Quinta-feira, 18 de Agosto de 2016

AS PERGUNTINHAS DO TOINO (***)

 

Ao procurar um texto na Internet, encontrei esta perolazinha do Toino M., que não resisti a comentar no link, que deixo mais adiante para consulta.

 

O Toino queria saber a resposta a três perguntinhas.

E eu respondi.

 

TÓINO.jpg

 

Toino M.

Olá gostaria por favor de saber a resposta a 3 perguntinhas apenas:

#quantos toiros bravos existem em Portugal?

#os toiros bravos são comestíveis? a carne é "comercial"?

# se acabarem as toiradas quantos toiros bravos sobreviverão?

 

***

Perguntinhas como estas tiram-me do sério, mais do que as ordinarices que os tóinos me dirigem. Então respondi-lhe:

 

Toino M., eu respondo-lhe às suas três perguntinhas, tão singelinhas:

 

1 - Não existem touros bravos na Natureza. Na Natureza existem bovinos mansos, que carrascos mal-intencionados e sem carácter algum torturam desde que nascem, para os tornar "bravos", ou seja, DEFENSIVOS, para poderem defender-se dos seus carrascos.

 

2 - Touros bravos, como não existem, não podem ser comestíveis nem comerciáveis. Aliás a "carne" humana é mais comerciável. Se é que me entende...

 

 

3 - Se acabarem as touradas, os bovinos mansos (a que chamam indevidamente touros bravos) continuarão a existir pacificamente, alegremente, por toda a eternidade, livres dos tóinos. Quem não sobreviverá são os carrascos, que aliás já estão em vias de extinção.

 

A propósito, sabem o que é um “toino”?

 

De acordo com o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa é uma pessoa com falta de habilidade, sensatez ou desembaraço = IDIOTA, PALERMA, TOTÓ.

 

Fonte:

http://basta.pt/aplataforma/

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2015

Gandhi, ao professor que o destestava

 

(É por esta e por outras como esta, que tenho Gandhi como meu Mestre)

 

GANDHI.jpg

 

Enquanto estudava Direito no Colégio Universitário da London University, um professor de sobrenome Peters tinha-lhe aversão, mas o estudante Gandhi nunca baixou a cabeça e os seus encontros eram frequentes.

 

Um dia o Professor Peters estava a almoçar na sala de jantar da Universidade e o aluno vem com a bandeja e senta-se ao lado do professor.

 

O Professor, altivo, diz:

 

- Sr. Gandhi, o Senhor não entende... Um porco e um pássaro não se sentam juntos para comer.

 

Ao que Gandhi respondeu:

 

- Fique o professor tranquilo... Eu vou voando - e mudou-se para outra mesa.

 

Mr. Peters ficou cheio de raiva e decidiu vingar-se no teste seguinte, mas o aluno respondeu de forma brilhante a cada pergunta. Então o professor fez mais uma pergunta:

 

- Mr. Gandhi, o Senhor está a andar na rua e encontra um saco. Dentro dele está a sabedoria e uma grande quantidade de dinheiro. Qual dos dois tira?

 

Gandhi responde sem hesitar:

 

- É claro, professor, tiro o dinheiro!

 

O professor Peters sorrindo diz:

 

- Eu, ao contrário, tinha agarrado a sabedoria, o senhor não acha?

- Cada um tira o que não tem - responde o aluno.

 

O professor Peters fica histérico e escreve Idiota! na folha da pergunta:

 

E o jovem Gandhi recebe a folha e lê atentamente.

 

Depois de alguns minutos dirige-se ao professor e diz:

- Mr. Peters, reparo que assinou a minha folha, mas esqueceu-se de colocar a nota.

(Adaptado de: http://www.apeiron-edicoes.com)

 

Fonte 

https://www.facebook.com/114726108610753/photos/a.114867811929916.22573.114726108610753/931928373557185/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:29

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 30 de Junho de 2015

VIVA A ILHA TERCEIRA (AÇORES) PELA ESTUPIDEZ DE UM “DIVERTIMENTO” PERVERSO, PRIMITIVO E PARVO!

 

O “divertimento” dos três pês…

Apesar de ter havido feridos numa largada de Touros, nesta Ilha cercada de estupidez por todos os lados, leiam o que diz a SMTV:

 

«Largada de Touros nas Sanjoaninas 2015 em Angra do Heroísmo na Ilha Terceira. Pedimos a compreensão para as imagens finais onde mostramos dois assistentes que ficaram feridos. Nesta actividade o perigo é iminente. Viva a TERCEIRA pela sua bravura. Pretendemos levar os Açores mais longe.

 

Somos AÇORES»

 

 

Esta é a “bravura” de que falam…

Uma bravura cobarde, idiota, irracional.

 

E aqui o que vale não são as pessoas. É a “festa” parva.

 

 

Haja mortos ou feridos, esta “festa” continua…

 

E pretendem o quê????

Levar esta estupidez (não os Açores) mais longe?

 

Pois estão a conseguir levá-la a todos os cantos do mundo, difamando, deste modo desprezível, o bom nome do Arquipélago dos Açores.

 

Sois Açores?

Não, não sois Açores.

 

Sois apenas uma minoria de broncos que se recusa a evoluir apenas porque sim…

E esta atitude é muuuuuito irracional.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:55

link do post | Comentar | Ver comentários (16) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

QUEM FOR IDIOTA, SÁDICO E INCULTO O CAMINHO É O DE BARRANCOS

 

E sempre que se fala em Barrancos, lembro-me de Jorge Sampaio, um ex-presidente da República Portuguesa, que fez desta vilazinha atrasada, classificada Muito Abaixo de Lixo, uma EXCEPÇÃO DE MORTE… e desse modo MATOU a EVOLUÇÃO e a CULTURA.

 

 

Legenda na imagem publicada no “Correio da Manhã”: «Cavalos recolhem o Touro depois de o matador lhe tirar a vida»

 

Assim. Tal e qual. Como se TIRAR A VIDA seja o mesmo que DAR A VIDA…


E é este o jornalismo que temos, quando todos nós sabemos que a grande missão do jornalista não é o direito a informar, mas sim a CAPACIDADE DE DENUNCIAR estes insultos à dignidade humana.

 

Mas o CM, como crónico aficionado que é, brinda os leitores com este título:

 

FESTA DE TOUROS DE MORTE A PARTIR DE HOJE
E logo a seguir:

ESTA QUINTA-FEIRA REALIZA-SE A PROCISSÃO (…) EM HONRA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO, EM BARRANCOS.

 

Sim, porque touros de morte e procissão são uma e a mesma coisa: fazem parte do ritual religioso, adoptado pela igreja católica portuguesa e por uns governantes que não sabem o que fazemcomo os romanos que cruxificaram Jesus Cristo.

 

E a notícia diz mais esta coisa espantosa:


«Cinco toureiros espanhóis vão lidar os touros das touradas de morte das Festas de Barrancos, que se iniciam hoje, para cumprir uma tradição legalizada há 12 anos através de uma excepção».


Uma “tradição” CM? Deviam dizer um COSTUME BÁRBARO que se pratica há doze anos devido a uma LEI que legitimou a MORTE MATADA, através de uma vergonhosa EXCEPÇÃO.


E se há uma EXCEPÇÃO PARA A MORTE, temos o DIREITO de EXIGIR uma excepção para A VIDA.  


Ou seja, a ABOLIÇÃO DESTA DESMEDIDA SELVAJARIA.

 

Matar por prazer. Torturar por prazer. Em que época estamos?


Mas ainda há mais.


Diz-se nesta “notícia de necrologia”: «As touradas de morte, a principal atracção do evento que tem lugar na sexta-feira, são as únicas legais em Portugal. Esta excepção foi aprovada em 2002».

 

E dizem isto, como se isto desse STATUS àquela terrinha atrasada.

 

Sim, coloca-a Muito Abaixo de Lixo. Mais do que às outras.


E até sábado, este LIXO vai acumular-se em Barrancos, onde os idiotas, os sádicos e os incultos darão aso à sua malignidade legitimada pela lei mais parva que existe em todo o Universo.

 

Fonte:

http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/sociedade/detalhe/festa_de_touros_com_morte_a_partir_de_hoje.html

 

***

 

Depois de escrever sobre este lixo de Barrancos, fiquei enjoada, de tanta incultura.

 

 

Para desenjoar, tive de ir "tomar um banho" de ARTE e CULTURA.

 

Como é possível haver ainda alguém que não saiba distinguir a obra Humana da crueldade (des) humana?

 

 

A exacta medida do verdadeiro HOMEM é a verdadeira ARTE e a verdadeira CULTURA.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:33

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 11 de Abril de 2014

A TOURADA À CORDA É UM CRUEL ACTO DE BULLYING CONTRA UM BOVINO AMARRADO, LOGO, INDEFESO

 

Esta vai directinha para os Açores e Ponte de Lima

 

Como pode isto ser divertido?...

 

 

Isto é pura cobardia e uma demonstração clara da invirilidade dos protagonistas. Aqui o herói é o Bovino.

 

Isto é bullying, ou seja, um acto de violência física e psicológica, intencional e repetido, praticado por um indivíduo ou bully (termo inglês, que significa tiranete, isto é, aquele que abusa da sua autoridade ou posição, para oprimir os que dele dependem) ou grupo de indivíduos causando dor e angústia, sendo esse acto executado dentro de uma relação desigual de poder, ou seja, entre um bovino indefeso e amarrado, e um bully, ao qual também podemos chamar um cobarde desmedido.

 

E este bullying é traumatizante e martirizante para o desventurado Bovino que cai nas brutas mãos dos tiranetes.

 

Além de ser uma ideia idiota, o facto de esses cobardes dizerem que na tourada à corda mostram a sua “virilidade” vilipendiando aquele ser tão vilmente subjugado, tão indefeso.

 

O que isto significa é precisamente o contrário: falta de virilidade.

 

Um Homem viril jamais, jamais em tempo algum, praticaria bullying contra um animal indefeso, para mostrar o que na realidade não tem.

 

Um verdadeiro Homem viril (o contrário do reles macho) não precisa mostrar nada. Basta-lhe passear abraçado á sua amada, por um belo jardim, onde se sente o perfume das flores e a carícia do vento.

 

Por isso é preciso acabar com este estranho modo de demonstrar uma invirilidade dissimulada num acto violento e cobarde, ou seja, através da “tourada à corda”.

 

Hoje em dia, já ninguém considera “herói”, um torturador de bovinos indefesos.

 

Só mesmo os ignorantes.

 

Por conta desta falsa “valentia” são torturados o Bovino, e as mulheres e as crianças destes machos mal-amanhados, as quais levam pancada quando o “valentão” chega a casa a cair de bêbado.

 

Sim, porque sem álcool, mas muito álcool, estes cobardes bullies não seriam capazes nem de chegar perto de um passarinho engaiolado.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:46

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 17 de Março de 2014

Os animais não-humanos também podem sentir dor, alegria e felicidade

 

Não sabias?

 Agora já sabes.

E agora que já sabes, vê lá como os tratas…

Vê lá como te comportas perante ele e perante o mundo…

Não sejas idiota…

 

 

 

«Os animais não-humanos, tal como os humanos, são seres sencientes e com a necessidade de serem felizes. Pesquisas demonstram que os mamíferos, peixes e crustáceos sentem dor através de mecanismos moleculares muito semelhantes aos dos seres humanos. Indicam também que os animais não-humanos sentem alegria e felicidade.

 

A cada ano que passa, mais de sessenta biliões de animais são criados pela "indústria pecuária", para acabarem como comida nos pratos dos humanos.

 

Analisando pela perspectiva da felicidade, a maioria desses animais não-humanos, provavelmente já viveu uma vida que não valeu a pena viver, de desconforto, dor, sofrimento e desespero.

 

Todo este sofrimento poderá ser minimizado se houver uma mudança de atitude por parte dos humanos e procurar, cada um por si, alterar hábitos e atitudes, de forma a respeitar a dignidade dos animal de acordo com a nossa consciência, pois todo e qualquer sofrimento é abominável na proporção de sua gravidade e cria uma angústia nestes belos seres, tornando-os vítimas da nossa insensível consciência

 

Senciência Animal: http://pt.wikipedia.org/wiki/Senciência

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=603470969720924&set=np.59533384.100000123032483&type=1&theater&notif_t=notify_me

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:31

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 3 de Abril de 2013

«SE O DA ESQUERDA FOSSE O HUMANO, O DA DIREITA SERIA IMEDIATAMENTE CONVERTIDO NUM ESPETO SANGRENTO»

 

 

(Assino por baixo)

 

 

 

 Se o da esquerda fosse humano o da direita nem sequer estaria ali, a fazer-se de "valente", diante de um ser mais morto do que vivo, e que ele sabe que não fará mal a uma mosca. Grande covarde!

 

«Se o da direita fosse o touro, o da esquerda estaria só, porque o animal não humano, em vez de estar ali a fazer figura de idiota, estaria em outro lugar vivendo e deixando viver.

 

Esta imagem dá-nos a certeza de qual deles é realmente o inteligente e o pacífico, e qual o “gilipollas” * e o violento.

 

Esta fotografia demonstra que muitas vezes a justiça está de férias, porque se estivesse presente, o da direita não estaria tão torto, mas cego para sempre. Dos olhos e dos pulmões.

 

Não sou adepto da pena de morte. Mas que pena tenho de alguns não estarem mortos.»

 

Julio Ortega

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200450521922013&set=a.1479904274001.2064338.1125623170&type=1&theater

 

 

* O termo “gilipollas” integra o vasto vocabulário calão castelhano, e não existe nenhuma palavra portuguesa que lhe corresponda na sua tradução imediata, no entanto quando um espanhol quer insultar alguém, utiliza a palavra “gilipollas” e de uma assentada só, está a “mimosear” o outro com os seguintes adjectivos: parvo, idiota, imbecil, estúpido, palerma, anormal, cabrão, filho da mãe, e tantos outros do mesmo género…  

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:19

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 28 de Maio de 2010

UMA HISTÓRIA SINGULAR

 

 

Vou partilhar com os leitores do Arco de Almedina uma história singular, passada comigo, no Facebook.

 

Partilho-a porque além de singular é inacreditável, partindo de quem partiu: um escritor brasileiro, de 46 anos, oriundo de São Paulo, com um livro recentemente publicado, e muitos outros. E estas coisas devem ser partilhadas, para memória futura.

 

No Facebook o sujeito é “amigo” de algumas editoras portuguesas, das quais também sou “amiga”. Até aqui, nada de mais.

 

Ora, uma dessas editoras, colocou na sua página do FB a capa de um determinado livro e a seguinte frase: Todos nós procuramos a felicidade. Mas o que poucos sabem é que… todos nós já somos felizes!

 

Comentei a frase (como é meu hábito), dizendo que tal era uma grande verdade; de seguida uma outra senhora comentou também algo idêntico, e depois o tal sujeito escreveu: «A felicidade é irrelevante».

 

Perante tal “irrelevância” da felicidade fiquei curiosa, e sem procurar saber quem tinha proferido tal frase (aprendi com isto que nunca devemos meter-nos com quem não conhecemos, apesar de ser amigo do nosso amigo), fiz-lhe uma simples pergunta: «Se a felicidade é irrelevante, o que é relevante?» Respondeu-me o sujeito: «Conhece-te a ti mesma».

 

A partir daqui, como gosto de trocar ideias, e pensando eu que estaria a dialogar com um HOMEM inteligente, continuei a conversa dizendo que conhecer-nos a nós próprios também era muito importante, mas a felicidade...

 

Como resposta obtive este discurso:

 

«Conhecer a si mesma não é apenas muito importante.
É TUDO O QUE REALMENTE IMPORTA!
Porque quando você detém o conhecimento pleno e completo sobre si mesma, pode perceber que a tal "felicidade" nada mais é que marketing pra vender livros.
Ou pra iludir especialmente as mulheres, sempre tão emotivas.
Pois não existe "felicidade"....

Nem “infelicidade”.

Existe você perante a si mesma e sua eterna luta contra seu Ego.

Quem quer ser feliz é o Ego e ele não é você.»    

  

Bem, continuei a divagar sobre a questão, discordando do marketing para vender livros e insurgindo-me quanto à emotividade da mulher, blá, blá, blá...

 

 O sujeito começou então a descambar e escreveu o seguinte:

 

«A mulher é moldada e criada para ser emotiva. E submissa, escrava, prisoneira, etc.
Mas incentiva-se a emotividade feminina exatamente para lhe vender produtos, como este livro, por exemplo.
Fossem as pessoas mais dedicadas a DESCONSTRUIR essa imagem de "mulher", livrando-se dessas frases feitas, tipo "o importante é viver"...
Certamente estaria mais próxima de compreender a si mesma descartando todo esse entulho mentiroso e falso que lhe fui imputando
».

 

Pasmei. Banzei-me! Reagi, a tal absurdo, e disse-lhe que o que havia escrito só podia ser conversa de treta, ou estava a gozar com a minha cara.

 

Só então me apercebi de que o sujeito não devia regular bem da cabeça, e decidi que não iria dar-lhe mais conversa.

 

Só que, à minha reacção, o sujeito escreveu:

 

«Mimimi, tchutchutchu, bububu!
Bata o pezinho agora, bata!
Não faça assim senão tu vais fazer naninha sem comer tua papinha!
ÔÔÔÔ, que coisinha mais dindinha de nenê!
Né, nenê di lindinha?... 

Cadê a lindinha do papai, cadê?

...

Anta.»

 

(Saliente-se que anta no Brasil significa pessoa estúpida).

 

Pasmei ainda mais. Que grande ingénua! Então fui procurar saber tudo sobre o fulano (a linguagem da sua página no Facebook é de uma baixeza, impressionante), e continuei a surpreender-me, pois o tal era um escritor brasileiro, editor, e lá nos entretantos, dizia-se anarquista (uma verdadeira ofensa para os verdadeiros anarquistas que não têm nada a ver com bandalheira). 

 

(Um parêntesis para dizer que outro dia, tive de bloquear um “amigo” no Facebook, que também se dizia anarquista, e era tudo menos isso).

 

Continuando.

Depois disto, decidi nunca mais trocar conversa com desconhecidos.

Ainda hesitei: respondo, não respondo?

 

Contudo, acabei por responder o seguinte: «Pensei que estava a “esgrimir” ideias com um HOMEM. Enganei-me. Acontece».

 

Este comentário foi retirado. Claro! Com certeza, denunciado.

 

Então decidi retirar os meus. Claro!

 

E o sujeito ficou com os dele, que sem os meus, não têm qualquer nexo.

 

Como tenho este feitio “refilão”, escrevi-lhe uma mensagem (não pública) a dizer-lhe das minhas.

 

E ele respondeu que era descendente de portugueses e era assim (completamente idiota – este  aparte é meu), por culpa dos “meus” antepassados. Se quisesse culpar alguém, que os culpasse a eles.

 

Depois continuou a dizer disparates que não posso aqui reproduzir por serem impróprios.

 

Aquela frase da descendência, porém, disse-me tudo: outro brasileiro preconceituoso que nunca soube reconciliar-se com o seu passado e tem vergonha do que é e do seu presente, nada tendo contribuído para a grandeza do povo brasileiro, depois da sua independência. Um fracassado. Um frustrado. Apesar de escritor.

 

Espero que o livro deste sujeito não seja publicado em Portugal, pois, se o for é mais uma daquelas injustiças que se cometem contra os portugueses que querem publicar e não lhes dão oportunidade.

 

Agora, que anda no ar o programa «CÁ e LÁ», na RTP2, onde se quer mostrar as diferenças e as semelhanças entre o Brasil e Portugal, é bom que se conclua que ainda há muito que fazer no Brasil, para que os portugueses sejam respeitados como um povo que colonizou o Brasil dos indígenas, sim, mas não é um povinho qualquer...

 

http://www.facebook.com/home.php?#!/jrp64

 

 

http://www.facebook.com/home.php?#!/profile.php?id=100000065029919

  

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:57

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

AS PERGUNTINHAS DO TOINO ...

Gandhi, ao professor que...

VIVA A ILHA TERCEIRA (AÇO...

QUEM FOR IDIOTA, SÁDICO E...

A TOURADA À CORDA É UM CR...

Os animais não-humanos ta...

«SE O DA ESQUERDA FOSSE O...

UMA HISTÓRIA SINGULAR

Arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt