Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2020

Sobre Incêndio de Santo Tirso: PAN chama Eduardo Cabrita, Ministro da Administração Interna, ao Parlamento com carácter de urgência

 

Num comunicado de imprensa, o Grupo Parlamentar do PAN - Pessoas-Animais-Natureza informa que deu entrada de um requerimento em que solicita com carácter de urgência a presença do Ministro da Administração Interna (IGAI), Eduardo Cabrita, no Parlamento para prestar esclarecimentos sobre os procedimentos do processo de inquérito relativo à actuação da GNR e da Protecção Civil no âmbito do incêndio na Serra da Agrela, em Santo Tirso, que resultou na morte desastrosa de cerca de 100 animais.

 

Cinco meses que são passados sobre este lamentável acontecimento, a IGAI concluiu «não haver indícios da prática de qualquer infracção disciplinar por parte dos guardas da GNR e dos agentes da Protecção Civil no incêndio na Serra da Agrela». No entanto, para a líder do grupo parlamentar do PAN, Inês de Sousa Real, «a morte destes animais poderia ter sido evitada com o seu resgate. Urge, por isso, o cabal esclarecimento do processo que conduziu a estas conclusões, mas sobretudo o apuramento de responsabilidades para que Santo Tirso não fique esquecido, porque quem lá esteve não conseguirá esquecer».

 

Acontece que na sequência do incêndio que atingiu a Serra da Agrela no passado mês de Julho, foram divulgados vários testemunhos, relatos e material fotográfico, mostrando o envolvimento de centenas de cidadãos, que se mobilizaram para resgatar os animais que ainda se encontravam dentro dos abrigos atingidos, e aos quais foi negado acesso pelas forças de autoridade presentes no local, resultando na morte de cerca de 100 animais que se encontravam em dois canis em situação ilegal.


***

Sempre ouvi dizer que em tempo de guerra não se limpam armas, e em caso de incêndio, se ali estivessem pessoas em causa, de certeza que as autoridades teriam deixado a população entrar em terreno privado para as salvar.   Ou não?  A vida de um cão, também é vida, e toda a vida, até a do mais execrável dos criminosos, que por aí andam a atormentar os seres viventes, merece ser salva do fogo. Ou não? Acontece que os cães estavam confinados, muitos deles agrilhoados e nem sequer podiam fugir. O que se passou foi absolutamente abominável. (Isabel A. Ferreira)

 

cao_em_abrigo_de_santo_tirso_que_ardeu11706290defa

Foto: Facebook pelos Animais de Santo Tirso

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:15

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2020

«Os inquéritos do Eduardinho»: análise das aventuras e desventuras do Ministro da Administração Interna de Portugal

 

Uma excelente análise por Teresa Botelho, no seu Blogue Retalhos de Outono:

 

«Quando se entra na chamada 3ª idade, temos duas escolhas que poderão depender da postura mais ou menos alerta de cada um, obrigando alguns a seguir o bando sem questionar o que os rodeia, numa rendição morna e passiva ao sistema, com um encolher de ombros tolerante, mesmo perante o intolerável e outros a intervir, partindo a loiça e dizendo, alto e bom som, o que lhes dá na telha sem medo nem preconceitos!»

 

JOSÉ SENA GOULÃO-LUSA.jpg

Foto: José Sena Goulão/ Lusa 

 

«Ouvimos repetidamente dizer que em Portugal, os Direitos Humanos são respeitados!  

 

Ouvimos igualmente dizer que Portugal é um Estado de Direito, onde as liberdades e a dignidade humana são respeitadas, mas será que são mesmo, ou isso só acontece às vezes quando convém?

 

O dever de respeitar o outro, seja qual for a sua origem, cor, género, opções sexuais, religião, etc., faz parte de uma ética sociocultural que cada um de nós deveria adoptar a cada passo e sem desvios...

 

O "orgulhosamente sós", apregoado numa das épocas mais sinistras da nossa História, foi finalmente trocado pelos novos tempos que tiveram o privilégio de nos escancararem as portas para um mundo até então ignorado, habitado por outras gentes e diferentes culturas que bem ou mal, nos vão ensinando que a vida não pode ser a "Alegoria da Caverna", mas sim o normal mar de conhecimento e experiências que nos obrigam a sair do isolamento e da ignorância, para que possamos reflectir com clareza, para além das fronteiras acanhadas em que nascemos. 

 

Quando se entra na chamada 3ª idade, temos duas escolhas que poderão depender da postura mais ou menos alerta de cada um, obrigando alguns a seguir o bando sem questionar o que os rodeia, numa rendição morna e passiva ao sistema, com um encolher de ombros tolerante, mesmo perante o intolerável e outros a intervir, partindo a loiça e dizendo, alto e bom som, o que lhes dá na telha sem medo nem preconceitos! 

 

É por pertencer ao segundo grupo que hoje decidi dar largas à minha revolta, pela tentativa, felizmente frustrada, de encobrimento do assassinato e tortura de um cidadão ucraniano no aeroporto de Lisboa, por inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fonteiras (SEF), no dia 12 de Março do corrente ano e por ter tido conhecimento da forma criminosa como são tratados muitos dos que, vindos de outros países, ousam entrar em Portugal pelo aeroporto, ingenuamente convencidos que aqui encontrarão respeito, decência e melhores condições de vida!   

 

Posto isto, é com profunda repulsa que coloco como rosto principal deste caso, em concreto, o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, pela forma imoral como pretendeu ocultar e depois arrastar o caso no tempo, até um possível esquecimento e  desvalorizando o valor de uma vida que era seu dever proteger!

 

A ele, junto igualmente uma vasta trupe em altos cargos públicos, assim como uma instituição pública, cujo vergonhoso intuito de passar incólume entre os "pingos da chuva", fugindo cobardemente à justiça e às responsabilidades, com a absurda desculpa de que os nove meses em que todos eles fizeram silêncio sobre a morte de um inocente, se deveu apenas à pandemia!   

 

A todos esses indigentes, despojados de humanidade e valores,  junto ainda o Presidente da República, tão pródigo na distribuição de afectos e generoso com os "pobrezinhos", sobretudo quando as televisões estão por perto, ou nos supermercados, quando empurra sorridente o carrinho de alimentos para o Banco Alimentar, não se lembrando sequer que neste caso, uma mulher e duas crianças, perderam além do seu sustento, um ente querido, porque o Estado que ele próprio representa, torturou e matou barbaramente, o importante pilar de apoio a uma família!  

 

Este é sem dúvida um caso de contornos sinistros que ao mesmo tempo nos mostra que além de sermos governados por gente sem caracter, escrúpulos, nem princípios, temos também um "cavalinho de cortesias" em Belém, presente em qualquer evento público, que lhe possa encher o inflamado ego, cangalheiro oficial em funerais mediáticos e missas, mas cuja presença, afinal não passa de  hipocrisia, porque só quando percebeu que a sua falha institucional de apoio às vítimas, era criticada em véspera de eleições, é que achou por bem, dar ao país uma falsa justificação, facilmente desmontada, já que em outros casos, nunca o desenrolar de qualquer inquérito judicial, foi entrave às suas frequentes aparições "caridosas" e opiniões, por isso, poderemos aqui facilmente afirmar que as últimas explicações dadas, quanto à omissão deste caso, não passaram de uma deslavada mentira!     

 

Sem dúvida que esta pandemia tem tido as costas largas, mas é estranho que só agora, a incúria e os lapsos do Ministro Cabrita, tenham sido notados, porque desde 2017, após os grandes incêndios que tantas vítimas causaram e após todos os inquéritos noticiados e encomendados para mostrarem serviço que posteriormente se perderam em qualquer arquivo morto do Ministério, como aconteceu com o caso das golas inflamáveis, ou  certas agressões policiais comprovadas e divulgadas pela comunicação social, assim como o rol de incompetências e irresponsabilidades que pesam sobre um ministro que há muito deveria ter tido a dignidade de se demitir, em vez de representar o triste papel de qualquer garotinho que rouba o lanche do amigo e acusa os colegas, para que outros sejam punidos no seu lugar.

 

Parece obvio que, pelo menos, perante este último escândalo, só o indecente compadrio com o 1º Ministro, o consegue ainda manter em funções! 

 

Um ministro que se vitimiza cobardemente numa conferência de imprensa, declarando-se incompreendido e abandonado, ao longo de um discurso choramingão próprio de um desgraçadinho sem rumo,  acabando por lançar as culpas à Comunicação Social, por esta ter cumprido as suas funções de informar os factos que ele próprio tentou ocultar e achando que mais uma vez passaria incólume com a  "corajosa" demissão, apesar de tardia, da directora do SEF, é sem dúvida a imagem de um país decadente, governado por sabujos incompetentes sem brio que escondem e sacodem os seus erros uns para os outros, arrastando a maioria dos processos mais mediáticos durante anos, com a conivência de uma Justiça podre e a evidente falta de sentido de Estado, caracterizada pela impunidade dos criminosos do regime e por uma falta de honestidade que nos deveria envergonhar a todos!

 

Se a cultura deste povo tivesse sido considerada prioritária ao longo dos anos e empenhada no alicerçar dos valores essenciais à formação de sociedades informadas e exigentes na análise e defesa de uma verdadeira democracia, Portugal seria decerto um país mais respeitado e não o filho bastardo de uma Europa que nos critica,  antevendo as nossas falhas e fragilidades, como alimento preferido de corruptos, exploradores dos mais fracos e fonte de radicalismos xenófobos, imorais e ideologias enganadoras que nos levarão ao caos e a um maior descrédito. 

 

No primeiro governo de António Costa, entregaram-se os Ministérios da Administração Interna a Eduardo Cabrita, (após a demissão da anterior ministra, durante os incêndios que vitimaram dezenas de pessoas) e o Ministério do Mar e Pescas, à sua esposa. 

 

Choveram as críticas de nepotismo e de favorecimento a uma família, cujos laços de amizade com o 1º Ministro, eram sobejamente conhecidas, mas no 2º governo, entre desentendimentos e arrufos, o Ministério do Mar, lá conseguiu sair da família, mas manteve-se na Administração Interna, o amigo Cabrita, visto constarem no seu currículo obras notáveis como os Kits Aldeia Segura, com as 70 mil golas anti fumo, adquiridas por ajuste directo ao marido de uma autarca do PS da zona de Guimarães e vendidas ao Estado pelo dobro do seu valor, mas embora o Ministério Público, tenha constituído até hoje 18 arguidos por uso fraudulento de subsídios, corrupção passiva, abuso de poder e branqueamento de capitais, alguns deles, ainda se mantêm em altas funções no Ministério Cabrita, após a demissão dos restantes.   

 

Ao longo de 3 anos de silêncio, buscas e vários adiamentos dos referidos processos, ainda não se sabe se irão ou não a julgamento o que colocaria igualmente o Ministro Cabrita em cheque, como aconteceu com Azeredo Lopes no caso de Tancos que por não ser tão chegado à família Costa, teve menos sorte!

 

A tentativa do "passa culpas", é a face dos cobardes e basta estar atento às várias intervenções deste Ministro ao longo dos seus dois infelizes mandatos, para se perceber que além da insegurança, ou obsessão compulsiva com que se defende de qualquer pergunta menos fácil, olhando de soslaio e movendo repetidamente a cabeça da direita para a esquerda e vice versa, vai anunciando inquéritos a torto e a direito, sem consequências nem fim à vista, no desejo talvez de mostrar a competência que sempre lhe faltou e que decerto sabe que tem. 

 

Têm sido também "resolvidos" com inquéritos, os escândalos mais mediáticos de agressões policiais, muitos deles com comportamentos racistas, ou até a proibição de socorro aos animais do canil ilegal de Santo Tirso que poderia ter poupado a vida a centenas de animais e que gerou uma onda de revolta popular e uma audição parlamentar ao Ministro, mas que pelos vistos, não passou de fogo de vista, porque já é sabido de antemão que mesmo que a indignação dos populares seja grande, rapidamente acalmam e se conformam, com as mãos cheias de nada que lhes são oferecidas .

 

De qualquer forma, a tentativa de encobrimento desta morte macabra no aeroporto, talvez seja a gota de água que faltava para alguma limpeza tanto da instituição SEF da qual ainda nos falta saber muita coisa, como do Ministério da Administração Interna, com o Ministro na vanguarda, mas será que neste país ainda há decoro, ou só se fazem demissões cosméticas, como a da directora do SEF, para depois se comprar o seu silêncio com um alto cargo no Reino Unido, ligado à imigração e um salário mensal de doze mil euros.

 

Finalmente e como a conversa já vai longa, embora muito tenha ainda ficado por dizer, o conselho que eu daria ao senhor Cabrita, é que meta os botões de pânico, na gaveta suja dos seus inquéritos,   mais a sua postura de vítima e assuma-se pelo menos uma vez na vida, trocando, se for capaz, a imagem dada pelo seu sobrenome fofinho, pela dignidade de um "Cabra Macho" corajoso e demita-se quanto antes, nem que o Costa tussa...»

 

Fonte:

https://retalhosdeoutono.blogspot.com/2020/12/os-inqueritos-do-eduardinho.html?showComment=1608048279600#c2440744880957700927

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:47

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 14 de Dezembro de 2019

«Jornal Espanhol: Rede de compadrio do governo Socialista de Portugal é algo sem precedentes na Europa»

 

Estou banzada com esta notícia, embora tudo isto seja possível num país como Portugal, sem rei nem roque, sem língua própria, sem governação credível, onde impera a corrupção, as fraudes. Onde não há a mínima vergonha na cara. Onde se morre por falta de assistência médica. Onde o ensino é caótico. Onde se põem os interesses dos estrangeiros acima dos interesses dos portugueses. Onde a pobreza é uma triste realidade.

Num país assim, a natalidade tem de ser baixíssima. Quem se atreve a dar filhos a um país onde não se vislumbra uma luz para o FUTURO? 

E os actuais governantes lá vão cantando e rindo, levados, levados sim... como nos tempos de má memória, que estão a retornar...

 

COSTA.png

 

«Um jornal Espanhol pôs o dedo na ferida do “familigate” Português. Deu com a “língua nos dentes” sobre mais de meia centena de casos de familiares envolvidos em negociatas no Governo.

 

Ao todo, diz o jornal, são 57 os vínculos familiares que o poder Socialista em Portugal tem. O mesmo jornal, o ABC, diz que isto é algo sem precedentes na Europa.

 

“Até doze famílias estão envolvidas na rede criada pelo primeiro-ministro, António Costa, após quatro renovações consecutivas. Uma estrutura chefiada pelo Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e sua esposa, Ana Paula Vitorino, Ministra do Mar”, diz o jornal.

 

O jornal diz ainda que existe indignação, num ano eleitoral. E cita também Rui Rio, do PSD, que fala num “escândalo de corrupção governamental”.

 

“Os portugueses assistem impotentes ao desdobramento do socialismo entre os socialistas”, continua o jornal, citando alguns dos caos mais polémicos.

 

No Facebook há várias partilhas sobre esta noticia, com frases como “É isto, só não vê quem não quer!” que mostra o descontentamento dos Portugueses com este “familigate”.

 

Fonte:
https://www.tuga.press/jornal-espanhol-rede-de-compadrio-do-governo-socialista-de-portugal-e-algo-sem-precedentes-na-europa/?fbclid=IwAR3LwXpWQYomE-W_fQQkAZjK4CUJhP_0gXGUR_3ApVaeX28PqlJNbydv6oU

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:41

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 3 de Agosto de 2015

«Ha tradições que merecem ser extintas…»

 

Excelente artigo de opinião de Rui Pereira (Professor Universitário e ex-ministro da Administração Interna) sobre a "queima do gato" e os maus tratos aos animais em Portugal

 

RUI PEREIRA.png

 

«Apresento uma declaração de interesses: gosto de animais em geral e de gatos em especial. Tal como Borges, creio que o gato é um sinal de indulgência dos deuses: a réplica de um tigre, cujo dorso "condescende à morosa carícia da minha mão".

 

Por isso, fiquei chocado com a notícia de que em Vila Flor, no "nosso" Trás-os-Montes, há quem se divirta queimando um gato vivo. Se é tradição, comprova-se mais uma vez que há tradições que merecem ser extintas.

 

Conheço bem o vasto arsenal de argumentos contra o reconhecimento dos direitos dos animais: não têm personalidade jurídica e não podem estar vinculados a deveres; fazem parte da nossa cadeia alimentar (pelo menos, da maioria); só alguns suscitam sentimentos de compaixão – sim, os cães, os gatos e os cavalos, mas não tanto os répteis, os insetos ou os peixes; e são um pretexto para nos esquecermos da solidariedade que devemos aos nossos semelhantes.

 

Porém, estes argumentos são falaciosos: um recém-nascido também não está sujeito a deveres, mas tem direitos; não ser vegetariano não impede ninguém de discordar de que se inflija sofrimento desnecessário aos animais (quanto ao resto, a carne é fraca, como mostrou Torga, ao descrever o sofrimento moral de um cão enquanto rilhava os ossos do falecido amigo galo); nem todos os animais são iguais – a melga não tem projeto de vida nem sente prazer ou dor.

 

Mas o argumento mais irracional é o que postula que gostar de animais nos impede de amar os seres humanos. Tal como a memória, o amor não se gasta, tem uma natureza expansiva. O que é necessário é saber graduar a importância dos objectos da nossa afeição.

 

Não seria aceitável que o recém-criado crime de maus-tratos contra animais (prisão até um ou dois anos) merecesse pena idêntica à cominada quando a vítima é uma pessoa (prisão até cinco ou oito anos).

 

Justifica-se, pois, a criminalização. Mas é necessário melhorar uma lei com flagrantes erros técnicos, a começar pela vaga definição de "animal de companhia".

 

As normas devem ter em conta o valor vital dos animais e o significado desvalioso do seu sofrimento inútil – e não, numa perspectiva antropocêntrica, a companhia que nos fazem.

 

Afinal, um gato sem dono pode ser torturado? E, já agora, poderá haver legítima defesa em nome do animal ou só do dono?»

 

Fonte:

http://www.cmjornal.xl.pt/opiniao/colunistas/rui_pereira/detalhe/a_queima_do_gato.html?printpreview=1

Via Basta de Touradas

 

***

«Os animais selvagens nunca matam por divertimento. O homem é a única criatura para quem a tortura e a morte dos seus semelhantes são divertidas por si.» James Froude

 

DOR DE ANIMAL.jpg

 Repare-se na expressão da CRIANÇA que assiste a esta violência e crueldade apoiadas por uma lei que não a protege dos danos psicológicos que a acompanhará para o resto da vida, ao interpretar esta cena como algo absolutamente normal...

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:23

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 19 de Agosto de 2013

DEPOIS DA VERGONHOSA INTERVENÇÃO DA POLÍCIA DE CHOQUE EM VIANA DO CASTELO, O GOVERNO PORTUGUÊS SÓ TEM UMA SAÍDA: ABOLIR AS TOURADAS JÁ!

 

O QUE A COMUNICAÇÃO SOCIAL NÃO DISSE PORQUE ESTÁ VENDIDA AO LOBBY TAUROMÁQUICO, E NÃO FOI ISENTA

 

O que tem a dizer o Ministro da Administração Interna, quando coloca a Polícia de Choque ao serviço de INVASORES BÁRBAROS, que impuseram a IMBECILIDADE deles, com artimanhas e através da FORÇA POLICIAL, o que só diz da ineficácia do governo, das leis, de um tribunal, e do DESRESPEITO por autoridades que foram DESAUTORIZADAS dentro do seu próprio território?

 
 
 

Se se quiser mudar um sistema que está completamente podre, inadequado, ultrapassado e é, sobretudo, um hino à crueldade, há que fazer uma revolução, e essa revolução deverá assentar em atitudes firmes e corajosas, sejam quais forem as consequências do acto revolucionário.

 

Havia um modo de expulsar de Viana do Castelo os invasores bárbaros, vulgo, prótoiro, que impuseram, ditatorialmente (e ao modo nazista), através do uso da FORÇA POLICIAL (de outra maneira não conseguiriam realizar a TORTURA) uma prática bárbara, tosca e imbecil aos vianenses, contra a vontade destes, e sem autorização da legítima autoridade local, ou seja, da Câmara Municipal de Viana do Castelo, CONSPURCANDO, desse modo, as festas da Senhora d’Agonia.

 

E se quiseram ter público para ver sangue e tortura, tiveram de socorrer-se de aficionados das localidades taurinas do Sul do país, como Santarém, Alcácer do Sal, Montemor, Constância, Évora, Grândola, Coruche, Vila Franca de Xira, Rio Maior, Alcochete, entre outras, os quais vieram em excursão, ao modo de paus mandados, com viagem e bilhetes PAGOS.

 

Só assim a prótoiro conseguiu gente para assistir a um COSTUME BÁRBARO que nunca foi tradição em parte alguma (é preciso saber distinguir costume de tradição). De outro modo teria o redondel vazio até de moscas, porque até as moscas também, hoje em dia, já não andam a rondar as touradas.

 

Um tribunal (por motivos que um dia virão a público, mas que andam na boca do mundo) decidiu DESAUTORIZAR o Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Eng.º José Maria Costa, que, por sua vez, só tinha uma atitude a tomar: IMPOR-SE e dizer: EU É QUE SOU A AUTORIDADE EM VIANA DO CASTELO. EU E O POVO QUE ME ELEGEU.

 

Mas não o fez. Porquê? É uma pergunta a que poderemos responder com outra pergunta: NÃO TEVE CORAGEM?

 

Pois é, enquanto não houver HOMENS COM CORAGEM para virar a mesa, e colocar um BASTA a esta POUCA VERGONHA onde Polícias PAGOS PELO POVO se viram contra o POVO, para PROTEGEREM os invasores, Portugal estará entregue a ditadores nazistas.

 

Só existe um modo de reparar a vergonhosa intervenção da PSP e da conivência do GOVERNO PORTUGUÊS com algo que SUJOU o nome de Portugal (que se diz integrado na Europa, mas é um país onde vive a IGNORÂNCIA) e DESCREDIBILIZOU as forças policiais: A ABOLIÇÃO DAS TOURADAS JÁ!

 

O QUE venceu, no dia 18 de Agosto de 2013, em Viana do Castelo, ao realizar-se uma tourada NÃO AUTORIZADA pelas autoridades locais e REJEITADA pela esmagadora maioria da população vianense?   

 

Claramente não houve vencedores, nem vencidos.

 

Para isso era preciso que ambas as partes estivessem em pleno pé de igualdade. Isto é, estivessem ambos DESCALÇOS.

 

Só que a prótoiro, por motivos que todos nós sabemos, estava CALÇADA e PROTEGIDA PELA POLÍCIA DE CHOQUE, e o Eng.º José Maria Costa NÃO TEVE CORAGEM de a descalçar.

 

Resultado:

 

A IMBECILIDADE foi imposta À FORÇA, com muita marosquice à mistura, o povo de Viana não se uniu o suficiente para impedir que os portadores da imbecilidade entrassem em Darque, e os autarcas de Viana praticamente abriram as portas de Viana à invasão dos bárbaros.

 

Depois disto o Engº José Maria Costa TEM DE TOMAR UMA ATITUDE SEVERA em relação a estes factos que foram uma AFRONTA à sua autoridade.

 

Foi inadmissível o que aconteceu no município que dirige.

 

IMPOR A BARBÁRIE A GENTE PACÍFICA, DE UM MODO GROSSEIRO E ESCUDADO ATRÁS DE “CUNHAS” E DA POLÍCIA É NITIDAMENTE UM ACTO DE MA-FÉ E DE COVARDIA PROTAGONIZADO POR CRIATURAS DE BAIXA ÍNDOLE, QUE ESTÃO A SER MAL VISTAS POR TODO O PAÍS QUE É ANTI-TAURINO, E SERÃO MARGINALIZADAS DAQUI EM DIANTE.

 

ESTE FOI MAIS UM PASSO GIGANTE EM DIRECÇÃO À  ABOLIÇÃO.

 

Origem da foto:

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=480113258750683&set=a.479945182100824.1073741834.305023079593036&type=1&theater

 

***

UM TESTEMUNHO:

 
 
 

Por Arsénio Pires (um verdadeiro vianense e activista)

 

«Eu estive lá! Os meios de comunicação não dizem toda a verdade quanto aos incidentes que houve.

 

A culpa de tudo o que aconteceu foi, na sua maior parte, devida à PSP que a Prótoiro ali colocou para manter a ordem. No início não só nos deixaram estar frente ao local da tourada como nos orientaram para que estivéssemos junto à parede para não estorvarmos o trânsito. E tudo decorria ordeiramente.

 

De repente, veio a polícia de choque e ordenou que saíssemos dali para outro lugar que ficava a uns 400/500 metros do local da tourada. É claro que os ânimos exaltaram-se por não entendermos esta súbita alteração e alguns de nós exigimos justificação para tal alteração. Diziam: "São ordens! Lá ao fundo é o lugar que a Câmara reservou para a vossa manifestação!"

 

E passaram a empurrar BRUTALMENTE as pessoas que, naturalmente, não compreendiam esta ordem. E lá recuámos para o lugar onde nos "fecharam com grades como num curral" perto de 500 metros da tourada.

 

Quanto às agressões que houve: a primeira, a da senhora a que não podia caminhar (perna partida, diziam) não vi. Ouvi dizer por várias pessoas que foi um elemento da Prótoiro que lhe deu um pontapé na perna. O outro caso aconteceu mesmo ao meu lado: um rapaz que protestava (bastante descontrolado) junto à grade onde nos encurralaram levou um murro dum polícia.

 

Soube depois que foi levado pelo INEM com um dente partido. Conclusão: como no ano passado, a indefinição da PSP quanto ao lugar onde nos podíamos manifestar foi a única causadora dos distúrbios que houve! Esta é a verdade dos factos que a comunicação social não relatou (nas televisões de ontem à noite) porque não quis. Sabemos que toda ela está comprada por quem lucra com os sacrifício e morte dos touros neste espectáculo bárbaro e impróprio do sec. XXI. Portanto, não é de estranhar!»  

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=509281599152182&set=a.110640459016300.19259.100002110403269&type=1&theater

 

 

***
 
ABRAM ESTE LINK PARA SABER MAIS:
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 10:24

link do post | Comentar | Ver comentários (41) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
16
17
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

Sobre Incêndio de Santo T...

«Os inquéritos do Eduardi...

«Jornal Espanhol: Rede de...

«Ha tradições que merecem...

DEPOIS DA VERGONHOSA INTE...

Arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt