Quinta-feira, 23 de Abril de 2020

Canceladas as “festas” de San Fermín, em Pamplona (Espanha)

 

Todos os anos, centenas de Touros são sacrificados, em honra de San Fermín, um santo natural da cidade de Pamplona, padroeiro da diocese e co-padroeiro de Navarra, para que bandos de cobardes se divirtam boçalmente, com muito álcool à mistura, e tudo isto com o aval da Igreja Católica Apostólica Romana.

Este ano, porém, o coronavírus veio, providencialmente, salvar os Touros e mostrar que já é tempo de se abandonar estas práticas selváticas que em nada dignificam a espécie humana.

Todos nós, defensores dos Direitos dos Animais (humanos e não-humanos) esperamos que se aproveite esta grandiosa lição que o coronavírus veio dar à Humanidade -  deixem os animais não-humanos em paz - e acabem de vez com estes atentados à VIDA dos nossos companheiros planetários.

Sem a acção do homem, o Planeta voltou a respirar e todas as outras espécies, animais e vegetais, renasceram com muito mais vitalidade. E assim poderão continuar sem a presença do homem, quando este se extinguir (pois a continuar assim, a extinção dos humanos será uma realidade).

A mensagem foi clara e inequívoca.

Ao menos honrem a memória daqueles que perderam a vida nesta pandemia! Que a mensagem deixada pelo coronavírus possa servir para que a espécie humana deixe de ser a maior predadora do nosso Planeta, e o partilhe benevolamente com todas a outras  criaturas.

 

San Fermín.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:29

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 3 de Fevereiro de 2014

AINDA O FÓRUM DA TORTURA TAURINA NOS AÇORES - MESTRES DO EMBUSTE ENGANARAM (POR MÁ FÉ OU CONVENIÊNCIA) OS QUE NADA SABEM

 

Diz que o Fórum dos Açores realçou os valores “culturais” da criação do “touro bravo”… e assim se propagam mentiras…

 

Primeiro, confundem valores culturais com valores monetários… E ficaria tudo dito, se não fosse o facto de a fabricação do “touro bravo”, que todos sabem não existir na Natureza, ter como objectivo usá-lo num costume cruel e bacoco, que só dá mau nome aos Açores.

 

 

«Os valores que a indústria tauromáquica tanto defende. É isto que queremos como imagem dos Açores? São estes os valores que se devem perpetuar?»

 in

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=624665570940320&set=a.451275978279281.101438.451257841614428&type=1&theater

 

***

 

Neste fórum de tortura taurina interveio um licenciado em Biologia.

 

Porém, ser Biólogo é outra coisa.

 

Ser Biólogo é ser um Cientista, que desenvolve os seus estudos baseado no método científico, e não para conveniência de ganadeiros e afins. Pode trabalhar em laboratórios de pesquisa, laboratórios de rotina como os de biologia clínica, campos abertos como savanas, pastagens, florestas e todo o lugar onde há vida para ser estudada, mas não para ser maltratada.

 

Neste III fórum da tortura taurina nos Açores, (“canto do cisne” da tauromaquia, para aficionados matarem saudades de algo que já morreu, só eles não sabem), foram profundamente analisados os “benefícios ecológicos” da criação do “touro de lide” na Ilha Terceira, e na evolução da “bravura” como “valor cultural”, como se isso fosse uma realidade biológica, uma necessidade vital, ou algo cientificamente e culturalmente válido.

 

Esqueceram-se de dizer que a tortura de bovinos mansos já se conjuga no passado, e o Arquipélago dos Açores só tem a perder com estas iniciativas frequentadas por “gente” que desconhece o mundo civilizado, e que tem um nome que os aficionados açorianos não gostam nada de ouvir pronunciar: bronca.

 

Durante este fórum, vários pseudo “experts” falaram no facto de o “touro bravo” ter ajudado, em certa medida, à fixação da população local.

 

Ora estes “especialistas” se fossem Cientistas, nunca falariam na importância de um animal que nunca existiu como tal na Natureza, para um pequeno grupo de aficionados, que nada sabe de Biologia, e nem ficou a saber. Pelo contrário…

 

Se estes “especialistas” fossem Cientistas falariam, isso sim, no touro ou boi, conhecido por bos taurus, juntamente com a sua fêmea, a vaca, e o elemento jovem da espécie, chamado bezerro, que constituem o chamado gado bovino, termo que, em sentido amplo, dá nome aos animais mamíferos, ruminantes, artiodáctilos, com par de chifres não ramificados, ocos e permanentes, do género Bos, em que se incluem as espécies domesticadas pelo homem.

 

Gado esse introduzido nas Ilhas pelos que as colonizaram.

 

Quando as Ilhas foram descobertas, eram desabitadas. Nelas existiam uma densa vegetação autóctone e muitas aves.

 

Depois da descoberta, as primeiras expedições, ainda no século XV, para além do reconhecimento das costas e dos locais onde era possível desembarcar com segurança, também se destinaram a lançar nas ilhas, animais domésticos (ovelhas, cabras, porcos, galinhas e gado bovino) que pudessem ajudar a sustentar uma futura presença humana.  

 

O ano de 1450 é apontado como o do arranque da colonização da Ilha Terceira pelo flamengo Jácome de Bruges.

 

Mais tarde, debaixo do domínio espanhol (em meados de Agosto de 1583 era completo o domínio castelhano nos Açores, como aliás em todos os territórios sob soberania portuguesa) foi introduzido o bárbaro costume de torturar bovinos para divertir um povo inculto, sem outros horizontes culturais que não fossem esses. E essa incultura mantém até aos dias de hoje, salvo raras excepções.

 

De onde vem pois, o termo “bravo”? Vem obviamente da tortura por que passa o bos taurus, desde que nasce, em preliminares cruéis até chegar à lide. E tudo o que foi dito, neste Fórum, sobre o “touro bravo” foi uma autêntica fraude.

 

É deste modo que se perpetua a ignorância e a mentira ao serviço dos ganadeiros e dos seus apoiantes que só vêem €€€€€€€.

 

Segundo outro “especialista” (diz que é biólogo e professor da Universidade dos Açores – instituição que deixa muito a desejar quanto à sua função de ensinar) referiu que «o pastoreio do “bravo” alterou sensivelmente a paisagem original, mas transformou, para melhor, a flora da ilha».

 

O que este pseudo biólogo devia ter dito é que os bovinos (o touro, a que chamam “bravo”, não passa de um bovino que não foi castrado) da ilha contribuíram, como contribuem em todas as partes do mundo, para uma paisagem pastoril de grande beleza. E apenas isso.

 

Outro “expert” que distorceu a verdade (diz que é um etnógrafo e director de uma web sobre a vida natural dos Açores) assegurou que desde há cinco séculos que o “touro bravo” salvaguarda zonas muito importantes da Ilha Terceira, um dos lugares da Europa de maior riqueza ambiental.

 

Esqueceu-se este senhor de dizer, que quando as ilhas foram descobertas existia uma terra luxuriante e de grande riqueza ambiental… sem “touros bravos”, pois os bovinos foram levados para lá pela mão dos colonizadores, como já se referiu. Só depois disso, e para fins cruéis… o bos taurus foi manipulado pelo homem predador para se tornar “bravo” e servir instintos primitivos e interesses gananciosos €€€€€€€€€€.

 

O primeiro registo conhecido da realização de uma tourada à corda data de 1622, ano em que a Câmara de Angra organizou um daqueles eventos, enquadrado nas celebrações da canonização de São Francisco Xavier e de Santo Inácio de Loiola.  

 

Realmente uma manifestação de tortura para celebrar canonizações de santos, muito adequada ao espírito cristão!!!!

 

Enfim… Contradições da Igreja Católica Apostólica Romana…

 

Outro “especialista” (diz que é historiador) retomou uma frase do pseudo biólogo e salientou que «sendo autóctone daquela ilha, necessita de touros para viver» (muito mais importante do que o ar que respira e o pão que come) enfatizando a identificação histórica dos terceirenses com o “gado bravo” e a tauromaquia, tanto na vida quotidiana como no ritmo de trabalho e de lazer, o que os torna uns “seres privilegiados”.

 

Diz que é historiador. Não saberá ele que a identificação histórica dos terceirenses, nada tem a ver com tauromaquia? Que “historiador” será este? A quem pretende ele ludibriar?

 

Houve um nítido retrocesso. O Arquipélago estava nas rotas marítimas e servia de repositório de um comércio próspero, onde as madeiras tinham um lugar de destaque.

 

E das madeiras passou-se para a tortura de bovinos, que torna os autóctones daquelas ilhas uns privilegiados?

 

Mas isto lá é lição que um historiador (se o fosse) dá a alguém?

 

Finalmente, um outro “especialista”, a propósito da sua tese de doutoramento em Ciências Agrárias sobre a sustentabilidade da criação do “gado bravo” nos Açores (veja-se ao que chegou os altos estudos de um doutoramento!) destacou a história e a evolução das ganadarias terceirenses.

 

Pois… ganadarias terceirenses… Muitos €€€€€€€€€ em causa. E para isso mandingueiros primitivos torturam cruelmente seres indefesos e inocentes.  

No discurso de abertura o presidente da tertúlia tauromáquica terceirense salientou que este fórum sobre a “defesa” dos “valores da tauromaquia” (esquecendo-se de referir que valores são esses, pois há valores que não prestam para nada) «mais do que uma reivindicação da cultura açoriana é uma afirmação da identidade terceirense».

 

Pobre povo que tem como “cultura e identidade” a tortura de bovinos mansos, herbívoros ruminantes…

 

E pobre mente que assim pensa…

Fonte:

http://www.abc.es/cultura/toros/20140125/abci-forum-azores-pone-alza-201401252045.html

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:37

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 28 de Janeiro de 2014

A IGREJA CATÓLICA CENSUROU AS TOURADAS, E ESSA CENSURA AINDA ESTÁ EM VIGOR

 

Para os católicos que tanto vão à missa como assistem a touradas, cá vai um "lembrete" do Santo Concílio de Trento, cujos preceitos então aprovados mantêm validade:

 

"O espectáculo das touradas é indigno de ser visto pelos cristãos e não difere muito daquele desumano costume dos pagãos de combater contra as feras, com erro do povo ignorante. (...) com espectáculos desta natureza mais se ofende a Deus do que se lhe presta culto".

 

 
 

O Bispo Nuno Brás, bispo auxiliar de Lisboa (…) em animado convívio com toureiros, ganadeiros e aficionados. A Igreja Católica Apostólica Romana de mãos dadas com a tortura e sacrifício de animais para fins lúdicos. Os ensinamentos de Cristo, passam-lhes ao lado. Por essa razão e por outras, a I.C.A.R. vem perdendo clientes, ano após ano. Tenha vergonha Sr. Bispo!!!

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=266645920160274&set=a.156803474477853.1073741825.151451475013053&type=1&theater
***

VERGONHOSO: IGREJA E TAUROMAQUIA DE MÃOS DADAS!

MMM

 

 "Num acto inserido na visita pastoral à Paróquia de Vila Franca de Xira, o Bispo D. Nuno Brás e o Padre Ezequiel visitaram o Clube Taurino Vilafranquense e conviveram com toureiros, ganadeiros e aficionados."

 in farpasblog

Fonte:

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=713196812043998&set=a.469874876376194.107042.466818870015128&type=1

 

***

IGREJA E TOURADA

 

 

Vila "Viscosa" 13 Abril 2013

 A igreja Católica Apostólica Romana continua a imiscuir-se com praticas barbaras e medievais de tortura de bovinos. Os ensinamentos de Cristo, relativamente a misericórdia, bondade e decência são esquecidos. Estamos perante a suprema hipocrisia!

 

As elites da Igreja em Portugal assobiam para o ar, apostando no silêncio ensurdecedor quando confrontados com estas contradições intoleráveis. Não admira que percam clientes. Entretanto Cristo deve muito provavelmente contorcer-se com o comportamento miserável desta escória!

via Porto anti-touradas

 

Fonte:

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.576744602368199.1073741825.175436649165665&type=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:23

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 16 de Julho de 2012

OUTRA PÉROLA DOS AFICIONADOS QUE É UMA AUTÊNTICA BLASFÉMIA E DESCREDIBILIZA A JÁ PARCA REPUTAÇÃO DA IGREJA CATÓLICA PORTUGUESA

 

 

 

ATENTEM NESTE “CARTÃO”.

 

ENCONTREI ESTA PÉROLA QUE DIZ QUASE TUDO SOBRE A MENTALIDADE DOS AFICIONADOS.

 

ISTO AO TORNAR-SE PÚBLICO A IGREJA CATÓLICA PORTUGUESA DEVIA, ATÉ PORQUE É DA SUA COMPETÊNCIA, (POR MUITO MENOS EU JÁ FUI EXCOMUNGADA EM DUAS HOMÍLIAS) IMPOR A SUA AUTORIDADE E CONSIDERAR ESTES “VOTOS” COMO UMA BLASFÉMIA.

 

ESTA GENTE PRATICA A TORTURA CONTRA SERES VIVOS PARA SE DIVERTIR, E VEM HIPOCRITAMENTE DESEJAR AOS AMANTES DESSA TORTURA UMA “SANTA” PÁSCOA, A FESTA DA IGREJA COM MAIS SIGNIFICADO, PORQUE CELEBRA A RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO.

 

ALÉM DISSO COLOCAM DOIS TOUROS NUMA LUTA QUE O HOMEM PREDADOR LHES IMPÕE, E FAZEM DISSO O “SÍMBOLO” DOS VOTOS DA CELEBRAÇÃO DA RESSURREIÇÃO.

 

ESTA GENTE SERÁ IDÓNEA?

 

ESTA GENTE SABERÁ O QUE ESTÁ A FAZER?

 

ISTO É O CÚMULO DO INSULTO ÁS COISAS SAGRADAS.

 

E A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA NÃO TEM NADA A DIZER?

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Canceladas as “festas” d...

AINDA O FÓRUM DA TORTURA ...

A IGREJA CATÓLICA CENSURO...

OUTRA PÉROLA DOS AFICIONA...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt