Quinta-feira, 2 de Janeiro de 2020

É inadmissível que uma professora marque como “erro”, os vocábulos que uma aluna do 5º ano de escolaridade escreve correCtamente na sua Língua Materna

 

Esta publicação vai ao cuidado do senhor ministro da Educação, Dr. Tiago Brandão Rodrigues, cuja política (des)educativa está a contribuir para o caos nas escolas, mas pior do que isso, está a contribuir para o DESENCANTO de muitas crianças, que não nasceram parvas, não são nada parvas, nem gostam que as façam de parvas, estudam línguas estrangeiras (como o Inglês e o Castelhano) e ao estudar essas línguas, sabem que aquele “direto” que aparece nos ecrãs das televisões, lê-se “dirêto”, porque lhe falta o , e que todas as palavras mutiladas, que as obrigam a escrever,  não pertencem à Língua Portuguesa.

 

EDUCAÇÃO.jpeg

 

O incidente, referido no título deste texto, foi-me contado pela própria criança, uma menina de 10 anos, quase a completar os onze. Uma menina que sabe que está a ser enganada na escola. Uma menina que lê livros em Português correCto, a par do Português incorreto (incorrêto, como ela pronuncia, e bem). Uma menina que sabe distinguir o que é Português do que é Brasileiro.  Uma menina que sabe que a ortografia que lhe é impingida na escola, é a brasileira. E ela sente-se defraudada, e diz-me: «Mas eu não sou brasileira. Sou portuguesa». Pois é. Claro que é.

 

E haviam de ver a tristeza com que me contou este triste episódio: «A professora marca-me erro quando escrevo os cêse os pês nas palavras portuguesas, como aspeCto e adoPtar...»


 
E isto, senhores professores, que marcam erro quando as crianças escrevem, correCtamente, e senhor Ministro da Educação, um dos que impõe regras mal geradas, NÃO SE FAZ a uma criança que frequenta uma escola para APRENDER, até porque, todos nós sabemos que o AO90 é a maior fraude de todos os tempos, não está em vigor coisa nenhuma,  pois a Resolução do Conselho de Ministros que obrigou à aplicação da grafia brasileira, além de não fazer lei, na prática, funciona apenas como uma ordem por escrito”. Sugiro a leitura do texto inserido neste link:

 

«O Desacordo Ortográfico»

 

"ordem" essa que qualquer professor pode recusar-se a obedecer, porque a tal não é obrigado,  por não existir uma lei que o obrige.

 

Portanto, é ILEGAL marcar erros, quando as crianças escrevem correCtamente a sua Língua Materna, e os professores que agem deste modo, deviam ser penalizados, porque estão na Escola para ENSINAR Português, falado e escrito à Portuguesa, e não para ensinar a grafar à brasileira, apenas para fazer o jeito aos políticos que, por sua vez, andam a fazer o jeito ao Brasil. Por alma de quem?

 

É preciso que os professores, de uma vez por todas, ganhem a consciência de que estão a obedecer a “ordens” mal engendradas,não a cumprir a sua nobre missão de ENSINAR.



Aconselho vivamente a todos os professores que, por ventura, possam andar por aqui a procurar informações fidedignas, a ler o texto inserido neste link:

 

Não existe lei alguma que obrigue um professor a "ensinar" Português segundo a cartilha brasileira, nas escolas portuguesas

 

Aos governantes, para quem envio todos os textos que publico neste Blogue (lido em 145 países, de todos os continentes, onde vivem Portugueses) sugiro que, neste início do ano de 2020,  façam um acto de contrição, e ao menos, uma vez na vida, reconheçam que erraram e estão no caminho errado, até porque manter o monumental erro que foi trocar a grafia portuguesa pela grafia de uma ex-colónia, para fazer o jeito ao Brasil, é uma atitude de profunda fraqueza moral que, a  continuar, colar-se-á à vossa pele como uma tatuagem irremovível.



Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:53

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 1 de Janeiro de 2020

(Des)concerto de Ano Novo

 

Desde sempre me preocupei com as crianças, afinal, são elas o futuro da Humanidade. E foi por elas que escrevi o «(Des)concerto de Ano Novo», no já longínquo fim de ano de 2009.

 

Chamo-o” para o dia de hoje, porque passados 10 anos, continuo preocupada, ainda mais,  com as crianças, esquecidas neste mundo enlouquecido, sobretudo, com as crianças portuguesas, pois nada mudou, nada avançou, tudo se transformou, para pior, desde 2009, quando o normal seria evoluir-se…

 

O que se tem feito contra as crianças, em Portugal, constitui um crime de lesa-infância, ao qual nenhuma autoridade dá a mínima importância, talvez porque as crianças não votam, não se manifestam, não têm voz.

 

Além de não lhes assegurarem um futuro condigno, neste Planeta que se esvai, estão a impingir-lhes uma grafia que não lhes pertence. Estão a enganá-las de um modo vil. O desrespeito que a elas os governantes, os parlamentares, a maioria dos professores e muitos pais consagram é horripilante!

 
É motivada pelas crianças que faço esta reflexão, desejando que o ano de 2020 traga a lucidez e a racionalidade, que tão arredadas andam da sociedade portuguesa e das esferas do Poder.

 

Ano Novo1.png

 

Um novo ano abre caminho para um lugar velho.

 

Nestas ocasiões costumo reflectir acerca do que se passa no mundo e ao meu redor: se os homens cresceram ou continuam crianças, eternamente teimosas, brincando aos chefes e aos bandidos, enfim, se renitentes em deixar crescer a mente para se tornarem homens responsáveis e poderem governar os destinos dos outros homens, com a lucidez necessária.

 

Reflicto igualmente no que eu própria fiz ou fui, e como tudo poderia ter sido diferente SE...

 

Entretanto, e porque foi época de troca de prendas, chegou-me do Brasil a obra «Amor – Um Livro Maravilhoso Sobre a Maior Experiência da Vida», da autoria de Leo Buscaglia, escritor de origem italiana, que me ensinou muitas coisas e fez-me reflectir sobre outras, nomeadamente a Criançaessa eterna esquecida.

 

Eu tinha imaginado para este início de ano uma crónica algo idêntica a um belo prelúdio, executado num bosque, com chilreio de pássaros à mistura. Contudo, uma qualquer força misteriosa (sempre presente em mim) conduz os meus pensamentos para a Criança – espécimen em extinção.

 

Alarmei-me, e desconfio que o meu pretendido prelúdio se transforme num desconcertado concerto de Ano Novo.

 

No seu livro, Leo Buscaglia fala de uma professora de arte que, um dia, desenhou, no quadro negro, uma árvore que parecia um pirolito (era a árvore dela), e pediu aos alunos que também desenhassem uma, nos seus cadernos.

 

Um garoto (que conhecia bem as árvores, pois já «subira numa árvore, abraçara-a, caíra de lá, ouvira uma brisa através dos seus galhos...» desenhou uma «linda monstruosidade com os seus lápis roxo, amarelo, laranja e verde». Mostrou-a à professora, e esta comentou: «Que loucura!» Porque o que na realidade pretendia era que o menino desenhasse uma árvore igual ao “pirolito” que ela desenhara no quadro negro.

 

Esta passagem, fez-me recordar uma outra história, esta verídica, passada numa escola da cidade onde resido, com uma menina, minha amiga, tímida, por natureza (não serão as flores tímidas também, no seu desabrochar?) mas muito perspicaz e observadora.

 

A professora mandara a turma desenhar e pintar uma árvore. A menina desenhou então a “sua” árvore, semelhante às das outras crianças, com excepção da cor: a sua era avermelhada.

 

Ano Novo2.png

 

A professora ao ver tal cor na árvore, disse-lhe: «A tua árvore está errada, porque as árvores são verdes e não vermelhas.» A menina, como era tímida, calou-se. Nada explicou à professora. Se esta não tinha entendido a “sua” árvore, de nada valeria explicar-lhe o que quer que fosse.

 

Nesse dia, a menina chegou triste a casa, e contou à mãe o sucedido: ela havia desenhado uma árvore e pintara-a de uma cor avermelhada, igual à que tinha visto no Jardim Botânico de Coimbra, numa manhã de Outono. Era tão bonita! A professora dissera-lhe que a “sua” árvore estava errada, pois as árvores são verdes. Porém, a menina já tinha visto árvores com folhas amarelas, castanhas, vermelhas, e, além disso, aquela era a “sua” árvore de Outono.

 

A mãe tranquilizou-a dizendo: «Deixa lá! Talvez a professora nunca tivesse olhado para as árvores, no Outono. Talvez tu pudesses ter-lhe sugerido que observasse melhor as árvores no Outono...»

 

Mas a menina entendeu que não valia a pena. Se a professora cresceu sem nunca ter observado as árvores no Outono, agora já não fazia diferença nenhuma...

 

O certo é que essa menina começou, desde então, a rejeitar a escola e a desmotivar-se pelo estudo. Na verdade, o que poderia aprender com alguém que nem sequer uma árvore de Outono conhecia?...

 

Se, ao contrário daquela frase seca «A tua árvore está errada», a professora tivesse perguntado: «Por que pintaste a árvore de vermelho?», a menina teria tido oportunidade de explicar-se, e que bela aula sobre o Outono e as transformações da Natureza poderia ter acontecido!

 

Daí para diante, a escola para esta menina foi um lugar de desencanto. E para quantas mais, por idênticos ou outros motivos, a escola não passa de um lugar de tédio?

 

Embora na prática, e quase inconscientemente, sempre tivesse lutado pela preservação da minha própria individualidade (cada ser humano tem a sua, e existe algo dentro de cada um que o diferencia de todos os outros), o que determinou o modo como estou no mundo, enfrentando os preconceitos dos outros, para poder ser livre (só criamos sendo livres), teoricamente, foi o que aprendi fora da escola, o que significa que o Ensino em Portugal, apesar de todas as reformas e contra-reformas, sempre dificultou o processo de ajudar o aluno a descobrir e a entender a sua própria individualidade, não lhe apontando os caminhos que poderão desenvolver essa particularidade, nem lhe mostrando como a partilhar com os outros. O que temos é um Ensino que tenta fazer com que todas as crianças sejam iguais. E é isso que me assusta.

 

A propósito, recordo-me que quando frequentava a Faculdade, tive uma discussão académica com o meu professor de Pré-História, na aula em que ele tentava “impingir-nos” a teoria de Darwin, sobre a Origem do Homem. Como eu já havia lido algumas outras opiniões (não entra aqui a de Adão e Eva) sobre a matéria, formulei a minha própria teoria, não menos lógica do que a de Darwin. Mas quem era eu para me atrever a desenvolver teorias que se opusessem ao que estava estabelecido como certo? Uma simples aluna, que devia papaguear o que o professor dizia, sem poder emitir opiniões?

 

Recordo-me igualmente do meu primeiro e único “chumbo” na minha vida de estudante, quando me atrevi, num exame final, a tecer considerações sobre o «comportamento libertino do clero na Idade Média». Pedi revisão de prova, e verifiquei que em todas as minhas respostas haviam sido retirados alguns pontos (mais nessa do clero) por “irreverências” (ou seja, opinião pessoal) num tempo em que tínhamos de calar o pensamento, o que transformava os alunos em autênticos “papagaios”, o que eu, naturalmente, me recusava a ser (daí a minha nota de curso ter-se ficado por um simples 13,5).

 

Hoje, no pós-25 de Abril, tudo continua quase na mesma ou pior ainda. Os alunos são tratados como atrasados mentais, não lhes deixando muito campo para a criatividade (serão os professores criativos?). Nem os deficientes mentais devem ser tratados como tais. A normalidade gera a normalidade. E a criatividade gera a criatividade.

 

O professor deve limitar-se a mostrar as “ferramentas” do saber aos alunos, e deixar que estes criem, soltem o pensamento, sonhem, descubram algo de novo no mundo que têm ao seu alcance.

 

No tempo em que dei aulas (era ainda bacharel), tentei “fugir” ao programa oficial, dando liberdade às crianças (ensinava História e Língua Portuguesa) de voarem com as suas próprias asas. Cheguei mesmo a recusar-me a dar a matéria tal qual vinha no Compêndio, nomeadamente sobre as Colónias Portuguesas de África, a Guerra no Ultramar e a Acção de Oliveira Salazar, por considerar que estaria a mentir às crianças. Não tive tempo de deixar os alunos comporem o seu próprio juízo, pois nesse ano, o primeiro em que dei aulas (1973/74) aconteceu o 25 de Abril e o ensino da História levou outro rumo: acabarm com ela.

 

Porém, se eu não podia, por força das circunstâncias, conduzir os meus alunos à descoberta da sua própria individualidade, deixá-los criar o seu próprio universo (nem todos vemos as árvores do mesmo modo) então melhor foi abandonar o ensino (no ano lectivo de 1974/75), e, liberta de todas as amarras, dedicar-me ao jornalismo e essencialmente à criação literária, lugar onde podemos voar até ilimitadas imaginações, com as asas do pensamento.

 

O que fundamentalmente pretendo dizer com tudo isto é alertar os agentes da educação e do ensino (um dos grandes podres da nossa sociedade) que eventualmente possam vir a ler estas palavras, para o facto de que há um tempo para a infância, outro tempo para a adolescência, outro, para a juventude, outro, para o estado adulto, e outro ainda para envelhecer.

 

Se o ser humano não passar por estes estágios adequadamente, virá a ser um autêntico fracasso enquanto indivíduo.

 

A tendência, hoje, é para “fabricar” adultos precoces, autênticos “robôzinhos” informatizados e estandardizados. Se uma criança cresce pensando e agindo como um adulto, aos vinte anos sentir-se-á velha e desencantada.

 

Quando entre esses “robôzinhos” aparece uma verdadeira criança, dizem que «é muito infantil para a idade», embora a idade seja para ser infantil. O que é feito de valores como a inocência, a ingenuidade, a candura, tão características das crianças?

 

Estão a desaparecer. Vão sendo raras aquelas que pintam árvores vermelhas de Outono, uma vez que é proibido ser criativo, ser infantil, ser criança; é proibido sonhar com bolas de sabão, porque os computadores, os tablets, os i-phones, i-pads, as consolas é que são o futuro.

 

Avançamos no século XXI. Encontramo-nos já na segunda década do século, no ano 2020. Receio que no final deste século já não hajam crianças, por muitos, muitos motivos. Apenas uma humanidade velha e esfarrapada, aquela que sobrará de uma sociedade em decadência, num planeta igualmente a caminho da extinção.

 

O facto é que não sei se o tempo, ou se os homens e as mulheres do nosso tempo pretendem exterminar aquele encanto, aquela fantasia e até os sonhos cor-de-rosa que constituem uma parte muito essencial de toda a infância.

 

Hoje, pretende-se que as crianças cresçam depressa, para não ter de se perder tempo com elas. Conheço mães que, para as substituir, oferecem cães aos filhos. E à noite, os filhos ficam sozinhos em casa, aos cuidados do amigo não-humano, e eles (pais e mães) vão à discoteca, aos bares, e nem sonham com o que, entretanto, se passa em casa com os filhos.

 

Vem depois a droga, como alternativa, e a sociedade revolta-se contra os drogados, porque são uns marginais, uns delinquentes, uns irresponsáveis, mas ninguém procura saber o que, na realidade, está por detrás dessas fugas para o mundo da total alienação. São poucos aqueles que se drogam por caírem em armadilhas ou por simples curiosidade. A grande maioria tem uma história triste para contar. Uma história que tentam esquecer, entrando num mundo que julgam ser eternamente tranquilo e colorido...

 

O que pretendem os adultos fazer com a infância?

 

É esta reflexão que proponho para este início de ano, uma vez que não existirá futuro se as crianças de hoje não puderem sorrir e sonhar... Se não puderem ser crianças...

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:09

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 4 de Dezembro de 2019

«O toureiro derrotado!» - Símbolo actual da tauromaquia

 

«O toureiro, derrotado!  Caído e desfalcado do seu título, deambula abatido e desorientado, numa arena com alguns espectadores tão perdidos!

A imagem da tauromaquia, que sobrevive graças aos subsídios atribuídos pelos governantes!» (Theodore Bagwell)

É este o símbolo actual da tauromaquia!

Toureiro vencido.jpg

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1411629105679133&set=a.249504265224962&type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

«O mega-negócio por detrás dos Bancos Alimentares»

 

«Até para se ser pobre é preciso ter sorte.
Esta é provavelmente a crónica mais politicamente incorrecta que fiz.
Mas os Bancos Alimentares contra a fome são um negócio ilegal de 50 milhões por ano. Apesar de apadrinhado pelo poder político e pela comunicação social.
Porque constituem outro tanto em sacos azuis para as IPSS que recebem o material. E inserem uma grave distorção no mercado das IPSS que viola claramente a lei da concorrência.
Porque metade das IPSS não recebem nada. Só as "eleitas" recebem. Portanto haveria pobres de primeira - os que são utentes das IPSS Amigas do Banco Alimentar, e os pobres azarados: aqueles que são utentes... das outras.
Mas digo "haveria" porque no fundo nem uns nem outros recebem sequer um pão A MAIS do que já recebiam antes.
Veja porquê.
» (João Tilly

 

Se isto é verdade, como parece que é, pois são apresentados documentos, o que andará o presidente da República Portuguesa a fazer no meio disto?

 

campanhabajonet.png

 

Se Portugal tivesse mais espíritos críticos como João Tilly e Paulo Morais, de certeza que os que ora nos governam estariam a fazer bolinhos numa qualquer pastelaria, e não por aí, a fazer-de-conta que são governantes.  

Pasmem com o que vão ouvir no vídeo! (Isabel A. Ferreira) 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 28 de Novembro de 2019

«Proíbam o clorpirifós! Um dos pesticidas mais perigosos, mantido em segredo»

 

Assinem esta petição, por favor.

https://secure.avaaz.org/campaign/po/ban_chlorpyrifos_loc/?fmCdnfb&fbclid=IwAR1Du1s_GAIFv5xyRbUQU1rzpik2uYHB9wVWRN2ktFvzJG63r9fInwtCOwk

 

As mortes devido a ingestão de alimentos envenenados por pesticidas, aumentaram substancialmente. Nunca se morreu tanto de cancro, como nos tempos que correm.

 

Mas os governantes querem lá saber da nossa saúde! Querem é enterrar o maior número possível de cidadãos, para não terem despesas. A despesa com os doentes aumenta, mas estes acabam por morrer, mais depressa do que o esperado. É nisso que os governantes apostam, servindo a indústria assassina dos pesticidas.

 

PESTICIDAS.jpg

 

O clorpirifós é um dos pesticidas mais perigosos de que já se ouviu falar, associado ao cancro, distúrbios do sistema nervoso e danos cerebrais, daí que Portugal seja um dos países europeus com mais doentes mentais.   

 

O clorpirifós é o segredo mais sujo da indústria química, sendo o campeão de vendas em todos os lugares, mas mantido longe dos órgãos de informação. Diz-se que a origem deste pesticida remonta a agentes nervosos desenvolvidos num laboratório nazi. E agora está infiltrado na nossa alimentação, no ar que respiramos e na água potável que utilizamos. 

 

Por isso, assinar esta petição é premente, para que levemos aos decisores políticos, a nossa voz com a exigência da proibição global do clorpirifós, mas também de todos os pesticidas que nos matam cada vez mais.

 

Querem acabar com a Humanidade, matando os insectos?

 

A este propósito, eis uma troca de ideias, entre mim e a minha amiga Idalete Giga, no Facebook:

 

 Idalete Giga - Mais um crime contra a Humanidade, pois este veneno está espalhado por todo o planeta. As grandes empresas multinacionais da indústria químico farmacêutica são o inferno na Terra. São uma Corporação de bandidos organizados e os (des)governos PACTUAM (!). Ora se pactuam também pertencem à mesma corporação(!) QUEM NOS DEFENDE????? (...) Já assinei a petição que está quase a atingir neste momento um milhão de assinaturas. TEMOS TODOS O DEVER DE A ASSINAR!!!

 

Isabel A. Ferreira - O meu médico disse-me que os governantes deveriam olhar mais para o que se põe na terra: esses venenos que nos envenenam e provocam cancros, que aumentaram substancialmente, nos últimos 30 anos, porque é através do que comemos, mais do que do ar que respiramos, que eles se desenvolvem. E o que fazem os governantes? Como em tudo o resto, apoiam a indústria PESTICIDA! E com isso contribuem para o elevado número de doenças cancerígenas, que estão a propagar-se vertiginosamente.

A política a este respeito é ZERO.

 

 Idalete Giga - De facto, amiga Isabel, a alimentação dos portugueses é um grave problema . Creio que não há estudos sobre este aspecto tão importante. É precisamente porque se come muito mal (saberá o actual e os anteriores governos, o que comem diariamente dois milhões de portugueses atirados como lixo, para a pobreza?) que a saúde da maioria da população portuguesa é má. E se o corpo está doente, como pode a mente ser sã? Hoje ouvi uma notícia terrível, (que já não é novidade para mim) e vem precisamente ao encontro do que acabo de escrever. Portugal é o País europeu com mais doentes mentais e, como consequência, o que consome mais drogas ansiolíticas, etc., etc. Isto não pesa na consciência dos políticos que têm desprezado a alimentação da população portuguesa????? OS ASSASSINOS PREFEREM AJUDAR A ENGORDAR OS LUCROS FABULOSOS DA INDÚSTRIA QUÍMICO-FARMACÊUTICA (!!!!!) Possivelmente também têm acções na Bolsa e Off-shores nos paraísos fiscais. Se assim não fosse, a saúde dos portugueses seria bem diferente. Estes canalhas não vêem que quanto mais doentes há mais a despesa pública aumenta?????

 

Isabel A. Ferreira - Idalete Giga exactamente. As mortes devido à ingestão de alimentos envenenados, aumentaram substancialmente.

Os governantes querem lá saber da nossa saúde! Querem é enterrar o maior número de cidadãos, para não terem despesas. A despesa com os doentes aumenta, mas eles acabam por morrer, mais depressa do que o esperado. É nisso que os governantes apostam, servindo a indústria assassina dos pesticidas.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:33

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019

"Alexandra Borges": o lado oculto das corridas de galgos em Portugal

 

Os que se divertem com o sofrimento animal não são gente, por isso, não sentem como gente.

 

Imagem galgo.png

 Antes e depois da barbárie.

 

A investigação da TVI mostrou-nos os bastidores das corridas de Galgos, um negócio absolutamente abjecto, que rende milhares de Euros. Como não existe legislação para este tipo de crime, usa-se e abusa-se destes magníficos Cães, que sofrem horrores às mãos de monstruosos carrascos, e quando já não servem para “fazer dinheiro” são mortos ou abandonados desalmadamente.

 

Vi a reportagem e fiquei horrorizada!

 

Como é possível, no meu país a existência desta barbárie, que também se estende a outros animais, como Touros e Cavalos, que não são considerados sequer animais, na óptica dos governantes.  

 

Existe uma Lei de Protecção Animal, mas não sai do papel.

 

Continuamos a ver Cães acorrentados, à chuva e ao sol, nas barbas da GNR, maltratados; outros confinados a varandas e  terraços, denunciados, mas ninguém age. E eles lá ficam abandonados à sua sorte. 


Que país é este, que permite maltratar os seus animais não-humanos, que, na verdade, são mais humanos do que os desumanos que os maltratam?

 

Enquanto no Parlamento existirem trogloditas, Portugal não evoluirá.

  

Eis o vídeo da reportagem.

https://tvi24.iol.pt/videos/sociedade/alexandra-borges-o-lado-oculto-das-corridas-de-galgos-em-portugal/5da61f920cf2fd5727769cf6

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 10 de Agosto de 2019

SEIS FORCADOS FERIDOS, DOIS COM GRAVIDADE, NUMA SESSÃO DE TORTURA DE TOUROS EM TOMAR, APOIADA PELO GOVERNO PORTUGUÊS

 

Quem anda à chuva molha-se, e quando é por gosto e com apoio dos governantes, não estará tudo bem?

 

O pior disto tudo, é que somos todos nós, com os nossos impostos, a pagar os tratamentos a estas criaturas cobardes, que vão para as arenas torturar Touros moribundos, por GOSTO, e para divertir os SÁDICOS.

Os Touros, em legítima defesa, reúnem as derradeiras forças, e marram (e têm esse direito) para defender a VIDA, e os cobardes choram, não aprendem nada, e quando ficam estropiados querem ser ajudados!... Por alma de quem?

 

naom_5d15274e2693e.jpg

Origem da imagem:

https://www.noticiasaominuto.com/pais/1303098/seis-forcados-feridos-dois-com-gravidade-na-corrida-de-touros-de-tomar

 

A notícia refere que as vítimas pertencem ao Grupo de Forcados Amadores do Montijo e ao Grupo de Forcados Amadores de Tomar.

 

Vítimas? Que vítimas? Se a única vítima ali é o Touro moribundo, atacado por cobardes. Os cobardes foram para arena por livre e espontânea vontade. O Touro foi levado para a arena à força. Portanto, os forcados não são vítimas. Estavam ali apenas a pedi-las.

 

Se estivessem a TRABALHAR na lavoura, não teriam sido colhidos por um Touro, que apenas se defendeu dos ataques cobardes dos forcados.

 

Ai sofreram traumatismo cervical grave? Lesão no ombro? Pancadas? Perfuração de pulmão? Fracturação de costelas? Escoriações várias?

 

Esperavam o quê? Que o Touro lhes fizesse festinhas? O Touro cumpriu o derradeiro dever de defender a própria VIDA.

 

Os forcados estavam lá para DAR CABO DELE.

 

Querem o quê? Que lamentemos? Não aplaudimos, mas não choramos baba e ranho por carrascos de seres vivos.

 

Lamentamos, sim, os pobres Touros moribundos, que caem nas mãos dos cobardes forcados.

 

Lamentamos também que os cobardes se divirtam a torturar bovinos, que pertencem às lezírias, não, às arenas.

 

Lamentamos que o governo português apoie esta deformação mental que se prolonga desde a Idade das Trevas, e ainda a mantenha em pleno século XXI depois de Cristo.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:10

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos (1)
Segunda-feira, 29 de Julho de 2019

AEROPORTO DO MONTIJO: UM ESTUDO AMBIENTAL À MODA DE PORTUGUESINHOS

 

O estudo ambiental pedido pelo governo, viabiliza aeroporto do Montijo, mas alerta para as ameaças às aves e ruído.

Só esta ameaça às aves e ruído (que prejudica a saúde das populações) já seria bastante para INVIABILIZAR o aeroporto.

Mas em Portugal é assim: faz mossa? Faz. Então avance-se.

Uma vez mais o governo português tenta atirar areia para os olhos de quem VÊ. Encomenda o estudo, e o estudo reflecte o que os governantes querem.

Mas espero que o POVO, de olhos bem abertos, se oponha a mais esta NEGOCIATA.

É que o resultado do impacte ambiental é DESASTROSO para o ambiente (fauna e flora) e para a saúde da população.

Mas para os governantes, o que é que isso interessa? NADA.

O que interessa é a negociata, que está por trás disto tudo.

 

ponte-vasco-da-gama3-890x668.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:57

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 11 de Junho de 2019

DISCURSO DE JOÃO MIGUEL TAVARES NO DIA 10 DE JUNHO 2019

 

Muito bom, João Miguel Tavares. Não esperava outro discurso vindo de quem vem. Portugal precisa de mais gente como o Miguel, que esteja atenta e não tenha medo de falar, para que os governantes ouçam e saibam e apreendam que nem todos, no país, andam a dormir.

 

 

Os discursos que  João Miguel Tavares proferiu nas celebrações do Dia 10 de Junho não agradaram às hostes políticas.

 

Porém, nos tempos que correm, onde a Partidocracia domina, e a Democracia é uma falácia, o João disse umas boas verdades, que incomodaram os que nada fizeram e os que nada continuam a fazer para cumprir a Revolução de Abril.

 

Não podemos, nem devemos regressar ao passado, ao antes do 25 de Abril. Obviamente. Não devemos.


Mas também não podemos, nem devemos viver eternamente neste caos, que actualmente está instalado em Portugal. Não há uma Cultura Política. A política não é exercida com ética, com dignidade, com verdade.


Precisamos de um vislumbre de FUTURO, e não o temos.


O João limitou-se a AGITAR as águas, demasiado estagnadas.

De vez em quando é preciso OUSAR. E ele OUSOU.

Por isso, merece o meu aplauso.

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:41

link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 14 de Março de 2019

«ÉTICA E AUDIÊNCIAS»

 

Um magnífico texto assinado por Teresa Botelho, no Blogue «Retalhos de Outono»

Subscrevo inteiramente tudo o que a Teresa escreveu.

 

R DE OUTONO.jpg

 

in Retalhos de Outono

https://retalhosdeoutono.blogspot.com/2019/03/etica-e-audiencias.html?fbclid=IwAR2ZZF7xGAKWyzH-ETQaI-q9NXQ97b20yWccZS5KRHlLdS8o5RENo3n0fjg

 

Por Teresa Botelho

Quarta-feira, 13 de Março de 2019

 

«Sempre achei que os cravos de uma certa "revolução" serviram de pouco, porque continuou a desigualdade, a injustiça, a corrupção e a propositada cegueira de um Estado que prega valores atraiçoando-os despudoradamente a cada passo...

 

Por mais triste que seja, esta é a sina que nos resta por sermos obedientes, comodistas, inseguros e nada exigentes, quanto ao efectivo crescimento intelectual e vanguardista que o passar dos tempos continuamente nos exigem.

 

Em Portugal, a mulher comum, continua a ser o objecto negociável, traída nos seus direitos e dignidade, escrava de trabalho árduo mal pago e mola essencial à construção de uma economia que apesar de anémica, continua enriquecendo alguns, mas passando sucessivamente ao lado de quem dá o seu suor pelo pão de cada dia.

 

A cultura, a informação, o raciocínio e a acção, são as maiores ameaças para certas sociedades arcaicas que ainda fazem questão de dominar através de falsas retóricas moralistas, ou até religiosas, com a adequada conivência dos média, cuja disfarçada manipulação, é a arma inequívoca e fundamental para tais projectos de controlo e supremacia machistas.

 

Não é, portanto, de admirar que após a explosão das contestações no dia da Mulher, tivessem surgido logo, certos programas abjectos nos dois canais mais populares da nossa televisão que infestam, desacreditam e violam as mais justas reivindicações exigidas por quem lutou e se manifestou por todo o país, insurgindo-se contra uma justiça bolorenta que não responde, nem protege quem por ela implora.

 

As palavras e as tímidas presenças dos nossos governantes em certos eventos em prol da igualdade de género, são apenas mais uma das comédias tão politicamente correctas que apenas revelam o estado de abandono a que este povo tem sido votado ao longo dos anos, mas também a ignorância e a falta de interesse que nos torna vítimas e culpadas/os da nossa pacatez e do estado de dormência em que nos deixámos afundar.

 

Constata-se assim que estes programas   indignos e ofensivos à dignidade feminina, não passam de manobras reaccionárias de suja humilhação, propositadamente lançados após o mais aguerrido 8 de Março que recordo em Portugal e que teve como rastilho as declarações homofóbicas de um juiz e a morte de 13 mulheres em pouco mais de dois meses.

 

Que tipo de gente se presta a estas actuações públicas, divertindo quem, inconscientemente ou por simples ignorância, contribui para os colocar no topo das audiências?

 

Que tipo de comunicação social e de Entidade Reguladora é esta que permitem que se arraste em praça pública a dignidade de quem não a tem, mas cujo evidente atraso cognitivo é assim explorado e tão engenhosamente exposto?

 

Quem são estes "machos" bouçais de trazer por casa que escolhem fêmeas como quem apalpa fruta no mercado e que mulheres são estas que se prestam a tão vergonhoso papel?

 

Acaso as suas vaginas famintas passaram a comandar os seus cérebros ocos, ou acharão que por aparecerem no "boneco", se tornarão heróis e heroínas, cuja fama se perpetuará em revistas de wc?

 

Nascer mulher, é o privilégio de ser mãe, de educar o mundo com a nossa pegada firme, transpondo os obstáculos com um sorriso, mesmo quando o caminho é árduo e incerto, mas sem nunca baixar a bandeira da dignidade e da força!

 

Jamais a obediência nos deverá derrubar, nem o pranto servir de desculpa ao enxovalho, apatia e resignação, porque ser mulher, é a determinação e o vigor que irrompem das nossas fragilidades, para que possamos seguir em frente com respeito por nós próprias, a auto estima sem mossa, a consciência limpa e o orgulho de ser quem somos!»

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:21

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Janeiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
15
19
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

É inadmissível que uma pr...

(Des)concerto de Ano Novo

«O toureiro derrotado!» -...

«O mega-negócio por detrá...

«Proíbam o clorpirifós! U...

"Alexandra Borges": o lad...

SEIS FORCADOS FERIDOS, DO...

AEROPORTO DO MONTIJO: UM ...

DISCURSO DE JOÃO MIGUEL T...

«ÉTICA E AUDIÊNCIAS»

Arquivos

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt