Sexta-feira, 2 de Abril de 2010

AQUELE HOMEM CHAMADO JESUS...

 

(Origem da foto: Internet)

 

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2010

 

Desde aquele longínquo dia, quando no alto do monte Gólgota, um Homem entrou em agonia, pregado numa cruz, entre dois ladrões, como se fosse o mais comum dos criminosos, os seguidores da doutrina por esse mesmo Homem deixada, celebram o acontecimento para lembrar ao mundo o significado daquela que não foi uma morte qualquer.

 

Não direi que todos os católicos celebrem a Páscoa tão levianamente como vivem a própria vida, salpicando de hipocrisias os mais insignificantes actos do seu quotidiano: dizendo-se cristãos mas agindo como pagãos.

 

Contudo, poucos são aqueles que, sendo cristãos, vivem de acordo com os preceitos do Cristianismo, isto é, segundo os ensinamentos deixados por Cristo, os quais têm o dom de fazer os Homens serem mais Homens, e conceitos como igualdade, fraternidade, liberdade e justiça, imprimirem um conteúdo mais humano à nossa vida.

 

Todos nós, uns mais outros menos, algum dia, damos um rumo à nossa existência, inspirados no exemplo de alguém que nos marcou por algum motivo, e que nos serviu de exemplo. Todos nós temos um ídolo, ainda que secreto.

 

Eu demorei a descobrir o meu ídolo, e era das que me gabava de não os ter. Hoje, sem ser fanática, tenho o Homem chamado Jesus, como um exemplo de vida, com a sua humildade, a sua simplicidade, mas também com a força para combater os vendilhões do templo, quando necessário.

 

Um dia, do alto de um Mosteiro sobranceiro à belíssima baía da Guanabara, no Rio de Janeiro, um monge ajudou-me a descobrir, ali mesmo, olhando as águas calmas da baía e o exuberante arvoredo que a rodeava; ouvindo o gorjeio das aves, que interrompiam, de quando em vez, os cânticos gregorianos que alguns monges entoavam no claustro; debaixo daquele magnífico azul de um céu onde não se via sequer uma nuvem – que a vida deve ser vivida de acordo com a nossa consciência, tendo sempre em conta que devemos amar o nosso semelhante como a nós mesmos, tal como o Homem de Nazaré amou o seu povo, por ele lutando e por ele morrendo.

 

Foi então que cresceu em mim um súbito interesse por conhecer, a fundo, esse Homem chamado Jesus, que tão profundas modificações trouxera ao poder estabelecido de Roma, transformações essas que fizeram tremer os poderosos governadores da Província e até imperadores.

Quem era, afinal, esse Homem?

 

Era acima de tudo um anarquista pacifista, no sentido político da palavra. Um Homem que, independentemente da sua condição divina, desafiara o poderio romano que escravizava o povo, e introduziu na Palestina conceitos de reformas sociais nunca sonhadas pelos senhores de Roma.

 

Jesus era também um idealista, considerando o mundo exterior como resultado das ideias, sem qualquer objectividade em si mesmo, tão-somente como a de um trampolim para alcançar um lugar junto do divino Pai.

 

Era Jesus um humanista, pois realçava, acima de todas as coisas terrenas, as qualidades essenciais do Homem, que o tornam uma criatura peculiar.

 

Jesus era igualmente um ecologista, porquanto não descurava as coisas relativas aos seres e ao ambiente que os rodeava.

 

Ele era, sobretudo, um Homem inteligente, um visionário, que conseguia ver muito para além do visível, e sabia usar toda a sua inteligência a favor do Homem, fazendo do amor ao próximo a essência de todo o comportamento das sociedades humanas.

 

...

 

A partir daquele dia, comecei a estudar a figura de Jesus e a tê-lo como um exemplo. E, de todos os grandes Homens que já existiram neste nosso Planeta, contribuindo com os seus conhecimentos e ensinamentos para o aperfeiçoamento da vivência humana, foi Jesus aquele que mais contributos nos deixou.

 

Foi ele quem descobriu a trilogia: Liberdade, Igualdade, Fraternidade (mais tarde utilizada durante a Revolução Francesa), afinal, os princípios que os Homens precisam pôr em prática para viverem a racionalidade que os distingue (ou deveria distinguir) dos outros seres.

 

Infelizmente a Paixão e Morte de Jesus, que hoje o mundo católico celebra, através de várias cerimónias religiosas, não serviram de exemplo para a grande maioria daqueles que se dizem cristãos.

 

Pelo que vemos, ouvimos e lemos todos os dias; pelas atitudes torpes perpetradas por aqueles que nos rodeiam; pelo ódio, pela violência e pela injustiça que nos envolvem, verificamos que, na realidade, nada ficou na memória dos Homens, daquele dia em que um Homem agonizou, pregado numa cruz, no Monte Gólgota.

 

Foram poucos aqueles que entenderam o verdadeiro significado daquela morte.

 

Como o mundo seria diferente, se todos os Homens recordassem, todos os dias, que aquele Homem chamado Jesus nos deixou a mais bela lição de amor ao próximo, que jamais nenhum outro Homem conseguiu igualar!

 

A sua morte aconteceu em vão, pois os homens, cegos pelo poder, nada aprenderam até hoje, e continuam a transformar o mundo num campo de extermínio de seres humanos e de seres não humanos, tal como os romanos agiam no tempo de Jesus.

 

...

 

Nesta Páscoa de 2010, espero que todos aqueles que vão sentar-se ao redor de uma mesa, no próximo domingo, a comer seja lá o que for, para celebrar, com pompa e circunstância, a Ressurreição de Cristo, reflictam bem nos seus actos e descubram quanta hipocrisia se esconde em cada fatia de pão-de-ló, em cada amêndoa, em cada iguaria que ingerem!

 

Não entenderam nada de nada!

 

Contudo, se nem Jesus Cristo conseguiu, quem sou eu para pretender que os homens maus se transformem em cordeirinhos da Páscoa?

 

Tomo, porém, a liberdade de considerar hipócritas todas aquelas pessoas que se dizem cristãs ou católicas, nas ocasiões festivas, e os seus actos do dia a dia mostram que nada sabem dos ensinamentos daquele Homem chamado Jesus, que há mais de dois mil anos nos deixou a mais bela lição de vida.

publicado por Isabel A. Ferreira às 13:31

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

AQUELE HOMEM CHAMADO JESU...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt