Quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

Quando os homens têm medo da Luz!...

 

(Dedico este texto a todos aqueles que já passaram os olhos pelo Arco de Almedina e continuam cegos, pequenos e ignorantes…)

 

Untitled.png

 

E como há universos pequeninos, do tamanho de um grão de areia, por simples cegueira mental!

 

Pata de um cão.jpeg

 

Mil vezes mais digno!

Por isso não aperto a mão a qualquer um...

 

Platão.jpeg

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 22 de Outubro de 2013

NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA: A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA ADIA A DISCUSSÃO DO PROJECTO-LEI APRESENTADO PELA ASSOCIAÇÃO ANIMAL

EXIGIMOS QUE SE DISCUTA A PETIÇÃO JÁ!
 
QUE MEDO É ESSE?
 

 

COMUNICADO DA ASSOCIAÇÃO “ANIMAL”

 

«Estimadas/os apoiantes, por razões completamente alheias à nossa compreensão o Parlamento decidiu cancelar a discussão da nossa petição e adiá-la para data a anunciar (???).

 

O mais bizarro e inacreditável de tudo isto foi que nem sequer nos informaram desta mudança. Se não fosse uma apoiante nossa (a quem muito agradecemos) a informar-nos ontem de que a discussão já não constava da ordem de trabalhos do dia 25 descrita no site da AR, continuaríamos na ignorância.

 

Falámos de imediato com a pessoa responsável pelos contactos com as/os peticionárias/os, que, espantemo-nos, também não sabia de nada, e, tal como nós, ficou surpreendida.

 

Foi bastante solícita e colocou-se em campo para descobrir o que se havia passado. Chegou-nos agora mesmo a resposta que aguardávamos e que é a de que a petição já não será discutida no dia 25 e que entretanto seremos informados do dia da discussão.

 

Relembramos que a petição foi entregue há mais de um ano e que desde que foi entregue (04/10/2012) até ao dia de hoje já duplicou o número de assinaturas (decidimos não encerrar a petição apenas para podermos passar aos Grupos Parlamentares que o assunto continua actual e urgente).

 

Posto tudo o que expusemos acima, pedimos-vos que aguardem por mais notícias nossas acerca da nova data.»

 

***

Depois disto o que dizer? O que fazer?

 

PROPONHO QUE FAÇAMOS ISTO:

 

Exmos. Senhores Deputados da Assembleia da República:

 

Não compreendemos esta atitude pouco digna de deputados da Nação: adiar algo agendado, sem dar qualquer satisfação aos interessados.


E para que esta discussão não caia no esquecimento vimos EXIGIR que seja marcada uma nova data urgentemente, porque o país necessita de uma definição quanto a esta questão.

 

Porque:

 

Já chega de adiamentos.

 

Já chega de nos insultarem com os vossos desmandos.

 

Já chega de apoiar uma minoria inculta.

 

Já chega de arrastar o país para o rol dos países terceiro-mundistas.

 

BASTA!

 

ESTAMOS FARTOS DA VOSSA SUBMISSÃO A LOBBIES.

 

V. Exas. não são pagas opara SERVIREM LOBBIES.

 

 

Exigimos que a nossa petição seja DISCUTIDA JÁ!


De qualquer modo, já NADA SERÁ IGUAL depois disto.

 

A engrenagem cósmica já foi accionada e nada poderá deter o seu curso, como referiu a nossa companheira Josefina Maller.

 

Por isso, exigimos uma nova data urgentemente, para discutir o que tem de ser discutido e APROVADO!

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:37

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 10 de Maio de 2013

Emoções na escala animal

 

Uma análise inteligente, lúcida e baseada no Saber da Ciência.

Quem se atreverá a contestá-la?

 

 

Por Vasco Reis (Médico-Veterinário)

 

«Ponto de vista vital»

 

Interessa tentar compreender a vida e a diversidade dos seus seres e as suas características vitais. Importa que os seres vivos não sejam tratados como coisas inertes, quando na realidade não o são.

 

Um observador razoável pode interpretar as experiências que vai somando no dia a dia ao viver em contacto com os seres vegetais e animais (humanos e não humanos).

 

Assim vai poder chegar a convicções, género senso comum, ainda antes de a ciência ter confirmado os fenómenos. No entanto, a investigação e a confirmação científicas dão maior certeza e força ao que empírica e filosoficamente se admitiu.

 

Comecei por me interrogar e cogitar:

Porque fogem as baratas, quando se abre a porta de um armário onde estavam escondidas tranquilamente?

 

Porque fogem moscas e mosquitos quando tentamos apanhá-los, para que não nos incomodem?

 

Porque se escondem os caracóis nas casas, porque se fecham os mexilhões nas conchas, quando se sentem ameaçados?

 

Porque fogem ou reagem os animais, desde os considerados mais simples até aos considerados mais complicados/evoluídos, incluindo os humanos?

Respondendo empiricamente/logicamente: porque experimentam emoções (susto, desconfiança, medo) e quando atingidos, sentem dor, que é a melhor e a imprescindível educadora para adquirirem a sensação e a certeza dos perigos à sua volta.

 

Sem capacidade de sentir desconfiança, susto, medo e DOR, estariam os animais condenados a serem agredidos sem reacção de defesa/fuga e, portanto, condenados à não sobrevivência.

 

Deve existir uma parte da reacção que resulta das ordens saídas dos genes (vagamente apelidada de instinto) e outra causada pela experiência de sofrimento/dor que acontece ao longo da vida.

 

A dor e o medo de sentir dor são os melhores aliados para a defesa da integridade física e da vida de todas as espécies animais.

 

Sistema receptor, transmissor, interpretador de estímulos e emissor de respostas é o sistema nervoso, desde sistemas considerados rudimentares, até sistemas considerados evoluídos.

 

É absolutamente errada a invenção de que nas touradas os touros possuem mecanismos que os impedem de sentir dor, ou que lhes diminuem muito a dor!

 

Plantas não têm sistema nervoso, não têm meios de locomoção, não têm capacidade de fugir da agressão. Líquido que pode escorrer da superfície de cortes (que alguém compara a lágrimas) não passa de seiva (transportadora de substâncias nutritivas numa função comparável à da linfa em animais).

 

Logicamente, se a natureza não forneceu as plantas com sistemas que lhes permitisse fugir da agressão/perigo, ela não deu às plantas a capacidade de sofrer física e mentalmente. Elas não são dotadas de sistema nervoso, nem de algo funcionalmente comparável.

 

“A natureza não é sádica, nem desperdiçada”.

 

Desafio e agradeço a quem pense de outra maneira, a apresentar uma explicação alternativa.

 

Vasco Reis

8.5.2013

 

***

 

Nota marginal:

 

A esmagadora maioria dos cientistas que se debruçaram sobre se devemos explicar da mesma forma o comportamento dos animais em comparação com o nosso, uma vez que temos sistemas nervosos semelhantes, concorda com este ponto de vista.

 

Lord Brain, um dos mais importantes neurologistas do nosso tempo afirmou:

 

«Pessoalmente, não vejo razão para conceder uma mente aos meus congéneres humanos e negá-la aos animais (...) Pelo menos, não posso negar que os interesses e actividades dos animais estão relacionados com uma consciência e uma capacidade de sentir da mesma forma que os meus, e que estes podem ser, tanto quanto sei, tão vividos quanto os meus

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 09:57

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2013

QUEM TEM MEDO DA PRÓTOIRO?

 

 

 

Será uma rosa negra como esta, que colocaremos na lápide que, brevemente, perpetuará a morte da tauromaquia, que a protóiro tem ajudado a destruir.

 

 

A prótoiro (federação portuguesa das associações taurinas) pretende passar cá para fora uma imagem de "poder", mas todos nós sabemos que eles, todos juntos, não valem um tostão furado. 

 

Há quem diga que são mafiosos, um polvo que estende os seus tentáculos e exerce influência no covarde governo português, e entre os  nossos autarcas medrosos.

 

Dizem que são perigosos...

 

Perigosos? Os covardes nunca são perigosos diante dos que não têm medo e lhes fazem frente.

 

São perigosos sim, para os seres inocentes e inofensivos. Mas são incapazes de enfrentar um gigante.

 

Bem podem tentar estender os "tentáculos", pois quanto mais os estenderem mais frouxos ficarão e, tal como um fio de teia de aranha, acabarão por romper. Inevitavelmente.

 

Esta sempre foi a Lei, desde os primeiros tempos da vida do “humano” no Planeta Terra.

 

A prótoiro está acabada. Rasgada. Velha. Mofosa.

 

A Razão sempre se sobrepôs à ignorância, e brevemente toda essa prótoirada estará a rastejar no chão que eles próprios estão a enlamear.

 

Podem ter dinheiro, mas não têm inteligência. E é preciso inteligência para se vencer.

 

E têm também um ponto fraco, um calcanhar de Aquiles, que nós conhecemos, mas eles nem sonham.

 

E será por aí que cairão como frutos apodrecidos.

 

Podem crer.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Quando os homens têm medo...

NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA: A...

Emoções na escala animal

QUEM TEM MEDO DA PRÓTOIRO...

Arquivos

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt