Segunda-feira, 21 de Setembro de 2015

NA MOITA MORRE-SE ESTUPIDAMENTE, MAS A “FESTA” PARVA CONTINUA…

 

Foi sempre assim…

 

 

Rezam as crónicas que, neste ano de 2015, morreu um indivíduo de cerca de 70 anos e 17 ficaram feridos, nas largadas de Touros na Moita em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem

 

Mais uma Nossa Senhora a ser celebrada com sangue…

 

Clarisse Santos, da Comissão de Festas, lamentou a grave colhida que resultou numa morte, mas explicou (como se a morte estúpida de alguém pudesse ser explicada) e defendeu (como se a estupidez pudesse ser defendida) que as largadas de Touros são uma “tradição” para manter nas festas da Moita, até porque o resto das largadas, ainda que com 17 FERIDOS decorreu dentro da normalidade.

 

Ou seja, no ano passado também morreram dois indivíduos durante as largadas das Festas da Moita depois de terem sido colhidos por Touros e foi tão normal, tão normal que este ano repetiu-se a façanha.

 

 

Repare-se na NORMALIDADE da cena. O que aconteceu ali? Nada. Morreu alguém? O que importa? A “festa” deve continuar. Não é assim, senhora Clarisse? É tradição MORRER-SE na Moita, por tão pouco...

 

A organizadora desta “festa” parva defende-se dizendo que para além do espaço das largadas estar vedado e o perigo assinalado (estará?) conta com bombeiros em vários pontos da avenida, para assistir os feridos em caso de necessidade, e com uma equipa médica em permanência durante as largadas, como se as largadas fossem um estado de catástrofe iminente, provocado pela previsão de um terramoto.

 

E quem paga tudo isto?

 

Obviamente todos nós, com os nossos impostos.

 

E tudo para que um punhado de sadomasoquistas se divirta…

 

Pois, senhora Clarisse, não há que lamentar coisa nenhuma, quanto ao que se passou na Moita com os que se deleitam a atormentar Touros, e levam a pior, porque os Touros têm toda a legitimidade de se defenderem, e matar ou estropiar os seus carrascos.

 

Qualquer um de nós o faria também se estivesse no lugar do Touro.

 

Temos de lamentar é o facto de o governo português permitir que esta selvajaria AINDA aconteça no Século XXI da era Cristã.

 

Será que ninguém ainda se apercebeu de que já não estamos mais no tempo das trevas?

 

Pobres mentes que vivem nas mais profunda ESCURIDÃO!

 

O que acabámos de ouvir é a estupidez no seu estado mais puro, com o supremo aval do governo português. Isto só na Moita. Isto só em Portugal! Isto só num país onde não se tem a noção do ridículo.

 

Não aprenderam nada, com as mortes já “morridas”. Morra quem morrer.

 

Mas a culpa é das autoridades locais e nacionais, que permitem estes verdadeiros suicídios, porque só está ali quem quer e bem PROTEGIDO por uma lei idiota.

 

Para o ano haverá mais desta "festa" parva. Morra quem morrer. Não é assim, senhora Clarisse?

 

O que importa uma vida, duas vidas ou todas as vidas?

 

Que estes vídeos corram mundo, e permitam que a morte deste indivíduo (que já a desafiou várias vezes, e Nossa Senhora da Boa Viagem, este ano, decidiu fazer-lhe a vontade) não tenha sido em vão.

 

Deixem que se mostre ao mundo o que o governo português permite acontecer na Moita.

 

E que esta possa ser a ÚLTIMA MORTE.

 

Só assim, este indivíduo que morreu tão estupidamente, graças a um costume bárbaro entranhado na pele dos que nasceram na Moita, poderá descansar em PAZ, lá… onde agora estiver…

 

A largada de touros, bem como todas as modalidades da selvajaria tauromáquica são a tradição dos broncos, a cultura dos ignorantes, a arte dos imbecis e a identidade cultural dos incultos, que os retrógrados governantes portugueses irracionalmente legitimam…

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 1 de Junho de 2015

E SE EM VEZ DE UM MORTO E SEIS FERIDOS, FOSSEM SEIS MORTOS E UM FERIDO NA LARGADA DE TOUROS EM AZAMBUJA?

 

… Talvez Luís Sousa, o presidente socialista deste município, que sofre de um colossal atraso civilizacional, entendesse que este tipo de “diversão” não é, de todo, adequada a pessoas, mas tão-só a ogres de outros tempos.

 

azambuja_feira_maio AZAMBUJA.jpg

 

Um “divertimento” de broncos que mata e esfola, mas não tem importância alguma, para o presidente da câmara da vilória… O mais importante é a “valentia” dos touros. E veja-se: o da imagem devia se um daqueles de mil arrobas…

 

Isto só num país onde a ignorância e a violência marcam pontos e têm um lugar de destaque na legislação.

 

Este macabro episódio conta-se de uma penada: não é que durante a Feira de Maio, em Azambuja, que prima pela imbecilidade dos “divertimentos” que oferece ao um povo que ainda não saiu da Idade Média, uma criatura, com cerca de 60 anos, morreu durante uma largada de touros, quando levou uma forte cabeçada de um dos touros da noite, na zona do coração, e o impacto provocou um derrame interno na artéria aorta, que lhe foi fatal, e mais seis ficaram feridos, dois deles em estado grave, e a “festa” continuou?

 

Pois claro!

 

Mas o que importa a vida dos azabumbados, que se divertem a torturar bovinos indefesos que, vendo-se acossados, defendem-se como podem, e às vezes (demasiado poucas) conseguem virar o feitiço contra o feiticeiro (e com toda a legitimidade)?

 

A vida dos tontos, para o socialista Luís Sousa, que hipocritamente diz “lamentar” a morte do sexagenário, vale zero, e ainda tem o desplante de dizer que «o perigo está sempre subjacente à “festa brava” e que nesse aspeCto (assim com C porque sem C lê-se aspêto e não sei o que parece), este ano os touros têm merecido fortes elogios pela sua bravura».

 

Bravo, Luís Sousa! Assim é que se fala. Quanto mais “bravos” os touros forem, melhor, porque há mais probabilidade de haver mortos e feridos com fartura, para que a festa fique ainda mais “brava”.

 

Eu, se não lesse isto na fonte que cito, nem acreditava.

 

Como pode a cegueira mental desta “gente” ser tão cega?

 

Como pode haver um cérebro assim, tão mirrado?

 

Pois para Azambuja e o socialista José Sousa aqui fica o “prémio” Estrela de Ferro - por esta morte e estes feridos que, ao que parece, pouco contam em Azambuja.

 

O que conta é o dinheiro que alguns metem ao bolso, à custa da tortura de indefesos bovinos e da bacoquice de um povo indiferente.

 

AZAMBUJA.png

 

Fonte:

http://www.rederegional.com/index.php/sociedades/12681-um-morto-nas-largadas-de-touros-de-azambuja 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:45

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Maio de 2015

AS TOURADAS TRAZEM REALMENTE UM BENEFÍCIO ECONÓMICO?

 

 

DINHEIROS PÙBLICOS.jpg

 

Livro Negro da Tourada à corda

 

Muitas vezes é dito que as touradas são uma mais-valia económica para a ilha Terceira, constituindo uma actividade que movimenta um grande volume de negócio. Mas esta afirmação é totalmente leviana e irreflectida. Pelo contrário, as touradas são na realidade um buraco negro para a economia da ilha Terceira.

 

Antes de mais, deve ficar claro que desde o ponto de vista económico a actividade tauromáquica não é uma actividade produtiva. Não há nada nela que crie riqueza nem benefício para a economia. A actividade tauromáquica é uma actividade destinada exclusivamente ao espectáculo, e tal como acontece para qualquer espectáculo são as pessoas e a sociedade que investem e pagam dinheiro para que ela possa existir. Assim, as touradas não criam riqueza, elas consomem riqueza. E tal como acontece para qualquer espectáculo, seja teatro, desporto ou qualquer outro, o dinheiro gasto nele estará justificado ou não em função da satisfação que as pessoas obtenham dele como espectadores ou, no caso dos espectáculos culturais, daquilo que ele possa aportar para o crescimento moral ou intelectual do espectador.

 

Sendo claro que as touradas não criam riqueza nenhuma, é afirmado então que movimentam muito dinheiro e que são importantes para determinado tipo de comércio, nomeadamente no que se refere à venda de comidas e bebidas que tem lugar à volta das touradas. Esta é portanto uma relação indirecta. O comércio não depende das touradas mas da concentração de pessoas que se reúne à volta delas. Ora, essa concentração de pessoas é típica de qualquer tipo de festividade, com tourada ou sem ela. Assim, é perfeitamente possível substituir uma tourada por qualquer outro tipo de festa sem que o comércio de comidas e bebidas fique por isso minimamente afectado. Conclui-se portanto que essa movimentação de dinheiro, que beneficia só a um determinado número de comerciantes e não à população em geral, não depende da existência das touradas.

 

E ainda podemos perguntar-nos se essas vendas de comidas e bebidas correspondem a produtos regionais ou, como no caso das habituais cervejas, a produtos importados, com o qual o que na realidade se está a fazer é injectar dinheiro para fora da região, o que se está a fazer é pagar dinheiro açoriano para criar riqueza fora das nossas ilhas.

 

Se as touradas não criam riqueza e também não são necessárias para a movimentação de dinheiro no sector da restauração, se não têm um efeito económico positivo, será que elas têm talvez efeitos económicos negativos? Pois certamente que têm, muitas vezes ocultos, e não são poucos.

 

É sobejamente conhecido, até por relatos antigos, o efeito negativo que as touradas têm sobre a produtividade laboral dos terceirenses, o que é o mesmo que dizer sobre a economia da ilha Terceira. Durante os muitos meses que duram as touradas, ocorre nesta ilha mais de uma tourada por dia. Ora, se contabilizamos o número de pessoas que estão nas touradas todos esses dias é bem fácil calcular as horas de trabalho que são perdidas e a riqueza que deixa de ser produzida. Ainda, o facto de muitas ruas e estradas ficarem com o trânsito interrompido durante essas touradas gera sem dúvida problemas e constrangimentos a todas as actividades económicas.

 

Nos campos da ilha, muitas pastagens são utilizadas para a produção dos touros, quando podiam ser muitas vezes utilizadas para a criação de riqueza, mediante a agricultura ou a produção de lacticínios, mesmo quando são utilizados terrenos das zonas altas da ilha que não são os mais idóneos para esta função. Mas o certo é que nestas zonas altas da ilha as pastagens também podiam ser substituídas por matas de vegetação endémica e turfeiras, que acrescentariam um valor ecológico e também económico à ilha, por exemplo mediante a retenção das águas, a protecção da biodiversidade e o turismo.

 

Mas o principal prejuízo que as touradas causam à economia é todo o dinheiro público que é desviado, geralmente de forma disfarçada, para a minoria de pessoas que fazem o verdadeiro negócio com elas, como são os ganadeiros, as tertúlias, etc. É dinheiro que, sem ser conscientes disso, acabam por pagar todos os munícipes da Terceira e também de todas as ilhas açorianas. É dinheiro que, sendo desviado para as touradas, não é utilizado no reforço da actividade produtiva, que cria riqueza, nem nos serviços básicos da população como podem ser a saúde, a educação, etc. E esta quantidade de dinheiro, furtada à economia e à sociedade, segundo alguns cálculos poderia ultrapassar facilmente o milhão e meio de euros anuais.

 

E ainda poderíamos falar doutros prejuízos económicos e sociais como são os custos do atendimento hospitalar dos feridos nas touradas, o número de mortos (que foram dois em 2012), o dinheiro gasto em segurança e policiamento nas touradas, as somas avultadas de dinheiro que vão para fora da região na contratação de companhias continentais e espanholas para as feiras taurinas, o prejuízo para o turismo devido às touradas serem uma actividade repudiada em quase todos os países do mundo, e mesmo nos restantes repudiados também pela maioria da população, o dano que o espectáculo público da violência sobre animais causa na educação social e ambiental das pessoas, etc.

 

Considerando tudo isto, fica claro que a economia terceirense só ganhava com o fim das touradas.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/630429840448218/photos/a.630448047113064.1073741827.630429840448218/639562029534999/?type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 09:37

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 7 de Julho de 2014

COMUNICADO DO MOVIMENTO CÍVICO ABOLICIONISTA DA TAUROMAQUIA NOS AÇORES (MCATA): NÃO MAIS MORTOS E FERIDOS NAS TOURADAS À CORDA

 
 

O Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores (MCATA) lamenta profundamente a morte de mais uma pessoa, neste caso, a de um homem de 62 anos, durante a realização de uma tourada à corda na ilha de São Jorge. Esta morte é mais uma que vem somar-se à de um homem de 78 anos na ilha da Graciosa, em 2013, e à morte de um homem na ilha do Pico, em 2012. Assim, a trágica estatística das mortes nas touradas à corda na região situa-se, no mínimo, numa pessoa morta por ano.

 

Para além das pessoas que morrem, o número de feridos graves nas touradas à corda é bastante maior, como indicam os casos que chegam a ser conhecidos apesar de, no geral, raramente serem noticiados. No total, o número de feridos graves e ligeiros nos Açores como consequência das touradas à corda estima-se em mais de 300 em cada ano.

 

Estes números são necessariamente aproximados em virtude dos feridos e mesmo dos mortos resultantes das touradas à corda, não serem mencionados, na maioria das vezes pela comunicação social. Aliás, é lamentável que, no caso da pessoa recentemente falecida em São Jorge, a comunicação social tenha centrado a notícia exclusivamente nas dificuldades da evacuação médica, que não contestamos, chegando mesmo a não referir, muitas vezes, que a causa primeira da morte foram os ferimentos ocasionados durante uma tourada.

 

Todas estas mortes inúteis e todos estes numerosos feridos, graves ou ligeiros, poderiam ser facilmente evitados com a definitiva abolição das touradas nos Açores e a sua substituição por eventos culturais que, longe de cultivar a violência e a morte, fomentassem a alegria de viver e o respeito pelas pessoas e pelos animais.

 

É cada vez mais evidente, nos Açores e em todo o mundo, que está na hora de acabar com esta barbárie absurda e sem sentido, permitindo aos povos evoluir e entrar definitivamente num progresso cultural próprio do século XXI.

 

Porém, longe deste entendimento, as touradas à corda continuam a receber apoios públicos por parte do governo regional e das autarquias açorianas.

 

Os governantes fecham os olhos à realidade e parecem varrer os mortos e os feridos para debaixo do tapete.

 

Mas, ainda são também de lamentar as outras vítimas das touradas à corda: os touros. Infelizmente não são raros os casos de animais que chegam a morrer durante as touradas. São conhecidos casos de touros que morreram de esgotamento e outros que morrem ao embaterem contra um muro. São frequentes também os casos de animais que acabam gravemente feridos, perdendo um ou os dois cornos ao embaterem contra as paredes e muros, ou partindo ossos ao escorregar ou saltar nas ruas. É, ainda, comum ver touros com ferimentos, sangrando e sem que por isso se interrompa a festa.

 

Apesar de tudo isto, lamenta-se que alguns políticos ainda considerem as touradas como simples “brincadeiras” com os animais.

 

Partilhando o sentir da maioria da sociedade açoriana, o MCATA considera que não é admissível haver mais nenhuma morte nem mais feridos por causa das touradas à corda.

 

Por último, o MCATA apela às entidades que têm responsabilidade na matéria para que atuem sem mais demora.

 

Comunicado do

Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores (MCATA)

03/07/2014

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:00

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 27 de Abril de 2014

A ESTUPIDEZ SAIU À RUA EM SAMORA CORREIA, FEZ QUATRO FERIDOS E AINDA HOUVE QUEM VIESSE PARA A RTP DIZER QUE TUDO ISTO FAZ PARTE DE UMA "TRADIÇÃO" QUE TEM DE CONTINUAR…

 

 
 

No ano passado foram seis para o hospital.

 

Estão-se nas tintas para mortos, feridos ou estropiados.

 

O que importa é que este hábito imbecil se mantenha… à pala de uma lei parva.

 

E o povo é que paga a conta do hospital destes que se atiram para debaixo dos cornos de um animal acossado.

 


(O Vídeo foi retirado da circulação para não testemunhar tanta estupidez) 

Quantas mortes, estropiados e feridos são necessários mais, para que o governo português ponha fim a esta miséria moral e social terceiromundista?

 

Estava de “passagem” pela RTP, quando me chamou a atenção esta notícia insólita, e fiquei pasmada, porque as imagens transmitidas fizeram-me lembrar umas outras, que por vezes são mostradas, em países do terceiro mundo, onde a civilização ainda não chegou.

 

Mas o acontecimento deu-se em Samora Correia, no concelho de Benavente, uma terreola portuguesa, com um atraso civilizacional acentuado. É que Portugal não é só Porto, Lisboa e Coimbra.

 

Quatro pantomineiros foram transportados para o hospital de Vila Franca de Xira, na madrugada de ontem, por terem sofrido ferimentos, um deles com gravidade, durante uma largada de Touros, que é o entretenimento máximo dos broncos.  

 

Nenhum ficou estropiado ou morreu no meio da rua. Estavam a pedi-las. Mas não aconteceu o que poderia ter acontecido.

 

A RTP deu destaque a esta notícia “importante”, dando tempo de antena a um aficionado que demonstrou a falta de sensibilidade inerente aos torturadores de Touros, pouco se importando com o que aconteceu aos tais pantomineiros que foram levados para o hospital.

 

Se morresse algum, a festa (a que chamam “brava”) continuava. Enterrava-se o morto, e venha mais um Touro.

 

Houve feridos. Levaram-nos para o hospital. Exigiram tratamento XPTO. Serviço Nacional de Saúde. Pago por todos os portugueses.

 

Ninguém os mandou dar o corpo ao manifesto.

 

Atiraram-se para debaixo do Touro por livre e espontânea vontade. Logo, não tinham direito a assistência pública.

 

Querem correr riscos, corram, mas paguem a factura do seu bolso, e não do bolso dos portugueses.

 

Não temos obrigação de pagar a conta de psicopatas apoiados pelos governantes.

 

É que a estupidez tem limites. E a esmagadora maioria dos portugueses não aplaude este hábito primitivo e imbecil de se atirarem para debaixo de um Touro acossado.

 

Esta é a nona edição desta estupidez, em Samora Correia. Estes não foram os primeiros a ir parar a um hospital.

 

Apesar desses feridos, esta parvoíce continuará até 5 de Maio. Todos os dias, uma largada de Touros. Para broncos ver.

 

Com esta coisa estranha: há uma largada para crianças (apesar das recomendações da ONU) e outra para mulheres (duvido que sejam Mulheres), e o tal que falou à RTP diz que é uma «pequena brincadeira, com um bezerro muito pequeno e sem riscos», como se os bezerros muito pequenos fossem de pau, e não seres sencientes, que sofrem horrores nas mãos desta refugo de gente.

 

A minha indignação (à qual tenho direito) vai para os governantes, que permitem este desconchavo; à RTP que não teve a coragem de noticiar a Marcha Animal, mas dá parangonas à estupidez e à violência, sem o mínimo sentido crítico.

 

Pela aragem já se vê quem vai na carruagem.

 

E tudo isto é de uma pobreza mental, moral, social de meter dó.  

 

Que gentinha será esta?

Fonte

http://www.publico.pt/local/noticia/quatro-feridos-em-largada-de-touros-em-samora-correia-1633691

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:44

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 22 de Agosto de 2013

«AMANHÃ A CASA DE PESSOAL DA RTP VAI MAIS UMA VEZ SUJAR AS MÃOS COM SANGUE DE INOCENTES!»

 
 
 

«Não satisfeita com a desgraça do forcado que ficou tetraplégico na XLVIII edição da Grande Corrida TV no ano passado, a casa de pessoal da RTP vai organizar uma nova Grande Corrida TV, onde mais uma vez forcados irão arriscar a sua vida de forma estúpida e inútil.

 

Os aficionados da tortura de bovinos vão continuar a aplaudir a violência tauromáquica, aconteça o que acontecer, morra quem morrer, fique tetraplégico quem ficar.

 

Os aficionados convivem bem com isso de forma doentia, aliás os feridos e os mortos são uma realidade indissociável dos eventos tauromáquicos.»

 

http://pelostourosvivos.blogspot.pt/2013/02/blog-post.html

 

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=516468211769245&set=o.228974020492136&type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:14

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Sábado, 17 de Agosto de 2013

GRACIOSA CHOCADA COM MORTE DE IDOSO QUE MORREU DURANTE UMA TOURADA À CORDA????

 

GRANDE HIPOCRISIA!

 

 

 

 

 

Não acredito que a Graciosa esteja chocada com tal morte.

 

Se estivesse, a tourada à corda, que não serve para absolutamente mais nada, a não ser encher os bolsos dos gananciosos ganadeiros (que querem lá saber dos mortos e dos feridos e dos aleijados que provocam) acabava imediatamente.

 

Os adeptos das touradas à corda têm tanta consideração por quem morre, como eu por um monte de lixo.

 

 

 

Quantos já morreram, nas touradas à corda?

Quantos já não ficaram feridos?

Quantos já não ficaram aleijados?

 

E o que é que isso interessou?...

Nada. Tudo continua estupidamente igual.

 

Mas ainda há mais:

 

«AS FESTAS DE SANTO CRISTO FORAM UM SUCESSO?????

 

Para o presidente da Câmara e aficionado de touradas, Avelar Santos, "as festas deste ano correram bem, fazendo por isso um balanço positivo, tanto a nível religioso, como profano".

 

Segundo ele a Feira Taurina teve uma boa aceitação. Esqueceu-se de dizer quanto dinheiro foi desviado ao desenvolvimento da Graciosa para que tal acontecesse.

 

Não mencionou o morto e os feridos numa tourada à corda nem teve a coragem de dizer qual a percentagem dos 150 mil euros foi destinada a pagar toureiros e touros que foram torturados para divertimento de pessoas que se dizem humanas.

 

Tal como este vício das touradas veio da Terceira, também tem de voltar à origem até a compaixão humana acabar com elas para sempre.

 

Os festejos de Santo Cristo dos Milagres 2013 custaram 150 mil euros.»

 

***

Os responsáveis pela realização desta tourada à corda, para festejar o Santo Cristo, estão todos a CHORAR LÁGRIMAS DE CROCODILO PELA MORTE DO IDOSO, e juraram a pés juntos, que para o ano HAVERÁ MAIS.

 

Só que para o ano, 2014, a tauromaquia estará ENTERRADA.

 

Fontes:

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1408427342703309&set=a.1405882762957767.1073741828.1405880586291318&type=1&theater

 

http://jornaldiario.com/ver_noticia.php?id=46109&d=1

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:24

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 15 de Maio de 2013

AFICIONADOS ACABARAM À BATATADA NAS BANCADAS DA ARENA DE MOURA, ONDE SE REALIZOU TORTURA DE TOUROS COM CASA MEIO VAZIA

 

É assim o mundinho da tauromaquia: violência na arena, violência nas bancadas, violência em casa, violência nas ruas, enfim… é um fartar de violência…

 

E que outra coisa se pode esperar de gente que nasceu com a brutalidade a correr-lhe nas veias?

 

 

 

No passado sábado, dia 11 de Maio, nesta arena alentejana de Moura (que em breve ficará para sempre vazia) realizou-se uma tourada que acabou mal, com os aficionados à batatada, nas bancadas, numa cena de pancadaria “à antiga”, diz a fonte, sem mortos, mas com feridos que tiveram de ser levados ao hospital (e nós é que pagamos a conta).

 

 

 
Violência  nas bancadas...

 

E tudo por o último Touro não ter sido pegado pelo grupo de covardes, perdão, forcados “de serviço”.

 

Uns entenderam que aquilo era um escândalo, outros entenderam outra coisa, e vá que, como se já não bastasse a violência na arena, a “tourada” continuou nas bancadas com os sádicos aos chutos, socos e pontapés.

 

Triste cena, com um significado específico: o fim apróxima-se à velocidade de um soco.

 

Já estamos em contagem decrescente.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:33

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

NA MOITA MORRE-SE ESTUPID...

E SE EM VEZ DE UM MORTO E...

AS TOURADAS TRAZEM REALME...

COMUNICADO DO MOVIMENTO C...

A ESTUPIDEZ SAIU À RUA EM...

«AMANHÃ A CASA DE PESSOAL...

GRACIOSA CHOCADA COM MORT...

AFICIONADOS ACABARAM À BA...

Arquivos

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt