Sábado, 16 de Setembro de 2017

MAIS UM FORCADO ATIRADO À MORTE POR AFICIONADOS

 

Atirado à morte por aficionados e aplaudido por sádicos, numa arena quase vazia, na Moita, mais um forcado morre de uma morte insana, inútil e inglória.

E é isto que querem elevar a património cultural

Não estava lá por obrigação, mas por devoção à barbárie.

A Lei do Retorno anda por aí, infalível e implacável…

É que Deus suporta os maus, mas não eternamente, já dizia Miguel de Cervantes, autor de «Dom Quixote de la Mancha», o qual viu os seus carrascos serem mortos, um a um.

Mais uma morte, carimbada pelo governo português.

Quantos mais precisarão de morrer, para que se acabe com esta estupidez?

 

FORCADO.jpg

 

Morreu esta manhã, o forcado Fernando Quintela, que não resistiu às fortes hemorragias internas, que sofreu, ontem, quando o Touro que torturava, também ele com hemorragias internas, sofridas ao lhe serem espetadas bandarilhas, o colheu, em legítima defesa, em mais uma sessão de selvajaria na Moita.

 

Os tauricidas aproveitaram-se logo desta morte, para fazer propaganda à ganadaria que “forneceu” o Touro, para ser sacrificado em nome do vil metal e do sadismo, e ao grupo de forcados a que pertencia o falecido, que tinha apenas 26 anos.

 

Os aficionados atiraram mais um jovem para a morte, e estavam a aplaudi-lo quando foi colhido pelo Touro moribundo.

 

E do que é capaz um animal, seja humano ou não humano, quando está moribundo, e reúne as suas derradeiras forças para se defender!

 

Quantos mais terão de morrer?

Até quando?

 

E pensar que esta barbárie acaba de receber, por vias obscuras, 200 mil euros do Orçamento Participativo Portugal (OPP), para que continuem a morrer, insanamente, jovens forcados e toureiros e Touros e Cavalos… Se esta selvajaria vier a ser património, será o património da morte nas arenas.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da notícia e da imagem:

http://touroeouro.com/article/view/14915/faleceu-o-forcado-fernando-quintela

 

***

E NA MOITA É ASSIM…

 

Duas pessoas baleadas nas “festas” da Moita, no distrito de Setúbal.

Como se a morte do forcado Fernando Quintela já não bastasse, hoje, nas “festas” da Moita, duas pessoas foram baleadas, tendo sido transportadas para o hospital, informou fonte da GNR, sem adiantar mais pormenores.

O caso foi entregue à Polícia Judiciária.

 

Fonte da notícia:

https://www.noticiasaominuto.com/pais/865255/duas-pessoas-baleadas-nas-festas-da-moita

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 1 de Fevereiro de 2014

«COMO PENSA UM MÉDICO VETERINÁRIO E GANADEIRO»

 

«Argumento que o touro nasceu para ser toureado; que o touro não sente dor, não sofre. Argumento que o touro não é torturado. E que com o fim da tauromaquia, o touro extinguir-se-á.

 

Dou estes argumentos, mas não os provo, com provas científicas sérias.

 

Procuro sistematicamente prová-los, utilizando, por exemplo os argumentos do Ilhera, mesmo que saiba de ante mão, que tais argumentos não foram cientifica e eticamente provados, mesmo que saiba que os argumentos do Ilhera e de outros, no mesmo sentido, não foram publicados na Revista Científica Nature e nem em nenhuma outra Revista Científica internacional

 

Andei vários anos numa faculdade, a tirar o curso de Medicina Veterinária.

 

Durante o curso, jurei cumprir o código deontológico da Medicina Veterinária. Mas, depois, resolvi mandar o código deontológico veterinário para o lixo. Se não, não me teria tornado ganadeiro.

 

Para mim, por dinheiro vale tudo. E se por dinheiro, tenho de ignorar por completo o código deontológico da Medicina Veterinária, paciência. Afinal, o que quero é ganhar dinheiro. E ganhar dinheiro, para mim, é muito mais importante do que a ética profissional.

 

Por fim, a Ordem dos Médicos Veterinários sabe de tudo isto e assobia para o lado!

 

É desta forma que o Médico Veterinário e Ganadeiro pensa!

 

Mário Amorim»

 

in:

http://novoblogantitouradaportugal.wordpress.com/2014/01/31/como-pensa-um-medico-veterinario-e-ganadeiro/

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:54

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 22 de Março de 2013

A ENGORDA DOS TOUROS NAS GANADARIAS VIOLA AS NORMAS SANITÁRIAS DA DIRECÇÃO-GERAL DE VETERINÁRIA E NÃO EXISTE FISCALIZAÇÃO

 

 

(Este texto, assinado pela "engrácia" foi publicado no âmbito de uma estratégia para desmascarar a prótoiro que, utilizando o nome da Ganadaria Palha, entregou-me pistas preciosas para chegar ao mundo imundo da tauromaquia)

 

 

***

 

Um testemunho real, contado na primeira pessoa, por uma heróica mulher, que casou (contra a vontade) com um ganadeiro, e agora criou coragem para “gritar” o que teve de calar durante 27 anos

 

 

 

«Bom dia Isabel.

 

Tentei ontem enviar-lhe uma mensagem para falarmos um bocadinho mas não sei o que se passou com a Internet aqui e fiquei sem acesso. Estava sempre a cair e eu não conseguia ver nada.

 

Mas vi que alguns dos aficionados foram atacar a Graziela por ela ter partilhado o seu texto lá num fórum de debate. Sei muito bem que eles não querem estas coisas ignóbeis reveladas e tentarão descredibilizar os nossos testemunhos. Mas não vão conseguir.

 

Quando engravidei ainda não tinha 17 anos. Casei porque uma menina naquela altura grávida e ainda por cima menor era uma vergonha para as famílias. O que sabia eu da vida Isabel? Nada. Era apenas uma menina que queria apenas estudar e brincar e viver a minha vida.

 

Isso foi-me roubado com a agravante de ter sabido anos mais tarde que o meu pai recebeu em gado (vacas) por parte do ganadeiro o suficiente para se calar e não fazer queixas.

 

Se há um Deus Isabel, e eu espero bem que sim, espero também que um dia os perdoe e me perdoe a mim por ter sido conivente com esta barbaridade toda a que assisti durante 27 anos. Senti-me durante anos como uma moeda de troca que não valeu mais do que algumas cabeças de gado.

 

É curioso que depois de tanto sofrimento tenha encontrado no Facebook o apoio de pessoas como a Isabel e que me compreendem e apoiam não me apontando o dedo.

 

Uma das coisas que eu sempre assisti e sei que é verdade era como se processava a engorda dos toiros. Eles chamam-lhe o remate. Rematar um toiro não é mais do que pôr-lhe a carne e peso suficiente para que possa ir para a praça. Eles têm pesos mínimos para as diferentes praças, consoante sejam de 1ª, 2ª ou 3ª categoria.

 

O que lhe vou contar é gravíssimo pois viola mesmo normas sanitárias, da Direcção-Geral de Veterinária e até normas da Comunidade Europeia. Viola tudo o que está definido nas normas de bem-estar animal.

 

Para não gastarem muito dinheiro normalmente os toiros vão para o remate apenas 5 ou 6 meses antes de serem vendidos para as touradas. É sabido que os animais comem a ração que lhe dão e por vezes vemos os mesmos animais a comerem ração que não lhes é destinada. Neste caso usa-se a ração dos suínos, pois tem hormonas e antibióticos que são legais na comunidade europeia mas apenas para os suínos.

 

Dizem eles que essa ração dos suínos e esses componentes aceleram o crescimento dos bovinos e por isso utilizam-na sem restrições.

 

O problema é que esta ração de suínos dá aos bovinos diarreias e cólicas horríveis que os mesmos têm de suportar. A Isabel já se perguntou porque quase todos os toiros quando saem a praça estão sempre sujos e com diarreias?

 

Está aqui a razão. Partilho isto consigo pois entre tantos que lêem o seu blogue poderá haver alguém que consiga uma fiscalização a uma ganadaria. Seria interessante saber porque eles compram tanta ração de suínos, quando muitos, não têm sequer os mesmos.

 

Isto é crime Isabel.

 

Quanto ao ataque que eles estão a fazer contra a Graziela e o seu texto não se preocupe. Terei muito gosto em entregar-lhe algumas fotos que tenho e que provam isto tudo. Apenas terei de as ir buscar ao Alentejo.» (Maria Engrácia Facas)

 

***

 

Obrigada, Maria Engrácia.

 

A História faz-se com gente corajosa.

 

E o mundo evolui quando uma mulher heróica decide que JÁ BASTA!

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:58

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 3 de Janeiro de 2012

PELA ABOLIÇÃO DA TOURADA - RESPOSTA A UM GANADEIRO ESPANHOL QUE ME INTERPELOU (I PARTE)

 

 

(É esta "arte" que existe no toureio, que o señor R. teme

que eu não esteja aberta para ver?)

 

 

PELA ABOLIÇÃO DA TOURADA

 

(Obs: Abstenho-me de identificar o ganadeiro, por uma questão de delicadeza, uma vez que esta questão está a ser tratada em mensagens privadas, e só a torno pública pelo interesse do seu conteúdo para a Causa)

 

Escreveu-me um ganadeiro espanhol, numa mensagem, a propósito de um comentário que fiz sobre um seu toureiro:

 

«No sé si Vd. ha asistido a una corrida de toros, ni qué conocimientos taurinos tiene. Yo admito que en estos tiempos en que la bravura y casta de los toros ha disminuido hasta el punto de que una buena parte de los toros actuales no quieren pelear e incluso huyen de los toreros y se acobardan, no deberían ser lidiados. También admito que una parte de las corridas pudieran modificarse y reducir el castigo que recibe el animal, básicamente porque no lo necesita para ser dominado por el torero.
Tal vez no haya interpretado bien el significado que Vd. quiso darle a su frase: «Este tipo tiene ceguera mental». Pero teniendo en cuenta que Vd. conoce perfectamente el idioma español, deberá saber que el calificativo  “tipo” tiene sentido despectivo y por “ceguera mental” entiendo que es calificarle de idiota, tonto, memo, bobo, etc.

 

Conozco su biografía y sé que es Vd. una persona culta y razonable, pero demasiado apasionada cuando ataca a las corridas de toros, me temo que no esté abierta a ver lo que de arte hay aprovechable en el toreo.
Si entráramos en contacto más prolongado tal vez me convenciera Vd. de que la solución está en suprimir totalmente las corridas o tal vez le convenciera yo de que no hay que suprimirla, sino modificarla.
Yo estoy dispuesto a continuar tratando sobre nuestra discrepancia, si Vd. cree que vale la pena.»

 

Respondi-lhe o seguinte:

 

Senõr R.:

 

Tenho por hábito NÃO falar daquilo que não sei. É óbvio que para defender, como defendo, a abolição TOTAL da corrida de Touros, já assisti a uma, uma só, e bastou, porque tive de sair a meio do primeiro Touro, tal as náuseas que me causou ver o que vi: sangue a jorrar do Touro e do Cavalo, dois magníficos e inocentes seres vivos, a serem cruelmente torturados numa arena, diante de uma assistência apatetada, que aplaudia cada jorro de sangue que manchava o chão.

 

Não, señor R., aquele era um espectáculo demasiado bárbaro, cruel e primitivo para a minha sensibilidade.

 

Naturalmente que também tenho os conhecimentos taurinos suficientes para dizer que a tauromaquia não passa de uma “arte” de torturar um ser vivo, com requintes de malvadez, executada por um covarde.

 

A bravura e a casta dos touros nunca estiveram em causa. Eles são o que são, por natureza. E para entrarem numa arena vão já enfraquecidos pelas barbaridades que sofrem ANTES da lide. E o que vemos na arena é um torturador metido a valente, diante de um ser vivo debilitado pela atrocidade que já sofreu. Basta retirar um touro do pasto e metê-lo num transporte para que ele entre em stress e já não seja o Touro INTEIRO que pastava tranquilamente no campo.

 

Quando o señor R. refere «también admito que una parte de las corridas pudieran modificarse y reducir el castigo que recibe el animal»… CASTIGO? Castigo porquê? O Touro não é cruel para com o homem, porque haverá o homem de ser cruel para com o Touro? CASTIGO porquê? Se o Touro não está na arena por sua livre e espontânea vontade, e não fez qualquer mal à humanidade? É um ser completamente inocente. É como levar um niño pequenito para ser sacrificado aos deuses (como era TRADIÇÃO em alguns povos primitivos).

 

Quando escrevi aquela frase: «este tipo tem cegueira mental» estava a escrever para portugueses, e TIPO em Portugal, é o mesmo que sujeito, indivíduo, fulano. Não gosto de chamar HOMEM a quem não é HOMEM, porquanto um verdadeiro HOMEM não maltrata um ser que está em desvantagem perante ele. Um torturador de Touros tem espadas, tem bandarilhas, ferros, e o Touro? Ao torturador chamo COVARDE, não HOMEM. E um covarde para mim é um tipo desclassificado. Um tipo.

 

Entendeu mal, sim, Señor R.. Um “cego mental” é aquele que não consegue VER O ÓBVIO. Se não conseguindo ver o ÓBVIO é tonto, idiota, memo... bem, isso já fica por conta de quem interpreta.

Sim, sou uma pessoa culta e razoável, e muiiiiito apaixonada por TOUROS e por CAVALOS e em geral por TODOS os animais não humanos, meus IRMÃOS, que partilham o mesmo Planeta que eu, e têm uma VIDA tal como EU. E defendo-os com todas as minhas garras, tal como defendo los niños, los viejos, las mujeres y los hombres agraviados. Faz parte da minha natureza humana.

 

E na minha cultura não vejo qualquer “arte” no toureio, a não ser a arte da crueldade, com muito requinte de malvadez, señor R.. A arte para mim, é a Música, a Dança, a Pintura, a Escultura, a Literatura, o Teatro, o Cinema, e a Arte Circense, SEM ANIMAIS.

 

A arte não pode incluir CRUELDADE, TORTURA, SANGUE E MORTE.

 

A minha luta é pela ABOLIÇÃO TOTAL de TODOS os espectáculos onde os animais não humanos são utilizados: circos, touradas, lutas, jardins zoológicos, enfim, tudo o que retire o animal do seu habitat natural e o faça viver uma vida para a qual não nasceu. O TOURO e o CAVALO não são excepções. Não poderão existir touradas “modificadas”. NUNCA. O Touro tem o DIREITO de viver a sua vida tranquilamente. Não nasceu para ser TORTURADO numa arena. Tal como EU. Tal como o señor R..

 

Lembre-se señor R., ele é BIOLOGICAMENTE IGUAL a Vd. e a mim. Nós somos tão animais como ele.

 

Coloque-se no lugar do Touro. Lembre-se do que os romanos faziam com os gladiadores: homem contra homem, mas também leões e tigres contra homem, mas aí levavam vantagem os animais não humanos: estavam esfomeados. E que eu saiba, acabou-se o circo romano, mas não se extinguiram os leões e os tigres.

 

Portanto, senõr R., nunca conseguirá fazer-me aceitar a corrida de Touros, como está ou “ modificada”, porque ela é algo ANÓMALO sob o ponto de vista HUMANO.

 

Termino esta exposição das minhas ideias com uma citação que, creio, diz muita coisa:

 

«Estou disposto a acreditar que sempre que o cérebro começa a gerar sentimentos primordiais – isso poderá acontecer bastante cedo na história evolutiva – os organismos tornam-se sencientes numa forma primitiva. A partir desse momento, poderá vir a desenvolver-se um processo de eu [self] organizado que se acrescenta à mente, garantindo assim o início de mentes mais complexas. Os répteis, por exemplo, merecem esta distinção, as aves mais, e para os MAMÍFEROS não há qualquer dúvida».

 

António Damásio, in «O Livro da Consciência»

 

Lembre-se, señor R., o TOURO é um MAMÍFERO SUPERIOR, tal como eu e Vd..

 

A tauromaquia é uma acção patológica, de desvio de personalidade. Ninguém em sã consciência se atira para cima de um ser vivo com farpas e espadas para o retalhar, por gozo e com gozo.

 

Isabel A. Ferreira

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:54

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

MAIS UM FORCADO ATIRADO À...

«COMO PENSA UM MÉDICO VET...

A ENGORDA DOS TOUROS NAS ...

PELA ABOLIÇÃO DA TOURADA ...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt