Sábado, 16 de Abril de 2016

AS LÁGRIMAS DO TOURO

 

«Bull crying during a bullfight...»

 

Eles são seres sencientes. Sofrem tal como nós.

Quem tortura um touro deve saber que no lugar do touro poderia estar um ser humano, e as lágrimas seriam lágrima da mesma dor…

 

 

Bulls Defenders United

 

 


publicado por Isabel A. Ferreira às 16:47

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 27 de Outubro de 2015

AS LÁGRIMAS DE UM CÃO SÃO IGUAIS ÀS MINHAS

 

A ignorância dos torturadores de animais, ditos não humanos, é tanta, que desconhecem que eles próprios também são animais como os cães…

 

(Este vídeo é dedicado ao ICE que, frequentemente, vem ao meu Blogue destilar a sua condição de lixo humano)

 

 

Esta foi a reacção de uma cadela depois de ter sido resgatada com os seus filhinhos.

 

O que a fez chorar?

 

O mesmo que me faria chorar, a mim, na mesma circunstância.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:15

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 1 de Setembro de 2015

É ISTO QUE ACONTECE QUANDO SE ABANDONA O MELHOR AMIGO DO HOMEM

 

Um vídeo que leva às lágrimas quem tem alma e coração…

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:05

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Terça-feira, 9 de Junho de 2015

A melhor forma de comemorar o Dia de Camões é devolver a Portugal a Língua Portuguesa

 

Amanhã, o governo português pretende celebrar o Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades, com cerimónias hipócritas, que em nada dignificam um país que está a ser  vendido  e a perder um dos seus maiores símbolos identitários: a Língua Portuguesa.

 

LUIZ VAZ DE CAMÕES.jpg

 

Esta estátua jacente de Luís Vaz de Camões encontra-se no Mosteiro dos Jerónimos. Os seus restos mortais estarão ali ou não, mas o que importa é o Homem de Letras que ele foi, e amanhã será celebrado numa língua que não é a Língua de Camões, aquela Língua que ele usou para tornar grande um Portugal pequeno.

 

Se pudesse falar, lá do limbo, onde com certeza se encontra, diria, desgostoso:

 

«Parai, ó (h)omens sem honra! Arrancastes as raízes da Língua, com a qual celebrei os feitos dos Portugueses, e agora só restam palavras desfeadas, afastadas das suas origens, para contar as proezas imperfeitas dos que venderam, por baixo preço, o meu País!»

 

***

 

Eu, como cidadã portuguesa, não pactuarei com esta traição à minha Pátria.

 

Que acordo permitiu unificar que língua?

 

A Língua Portuguesa não foi, com toda a certeza.

 

A Língua Portuguesa não é aquela mixórdia de palavras mal escritas e mal ditas que o governo português pretende impingir-nos.

 

Com isto, as editoras perderam uma boa cliente: eu gastava fortunas em livros, e agora não gasto.

 

Espero que quem ama verdadeiramente a sua Pátria e os seus valores culturais identitários, digam um rotundo NÃO a esta deslealdade para com os Homens (com H maiúsculo) que nos deixaram uma Língua, e omens (sem H nenhum – se não se lê, não se escreve, não é esta a nova regra deformatória da nossa Língua?) a mataram por trinta dinheiros.

 

Amanhã, em vez de flores, depositarei as minhas lágrimas no túmulo de Luís Vaz de Camões.

 

Os governantes portugueses depositarão flores no túmulo de Luís "Vás" de Camões.

 

E isto não é a mesma coisa.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:27

link do post | Comentar | Ver comentários (68) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 8 de Junho de 2015

MAMÃ PINGUIM CHORA PELA SUA CRIA CONGELADA

 

Neste vídeo da BBC podemos ver (e ouvir) o momento em que uma mamã pinguim emite um intenso bramido ao confirmar que o seu filho estava morto. Tenta reanimá-lo e, inclusive, outra mamã acerca-se dela para a consolar.

Uma cena muito triste e emotiva, na qual podemos perceber o mundo emocional dos animais.

Partilha-o, para mostrar ao mundo que os animais têm emoções e que a vida deles são tão importantes para eles, como a nossa vida é importante para nós.

 

Música de Will Gregory

Série dirigida por John Downer

***

Esta cena comoveu-me até às lágrimas.

Quem diz que os nossos irmãos não humanos não têm sentimentos ou emoções, não sabe nada sobre si próprio.

Porque ANIMAIS, somos todos nós.

 

www.Facebook.com/IgualdadAnimal

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:41

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 1 de Março de 2015

AS “PEGAS” DE TOUROS MORIBUNDOS PELOS COBARDES FORCADOS PROVOCAM UM DESMEDIDO SOFRIMENTO AOS ANIMAIS

 

E há quem aplauda! 

E há quem chame a isto “coragem”… 

E há governantes cegos mentais que aprovam esta prática cobarde, violenta e cruel e a considere um “trabalho”…

 

A PEGA.jpg

Fotografia: Planeta dos Touros (campo pequeno, 26 de Agosto de 2010)

(Veja-se a cobardia do forcado diante de um touro embolado, a sangrar, moribundo, que, com valentia, reúne as derradeiras forças, seguindo o instinto de sobrevivência, para se defender do seu carrasco. Por vezes resulta. A maioria das vezes, não.)

 

«As etapas sofridas pelo touro em nome de uma conspurcada tradição…»

 

Momentos pré-pega para os bovinos:

  • Transporte ganadaria-praça, que lhes causa muito stress e os faz perder muito peso;

 

  • Embolação, que inclui o corte e limagem dos cornos sem anestesia, e os deixa ainda mais stressados e debilitados;

 

  • Lide por cavaleiro tauromáquico que dura cerca de 10 minutos e inclui o cravar de arpões de 6 a 8 ferros/bandarilhas, e que os deixa exaustos, devido à sua fraca resistência física e às fortes hemorragias que os ferimentos provocam.

 

Estado dos bovinos no momento imediatamente antes da pega:

  • Assustados, feridos, febris, com dificuldades respiratórias, esgotados e à beira de um colapso.

 

Pega de caras:

 

Os peões de brega – aqueles indivíduos que ao longo da lide vão saltando para a arena com uns panos cor-de-rosa e que cansam ainda mais os touros - preparam o bovino para a pega, colocando-o no sítio em que o cabo (chefe) dos forcados manda, para então se dar início ao cobarde acto, no qual os intervenientes são oito homens, ou oito mulheres, que desconhecem o significado da palavra compaixão.

 

Um desses oito forcados provoca o touro, vociferando e batendo palmas. Os restantes, estão colocados em fila indiana, escondidos atrás daquele, para que o touro não os veja.

 

Enquanto o touro é instigado a investir, evidencia sinais de exaustão, medo e tristeza, como sejam: língua caída, respiração ofegante, emissão de berros, e, muitas vezes, choro. Nas touradas televisionadas, os berros são propositadamente abafados por palavras proferidas pelos comentadores de serviço, e as lágrimas não são mostradas, optando-se nesses momentos pela transmissão de imagens de sorrisos de crianças inocentes ou de poses de figuras públicas que se encontram nas bancadas.

 

Muitos dos bovinos demonstram uma grande falta de vontade de investir. Alguns chegam a escavar a terra com uma das patas dianteiras, olhando na direcção do forcado que os provoca, talvez na esperança de que isso funcione como um aviso de investida que faça, por si só, o homem-ameaça ir-se embora dali.

 

Quando, finalmente, o animal corre em direção ao homem-ameaça, este salta-lhe para a cara, conseguindo, muitas das vezes, agarrar-se ao seu pescoço ou aos seus cornos. O bovino sacode a cabeça na esperança de se ver livre daquilo, mas aparecem, de imediato, mais sete indivíduos para o imobilizar. São os chamados “ajudas”, um dos quais é “rabejador”. Este último, começa por dar vários puxões fortes ao rabo da vítima, para a destabilizar e travar, e após a imobilização, quando já não está nenhum dos seus colegas em cima dela, remata esta cena triste fazendo com que o touro se mova em círculos, para que os colegas possam abandonar o local sem correr qualquer risco de investida.

 

Uma das variantes da pega de caras: agarrar

 

Por diversos motivos, como o touro ser mais manso do que o desejável, ou a falta de habilidade dos forcados, quando se está a tornar difícil concretizar a pega, uma das opções de recurso, algumas vezes tomada, é o grupo, todo em “molho”, atirar-se para cima do animal. Em linguagem tauromáquica, chama-se a esta cruel variante agarrar. Imagine-se o estado em que o bovino fica, com vários homens a caírem sobre os ferros terminados em arpões que tem cravados no corpo!

 

Vivo para os currais:

 

Existem outras variantes da pega de caras e outros tipos de pegas, como a de cernelha, mas, por vezes, após várias tentativas falhadas, nenhuma chega a ser consumada. Quando assim é, diz-se que o touro volta vivo aos currais. Esta expressão diz tudo!

 

***

Via Marinhenses Anti-Touradas (blogue e facebook).

Veja os artigos restantes no álbum original ou no álbum do blogue.

 

Fonte:

http://grito-silenciado.blogspot.pt/2015/02/nos-bastidores-da-violencia-pega-parte.html

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:35

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 16 de Junho de 2013

A FAVOR DOS DIREITOS DOS ANIMAIS NÃO HUMANOS

 

AMIZADE

"Muito belo, comovente até às lágrimas, salutar para espírito e sentimentos. Tanta empatia, simpatia,  confiança, amor. Haja esperança, vontade e acção de mudar este mundo para melhor, respeitando animais humanos e não humanos e meio ambiente".

 

Vasco Reis (Médico Veterinário)

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:16

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 16 de Novembro de 2012

«O ANIMALISMO, LÁGRIMAS E COMPROMISSO»

 

(Imagem retirada da Internet)

 

 

UMA EXCELENTE VISÃO DO QUÉ É SER ANIMALISTA E OS SEUS MOTIVOS, QUE PARTILHO INTEIRAMENTE

 

 

Por Julio Ortega Fraile

 

«Uma luta tão dura quanto imprescindível. Uma luta que não cessará até que sejam alcançados os nossos objectivos.

 

 

Esquecidos pela maioria dos políticos, ignorados por quase todos os meios de comunicação social, desprezados por uma boa parte da sociedade, insultados e ameaçados pelos que fizeram do maltrato de seres vivos o seu código moral e a sua fonte de receitas. Na verdade, alguém crê que ser animalista é pera doce?

 

Por dinheiro não é. Aqueles que querem encher os bolsos ou sobreviver à custa dos animais dedicam-se a explorá-los sem contemplações, nunca a defendê-los.

 

Tao pouco é pelo prestígio social, não num país onde os toureiros são heróis, onde os cortesãos com intenção de subir na vida vão à caça com o Rei, banqueiros, grandes empresários ou ministros, e onde um casaco de peles é sinónimo de “glamour”.

 

Nem por moda. Não é uma grande aposta para se obter uma boa imagem social, que te acusem de sectário, lunático, vadio, ou anti-sistema, ou que as tuas actividades dentro e fora das redes sociais sejam controladas como se fosses um constante suspeito.

 

Nem é porque os que proteges te vão fazer homenagens. Os animais desconhecem tanto os que os matam como os que os defendem. Só sabem que querem viver, como tu, como eu, como qualquer um.

 

Então o que está por detrás do activismo pelos animais?

 

A decisão tem uma origem comum: a informação, que em alguns casos conduz à reflexão, e daí, às vezes, não muitas, à tomada de um compromisso.

 

Quando a reflexão surte efeito, é seguida de incredulidade, raiva e dor, sentimentos que, embora nos causem danos, são absolutamente necessários para darmos o passo seguinte: ir à luta com determinação imprescindível para actuar, com o preço indispensável para enfrentar as consequências, com a força necessária para não nos deixarmos vencer pelos fracassos, para assumirmos a incompreensão de amigos e estranhos, para suportar os ataques e para conviver com as terríveis feridas que se abrem, ao entrarmos no inferno eterno onde ardem os animais.

 

Chegados a este ponto é fácil entender que as pobrezas humanas: a brutalidade, o cinismo, a falsa compaixão, grosserias, ameaças ou ofertas não funcionam quase nunca no animalismo, e isso é o que mais perturba aqueles que estão acostumados a fazer da violência, do egoísmo ou da ganância os seus padrões de conduta e moeda de câmbio.

 

Por isso, e depois de ter sido, como muitos outros, envolvido nesta causa cheia de contínuas agressões, posso assegurar que tudo isto só vem reforçar os meus objectivos, porque ao sofrimento real dos animais, às razões mesquinhas que o apoiam e à indiferença social perante um drama com milhões de mortes cada dia, soma-se a convicção de que quem utiliza estratégias tão tacanhas para que nada disso mude, não merece a menor abertura de impunidade, nem um pouco de compreensão, nem uma expressão de cumplicidade, nem um minuto de descanso.

 

 E tal não lhes daremos, claramente que não o faremos, porque eles tão pouco dão tréguas aos animais que condenaram, apenas porque são de outra espécie.

 

Não, ser animalista não é pera doce, mas alimenta-se de ética a consciência, ainda que muitos prefiram continuar a viver com fome moral.»

 

Julio Ortega Fraile

 

@JOrtegaFr

 

Delegado de LIBERA! en Pontevedra

 

Fonte:

http://www.kaosenlared.net/component/k2/item/37704-el-animalismo-l%C3%A1grimas-y-compromiso.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:46

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

INSISTO, LOGO EXISTO...

 

 

 Copyright © Isabel A. Ferreira 2010

 

 

 

 

Se não fores capaz de rezar
Chora
Porque as lágrimas são preces silenciosas...

Se não fores capaz de chorar
Sorri
Porque o sorriso é a arma dos inocentes...

Se não fores inocente, não faz mal,
Todos carregamos uma culpa.
O importante é evoluirmos...

Se não conseguires evoluir, não te atires de uma ponte,
Senta-se à beira do rio
E ouve o que diz as águas...

Elas dir-te-ão:
Vai, segue o teu caminho...

Se encontrares uma pedra, rodeia-a,
Mas vai,
Descobrirás sempre a saída para o mar
E no mar encontrarás a força que te falta...

Ele dir-te-á:
Insisto, logo existo, insisto, logo existo…

E vai rolando as suas águas continuamente…

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:13

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
15
19
23
24
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

AS LÁGRIMAS DO TOURO

AS LÁGRIMAS DE UM CÃO SÃO...

É ISTO QUE ACONTECE QUAND...

A melhor forma de comemo...

MAMÃ PINGUIM CHORA PELA S...

AS “PEGAS” DE TOUROS MORI...

A FAVOR DOS DIREITOS DOS ...

«O ANIMALISMO, LÁGRIMAS E...

INSISTO, LOGO EXISTO...

Arquivos

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt