Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017

AFICIONADOS DE SELVAJARIA TAUROMÁQUICA, ESTÃO A CHORAR MUITO?

 

Há por aqui algum aficionado de touradas que esteja a chorar baba e ranho pela morte do monstro de Las Vegas, que metralhou uma multidão pacífica, fez 59 mortos e mais de 500 feridos?

 

É que eu não estou. Não me regozijei com esta morte. Mas não estou a chorar baba e ranho. Simplesmente sou indiferente e digo: menos um a fazer o mal neste mundo.

 

LAS VEGAS 22179788_1791509664196451_17475949818256

 (Imagem: David Becker /Getty Images)

 

«Se não estão a chorar deviam, têm muito em comum, este também matou porque sim. Porque gostava, porque fazia senti-lo poderoso, porque lhe dava prazer. Em suma porque como eles (os cobardes tauricidas) era uma besta desprezível, com baixo QI, problemas de auto-estima, problemas cognitivos, incapacidade de sentir compaixão ou empatia. Enfim um sub-humano, que finalmente se foi, embora tarde demais. Esta conclusão pode ser extensiva a seres similares...» (cobardes toureiros, forcados, bandarilheiros, ganadeiros e os sádicos que aplaudem a morte e a tortura na arena, para se divertirem)...

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:03

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 8 de Janeiro de 2017

IN MEMORIAM – PROFESSOR DOUTOR DANIEL SERRÃO

 

Morreu hoje, dia 8 de Janeiro de 2017, aos 88 anos, o Dr. Daniel Serrão, um Ser Humano raro, que tive o privilégio de conhecer, e que me marcou profundamente. Com ele aprendi a dar valor à Vida, seja de quem for essa Vida, e a não temer a morte, porque a morte não é o fim…

 

Dizia Daniel Serrão que é difícil acreditar que chegamos ao fim da vida com tanto saber acumulado, para tudo acabar ali...

 

Obrigada, Dr. Daniel Serrão, por tudo o que me ensinou sobre a Vida, a Morte, a Ética e a Bioética...

 

Muito do que sou hoje, e do que hoje defendo, devo-o aos ensinamentos deste Homo Sapiens Sapiens, que é o orgulho e um exemplo maior para toda a Humanidade.

 

Até sempre... meu Mestre…

 

DANIEL SERRÃO.jpg

                                   Fotografia: Egídio Santos

 

Tive o privilégio de conhecer pessoalmente o Dr. Daniel Serrão, um Homem fascinante, pela sua postura humanista, pelo seu raro saber, pela sua extraordinária lucidez e sensibilidade, pela sua capacidade de cativar uma plateia com a humildade que caracteriza os grandes sábios. Não foi por mero acaso que o Papa Francisco o convidou para seu conselheiro e para integrar a Academia Pontifícia para a Vida.

 

A primeira vez que o vi e ouvi, foi na cerimónia de entrega do Prémio Especial Europeu de Jornalismo/91, que me foi atribuído pelo Conselho de Prevenção de Tabagismo, com o apoio do Programa Europa Contra o Cancro, pelo contributo prestado à luta antitabágica em Portugal, destinada às crianças, no Cantinho do Nicolau, no Jornal O Comércio do Porto, em que ele proferiu uma palestra sobre este tema, extremamente lúcida, profunda e tão perturbante que, se eu fosse fumadora, deixá-lo-ia de o ser naquele mesmo dia, com toda a certeza.

 

De tal modo fiquei fascinada pelo seu saber que nunca mais o perdi de vista, seguindo-o onde quer que ele apresentasse uma palestra. Era como se frequentasse um Curso Superior de cada vez que o ouvia…

 

Mas a que mais me marcou, foi a que proferiu em 1992, na Póvoa de Varzim, convidado pelo Rotary Clube daquela cidade, onde apresentou uma palestra subordinada ao tema «Implicações da Moderna Bioética para a Deontologia Profissional Médica».

 

Transcreverei aqui parte do texto que escrevi na altura, para um jornal poveiro sobre esta palestra, que constituiu uma viragem no meu entendimento da Vida, de todas as Vidas, que passei a defender como se fosse a minha própria Vida.

 

 INTERVENÇÃO DO HOMEM SOBRE A NATUREZA

 

O Professor Daniel Serrão começou por salientar que a Bioética é uma noção que se espalhou pelo mundo, chegando rapidamente a Portugal, constituindo uma preocupação mais do âmbito da sociedade civil do que dos governantes.

 

Quais as suas origens?

 

As investigações da segunda metade do nosso século tornaram possível a capacidade de intervenção dos cientistas nos sistemas biológicos (plantas e animais).

 

Esta possibilidade fez nascer uma primeira nova ciência – a ECOLOGIA – que apareceu quando o homem começou a preocupar-se com a sua intervenção sobre a Natureza (na produção em série de batata, trigo, leite, entre outras).

 

Começou-se então a considerar que esta intervenção poderia ser prejudicial, e os problemas da natureza inquietam o homem quando o seu equilíbrio é comprometido.

 

Todo o processo da vida resultou do mecanismo da adaptação. Os seres sobrevivem se se adaptam ao meio ambiente, e perecem quando essa adaptação falha. Daí nem sempre ser producente pretender manter vivos seres que não podem viver (é esta por vezes a falha das posições ecologistas).

 

No entanto, o que levou ao avanço da Bioética foi o facto de se começar a aplicar as técnicas de intervenção no próprio homem (e temos os exemplos do bebé proveta e o da transplantação de tecidos). Tal situação originou problemas de natureza ética.

 

Ora a Ética, segundo o Professor Dr. Daniel Serrão, é uma categoria do pensamento (tal como a lógica), que leva a avaliar as situações segundo valores. E os valores não são absolutamente bons nem absolutamente maus, daí que a sua utilização não seja igual, e tomar decisões segundo valores estabelecidos pode provocar complexos casos de consciência.

 

Como não somos um, mas milhões de seres, os valores éticos devem ser definidos pela maioria das pessoas, o que constitui, à partida, um imperativo ético.

 

De acordo com o Dr. Daniel Serrão, as sociedades mudam, bem como mudam as pessoas, e essas mudanças vão do universo ético ao universo do Direito transformando-o em norma jurídica. Na Bioética a norma religiosa não tem cabimento, pois ela vai buscar o seu fundamento fora do homem, e quando a norma religiosa se transforma em norma jurídica, temos aqui uma perversão profunda (tal como o é o fundamentalismo islâmico).

 

Para o Dr. Daniel Serrão, a morte do homem pelo homem não se justifica. Então como modificar essa perversão de valores? Pela reconversão através do sistema educativo.

 

PENSAR EM TERMOS DOS VALORES DA HUMANIDADE

 

Um terceiro ponto focado pelo Dr. Daniel Serrão e que levou ao desenvolvimento da Bioética foi o de que as tecnologias avançadas no campo da Ciência Biológica estão hoje à disposição dos próprios médicos, e isso começa a assustar as pessoas.

 

Os médicos (incluindo os veterinários) têm nas mãos o poder de transformar os sistemas biológicos do homem (e também de todos outros animais) daí ser necessário que os profissionais tenham regras fixas de deontologia e possam ser responsabilizados pelas suas intervenções nesse campo.

 

O conjunto dos três pontos já referidos criou a Bioética que nasceu em 1970, o que conduz à necessidade de uma nova disciplina que aprofunde o conhecimento da Biologia e faça pensar estes problemas sob uma perspectiva de reflexão ético-cultural.

 

NOVO HUMANISMO BASEADO NA SOLIDARIEDADE

 

A Bioética, ainda de acordo com o Dr. Daniel Serrão, não tem fundamento jurídico, nem religioso. Onde se poderá encontrar então o seu fundamento?

 

Em primeiro lugar, o homem é um animal cuja evolução nos trouxe desde os antropóides (de há 600 mil anos atrás) até aos nossos dias, sendo que a inteligência reflexiva existente nos homens os distingue de todos os outros animais, igualmente inteligentes.

 

A Ética nasce então, quando reconhecemos que os outros são exactamente iguais a nós.

 

O Novo Humanismo deverá ser o da Solidariedade Humana, condição única que poderá levar à sobrevivência da Humanidade. Por conseguinte, o primeiro princípio da Bioética é o do respeito pela própria estrutura biológica de cada ser vivo.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:04

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 18 de Dezembro de 2016

BOAS FESTAS??????

 

 

Os votos andam por aí… de boca em boca…

 

Os católicos celebram o nascimento do Menino Jesus, que nasceu numa manjedoura, humildemente…

 

O mundo rejubila com pais-natal e luzes… e um apelo irracional ao consumismo…

 

Enquanto isso… no outro lado da Vida, existe o caminho da morte, da tortura, da fome, da violência, da guerra…

 

E o mundo importa-se? Os governantes insanos que promovem guerras insanas importam-se?

 

E os que falam em nome dos deuses importam-se…?

E tu? Importas-te…

 

CR1.jpg

… com esta fome…?

CR2.jpg

… com esta guerra…?

CR3.jpg

 … com esta morte…?

CR4.jpg

 … com este suicídio forçado…?

CR5.jpg

 … com o uso de armas químicas…?

CR6.jpg

… com armar meninos para serem soldados…?

CR7.jpg

 … com crianças/produtos expostos para venda…?

CR8.jpg

 …com esta violência doméstica…?

CR9.jpg

 … com o trabalho infantil…?

CR10.jpg

 … com a escravatura infantil…?

CR11.jpg

 …com os prisioneiros do mal…?

CR12.jpg

 …com esta redução à condição de nada…?

 

CR13.jpg

…com a morte como única opção…?

 

Não, não me peçam para celebrar a hipocrisia…

 

Não enquanto o mundo estiver impregnado da loucura de governantes insanos…

 

Eu, individualmente, nada posso fazer para os impedir, a não ser mostrar as imagens dessa insanidade e indignar-me com ela…

 

(Origem das imagens: Internet)

 

 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:13

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 27 de Outubro de 2016

O DIA EM QUE A MORTE SE APAIXONOU PELA VIDA

 

(Ah! se os caçadores conseguissem entender este vídeo!!!!)

 

O “Dia em que a Morte se apaixonou pela Vida” é uma emocionante, surpreendente e belíssima animação de Marsha Onderstijn.


“The Life of Death” é um curta-metragem que conta a história da Morte, que apenas faz o seu trabalho diário de tocar aqueles que já cumpriram o seu tempo na Terra.
E essa rotina muda, quando ela se apaixona pela Vida , ou melhor, por um ser vivo que parece tirar proveito da vida. Porém, o tempo de ninguém pode ser adiado para sempre.

 

Sobre o vídeo, Vinícius Carrascosa escreveu: «A ideia de não simbolizar a morte como vilã nem como um fenómeno a ser combatido é o que embeleza e suaviza a ideia da animação, compreender que a morte não representa algo distinto e paralelo à vida, mas sim um estágio inerente e fundamental da mesma, eu diria que a morte caracteriza um espectáculo existente».

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:03

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 8 de Junho de 2016

A TORTURA E A MORTE DE UM ANIMAL SENCIENTE APLAUDIDA DE PÉ PELOS SÁDICOS

 

E é este tipo de “diversão” que o governo português considera apropriado para crianças, adolescentes e jovens, sim, porque isto também acontece em Barrancos, às claras, com crianças na assistência, e em Monsaraz (debaixo de panos); e toureiros portugueses menores de idade, como um tal de Juanito, vão para Espanha, torturar e matar bovinos indefesos, cobardemente, cruelmente, sadicamente…

Isto será “coisa” humana?

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:16

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Abril de 2016

MAIS UMA MATANÇA DE PORCO ILEGAL DESTA VEZ A REALIZAR NA ALDEIA DE NOGUEIRA (OLIVEIRA DO HOSPITAL)

 

E da morte fazem festa!!!!

É triste viver num país em que é permitido matar seres vivos em público para fazer uma festa

Uma vez mais chamamos a atenção das autoridades competentes para esta matança ilegal a realizar pela Liga de Melhoramento Desporto e Cultura da Aldeia de Nogueira.

 

MATANÇA DE NOGUEIRA.jpg

 

Exmas. Autoridades,

mcarmo.caetano@dgav.pt, joao.ss@dgav.pt, ct.evr@gnr.pt, ct.evr.devr@gnr.pt, correio.asae@asae.pt, sepna@gnr.pt

 

Encontra-se anunciada a realização de uma “matança do porco”, para o próximo dia 24 de Abril de 2016, na Aldeia de Nogueira, concelho de Oliveira do Hospital organizada pela Liga de Melhoramentos Desporto e Cultura da Aldeia de Nogueira.

 

Como se sabe, esse tipo de eventos foi admitido pelo Despacho DGAV n.º 14535-A/2013, de 11 de Novembro, contudo, em obediência a apertados requisitos relativos à protecção dos animais, incluindo a contenção, atordoamento e sangria, entre outros aspectos do ponto de vista higieno-sanitários.

 

Com efeito, eventos como o referido têm carácter excepcional e tendência a desaparecer, não sendo admissível nos nossos dias que se faça da “matança” de um animal senciente um evento festivo, presenciado e aplaudido, quer por adultos, quer por crianças. Há muitas formas de confraternizar e de promover o divertimento sem ser às custas do sofrimento de animais que nos merecem respeito e consideração.

 

Assim, venho solicitar a Vossas Excelências se dignem a ordenar a fiscalização da situação agora denunciada, por forma a impedir que se realize a “matança” de um animal em desrespeito por todos os requisitos legais aplicáveis.

 

Solicito igualmente que me sejam informadas as diligências e resultados obtidos.

 

Com os melhores cumprimentos,

Isabel A. Ferreira

 

Fonte:

https://www.facebook.com/156881601035525/photos/a.851942601529418.1073741826.156881601035525/1093836464006696/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:12

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2015

A SABEDORIA QUE FALTA AO homem PARA SER HOMEM

 

Pitágoras de Siracusa disse um dia aos seus netos:

 

«Enquanto o homem continuar a ser o destruidor dos seres animados, dos planos inferiores, não conhecerá a saúde nem a paz. Enquanto os homens massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros.

Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor»

QUEBRA DO SILÊNCIO.png

 

* Pitágoras foi um filósofo e matemático grego

Fonte:

http://grito-silenciado.blogspot.pt/2015/12/pitagoras-de-siracusa-disse-um-dia-aos.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+QuebraDoSilncio+(Quebra+do+Sil%C3%AAncio.)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:47

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2015

O CULTO DA BARBARIDADE

 

«Como as imagens do vídeo demonstram, a tourada é o culto da barbaridade. É o culto da dor, do sofrimento, da morte. E quem assiste a este culto é conivente com uma prática abjecta. É conivente com uma vil prática. Quem assiste a este culto é conivente com bárbaros, com assassinos. É conivente com Psicopatas, com Sociopatas!»

(Mário Amorim)

 

 

Não sei como é que alguém, no seu juízo perfeito, pode aplaudir está prática repugnante, e chamar-lhe “arte" e “cultura"!

 

Entender “isto” está para além da minha compreensão de simples mortal.

 

É inconcebível a existência de uma “coisa” destas, nos tempos que correm.

 

Depois exigem de nós respeito, delicadeza, educação, um tratamento VIP para com estes monstros tauricidas.

 

É impossível fazer poesia sobre tamanha crueldade.

 

(Isabel A. Ferreira)

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:55

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 31 de Agosto de 2015

NÃO CULPEM O POVINHO DE BARRANCOS PELA MORTE CRUENTA DOS TOUROS…

 

… porque o povinho de Barrancos nasceu e cresceu a achar (porque nem sequer consegue pensar) que o mundo gira á volta da tortura de Touros, que o Estado português promove, e nunca lhe deu a oportunidade de evoluir…

 

BARRANCOS.jpg

Vejam o que esta imagem nos mostra: umas criaturas (uma até está dependurada de cabeça para baixo, tal deve ser a piela!) que são a negação da espécie humana

 

O maior culpado desta incultura, em Barrancos, é o ex-presidente da República Portuguesa, Jorge Sampaio, que ficará para sempre ligado a esta selvajaria, pois foi ele que ratificou a lei de excepção que permite a matança cruel de Touros em público, para que os sádicos possam masturbar-se mentalmente ao visualizar o atroz sofrimento de um animal…

 

E pensar que Jorge Sampaio foi recentemente um dos agraciados na primeira edição do Prémio Nelson Mandela, das Nações Unidas, pelo seu trabalho por um mundo melhor... (um mundo melhor...?).

 

Eis o mundo melhor que ele deixou ao povinho de Barrancos e a Portugal: uma indignidade!

 

O Prémio Nelson Mandela ficou, deste modo, conspurcado…

 

Com toda a certeza, a ONU desconhece esta faceta de aficionado de Touradas, de Jorge Sampaio.

 

Algo que não abona nada em seu favor, pois uma vez abolida esta selvajaria, todos os que de um modo ou de outro estiveram ligados a ela, ficarão perpetuados no Livro Negro da Tauromaquia, tal como os outros têm o nome escrito a negro nos Livros Negros do Circo Romano, da Escravatura, da Inquisição, do Holocausto Judeu… enfim… em tudo o que era e já não é

 

Quando a abolição da tauromaquia acontecer (porque ela vai acontecer e já não falta muito), Jorge Sampaio será recordado, não pelo trabalho que realizou por um mundo melhor, mas porque, ao contrário de fazer evoluir o povinho atrasado de Barrancos, deu-lhe lenha para se queimar na fogueira de um ignóbil costume bárbaro, atirando-o para um tempo anterior ao dos homens das cavernas, que eram muito mais civilizados do que os que hoje se divertem a torturar e a matar seres vivos.

 

Não culpem o povinho de Barrancos pelo atraso civilizacional em que está mergulhado.

 

Culpem Jorge Sampaio que o afundou ainda mais no repugnante e desprezível mundinho dos sádicos.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:59

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 30 de Agosto de 2015

OS TORTURADORES DE ANIMAIS

 

«Uma das coisas mais perigosas que pode acontecer a uma criança é matar ou torturar um animal e não acontecer nada com ela», afirma a antropóloga Margaret Mead.  

 

Mas isto é algo tão óbvio, mas tão óbvio, que não seria necessário qualquer tipo de “estudo”, se os ditos seres humanos auto-intitulados “racionais” fossem realmente racionais e seres humanos.

 

Vejamos o que dizem os estudiosos, a tal respeito, no Blog «Psicologia Forense», de uma psicóloga brasileira, que se dedica a “tratar” criminosos…

 

TORTURADOR DE ANIMAIS.jpg

«Por detrás de um torturador de animais há um transtorno mental» (Rodrigo Córdoba, presidente da Associação latino-americana de Psicologia)

Origem da foto:

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/08/28/presidente-de-la-asoc-latinoamericana-de-psiquiatria-asegura-que-maltratadores-de-animales-pueden-repetir-esta-conducta-en-humanos/

 

«Em qualquer pessoa que, uma vez, chegue à conclusão de que a vida de qualquer animal é indigna de ser vivida, existe o risco de que um dia ela também chegue à conclusão de que a vida humana não vale nada», escreveu certa vez o humanista Albert Schweitzer.

 

Hoje, os actos violentos contra animais são considerados indicadores de transtorno mental. Nos Estados Unidos, estudos têm convencido sociólogos, legisladores e tribunais de que actos de crueldade contra animais merecem sim a nossa atenção. Esses actos podem ser os primeiros sinais de uma doença mental que levará os atacantes a serem violentos com seres humanos.

 

«Assassinos … as suas carreiras muitas vezes começam na infância, torturando ou matando animais», afirmou o agente do FBI, Robert K. Ressler, o mais famoso especialista em serial killers.

 

Ressler não está sozinho.

 

«Uma das coisas mais perigosas que pode acontecer a uma criança é matar ou torturar um animal e não acontecer nada com ela», afirma a antropóloga Margaret Mead.

 

«Desde o tempo em que eu era uma jovem promotora de justiça posso testemunhar a correlação directa entre crueldade de animais e violência contra seres humanos. A tortura de animais é o primeiro indicador doméstico de violência. Uma criança que tortura animais ostenta desprezo pela vida e mais cedo ou mais tarde irá atacar pessoas» refere Jeanine Pirro, Promotora de justiça, do Condado de Westchester, Nova Iorque.

 

A crueldade e violência contra animais podem ser sintomas de um profundo distúrbio. Pesquisas nos campos da psicologia e criminologia mostram que pessoas que começam por torturar animais, seja na infância ou na vida adulta, acabam por cometer as mesmas torturas contra pessoas.

 

O FBI foi o primeiro a descobrir essa ligação. Desde os anos 70, quando as informações de crimes puderam ser reunidas e melhor analisadas em bancos de dados, devido ao avanço da tecnologia informática, conseguiu-se mostrar que os repetidos actos de violência contra animais são uma das características comuns em estupradores e assassinos em série, com psicopatia.

 

Estudos actuais mostram que criminosos violentos são mais susceptíveis de torturar animais. Em 2010, a Universidade da Flórida realizou um estudo com pacientes do seu departamento de psiquiatria que repetidamente torturavam cães e gatos. O estudo mostrou que todos eles mostravam altos níveis de agressividade para com pessoas, inclusive um dos pacientes havia assassinado uma criança.

 

Outro estudo realizado pela Universidade do Noroeste (Boston) e pelo Massachusetts SPCA (Sociedade de Prevenção Contra Crueldade a Animais) concluiu que pessoas que na infância torturam animais, são cinco vezes mais propensas a cometerem crimes violentos contra humanos. Os investigadores entrevistaram centenas de prisioneiros que estão no corredor da morte da Penitenciária de San Quentin, na Califórnia, e mais de 80% deles afirmaram ter cometido maus-tratos contra animais na infância.

 

As crianças podem maltratar animais imitando um membro da família que o faça. Também podem maltratar animais com o intuito de descarregar a sua raiva e ansiedade. Mas também podem maltratar animais pelo simples facto de serem maus. De qualquer forma, deve ficar-se atento.

 

 

A tortura e morte de animais é uma das características presentes em crianças com psicopatia. Já era tempo de as autoridades reconhecerem que a tortura exercida contra qualquer ser vivo é inaceitável e constitui um perigo para a sociedade. Além disso, as crianças devem ser ensinadas a respeitar os animais e cuidar deles. Se uma criança constantemente tortura animais, mesmo após o conselho dos pais, é sinal de que algo deve ser feito.

 

Moradores da cidade-satélite de Alerce Sur, a 14 quilómetros de Puerto Montt, no Chile, estão assustados e consternados. Há cerca de seis meses, em diferentes lugares, animais desaparecem e são encontrados apedrejados e mutilados.

 

A denúncia foi feita por uma mulher que vive na região e relatou os últimos acontecimentos ao Grupo de Educação pelos Animais de Alerce (GEAA). Ela contou que saiu à procura do seu gato e algumas crianças disseram-lhe para ver se estaria num terreno próximo, porque outras crianças da vizinhança praticavam tiro ao alvo com animais, amarrando-os para que não pudessem fugir. A mulher foi ao local indicado e encontrou os corpos de três gatos em estado de decomposição.

 

De acordo com Juan Jose Orellana, director da GEAA, os responsáveis pelos maus-tratos que resultaram nas mortes dos animais seriam três crianças, de 6 a 10 anos, que pertencem a famílias com antecedentes criminais, muito temidas no bairro, e, portanto, os moradores de Alarce Sur não tinham coragem de denunciar o caso à polícia. Ele também relatou que visitou o local e encontrou restos de cães, de gatos e de uma cabra.

 

«Nós sabemos quem são os pais dessas crianças. O grande problema que enfrentamos é que os vizinhos não querem denunciá-las, uma vez que se trata de famílias perigosas, que provocam medo. Infelizmente, até que tenhamos um vídeo ou fotos das crianças cometendo esses actos cruéis, a polícia nada pode fazer. O importante é que elas já estão identificadas e a vizinhança, no anonimato, vai ajudar a reunir provas para denunciar a situação da melhor maneira possível”, referiu Juan Jose Orellana.

 

Este defensor dos animais afirmou também que a grande preocupação da GEAA é que, se essas crianças tão pequenas já são tão cruéis, provavelmente serão futuros criminosos e assassinos, e salientou a importância da educação, do respeito pelos animais nas escolas, para que esses incidentes não aconteçam. «Está cientificamente comprovado que assassinos em série maltratavam e matavam animais quando eram crianças», salientou Juan Jose Orellana.

 

 

É necessário que a sociedade exerça uma pressão maior em escolas e também junto às autoridades judiciais em casos que envolvam tortura de animais.

 

As leis devem deixar bem claro de que a tortura contra seres vivos é inaceitável. Os pais devem observar os filhos, e não podem ignorar quando o filho agir cruelmente contra animais.

 

Juízes, promotores de justiça, agentes da Polícia, assistentes sociais e investigadores devem descrever, em relatórios, a tortura exercida contra animais, uma vez que isso será importante para avaliar se alguém representa uma ameaça à família e à sociedade.

 

Essa análise pode evitar casos como os que passarei a relatar:

 

Foi na infância que o norte-americano Edmund Kemper mostrou os primeiros indícios de comportamento psicopata. Além de brincar com as bonecas da irmã simulando bizarros comportamentos sexuais, o pequeno Kemper gostava de enterrar vivos os gatos que encontrava pela região. Cansado de enterrá-los vivos, o futuro serial killer começou a decapitar gatos e espetar as cabeças deles em varas.

 

Não é difícil imaginar o que uma criança que brinca a decapitar gatos fará quando crescer. Em 1964, aos 15 anos de idade, Edmund Kemper começou o seu reinado de sangue assassinando os avós numa fazenda. Foi internado num hospital psiquiátrico onde testes revelaram ter um QI de 136. Cinco anos depois, saiu do hospital para continuar a matar. Assassinou mais seis pessoas em nove meses. Kemper matava meninas, levava os corpos para o porão da casa da sua mãe e dissecava-os. Decapitava os corpos e fazia sexo com o cadáver sem cabeça.

 

Em Abril de 1973, Edmund Kemper assassinou a própria mãe com um martelo, decapitou-a, e usou a cabeça dela para praticar sexo oral. Retirou as cordas vocais da mãe e atirou-as fora, pois segundo Kemper: «Mesmo morta, ela não parava de gritar comigo!».

 

Depois de assassinar a mãe, Edmund Kemper entregou-se à polícia por vontade própria e disse que gostaria de ser torturado até a morte. Na cadeia tornou-se um prisioneiro exemplar, lendo livros que eram gravados em fita para serem ouvidos por cegos.

 

Perguntado certa vez por um repórter sobre o que ele pensava ao ver uma menina bonita a andar na rua, Kemper respondeu:

 

«Eu fico a imaginar como ficaria a sua cabeça num espeto».

 

***

Os três filhos do canadense Keith Hunter Jesperson não devem ter boas lembranças do pai. O gigante de mais de dois metros de altura costumava torturar gatos no quintal da sua casa para horror dos filhos.

 

«O meu pai costumava matar gatos que andavam pelas redondezas. Uma vez vi-o a partir o rabo de vários gatos e pendurá-los, com um nó, pelo rabo, no varal do quintal. Fui a correr contar à minha mãe, e quando regressámos os gatinhos estavam mortos no chão e o meu pai a rir-se», contou Melissa Moore, filha de Keith, no livro «Silêncio Quebrado: A História Não Dita da Filha de Um Serial Killer.»

 

Este testemunho da filha de Keith Hunter é interessante, pois notamos que o serial killer continuou na vida adulta o que ele fazia quando criança: torturar e matar animais. Keith Hunter teve uma infância difícil, cresceu sem o apoio dos pais e constantemente sofria bullying dos seus colegas devido à sua altura desproporcional. Gostava de torturar pássaros, gatos e cães que ele apanhava nas ruas. Espancava-os com barras de ferro até à morte. Começou aos seis anos esmagando cabeças de esquilos e, segundo ele próprio, aos 20 já tinha matado todos os animais que conhecia.

 

«Eu era Arnold Schwarzenegger. Era como se eu brincasse às guerras. Quando eu olhava para os cães, eles morriam de medo. Agachavam-se e faziam xixi. Ficavam tão assustados ao ver-me que começavam a tremer. Tu chegas ao ponto em que matar não é nada demais. É a mesma sensação (matar animais e humanos). Tu sentes a pressão na garganta deles (animais) tentando respirar. Tu realmente tiras a vida desses animais e não há muita diferença. Eles lutam pelas suas vidas tanto quanto um ser humano» afirmou este serial killer, para espanto de uma repórter que o entrevistou na prisão.

 

Se pensam que os pais deste pequeno monstrinho foram negligentes acertaram. Mas pior do que a negligência é a cumplicidade.

 

«Uma vez o meu pai viu-me a atirar um gato contra o chão e a estrangulá-lo. Ele ficou orgulhoso do que eu fiz com o gato e gabava-se aos vizinhos de como eu me havia livrado dos cães e gatos das redondezas. Isso motivou-me para continuar a matar, e logo comecei a pensar como seria matar um ser humano». Afirmou Keith Hunter.

 

Depois de se separar da mulher, em 1990, começou uma onda de matança nos Estados Unidos que durou cinco anos. As suas vítimas eram prostitutas e mulheres que ele conhecia em bares de estrada (ele era motorista de camião). Matou a esmo durante cinco anos até cometer o erro de matar uma ex-namorada.

 

Keith Hunter confessou mais de 160 assassinatos descrevendo as suas vítimas do sexo feminino como “pilhas de lixo.” Ficou conhecido como “O Assassino da Cara Feliz”, por desenhar um rosto sorrindo nas cenas dos crimes.

 

Existem muitos outros exemplos de assassinos que começaram na infância a torturar e a matar animais. Estes são apenas alguns. A lista é enorme. Assim como a psicopatia, esse tipo de comportamento existe em todas as raças e não é restrito a um grupo específico de pessoas. A maioria dos casos citados envolve norte-americanos por um simples motivo: os Estados Unidos são o país onde mais se estuda estes criminosos. Eles possuem bastantes bancos de dados com todos os tipos de assassinos, criminosos e todos os detalhes dos seus comportamentos.

 

Estudos e pesquisas sobre criminosos e os seus comportamentos é o que não falta por lá (…) dando a falsa impressão de que psicopatas, serial killers, assassinos, spree killers só existem nos Estados Unidos, mas não, eles existem em todos os lugares, em uns mais do que noutros.

 

O objectivo deste texto é deixar claro, principalmente para quem é pai e mãe, que crianças podem, sim, ser más. Deixar claro que o comportamento desrespeitoso, manipulador e mentiroso pode não ser uma simples falta de educação. Existem, sim, crianças psicopatas, e como leram acima, muitas delas tornam-se sádicas assassinas e serial killers quando adultos. O destino delas e de dezenas de outras pessoas podem estar nas suas mãos.

 

Finalizo o post com uma frase do serial killer Keith Hunter Jesperson:

«Esse pensamento de matar um ser humano ficou comigo durante anos, até que uma noite aconteceu. Espanquei uma mulher até quase matá-la, terminei o serviço estrangulando-a. Não procurava mais animais para matar. Agora eu procurava pessoas para matar. E eu matei. Matei, matei e matei, até ao dia em que fui apanhado. Agora estou a pagar por isso, pelo resto da minha vida, atrás das grades. O comportamento criminoso contra animais é um dos sintomas de um futuro assassino. Nós devemos parar com a crueldade sobre qualquer ser vivo antes que isso se torne um problema maior, como aconteceu comigo».

 

Origem do texto (reproduzido para Língua Portuguesa):

http://psicologia-forense.blogspot.pt/2012/12/os-torturadores-de-animais.html

Fonte:

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/08/28/os-torturadores-de-animais-3/

 

***

 

LIGAÇÃO ENTRE A CRUELDADE ANIMAL E TRANSTORNO DE PERSONALIDADE

(Abrir o link)

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/08/27/nuria-querol-presents-ligacao-entre-a-crueldade-animal-e-transtorno-de-personalidade/

 

A CRIMINOLOGIA E O MALTRATO ANIMAL

(Abrir o link)

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/276858.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:55

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
16
17
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

AFICIONADOS DE SELVAJARIA...

IN MEMORIAM – PROFESSOR D...

BOAS FESTAS??????

O DIA EM QUE A MORTE SE A...

A TORTURA E A MORTE DE UM...

MAIS UMA MATANÇA DE PORCO...

A SABEDORIA QUE FALTA AO ...

O CULTO DA BARBARIDADE

NÃO CULPEM O POVINHO DE B...

OS TORTURADORES DE ANIMAI...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

DIREITOS

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

COMENTÁRIOS

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt