Segunda-feira, 26 de Novembro de 2018

«DE QUE ESTAMOS À ESPERA PARA VOTAR DE VEZ AO ESQUECIMENTO POETAS/POLÍTICOS FALHADOS?»

 

Um excelente texto de Maria Do Carmo Tinoco publicado no Facebook

 

CIRCO.jpg

 

«Nero também achava poético ver os cristãos serem devorados e deleitava-se com os que serviam de archote para os jogos na arena.

 

Tomás de Torquemada também, deveria achar bastante poéticas as fogueiras dos autos de fé e os “artísticos” método usados para extrair as confissões nos calabouços da Inquisição.

 

Estas práticas tradicionais eram tão apelativas que nos autos de fé e demais execuções as pessoas deleitavam-se de tal forma com o sofrimento dos executados, que marcavam lugar para assistirem, com boa visibilidade, ao “espectáculo”.

 

Também foi tradição “exportar” pessoas. Eram literalmente agarradas nas suas terras de origem, agrilhoadas e despachadas para onde fosse necessário.

 

Também foi tradição vendê-las em mercados e feiras.

 

Dirão que estamos a falar de pessoas, mas lembrem-se que nesta época estas pessoas eram tratadas como animais.

 

Se estas práticas ancestrais cederam ao avanço da humanidade, por envergonharem quem as praticou, nomeadamente Portugal, no que à escravatura diz respeito em cujos primeiros passos para abolição fomos pioneiros, hoje em dia, estranhamente, deixamos esta nossa característica de pioneiros em questões de humanidade, desenvolvidas durante o Iluminismo, que dominou a Europa do século XVII até aos nossos dias, ficar relegado para um plano que apenas nos embaça o brilho.

 

Iluminismo, intelectualidade, filosofia, luz, humanidade. Foram grandes dias esses se comparados com o obscurantismo, a violência, o prazer com o sofrimento de seres que são nossos parceiros na jornada, que não foram nascidos para servirem prazeres doentios nem serem instrumentos “da banalidade do mal” que ainda entorpece quem paga para assistir a este flagelo que assola 8 países do Planeta.

 

O ser humano é o único ser que banaliza o mal, que é capaz de o praticar só porque pode e porque a quem o faz e a quem assiste lhes dá prazer. Alguns morrem neste processo hediondo e os demais chamam-lhes depois heróis. Sabe-se lá sob que dúbia perspectiva é que se vê ali heroísmo. Vê-se dor também, para satisfação dos sádicos das bancadas, que se levantam em urros e brados enquanto um animal fica na arena a escorrer sangue e cheio de dores e outro sai em braços não nas melhores condições a sangrar por dentro para vir depois a morrer vitima de uma suposta coragem embrutecida e nada lúcida que o levou a tentar enfrentar um animal ferido, acossado, dolorido.

 

Que profunda estupidez e crueldade em tudo isto, que boçalidade. Que inutilidade de vidas desfeitas de forma bárbara numa arena que teve cabimento há 2 mil anos, mas que hoje já não deveria ter.

 

De que estamos à espera para terminar de vez com esta degradante prática? De que estamos à espera para evoluir? De que estamos à espera para honrar ancestrais que foram mais humanos do que nós? E de que estamos à espera para inverter esta involução que nos agrilhoa e nos torna escravos da boçalidade, da maldade? De que estamos à espera para votar de vez ao esquecimento, poetas/políticos falhados, que nunca conseguiram alcançar a notoriedade com que sonhavam pela sua arte, quer oratória quer escrita?

 

 Maria Do Carmo Tinoco

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:42

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2016

MAIS UMA MONSTRUOSIDADE TAUROMÁQUICA

 

Esta, veio de França… um país que já foi o centro do Iluminismo***

Eis um vídeo que mostra um touro jovem a quem cortaram as orelhas ainda em vida (4life Anti-tauromaquia)

 

 

*** O Iluminismo foi um movimento cultural da elite intelectual europeia do século XVIII que procurou mobilizar o poder da razão, a fim de reformar a sociedade e o conhecimento herdado da tradição medieval. Abarcou inúmeras tendências e, entre elas, buscava-se um conhecimento apurado da Natureza, com o objectivo de torná-la útil ao homem moderno e progressista.

 

Originário do período compreendido entre os anos de 1650 e 1700, o Iluminismo foi despertado pelos filósofos Baruch Spinoza (1632-1677), John Locke (1632-1704), Pierre Bayle (1647-1706) e pelo matemático Isaac Newton (1643-1727).

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:48

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 5 de Junho de 2015

A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA DEIXOU DE SER PATRIMÓNIO CULTURAL DA FRANÇA

 

Vive la France!

Este é um passo evolutivo bastante significativo.

A França (do Iluminismo) andava a vaguear nas trevas a este respeito: ter como Património Cultural a tortura de seres vivos para divertir os sádicos?

 

PATRIMÓNIO CULTURAL.jpg

Crédit photo : Viviane De SSP

 

O CRAC Europa - o Comité Radicalmente Anti Corrida (de Touros) - e a Associação Direitos dos Animais lutaram durante vários anos para revogar o registo das touradas como Património Cultural Imaterial da França.

 

Esta quinta-feira, 4 de Junho de 2015, esta contestação deu os seus frutos: o Tribunal Administrativo de Apelação de Paris deu-lhes razão!

 

«Esta é a primeira grande vitória na luta anti-touradas durante pelo menos 15 anos!», disse ao Planète Animaux (Planeta Animal) Jean-Pierre Garrigues, presidente do CRAC Europa.

 

Congratulamo-nos com este triunfo, esperando que os tribunais portugueses aprendam alguma coisa, em questões civilizacionais, com os seus parceiros franceses.

 

Fonte:

http://www.planeteanimaux.com/sujet/2015/06/04/scoop-la-corrida-nest-plus-inscrite-au-patrimoine-culturel-francais/005323

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:29

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014

TOURADA: TRADIÇÃO OU COSTUME BÁRBARO?





publicado por Isabel A. Ferreira às 18:37

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 25 de Julho de 2013

COM O ILUMINISMO, AS TOURADAS DESAPARECERAM DE TODOS OS PAÍSES MAIS DESENVOLVIDOS DA EUROPA, À EXCEPÇÃO DE PORTUGAL, ESPANHA E FRANÇA…

 

A PERGUNTA É: POR QUÊ?

 

 

«As touradas existiram em praticamente toda a Europa medieval.

 

Com o iluminismo desapareceram de todos os países mais desenvolvidos ficando os resíduos dessa tradição na Península Ibérica. Facto que mereceu muitas críticas em Portugal ao longo dos séculos XVIII e XIX por parte de várias personalidades, como foi o caso de Alexandre Herculano:

 

"Espectáculo de eras bárbaras (as touradas) que a civilização desenvolvendo-se gradualmente por algumas civilizações, ainda não pode desterrar da Península" - Alexandre Herculano. Jornal do Comércio de 15 de Setembro de 1874.»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=482657985151881&set=a.342946792456335.81007.100002230523165&type=1&theater

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 13:57

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«DE QUE ESTAMOS À ESPERA ...

MAIS UMA MONSTRUOSIDADE ...

A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA...

TOURADA: TRADIÇÃO OU COST...

COM O ILUMINISMO, AS TOUR...

Arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt