Sexta-feira, 21 de Junho de 2019

PORTUGUESES, PONHAM OS OLHOS EM HONG KONG E SAIAM ÀS RUAS

 

 

Milhões de pessoas saíram às ruas em protesto contra a lei da extradição. E Hong Kong tem cerca de 7,5 milhões de pessoas. Portugal tem cerca de 10 milhões. O que se passa com os Portugueses?

Precisamos de mudar Portugal. Precisamos de protestar. Exigir mudanças radicais. Precisamos de entupir as ruas.

A minha amiga Idalete Giga faz, a seguir,  uma grande análise sobre esta inércia dos portugueses, a qual subscrevo, em absoluto. E o pior é que os "poderosos" assentam todo o seu poder nessa inércia. (Isabel A. Ferreira)

ACORDEM!

 

880x495_282810.jpg

Foto: Internet

 

«O povo português, em geral, gosta é de futebol e merdas de programas idiotas em praticamente todos os canais de televisão, incluindo os públicos que andamos a pagar a peso de ouro. ganha isto, ganha aquilo, ganha aqueloutro. É só apelar ao ter, ter, ter e não há um único programa televisivo que apele ao SER - ser honesto, ser verdadeiro, ser competente, ser respeitador, ser amigo do seu amigo, ser HUMANO!!!!! O povo português está completamente ALIENADO, ESTUPIDIFICADO(!). O povo português, em geral, é escravo da OLIGARQUIA PULHÍTICA que se traveste de democracia todos os dias(!). O povo português não percebe que estamos a criar uma sociedade de MONSTROS que continuarão a desgovernar Portugal até à sua destruição total. Os senhores bilderberguianos só dão valor aos cifrões. Nunca houve, na História de Portugal, tanta escravatura(!!!!) A escravatura do século XXI é sofisticadíssima (!!!!!!) (Idalete Giga)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Terça-feira, 16 de Outubro de 2018

Portugal do século XXI d.C.: pobre em heróis, em políticos e em povo

 

Contudo, o nosso povo já foi nobre: "Heróis do mar, nobre povo…” e a Nação "valente, imortal...

Porém…

… hoje, os heróis são os do futebol (até são comendadores); o povo é pobre de espírito (= simplório, ingénuo); a Nação, subserviente, e tão mortal que está em vias de ser asfixiada pelos interesses dos estrangeiros.

 

E tudo isto são factos indesmentíveis…

 

BENTOS.png

 

Agora andam por aí uns moderneiros (os que têm a mania de que são modernos e não passam de uns refinados ignorantes) a implicar com a letra do nosso Hino Nacional, considerando que o poema já não faz sentido, nos dias de hoje, porque apela à violência, clamando às armas, às armas, pela Pátria lutar, contra os canhões marchar, marchar…

 

Diz a minha amiga Ana Macedo:

 

«Não vejo qualquer razão válida para a alteração do hino... Já rebentaram com a língua e com o país, não é preciso rebentar com o hino também... Um hino actual teria de incluir na letra as palavras: Traição, Corrupção etc., para que espelhasse a realidade. Não acho necessário!»

 

Eu também não vejo nenhuma razão válida para a mudança do Hino.

 

O que é preciso é saber ler e interpretar, e conhecer a História e a Língua Portuguesas, para se entender o simbolismo das palavras do Hino Nacional Português, ou dos hinos nacionais dos restantes países da Europa.

 

Infelizmente, acontece que, com tanta ignorância que por aí vai, no que respeita à História e à Língua Portuguesas, os moderneiros acabam por mostrar a raça deles, ou seja, uma raça completamente alienada pela incultura vigente. É que para se ser moderno não implica ser-se ignorante.

 

A letra do nosso Hino conta-nos a saga de um povo que já foi nobre, arrojado, guerreiro, atributos que se foram esvaindo ao longo dos tempos.

 

O poema é lindo. A música, poderosa. Um dos mais belos Hinos do mundo.

 

Não há nada nele que envergonhe Portugal.

 

Se, hoje, se decidisse mudar a letra aos Hinos Nacionais dos diversos países europeus, a História dos países apagava-se.

 

Os Hinos Nacionais garantem o futuro dos países, falando do seu passado. Porque sem passado nenhum povo sobrevive à fúria da ignorância do presente.

 

Esta é a letra do Hino Nacional Português:

 

HINO.jpg

 

Já rebentaram com a Língua, com o País e com a História de Portugal. Se quisessem reescrever o Hino Nacional este teria de ser reescrito nestes moldes, para se dizer da nossa triste realidade:

 

«Com o voto, com o voto, contra a traição, a corrupção, a parvoíce, a vigarice, o analfabetismo e o retrocesso… atacar, atacar!»

 

Aqui deixo alguns dos Hinos Nacionais europeus, para que se faça a necessária comparação, e deles se tire as devidas ilações:

 

Hino Nacional de Portugal

 

 

 

Hino Nacional Francês

 

 

Hino Nacional Britânico

 

 

Hino Nacional da Espanha

 

 

Hino Nacional da Alemanha

 

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:01

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Sábado, 29 de Julho de 2017

Contestação do Livro «1808», de Laurentino Gomes

 

 

Dom João VI – Como um Príncipe Valente Enganou Napoleão e Salvou o Reino de Portugal e o Brasil

 

(Contestação do livro «1808», de Laurentino Gomes)

(2ª versão Corrigida e Aumentada)

 

© Isabel A. Ferreira

(Este texto não pode ser reproduzido, no todo ou em parte, por qualquer processo mecânico, fotográfico, electrónico, ou por meio e gravação, nem ser introduzido numa base de dados. Difundido ou de qualquer forma copiado para uso público ou privado, além do uso legal como breve citação em artigos e críticas, s em a prévia autorização por escrito da autora)

 

17580446_NcaNG[1].jpg

Imagem © Joana A. Ferreira)

 

A minha "Contestação" refuta o modo como a história de Dom João VI foi apresentada pelo jornalista brasileiro Laurentino Gomes, no seu livro «1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil», cuja narrativa amesquinha Portugal, a Monarquia Portuguesa e os Portugueses, e é excessivamente desprestigiante para Dom João VI que, apesar de não ter sido “talhado” para reinar, reinou o melhor que pôde, conservando a dinastia de Bragança e o império português, com dignidade, não se vergando ao grande e poderoso Napoleão Bonaparte, que subjugou praticamente todos os monarcas europeus da época - mas não Dom João VI, a quem o próprio Napoleão reconheceu tal mérito.

 

Escrevi uma nova versão intitulada «Dom João VI – Como um Príncipe Valente Enganou Napoleão e Salvou o Reino de Portugal e o Brasil (Contestação ao Livro «1808», de Laurentino Gomes…» o qual repõe o período da História narrado no «1808», integrando as circunstâncias dos acontecimentos históricos apresentados no contexto da época; analisa, sem preconceitos, as acções e consequências dos actos assinalados; e realça as virtudes da alma grande portuguesa, em contraponto ao que escreveu Laurentino Gomes.

 

Esta 2ª versão foi corrigida e aumentada no seu conteúdo, tendo sido acrescentadas notas marginais e a bibliografia consultada, e foi prefaciada pelo jurista brasileiro Arthur Virmond de Lacerda.

 

Para Laurentino Gomes, Dom João VI foi um rei covarde.

 

Para a autora desta «Contestação» e para muitos outros historiadores, Dom João VI foi um rei corajoso, que deixou uma obra notável no Brasil.

 

Ao ler-se o livro de Laurentino Gomes chega-se ao final com a ideia de que os Portugueses foram (e ainda são) Feios, Porcos, Maus e Ignorantes.

 

Os factos que Laurentino narrou, fora do seu contexto, soam a preconceito.

 

Logo, defender a Honra e a História de Portugal foi um dever que se impôs à autora.

 

Deixo aqui os links para esta narrativa que repõe os factos históricos comuns ao Brasil e a Portugal.

 

(I Parte)

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/dom-joao-vi-como-um-principe-valente-485068

 

(II Parte)

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/dom-joao-vi-como-um-principe-valente-485454

 

(III Parte)

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/contestacao-ao-livro-1808-de-laurentino-487321

 

(IV Parte)

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/dom-joao-vi-como-um-principe-valente-489691

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:47

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Terça-feira, 5 de Março de 2013

UM MERCADO GOURMET NO campo pequeno? QUE MAU GOSTO! QUE INSULTO!

 

 


 

 

O campo pequeno é um lugar sujo e indigno. Só lá colocará os pés quem também não tiver dignidade.

O campo pequeno ficará para a História de Portugal como o Coliseu de Roma ficou para a História de Itália: um lugar sangrento e de má memória.

Mercado Gourmet, num lugar manchado pelo sangue de seres inocentes e inofensivos?

 

NÃO, OBRIGADA!

 

***

 
 "MERCADO GOURMET COM CHEIRO A MORTE E SABOR A SANGUE»

Anuncia-se por aí, nesta rede social, o Mercado Gourmet do Campo Pequeno (...) 

Segundo a organização, pretende-se “recriar o espírito dos mercados antigos portugueses onde se podia encontrar um pouco de tudo, adaptando-o à temática Gourmet”, produtos de origem ou manufacturados no país, reunindo naquele espaço “o que de melhor se faz em Portugal nesta área.”

Curioso e paradoxal, o facto de no mesmo recinto se viver o que “melhor” e pior se faz no nosso país.

Não entro no Campo Pequeno para realizar qualquer actividade comercial, lúdica, cultural, ou de qualquer outra natureza. O Campo Pequeno materializa a catedral do sangue, do sofrimento e da morte em Portugal. O Campo Pequeno, bastião de uma actividade anacrónica e bafienta, encerra, dentro das suas paredes neo-árabes, uma actividade que envergonha Portugal, cuja larga maioria dos cidadãos se opõe a esta prática, e que só sobrevive pelos apoios financeiros que (ainda) lhe são atribuídos.

A tauromaquia, ao contrário da verdadeira cultura, não contribui para o desenvolvimento e enriquecimento humanos, antes degrada, dessensibiliza e embrutece.

Frequentar este espaço, participando em qualquer actividade nele promovido, significa ser-se conivente e perpetuar uma actividade medieval e indizível.

Visiono o dia em que entrarei no Campo Pequeno, quando este for um monumento à vida e ao respeito por tudo e por todos e, ao abeirar-me do que outrora foi uma arena, ver cultivadas hortas e jardins."

by André Silva

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

BOICOTE o mercado gourmet... e saiba a razão:

* Quando a pergunta é:

- Qual é o problema de haver eventos no Campo Pequeno??

* A resposta é:

- Os eventos no Campo Pequeno, tal como as rendas das lojas e cinemas no centro comercial lá instalado, servem para patrocinar as corridas de touros que lá têm lugar.

As touradas não são rentáveis per se, pelo que é fundamental esvaziar os patrocínios que as mantêm de pé (públicos e privados) se queremos, de facto, acabar com essa vergonha.

Ninguém quer destruir o edifício em si, que é lindíssimo, mas sim acabar com a sua utilização em espetáculos de tortura.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=522638987778761&set=a.198391990203464.50649.175436649165665&type=3&theater 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:27

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

PORTUGUESES, PONHAM OS OL...

Portugal do século XXI d...

Contestação do Livro «180...

UM MERCADO GOURMET NO cam...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt