Quarta-feira, 1 de Janeiro de 2020

(Des)concerto de Ano Novo

 

Desde sempre me preocupei com as crianças, afinal, são elas o futuro da Humanidade. E foi por elas que escrevi o «(Des)concerto de Ano Novo», no já longínquo fim de ano de 2009.

 

Chamo-o” para o dia de hoje, porque passados 10 anos, continuo preocupada, ainda mais,  com as crianças, esquecidas neste mundo enlouquecido, sobretudo, com as crianças portuguesas, pois nada mudou, nada avançou, tudo se transformou, para pior, desde 2009, quando o normal seria evoluir-se…

 

O que se tem feito contra as crianças, em Portugal, constitui um crime de lesa-infância, ao qual nenhuma autoridade dá a mínima importância, talvez porque as crianças não votam, não se manifestam, não têm voz.

 

Além de não lhes assegurarem um futuro condigno, neste Planeta que se esvai, estão a impingir-lhes uma grafia que não lhes pertence. Estão a enganá-las de um modo vil. O desrespeito que a elas os governantes, os parlamentares, a maioria dos professores e muitos pais consagram é horripilante!

 
É motivada pelas crianças que faço esta reflexão, desejando que o ano de 2020 traga a lucidez e a racionalidade, que tão arredadas andam da sociedade portuguesa e das esferas do Poder.

 

Ano Novo1.png

 

Um novo ano abre caminho para um lugar velho.

 

Nestas ocasiões costumo reflectir acerca do que se passa no mundo e ao meu redor: se os homens cresceram ou continuam crianças, eternamente teimosas, brincando aos chefes e aos bandidos, enfim, se renitentes em deixar crescer a mente para se tornarem homens responsáveis e poderem governar os destinos dos outros homens, com a lucidez necessária.

 

Reflicto igualmente no que eu própria fiz ou fui, e como tudo poderia ter sido diferente SE...

 

Entretanto, e porque foi época de troca de prendas, chegou-me do Brasil a obra «Amor – Um Livro Maravilhoso Sobre a Maior Experiência da Vida», da autoria de Leo Buscaglia, escritor de origem italiana, que me ensinou muitas coisas e fez-me reflectir sobre outras, nomeadamente a Criançaessa eterna esquecida.

 

Eu tinha imaginado para este início de ano uma crónica algo idêntica a um belo prelúdio, executado num bosque, com chilreio de pássaros à mistura. Contudo, uma qualquer força misteriosa (sempre presente em mim) conduz os meus pensamentos para a Criança – espécimen em extinção.

 

Alarmei-me, e desconfio que o meu pretendido prelúdio se transforme num desconcertado concerto de Ano Novo.

 

No seu livro, Leo Buscaglia fala de uma professora de arte que, um dia, desenhou, no quadro negro, uma árvore que parecia um pirolito (era a árvore dela), e pediu aos alunos que também desenhassem uma, nos seus cadernos.

 

Um garoto (que conhecia bem as árvores, pois já «subira numa árvore, abraçara-a, caíra de lá, ouvira uma brisa através dos seus galhos...» desenhou uma «linda monstruosidade com os seus lápis roxo, amarelo, laranja e verde». Mostrou-a à professora, e esta comentou: «Que loucura!» Porque o que na realidade pretendia era que o menino desenhasse uma árvore igual ao “pirolito” que ela desenhara no quadro negro.

 

Esta passagem, fez-me recordar uma outra história, esta verídica, passada numa escola da cidade onde resido, com uma menina, minha amiga, tímida, por natureza (não serão as flores tímidas também, no seu desabrochar?) mas muito perspicaz e observadora.

 

A professora mandara a turma desenhar e pintar uma árvore. A menina desenhou então a “sua” árvore, semelhante às das outras crianças, com excepção da cor: a sua era avermelhada.

 

Ano Novo2.png

 

A professora ao ver tal cor na árvore, disse-lhe: «A tua árvore está errada, porque as árvores são verdes e não vermelhas.» A menina, como era tímida, calou-se. Nada explicou à professora. Se esta não tinha entendido a “sua” árvore, de nada valeria explicar-lhe o que quer que fosse.

 

Nesse dia, a menina chegou triste a casa, e contou à mãe o sucedido: ela havia desenhado uma árvore e pintara-a de uma cor avermelhada, igual à que tinha visto no Jardim Botânico de Coimbra, numa manhã de Outono. Era tão bonita! A professora dissera-lhe que a “sua” árvore estava errada, pois as árvores são verdes. Porém, a menina já tinha visto árvores com folhas amarelas, castanhas, vermelhas, e, além disso, aquela era a “sua” árvore de Outono.

 

A mãe tranquilizou-a dizendo: «Deixa lá! Talvez a professora nunca tivesse olhado para as árvores, no Outono. Talvez tu pudesses ter-lhe sugerido que observasse melhor as árvores no Outono...»

 

Mas a menina entendeu que não valia a pena. Se a professora cresceu sem nunca ter observado as árvores no Outono, agora já não fazia diferença nenhuma...

 

O certo é que essa menina começou, desde então, a rejeitar a escola e a desmotivar-se pelo estudo. Na verdade, o que poderia aprender com alguém que nem sequer uma árvore de Outono conhecia?...

 

Se, ao contrário daquela frase seca «A tua árvore está errada», a professora tivesse perguntado: «Por que pintaste a árvore de vermelho?», a menina teria tido oportunidade de explicar-se, e que bela aula sobre o Outono e as transformações da Natureza poderia ter acontecido!

 

Daí para diante, a escola para esta menina foi um lugar de desencanto. E para quantas mais, por idênticos ou outros motivos, a escola não passa de um lugar de tédio?

 

Embora na prática, e quase inconscientemente, sempre tivesse lutado pela preservação da minha própria individualidade (cada ser humano tem a sua, e existe algo dentro de cada um que o diferencia de todos os outros), o que determinou o modo como estou no mundo, enfrentando os preconceitos dos outros, para poder ser livre (só criamos sendo livres), teoricamente, foi o que aprendi fora da escola, o que significa que o Ensino em Portugal, apesar de todas as reformas e contra-reformas, sempre dificultou o processo de ajudar o aluno a descobrir e a entender a sua própria individualidade, não lhe apontando os caminhos que poderão desenvolver essa particularidade, nem lhe mostrando como a partilhar com os outros. O que temos é um Ensino que tenta fazer com que todas as crianças sejam iguais. E é isso que me assusta.

 

A propósito, recordo-me que quando frequentava a Faculdade, tive uma discussão académica com o meu professor de Pré-História, na aula em que ele tentava “impingir-nos” a teoria de Darwin, sobre a Origem do Homem. Como eu já havia lido algumas outras opiniões (não entra aqui a de Adão e Eva) sobre a matéria, formulei a minha própria teoria, não menos lógica do que a de Darwin. Mas quem era eu para me atrever a desenvolver teorias que se opusessem ao que estava estabelecido como certo? Uma simples aluna, que devia papaguear o que o professor dizia, sem poder emitir opiniões?

 

Recordo-me igualmente do meu primeiro e único “chumbo” na minha vida de estudante, quando me atrevi, num exame final, a tecer considerações sobre o «comportamento libertino do clero na Idade Média». Pedi revisão de prova, e verifiquei que em todas as minhas respostas haviam sido retirados alguns pontos (mais nessa do clero) por “irreverências” (ou seja, opinião pessoal) num tempo em que tínhamos de calar o pensamento, o que transformava os alunos em autênticos “papagaios”, o que eu, naturalmente, me recusava a ser (daí a minha nota de curso ter-se ficado por um simples 13,5).

 

Hoje, no pós-25 de Abril, tudo continua quase na mesma ou pior ainda. Os alunos são tratados como atrasados mentais, não lhes deixando muito campo para a criatividade (serão os professores criativos?). Nem os deficientes mentais devem ser tratados como tais. A normalidade gera a normalidade. E a criatividade gera a criatividade.

 

O professor deve limitar-se a mostrar as “ferramentas” do saber aos alunos, e deixar que estes criem, soltem o pensamento, sonhem, descubram algo de novo no mundo que têm ao seu alcance.

 

No tempo em que dei aulas (era ainda bacharel), tentei “fugir” ao programa oficial, dando liberdade às crianças (ensinava História e Língua Portuguesa) de voarem com as suas próprias asas. Cheguei mesmo a recusar-me a dar a matéria tal qual vinha no Compêndio, nomeadamente sobre as Colónias Portuguesas de África, a Guerra no Ultramar e a Acção de Oliveira Salazar, por considerar que estaria a mentir às crianças. Não tive tempo de deixar os alunos comporem o seu próprio juízo, pois nesse ano, o primeiro em que dei aulas (1973/74) aconteceu o 25 de Abril e o ensino da História levou outro rumo: acabarm com ela.

 

Porém, se eu não podia, por força das circunstâncias, conduzir os meus alunos à descoberta da sua própria individualidade, deixá-los criar o seu próprio universo (nem todos vemos as árvores do mesmo modo) então melhor foi abandonar o ensino (no ano lectivo de 1974/75), e, liberta de todas as amarras, dedicar-me ao jornalismo e essencialmente à criação literária, lugar onde podemos voar até ilimitadas imaginações, com as asas do pensamento.

 

O que fundamentalmente pretendo dizer com tudo isto é alertar os agentes da educação e do ensino (um dos grandes podres da nossa sociedade) que eventualmente possam vir a ler estas palavras, para o facto de que há um tempo para a infância, outro tempo para a adolescência, outro, para a juventude, outro, para o estado adulto, e outro ainda para envelhecer.

 

Se o ser humano não passar por estes estágios adequadamente, virá a ser um autêntico fracasso enquanto indivíduo.

 

A tendência, hoje, é para “fabricar” adultos precoces, autênticos “robôzinhos” informatizados e estandardizados. Se uma criança cresce pensando e agindo como um adulto, aos vinte anos sentir-se-á velha e desencantada.

 

Quando entre esses “robôzinhos” aparece uma verdadeira criança, dizem que «é muito infantil para a idade», embora a idade seja para ser infantil. O que é feito de valores como a inocência, a ingenuidade, a candura, tão características das crianças?

 

Estão a desaparecer. Vão sendo raras aquelas que pintam árvores vermelhas de Outono, uma vez que é proibido ser criativo, ser infantil, ser criança; é proibido sonhar com bolas de sabão, porque os computadores, os tablets, os i-phones, i-pads, as consolas é que são o futuro.

 

Avançamos no século XXI. Encontramo-nos já na segunda década do século, no ano 2020. Receio que no final deste século já não hajam crianças, por muitos, muitos motivos. Apenas uma humanidade velha e esfarrapada, aquela que sobrará de uma sociedade em decadência, num planeta igualmente a caminho da extinção.

 

O facto é que não sei se o tempo, ou se os homens e as mulheres do nosso tempo pretendem exterminar aquele encanto, aquela fantasia e até os sonhos cor-de-rosa que constituem uma parte muito essencial de toda a infância.

 

Hoje, pretende-se que as crianças cresçam depressa, para não ter de se perder tempo com elas. Conheço mães que, para as substituir, oferecem cães aos filhos. E à noite, os filhos ficam sozinhos em casa, aos cuidados do amigo não-humano, e eles (pais e mães) vão à discoteca, aos bares, e nem sonham com o que, entretanto, se passa em casa com os filhos.

 

Vem depois a droga, como alternativa, e a sociedade revolta-se contra os drogados, porque são uns marginais, uns delinquentes, uns irresponsáveis, mas ninguém procura saber o que, na realidade, está por detrás dessas fugas para o mundo da total alienação. São poucos aqueles que se drogam por caírem em armadilhas ou por simples curiosidade. A grande maioria tem uma história triste para contar. Uma história que tentam esquecer, entrando num mundo que julgam ser eternamente tranquilo e colorido...

 

O que pretendem os adultos fazer com a infância?

 

É esta reflexão que proponho para este início de ano, uma vez que não existirá futuro se as crianças de hoje não puderem sorrir e sonhar... Se não puderem ser crianças...

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 15 de Setembro de 2016

RESPONDENDO AO IVO, QUE RECUSA O MEU ESTUDO SOBRE «TAUROMAQUIA – UMA DOENÇA DO FORO PSIQUIÁTRICO»

 

 

Não sei quem é o Ivo, mas seja quem for, é um daqueles indivíduos a quem a VERDADE aguilhoa, mas não tanto como as bandarilhas cravadas na carne dos Touros…

 

TOURO.jpg

 

O Ivo comentou:

De Ivo a 14 de Setembro de 2016 às 13:33

 

As conclusões a que você chega, que 2o escreve, se baseiam em estudos, mto bem. Algum desses estudos teve por população alvo toureiros? Ganaderos? Cavaleiros? Pessoas que assistem a touradas? Se ñ teve como pode você extrapolar as conclusões desses estudos para essas pessoas? Nenhum cientista que queira ser levado a sério o fará. As suas conclusões são suas e ñ passam de uma opinião sua e de forma alguma se baseiam em factos e mto menos em conclusões dos estudos que fala. Tb eu gostava que esses estudos existissem ou que sejam feitos, recorrendo a métodos científicos e isentos para que as conclusões a que cheguem ñ possam ser colocadas em causa.

 

Eu respondi:

 

Ora vamos lá a ver se nos entendemos.

 

As conclusões a que eu chego, baseiam-se em estudos mais do que comprovados e confirmados. Em factos reais, actos reais, atitudes reais e comportamentos públicos. Certo?

 

Os estudos em que me baseei estão esmiuçados no meu texto, e penso que esta parte está bastante clara, para quem sabe ler e compreende o que está escrito (porque há quem saiba ler, mas não compreende o que está escrito).Certo?

 

Estes estudos fazem-se estudando. E quem os faz não é propriamente quem se dedica à agricultura ou à limpeza de estábulos, profissões bastante dignas, mas que não dão aptidão a ninguém para saber investigar, observar e estudar os comportamentos desviantes de um determinado indivíduo ou grupos sociais. Certo?

 

Quem faz estes estudos, tem de ter conhecimentos aprofundados sobre uma série de disciplinas entre elas a Psicopatologia, Ciências Humanas e Sociais, Sociologia, Psicologia, Ciências do Comportamento, Métodos de Pesquisa e Análise de Dados, e também os Aspectos da Sexualidade Humana (à qual está ligada transtornos comportamentais que um leigo nem imagina, e que constitui o cerne da minha pesquisa), apenas para referir alguns. Certo?

 

Quem faz estes estudos tem o dever ético e profissional de observar à lupa a população alvo que pretende estudar. Certo?

 

Ora, chegados aqui, e tendo em conta tudo o que referi, as conclusões que aqui apresentei, foram baseadas nos estudos efectuados por mim, que não sendo encartada em Psicologia, nem em Psiquiatria, nem em Criminologia, tenho conhecimentos suficientes nestas três áreas (o facto de ter me dedicado ao Jornalismo de Investigação, durante cerca de 15 anos, assim mo exigiu) para poder efectuar um estudo, que já dura há mais de cinco anos, tendo como alvo os toureiros, os ganadeiros, os montadores de cavalos, os forcados e os aficionados, e devo dizer-lhe que todos estes indivíduos deram-me preciosos elementos para chegar às conclusões a que cheguei, e que qualquer cientista encartado chegará, se quiser aproveitar este “comboio que deixei em andamento”.

 

Eu lido com FACTOS. Com ACTOS. Com ATITUDES. Com COMPORTAMENTOS que fazem parte da REALIDADE. Não lido com ilusões, ou fantasias, ou mentiras convenientes e repetidas há séculos, pelos que teimam em manter viva uma prática obsoleta, obscura, primitiva, cruel, violenta, repugnante, que apenas mentes completamente deformadas podem chamar “cultura” ou “arte”.

 

Não meta aqui a palavra OPINIÃO, porque eu só dou opinião quando escrevo artigos de opinião.

 

Portanto, apenas aqueles que têm um interesse mórbido em que a selvajaria tauromáquica se mantenha, colocam em causa (porque lhes convém) as conclusões a que cheguei, baseada em estudos científicos e na análise de dados que fui recolhendo ao longo de cinco anos, no grupo alvo da tauromaquia: toureiros, ganadeiros, montadores de cavalos, forcados, bandarilheiros e aficionados, nos quais estão incluídos governantes, artistas, escritores e gente comum, que tão bem conheço.

 

Chega-lhe isto, ou precisa de mais detalhes?

 

***

O Ivo precisou de mais detalhes e comentou:

 

Comentário no post TAUROMAQUIA - DOENÇA DO FORO PSIQUIÁTRICO

 

 

 

 

 Ñ, ñ chega, li e compreendi mto bem o seu texto e opinião expressa. Tb segui e li os links que disponibilizou, li com atenção e no que escrevi anteriormente ñ coloquei em causa os estudos, nem as suas conclusões, nem a competência de quem os realizou.Você escreve que teve ou tem a um estudo por si efectuado onde estuda pessoas ligadas à tauromaquia. Se o está a fazer deve ter um objectivo para o mm, qual é o objectivo do estudo?Critérios de inclusão e/ou de exclusão? Método do estudo? Idoneidade do(a)(s) investigador(es)? Declaração de interesses? (sendo essa parte mto importante, pq as nossas convicções influenciam as conclusões a que mtas vezes chegamos), e você obviamente ñ é neutra nesta questão. Ñ tem formação nem idoneidade para fazer esse tipo de estudo, ser jornalista de investigação ñ lhe dá essa qualificação. O que eu quis dizer (parece-me que ñ compreendeu o que escrevi), e o que coloquei em causa foram as SUAS conclusões.Em nenhum dos links que disponibilizou se conclui ou sequer se refere que alguém ligado à tauromaquia fez parte dos sujeitos dos estudos, logo ñ se pode concluir que todas as pessoas que de alguma forma estão ligadas à tauromaquia, ou toiricidas como você escreve, sejam todos psicopatas. Se assim fosse e com base no que li daquilo que disponibilizou tb posso afirmar que quem humaniza os animais e lhes atribui características humanas ou os tratar como filhos, sofre de algum distúrbio mental. Acha correcta essa minha afirmação?

Ivo a 14 de Setembro 2016, 22:51

***

E eu respondi:

 

Primeiro: Se o que eu já disse não chega, não chegará apenas para os que se recusam a INTERPRETAR o meu texto à luz da racionalidade. E então o problema será seu. Você leu, leu, leu, mas não entendeu, ou não quis, para não ter de enfrentar a REALIDADE. Se tivesse entendido, teria concluído que EU NÃO DEI OPINIÃO. EU TIREI UMA CONCLUSÃO baseada nos estudos realizados por outros e que eu aproveitei para COMPLETAR O MEU ESTUDO.

 

Já ouviu falar em Ascânio Sobrero? Foi ele que descobriu a nitroglicerina. Mas foi Alfred Nobel que lhe deu a forma final. Quem alia hoje a dinamite a Sobrero? Apenas os que sabem.

 

Isto para dizer que no que respeita à psicopatia dos tauricidas e afins, passa-se mais ou menos a mesma coisa.

 

Alguém tinha de começar.

COMECEI EU.

 

Os especialistas deram-me todos os instrumentos e eu aproveitei-os para traçar o perfil psicológico dos que deambulam pelo mundinho cavernícola da tauromaquia. E este meu Blogue é um manancial para quem quer fazer esse estudo.

 

Está aqui TUDO.

 

E ainda lhe digo mais: não é preciso ser ESPECIALISTA de coisa nenhuma, para chegar à CONCLUSÃO a que EU cheguei. Basta ser um SER HUMANO SENSÍVEL e VER COM OLHOS DE VER tudo o que se passa ao redor da selvajaria tauromáquica. Até uma criança de cinco anos, educada num meio MENTALMENTE SAUDÁVEL dirá diante deste vídeo:

 

 

 ESTES HOMENS SÃO MAUS PARA O TOURO.

 

Nunca dirá ESTES HOMENS SÃO BONS PARA O TOURO.

 

Ora, este “MAUS” na boca de uma criança tem o significado de MALVADOS, MALÉVOLOS.

 

Na boca de um adulto mentalmente saudável significará CRUÉIS.

 

Mas na boca de um psiquiatra, de um psicólogo ou de um sociólogo a palavra “MAUS” soará como PSICOPATAS, SÁDICOS, MENTES DEFORMADAS. E é óbvio que cada doença mental (não estou a falar de deficiência mental) apresenta vários graus. Elevado, médio e baixo.

 

Segundo: respondendo à pergunta qual é o objectivo do MEU estudo? Tenho dois objectivos com o MEU ESTUDO: mostrar ao mundo que a TAUROMAQUIA, implicando comportamentos anti-sociais, cruéis, violentos e sanguinários para com seres que estão catalogados como SENCIENTES (Touros e Cavalos), tão sencientes como os humanos, provocando, com isso, um mal-estar psicológico nos seres humanos sensíveis e mentalmente saudáveis, É UMA ACTIVIDADE NOCIVA às sociedades humana e não humana, e como tal deve ser ABOLIDA; e demonstrar que os indivíduos nela envolvidos, desde os que a praticam, aos que a aplaudem e aos que a promovem e apoiam, sofrem de perturbações mentais, que podem ir desde a psicopatia, ao sadismo ou á simples deformação mental, passando pela IGNORÂNCIA CRASSA à qual se agarram, recusando a VERDADE que lhes é apresentada, perdendo assim o comboio da evolução.

 

E isto tudo tem um nome: COMPORTAMENTO DESVIANTE, ou seja, um comportamento contrário aos PADRÕES E NORMAS aceites como CORRECTOS numa sociedade que já entrou no século XXI d.C., portanto, não ficou parada no século XII, e já não se diverte a torturar seres vivos sencientes, indefesos, inocentes e inofensivos.

 

Exemplos de comportamentos desviantes incluem homicídio, pedofilia, violação, roubo, piromania, vandalismo, bullying, CRUELDADE, SADISMO, independentemente de serem dirigidos contra animais humanos ou não humanos, incluindo TOUROS E CAVALOS.

 

O pior é que os que DEAMBULAM PELO MUNDINHO TAUROMÁQUICO ignoram o facto de estarem a AFECTAR NEGATIVAMENTE A SOCIEDADE, por falta de empatia com o sofrimento dos animais não humanos que TORTURAM PARA SE DIVERTIREM, e também por falta de empatia com o sofrimento que causam aos seres humanos sensíveis e mentalmente saudáveis.

 

Terceiro: não estando eu minimamente preocupada em apresentar um ESTUDO CIENTÍFICO, até porque esses estudos já foram realizados e eu apenas os transferi para uma “população” ATÉ AGORA considerada normal (mas os pedófilos também o foram até há poucos anos) e que é URGENTE DESMASCARAR, não sou obrigada a apresentar critérios, métodos ou declarações de interesse, e é óbvio que não sou NEUTRA (os neutros nunca fizeram evoluir o mundo), nestas questões de TORTURA seja de animais humanos ou não humanos. Não estou aqui na qualidade de CIENTISTA, mas de JORNALISTA SEM PATRÃO (isto é importante dizer porque há patrões que atrapalham, por não ser conveniente dizer alto o que a sociedade precisa de saber sobre os podres das máfias, e como há patrões escravos do poder… fica tudo dito)

 

Quarto: tenho formação e idoneidade suficientes para fazer o que faço, e para daí tirar as MINHAS CONCLUSÕES, que só são colocadas em causa por aqueles a quem NÃO CONVÉM que este ESTUDO seja validado. O que parece ser o seu caso.

 

Quinto: Não, não acho correcta a sua última afirmação, porque animais somos todos nós, e já ficou demonstrado que os animais não humanos têm uma inteligência superior à de muitos destes “humanos” que se dedicam a torturar touros numa arena para se divertirem, e à dos que lá vão aplaudir essa crueldade. E isto é um comportamento de criaturas com mentes completamente DEFORMADAS. Não haverá ninguém que diga o contrário, a não ser os CEGOS MENTAIS.

 

Os animais não humanos já demonstraram que são SUPERIORES àqueles “humanos” que andam no mundo a destruí-lo IRRACIONALMENTE, e a atrapalhar o trabalho construtivo dos outros.

 

Já agora remeto-o para um texto de Josefina Maller que poderá abrir-lhe a mente (se tiver a mente disponível) para aquilo que eu pretendo dizer com o que já disse:

 

POR QUE GOSTO DOS ANIMAIS NÃO HUMANOS...

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/por-que-gosto-dos-animais-nao-524277

 

Sexto: a sua tentativa de DESVALORIZAR O MEU ESTUDO falhou, até porque existem estudos sobre a psicopatia ligada ao maltrato animal (e aqui estão incluídos TODOS os animais, TOUROS e CAVALOS também).

 

O VOSSO PROBLEMA É ACHAR QUE OS TOUROS E CAVALOS NÃO SÃO ANIMAIS.

 

Pois se souber ler castelhano LEIA e aprenda, e SURPREENDA-SE.

 

EL MALTRATO ANIMAL ES UNA PSICOPATÍA

https://www.psicologiapuebla.com/maltrato-animal-una-psicopatia/

(Esqueci-me de incluir esta preciosa fonte no meu texto, mas vai já para lá…)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:31

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 9 de Maio de 2014

«PREMIAR A IRRESPONSABILIDADE?»

 

Esta é das tais coisas que não dignificam as associações, quem dá o prémio e quem o recebe.

 

É a inversão de valores a raiar o obsceno.

 

É preciso que a lucidez impere.

 

Faço minhas as palavras da CAPT

 

 Foi com estupefacção que tivemos conhecimento de que a Associação Portuguesa de Deficientes distinguiu a reportagem da CMTV (Correio da Manhã TV) “Pegar a vida” com o prémio Dignitas 2013 na categoria de Jornalismo Digital.

 

Entendíamos se a referida reportagem aproveitasse para expor e condenar os comportamentos de risco que levam muitos jovens a comprometer a sua integridade física em exercícios de dominação e bravata numa lógica machista de exibicionismo puro.

 

Mas não, a referida reportagem entra num caminho ostensivamente condenável: a glorificação desses comportamentos aberrantes.

 

Move-nos, não um ódio cego contra a tauromaquia, mas o entendimento de que é imperioso erradicar a ideia de que algumas vidas valem menos do que outras.

 

Como se sentirão as pessoas que se lesionaram permanentemente como resultado de acidentes de trabalho, na tentativa de salvarem vidas ou por acidentes provocados por outrem, ao depararem com o destaque dado a esta notícia?

 

O que sentirão os inúmeros portadores de deficiência deste país em situação de carência económica perante esta festa e a angariação fácil de 100.000€ para premiar a irresponsabilidade?

 

Defraudadas, seguramente, inclusive pela própria associação que as deveria representar e defender.

 

CAPT - Campanha Abolicionista da tauromaquia em Portugal

 

Fonte da notícia:

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/lazer/tv--media/premiada-peca-de-joao-ferreira

 

***

Fonte

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=603633859731955&set=a.310865805675430.67435.305023079593036&type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:00

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 9 de Setembro de 2013

«APOLOGIA DA IMBECILIDADE»

 

Carta de um activista, defensor dos direitos dos animais, ao jornal “Público”, que se vendeu ao lobby tauromáquico, e com isso perdeu um considerável número de leitores que abominam a COVARDIA DOS FORCADOS, a qual o jornal não abordou.

 
 

A figura grotesca de um suicide squad (imagem do jornal Público)

 

«Exmos Senhores,

 

Foi com profunda tristeza e desilusão que li o artigo de hoje na Revista Pública, intitulado "Ser Forcado é Ser Forcado".

 

Sou desde há longos anos um leitor assíduo do jornal e da revista Público, tanto na edição impressa, que adquiro regularmente, como da edição on-line, que leio diariamente.

 

Confesso que não era o tipo de peça que alguma vez pudesse imaginar que pudesse ser publicada por um jornal como o Público.

 

Creio que erraram, não tanto na escolha da matéria, mas sobretudo no desenvolvimento do conteúdo e no título, que deveria ter sido "Apologia da imbecilidade".

 

Considero que é grave, não só o facto de ser um artigo absolutamente tendencioso e nitidamente "encomendado", como o é o facto de ocultarem verdades fundamentais como por exemplo o facto de os forcados irem para a arena sem qualquer seguro de morte ou invalidez, ou de acidentes pessoais, porque nenhuma companhia de seguros aceita fazer seguros a essas pessoas, ou de terem ocultado o número de mortes e de casos de invalidez permanente que se registam anualmente nesta triste actividade.

 

Aproveito também para comunicar que a partir de hoje podem os senhores registar que perderam definitivamente um assíduo e interessado leitor, tanto da edição impressa como da edição on-line.

 

Se é este o caminho que este antes-prestigiado jornal pretende seguir, então não contem comigo.

 

Atentamente,

 

Rui Silva,

 

Porto»

 

***

Eis o artigo da “Apologia da Imbecilidade”, com que o jornal “Público” ENVERGONHOU o jornalismo informativo e formativo português, até porque um forcado é um covarde.

 

Um jornal para deitar ao lixo

 

http://www.publico.pt/temas/jornal/ser-forcado-e-ser-forcado-27040004

 
 
COMENTÁRIO DO MÉDICO VETERINÁRIO DR. VASCO REIS A ESTE VERGONHOSO ARTIGO
 

Excelências,

 

Acrescento que a intervenção dos forcados deve ser completamente desaprovada por se tratar de maltrato animal/violência exercida sobre bovinos inocentes, os quais como "preparação" para a pega, acabaram de ser ludibriados, esgotados, feridos, sangrados por arpões espetados por cavaleiros tauromáquicos, subjugando e obrigando as suas montadas a transportá-los para os ataques contra o inocente bovino, com a finalidade de o enfraquecer extremamente, facilitando assim a pega.

 

Este touro pegado pelos forcados, tinha sido recentemente arrancado ao campo, violentamente empurrado e impulsionado por aguilhão eléctrico, metido e apertado em espaços exíguos, transportado em pânico, claustrofobia, luta, suportando maus tratos, privações, corte da extremidade dos cornos (de tal maneira stressante e doloroso, que alguns morrem durante essa intervenção), confinado, suportando durante horas altas temperaturas sob o sol do verão, o que o desidrata, aflige e enfraquece.

 

Depois da lide, o touro é imobilizado com cordas à volta dos cornos, para que as as bandarilhas lhe sejam arrancadas violentamente com ajuda de cortes sem qualquer anestesia.

 

A seguir são impelidos com aguilhão eléctrico, ao que reagem com os berros que se escutam ao longo deste cruel espectáculo.

 

Até que o abate violento o liberte do esgotamento, da intoxicação metabólica, da desidratação, do sofrimento físico e anímico, das dores e da febre, ainda terá de suportar durante uns dias alguns maus tratos, transportes , contenção.

 

Por estas e por outras, considero vergonhosa para o "Público" a apresentação da condição de forcado como algo de admirável. O artigo desperta, certamente, comentários falaciosos e disparatados sobre o diminuto ou ausente sofrimento de touros e cavalos, mais ou menos baseados em estudos pseudo científicos, mas que servem para " branquear" a tortura.

 

Das duas, uma: ou se trata de ignorância, ou de mentira consciente.

 

Considero que, através deste artigo, o "Público" prestou um mau serviço à informação e marcou muitos pontos negativos.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Vasco Reis,

 

Aljezur

 
publicado por Isabel A. Ferreira às 11:46

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 7 de Setembro de 2012

«AURORA DO LIMA» ENGANOU-SE NO TÍTULO DA NOTÍCIA, O QUE QUERIA DIZER ERA «FESTA BRAVA TROUXE TORTURA À ROMARIA»

 

 

ESTE JORNALISMO ENVERGONHA A CLASSE E É COMPLETAMENTE ANTI-PROFISSIONAL.

 

APLAUDIR A TORTURA E A VIOLÊNCIA NUM CABEÇALHO DE NOTÍCIA VAI CONTRA TODAS AS REGRAS JORNALÍSTICAS E HUMANAS.

 

VÊ-SE LOGO NA ARAGEM QUEM VAI NA CARRUAGEM...

 

UNS TROGLODITAS!

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:38

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

(Des)concerto de Ano Novo

RESPONDENDO AO IVO, QUE R...

«PREMIAR A IRRESPONSABILI...

«APOLOGIA DA IMBECILIDADE...

«AURORA DO LIMA» ENGANOU-...

Arquivos

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt