Sexta-feira, 30 de Abril de 2021

Quando os ditadores se consideram deuses imortais…

 

Em 30 de Abril de 1945, Adolf Hitler suicida-se no seu bunker.

 

Dedico esta memória aos actuais ditadores, que nos rondam sub-repticiamente, disfaçados de democratas, para que não se esqueçam de que nem são deuses, nem imortais. E deles não rezará a História, se não para os condenar.

 

Faz hoje 76 anos que o ditador Adolf Hitler, Chanceler do Reich (de 1933 a 1945) e Führer ("líder") da Alemanha Nazi de 1934 até 1945, principal instigador da Segunda Guerra Mundial na Europa, e personagem fulcral do Holocausto, se suicidou no seu bunker, e o mundo livrou-se de um dos maiores assassinos da Humanidade (um dos, porque à frente dele estão Stalin, Pol Pot, Mao Tsé-Tung, entre outros).

 

Em 12 de Março de 1938, por ocasião da anexação da Áustria, o "Anschluss", Adolf Hitler regressando de Viena, fez um discurso na estação de comboio de Nordwest, para uma multidão de 20 mil membros dos SA, SS e Juventude Hitleriana, no qual, com a veemência daqueles que se julgam deuses todo-poderosos, esquecendo-se da sua condição desumana, e de que é o FUTURO quem os julgará, disse o seguinte:

«Mostrei, durante a minha vida, que consigo fazer mais do que esses anões que levaram o País à ruína. Daqui a cem anos, o meu nome será visto como o do grande filho deste País!»

 

O que se passa, passados que são ainda 83 anos, sobre este discurso, é que não foram precisos os tais cem anos para que o Mundo o tenha como o grande filho daquilo que nós sabemos, que, cobardemente, se suicidou, por não ter a coragem de enfrentar a justiça dos homens. E os deuses, sendo imortais, que premência terão em se suicidarem?

 

Nenhum ditador, ainda que disfarçado de democrata, permanecerá para além da sua fracassada existência.

 

Isabel A. Ferreira

 

Hitler_salute_in_front_of_lamppost.jpg

Origem da foto: Internet

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:48

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos (1)
Domingo, 31 de Janeiro de 2021

«Holodomor, um dos maiores crimes da humanidade quase totalmente esquecido a nível mundial»

 

Para que não se esqueça este HORROR!

Que espécie de HOMO é o homem?

 

HOLODOMOR.jpg

 

Por Arsénio Pires

 

A palavra ucraniana HOLODOMOR significa “deixar morrer de fome”, “morrer de inanição”.


HOLODOMOR, assim como o holocausto nazista contra judeus, cristãos, ciganos, homossexuais, etc., consistiu num GENOCÍDIO de milhões de ucranianos vitimados pela fome por causa da política económica de Estaline, entre 1931 e 1933, para colectivizar, à força, as terras agrícolas da Ucrânia.


Muitas pessoas foram presas e condenadas a trabalhos forçados simplesmente por comerem batatas ou colherem espigas de milho para consumo.


Entre 1931 e 1933, o número de mortos era tão grande que os cadáveres espalhavam-se pelas ruas e pelos campos. O odor dos corpos apodrecidos dominava regiões inteiras. (Basta procurar na internet em Holodomor, imagens). O historiador Thomas Woods relata-nos esse facto:


Em 1933, Estaline pôs em marcha uma nova meta de produção e colecta, a qual deveria ser executada por uma Ucrânia que estava agora à beira da mortandade em massa por causa da fome, que tinha começado em Março daquele ano. Vou poupar o leitor às descrições mais gráficas do que aconteceu a partir daqui. Mas os cadáveres estavam por todos os lados e o forte odor da morte pairava pesadamente sobre o ar. Casos de insanidade, e até mesmo de canibalismo, estão bem documentados.” (Woods, Thomas. "A fome na Ucrânia".


Estipula-se que o número de mortos nesses três anos tenha sido de 5 MILHÕES. Porém, se tivermos em conta os efeitos prolongados dessa política económica perversa e os ucranianos que foram levados para trabalhos forçados e lá morreram, esse número pode ser superior a 14 MILHÕES. 

 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:32

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 17 de Novembro de 2015

Milhares de Visons mortos para fabrico de casaco de peles...

 

... usados por "gente" sem alma...

 

visons.jpg

(Enviaram-me esta imagem sem identificação. O autor que me contacte, por favor)

 

Holocausto de animais como nós… que sofrem tanto como nós… e têm tanto direito à vida como nós…

 

Em nome de quê?

 

Porquê?

 

Isto faz parte da desumanidade de criaturas que querem, a toda a força, que as consideremos racionais.

 

Racional?

Isto?

 

Nunca. Em parte alguma do Universo.

 

E quem usa casacos fabricados com peles de animais sacrificados em nome da futilidade e do lucro, não é boa gente… nem sequer é gente primitiva, porque o povo primitivo cobria-se com as peles dos animais, que serviam para se alimentarem, porque não tinham outra alternativa. Mas não os torturavam.

 

Porém, hoje, ninguém fica nu, ou passa frio… se não tiver a pele de uma animal para se cobrir.

 

Existem tantas alternativas!

 

Porquê então sacrificar animais tão inocentes e inofensivos, para satisfazer a vaidade e a ganância de criaturas desumanas?

 

Como conseguem carregar o peso de tantas mortes às costas?

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:36

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 8 de Junho de 2015

QUE SE PASSA COM ESTE MUNDO ONDE A VIOLÊNCIA (MAIS DO QUE O SONHO) COMANDA A VIDA?

 

Hoje, no telejornal da SIC, a propósito da notícia sobre o polícia norte-americano que puxou os cabelos a uma jovem negra, a jornalista disse: aviso que as imagens são agressivas.

 

E as outras imagens, das outras violências, que correm nos ecrãs da televisão não serão agressivas também?

 

Violência contra negros

 

 

Violência contra crianças

 

 

Violência contra cristãos

 

 

Violência contra cavalos

 

 

Violência nos matadouros

 

 

Violência nas touradas

 

 

 

Violência em rituais religiosos

 

 

Violência contra animais

 

 

Violência contra focas bebés

 

 

Violência contra baleias

 

 

 

Violência na escola

 

 

Violência doméstica

 

 

Violência da guerra

 

 

Violência do holocausto nazi

 

 

QUE SE PASSA COM ESTE MUNDO?

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:23

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 3 de Agosto de 2013

O HORROR DAS TOURADAS

 

Apenas os psicopatas e sádicos praticam, aplaudem e apoiam este holocausto

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:28

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 21 de Maio de 2013

Joaquim Murteira Grave - «O perito tauromáquico que não sabe classificar biologicamente os touros»

 

A entrevistadora não teve o mínimo sentido crítico, o entrevistado mostrou  que não vale nada...  E a revista "Caras" demonstrou estar ao serviço do lobby tauromáquico.

 

Ó Ordem dos Médicos-Veterinários, de que estão à espera para banir da Ordem quem assim é apenas uma "espécie" de veterinário? Que vergonha!!! 

 

Isabel A. Ferreira

 

***

O perito tauromáquico que não sabe classificar biologicamente os touros

 

Murteira Grave: o ganadeiro /veterinário que afirma que os touros usados nas touradas são uma espécie, ao arrepio da classificação biológica dos seres vivos, matéria do 5.º ano de escolaridade.

 

Murteira Grave.jpg

 

Em entrevista à revista “Caras”, publicada na edição de 18 de Maio de 2013, Murteira Grave responde a questões colocadas por Rita Ferro e fala na “espécie dos toiros de lide”. Se essa classificação viesse de um aficionado comum, apesar de errada do ponto de vista da taxonomia, não seria muito extraordinária, tendo em conta os elevados índices de analfabetismo entre a população aficionada. Mas a afirmação é de um suposto veterinário, um perito em touros, pelo que a gafe é de uma gravidade estrondosa. Um veterinário inserido na indústria tauromáquica revelar esta incapacidade para proceder à classificação biológica dos touros é verdadeiramente sintomático da impossibilidade dos aficionados alicerçarem a defesa da tauromaquia com argumentação coerente, racional e verdadeira. E mais, tal lapso imperdoável pode potenciar dúvidas legítimas em relação ao diploma académico do ganadeiro em questão.

 

Uma criança que frequente o 5.º ano de escolaridade, altura em que aprende a classificar os seres vivos, sabe que os touros não são uma espécie, mas sim os indivíduos machos de uma espécie designada por Bos Tauros, à qual pertencem todos os bovinos, incluindo aqueles que são torturados em espectáculos tauromáquicos. Ou seja, os touros que existem no planeta são todos da mesma espécie, o que pode variar é a raça, que é algo bem diferente.

 

Os touros ditos de “lide” não são uma espécie com toda a certeza e nem sequer reúnem os requisitos para serem classificados como uma raça distinta entre os bovinos. Por conseguinte, a “bíblia” tauromáquica "El Cossío" não se atreve a determinar que o touro dito de “lide” constitui uma raça, como se pode constatar na ficha zoológica que apresenta relativamente a estes animais.

http://www.animanaturalis.org/704


Ficha zoológica do touro dito de “lide” segundo a enciclopédia tauromáquica “El Cossío”:

 

Tipo – Vertebrados

Classe – Mamíferos

Subclasse – Monodelfos

Ordem – Ungulados

Subordem – Artiodáctilos

Secção – Ruminantes

Família – Cavicórnios

Subfamília – Bovinos

Género – Bos

Espécie – Bos Tauros

Raça – Bos Tauros Africanus

Sub-raça ou Variedade – Andaluza, Navarra etc.

 

Este caso de ignorância relativamente à classificação biológica dos touros deveria ter como desfecho o regresso do suposto veterinário à escola, para aprender que os touros não são uma espécie e para aprender a definição de espécie.

 

Espécie - grupo de seres vivos com características semelhantes, que se cruzam entre si dando origem a descendentes férteis.

 

As contradições e incoerências na defesa da indefensável tortura de bovinos  

 

Em comentário acerca do antropomorfismo, o ganadeiro Murteira Grave diz que "antropomorfismo é a teoria que extrapola para os animais os sentimentos humanos”. Acusa os anti touradas de padecerem desse antropomorfismo mas, no mesmo comentário, acaba por antropomorfizar o touro dizendo que o touro “realiza o seu grande bem lutando” e que “realiza-se plenamente na corrida”. Ou seja, o perito tauromáquico explica que “o toiro é um profissional da fúria” e que as touradas são o culminar da realização profissional dos bovinos, numa clara e absurda antropomorfização dos animais. Como todos sabem, os animais não têm uma especial preocupação em realizar um grande bem ou em realizarem-se pessoal e profissionalmente, sendo estas afirmações do ganadeiro um exemplo crasso da visão antropomórfica subjectiva distorcida dos bovinos. É uma visão distorcida porque atribuí características a um animal herbívoro que contradizem a natureza dos herbívoros, tal como é descrita pelos etólogos.

 

Segundo o perito tauromáquico Murteira Grave, o sofrimento não existe no caso dos  animais

Tortura de Touros.png

 

O Sofrimento implica zonas mais profundas do organismo e supõe uma consciência reflexiva que, naturalmente, o animal não possui” – Murteira Grave in entrevista da revista Caras, publicada na edição de 18 de Maio de 2013.

 

Esta poderia ser uma consideração de algum nazi-fascista, numa tentativa desesperada de justificar as macabras experiências científicas em seres humanos ou a eliminação física dos deficientes levadas a cabo durante o holocausto perpetrado pelo regime nazi. Mas não, é um suposto veterinário da indústria tauromáquica negando a capacidade dos animais sofrerem. Para este perito tauromáquico, o sistema nervoso central é algo inútil no caso dos animais porque neles a dor não se traduz em sofrimento. Por isso,  certamente considerará sem sentido toda a panóplia de legislação comunitária no sentido de evitar ou minimizar o sofrimento dos animais. Diria ele, que esta legislação e considerações científicas são obra de animalistas que desconhecem a realidade dos animais:

 

- Legislação europeia para evitar e minimizar o sofrimento dos animais

http://europa.eu/legislation_summaries/food_safety/animal_welfare/index_pt.htm

 

- O sofrimento do Touro de lide explicado pelo veterinário José Enrique Zaldívar Laguía

http://www.revistagobierno.com/portal/index.php/politica/opinion/10123-opinion-el-sufrimiento-del-toro-en-la-lidia-lesiones-anatomicas-alteraciones-metabolicas-y-neuroendocrinas

http://mmedia.uv.es/buildhtml/19860

 

- ‘Suffering’ in bullfighting bulls; An ethologist’s perspective - By Jordi Casamitjana

http://www.cas-international.org/fileadmin/protestacties/Documenten/The_suffering_of_bulls_CAS_Jordi_Casamitjana.pdf

 

- Adaptive Metabolic Responses in Females of the Fighting Breed Submitted to Different Sequences of Stress Stimuli

http://dl.dropbox.com/u/5028000/Adaptive%20Metabolic%20Responses%20in%20Females%20of%20the%20Fighting%20Breed%20Submitted%20to%20Different%20Sequences%20of%20Stress%20Stimuli.pdf

 

Segundo Murteira Grave, infligir cortes de pouca profundidade não é coisa que cause sofrimento, porque este implica zonas mais profundas. Para o ganadeiro, não existindo “consciência reflexiva” não há sofrimento, pelo que deve deduzir que os bebés e os deficientes profundos não têm capacidade para sofrer.

 

O que se pode dizer destas teorias aberrantes que tentam justificar a injustificável tortura de seres inocentes? São aberrações, nada mais do que isso.

 

E ainda por cima, os aficionados não se entendem uns com os outros, como se isto se tratasse de uma brincadeira de opiniões. Uns dizem que os touros não sofrem, e outros dizem que sim, como é o caso deste empresário tauromáquico:

 

Eu acho que de facto existe sofrimento. E esse sofrimento tem de ser assumido.” - Carlos Pegado, empresário tauromáquico no debate do programa Aqui & Agora na SIC sobre direitos dos animais.

http://youtu.be/035cMLK-Buc

 

Fonte: 

http://pelostourosvivos.blogspot.com/2013/05/o-perito-tauromaquico-que-nao-sabe.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:24

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 3 de Julho de 2009

O irmão gémeo de Deus

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
 
(Depois do caos ... harmonia...)
 
 
 
A chuva que cai tão intensamente não me deixa ouvir os meus próprios pensamentos. O vento fustiga. As árvores tentam equilibrar-se, nas suas raízes. A tempestade ousa invadir o meu canto. E eu, frágil criatura de Deus, resigno-me diante de toda esta demonstração de força.
 
Ah! Sim, não estou só. Tenho a meu lado, o ser exótico que me chamou a atenção para o sexo das palavras. É um ser tão solitário quanto admirável.
 
Gosta de conversar. Eu também gosto. Visita-me frequentemente. E é nessas ocasiões que trocamos ideias, e as palavras, já tão gastas pelo uso, adornam-se e tomam outro significado.
 
Partilhamos os dois o poder da tempestade. Também ele se sente estremecido. Raios e trovões reduzem-nos à nossa insignificância. Tal ambiente de fim-de-mundo, lembra-nos o caos. O Cavaleiro do Apocalipse. O holocausto. O ano 2000 que se aproxima. A previsão dos visionários. Nostradamus. A luta entre o Bem e o Mal. Quem vencerá?
 
Temos de esperar para saber, garantiu-me o ser exótico, que além de exótico é um místico confesso. Disse-me ele:
 
— Sabe que o Bem e o Mal são duas personagens cósmicas que coexistem desde o início dos tempos? O Bem é Deus. O Mal é o Diabo. O que têm de comum?... São simplesmente irmãos gémeos.
 
Fiquei estupefacta, como devem calcular. O ser exótico chama-lhe pensamento filosófico, muito simples de deduzir. Desde que o mundo é mundo (contou-me ele, como se sempre tivesse existido) houve sempre uma renhida luta entre as forças do Bem (Deus) e as forças do Mal (o Diabo), aliás, um conceito muito em voga na injustamente chamada Idade das Trevas – a Idade Média.
 
Deus e o Diabo (que para o ser exótico não é um anjo pervertido) não têm princípio nem fim. Pura e simplesmente são. Do nada surgiram, num instante único. Exactamente ao mesmo tempo. Ambos omnipotentes. Omnipresentes. Omniscientes. Forças cósmicas que há muito lutam entre si pelo poder absoluto, com diferentes objectivos.
 
Deus é criador, é bondade, é pacificador. O Diabo é destruidor, é maldade, é guerreador. Deus quer o poder tão-somente para proporcionar aos seres por Ele criados (pois foi Deus quem criou o mundo e todas as suas criaturas) uma vida onde predomine a harmonia, o equilíbrio, a paz.
 
O Diabo, pelo contrário, dominado por um ódio incontrolável, por não ter sido ele o primeiro a lembrar-se da criação do universo, luta para exercer sobre as criaturas concebidas pelo seu irmão gémeo, um domínio maléfico, destruidor, caótico, E as mais débeis criaturas rendem-se, e rastejam a seus pés, totalmente desprovidas de senso e de vontade.
 
Por isso, disse-me o ser exótico (que não se importa nada que eu o trate deste modo) neste nosso mundo há gente muito boa e gente diabólica. Madres Teresas de um lado e Bin Ladens do outro. Cristos e Hitlers. Oprimidos e ditadores. As Teresas, os Cristos e os oprimidos são gente de Deus. Os Bin Ladens, os Hitlers e os ditadores são gente do Diabo.
 
Neste nosso fim de século, os dois irmãos travam a batalha final, a batalha de todas as batalhas, de uma guerra que já dura desde o início dos tempos, com vitórias e derrotas ora para um, ora para outro. Hoje, porém, muito próximo do virar do século XX (data limite para o fim do mundo – lembremo-nos que algures na Bíblia se pode ler «a mil chegarás, de dois mil não passarás») os dois omnipotentes irmãos resolveram medir forças, de uma vez por todas, para que uma nova ordem seja estabelecida.
 
O fim dos tempos de que nos falam os mais abalizados visionários do mundo, não é senão o termo desta luta entre o Bem e o Mal. E a nova ordem, não é mais do que o triunfo do Bem, isto é, a vitória de Deus sobre o Diabo.
 
Repare no que está a acontecer em todo o mundo, observou o ser exótico. As forças do mal parecem dominar. Os homens endoideceram. Guerreiam-se. Matam-se uns aos outros com requintes de malvadez. Os valores morais escorrem pelos canos de esgoto. A droga, quais fezes liquefeitas, substituem o sangue nas veias dos que escolhem a morte como meta de vida. As armas são preferidas aos alimentos. Destruir é a palavra de ordem. O caos instalou-se em toda a parte. Já não pode confiar-se em nada, nem em ninguém. Nem nas leis, que não são cumpridas e só servem os maus, nem nas autoridades, que a esses maus por vezes se juntam.
 
A toda esta perversão social dos auto-denominados seres humanos, que nem sequer têm capacidade de conviver com as outras criaturas, a que eles injustamente chamam irracionais, junta-se a revolta da Mãe Natureza que, descontentíssima com os desmandos desses homens desmedidamente soberbos e arrogantes, movidos pela avidez do lucro e de uma falsa glória, pretendem domar o indomável: a lei natural.
 
Daí que a toda-poderosa e soberana Natureza lance sobre os homens todo o tipo de catástrofes de que é capaz: terramotos, maremotos, tempestades, vendavais, furacões, chuvas, neve, enchentes, calor abrasador, fogos, como forma de protesto por terem perturbado a harmonia e o equilíbrio do seu ser.
 
— O que me diz, a minha amiga?
 
— Depois desta lição, que devo dizer? Que força terei para contestar estas ideias? É uma teoria tão exótica quanto a personagem que a elaborou. Mas tenho algo a dizer, sim. Vejo que, actualmente, as forças do Mal dominam as forças do Bem, e por este andar, é muito provável que a tal nova ordem não seja imposta por Deus, mas pelo seu irmão gémeo.
 
Vade retro Satanás! Que mau agouro esse! O Bem impor-se-á, com toda a sua força, ou eu não me chame...
 
Pare! Combinámos que não faríamos apresentações... Eu acredito na sua teoria. Preciso de acreditar, aliás. De outro modo, endoideço. Por isso, espero, com toda a sinceridade, que o tal irmão gémeo de Deus seja definitivamente derrotado.
...
Lá fora, a chuva continua a cair intensamente e os raios e os trovões a impor a sua força de tal forma que até os nossos pensamentos chegam a estremecer. E de rostos colados às vidraças da janela, eu e o ser exótico, meu amigo, esperamos, pacientemente, que a Natureza se acalme e nos devolva a lucidez...
 
 
Escrevi este texto em 1998.
O fim do mundo não veio.
Entrou-se no terceiro milénio, com o Mal a ganhar vantagem, agora com novos e horrorosos actos e actores em cena.
Continuamos na expectativa.
Quem vencerá?
E a nova ordem depois do caos, de que falava o ser exótico, devemos esperá-la?...
Penso que essa é a nossa única alternativa.
 
Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 11:55

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Posts recentes

Quando os ditadores se co...

«Holodomor, um dos maiore...

Milhares de Visons mortos...

QUE SE PASSA COM ESTE MUN...

O HORROR DAS TOURADAS

Joaquim Murteira Grave - ...

O irmão gémeo de Deus

Arquivos

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt