Sexta-feira, 8 de Outubro de 2021

Arquitectos da Natureza

 

E pensar que o mais comum dos homens tem a pretensão de se considerar SUPERIOR a estes Arquitectos da Natureza!


E pensar que estes Arquitectos da Natureza constroem obras-primas, apenas com a ajuda do seu bico!

 

E pensar que os homens, do alto da racionalidade que dizem possuir, e com toda a tecnologia de ponta à sua disposição, e a que chamam progresso, não são capazes de fazer o que um simples pássaro faz, com um saber não-aprendido nas escolas!

 

E pensar que estes Arquitectos da Natureza não fabricam armas nucleares, para destruir o que constroem.

 

Por estas e por outras, respeito-os como meus iguais. Contudo, sou incapaz de respeitar, nem a tal sou obrigada, o homem-predador, porque este não tem outro igual à face da Terra.

 

Isabel A. Ferreira

 

Arquitectos da Natureza 5.png

Imagens: Internet

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:28

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Quinta-feira, 30 de Setembro de 2021

«Veado branco de espécie rara abatido pela polícia no Reino Unido» - Que “gente” é esta que não sabe ser GENTE?

 

Estou chocadíssima! Como é possível existir "veterinários" que se prestem a mandar abater um ser tão magnífico, tão belo, tão raro, tão mais digno do que os seus predadores? Que "gente" é esta que não sabe ser GENTE?

De certeza que havia outras opções para neutralizar o Veado.  Há sempre opções mais  humanas. Mas é mais fácil MATAR! Matar está no ADN do homem-predador! 

 

Isabel A. Ferreira

 

 

Veado branco.png

 

A cidade Bootle, no Reino Unido, acordou na manhã de domingo com um visitante inesperado a vaguear pelas ruas, um veado branco. O animal da espécie cervus albirostris foi avistado em várias áreas da cidade, e após nove horas de acompanhamento e dificuldade em controlá-lo, foi morto a tiro pela polícia.

 

Embora a associação Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals tenha inicialmente aconselhado as autoridades a deixá-lo seguir o seu percurso, como explica a BBC, as autoridades consideraram que se trataria de uma situação perigosa para os cidadãos e para os condutores que circulavam nas estradas, tendo intervindo de imediato.

 

Não havia opção de deixar o veado vaguear, porque poderia ser um perigo para os motoristas e membros do público na área, especialmente com a aproximação das horas de escuridão”, explicou um porta-voz da polícia, como avança a BBC.

 

De acordo com o relato de Ian Critchley, subchefe da polícia de Merseyside, a polícia disparou vários dardos tranquilizantes para sedar o animal, contudo, este continuava em “estado de aflição”, pelo que, com o acompanhamento de um veterinário, optaram por o abater.

 

No Twitter, a British Deer Society afirma que “Nós compreendemos como as pessoas se sentiram chocadas e chateadas (…) É uma situação triste, que deve ter sido difícil e angustiante para todos os envolvidos. Temos a certeza que este não foi o resultado esperado por ninguém”.

 

Veado.jpg

Fontes: 

Green Savers

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2021/09/30/estou-sem-palavras-veado-branco-de-especie-rara-abatido-pela-policia-no-reino-unido/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:24

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2021

«“Corridas”: de Touros e de Lebres a Corricão»

 

Quando pensamos que já vimos tudo o que há para ver no submundo do homem-predador, surge-nos coisas que nos surpreendem, porque inimagináveis. Só mesmo cérebros mindinhos conseguem chegar a tais actos de extrema crueldade.

 

CORRIDAS DE DOIDOS.jpg

 

Touradas (“Corridas de Touros”)

Nas touradas, o animal acossado é um bovino. Este é atacado por um toureiro e seguidamente quase sempre morto, ou pelo próprio toureiro, nas touradas à espanhola, ou num matadouro, nas touradas à portuguesa.

Na modalidade de toureio mais praticada em Portugal,  o toureiro   actua montado num cavalo ou numa égua. O equídeo sofre não só durante as touradas, como em treinos muito violentos.

 

Sobre esta matéria consultar este link:

 A tauromaquia esmiuçada através da Ciência Médico-Biológica

(Um excelente texto do Dr. Vasco Reis, Médico-Veterinário, que esmiúça o sofrimento atroz de Touros e Cavalos nas touradas)

***
 
Corridas de Lebres a corricão (“corridas de Galgos a campo” “largadas de Lebres, ou “caça à lebre a corricão”)   


Nas corridas de lebres a corricão, o animal perseguido é uma lebre (viva). É perseguida, num espaço vedado com rede com muito poucas escapatórias, durante longos minutos, por uma parelha de cães, que lhe vão tocando, provocando-lhe ferimentos. Mesmo correndo muito e mudando frequentemente de direcção, acaba por ser, na maioria dos casos, agarrada por um dos cães participantes e morta pelo próprio ou pelos dois.

Além das lebres, também os cães (machos ou fêmeas) sofrem horrores, quer durante estas provas quer nos treinos.

Em cada prova, os canídeos perdem muito peso (chegam a perder 5 kg), ficam desidratados e com alguns ferimentos, e terminam à beira da exaustão. Em 2012, o então vice-presidente da Federação Nacional de Galgueiros, Luís Lourenço, disse ao Correio da Manhã que houve uma prova disputada num dia de muito calor na qual morreram seis cães por exaustão.

Nos treinos, à semelhança do que se passa nos que visam a preparação para as simples corridas de cães, os protagonistas das corridas de lebres a corricão são obrigados a correr diariamente quilómetros e quilómetros. Sabe-se que há quem os amarre a carros e/ou passadeiras rolantes, bem como quem utilize noras circulantes, conforme admitido perante a TVI em 2019 por Nuno Ferreira da Silva, então presidente da mesa da Assembleia Geral da Federação Nacional de Galgueiros. As divisórias das noras dão choques eléctricos e/ou pancadas nos animais que correm mais devagar do que o pretendido. São muito frequentes as fracturas de ossos dos membros superiores e inferiores e as lesões musculares. Há cadelas/cães que morrem durante os treinos.

A ligação


Além de haver um enorme desrespeito quer pelas vítimas das touradas quer pelas das corridas de lebres a corricão, e muitas semelhanças entre estes vergonhosos eventos de entretenimento, uma grande parte dos concorrentes e do público está ligada a ambas as práticas. Entre os concorrentes nos campeonatos de lebres a corricão, não faltam (…) toureiros, ganadeiros, e familiares destas pessoas.



A imagem desta publicação inclui uma foto do (…)  montador tauromáquico João Moura Caetano a actuar numa tourada, e uma outra foto onde o mesmo segura um troféu e um dos seus cães, de rabo entre as pernas (um sinal de medo e/ou desconforto), junto a alguém que segura uma lebre morta pelo cão, em dia de corrida.

 

Texto obtido do seguinte link:

https://www.facebook.com/antitouradas/photos/a.215152191851685/3982148535152013

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:55

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019

Esta é a maior prova da irracionalidade do homem-predador

 

Bombas que custam 100 mil dólares, lançadas por um avião que custa 100 milhões, que voa com um custo de 40 mil dólares por hora, para matar pessoas que vivem com menos de um dólar por dia.

 

A fortuna que se gasta a destruir, poderia ser gasta a construir, e o mundo seria um lugar de sonho. Tal como está, é um lugar do mais nefando pesadelo, para 90% da população mundial. E pensar que tão poucos, com fortuna e poder, podem ser tão destrutivos, quando poderiam usar essa fortuna e esse poder, em benefício do mundo!  

 

49702404_2188209701199976_2961244203855642624_n.jp

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2188209697866643&set=a.339561719398126&type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:35

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 18 de Janeiro de 2014

Se o Touro fosse cruel como o homem-predador, agiria assim…

 
 
 
 
 
 
 

 

Se o Touro fosse cruel como o homem-predador e se pudesse…faria o que vemos nesta imagem, e o homem predador SOFRERIA, então, tanto como o Touro sofre.

 

Mas o Touro é um ser muito mais digno do que o homem-predador, e jamais cometeria um biocídio, por isso, o homem-predador nunca saberá o que sofre um Touro, quando lhe enterram bandarilhas no lombo.

 

Bandarilhas como estas:

 
 
 

Imaginem estes instrumentos cravados nas costas de um tauricida…

 

Para que se faça uma ideia: se uma mosca pousar no dorso de um Touro, este enxota-a com a cauda, demonstrando, desse modo, a enorme sensibilidade da sua pele.   

 

Então o que sentirá o Touro quando lhe cravam no dorso seis afiadas bandarilhas de 8cm de largura cada uma? 

 

E quando o trespassam com uma “puya”, uma lança com uma ponta de 14 centímetros?

 

O que sentirá o Touro, se até uma mosca o incomoda?

 

Além disso, a morte do Touro não é instantânea. A dor prolonga-se durante várias horas, depois da lide, numa agonia indizível,  e o Touro sofre uma morte lenta e dolorosa, tal como aconteceria ao homem-predador que o tortura cruelmente, sadicamente, barbaramente… se o esfaqueassem e o deixassem morrer a um canto, num qualquer beco da vida…

 

E quem não conseguir colocar-se no lugar do Touro e sentir um arrepio de morte ao ler estas palavras, bem pode considerar-se um MONSTRO, porque apenas os monstros são insensíveis à dor dos outros.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:10

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2011

Os Bons Selvagens...

 

 

 

Ser SELVAGEM é não ter os vícios do HOMEM-PREDADOR.

Logo, ser SELVAGEM é ser humano.

 

O homem-predador não é humano.

É um monstro que anda neste mundo, à deriva, a espalhar o fel que lhe sai pelas narinas como um jorro de ignorância.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
21
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Arquitectos da Natureza

«Veado branco de espécie...

«“Corridas”: de Touros e...

Esta é a maior prova da i...

Se o Touro fosse cruel co...

Os Bons Selvagens...

Arquivos

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt