Domingo, 4 de Abril de 2021

«A Páscoa é sempre “pagã”»

 

Por Manuel Alte da Veiga

 

PÁSCOA.png

Fonte da imagem:

https://diocese-setubal.pt/2020/04/07/viver-e-celebrar-a-semana-santa-subsidios-alternativos-para-preparar-a-pascoa/

 

«Pagão tem a nobreza antiga de uma pujante raiz de palavras:

PAK – o sólido pau que marca os limites dos campos fecundos

Ao redor dos pagos longe da corrupção das cidades.

Tem a força dos pactos e a estabilidade da paz

E a beleza da página bem lavrada em esquadria

Como os sulcos que fertilizam a terra.

 

Mesmo com nuvens negras, é sempre um dia bonito.

E a cruz engalanada faz sentir o cheiro a vida.

 

A Páscoa é sempre pagã

Porque nasce com a força da Primavera

Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos.

Porque cheira ao Sol que brilha na chuva

E transforma a terra em páginas cultivadas

Donde nascem os grandes livros, os pensamentos

E as cidades que se firmam em pactos de paz.

É a Páscoa dos Discípulos de Emaús:

Afastavam-se de Jerusalém lembrando esperanças perdidas.

(Dói muito ver partir quem caminha connosco de braço dado…)

Mas guardavam de Jesus uma imagem luminosa

Porque o seu agir e falar apontavam para o futuro

Para o bem maior das gerações que vão crescendo  

(Lembrando que a mulher em dores de parto

Exulta de alegria por ter gerado vida nova).

Confusos de tão tristes

Não conseguiam abrir as páginas da vida e das Escrituras.

Quando as souberam ler?

– Ao darem atenção a um desconhecido viajante…

 

Aproximou-se delicadamente

Para não ferir esse mundo de tristeza

E por saber ler a profunda alegria

Escondida entre páginas sagradas.

Mostrou-lhes que o Jesus crucificado

Não se encontra entre os mortos – vive sim

Na alegria de Deus e sempre amigo

E pronto a partilhar o pão da Paz

Com aqueles que vão sulcando a terra

Suando, mas cantando – como filhos

Do Senhor que de longe os vai guiando.»

 

2021.03.27.

MANUEL ALTE DA VEIGA»

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 2 de Novembro de 2019

«O Deus dos trabalhadores»

 

Um extraordinário texto, da autoria de Marcelo Lafontana, o qual convida a uma profunda reflexão

 

Cristo.jpg

 

Por Marcelo Lafontana



«O único exercício moral válido para a Igreja Católica seria tentar seguir os ensinamentos e imitar o comportamento do mesmo Cristo que adora.


Vejamos:


Jesus aceitaria a desigualdade social ou defenderia oportunidades para todos?


Jesus veria com bons olhos a distribuição da riqueza de forma igualitária?


Jesus promoveria a guerra em nome da fé?


Jesus perseguiria, torturaria, prenderia e queimaria gente em nome da religião?


Jesus acumularia tanta riqueza e ostentaria tanto luxo como o Vaticano?


Jesus daria igual oportunidades a homens e mulheres?


Jesus teria aceite um acordo com Mussolini e o fascismo para ter um Estado independente da Itália?


Jesus perseguiria ou mesmo hostilizaria homossexuais?


Jesus aprovaria ter o infame General Franco enterrado num monumento religioso construída por presos políticos?


Jesus oprimiria cientistas como Galileu Galilei ou artistas como Miguel Ângelo só por terem uma ideia diferente da sua?


Bem, a lista não teria mais fim.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10218354449365575&set=a.10201991215414953&type=3&theater

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:40

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 16 de Maio de 2016

Lamentáveis insinuações do Papa Francisco

 

«O Papa Francisco lamentou hoje que algumas pessoas sintam compaixão pelos animais, mas depois mostrem indiferença perante as dificuldades de um vizinho, numa reflexão sobre o conceito de "piedade" durante uma audiência geral na Praça de São Pedro

 

Foi profundamente lamentável esta insinuação do Papa Francisco, a quem dedico um afecto especial, e por isso mesmo, fiquei magoada.

 

PIEDADE.jpg

 

Ao ler as palavras atribuídas ao Papa Francisco, nem quis acreditar, pois parecia que estava a ouvi-las da boca de um aficionado ferrenho de tauromaquia, o qual diz exactamente a mesma coisa, quando tenta desacreditar os anti-touradas.

 

Mas pensem bem: qual de nós sentiria compaixão por um animal não-humano, e desprezaria um animal humano, ainda que fosse um carrasco, se este precisasse de ajuda?

 

Eu, sendo católica não-praticante, já o fiz. (Sou não-praticante por discordar de muitas posições da Igreja Católica).

 

É que sendo a piedade uma das mais preciosas faculdades da alma humana, como bem a descreveu Leon Tolstoi, o Sábio, tal como as outras faculdades da alma humana, ou nascemos com elas, ou não as aprendemos em nenhuma escola da vida.

 

O Papa Francisco falava perante dezenas de milhares de pessoas, numa audiência jubilar, cerimónia que se realiza num sábado por mês, e alertou que não se deve confundir a piedade com a comiseração hipócrita, que consiste apenas numa emoção superficial, que não se preocupa com o outro.

 

Pois não haverá ninguém mais hipócrita do que a Igreja Católica, no que respeita à prática da piedadezinha e caridadezinha, salvo raras excepções, que as há, e que merecem todo o meu respeito.

 

E foi então que Francisco, o Papa, fez esta pergunta insólita: «Quantas vezes vemos pessoas que cuidam de gatos e cães e depois deixam sem ajuda o vizinho que passa fome

 

Como disse, Sua Santidade Papa Francisco? Alguma vez alguém que cuida de gatos e cães deixou de dar de comer a quem tem fome, ainda que esse faminto seja um miserável predador de animais não-humanos?

 

Se um necessitado vizinho, aficionado de touradas, estiver a morrer de fome, por piedade, qualquer defensor de animais matar-lhe-ia a fome, com toda a certeza. Sem pensar duas vezes. 

 

Ou estarei a medir todos os defensores de animais, pela minha medida?

 

E disse mais o Papa Francisco, que me desiludiu, com este seu pensamento:

 

«Não se pode confundir compaixão pelos animais, exagerando no interesse para com eles, enquanto se fica indiferente perante o sofrimento do próximo». Isto é exactamente o que dizem os aficionados, quando não têm argumentos para defender a tortura, e querem  atacar os anti-touradas.

 

Quantos de nós, defensores dos animais não-humanos, já não ouvimos isto, da boca de aficionados de touradas?

 

E na onda de despropósitos em que vagueou, o Papa Francisco disse a quem o ouvia que, para Jesus, «sentir piedade é partilhar a tristeza, mas ao mesmo tempo agir na primeira pessoa para transformá-la em alegria».

 

Não, Papa Francisco. Para Cristo sentir piedade não é apenas isto. Não foi isto que retirei dos ensinamentos de Cristo.

 

Para Cristo, «sentir piedade é colocarmo-nos no lugar do outro, e não fazer ao outro o que não gostaríamos que nos fizessem a nós». E esse outro, para Cristo, é qualquer das criaturas de Deus, incluindo os animais não-humanos.

 

E se o Papa (e todos os Padres da Igreja) em vez de dizer o que disse, repetisse  infinitamente este princípio máximo de todas as religiões, o mundo seria um paraíso: «Não faças aos outros, o que não gostarias que te fizessem a ti».

 

Foi este ensinamento que Cristo nos deixou, e ao qual a Igreja Católica faz ouvidos de mercador.

 

Eu, que abomino touradas e predadores de animais não-humanos, por piedade, já ajudei aficionados e predadores de animais não-humanos nas suas misérias.

 

Que moral teria eu, para lutar pelo que luto, se fosse tão desumana como os desumanos predadores de animais não-humanos?

 

Até um assassino merece um prato de comida. Ou não? Ou deixamos morrer à fome os prisioneiros, os condenados à morte pela justiça dos “homens”?

 

Ao condenado à morte é-lhe oferecido o maior manjar, como último pedido.

 

Por que haveria os defensores de animais não-humanos recusar um prato de comida a um vizinho faminto, ainda que fosse um desalmado?

 

Este mundo, por vezes, não me parece um mundo. Parece-me um buraco negro,  onde até um representante de Deus comete os seus erros.

 

Por fim, o Papa Francisco apelou ao cultivo da piedade, sacudindo de cima de si próprio a indiferença que impede cada um de reconhecer o sofrimento dos outros.  

 

Do que se esqueceu Francisco de dizer foi que nesses outros também estão incluídos os animais não-humanos, também criaturas de Deus, a que a Igreja Católica não dá o mínimo valor, nem defende, como defendia São Francisco de Assis, permitindo as maiores barbaridades, em Portugal, em Espoanha, em França e em mais cinco países sul-americanos, onde se pratica a tortura de Touros, com a bênção da Igreja Católica.

 

E isso não é nada, nada, mas mesmo nada cristão.
Será apenas católico, apostólico, romano?

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte:

http://24.sapo.pt/article/lusa-sapo-pt_2016_05_14_224124578_papa-lamenta-quem-sente-compaixao-por-animais-e-indiferenca-pelo-vizinho

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013

A GRANDE FARSA DO NATAL

Este Natal poderia ser realmente Feliz, se o Touro e o Cavalo, estes dois ANIMAIS magníficos (que em Portugal, inexplicavelmente, os legisladores não consideram animais), pudessem estar tranquilos, a pastar nos campos, ou a aquecer crianças, nas "grutas" deste mundo, sem o estigma da tortura a pesar-lhes na vida.

 

Não foi esse o exemplo deixado por Jesus Cristo, aquele, cujo nascimento os católicos (NÃO) celebram nesta época, esquecendo-se de que foi ao bafo de um bovino e de um burro, que aquele Menino foi aquecido.

 

Hoje torturam os bovinos e os cavalos, impiedosamente, para celebrarem a demência.

 

Que Natal? Que exemplo dá a Igreja Católica?

 

Que celebração?

 

Esta é a época do consumismo. Da hipocrisia.

 

Quase todos fingem uma solidariedade que durante o ano não praticam.

 

O que se celebra nesta época?

 

Não é o nascimento de Jesus.

 

Celebra-se a coca-cola, e tudo o que ela trouxe atrás dela.

 

O Menino Jesus não existe mais. É o Pai Natal quem reina.

 

É uma farsa que se agiganta para vender objectos.

 

E o espírito natalício fica submerso nessa onda desmesurada do consumo e da falsa caridade.

 

Milhares de pessoas no mundo passam fome e morrem de fome TODOS OS DIAS.

 

Mas nesta época, oferecem-lhes comida para “celebrar”.

 

Para celebrar o quê?

 

O VAZIO das almas afundadas na ganância? Na mediocridade? Na desumanização? Na ignorância?

 

Passada esta época, tudo regressa à ANORMALIDADE.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:11

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 7 de Agosto de 2013

TOURADAS – O SANGRENTO ESPECTÁCULO DA MORTE

 

Dedico este vídeo aos tauricidas, que se dizem católicos, e são tão falsos como Judas Iscariotes

 

Vejam se aprendem alguma coisa!

 

 

Por Airton Evangelista Costa

 

«QUANDO O TOURO acerta em cheio o traseiro do toureiro, minha alma grita "bem feito!".

 

Um caso raro, porque nesse embate o homem é sempre o vencedor. O animal dispõe apenas de seus chifres e de sua força. O toureiro, de cavalo veloz, lanças afiadas, malícia e estratégia.

 

Depois de muitos avanços inúteis no sentido de alcançar o alvo, o touro, aos poucos, perde as forças. Dá-se início à tortura. O toureiro começa a enfiar lanças no dorso do animal. O povo se anima. O espectáculo se aproxima do ponto mais emocionante.

 

Velhos e jovens, mulheres e crianças ficam atentos aos detalhes. O touro está banhado de sangue, um sangue carmesim que contrasta com a sua pele escura. Vencido pelo cansaço e por uma dor inigualável, ajoelha-se diante do seu carrasco.

 

Não tem energia nem para um último berro, como se fora um pedido de misericórdia. A matança é sem misericórdia. O povo aplaude. Chega o momento mais emocionante. O carrasco segura com as duas mãos uma afiada lança e a crava com força nas costas do animal.

 

Depois, num gesto final de humilhação dá as costas para o animal, e, eufórico, recebe os aplausos e os gritos de contentamento da multidão. Agradecido e feliz pelo bom trabalho realizado, atira seu chapéu para o alto e corre para receber o seu salário.

 

Todos vão para casa, alegres e satisfeitos por mais um domingo de muita emoção.

 

Quem é mais irracional, o touro ou o homem?

 

O homem faz o mesmo com seu semelhante: mata pelo simples prazer de matar. O homem do nosso século é o mesmo de há dois mil anos atrás. A crucificação de marginais alegrava os corações.

 

O martírio de Jesus e mais dois homens foi uma festa. O povo saiu da monotonia do quotidiano. As touradas são um péssimo exemplo de como se deve torturar um animal até a morte.

 

Em que evoluímos?

 

Deus abomina essa violência contra os animais. Vejam o que Ele disse a Jonas: "E não hei de eu ter compaixão da grande cidade de Nínive em que estão mais de cento e vinte mil homens que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e também muitos animais?" (Jn 4.11).

 

E diz mais em Provérbios: "O justo tem consideração pela vida dos seus animais, mas as afeições dos ímpios são cruéis" (Pv 12.10).

 

"O viver em rectidão, segundo a vontade de Deus, inclui a bondade para com os animais. Eles são úteis aos seres humanos, concernente ao companheirismo, trabalho, alimentação, e nunca devemos maltratá-los, nem deles fazer uso de modo cruel (Gn 1.18; 9.3; 24.32; Dt 25.4)" (Bíblia de Estudo Pentecostal).»

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:11

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

«A Páscoa é sempre “pagã”...

«O Deus dos trabalhadores...

Lamentáveis insinuações d...

A GRANDE FARSA DO NATAL

TOURADAS – O SANGRENTO ES...

Arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt