Quarta-feira, 8 de Julho de 2020

Os trogloditas do costume contra o fim dos apoios públicos às touradas

 

Não conseguiram captar a mensagem que lhes foi enviada: a esmagadora maioria dos Portugueses não se revê nesta prática cruel e violenta.

 

Continuam a achar que os impostos dos Portugueses são para esbanjar na tortura de seres vivos.

 

Aliás, eles acham que massacrar Touros na arena é chique. Trata-se de uma moda monárquica, que não devia ter cabimento numa democracia (se bem que pseudodemocracia), e até a esta distância, desde o tempo dos reis Filipes de Espanha (1580) -  os difusores deste costume bárbaro em Portugal - a vocação dos políticos portugueses para rastejar é evidenciada, nesta postura servil e inculta.

 

Tanta pobreza moral, cultural e social em Portugal, e vão esbanjar dinheiros públicos com parasitas que vivem, por aí,  à tripa forra!

 

TROGLODITAS.png

 

Deputados do PS, PSD, PCP, CDS-PP e Chega manifestaram-se  contra o fim dos apoios públicos às touradas, durante um debate sobre um projecto-lei de uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos que juntou mais de 25 mil assinaturas, e projectos-leis do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), do Bloco de Esquerda (BE), do Partido Pessoas–Animais–Natureza (PAN) e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues, que defendem que  todas as actividades ligadas à tauromaquia não devem receber qualquer   financiamento por parte de nenhumas entidades públicas, especialmente do Governo, autarquias, institutos públicos ou empresas participadas pelo Estado.  

 

O sofrimento animal é o principal (mas não o único) argumento evocado pelos signatários dos projectos-lei.

 

Se vivêssemos num país onde o bem-estar animal estivesse acima de qualquer interesse troglodita, bastaria este argumento para que, “deputados da Nação”, eleitos por um povo maioritariamente avesso a esta prática boçal, grosseira, cruel e violenta, assente na maior ignorância, acabasse com esta mama institucional, porque isto arrasta Portugal na lama.

 

O principal argumento dos trogloditas, para serem contra o fim dos apoios públicos à tortura de Touros e Cavalos, é, por mais incrível que pareça, alegarem que a “tauromaquia é cultura” e não pode ser discriminada, quando sabemos que a tauromaquia é a acção de um psicopata activo para deleite de psicopatas passivos.

21436577_bvn7y.jpeg

(Vejam na imagem, o tipo de “cultura”  que é a tauromaquia)

Há uma, isto não é cultura, nunca foi nem nunca será. Há duas, quem vê nisto “cultura” tem o cérebro fora do sítio.

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/ProVidaSEMtouradas/photos/p.2811075295599936/2811075295599936/?type=1&theater

 

Para a deputada social-democrata Fernanda Velez, “é falso” que a tauromaquia esteja a ser apoiada pelo Estado, que o número de espectadores de espectáculos tauromáquicos esteja a diminuir e que a maioria dos portugueses seja contra as touradas.

 

Esta senhora deputada está muito mal informada, e como deputada da Nação tinha o DEVER de ir para um debate com toda a informação, porque é verdadeiro que o Estado apoia a tauromaquia; os espectadores diminuíram substancialmente e até já há praças a serem demolidas (era só dar uma voltinha pelos jornais online; e a esmagadora maioria dos Portugueses é CONTRA esta prática bruta, pois se apenas 300 mil gatos-pingados assistem a touradas (e este numero já deve ter diminuído).


Não vale tudo, senhora deputada. E mentir é muito feio.

 

O PCP, através da deputada Alma Rivera, afirmou que as tradições culturais, como a tauromaquia, “não se extinguem por decreto e rejeitou “qualquer tipo de proibicionismo”.

 

Que tradição “cultural” é a tortura de Touros? Nem é tradição (é apenas um costume bárbaro espanhol) e muito menod cultural. O conceito de CULTURA para esta gente anda muito desfocado. E  por um punhado de votos, anda o PCP a fazer política de direita.

 

O deputado André Ventura, do Chega defendeu que “a tauromaquia é cultura”, então não É? É a cultura dos broncos, e apontou para os “milhares” de postos de trabalho” que dependem deste sector.

 

Os “milhares” de postos de trabalho que dependem da tortura de Touros, pediram lay-off? Estão todos a morrer à fome? Demonstre isso, senhor deputado.

 

No mesmo sentido, o deputado do CDS-PP Telmo Correia sublinhou que a tauromaquia “está profundamente enraizada no mundo rural” e considerou que os argumentos para acabar com ela são “populistas, demagógicos e inconstitucionais”.

 

Bem, do CDS/PP já se sabe o que esperar, é por isso que os resultados estão cada vez a baixar mais. E irão até à extinção. O que está enraizada no mundo rural é uma ignorância que chega a doer.

 

A última intervenção neste debate coube à deputada do PS e antiga autarca Maria da Luz Rosinha que defendeu o direito das autarquias continuarem a financiar este tipo de actividade e lembrou que “o acesso às artes deve ser igual para todos os cidadãos”, negando que a tauromaquia esteja a ser beneficiada.

 

Esta foi uma que esbanjou dinheiros públicos, na tortura de Touros, em Vila Franca de Xira, com tanta pobreza cultural, moral e social à sua volta.

 

Os argumentos dos trogloditas não são argumentos, são blasfémias, eivadas de uma desmedida insciência.

 

Sinto vergonha destes “deputados da Nação” que não sabem distinguir CULTURA de TORTURA, e vão para o Parlamento mal informados, e mentir descaradamente, como se todos os Portugueses fossem muito parvos.

 

Amanhã irá votar-se o fim ou a continuidade dos apoios públicos à TORTURA DE TOUROS. Uma vez mais, Portugal estará na berlinda, ou ganha ou perde a oportunidade de evoluir, e tirar o pé de dentro da caverna, onde o mantém atado com muitos grilhões.

 

Capture.PNG

Capture.PNG

 

Isabel A. Ferrreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:53

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos (1)

Os trogloditas do costume contra o fim dos apoios públicos às touradas

 

Não conseguiram captar a mensagem que lhes foi enviada: a esmagadora maioria dos Portugueses não se revê nesta prática cruel e violenta.

 

Continuam a achar que os impostos dos Portugueses são para esbanjar na tortura de seres vivos.

 

Aliás, eles acham que massacrar Touros na arena é chique. Trata-se de uma moda monárquica, que não devia ter cabimento numa democracia (se bem que pseudodemocracia), e até a esta distância, desde o tempo dos reis Filipes de Espanha (1580) -  os difusores deste costume bárbaro em Portugal - a vocação dos políticos portugueses para rastejar é evidenciada, nesta postura servil e inculta.

 

Tanta pobreza moral, cultural e social em Portugal, e vão esbanjar dinheiros públicos com parasitas que vivem, por aí,  à tripa forra!

 

TROGLODITAS.png

 

Deputados do PS, PSD, PCP, CDS-PP e Chega manifestaram-se  contra o fim dos apoios públicos às touradas, durante um debate sobre um projecto-lei de uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos que juntou mais de 25 mil assinaturas, e projectos-leis do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), do Bloco de Esquerda (BE), do Partido Pessoas–Animais–Natureza (PAN) e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues, que defendem que  todas as actividades ligadas à tauromaquia não devem receber qualquer   financiamento por parte de nenhumas entidades públicas, especialmente do Governo, autarquias, institutos públicos ou empresas participadas pelo Estado.  

 

O sofrimento animal é o principal (mas não o único) argumento evocado pelos signatários dos projectos-lei.

 

Se vivêssemos num país onde o bem-estar animal estivesse acima de qualquer interesse troglodita, bastaria este argumento para que, “deputados da Nação”, eleitos por um povo maioritariamente avesso a esta prática boçal, grosseira, cruel e violenta, assente na maior ignorância, acabasse com esta mama institucional, porque isto arrasta Portugal na lama.

 

O principal argumento dos trogloditas, para serem contra o fim dos apoios públicos à tortura de Touros e Cavalos, é, por mais incrível que pareça, alegarem que a “tauromaquia é cultura” e não pode ser discriminada, quando sabemos que a tauromaquia é a acção de um psicopata activo para deleite de psicopatas passivos.

21436577_bvn7y.jpeg

(Vejam na imagem, o tipo de “cultura”  que é a tauromaquia)

Há uma, isto não é cultura, nunca foi nem nunca será. Há duas, quem vê nisto “cultura” tem o cérebro fora do sítio.

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/ProVidaSEMtouradas/photos/p.2811075295599936/2811075295599936/?type=1&theater

 

Para a deputada social-democrata Fernanda Velez, “é falso” que a tauromaquia esteja a ser apoiada pelo Estado, que o número de espectadores de espectáculos tauromáquicos esteja a diminuir e que a maioria dos portugueses seja contra as touradas.

 

Esta senhora deputada está muito mal informada, e como deputada da Nação tinha o DEVER de ir para um debate com toda a informação, porque é verdadeiro que o Estado apoia a tauromaquia; os espectadores diminuíram substancialmente e até já há praças a serem demolidas (era só dar uma voltinha pelos jornais online; e a esmagadora maioria dos Portugueses é CONTRA esta prática bruta, pois se apenas 300 mil gatos-pingados assistem a touradas (e este numero já deve ter diminuído).


Não vale tudo, senhora deputada. E mentir é muito feio.

 

O PCP, através da deputada Alma Rivera, afirmou que as tradições culturais, como a tauromaquia, “não se extinguem por decreto e rejeitou “qualquer tipo de proibicionismo”.

 

Que tradição “cultural” é a tortura de Touros? Nem é tradição (é apenas um costume bárbaro espanhol) e muito menod cultural. O conceito de CULTURA para esta gente anda muito desfocado. E  por um punhado de votos, anda o PCP a fazer política de direita.

 

O deputado André Ventura, do Chega defendeu que “a tauromaquia é cultura”, então não É? É a cultura dos broncos, e apontou para os “milhares” de postos de trabalho” que dependem deste sector.

 

Os “milhares” de postos de trabalho que dependem da tortura de Touros, pediram lay-off? Estão todos a morrer à fome? Demonstre isso, senhor deputado.

 

No mesmo sentido, o deputado do CDS-PP Telmo Correia sublinhou que a tauromaquia “está profundamente enraizada no mundo rural” e considerou que os argumentos para acabar com ela são “populistas, demagógicos e inconstitucionais”.

 

Bem, do CDS/PP já se sabe o que esperar, é por isso que os resultados estão cada vez a baixar mais. E irão até à extinção. O que está enraizada no mundo rural é uma ignorância que chega a doer.

 

A última intervenção neste debate coube à deputada do PS e antiga autarca Maria da Luz Rosinha que defendeu o direito das autarquias continuarem a financiar este tipo de actividade e lembrou que “o acesso às artes deve ser igual para todos os cidadãos”, negando que a tauromaquia esteja a ser beneficiada.

 

Esta foi uma que esbanjou dinheiros públicos, na tortura de Touros, em Vila Franca de Xira, com tanta pobreza cultural, moral e social à sua volta.

 

Os argumentos dos trogloditas não são argumentos, são blasfémias, eivadas de uma desmedida insciência.

 

Sinto vergonha destes “deputados da Nação” que não sabem distinguir CULTURA de TORTURA, e vão para o Parlamento mal informados, e mentir descaradamente, como se todos os Portugueses fossem muito parvos.

 

Amanhã irá votar-se o fim ou a continuidade dos apoios públicos à TORTURA DE TOUROS. Uma vez mais, Portugal estará na berlinda, ou ganha ou perde a oportunidade de evoluir, e tirar o pé de dentro da caverna, onde o mantém atado com muitos grilhões.

 

Capture.PNG

Capture.PNG

 

Isabel A. Ferrreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:54

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 12 de Julho de 2013

O DESINTERESSE DO GOVERNO PREJUDICA A CLASSIFICAÇÃO DA TAUROMAQUIA COMO PATRIMÓNIO NACIONAL?????

 

Mas onde é que nós estamos? Nos confins do mundo, onde só vive gente da Idade das Cavernas?

 

O texto transcrito abaixo é um insulto à Civilização, um insulto a um Governo que se quer culto, um insulto aos Portugueses, um insulto à Cultura, um insulto à Lucidez…

 

(Os textos sublinhados são da autora do Blog)

 

 

«Desinteresse do Governo prejudica classificação da tauromaquia como património nacional

 

Agentes ligados à festa brava de Portugal e Espanha participaram num colóquio em Vila Franca de Xira e chegaram à conclusão que não tem havido empenho governamental na defesa da festa brava.

 

- O Governo de Portugal se se empenhar na defesa da dita “festa brava” será desacreditado em todo o mundo. O Governo de Portugal não tem de ser um governo terceiro-mundista. Não pode ser um Governo inculto. E não será.

 

O Governo tem estado “desinteressado”, pouco motivado e “adormecido” na questão da classificação da tauromaquia como património cultural nacional e a “inércia” com que tem actuado sobre o tema tem prejudicado o sector. A opinião foi partilhada por agentes ligados à tauromaquia de Portugal e Espanha que na noite de 1 de Julho participaram num colóquio alusivo ao tema em Vila Franca de Xira.

 

- Esta opinião só poderá vir de gente alienada, que não tem a mínima noção do que é a TORTURA nem a CULTURA, e pensa que um Governo que se preze tem o dever de dar aval a algo de tão baixo nível moral e cultural.

 

“Aguardamos com impaciência que o secretário de Estado da Cultura tome uma posição sobre este assunto. É com tristeza que vemos passar os meses sem obtermos resposta às declarações municipais que já foram emitidas em 35 das 45 câmaras nossas associadas”, referiu Dionísio Mendes, presidente da Câmara de Coruche e da Secção de Municípios com Actividade Taurina.

 

- As Câmaras taurinas são uma minoria. Dos 308 municípios portugueses apenas 41 vivem na Idade Média e o seu povo  tem um nível cultural a rondar o zero. Como é possível terem a ousadia de pretender continuar com esta peste negra que só enegrece o nome de Portugal, na Europa (juntamente com Espanha e França)?

 

A presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Maria da Luz Rosinha, também lamenta que um património que faz parte “do imaginário colectivo” da comunidade fique “esquecido” pelo Governo. “Sinto alguma frustração pela falta de envolvimento dos responsáveis políticos do país para com a tauromaquia”, lamentou.

 

- A presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Maria da Luz Rosinha… está na hora de dar o lugar a alguém mais civilizado, para ver se Vila Franca de Xira evolui e o país se livra de criaturas completamente desvairadas. Como se o Governo Português pudesse dar ouvidos a uma minoria que quer transformar o país numa arena sangrenta! Só um Governo completamente desatinado o faria.

 

Na opinião do ex-director geral do Património Cultural, Elísio Summavielle, que foi também secretário de Estado da Cultura num governo socialista, há muita inércia no actual secretário de Estado sobre este assunto e diz que o problema se resolve de forma tão fácil como assinar um despacho.

 

- Os que já passaram pelo Ministério da Cultura demonstraram uma incultura assustadora, ao apoiar uma minoria inculta e aberrante. A tauromaquia não é mais do que um costume bárbaro, herdado por bárbaros, para bárbaros. Como é que um Governo tem de preservar a sua lucuidez pode, oficialmente, apoiar um ritual psicopata?

 

“As pessoas têm de preservar a sua cultura e as suas raízes. É mau quando precisamos de protecção legal para sermos livres. O Governo está adormecido neste assunto e têm sido os municípios, como Vila Franca, a alavanca para a discussão da elevação e preservação deste património cultural, como Lisboa fez com o Fado”, destacou Elísio Summavielle.

 

- O senhor Summavielle demonstra uma ignorância atroz, ao colocar ao mesmo nível o FADO e a TORTURA. Terá esta personagem a ideia da patacoada que disse? Não teve a mínima competência para estar à frente de um Ministério da Cultura. Uma minoria do povo é iletrada porque o sistema apoia essa incultura. Mas essa falta de visão está a mudar. O Governo Português está a acordar para a realidade: a esmagadora maioria do povo NÃO QUER TOURADAS.

 

Entre os presentes reinou também a ideia de que a única forma de conseguir a classificação da tauromaquia como património cultural imaterial da humanidade pela UNESCO será através da criação de uma plataforma internacional, que una Portugal, Espanha e outras nações com tradições taurinas, como o México ou o Peru.

 

- Esta é de loucos, como se a UNESCO, um Organismo de Cultura fosse na treta dos ignorantes e transformasse a TORTURA em Património! Só mesmo alguém muito INSANO. Aguardem. A vossa decepção será imensa.

 

Os responsáveis da festa brava, entre ganadeiros e toureiros, estimam que mais de três mil famílias em Portugal vivam dos rendimentos originados pela tauromaquia e por isso entendem que a sua defesa como património cultural é mais do que salvaguardar a festa. “É salvaguardar postos de trabalho e dinamizar a economia nacional, não apenas de quem vai à praça mas também ao nível do turismo. Vinte por cento dos turistas que recebemos em Portugal estão à procura de coisas únicas e diferentes, como a tauromaquia”, defendeu Elísio Summavielle.

 

 - No tempo da escravatura, os senhores de escravos diziam o mesmo. E isto foi há quanto tempo? E quem venceu? E os ditos proprietários de escravos morreram de fome? Este argumento é muito pobrezinho e nem sequer tem pernas para andar. Nada justifica a TORTURA de BOVINOS.

 

Na sessão estiveram presentes também, entre outros, Diogo Costa Monteiro (Associação Pró-Toiro), João Andrade (presidente da Associação Portuguesa de Criadores de Touros de Lide), Paulo Pessoa de Carvalho (presidente da Associação Portuguesa de Empresários Tauromáquicos) e João Ribeiro Telles, da Associação Nacional de Toureiros Portugueses.

 

- Todos uns inúteis para a sociedade. Nos tempos que correm quer-se gente dinâmica para CONSTRUIR, não para TORTURAR.

 

Vivem-se tempos de “psicopatia anti-taurina”.

 

- O que eles são, chamam aos outros. Parou tudo! Quem TORTURA bovinos para diversão não somos nós. A psicopatia está do lado dos tauricidas e afins. É bom recordar.

 

Durante o colóquio, os agentes ligados à festa brava criticaram também a “histeria” e “psicopatia” anti-taurina que, alertam, começa a ameaçar a sobrevivência da tauromaquia. Os amantes da festa brava dizem que está em curso um “ataque globalizado” às tradições taurinas e defendem que é preciso medidas urgentes para defender a afición.

 

- A tourada está MORTA. Não há nada para defender. Ninguém mais a não ser uma minoria inculta pretende salvar uma morta. Não conseguirão. Só Deus pode ressuscitar os mortos.

 

“O touro tem um destino, nasce para morrer com valor. Estamos a ser vítimas de racismo, esses anti-taurinos estão a humanizar os animais e a animalizar as pessoas. Há uma máfia internacional que nos quer condenar”, criticou Júlio Martinez, presidente da praça de touros de Las Ventas, Madrid.

 

- O Júlio Martinez não fica atrás dos portugueses nas patacoadas que diz. Os espanhóis, refira-se aqui, são ainda mais cruéis nas suas variantes taurinas. Máfia, não somos nós, porque não pertencemos a grupos vilãos, como os tauricidas. Mas que existe um Movimento Internacional que acabará de vez com esta peste negra, ai isso é verdade. Vocês são uma minoria inculta no mundo. O mundo não vos quer a não ser para plantar hortas e pomares.

 

O presidente da Associação Internacional de Tauromaquia, William Cárdenas, diz que é “um erro crasso” afirmar que os animais são “sensíveis” e Elísio Summavielle criticou a “psicopatia” social que está a destruir a festa brava. “Um cão pitbull esmagou o crânio a uma criança. No dia seguinte havia 50 mil assinaturas para não matarem o cão. Mas o nome da criança ninguém sabia. Isto é muito grave e indica que algo está mal”, lamentou.

 

- Pois se é um erro crasso afirmar que os animais são sensíveis, desculpe senhor Cárdenas mas o senhor é muito ignorante, e nem sequer é um animal. É simplesmente uma carcaça, cheia de NADA.

 

Os responsáveis pela morte desta criança NÃO FOI O CÃO. Foram os que deviam protegê-la e não protegeram. Não seja faccioso, senhor Summavielle. Diga a verdade, tal como ela é.

 

ENTERRAREMOS A TOURADA, BREVEMENTE…

 

Fonte:

http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=608&idSeccao=10495&id=92771&Action=noticia

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:29

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 13 de Julho de 2012

OLHA QUE QUATRO, A DEFENDER A IGNORÂNCIA, A DITADURA DO SANGUE, A CENTRALIZAÇÃO DE IDEIAS DESUMANAS E A ARROGÂNCIA DOS NÉSCIOS!

 

 

Imagem do importante evento cultural e patrimonial português defendido no debate em Vila Franca de Xira... Esta afirmação não virá de cérebros imprepardos?

 

«A tauromaquia é uma tradição sem partidos que deve estar acima dos políticos», uma estranha forma de ver a tortura de seres vivos, defendida num debate sobre a Política e os Toiros, ocorrido a 4 de Julho, em Vila Franca de Xira (a segunda terra mais carniceira de Portugal) no âmbito da XXIII semana da COLTURA tauromáquica da cidade, em que participaram quatro aficionados que envergonham o país.

 

Sim, porque em Vila Franca de Xira não há semanas culturais nobres. Apenas a sanguinária, que até é Património Imoral do Município.

 

Ora os quatro “magníficos” foram a presidente da Câmara de Vila Franca de Xira, Maria da Luz Rosinha (que está envolta em trevas, embora tenha luz no nome); Gabriela Canavilhas (ex-ministra da cultura, senhora de uma COLTURA igual a varredura); Demétrio Perez (ex-delegado da junta de Andalucia, Espanha, outro que tal tauricida) e Francisco Moita Flores (presidente da Câmara Municipal de Santarém, aquele que acha que quem defende a VIDA e a DIGNIDADE DOS ANIMAIS NÃO HUMANOS é talibã).

 

Disse-se nesse debate que a tauromaquia é um importante evento cultural e patrimonial português (não têm mínima noção do que disseram, e passam por incultos em qualquer parte do mundo, até entre os mais incultos dos incultos) e que deve ser preservado (talvez como as múmias) e deve estar acima dos interesses partidários e políticos (o que é o mesmo que dizer abaixo de lixo).

A desiluminada Maria da Luz Rosinha, do PS, referiu que «nestas coisas não deve haver partidos. Trata-se de defender a nossa cultura e o que temos de mais tradicional».

 

Ora, francamente, a tortura de seres vivos é o que Vila Franca de Xira tem de “mais tradicional”? Não terão por lá um Rancho Folclórico que DIGNIFIQUE aquela terra? A TORTURA DE TOUROS e CAVALOS é o que têm de mais tradicional? Nem um docinho têm?

 

Que terra mais pobrezinha culturalmente!

   
Uma ideia também defendida neste debate foi a de que «o trabalho feito na praça Palha Blanco e a constante aposta na festa do Colete Encarnado têm permitido a Vila Franca crescer e recuperar, pouco a pouco, o seu lugar central no cenário tauromáquico português».

 

Isto realmente é algo muito importante, que traz um ENORME PRESTÍGIO para a terra, muito maior do que os festivais de música erudita ou mesmo roqueira. Ficam ACIMA de qualquer cidade europeia, com tanta COLTURA.

 

VFX cresce com TORTURA e SANGUE. Está ao nível dos grandes centros europeus, onde a verdadeira Cultura borbulha a cada esquina, num edifício, numa fonte, numa ponte, num jardim, numa escultura, num grupo de artistas de rua...

 

A casa estava cheia, o que foi motivo de ORGULHO para Rosinha. Uma casa cheia de sádicos, talvez também necrófilos, ávidos de sangue.

 

Neste debate, imaginem, foi proposta a realização de uma corrida de homenagem nacional às figuras públicas que apoiam e “dão a cara” pela festa de touros.

 

Algo que trará um ENORME prestígio aos homenageados, que talvez até recebam uma medalha da autarquia, onde figure a imagem que ilustra este texto. Para recordarem o tempo em que eram sanguinários, quando a tourada for considerada a vergonha de um mundo antigo, como hoje é o do Circo Romano.

 

Também se falou naquela MENTIRA em que se baseiam os tauricidas para sustentarem a tese da NECESSIDADE da tauromaquia: a quantidade de empregos gerados pela actividade tauromáquica na região do Ribatejo (que ousadia! Até parece que são mais do que as mães!).

 

E reflectiram igualmente sobre a proibição de touros de morte em Portugal.

 

Esta gente em vez de EVOLUIR, REGRIDE. Cada vez está mais “doente”. A loucura libertou-se em Vila Franca de Xira e escorreu pelas mentes daquela gente.

 

A Rosinha chegou a citar o “brilhante” Miguel Sousa Tavares em relação à proposta de lei apresentada pelo Bloco de Esquerda, nessa mesma tarde, para que acabassem a exibição televisiva de touradas e os apoios públicos aos espectáculos tauromáquicos, dizendo que é uma proposta «culturalmente ignorante, ditatorial, centralizadora e arrogante».

 

Isto pode parecer uma anedota, mas não é. Esta é a realidade PODRE da tauromaquia.

 

O que eles defenderam ali foi a ignorância, a ditadura do sangue, a centralização de ideias desumanas e a arrogância dos néscios.

 

Como é possível isto ainda existir?... É um grande mistério envolto nos fumos e nos mofos dos tempos primitivos.

 

Conclusão: esta gente não tem o cérebro programado para a EVOLUÇÃO.

 

http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=556&id=84600&idSeccao=9357&Action=noticia

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:55

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
18
20
25
26
28

Posts recentes

Os trogloditas do costume...

Os trogloditas do costume...

O DESINTERESSE DO GOVERNO...

OLHA QUE QUATRO, A DEFEND...

Arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt