Quarta-feira, 5 de Fevereiro de 2020

O adeus à tauromaquia

 

«ADEUS - A Academia de toureio do Campo Pequeno foi encerrada "há alguns meses" segundo a imprensa tauromáquica. O mesmo destino tem a "Campo Pequeno TV" que foi uma desilusão em termos de subscrições ainda segundo a própria imprensa tauromáquica.
Duas entidades que já não deviam existir em Portugal, que nunca deviam ter existido e que não fazem falta nenhuma ao país.


Portugal está a mudar e a indústria tauromáquica está rapidamente a ruir para bem do progresso civilizacional dos animais e das crianças vítimas desta violência e barbaridade.
»


Fonte: 

http://farpasblogue.blogspot.com/2020/02/novos-donos-do-campo-pequeno-acabam-com.html


«Usem a hastag #adeustouradas para marcar este momento histórico de viragem no nosso país.»

campo pequeno.png

 Fonte:

https://www.facebook.com/Basta.pt/photos/a.472890756075069/2976042822426504/?type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 12 de Fevereiro de 2017

«A VERDADE QUE A INDÚSTRIA TAUROMÁQUICA QUER ESCONDER»

 

Mais um excelente texto de André Silva

É preciso continuar a desmascarar esta pobreza "cultural", moral e social onde se esbanjam dinheiros públicos, para que uma minoria inculta se divirta à custa do sofrimento de seres vivos.

Mas o pior, o pior é o governo português e as entidades que têm a seu cargo zelar pelo bem-estar das crianças, pela sua saúde mental e educação para a cidadania, permitirem a realização de uma BullFest, com a qual apenas se pretende formar monstrinhos...

 

BULLFEST.png

Uma iniciativa com a finalidade de formar “monstrinhos” … Onde está a Comissão de Protecção a Menores?

 

 

Texto de André Silva (*)

(Porta-voz e deputado do PAN)

 

«Mais uma vez, as a estatísticas oficiais vêm colocar a indústria tauromáquica numa situação embaraçosa e comprometedora. O Relatório da Actividade Tauromáquica de 2016 da Inspecção Geral das Actividades Culturais (IGAC) vem demonstrar o crescente desinteresse dos portugueses pela tauromaquia, uma prática que é cada vez mais rejeitada pela violência que encerra e que continua em declínio acentuado.

 

As touradas atingiram mínimos históricos de corridas e de público no nosso país. O número de touradas realizadas em 2016 foi pela primeira vez inferior a 200 e os 362.057 espectadores contabilizados pela IGAC representam o valor mais baixo de sempre em Portugal desde 1998, ano que começaram a ser publicadas as estatísticas oficiais. Desde 2010 as touradas já perderam mais de 53% do seu público. A tauromaquia tem um peso cada vez mais insignificante no panorama dos espectáculos ao vivo em Portugal, sendo já superada pelos eventos de Folclore que em 2015 contabilizavam 462.081 espectadores, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

 

Fazendo umas contas simples, se aos 362.057 espectadores contabilizados tiver correspondido sempre uma pessoa diferente, conclui-se que, no máximo, apenas 3% dos portugueses assistem a touradas. Mas se admitirmos sensatamente que cada aficionado assistiu a pelo menos duas corridas num ano, pode afirmar-se que, no máximo, apenas cerca de 1,5% de portugueses assistem a touradas em Portugal. Ou que 98,5% dos portugueses não assiste a touradas.

 

No entanto, e para que esta ínfima minoria continue a divertir-se nestes espectáculos que, nas palavras do Professor Fernando Araújo, consistem "na exibição da mais abjecta de cobardia de que a espécie humana é capaz, o gozo alarve com a fragilidade e com a dependência alheias", o Estado tem tido um papel determinante. Com fortes apoios directos e indirectos, através de dinheiros públicos, de apoios institucionais e de isenções fiscais, o Estado tem garantido autênticos balões de oxigénio a esta actividade decadente.

 

Os portugueses não conseguem entender o papel de um Estado que isenta os artistas tauromáquicos do pagamento de IVA, aqui equiparados a desportistas, médicos ou enfermeiros. Um Estado evoluído e justo deve recompensar, através de isenções fiscais, apenas as actividades económicas e profissionais que acrescentam valor, unificam a sociedade e que passam, necessariamente, pela não-violência. Equiparar a tauromaquia a profissões de cariz humanitário ou de utilidade pública é uma forma de anular o significado das palavras e corromper a razão de ser das isenções. Também não se compreende como é possível, contra o sentimento geral da população portuguesa, inclusivamente contra a opinião do Provedor do Telespectador, que o serviço público de televisão continue a transmitir touradas, financiando assim esta prática com o dinheiro público que, a tanto custo, os cidadãos contribuem.

 

A própria reacção do sector aos factos vem reforçar o seu desespero pelo envelhecimento natural de uma actividade que as novas gerações claramente repudiam. Então é preciso doutrinar os mais novos para a violência com o nobre objectivo de defender a tradição e os bons costumes. Como? À moda antiga. Quem tem dinheiro, logo "poder", investe em "comunicação" para nos trazer a primeira edição do BullFest já neste mês de Fevereiro, e que a indústria chama de Festival de Cultura Portuguesa.

 

Mas haverá lá acontecimento mais emblemático da ruralidade, cultura e tradição portuguesas que um evento em Lisboa designado de BullFest, num shopping repleto de boutiques e de cadeias de fast food?

 

No programa deste evento pode ler-se que "este é um momento perfeito para os mais pequenos terem uma introdução à tauromaquia em família." Esta frase diz tudo sobre as intenções da indústria tauromáquica. Um dia em cheio que começa logo de manhã repleto de animação infantil com muitas actividades, divertidas e aparentemente inofensivas, que têm sempre como pano de fundo o inefável universo tauromáquico. Muita animação e brincadeira, que sob a capa de momentos recreativos e lúdicos, tem como objectivo único o doutrinamento das crianças. O cornetim, a seda e as lantejoulas já não conseguem cativar os mais novos para esta tradição bafienta, por isso cabe ao marketing tentar descobrir outros caminhos.

 

As crianças que desde tenra idade se "educarem" (leia-se condicionarem) para um relacionamento com o outro baseado no utilitarismo, na agressão e na dominação, serão adultos que terão uma visão da violência da tauromaquia como um ritual vulgar. Controlar e condicionar crianças para a banalização da tauromaquia hoje é continuar a garantir a institucionalização da violência amanhã.

 

Cultura, senhoras e senhores, corresponde a um sentido humanista com um contributo concreto para nos tornar melhores seres humanos e caracteriza a evolução mental e civilizacional das sociedades. Crianças e jovens expostos à violência como uma actividade supostamente cultural e natural serão adultos que organizam os seus próprios sistemas de valores com bases mentais pouco sadias.

 

E nem as marcas portuguesas no cumprimento dos seus programas de responsabilidade ética e social se querem associar às máquinas do marketing usadas para a manipulação dos "inocentes", pelo que os patrocinadores desta iniciativa são praticamente inexistentes ou desconhecidos. São cada vez mais os agentes económicos que se divorciam e recusam patrocinar uma tradição que já não pertence a este tempo.

 

Há contingências que são evitáveis com coragem política, que muito tem faltado. As minorias que o Estado deve apoiar e proteger, com "pão, saúde e educação", são outras.

 

Continuam a destapar-se os véus… cá estaremos até ao derradeiro toque a cabrestos.»

________

(*) André Silva nasceu a 2 de Abril de 1976, formado em Engenharia Civil e vegetariano, é deputado e porta-voz do PAN, Pessoas - Animais - Natureza


Fonte:

http://www.sabado.pt/opiniao/convidados/andre_silva/detalhe/a_verdade_que_a_industria_tauromaquica_quer_esconder.html

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 26 de Maio de 2016

HÁ UMA LIGAÇÃO ÍNTIMA ENTRE TOURADAS À CORDA E O ESPÍRITO SANTO?

 

Um pertinente texto de José Ormonde, oriundo dos Açores

 

ESPIRÍTO SANTO.jpg

(Bandeira do Espírito Santo)

 

Os defensores das touradas à corda, nomeadamente aqueles que querem que aquela brutalidade seja considerada património imaterial da humanidade, pretendem fazer crer que não há festas do Espírito Santo sem touradas à corda.

 

Se formos às origens das festas do Espírito Santo em Portugal Continental ou mesmo nas várias ilhas dos Açores facilmente se concluirá que tal não corresponde à verdade. Com efeito, consulte-se os micaelenses Armando Corte Rodrigues ou Aníbal Bicudo e não verão qualquer referência a touradas nas festas do Espírito Santo. De igual modo, sendo a introdução das touradas em São Jorge e na Graciosa datadas do século passado, a partir da Terceira, prova-se que só passou a haver associação entre as duas coisas a partir de então.

 

Na ilha de São Miguel, sendo a reintrodução das mesmas mais recente, também se confirma que só por oportunismo da indústria tauromáquica e falta de fé, de compaixão, de educação e de escrúpulos, por parte dos mordomos de algumas irmandades é que se associam impérios do Espírito Santo a touradas à corda que até, em abono da verdade, não o são.

 

Se formos à ilha Terceira, onde as duas coisas parecem estar intimamente associadas, a verdade é que tal se deve ao oportunismo da indústria tauromáquica que se aproveita da ingenuidade, da deseducação e do vício das pessoas para sacar dinheiro. A confirmar o mencionado, o insuspeito historiador terceirense Frederico Lopes, no seu livro Notas Etnográficas, afirmou que as touradas à corda são o “remate certo de todas as festas, quer religiosas quer profanas”.

 

Como afirmou Frederico Lopes a indústria tauromáquica também associou touradas às festas do Espírito Santo, mas como se verá a seguir nem sempre às de corda. Com efeito, uma consulta ao jornal “O Angrense”, que se publicou na ilha Terceira entre 1836 e 1910, verifica-se que se realizavam touradas de praça para apoiar impérios e claro os ganadeiros e outros.

 

A título de exemplo, abaixo transcrevemos as seguintes notícias:

 

Realiza-se amanhã, 30, uma corrida de touros, na praça de São João em benefício do Espírito Santo de S. João de Deus” (O Angrense, 3 de Agosto de 1874).

 

Deve realizar-se, no próximo domingo, a corrida de touros, na praça de S. João, em benefício do Império dos Quatro Cantos”(O Angrense, 31 de Outubro de 1875).

 

Embora desconheçamos mais pormenores, parece-nos que no passado há algo de diferente com o que se passa hoje. Assim, se no passado as touradas, embora condenáveis, eram de beneficência, isto é, em princípio destinavam-se a financiar os impérios, hoje, com a inclusão das touradas nos programas dos impérios o objectivo é precisamente sacar dinheiro dos irmãos ou da irmandade, que se devia destinar à solidariedade com os mais desfavorecidos, para o entregar a uma indústria anacrónica e imoral.

 

Face ao exposto, por que mantém um silêncio cúmplice a hierarquia da Igreja Católica?

 

Açores, 26 de Maio de 2016

José Ormonde

***

(AVISO: uma vez que a aplicação do AO/90 é ilegal, não estando efectivamente em vigor em Portugal, este texto foi reproduzido para Língua Portuguesa, via corrector automático).

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:08

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

CRIANÇAS USADAS COMO “ISCO” PELA INDÚSTRIA TAUROMÁQUICA

 

Este toureiro está a infringir a lei.

 

Estas crianças têm menos de 10 anos de idade.

 

O que é que as autoridades portuguesas têm a dizer?

 

ESCOLA BILHETES TOURADAS.jpg

Isto é uma forma de maus-tratos e uma violência psicológica contra crianças.

 

Eis a prova de que a tauromaquia está a chegar ao fim e de que vale mesmo tudo na tentativa de compor a lotação das praças!

 

Na foto, pode ver-se um toureiro a oferecer bilhetes para touradas a crianças, com menos de 10 anos de idade! Um escândalo!

 

Hoje, esteve em duas escolas, e já tem agendadas mais visitas a outras. Segundo afirmou à rádio Elvas (note-se que as palavras que se seguem são do próprio), o objectivo é:

 

– “Sensibilizar as crianças e os mais novos para que cada vez acudirem mais às praças de toiros e criar aficionados logo desde pequeninos porque é uma tradição que se está a perder aos poucos e poucos, se não formos nós próprios dentro da festa a criar esses aficionados e a divulgar o que é a corrida de toiros e mostrar o que é a nossa tradição aos mais novos, para que puxem os pais e puxem os avós para enchermos as praças”.

 

[Artigo na Rádio Elvas:

http://www.radioelvas.com/index.php?option=com_content&view=article&id=23722%3Amarcos-tenorio-divulga-tauromaquia-nas-escolas-de-elvas&catid=1%3Aregional&Itemid=25]

Fontes:

Marinhenses Anti-Touradas

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/04/21/criancas-usadas-como-isco-pela-industria-tauromaquica/

***

Como disse, toureiro?

 

Sensibilizar crianças para a violência e crueldade?

 

Isto é uma forma de maus-tratos e uma violência psicológica contra crianças.

 

Selvajaria tauromáquica é tradição, toureiro?

 

Onde? Em que parte do Universo?

 

No Planeta Terra não é com toda a certeza.

 

Será apenas nos côncavos do crânio vazio dos que ainda não evoluíram. E só.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:12

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2015

CARTA ABERTA AO DOUTOR PAULO PORTAS, PRESIDENTE DO CDS/PP E VICE-PRIMEIRO-MINISTRO DE PORTUGAL

 

ministro_paulo_portas.jpg

Exmo. Senhor Doutor Paulo Portas,

 

É como cidadã portuguesa, com direitos consignados na Constituição da República Portuguesa, e com deveres cívicos para com o meu País e a minha consciência, que me atrevo a dirigir-lhe estas palavras abertas também ao mundo.

 

E o que pretendo com esta carta é fazer-lhe uma simples pergunta, que espero tenha a delicadeza de responder, por dois motivos: primeiro, porque nunca se deixa uma carta, com remetente, sem resposta (é um princípio ético); segundo, porque milhares de portugueses gostariam de compreender as atitudes insólitas de um homem que ocupa cargos públicos e, por isso mesmo, tem o dever de pugnar pelos interesses de Portugal e dos Portugueses, e não pelos interesses de uma minoria inculta, mal formada e inútil ao país.

 

A pergunta é a seguinte:

 

Por que é que um homem que nasceu no seio de uma família por onde a cultura culta deambulou; um homem que frequentou o Ensino Superior e se licenciou em Direito, pela Universidade Católica Portuguesa, onde leccionou História do Pensamento Político; um homem que exerceu a actividade de jornalista nos periódicos «Tempo», «A Tarde», «Semanário» e noutros órgãos de comunicação social; um homem que fundou e foi director do semanário «O Independente», (e do qual fui testemunha abonatória, num processo-crime em que também eu era arguida, num outro jornal, no caso do empreiteiro Avelino do Monte); um homem que é presidente de um partido político com assento na Assembleia da República Portuguesa; um homem que é vice-primeiro-ministro de Portugal e que o representa quando se desloca ao estrangeiro; um homem que se diz católico e do qual não duvido que recebeu uma educação bastante esmerada; por que é que um homem com todo este palmarés é adepto, apoia e promove a selvajaria tauromáquica, ao ponto de intencionalmente excluir Touros e Cavalos do Reino Animal, como se fosse um qualquer cidadão desprivilegiado, que não tivesse tido a oportunidade de se instruir, de evoluir, de civilizar-se?

 

i-grande-corrida-do-cds-nas-caldas-da-rainha-2010-

I Grande Corrida do CDS nas Caldas da Rainha 2010 (com a presença do Presidente Paulo Portas) © João Polónia | fotografia em baixa resolução, para proteger os direitos de autor

(Origem da foto: http://www.joaopolonia.com/fotografia/tauromaquia/

 

Por que é que um homem da envergadura de V. Excelência, que não pertence propriamente à camada inculta da população (à qual não deram oportunidade de evoluir), teima em hastear a bandeira da identidade “cultural” dos broncos?

 

O que estará por detrás desta atitude incompreensível à luz da razão, da lógica, da ética, da lucidez?

 

Vossa Excelência deve ter conhecimento de que a chamada “indústria” tauromáquica, ou seja a “indústria” da crueldade e da violência gratuitas sobre animais inocentes, indefesos e inofensivos, tenta desesperadamente legitimar-se socialmente, uma vez que enfrenta grande contestação moral, e a sua actividade sangrenta e obscura suscita, nos tempos que correm, grande repulsa ética, social e cívica, não só em Portugal como em todo o mundo.

 

Vossa Excelência deve saber também que apoiar a selvajaria tauromáquica, em pleno século XXI, contra toda a evidência imparável da evolução necessária e inerente a um país em que apenas uma minoria (muito, muito minoria...) inculta e ignorante persiste em perpetrar uma prática que horroriza, é negada e afasta quase 90% da população portuguesa, que não só repudia esta “diversão” de broncos, como todas as outras práticas que se baseiam em maltrato de animais, como circos, lutas, caça e pesca desportivas, tiro aos pombos…, é passar a si próprio um atestado de inferioridade mental.

 

Vossa Excelência pode imaginar o quanto, como cidadã portuguesa, me sinto envergonhada pelos governantes do meu país ainda permitirem algo tão cruel e primitivo em pleno século XXI depois de Cristo?

 

Todos sabemos que as touradas têm apresentado grande prejuízo e caso não fôssemos nós, cidadãos portugueses, e a União Europeia retrógrada a sustentá-la contra a nossa vontade, elas já não teriam lugar em Portugal, em Espanha e em França.

 

É inadmissível que mais de 16 milhões de euros sejam retirados, anualmente, das contribuições e impostos dos portugueses e serem canalizados para sustentar a selvajaria tauromáquica em todas as suas cruéis modalidades.

 

Devo recordar a V. Excelência que a selvajaria tauromáquica não tem mais lugar numa sociedade civilizada. O ser humano evoluiu no sentido de cada vez mais respeitar o sofrimento e a vida dos animais não humanos (uma vez que animais somos todos nós) e, por esse motivo, essa selvajaria tem vindo a ser repudiada e proibida em muitas cidades e regiões, nos (apenas) nove países onde ainda se pratica.

 

Trata-se, na verdade, de uma actividade bárbara que não serve absolutamente nenhum interesse do ser humano, e de um País, mas apenas o ego doentio de uma minoria inculta e nociva às sociedades modernas, que insiste em alimentar e perpetuar um “gosto” mórbido, desassisado e sádico de se divertir à custa do sofrimento de um animal herbívoro, que mais não quer do que pastar e conviver com os seus, em paz, nos prados.

 

Foi para isso que nasceram.

 

Vossa Excelência parece desconhecer que a selvajaria tauromáquica promove a violência gratuita, deseduca as crianças que a elas assistem, inclusive provocam-lhes traumas (estudos psiquiátricos provaram-no com grande clareza), representam uma afronta à ciência, que já demonstrou e provou sobejamente que os Touros e os Cavalos são animais sencientes e conscientes tal como nós, animais humanos.

 

Talvez Vossa Excelência não saiba que em Março de 2012, um grupo de neurocientistas de renome internacional, declarou pela Universidade de Cambridge que todos os mamíferos, aves, répteis e outros animais de várias espécies, além de serem sencientes têm também consciência. Quer isto dizer, que têm plena noção do que se passa à sua volta e que, tal como o animal humano, têm a capacidade de experimentar sofrimento físico e emocional, como dor, tristeza, medo, stress, pânico, mas também alegria, amor e emoção.

 

Não há de facto, aos olhos da ciência ou de qualquer pessoa civilizada e compassiva, diferenças fundamentais entre nós, humanos, e os restantes animais. Refiro-me a diferenças que justifiquem a utilização de animais como objectos de tortura numa prática absurda e sádica, para a qual são violentamente retirados do seu habitat, drogados, amedrontados, provocados, feridos, inclusive depois de saírem da arena, e por fim, os que resistem a dias sem tratamento, comida ou água, são mortos cruelmente num qualquer matadouro. Fim de vida demasiado torturante, inglório e indigno para um animal que os anti-taurinos dizem “honrar”.

 

Vossa Excelência devia saber que a UNESCO, em 1980 declarou a tauromaquia como «a terrível e venal arte de torturar e matar animais em público, segundo determinadas regras. Traumatiza as crianças e adultos sensíveis. A tourada agrava o estado dos neuróticos atraídos por estes espetáculos. Desnaturaliza a relação entre o homem e o animal, afronta a moral, a educação, a ciência e a cultura".

 

Vossa Excelência, como presidente do CDS/PP, deve recordar-se de como vergonhosamente este partido conseguiu proteger a agropecuária, a selvajaria tauromáquica e circos da penalização pelos maus tratos a animais, naquela famigerada lei de protecção a Cães e Gatos (os únicos animais não humanos reconhecidos como animais). E os outros? Podem ser maltratados sem piedade?

 

Sabia Vossa Excelência que o CDS/PP representa «os agoniados do tempo da ditadura, que não conseguiram digerir o 25 de Abril» (conforme já li algures, e concordo plenamente), por isso mantém ainda a mentalidade retrógrada que inacreditavelmente conseguiu sobreviver no pós-25 de Abril?

 

Porquê, Senhor Doutor Paulo Portas?

 

Porquê, sendo Vossa Excelência um homem relativamente novo e educado nos melhores colégios e com formação superior, acoita na sua bagagem humana e política, algo tão desumano, tão cruel, tão sangrento e tão do foro da psicopatia como é a selvajaria tauromáquica?

 

Pode Vossa Excelência ter a gentileza de nos dar uma explicação lógica e racional para esta atitude, que nem o mais sábio dos sábios compreende?

 

É que já fiz esta pergunta a várias autoridades e dirigentes e governantes portugueses, e até a meros aficionados, e nenhum teve ainda a capacidade ou a coragem ou a amabilidade de responder a esta questão tão simples.

 

Porquê, em Portugal, este costume bárbaro de origem espanhola, que nada tem a ver com tradição portuguesa, arte, cultura ou outra coisa qualquer respeitante á civilização e à humanidade, é apoiado pelo Estado Português, e nomeadamente pelos deputados do CDS/PP?

 

Será uma questão do marialvismo que caracterizou o tempo da ditadura e sobrevive no partido de que V. Excelência é presidente?

 

Aguardando que Vossa Excelência possa fazer a diferença, e dar-me a gentileza de uma justificação que, garanto, se for racional, deponho as minhas armas (as palavras), envio-lhe os meus cumprimentos, que poderiam ser os “melhores” se eu não me sentisse tão indignada.

 

Isabel A. Ferreira

(isabelferreira@net.sapo.pt)

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/carta-aberta-ao-doutor-paulo-portas-502121?thread=1745769#t1745769

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:39

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos (1)
Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

«A RAÇA DITA DE “LIDE” NÃO EXISTE, É UM EMBUSTE DA INDÚSTRIA TAUROMÁQUICA»

 

«Eles são ignorantes, mas se lhes fornecemos informação, optam por continuar ignorantes, e essa é a pior ignorância.» (I. A. F.)

 

«Negam a verdade, que os desclassifica. Refugiam-se nas falácias tauromáquicas, que muito mal os mascaram!» (Vasco Reis)

 

ooo

A diversidade genética dos touros ditos “bravos” ou de “Lide”

 

“Raça (Zoologia) - subdivisão da espécie com uma unidade de constituição hereditária “ In Infopédia – Porto Editora

 

Normalmente, as raças bovinas são caracterizadas por três parâmetros: o peso, o perfil cefálico e as proporções corporais. Na suposta “raça brava” não é possível fixar parâmetros devido à grande variabilidade genética e diversidade de caracteres dos touros usados nos espectáculos tauromáquicos. Com efeito, entre os bovinos ditos de “lide” podem-se encontrar animais com morfologias, pelagem, cornaduras, perfil cefálico, tamanho e peso muito variados, pelo que não é possível distingui-los com clareza dos touros comuns (Bos Tauros). Não é de admirar, pois todos os bovinos existentes na actualidade, mansos e não mansos, descendem do mesmo antepassado comum – o Uro ou Auroch.

 

Os touros ditos de “lide” que existem na actualidade, para além de não constituírem uma espécie, não são uma verdadeira raça, mas sim um tipo de touros muito diversos entre si, que não pertencem a nenhuma raça bovina determinada.

 

Estudos apontam para cerca de 31 grupos genéticos distintos e para níveis elevados de diferenciação genética dos vários sub-grupos de touros de tipo “bravo” designados por “encastes”: Estes níveis de diferenciação são superiores aos que separam as raças de bovinos comummente aceites como tais. São pois animais mestiços, estando longe de estar provado com critérios científicos válidos que os touros que usam nas touradas são uma raça de bovinos distinta das demais. Para estarmos diante de uma raça propriamente dita tem de existir uma unidade de constituição hereditária, algo que não existe no caso dos bovinos de tipo “bravo”.

 

Na natureza não existem animais de lide, muito menos bovinos, animais herbívoros de índole pacífica. Uma raça, cuja razão de existir fosse apenas a tortura em arenas, seria uma aberração, só concebível por mentes doentes de quem quer perpetuar a violência contra os animais.

 

Ver mais informação aqui:

http://pelostourosvivos.blogspot.pt/2013/03/a-raca-dita-de-lide-nao-existe-e-um.html?fb_action_ids=10201717622221790&fb_action_types=og.likes

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:34

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

TAUROMAQUIA: A “ARTE” DE TORTURAR BOVINOS OU QUALQUER OUTRO SER VIVO!

 

O animal humano na sua mais repugnante faceta

 

 

 

Para divertir os aficionados, a indústria tauromáquica não se limita a torturar bovinos, e atormenta e tortura muitos outros animais.

 

Cavalos, búfalos, cães, burros, mulas, póneis, leões, tigres, elefantes, galos, javalis e até seres humanos já foram ou são explorados e torturados pela macabra indústria tauromáquica.

 

Cavalos torturados e mortos pela indústria tauromáquica

 

Os cavalos e os bovinos são animais herbívoros e estão muito longe de serem inimigos naturais. No entanto, os cavalos são usados nos espectáculos tauromáquicos em que se colocam este nobres animais numa luta aberrante, estúpida e anti natural.

 

Como resultado da loucura selvática dos aficionados, cavalos são feridos, estripados e mortos.

 

Muitos cavalos morrem de ataques cardíacos fulminantes, pois não foram feitos para participar em espectáculos com tal nível de violência.

 

Ver mais informação aqui:

 

http://pelostourosvivos.blogspot.pt/2013/10/tauromaquia-arte-de-torturar-bovinos-ou.html?fb_action_ids=10201717622221790&fb_action_types=og.likes

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:29

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 12 de Agosto de 2014

Do que são capazes os irracionais psicopatas da tauromaquia!

 

Isto é inconcebível! Horrendo!  

 

E por mais incrível que pareça, isto é permitido por uma lei portuguesa, aprovada por deputados portugueses que se vergam ao lobby da tortura, a qual exclui os bovinos e cavalos do Reino Animal.

 

Que vergonha! Que irracionalidade!

 

 

Cães de tipo Alano espanhol atacam bovino em ganadaria.O cão da imagem, coitado, também ele, uma vítima, tem os ossos de fora. Está a desfazer o pobre do bovino vivo. Repare-se no desespero do novilho.

 

«Muita gente não sabe ! mas para divertir os aficionados, a indústria tauromáquica não se limita a torturar bovinos e atormenta e tortura muitos outros animais.

 

Cavalos, búfalos, cães, burros, mulas, póneis, leões, tigres, elefantes, galos, javalis e até seres humanos já foram ou são explorados e torturados pela macabra indústria tauromáquica.

 

Cães explorados usados em divertimentos tauromáquicos (Bullbaiting)

 

O Bull-Baiting é uma prática inenarrável que consiste em atiçar cães para esfacelarem bovinos vivos. Era uma actividade habitual na Inglaterra no século XV e foi abolida em 1835, com uma lei que proibiu a crueldade sobre os animais (Cruelty to Animals Act).

 

Nos países onde a tauromaquia ainda sobrevive, como em Portugal ou em Espanha, subsiste esta prática da Inglaterra da idade das trevas.

 

Em Junho de 2013, a polémica do bullbaiting ganha destaque quando foram divulgadas as fotos no Facebook do toureiro João Moura Júnior em que uma matilha de cães ataca um pobre bovino.

 

Até à presente data, o toureiro mantém-se impune e desfila como um herói pelas praças da tortura de Portugal e Espanha.»

 

in

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=297362637113179&set=pcb.297362997113143&type=1&theater

 

*** 

Abram este link e vejam a selvajaria do Moura JR 

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.448225395272803.1073741829.305023079593036&type=3

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:50

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 17 de Dezembro de 2013

PROJECTO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALTER DO CHÃO NÃO DIZ A TRETA COM A CARETA

 

 

«No projecto educativo relativo ao Ensino Pré-Escolar, o Agrupamento de Escolas de Alter do Chão considera importante que as crianças desenvolvam “atitudes de criatividade, autonomia, curiosidade e de respeito pela vida e pela natureza”.

 

http://www.eps-alter-chao.rcts.pt/Projecto_Educativo/Projecto%20Educativo.pdf

 
 
 
 

Será este o mesmo Agrupamento que autoriza um professor aficionado a promover a tortura de bovinos por diversão dentro da escola pública? Ou será que o professor desenvolve a sua actividade de promoção da indústria tauromáquica violando as mais básicas regras de funcionamento das escolas públicas

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=574784555937610&set=o.228974020492136&type=1&theater
 
***
 

Segundo noticiado no Jornal expresso, o clube tauromáquico foi criado em 2010. Importa saber se a actividade tauromáquica do professor aficionado consta do plano de actividades das escolas do agrupamento e se o clube obedece às regras do regulamento interno que diz o seguinte:

 

“7.6. CLUBES

 

7.6.2. A criação de clubes carece obrigatoriamente de parecer favorável do Conselho Pedagógico.

 

7.6.3. Cada clube a criar deve dispor de projecto que clarifique os seguintes aspectos:

 

• Objectivos pedagógicos - didácticos e educativos;

 

• Público-alvo;

 

• Nome e logótipo;

 

• Regimento Interno.

 

7.6.4. As actividades a desenvolver pelos clubes integram obrigatoriamente o Plano Anual de Actividades da Escola.

 

7.6.5. Os clubes funcionam em espaço próprio disponibilizado pelo Director do Agrupamento.

 

7.6.6. As actividades do clube decorrerão sob a orientação dos professores responsáveis. Os Encarregados de Educação terão de autorizar a frequência dos seus educandos nas actividades promovidas pelo clube.”

 

Caso não cumpra as regras que vigoram nas escolas públicas, este clube é de natureza ilegal e as suas actividades no seio da escola representam um delito.

 

http://www.eps-alter-chao.rcts.pt/.../Regulamento...

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=574784555937610&set=o.228974020492136&type=1&theater

 

***

TAUROMAQUIA: PROFESSOR DE MATEMÁTICA DIRIGE EM ESCOLA DE ALTER DO CHÃO CLUBE TAURINO ÚNICO NO PAÍS

 

Lusa 12:00 Segunda-feira, 24 de Setembro de 2012

 

Lisboa, 24 set (Lusa) 

 

O Agrupamento de Escolas de Alter do Chão, no Alto Alentejo, é o único no país que possui um clube taurino, dirigido por um professor de matemática, que, além dos números, dá a conhecer a tauromaquia.

 

O clube, fundado em 2010, é frequentado por cerca de meia centena de alunos, com idades compreendidas entre os nove e os 18 anos, desenvolvendo durante o ano vários colóquios e visitas a ganadarias e coudelarias, entre outras actividades ligadas à festa.

 

Marco Gomes, professor de matemática e mentor do clube, explicou hoje à agência Lusa que o projecto tem como objectivo "formar bons aficionados, fomentar o espírito de grupo e o contacto directo com a realidade tauromáquica".

 

http://expresso.sapo.pt/tauromaquia-professor-de...

 

***

A notícia do Expresso refere alunos com idades compreendidas entre os nove e os 18 anos, mas nesta foto, cujo objectivo é promover esta escola taurina, estão crianças menores de seis anos. Nitidamente.

Além disso, quais serão os "objectivos pedagógicos - didácticos e educativos" de um clube de tortura de bovinos?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:06

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 15 de Novembro de 2013

TOURADAS A CAMINHO DA ABOLIÇÃO EM PORTUGAL

 

 

IMPORTANTE DIFUNDIR!

Em 2013 as touradas perderam em todas as frentes em Portugal: menos espectadores, menos eventos, menos touradas na TV... e consequentemente, menos animais mortos.

 O sector é neste momento insustentável do ponto de vista financeiro, situação que é admitida pela própria indústria tauromáquica.

O declínio das touradas não é um mero sinal da crise que o país atravessa. Para ele contribuem muitos cidadãos, instituições e empresas que se afastam da crueldade e ajudam a difundir uma mensagem de ESPERANÇA.

Caminhamos para a abolição! Pelos animais e por uma sociedade mais civilizada.

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=669807803050029&set=a.472890756075069.108951.143034799060668&type=1&theater

***

POR TUDO ISTO, É DA RACIONALIDADE A ABOLIÇÃO DAS TOURADAS JÁ!

publicado por Isabel A. Ferreira às 13:44

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
19
22
29
30

Posts recentes

O adeus à tauromaquia

«A VERDADE QUE A INDÚSTRI...

HÁ UMA LIGAÇÃO ÍNTIMA ENT...

CRIANÇAS USADAS COMO “ISC...

CARTA ABERTA AO DOUTOR PA...

«A RAÇA DITA DE “LIDE” NÃ...

TAUROMAQUIA: A “ARTE” DE ...

Do que são capazes os irr...

PROJECTO EDUCATIVO DO AGR...

TOURADAS A CAMINHO DA ABO...

Arquivos

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt