Sexta-feira, 20 de Maio de 2016

CORRIDAS DE GALGOS – PAN DENUNCIA CRIME PÚBLICO

 

 

A “humanidade” no seu pior

 

GALGOS.png

 Crédito da foto: Visão

 

Avançamos hoje com uma denúncia de crime público ao Ministério Público devido à forte suspeita de graves maus tratos aos animais envolvidos nas corridas de Galgos. Conforme avançou também o resultado de uma investigação jornalística, o universo dos aficionados desta actividade de “entretenimento humano”, representa um negócio altamente lucrativo que vive à custa da exploração da alta performance destes animais, pela exigência dos violentos treinos a que são sujeitos, com choques eléctricos, administração de drogas estimulantes altamente prejudiciais para a sua saúde e um desgaste brutal. Para além disso, existe também a suspeita de que a esta actividade esteja associado o crime de apostas ilegais, havendo um igual desconhecimento sobre se estas corridas estão a ser licenciadas.

 

Na tentativa de obter mais informação, questionamos hoje o Ministro da Agricultura e do Mar, sobre o seu conhecimento da actividade de corridas de galgos, se já existiu alguma acção de fiscalização a estas corridas, se sim quando, quantas e qual o resultado das acções, se tem conhecimento dos métodos de treino utilizados nesta actividade e se tem conhecimento da administração de drogas estimulantes como cocaína, cafeína, eritropoetina, anfetaminas, entre outros, bem como anti-inflamatórios não esteróides ou corticosteróides. 

 

Estas substâncias têm impactos negativos ao nível da saúde dos animais com fortes sintomas de abstinência devido à habituação e podem estar associados ao desenvolvimento de cancro, de graves problemas cardíacos, doenças renais, hepáticas, dermatológicas, odontológicas e outras patologias emocionais e comportamentais.

 

“Num momento em que se inflamam as inquietações sobre posturas radicais, este lucrativo e impune negócio, faz com que o conceito de respeito por todas as formas de vida não signifique absolutamente nada. Existem automóveis tratados com mais cuidado do que estes animais.

 

O PAN defende o fim do antropocentrismo, ou seja, a ideia de que o Ser Humano está no centro de tudo e de que pode utilizar todas as formas de vida indiscriminada ou inconscientemente. O que não significa que coloque os animais à frente dos humanos, conforme se tem comentado.

 

A defesa dos direitos humanos tem já uma longa e admirável narrativa, sendo a defesa daqueles que connosco partilham o espaço uma extensão natural deste movimento. As pessoas têm direitos, garantidos e reconhecidos constitucionalmente e instâncias criadas para os assegurar. A defesa dos direitos dos animais, no respeito pelos princípios mais básicos, apenas agora está a começar, eles ainda estão no fim da linha”, avança André Silva.

 

Os defensores deste negócio afirmam publicamente que se trata de uma actividade social e cultural que enche os restaurantes das regiões e afirmam que quem “usa” os animais é quem mais “gosta deles”. Uma declaração comum a todos os profissionais das indústrias que utilizam animais para entretenimento.

 

As autarquias continuam a inaugurar pistas municipais para corridas de galgos e a investir na manutenção e recuperação de praças de touros. Estes eventos violentos, para humanos e não humanos, reflectem o paradigma do lucro e a indiferença de um nicho da sociedade que ainda considera aceitável a utilização e maus tratos de animais para divertimento humano, chamando-lhe cultura. Não fazem parte do paradigma social para o qual o PAN gostaria de contribuir, baseado na promoção de uma cultura da empatia e também não acompanham o desejo da maioria dos cidadãos nem da Constituição Portuguesa.

 

PAN aguarda respostas do Ministro da Agricultura e do Mar:

 

- Denúncias e fortes indícios de graves maus tratos aos animais envolvidos nas corridas de Galgos

 

- Actividade de “entretenimento humano” representa um negócio altamente lucrativo que vive à custa da exploração da alta performance destes animais

 

- Autarquias continuam a inaugurar pistas municipais para corridas de galgos e a investir na manutenção e recuperação de praças de touros

***

(AVISO: uma vez que a aplicação do AO90 é ilegal, não estando efectivamente em vigor em Portugal, este texto foi reproduzido para Língua Portuguesa, via corrector automático).

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 18 de Maio de 2016

PROTESTO DA IRMANDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO DA MÃE DE DEUS, A PROPÓSITO DO MEU TEXTO «DENÚNCIA AO CUIDADO DO PAN (AÇORES)»

 

O texto que deu origem a este protesto pode ser recordado neste link:

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/denuncia-ao-cuidado-do-pan-acores-640860

 

TOURO AÇORES.jpg

O Touro a sangrar (tinha uma argola enfiada nas narinas). Alguém chamou-lhe “piercing”, acrescentando que os humanos também usam “piercings”. Ainda que fosse. Só que os humanos usam “piercings” de livre e espontânea vontade, e o Touro usa ARGOLAS obrigado. Isto será coisa de gente civilizada, torno a perguntar.

 

 

Eis o conteúdo do protesto:

 

«Boa tarde,

 

A Irmandade do Divino Espírito Santo da Mãe de Deus, vem por este meio expressar o seu profundo descontentamento pela notícia apresentada no vosso Blog do passado dia 11/05/2016.

 

Informamos que a notícia, ou melhor, o texto elaborado da notícia não corresponde à verdade.

 

A ideia transmitida no vosso texto faz referência a maus tratos e violência ao animal, e é falso.

 

Mais uma vez informo que a verdade do acontecimento foi a seguinte: esta família, fez uma oferta ao Divino Espírito Santo, ou seja, o referido animal. Por ser um animal de grande porte, geralmente é aplicada uma argola na narina aos 2 anos de idade, sempre que o animal apresenta ameaça ao tratador/agricultor. Este animal tinha 4 anos de idade, ou seja, já tinha a referida argola à mais de dois anos, colocada pelo proprietário/agricultor a quem a família comprou o animal. Neste dia, o animal foi descarregado e amarrado em frente à moradia da referida família. Por ser um ambiente diferente para o animal, e também por ser um animal de grande porte, o mesmo animal com a força que fez, rebentou a tal argola, sem que alguém toca-se nele, e feriu a narina, e na respiração do animal, foi projectado algum sangue deste corte.

 

NÃO HOUVE MAUS TRATOS AO ANIMAL.

 

E mais, estava presente um agente de autoridade com a nossa Irmandade, que pode comprovar a justificação acima apresentada.

 

A nossa Irmandade, vem mais uma vez por este meio, solicitar a correcção da referida notícia, ou até mesmo a sua eliminação.

 

A nossa Irmandade está disposta a tudo, pela verdade, sobre esta matéria e contra os argumentos apresentados no vosso texto/Blog.

 

Com os meus melhores cumprimentos,

 

Carlos Vieira»

 

(AVISO: uma vez que a aplicação do AO/90 é ilegal, não estando efectivamente em vigor em Portugal, este texto foi reproduzido para Língua Portuguesa, via corrector automático, não estando abrangidos erros gramaticais).

 

***

Exmo. Senhor Carlos Vieira,

 

Em primeiro lugar, agradeço este protesto, pois vai dar-me oportunidade para esclarecer alguns pontos importantes.

 

O senhor diz: «A ideia transmitida no vosso texto faz referência a maus tratos e violência ao animal, e é falso

 

Bem… se o que vemos na foto não são maus tratos e violência ao animal, o que será? Mimos? Delicadezas?

 

Um inocente, inofensivo e indefeso animal, acuado numa rua, amarrado a um muro, com uma argola enfiada nas narinas, entre uma poça do seu próprio sangue não será, por si só, uma violência?

 

Só se for nos Açores.

 

Em qualquer parte do mundo civilizado isto é uma violência, por não ser natural que um bovino esteja amarrado numa rua.

 

Primeiro, porque o animal não está no seu habitat natural, está amarrado a um muro, com umas cordas, com uma argola enfiada nas narinas, e isso, por si só, já constitui uma violência.

 

Segundo, porque o animal está a sangrar devido a um corpo estranho ao seu próprio corpo, que lhe foi enfiado nas narinas sem o seu consentimento, o que é outra violência.

 

Mas o senhor Carlos Vieira diz ainda que a «verdade é que esta família (suponho que seja a proprietária do animal) fez uma oferta ao Divino Espírito Santo, ou seja, o referido animal.»

 

Esta família ou outra qualquer poderia ofertar ao Divino Espírito Santo qualquer outra coisa, como arrecadas de ouro, sacos de batatas, pipos de vinho, excepto um animal vivo, retirado do seu habitat natural e manietado com cordas.

 

A Irmandade do Divino Espírito Santo da Mãe de Deus devia ser a primeira a dar o exemplo cristão e recusar tal oferta, por ir contra o preceito máximo que Jesus Cristo deixou aos homens: «não faças aos outros (e nestes outros estão incluídas todas as criaturas de Deus, animais não humanos também) o que não gostas que te façam a ti.

 

Naturalmente nenhum dos senhores da Irmandade gostaria de estar no lugar daquele bovino amarrado com argolas nas narinas. Certo?

 

E a tentativa de justificar o injustificável continua: «Por ser um animal de grande porte, geralmente é aplicada uma argola na narina aos 2 anos de idade, sempre que o animal apresenta ameaça ao tratador/agricultor.»

 

Ameaça????

 

Um animal manso, herbívoro, pacato, ruminante, que se o deixarem a pastar tranquilamente no campo, não faz mal nem sequer a uma mosca, que espécie de ameaça pode representar ao seu tratador se esse tratador o tratar bem? Será ameaça para se defender dos seus torturadores… aliás, como qualquer dos irmãos da Irmandade se alguém os atacasse.

 

Nenhum bovino precisa de argolas nas narinas, para coisa nenhuma. Isso não é da natureza deles.

 

E o senhor Carlos Vieira diz ainda mais esta, com um desplante como se tudo isto fosse muito natural: «Neste dia, o animal foi descarregado e amarrado em frente à moradia da referida família (o que, só por si, já constitui uma violência contra o animal).

 

E arremata: «Por ser um ambiente diferente para o animal, e também por ser um animal de grande porte, o mesmo animal com a força que fez, rebentou a tal argola, sem que alguém toca-se nele, e feriu a narina, e na respiração do animal, foi projectado algum sangue deste corte.»

 

Exactamente: o animal estava fora do seu habitat natural, num ambiente diferente. Assustado. Descarregado (o termo é seu), sabe-se lá como! Amarrado (qual o animal, seja humano ou não humano, que gosta de estar amarrado? Isto é uma violência). Fez força… resta saber como e porquê? Rebentou a tal argola, sem que alguém TOCASSE nele… e pronto… feriu as narinas, muito naturalmente, e também muito naturalmente foi projectado algum sangue. Uma insignificância. Coisa pouca, nem deu para notar… como podemos ver na imagem.

 

NÃO HOUVE MAUS TRATOS AO ANIMAL diz o senhor Carlos Vieira. Não. O que fizeram a este indefeso animal foram mimos. Vejamos então.

 

- Foi delicadamente retirado do campo, com uma argola enfiada nas narinas.

- Amarrado a uma corda.

- Descarregado em frente à casa de uma família (como se fosse um saco de batatas?).

- Assustado, o animal agitou-se, a tal ponto que se magoou e esvaiu em sangue, como a foto demonstra.

 

E não houve maus tratos ao animal? O que seria então, se houvesse maus tratos?

 

«E mais…», diz o senhor Carlos Vieira, «estava presente um agente de autoridade com a nossa Irmandade, que pode comprovar a justificação acima apresentada». Como se isto sirva de justificativa para o  injustificável, ou seja, fazer de um animal indefeso, uma “coisa” para ofertar ao Espírito Santo que, se pudesse manifestar-se, diria tudo o que eu já disse.

 

E agora vem o mais surpreendente:

 

«A nossa Irmandade, vem mais uma vez por este meio, solicitar a correcção da referida notícia, ou até mesmo a sua eliminação».

 

Pois já dou como corrigida a “notícia”, que não é só minha. Corre pela Internet do mesmo modo que neste Blogue.

 

Quanto à sua eliminação, por alma de quem deveria ser eliminada?

 

E se a vossa Irmandade está disposta a tudo, pela verdade, sobre esta matéria e contra os argumentos apresentados no meu Blogue, a autora do Blogue também está disposta a tudo, pela verdade.

 

E a verdade é que a Irmandade do Divino Espírito Santo da Mãe de Deus deveria seguir os ensinamentos de Jesus Cristo e pôr em prática o exemplo de São Francisco de Assis, que tinha os animais não humanos, como seus irmãos (que também são meus irmãos, por isso os defendo com as garras de fora) e não permitir que façam a um bovino indefeso, inocente e inofensivo, o que não gostariam que vos fizessem a vós, porque, repito, é uma violência arrancar do pasto, um bovino, com uma argola enfiada nas narinas, descarregá-lo numa rua, e amarrá-lo com uma corda a um muro, para servir de “oferta” ao Espírito Santo, que não lhe fará bom proveito.

 

E esta violência não fui eu que a inventei.

 

E repito: isto é a maior demonstração do atraso civilizacional em que ainda está mergulhado o arquipélago dos Açores, em pleno século XXI depois de Cristo.

 

E não sou eu que o digo. Aprendi isto com Mahatama Gandhi - a Grande Alma.

 

GANDHI.jpg

 

E o animal que esta imagem nos mostra foi efectivamente maltratado, e não importa os meios ou os fins, porque nem uma coisa nem outra justifica o animal estar ali amarrado, com uma argola enfiada nas narinas.

 

Com os meus cumprimentos,

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:39

link do post | Comentar | Ver comentários (12) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 5 de Novembro de 2015

FEIRA DO CAVALO NA GOLEGÃ – LUGAR ONDE SE MALTRATAM ANIMAIS NAS BARBAS DAS AUTORIDADES

 

Todos os anos no mês de Novembro e durante uma semana realiza-se a Feira do Cavalo na Golegã.

 

 

 

CAVALOS2.jpg

 

Durante este período é muito frequente assistirmos a casos de maus tratos a animais, póneis e/ou cavalos a puxarem charretes com famílias inteiras, num esforço brutal, cavalos a circularem na manga durante dias e noites sem pararem.

 

Todos os anos morrem cavalos!

 

Cães que servem para sensibilizar o tolo que passa e coloca a moedinha no balde que os desgraçados são obrigado sa suportar na boca horas a fio ao frio e à chuva…

 

SOCOOOOOORRO!!!!!!

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:05

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 12 de Agosto de 2015

UNESCOMANIA?

 

VENAL ARTE.png

 

A candidatura de quase tudo e mais alguma coisa a património da Unesco parece estar na moda neste arquipélago onde o oceano que devia unir as ilhas tem servido mais para as separar.

 

São mais do que muitas as intenções de candidatura. Algumas merecem ser trabalhadas e levadas a bom porto, enquanto outras nem merecem que se perca muito tempo com elas, pois a serem apresentadas seriam alvo de chacota e ridiculizariam os seus proponentes.

 

Em Outubro de 2010, a Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo anunciou a candidatura à UNESCO da Festa Brava da Terceira como Património Imaterial da Humanidade.

 

Esta pretensão foi imediatamente contestada, tendo na altura sido lançado um abaixo-assinado a pedir à Unesco para não aceitar a candidatura em virtude das touradas “para além de não criarem riqueza e de desconceituarem os Açores aos olhos da maioria dos povos do mundo …em nada contribuírem para educar os cidadãos e cidadãs para o respeito aos animais, para além de causarem sofrimento aos mesmos e porem em risco a vida das pessoas”.

 

Desconhecemos se foram dados outros passos, mas tudo leva a crer que o que se pretendeu foi apenas ocupar espaço nos jornais e preencher tempo de antena na comunicação social.

 

Outra das candidaturas anunciadas foi a das Festas do Espírito Santo. Com efeito, em 2012, a comunicação social divulgou que estava em preparação, por um grupo de investigadores, a candidatura das Festas do Divino Espírito Santo a Património Imaterial da UNESCO.

 

Segundo Maria Norberta Amorim, uma das investigadoras envolvidas no processo de candidatura, o objectivo era “divulgar por todo o mundo estas festividades, que se caracterizam pela “irmandade, solidariedade, partilha e integração de novas gentes à comunhão na devoção”.

 

Desconhecemos o que terá emperrado esta candidatura que era apoiada pela Direcção Regional das Comunidades. O que sabemos, segundo o Diário Insular, é que a mesma havia surgido depois de uma outra do mesmo género ter sido rejeitada pela UNESCO.

 

Quer sejamos crentes ou não, as festas do Espírito Santo mereciam ser preservadas como manifestação de verdadeira autonomia e participação das comunidades locais e como espaços de solidariedade para com os menos bafejados pela sorte ou marginalizados pelas políticas implementadas por quem tinha a obrigação de governar ao serviço do bem comum.

 

Mas, para o sucesso da candidatura e para um regresso aos fins originais, as festas do Espirito Santo deviam ser expurgadas de algumas modernices que levam a que grande parte dos orçamentos seja usada em contratações de artistas, muitas vezes vindos de paragens longínquas, “apoio” a desnecessitados e de maus tratos a animais para divertimento de quem gosta de ver os outros, racionais ou não, sofrer desnecessariamente.

 

Em Abril do presente ano, a Associação de Mordomos das Festas Tradicionais da Ilha Terceira defendeu a classificação, pela UNESCO, da tourada à corda como Património da Humanidade. Tal como a proposta de candidatura da chamada festa brava esta, cremos, não passará disto mesmo, dada a falta de consenso existente sobre o assunto na sociedade açoriana e a quantidade de vídeos de marradas que mostram uma parte, a negra sem a qual os vídeos não se vendiam, do que é a tourada à corda.

 

Por último, está em fase de consulta pública, até ao próximo dia 15 de Agosto, a candidatura das Fajãs de São Jorge a Reserva da Biosfera, a que damos o nosso total apoio e apelamos à participação na mesma.

 

Teófilo Braga

(Correio dos Açores, 30703, 12 de Agosto de 2015, p.14)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:30

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 3 de Agosto de 2015

«HÁ TRADIÇÕES QUE MERECEM SER EXTINTAS…»

 

Excelente artigo de opinião de Rui Pereira (Professor Universitário e ex-ministro da Administração Interna) sobre a "queima do gato" e os maus tratos aos animais em Portugal

 

RUI PEREIRA.png

 

«Apresento uma declaração de interesses: gosto de animais em geral e de gatos em especial. Tal como Borges, creio que o gato é um sinal de indulgência dos deuses: a réplica de um tigre, cujo dorso "condescende à morosa carícia da minha mão".

 

Por isso, fiquei chocado com a notícia de que em Vila Flor, no "nosso" Trás-os-Montes, há quem se divirta queimando um gato vivo. Se é tradição, comprova-se mais uma vez que há tradições que merecem ser extintas.

 

Conheço bem o vasto arsenal de argumentos contra o reconhecimento dos direitos dos animais: não têm personalidade jurídica e não podem estar vinculados a deveres; fazem parte da nossa cadeia alimentar (pelo menos, da maioria); só alguns suscitam sentimentos de compaixão – sim, os cães, os gatos e os cavalos, mas não tanto os répteis, os insetos ou os peixes; e são um pretexto para nos esquecermos da solidariedade que devemos aos nossos semelhantes.

 

Porém, estes argumentos são falaciosos: um recém-nascido também não está sujeito a deveres, mas tem direitos; não ser vegetariano não impede ninguém de discordar de que se inflija sofrimento desnecessário aos animais (quanto ao resto, a carne é fraca, como mostrou Torga, ao descrever o sofrimento moral de um cão enquanto rilhava os ossos do falecido amigo galo); nem todos os animais são iguais – a melga não tem projeto de vida nem sente prazer ou dor.

 

Mas o argumento mais irracional é o que postula que gostar de animais nos impede de amar os seres humanos. Tal como a memória, o amor não se gasta, tem uma natureza expansiva. O que é necessário é saber graduar a importância dos objectos da nossa afeição.

 

Não seria aceitável que o recém-criado crime de maus-tratos contra animais (prisão até um ou dois anos) merecesse pena idêntica à cominada quando a vítima é uma pessoa (prisão até cinco ou oito anos).

 

Justifica-se, pois, a criminalização. Mas é necessário melhorar uma lei com flagrantes erros técnicos, a começar pela vaga definição de "animal de companhia".

 

As normas devem ter em conta o valor vital dos animais e o significado desvalioso do seu sofrimento inútil – e não, numa perspectiva antropocêntrica, a companhia que nos fazem.

 

Afinal, um gato sem dono pode ser torturado? E, já agora, poderá haver legítima defesa em nome do animal ou só do dono?»

 

Fonte:

http://www.cmjornal.xl.pt/opiniao/colunistas/rui_pereira/detalhe/a_queima_do_gato.html?printpreview=1

Via Basta de Touradas

 

***

«Os animais selvagens nunca matam por divertimento. O homem é a única criatura para quem a tortura e a morte dos seus semelhantes são divertidas por si.» James Froude

 

DOR DE ANIMAL.jpg

 Repare-se na expressão da CRIANÇA que assiste a esta violência e crueldade apoiadas por uma lei que não a protege dos danos psicológicos que a acompanhará para o resto da vida, ao interpretar esta cena como algo absolutamente normal...

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:23

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 23 de Julho de 2015

SE MAUS TRATOS A ANIMAIS (NÃO HUMANOS) É CRIME, O QUE DIZER DOS MAUS TRATOS A CRIANÇAS A QUEM SE ENSINA VIOLÊNCIA E CRUELDADE CONTRA SERES VIVOS NOS ANTROS DE TOUREIO?

 

PSP.png

 

"O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, no âmbito da criminalização dos maus tratos a animais de companhia, lançou hoje a campanha da PSP, "Maus tratos a animais são crime", na Casa dos Animais de Lisboa em Monsanto.

 

A campanha tem como objectivo alertar os cidadãos para a alteração legislativa que decorre da lei 69/2014 de 29 de Agosto e sensibilizar para o correcto tratamento dos animais de companhia com o respeito e dignidade que a vida animal exige.

 

Por sua vez, existem neste momento duas formas céleres de esclarecer eventuais questões ou denunciar ilícitos criminais:

 

- Através do número 21Policia (217654242) - disponível 24h por dia para um contacto menos moroso com a PSP.

 

- Através do e-mail dedicado "defesanimal@psp.pt" - criado especificamente para a matéria criminal e contra-ordenacional relacionada com os animais de companhia.

 

Ajude-nos. Denuncie. Apadrinhe. Adopte.

 

Os animais precisam de nós. E nós, contamos consigo!"

Fonte: https://www.facebook.com/PSPCOMETLIS/photos/a.144317165627133.27491.144304785628371/934041989987976/?type=1&theater

***

ENSINAR A CRIANÇAS A TERRÍVEL E VENAL ARTE DE TORTURAR ANIMAIS EM PÚBLICO NÃO SERÁ UMA FORMA DE MAUS TRATOS?

 

VENAL ARTE.png

 E se é maus tratos não será crime?

Coloco esta questão aos psicólogos que possam eventualmente ler este texto, e queiram dar uma opinião…

 

CRIANÇA A TOUREAR.jpg

 O que será “isto” que se vê na imagem?

 

«A psicóloga Maria María Vicenta Vaquer Martí, representante da Asociación de Profesionales para la Defensa de los Animales (PRODA), advertiu, na última quarta-feira, durante a Comissão de Cultura do Congresso, que “o sadismo como espectáculo é uma das sementes de violência” para os menores, em referência às touradas.

 

 Vaquer Martí, uma das palestrantes que participaram das conferências para dar opinião sobre a proposta de lei para a regulação das touradas como bem de interesse cultural, fez referência a vários estudos que demonstram os efeitos negativos que tem o maltrato animal como espectáculo para menores.

 

Um deles indica que as crianças com problemas emocionais que são expostas à violência têm uma “maior probabilidade de cometer actos cruéis”, e, por isso, vê que é necessário evitar que os menores compareçam a espectáculos em que os adultos maltratem os animais.

 

Outras das consequências a que fez referência são os “conflitos de lealdade, ocultar a compaixão pelo animal e o debilitamento do sentido moral ao descobrir que o sofrimento é permitido”, já que neste espectáculo é cometido “um acto de crueldade a um animal sem eleição”.

 

“Se tentamos protegê-los da violência real que já existe, então por que colocamos a etiqueta de cultura em acções que podem prejudicar as crianças? Isso seria uma irresponsabilidade”, critica.

 

Por tudo isso, manifestou ser contra as touradas serem declaradas bens de interesse cultural, já que, tal e como indica a Lei sobre Património Cultural, sua aprovação traria consigo “o fomento” das touradas.»

 

Origem da foto e do texto:

http://www.anda.jor.br/13/07/2013/touradas-podem-ser-uma-semente-de-violencia-para-criancas-e-jovens

 ***

As crianças não merecerão o mesmo cuidado que se dá aos animais não humanos nesta campanha da PSP? 

E os animais chamados bezerros? Não merecerão o mesmo tratamento do dos outros animais?

Ou os bezerros não serão animais?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2014

ESTE ANO DIGAM NÃO AOS CIRCOS COM ANIMAIS

 

Por favor, não comprem, nem ofereçam bilhetes para circos com animais. Estes são prisioneiros e escravos de uma vida para capricho humano. Os treinos para os animais fazerem habilidades são realizados através de castigos físicos e maus tratos durante toda uma vida.

 

Apoiem os circos sem animais.

 

São mais humanos e solidários, numa época que se pretende harmoniosa.

 

CIRCO.jpg

Fonte:

https://www.facebook.com/pages/ALF-FLA-de-Portugal/569879733036361?pnref=story

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:57

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 1 de Junho de 2014

CARTA ABERTA AO SENHOR DOUTOR RICARDO RIO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGA

 

Li, mas não acreditei.

Li e pasmei!

 

Braga quer retroceder no tempo e mergulhar nas trevas mais negras, recuperando o costume bárbaro da “corrida do porco preto”, pelas mãos de um tal Rui Ferreira, novo responsável máximo pelas festas do São João de Braga?

 

 

Exmo. Sr. Doutor Ricardo Rio,

 

Isto é verdade?

 

Recuperar antigas tradições das festas de São João em Braga é uma garantia deixada pelo novo responsável desta festividade, uma escolha de V. Exa., já aprovada em reunião do executivo?

Não tenho nada contra o cidadão Rui Ferreira, nem contra tradições culturais de qualidade.

 

Contudo, considero uma autêntica aberração a escolha do costume bárbaro (que de tradição nada tem) que esse cidadão quer introduzir nos festejos de São João de Braga, que eram limpos, e a ser verdade esta insólita iniciativa, passam a ser sórdidos.

 

Uma corrida de porco preto? Nos tempos que correm? Quando o mundo civilizado está a tentar fazer evoluir as terrinhas com um atraso civilizacional, devido a este tipo de iniciativas, que as colocam paradas num passado longínquo, onde proliferava a ignorância e um povo pacóvio?

 

É isso que V. Exa quer para Braga que, pensava eu, já tinha evoluído?

 

O tal cidadão Rui Ferreira não tem a mínima culpa de pretender desenterrar mortos putrefactos e tentar ressuscitá-los numa cidade, enfim, que já ganhou algum estatuto de qualidade, e que o perderá imediatamente, logo que esta barbárie, que ele considera algo verdadeiramente “minhoto”, seja recuperada.

 

A culpa será das autoridades que permitirem tal idiotice.


Numa altura em que os maus tratos aos Animais estão a ser veementemente  contestados em todo o mundo civilizado, este cidadão quer fazer corridas de porcos?

 

Saberá esse Rui Ferreira que o porco não é um alho-porro?

 

E se esse costume bárbaro estava enterrado, por algum motivo foi.

 

Não queira o município de Braga regredir…  

 

Tudo menos exploração de animais, Senhor Doutor Ricardo Rio.

 

Por isso, é muito humildemente,  que solicito a V. Exa. que não permita que a cidade de Braga (que eu tinha no coração) se conspurque e perca a sua dignidade de cidade limpa, com esse costume primitivo da corrida do porco preto, sem o mínimo interesse para a cultura de qualidade, que todos nós queremos para a cidade de Braga.

 

Até porque o Porco é um animal muito inteligente e bastante meigo, e quando é criado com carinho ele comporta-se quase como um cãozinho, seguindo os nossos passos e reconhecendo as pessoas que com ele vivem. (Falo com conhecimento de causa).

 

Esperando que V. Exa. reconsidere este meu apelo (que, afinal,  é o apelo de milhares de portugueses), apresento os meus melhores cumprimentos,

Isabel A. Ferreira
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 16:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 9 de Janeiro de 2014

INFÂNCIA PERVERTIDA NAS “ESCOLAS” DE TOUREIO

 

É URGENTE ACABAR COM ESTES ANTROS DE PERVERSIDADE

 

 

«Até custa, encontrar adjectivos para tal aberração... - Isto é um insulto a tudo o que é civilizado. Crianças como esta, o que vão ser no futuro?! - Um país onde tal se passa e as leis permitem, é um país subterrâneo, obscuro e tenebroso, próprio de tempos recuados e não do século XXI...»

(José Costa) 

 

Nas famigeradas "escolas" de toureio crianças são levadas a matar crias de bovinos.

 

Para descobrir a verdade, é essencial ver estas imagens! E, no entanto, essas imagens não são as piores...

 

(Vídeo) Infância pervertida. Imagens insuportáveis! Abram o link, se não acreditam:

http://www.flac-anticorrida.org/enfance-pervertie-images-insoutenables/

 

Este vídeo, que denuncia o escândalo das crianças envolvidas em touradas foi censurado no YouTube e no Daily Motion, mas assim, ainda está disponível...

(Publicado no Facebook por Roger Correia)

 

***

DESAFIAMOS OS RESPONSÁVEIS POR ESTA DECADÊNCIA MORAL A FAZER UMA AVALIAÇÃO PSIQUIÁTRICA E PSICOLÓGICA (que se centra na utilização de meios (testes) e técnicas que avaliam e descrevem com objectividade o funcionamento psíquico de uma criança, podendo revelar índices de predição sobre o seu comportamento) A ESTAS CRIANÇAS.

 

O RESULTADO SERÁ OBVIAMENTE ALTAMENTE NEGATIVO.

 

E QUEM SE IMPORTA?

O

S PAIS? OS EDUCADORES? OS GOVERNANTES? OS CARRASCOS DAS CRIANÇAS?

ISTO NÃO CONFIGURARÁ UM CRIME?

 

OS MAUS TRATOS PSICOLÓGICOS TAMBÉM SÃO MAUS TRATOS E PASSÍVEIS DE CONDENAÇÃO.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:13

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 6 de Dezembro de 2013

HOJE, OS DEPUTADOS DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA APENAS CONSEGUIRAM APROVAR A CRIMINALIZAÇÃO DOS MAUS TRATOS A ANIMAIS DOMÉSTICOS…

Há quem considere isto uma grande vitória…

Eu considero apenas um pequeno passo… (melhor do que nenhum) no muito que tinha de se aprovar, e um grande passo para os Cães e para os Gatos. 

O principal, não conseguiram eles (os deputados) entender: é que os Touros e os Cavalos TAMBÉM PERTENCEM AO REINO ANIMAL… e os seus torturadores deviam estar contemplados nesta CRIMINALIZAÇÃO, e não estão.

E os restantes animais? Como ficam? Na mesma, claro.

Fiquei contente pelos nossos cãezinhos e gatinhos. Fiquei.  Mas para mim NÃO CHEGA. Os outros também SÃO ANIMAIS, e continuarão a ser TORTURADOS IMPUNEMENTE. Isso não é justo.

Os Touros e os Cavalos continuarão EXCLUÍDOS do Reino Animal. Podem ser TORTURADOS que ninguém tocará nos torturadores.


Os animais "comestíveis" continuarão a sofrer como uns desgraçados. Os de caça também.


O que foi aprovado: CRIMINALIZAÇÃO PARA QUEM MALTRATA ANIMAIS DOMÉSTICOS (Cães e Gatos) - COIMA ATÉ 5000 EUROS!!! JÁ PODEM DENUNCIAR SE SOUBEREM DE CASOS!!! NÃO HESITEM!


O que é isto, entre o tanto que tinham de aprovar?


Querem fazer os portugueses de parvos, senhores deputados?

 

Isto foi o “melhor” que o Parlamento Português conseguiu dar de si? Não tiveram mais imaginação?


«Na discussão das iniciativas legislativas, o deputado do PSD Cristóvão Norte considerou que o projecto de lei apresentado pelos sociais-democratas "faz história no avanço da protecção dos animais em Portugal", abrindo um "novo paradigma civilizacional"


Francamente! Quanta pobreza! Paradigma civilizacional seria acabar com TODOS os maus tratos a TODOS os animais. E não só a Cães e a Gatos. Estou feliz por estes. Muito feliz. MAS FURIOSA com a migalhinha que os deputados deram ao povo, para o calar. Um rebuçadinho para ficarem contentinhos.


O caso é que continuamos quase na mesma.


Que pobreza de espírito, senhores deputados.


Não conseguem mesmo entender as coisas. Nem mesmo com figurinhas.


Os interesses económicos, uma vez mais, falaram mais alto.


O que não foi aprovado?


Não foi aprovado um EXTREMAMENTE IMPORTANTE projecto de lei da Associação ANIMAL

 http://animal.org.pt/pdf/Projecto-Lei_Lei_de_Proteccao_dos_Animais.pdf


cujas PRINCIPAIS MEDIDAS eram:


◈ Alteração do Estatuto Jurídico dos Animais;

◈ Inclusão das Despesas de Alimentação e Saúde dos Animais de Companhia no IRS;

◈ Controlo da Sobrepopulação de Animais Errantes;

Criminalização dos Maus-Tratos a Animais;

◈ Proibição dos Rodeios;

◈ Proibição das Touradas;

◈ Proibição do Uso de Animais em Circos;

◈ Proibição do Tiro aos Pombos;

◈ Proibição da Promoção de Lutas entre Animais e entre Animais e Humanos;

◈ Proibição dos Carrosséis de Póneis (ou outros animais);

◈ Proibição da Compra e Venda de Animais Vivos através da Internet.


(Faltou a Proibição da Caça e da Pesca Desportivas)


Só o que está sublinhado foi aprovado. SE APROVASSEM TODAS ESTAS MEDIDAS, isso sim, seria um PARADIGMA CIVILIZACIONAL EM GRANDE.


Mas nada disto aconteceu.

 

O que aprovaram foi uma gotinha de água num oceano, e ficaram muito contentes. Demonstraram apenas a vossa incapacidade de se projectarem num futuro que acontecerá, mas NÃO graças a V. Exas.


Em Portugal, apenas os Cães e Gatos são considerados ANIMAIS pelos deputados da Assembleia da República Portuguesa.


Não é de mentes redutoras?


***

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=3573664


publicado por Isabel A. Ferreira às 18:59

link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

CORRIDAS DE GALGOS – PAN ...

PROTESTO DA IRMANDADE DO ...

FEIRA DO CAVALO NA GOLEGÃ...

UNESCOMANIA?

«HÁ TRADIÇÕES QUE MERECEM...

SE MAUS TRATOS A ANIMAIS ...

ESTE ANO DIGAM NÃO AOS C...

CARTA ABERTA AO SENHOR DO...

INFÂNCIA PERVERTIDA NAS “...

HOJE, OS DEPUTADOS DA ASS...

Arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

DIREITOS

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

COMENTÁRIOS

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt