Sábado, 26 de Setembro de 2020

Vergonha das vergonhas nos Açores! «Governo Regional e Autarquias entregam cerca de 222 mil euros à indústria das touradas»

 

Comunicado do

Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores (MCATA)


Em tempos da COVID-19 e com a mais grave crise económica das últimas décadas, o que poderia ser feito com mais de duzentos mil euros de dinheiro público? Sem dúvida esse dinheiro deveria ser destinado a melhorar o serviço regional de saúde ou a melhorar as condições de vida de todas as pessoas que ficaram sem emprego.

 

 

substour.jpg

 

No entanto, o Governo Regional e as autarquias de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória resolveram o contrário e decidiram dar esse dinheiro a quem já vive de barriga cheia vivendo à custa do retrógrado negócio da tortura animal.


Apesar de este ano as restrições sanitárias decorrentes da pandemia quase não permitirem realizar touradas na região, a indústria das touradas conseguiu fazer grande negócio na mesma graças ao dinheiro público que aparentemente nunca falta para a alimentar, mesmo em tempos terríveis de pandemia e de falência da economia regional.


Assim, o Governo Regional decidiu entregar este ano aos ganadeiros seis mil euros por cada corrida de touros que deixou de se realizar. E igualmente outros 500 euros por cada tourada à corda não realizada, aos quais devem somar-se os mil euros por tourada que vai entregar a Câmara de Angra para 19 touradas à corda. E como se calhar ainda parecia pouco, os ganadeiros vão receber generosamente 15 mil euros do Governo Regional e 11 mil euros da Câmara da Praia como "compensação financeira” pela não realização de touradas.


No total são cerca de 222 mil euros: cerca de 177 mil euros (Portaria n.º 80/2020, 23/06/2020) e 15 mil euros (Portaria n.º 1100/2020, 12/06/2020) entregues por parte do Governo Regional, 19 mil euros por parte da Câmara de Angra (ver Diário Insular, 29/05/2020) e 11 mil euros por parte da Câmara da Praia (ver Praia Expresso, 21/05/2020). Isto para além de todos os subsídios que os ganadeiros recebem regularmente todos os anos.


Como se não bastasse a falta de vergonha neste uso e abuso do dinheiro público, o Governo Regional considera o “lobby” das touradas, representado aqui pela Associação Regional de Criadores de Toiros de Tourada à Corda, como uma "instituição sem fins lucrativos". E apesar desta suposta ausência de fins lucrativos, o Governo não duvida em qualificar o considerável dinheiro dado a esta instituição como "uma compensação financeira pela não realização de touradas”.


Assim, quando o negócio não é bom para a indústria das touradas, todos os açorianos têm de pagar uma "compensação financeira" aos ganadeiros no valor de centenas de milhares de euros. E têm de pagar essa “compensação” mesmo os açorianos, de todas as ilhas, que são contrários às touradas e consideram esta actividade indigna e imprópria de um país civilizado.


Para onde vão parar, portanto, os nossos impostos em tempos de pandemia? Nos Açores, como sempre, pela mão dos nossos governantes e da indústria tauromáquica, o nosso dinheiro serve inevitavelmente para alimentar a repudiada e embrutecedora prática da tortura de animais.»


Comunicado do
Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores (MCATA)
http://iniciativa-de-cidadaos.blogspot.pt/
24/09/2020

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:46

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 13 de Setembro de 2020

«Crianças nas Escolas de Toureio: Abusos e Mais Abusos»

 

pequenos toureiros.jpg

Por Marinhenses Anti-touradas


Ontem, foi notícia que um professor de uma escola de toureio espanhola andava a ABUSAR SEXUALMENTE dos seus alunos há vários anos. Entre as vítimas, há crianças de 11 anos. O professor, ex-toureiro, está agora em prisão preventiva, conforme explicado num comunicado da Polícia, em https://www.policia.es/prensa/20200911_1.html

Em Portugal há várias escolas de toureio, com alunos com idades a partir dos 6 ANOS. Ainda que em Portugal não tenham surgido, até à data, notícias de abusos sexuais, há claramente outro tipo de abusos:

- Há bovinos com POUCOS MESES DE IDADE a serem TORTURADOS e MORTOS;

- Há crianças que são praticamente obrigadas a torturar e a matar animais.

De resto, há podres e mais podres na indústria tauromáquica. Pensamos que uma investigação jornalística sobre tauromaquia pode contribuir para que mais pessoas se passem a insurgir contra a cruel e vergonhosa actividade.


Está activa uma petição/mensagem de pedido de INVESTIGAÇÃO CMTV que pode ser subscrita em ✅ https://bit.ly/3hxm1Ch ✍️ Gratos pela atenção.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/antitouradas/photos/a.215152191851685/3559279827438888/?type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:53

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 10 de Julho de 2020

O esperado aconteceu: PS, PSD, PCP, CDS/PP e Chega rejeitam o fim do financiamento à tortura de Touros (vulgo touradas) e obrigam os Portugueses a continuar “investir” os seus impostos nesta prática desumana

 

Uma vez mais a irracionalidade venceu a racionalidade.

 

Seria de esperar que a tauromaquia, por ser uma actividade que tortura Touros numa arena para divertir um punhado de sádicos e psicopatas (é preciso repetir isto), não fosse financiada pelo Estado português, por ser uma prática bárbara, e porque os tauricidas, todos eles, não vivem à custa das touradas, mas sim à custa dos impostos dos portugueses.

 

Rejeitado: Projecto de Lei n.º 1236/XIII/4.ª (Iniciativa Legislativa de Cidadãos) – Termina com a atribuição de apoios financeiros por parte de entidades públicas para a realização de actividades tauromáquicas.

 

Rejeitado: Projecto de Lei n.º 257/XIV/1.ª (PAN) – Pela não utilização de dinheiros públicos para financiamento de actividades tauromáquicas.

 

Rejeitado: Projecto de Lei n.º 243/XIV/1.ª (BE) – Impede o apoio institucional à realização de espectáculos que inflijam sofrimento físico ou psíquico ou provoquem a morte de animais.

 

Rejeitado: Projecto de Lei n.º 22/XIV/1.ª (PEV) – Impede o financiamento público aos espectáculos tauromáquicos.

 

Rejeitado: Projecto de lei da deputada não inscrita Cristina Rodrigues - Com vista a proibir financiamento público a touradas.

 

Quem vota em trogloditas, troglodita é. Não estando trogloditas no Parlamento as coisas podem mudar no que respeita à tortura de Touros. Os milhares, que se dizem anti-touradas, não se vêem nos votos. Por onde andarão, na hora de votar? Em quem votarão, para que os trogloditas se assentem no Parlamento?

 

finaciamento às touradas.jpg

É nisto que os Portugueses são obrigados, contra a sua vontade, pelos deputados da Nação afectos ao PS, PSD, CCP, CDS/PP e Chega, a “investir” os seus impostos, que tanto lhes custa a desembolsar, para que não sejam bem servidos na Saúde, na Educação, na Habitação, em tudo o que é essencial à VIDA. E os deputados da Nação dão prioridade à MORTE de seres vivos, para que os sádicos e psicopatas se divirtam. E isto é da mais descomunal injustiça.

Origem da imagem: Internet

 

Todos sabemos que anualmente a tortura de Touros recebe 16 milhões de euros em apoios públicos directos e indirectos, provenientes da União Europeia, Câmaras Municipais, Governo da República e Governo Regional do Açores.

 

Todos sabemos que tais subsídios são para o apuramento da raça brava de lide, o que prova que o chamado “touro bravo”, não existe na Natureza, mas é “fabricado” nas ganadarias à custa de muita tortura, desde que o bezerro nasce, daí que se acabando as touradas, os bovinos não desaparecerão.

 

Todos sabemos que estes subsídios são para a transmissão de touradas no canal público de televisão; e, nas autarquias, para aquisição de bilhetes, construção e reabilitação de praças de touros, publicidade e escolas de toureio, enquanto a pobreza e a falta do essencial são gritantes, nessas autarquias.

 

A isto, por exemplo, juntou-se mais 6 milhões de euros em isenção de IVA para “artistas” e bilhetes, só em 2018.

Então no campo pequeno os números são de bradar aos céus:  a praça está isenta do pagamento de IMI, num valor que ascende a 12 milhões de euros por ano. E os desgraçados que têm o azar ou a sorte, de terem uma casinha, têm de pagar IMI (sempre a subir), tenham ou não tenham proventos suficientes para sobreviverem.

Isto é imoral.

 

A esmagadora maioria dos Portugueses não querem ver os seus impostos esbanjados numa actividade cruel e grosseira, nem querem continuar a sustentar os parasitas disto a que chamam “indústria tauromáquica”, ou seja, fabricação de touros de lide.

 

Não querem mas são obrigados pelos governantes. E a isto chama-se tirania.



Contudo, os trogloditas de serviço, no Parlamento, rejeitando a vontade da maioria dos que lhes pagam os chorudos salários para servirem os interesses de Portugal, mas não os interesses de duas dezenas de parasitas da sociedade portuguesa, decidem virar as costas  à razão e, irracionalmente, deliberam continuar a subsidiar esses poucos parasitas, e a dar continuidade a uma prática rejeitada no mundo civilizado.

 

E a isto chama-se regime ditatorial.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:25

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 9 de Julho de 2020

«A Indústria Tauromáquica e a Falácia da Perda de Empregos»

 

«Após termos ouvido o esclerosado Miguel Sousa Tavares afirmar na TVI que se as touradas acabassem perder-se-iam milhares de postos de trabalho republicamos um artigo escrito por nós em 16/7/2012 que continua actual e prova exactamente o contrário do que foi afirmado.

 

Um dos argumentos da indústria tauromáquica reside na afirmação que se as touradas acabassem milhares de postos de trabalho perder-se-iam!»

 

PRÓTOURO.jpg

 

«Não são milhares e a maioria nem sequer pode ser considerada como verdadeiro posto de trabalho.

 

Muitos desses postos de trabalho são sazonais e quem os ocupa tem outro tipo de trabalho caso contrário como é que sobreviveria o resto do ano?

 

De acordo com um “parecer” da “prótoiro” entregue no princípio deste ano na Assembleia da República, para organizar uma tourada são precisas 175 pessoas que vão desde o pessoal dos curros, bilheteiros, banda, bombeiros, polícia e trabalhadores dos bares.

 

O pessoal dos curros, os bilheteiros, a banda e os trabalhadores dos bares só trabalham quando há espectáculos, ou seja muitas vezes aos fins de semana, se estes fossem os seus únicos postos de trabalho morreriam de fome.

 

Quanto aos bombeiros e à polícia é totalmente absurdo a sua inclusão neste “parecer”, porque enquanto estes elementos são desviados para dar cobertura a esta actividade deixam de estar onde são realmente precisos; combate à criminalidade e ajuda a pessoas vítimas de acidentes ou combate a incêndios.

 

Mas continuemos a analisar o dito “parecer”.

 

“Existem 14 delegados técnicos tauromáquicos e 15 veterinários taurinos”. Uma vez mais todas estas pessoas não vivem disto têm outros postos de trabalho.

 

“37 cavaleiros, 24 cavaleiros praticantes, 6 matadores de touros, 86 bandarilheiros, 15 bandarilheiros praticantes, 20 moços de espada e 30 emboladores”.

 

Cavaleiros, toureiros, etc, a maioria deles têm outras fontes de rendimento, tal como ganadarias onde criam outros animais à parte dos touros de lide, isto para não falar dos subsídios que recebem por essa actividade.

 

“Existem 48 grupos de forcados que totalizam 1.440 moços de forcado”.
Esta actividade não é um emprego todos eles têm outros postos de trabalho e mais, segundo eles nem sequer recebem nada por pegar touros.

 

“Existem 120 promotores de espectáculos tauromáquicos”.

 

Uma vez mais nem todos eles vivem exclusivamente dessa “profissão”, muitos deles têm outras, e mesmo que só vivessem desse trabalho poderiam em vez de ser empresários de espectáculos tauromáquicos ser empresários de actividades que não envolvam a exploração e tortura de animais.

 

“Finalmente as 110 ganadarias existentes empregam 350 pessoas”. No entanto, estas ganadarias não criam exclusivamente touros de lide portanto, se as touradas acabassem, essas pessoas não perderiam os seus empregos.

 

Contas feitas onde é que estão os milhares de postos de trabalho!

 

Milhares de pessoas neste país perderam os seus verdadeiros empregos e a taxa de desemprego aumenta a uma velocidade impressionante.

 

Se as touradas fossem abolidas amanhã nenhum posto de trabalho se perderia.

 

Esta é tão só uma das muitas mentiras que os aficionados apregoam!

 

Prótouro
Pelos touros em liberdade»

 

Fonte do texto:

https://protouro.wordpress.com/2020/07/08/a-industria-tauromaquica-e-a-falacia-da-perda-de-empregos-2/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:42

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 7 de Julho de 2020

Debate na TVI sobre proibição de apoio público à Tortura de Touros (vulgo touradas): Inês Sousa Real (PAN) 20. Miguel Sousa Tavares zero

 

Ontem, no debate na TVI, entre Inês Sousa Real deputada do PAN e Miguel Sousa Tavares, caçador e aficionado de touradas, este último, cego pela obscuridade da caverna onde vivem os tauricidas, demonstrou uma ignorância sobre o que é a tauromaquia e o que se passa ao seu redor, inadmissível numa figura que (diz que é) comentador daquela estação televisiva. No mínimo devia ter-se informado, mas foi para ali de olhos fechados, tal como no dia em que nasceu.

 

O Miguel acha lindas as praças de touros, e passa por cima do sofrimento dos bovinos, matéria sobre a qual demonstrou uma profunda ignorância. Nunca leu nada a propósito. Isso não lhe interessa. Uma argumentação paupérrima, ao nível do mais ignorante dos ignorantes tauricidas.

A Inês Sousa Real esteve muito bem. Poderia ter acrescentado que o mencionado “ Touro de Lide” não existe na Natureza (está tudo documentado) logo não se extingue, e ter levado os números e os nomes dos ganadeiros que  vivem à custa dos nossos impostos e deslocam-se em carros de topo de gama.

Se hoje, o fim aos subsídios para torturar Touros não se concretizar, significa apenas que o parlamento está cheio de trogloditas que, além de não terem ainda evoluído, não servem os interesses de Portugal, mas tão- só o interesse privado de umas poucas famílias de parasitas da sociedade portuguesa.

 

Mas vamos ver o que nos diz  Um activismo por dia

 

Inês e Miguel.jpg

Reparem no argumento do Miguel, em defesa da tauromaquia: «Quando é que proíbem os periquitos nas gaiolas». Ó Miguel Sousa Tavares: uma estupidez não se justifica com outra estupidez. O Periquito na Gaiola é outro filme. Não pertence ao filme " Torturar Touros para divertir sádicos», sim, porque só os sádicos se divertem com o sofrimento de outro ser vivo.

 

Um activismo por dia

 

Quando é que se proíbe Miguel de Sousa Tavares de dizer barbaridades em horário nobre?

1- Ninguém depende financeiramente apenas da tauromaquia. As pessoas que trabalham na área têm outros empregos


2- O financiamento público directo e indirecto ultrapassa os 16 milhões de euros por ano. Muitas são as câmaras que preferem atribuir milhares de euros para comprar bilhetes para touradas, enquanto as escolas do município caem de podres ou as estradas permanecem com buracos (ex: a Câmara de Santarém e a De Vila franca de Xira)


3- Os animais não foram postos no mundo com funções específicas. Isso é uma ideia humana, os humanos é que atribuem funções aos animais.


4- A questão do sofrimento animal é inegável, os touros são animais, mamíferos, possuem sistema nervoso e cérebro e logo a capacidade de sentir e processar a dor.


5- Enquanto seres humanos dotados de sensibilidade e da capacidade de sentir a dor, o sofrimento do outro, não podemos considerar correcto causar dor desnecessária tendo por base o argumento da tradição. As tradições evoluem no espaço e no tempo e não são argumentos para a nossa moralidade.


6- Tendo em conta o sofrimento envolvido, o facto de ninguém depender financeiramente apenas de touradas, e que vivemos num país pobre com escassez de recursos em várias áreas muito mais importantes na vida de todos, não faz sentido algum o estado atribuir mais de 16 milhões de euros por ano à indústria tauromáquica.


7- Se a Tauromaquia gera receitas (como o Miguel de Sousa Tavares diz) então para que que precisa de subsídios públicos?

 

Fonte:
https://www.facebook.com/umactivismopordia/photos/pb.1822468628012632.-2207520000../2640982782827875/?type=3&theater

***

Apliquem esses dinheiros que esbanjam em TORTURA de TOUROS, por exemplo, no Serviço Nacional de Saúde (SNS) que está a precisar urgentemente de TUDO.

 

Ganadeiros.png

 

PARASITAS.jpg

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2563098197275660&set=a.1735646096687545&type=3&theater&ifg=1

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:45

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 9 de Junho de 2020

CMTV – canal televisivo propagador de mentiras e de incultura

 

«Tantas mentiras no programa "Crise na Arena", CMTV.

Fiquem com esta:  As touradas são o espectáculo[como se torturar Touros fosse um “espectáculo!] "que mais público arrasta" a seguir ao futebol

Isto será para rir?
 

De acordo com o Grupo  Marinhenses Anti-touradas «ontem, o programa CRISE NA ARENA voltou a estar em destaque, desta vez no Notícias CM (Ep. 159). É dito, durante o programa, que a indústria tauromáquica vai apostar na transmissão de um maior número de espectáculos tauromáquicos. A probabilidade de a CMTV começar a emitir touradas é grande. A transmissão televisiva de touradas beneficia a tauromaquia, nomeadamente pelo dinheiro que é pago à indústria tauromáquica.»

 

Bem, então temos a CMTV ao serviço da mentira e da incultura.

 

As touradas são uma prática (não um espectáculo) bárbara, cruel, violenta, grosseira, sanguinária, estúpida e assente na mais gigantesca ignorância, que uma minoria (conforme se vê na imagem) ainda sustenta, porque há quem já nasça com o cérebro mirrado, e não consegue, de modo algum, evoluir. O que vale são poucos.

 

E a CMTV acompanha essa incultura, essa involução, tornando-se um nefasto veículo da estupidez tauromáquica, que assenta na tal gigantesca ignorância. Um canal televisivo que presta um péssimo serviço a Portugal, aos Portugueses e à CULTURA CULTA.

 

CMTV.jpg

Fonte: https://www.facebook.com/antitouradas/photos/a.215152191851685/3274148095952064/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:40

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 13 de Maio de 2020

Touradas em Espanha podem estar a chegar ao fim

 

Esperamos o mesmo em Portugal.

Este é o momento propício para acabar a TORTURA de seres vivos, sustentada com os impostos dos portugueses.

Os impostos do Povo devem ser canalizados para a VIDA e não para a MORTE cruel de seres vivos, para gáudio dos sádicos.

 

las ventas.png

 

Um artigo publicado no portal britânico The Guardian refere que a pandemia do coronavírus afectou drasticamente o negócio das touradas na Espanha. O surto de Covid-19 obrigou ao cancelamento da temporada de actividades tauromáquicas e salvou centenas de animais que seriam torturados e mortos para o deleite sádico do público.

 

Enquanto o país luta para evitar a propagação do vírus e lida com a perda de mais de 26 mil vidas, o sector tauromáquico exige ajuda pública para fazer face aos prejuízos. Tal exigência incomodou a esmagadora maioria dos espanhóis e foi criticada por ONGs e activistas em defesa dos direitos dos animais, que consideram a proposta absurda.

 

O sector tauromáquico, que lucra milhões de euros com a morte e sofrimento de animais, agora pede em nome dos milhares de pessoas, que dependem da renda dessa actividade cruel, a injecção de recursos para a manutenção dessa prática bárbara durante a pandemia. Há, ainda a ter em conta o aterrador projecto de promover touradas em ambientes fechados para transmissão televisiva.

 

Diversos ganadeiros que criam touros para vendê-los para a indústria tauromáquica anunciaram que romperão contratos e buscarão outras fontes de renda. Esse movimento é importante, pois além de desabastecer o sector, esvazia parte dos argumentos económicos usados pela indústria, que insiste em ser chamada e considerada uma vertente cultural que precisa ser valorizada.

 

O engodo não está a surtir efeito. Uma petição assinada por mais de 100 mil pessoas solicita ao governo que não esbanje fundos públicos para o sector tauromáquico, porque  "é escandaloso – particularmente neste momento, quando há famílias que não têm o suficiente para comer e hospitais que foram dizimados por cortes financeiros”, salientou a activista Aïda Gascón, da AnimaNaturalis.

 

Actualmente activistas franceses e portugueses lutam igualmente contra as touradas, e numa das petições que correm, pode ler-se que «as touradas enfrentam o momento mais crítico da sua existência. Temos uma oportunidade única … de construir um mundo sem touradas.»

 

Fonte da notícia: ANDA

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:08

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Segunda-feira, 20 de Abril de 2020

«Deputados do PSD Querem Dar Ainda Mais Dinheiro aos Ganadeiros»

 

Depois querem ter bons resultados nas eleições!

O texto que se segue, publicado no Blogue Prótouro - Pelos Touros em Liberdade explica, muito bem explicadinho, este assalto aos cofres públicos, para encher os bolsos dos torturadores de Touros.

Os deputados do PSD não aprenderam nada com a mensagem tácita desta invasão do novo coronavírus?

Portugal não precisa de deputados trogloditas! Precisa de EVOLUIR! Já se faz tempo! (Isabel A. Ferreira)

 

Gado.jpg

 

«Os deputados do PSD Ribatejo enviaram uma carta à Ministra da Agricultura onde afirmam que estão muito preocupados com os prejuízos dos ganadeiros de brava de lide, ou seja, as mães dos touros que são torturados em touradas.

 

«Isaura Morais e João Moura eleitos por Santarém vão mesmo ao ponto de afirmar que o facto de muitos bovinos não serem vendidos para tortura pode gerar prejuízos muito superiores a sete milhões de euros.

 

É preciso ter muita lata para pedir ainda mais dinheiro para gentalha que recebe anualmente milhões em subsídios nacionais e europeus quando milhares de portugueses estão em lay-off e muitos até a passar fome.

 

Em 2011 o ganadeiro José Dias afirmava ao jornal “O Mirante” e citamos:

 

“Os ganadeiros são na sua maioria senhores muito ricos, com muitas propriedades, que se dedicam ao negócio mais por paixão. Ninguém pode viver directamente de uma ganadaria.”

 

Claro que são ricos têm propriedades com milhares de hectares de terra e criam outros animais para além de bovinos para touradas. Muitos criam cavalos e muitos até têm outros negócios que nada têm a ver com tauromaquia.

 

Estes deputados deveriam ser corridos a pontapé do partido uma vez que estão mais preocupados com a trampa da indústria tauromáquica do que com milhões de portugueses!

 

Prótouro
Pelos touros em liberdade»

 

Fonte:

https://protouro.wordpress.com/2020/04/19/deputados-do-psd-querem-dar-ainda-mais-dinheiro-aos-ganadeiros/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:27

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 5 de Fevereiro de 2020

O adeus à tauromaquia

 

«ADEUS - A Academia de toureio do Campo Pequeno foi encerrada "há alguns meses" segundo a imprensa tauromáquica. O mesmo destino tem a "Campo Pequeno TV" que foi uma desilusão em termos de subscrições ainda segundo a própria imprensa tauromáquica.
Duas entidades que já não deviam existir em Portugal, que nunca deviam ter existido e que não fazem falta nenhuma ao país.


Portugal está a mudar e a indústria tauromáquica está rapidamente a ruir para bem do progresso civilizacional dos animais e das crianças vítimas desta violência e barbaridade.
»


Fonte: 

http://farpasblogue.blogspot.com/2020/02/novos-donos-do-campo-pequeno-acabam-com.html


«Usem a hastag #adeustouradas para marcar este momento histórico de viragem no nosso país.»

campo pequeno.png

 Fonte:

https://www.facebook.com/Basta.pt/photos/a.472890756075069/2976042822426504/?type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 12 de Fevereiro de 2017

«A VERDADE QUE A INDÚSTRIA TAUROMÁQUICA QUER ESCONDER»

 

Mais um excelente texto de André Silva

É preciso continuar a desmascarar esta pobreza "cultural", moral e social onde se esbanjam dinheiros públicos, para que uma minoria inculta se divirta à custa do sofrimento de seres vivos.

Mas o pior, o pior é o governo português e as entidades que têm a seu cargo zelar pelo bem-estar das crianças, pela sua saúde mental e educação para a cidadania, permitirem a realização de uma BullFest, com a qual apenas se pretende formar monstrinhos...

 

BULLFEST.png

Uma iniciativa com a finalidade de formar “monstrinhos” … Onde está a Comissão de Protecção a Menores?

 

 

Texto de André Silva (*)

(Porta-voz e deputado do PAN)

 

«Mais uma vez, as a estatísticas oficiais vêm colocar a indústria tauromáquica numa situação embaraçosa e comprometedora. O Relatório da Actividade Tauromáquica de 2016 da Inspecção Geral das Actividades Culturais (IGAC) vem demonstrar o crescente desinteresse dos portugueses pela tauromaquia, uma prática que é cada vez mais rejeitada pela violência que encerra e que continua em declínio acentuado.

 

As touradas atingiram mínimos históricos de corridas e de público no nosso país. O número de touradas realizadas em 2016 foi pela primeira vez inferior a 200 e os 362.057 espectadores contabilizados pela IGAC representam o valor mais baixo de sempre em Portugal desde 1998, ano que começaram a ser publicadas as estatísticas oficiais. Desde 2010 as touradas já perderam mais de 53% do seu público. A tauromaquia tem um peso cada vez mais insignificante no panorama dos espectáculos ao vivo em Portugal, sendo já superada pelos eventos de Folclore que em 2015 contabilizavam 462.081 espectadores, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

 

Fazendo umas contas simples, se aos 362.057 espectadores contabilizados tiver correspondido sempre uma pessoa diferente, conclui-se que, no máximo, apenas 3% dos portugueses assistem a touradas. Mas se admitirmos sensatamente que cada aficionado assistiu a pelo menos duas corridas num ano, pode afirmar-se que, no máximo, apenas cerca de 1,5% de portugueses assistem a touradas em Portugal. Ou que 98,5% dos portugueses não assiste a touradas.

 

No entanto, e para que esta ínfima minoria continue a divertir-se nestes espectáculos que, nas palavras do Professor Fernando Araújo, consistem "na exibição da mais abjecta de cobardia de que a espécie humana é capaz, o gozo alarve com a fragilidade e com a dependência alheias", o Estado tem tido um papel determinante. Com fortes apoios directos e indirectos, através de dinheiros públicos, de apoios institucionais e de isenções fiscais, o Estado tem garantido autênticos balões de oxigénio a esta actividade decadente.

 

Os portugueses não conseguem entender o papel de um Estado que isenta os artistas tauromáquicos do pagamento de IVA, aqui equiparados a desportistas, médicos ou enfermeiros. Um Estado evoluído e justo deve recompensar, através de isenções fiscais, apenas as actividades económicas e profissionais que acrescentam valor, unificam a sociedade e que passam, necessariamente, pela não-violência. Equiparar a tauromaquia a profissões de cariz humanitário ou de utilidade pública é uma forma de anular o significado das palavras e corromper a razão de ser das isenções. Também não se compreende como é possível, contra o sentimento geral da população portuguesa, inclusivamente contra a opinião do Provedor do Telespectador, que o serviço público de televisão continue a transmitir touradas, financiando assim esta prática com o dinheiro público que, a tanto custo, os cidadãos contribuem.

 

A própria reacção do sector aos factos vem reforçar o seu desespero pelo envelhecimento natural de uma actividade que as novas gerações claramente repudiam. Então é preciso doutrinar os mais novos para a violência com o nobre objectivo de defender a tradição e os bons costumes. Como? À moda antiga. Quem tem dinheiro, logo "poder", investe em "comunicação" para nos trazer a primeira edição do BullFest já neste mês de Fevereiro, e que a indústria chama de Festival de Cultura Portuguesa.

 

Mas haverá lá acontecimento mais emblemático da ruralidade, cultura e tradição portuguesas que um evento em Lisboa designado de BullFest, num shopping repleto de boutiques e de cadeias de fast food?

 

No programa deste evento pode ler-se que "este é um momento perfeito para os mais pequenos terem uma introdução à tauromaquia em família." Esta frase diz tudo sobre as intenções da indústria tauromáquica. Um dia em cheio que começa logo de manhã repleto de animação infantil com muitas actividades, divertidas e aparentemente inofensivas, que têm sempre como pano de fundo o inefável universo tauromáquico. Muita animação e brincadeira, que sob a capa de momentos recreativos e lúdicos, tem como objectivo único o doutrinamento das crianças. O cornetim, a seda e as lantejoulas já não conseguem cativar os mais novos para esta tradição bafienta, por isso cabe ao marketing tentar descobrir outros caminhos.

 

As crianças que desde tenra idade se "educarem" (leia-se condicionarem) para um relacionamento com o outro baseado no utilitarismo, na agressão e na dominação, serão adultos que terão uma visão da violência da tauromaquia como um ritual vulgar. Controlar e condicionar crianças para a banalização da tauromaquia hoje é continuar a garantir a institucionalização da violência amanhã.

 

Cultura, senhoras e senhores, corresponde a um sentido humanista com um contributo concreto para nos tornar melhores seres humanos e caracteriza a evolução mental e civilizacional das sociedades. Crianças e jovens expostos à violência como uma actividade supostamente cultural e natural serão adultos que organizam os seus próprios sistemas de valores com bases mentais pouco sadias.

 

E nem as marcas portuguesas no cumprimento dos seus programas de responsabilidade ética e social se querem associar às máquinas do marketing usadas para a manipulação dos "inocentes", pelo que os patrocinadores desta iniciativa são praticamente inexistentes ou desconhecidos. São cada vez mais os agentes económicos que se divorciam e recusam patrocinar uma tradição que já não pertence a este tempo.

 

Há contingências que são evitáveis com coragem política, que muito tem faltado. As minorias que o Estado deve apoiar e proteger, com "pão, saúde e educação", são outras.

 

Continuam a destapar-se os véus… cá estaremos até ao derradeiro toque a cabrestos.»

________

(*) André Silva nasceu a 2 de Abril de 1976, formado em Engenharia Civil e vegetariano, é deputado e porta-voz do PAN, Pessoas - Animais - Natureza


Fonte:

http://www.sabado.pt/opiniao/convidados/andre_silva/detalhe/a_verdade_que_a_industria_tauromaquica_quer_esconder.html

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Vergonha das vergonhas no...

«Crianças nas Escolas de ...

O esperado aconteceu: PS,...

«A Indústria Tauromáquica...

Debate na TVI sobre proib...

CMTV – canal televisivo ...

Touradas em Espanha podem...

«Deputados do PSD Querem ...

O adeus à tauromaquia

«A VERDADE QUE A INDÚSTRI...

Arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt