagens" e vejam...)

 

 http://www.naturales-tauromaquia.com/reportagens/3244-academia-do-cp-na-ganadaria-palha

(Entretanto, este link foi eliminado, para que o mundo não VEJA verdade macabra que a tauromaquia esconde).


Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:59

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 2 de Maio de 2012

Serão os aficionados necrófilos?

 

 

 

Barrancos (para não dizerem que estas coisas não acontecem em Portugal): olhem a satisfação da criatura ao ver esta imagem horrenda!...

 

NECROFILIA (do grego νεκρός [nekrós], "morto", "cadáver", e φιλία [filía], "amor") é uma parafilia caracterizada pela excitação sexual decorrente da visão ou do contacto com um cadáver.

 

O fenómeno da necrofilia é conhecido desde os mais remotos tempos da história humana, podendo ainda hoje ser observado como costume comum (às vezes até sacralizado) em certas tribos africanas e asiáticas, bem como em manifestações esporádicas no Ocidente (in Wikipédia).

 

Que manifestações esporádicas no Ocidente serão estas?

 

Pensando bem, a tauromaquia poderá ser uma dessas “manifestações”.

 

E perguntar-se-á porquê?

 

Ora, porque carga de água é que um punhado de gente sente PRAZER e APLAUDE e GRITA DE ALEGRIA ao ver o cadáver de um Touro, todo ensanguentado e estraçalhado, caído na arena, ou pendurado nuns ferros?

 

Não se encaixará na definição de NECROFILIA?

 

Pensem bem.

 

É que o facto de se GOSTAR de ver TORTURAR e MATAR um Touro e um Cavalo tem de ter alguma explicação provável.

 

Nós encontrámos esta.

 

***

Acrescentamos aqui (para ficar mais exposto, pois já se encontra no rol dos comentários) um comentário, que Armando Frade fez a este texto,  que é uma preciosidade para o que acabamos de dizer:

 

«Cara Isabel A. Ferreira, ao ler este post, veio-me à memória um episódio que aconteceu em 2008, num debate tipo prós e contra touradas, em que participei com o Dr. Vasco Reis no lado dos contra.

 

Uma das figuras que defendia a tourada, era um tal Dr. Domingos da Costa Xavier, que após as habituais trocas de galhardetes, em que mais uma vez este aficionado se viu sem argumentos (como é hábito). Então páginas tantas, o indivíduo recorreu a um comentário que me parece ter a ver com o tema aqui mencionado. Dizia ele mais ou menos isto: «Nas festas de Barrancos, quem nunca lá foi, não consegue ter uma ideia do que aquilo é. A alegria que aquele povo transpira naqueles dias. Quando da morte do touro, até se sente a alegria daquelas mulheres, pois sabem que nessa noite, vai haver festa rija debaixo dos lençóis»… Após isto, fiquei um pouco em transe com tal observação e respondi: «Ó doutor Domingos, olhe que eu nos meus 42 anos, felizmente nunca precisei de torturar ou matar um ser indefeso, para com isso obter excitação sexual… se aquela gente precisa disso, então alguma coisa está errada para aquelas bandas». Foi uma gargalhada geral da plateia!

 

O fulano ficou vermelho de vergonha! Portanto, algum tipo de desvio comportamental e sadismo, é óbvio que é inerente a quem se diverte com este tipo de actividades que infligem maus-tratos a seres indefesos…

 

A Necrofilia, tendo por base o comentário deste acérrimo aficionado, parece-me perfeitamente enquadrada também!

 

Saudações abolicionistas,

 

Armando Frade»

 

***

 

Posto isto, o que dizer mais?...

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:34

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29

Posts recentes

Ó “Engrácia" como pudeste...

Serão os aficionados necr...

Arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt