Sexta-feira, 7 de Setembro de 2012

A propósito do comunicado do "Grupo de Forcados Aposento da Moita», relativo ao azar de Nuno Carvalho

 

0[1].jpg

 

Repare-se na quantidade de bandarilhas que ferem o corpo do Touro, dorso rasgado, a sofrer dores horrorosas... E o Nuno Carvalho, ali, diante de um Touro ferido, desconhecia que seria a última vez que poderia utilizar as suas pernas... Isto não bastaria para acabar hoje mesmo com esta aberração?

 

«Devido à fatalidade que ocorreu no dia 30 de Agosto de 2012, na praça de toiros do Campo Pequeno, o forcado Nuno Carvalho "Mata", ficou com diversas lesões das quais ainda não se conhece um relatório médico definitivo.

 

No entanto o caminho será longo e para que seja possível a sua recuperação e para que possa ter uma vida digna, foi aberta uma conta no banco BPI (nib - 0010 0000 4861967000104), a qual está aberta de forma a que qualquer cidadão possa contribuir com o seu donativo.

 

Devido à urgência da situação, a conta não está filiada a nenhuma associação, no entanto esperamos com a maior brevidade poder constituir essa mesma associação de forma a que este projecto de recuperação ganhe formas credíveis e mais eficazes.

 

Em nome de todo o GFA Aposento da Moita agradecemos mais uma vez todo o apoio que o "Mata" tem recebido.

 

 GFA Aposento»

 

***

 

Estou aqui a “remoer” estas palavras, e a pensar naquilo que sou. Abomino a vingança. Não aplaudo as desgraças que acontecem aos outros, muito menos a jovens que poderiam ter optado por viver com honra, e preferiram a desonra.

 

Este jovem, Nuno Carvalho, de apenas 26 anos, escolheu ir massacrar Touros moribundos para uma arena. Nunca pensou que pudesse acontecer-lhe algo assim: ficar paraplégico o resto da vida, apenas porque entendeu que “valentia” era colocar-se diante de um Touro ferido, o qual reuniu as últimas forças que lhe restavam para, legitimamente, se defender dos seus carrascos.

 

Este jovem não mediu as consequências da sua escolha de vida.

 

Porém, o que lhe aconteceu deveria servir de exemplo a todos os outros que ainda teimam em repetir a “proeza”. E se por uma sorte do destino, o Nuno Carvalho viesse a recuperar a sua saúde, iria novamente para a arena, massacrar Touros moribundos.

 

Até ao momento, não houve sequer um rasgo de arrependimento, por parte dele. Que se saiba. Até já se ouviu falar em realizar uma tourada para “angariar fundos” para ajudar o Nuno. Espero que tenham o bom senso de não o fazer.

 

Infelizmente o que faz o Grupo de Forcados a que ele pertencia?

 

Em vez de emitir um comunicado a expressar a inutilidade desta actividade, e terminar com ela, em homenagem ao colega que ficará paraplégico, em nome da cretinice, vem fazer um “peditório” para ajudar o tratamento do Nuno, que sim, tem todo o direito de ser ajudado.

 

Contudo, o dinheiro para ajudar este jovem, na sua desgraça, devia sair dos bolsos dos governantes que apoiam estas práticas, com as suas leis obtusas; da igreja católica que os abençoa; e dos ganadeiros que os exploram.

 

Estes é que são os verdadeiros culpados da situação do Nuno Carvalho. É a estes que se deve pedir explicações. São estes que permitem que jovens forcados e torcionários morram ou fiquem paraplégicos ou deformados, em nome dos interesses económicos de uns poucos, numa actividade grosseira, primitiva, nada condizente com uma sociedade da era da exploração espacial. Põe-se os pés de um homem na Lua, mas ainda se fica paraplégico, por massacrar Touros moribundos, numa arena.  

 

Os ganadeiros são ricos. A igreja católica é rica, os governantes ganham bem, eles é que têm a obrigação de ajudar quem eles permitiram que se colocasse em risco de vida.

São estes que devem abolir imediatamente estas actividades ignaras que atiram jovens (e este não é o primeiro) para uma cadeira de rodas.

 

Tenho muitas dúvidas se deveria contribuir para este “peditório”, quando há tanta gente para ajudar, neste momento de crise, com alimentos, e que nunca fizeram mal algum a ninguém, e são vítimas de um sistema podre. Fora a ajuda que também se tem de dar aos animais abandonados, porque esse sistema podre não funciona.

 

Tenho as minhas dúvidas. Preciso “remoer” um pouco mais as palavras deste “peditório”.

 

Acho que ninguém pretende vingar-se ao ponto de desejar tão triste sorte a um jovem, que teve a infelicidade de não saber ou de não lhe terem dado a oportunidade de saber, que torturar seres vivos não pode ser uma opção de vida.

 

Mas quando fazemos uma opção, temos de saber ser responsáveis pelas consequências dessas opções.

 

Espero que este jovem possa viver o resto da sua vida com a consciência tranquila... de quem fez a coisa certa, mas teve azar.

 

E aqueles (os governantes, a igreja católica e os ganadeiros) que durmam também em paz, se puderem, depois de terem atirado para uma cadeira de rodas um jovem que fez a opção que fez, porque existe uma lei que o PERMITE.

 

Isabel A. Ferreira

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

A propósito do comunicado...

Arquivos

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt