Segunda-feira, 21 de Setembro de 2015

NA MOITA MORRE-SE ESTUPIDAMENTE, MAS A “FESTA” PARVA CONTINUA…

 

Foi sempre assim…

 

 

Rezam as crónicas que, neste ano de 2015, morreu um indivíduo de cerca de 70 anos e 17 ficaram feridos, nas largadas de Touros na Moita em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem

 

Mais uma Nossa Senhora a ser celebrada com sangue…

 

Clarisse Santos, da Comissão de Festas, lamentou a grave colhida que resultou numa morte, mas explicou (como se a morte estúpida de alguém pudesse ser explicada) e defendeu (como se a estupidez pudesse ser defendida) que as largadas de Touros são uma “tradição” para manter nas festas da Moita, até porque o resto das largadas, ainda que com 17 FERIDOS decorreu dentro da normalidade.

 

Ou seja, no ano passado também morreram dois indivíduos durante as largadas das Festas da Moita depois de terem sido colhidos por Touros e foi tão normal, tão normal que este ano repetiu-se a façanha.

 

 

Repare-se na NORMALIDADE da cena. O que aconteceu ali? Nada. Morreu alguém? O que importa? A “festa” deve continuar. Não é assim, senhora Clarisse? É tradição MORRER-SE na Moita, por tão pouco...

 

A organizadora desta “festa” parva defende-se dizendo que para além do espaço das largadas estar vedado e o perigo assinalado (estará?) conta com bombeiros em vários pontos da avenida, para assistir os feridos em caso de necessidade, e com uma equipa médica em permanência durante as largadas, como se as largadas fossem um estado de catástrofe iminente, provocado pela previsão de um terramoto.

 

E quem paga tudo isto?

 

Obviamente todos nós, com os nossos impostos.

 

E tudo para que um punhado de sadomasoquistas se divirta…

 

Pois, senhora Clarisse, não há que lamentar coisa nenhuma, quanto ao que se passou na Moita com os que se deleitam a atormentar Touros, e levam a pior, porque os Touros têm toda a legitimidade de se defenderem, e matar ou estropiar os seus carrascos.

 

Qualquer um de nós o faria também se estivesse no lugar do Touro.

 

Temos de lamentar é o facto de o governo português permitir que esta selvajaria AINDA aconteça no Século XXI da era Cristã.

 

Será que ninguém ainda se apercebeu de que já não estamos mais no tempo das trevas?

 

Pobres mentes que vivem nas mais profunda ESCURIDÃO!

 

O que acabámos de ouvir é a estupidez no seu estado mais puro, com o supremo aval do governo português. Isto só na Moita. Isto só em Portugal! Isto só num país onde não se tem a noção do ridículo.

 

Não aprenderam nada, com as mortes já “morridas”. Morra quem morrer.

 

Mas a culpa é das autoridades locais e nacionais, que permitem estes verdadeiros suicídios, porque só está ali quem quer e bem PROTEGIDO por uma lei idiota.

 

Para o ano haverá mais desta "festa" parva. Morra quem morrer. Não é assim, senhora Clarisse?

 

O que importa uma vida, duas vidas ou todas as vidas?

 

Que estes vídeos corram mundo, e permitam que a morte deste indivíduo (que já a desafiou várias vezes, e Nossa Senhora da Boa Viagem, este ano, decidiu fazer-lhe a vontade) não tenha sido em vão.

 

Deixem que se mostre ao mundo o que o governo português permite acontecer na Moita.

 

E que esta possa ser a ÚLTIMA MORTE.

 

Só assim, este indivíduo que morreu tão estupidamente, graças a um costume bárbaro entranhado na pele dos que nasceram na Moita, poderá descansar em PAZ, lá… onde agora estiver…

 

A largada de touros, bem como todas as modalidades da selvajaria tauromáquica são a tradição dos broncos, a cultura dos ignorantes, a arte dos imbecis e a identidade cultural dos incultos, que os retrógrados governantes portugueses irracionalmente legitimam…

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2014

OS MEUS VOTOS (ABOLICIONISTAS) PARA 2015

 

«Enquanto eu conseguir discernir, recuso-me a engrossar rebanhos»

 

10304634_854743837910971_6250425925572440185_n[1]

 

Uma vez que, depois de longos anos a pugnar pelos direitos dos seres humanos nascidos e por nascer, com muitas mais vitórias pessoais do que derrotas, decidi abraçar a causa da Abolição da Tauromaquia em Portugal e nos outros oito países que ainda não saíram das trevas medievais em que continuam mergulhados por mera incapacidade mental dos seus governantes se libertarem dessa maldição, e de um sistema político onde impera a corrupção, a falta de vergonha na cara e a inexistência total de brio pessoal, profissional e humano, os meus votos concentram-se no mais profundo desejo de que todos os deuses e deusas de todos os olimpos abram, nas mentes desses governantes (que por qualquer razão desconhecida ainda não se aperceberam de que o ano de 2015, que agora se inicia, não é o do tempo dos hurritas, que viveram na antiga Suméria, mas sim o ano de 2015 depois de Cristo) um caminho para que a humanização, a lucidez, a lógica, a racionalidade, a ética, o bom senso, a sensibilidade, a cultura culta, a evolução e principalmente a luz do conhecimento possam ser assimiladas e postas em prática nos mais básicos actos da governação.

Basta de tanta escuridão.

Basta de tanta ignorância.

Basta de tanta incultura.

Basta de tanta insanidade.

Basta de tanta desumanidade.

 

Isabel A. Ferreira

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:01

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 1 de Março de 2013

«DIREITOS, DEVERES E OBRIGAÇÕES»

 

 

A estupidez de uma tourada à corda…que, ao contrário do que dizem, FERE o Touro, como pode ver-se na foto… Quanto sofrimento vemos no semblante do animal, e tudo para divertir uns INÚTEIS COVARDES!

 

«Quem cala consente, e quem é indiferente é cúmplice.

 

Os indiferentes, são uma larga maioria neste país, quando toca a touradas.

 

O lema é: não gosto, não vejo, não quero saber, mas respeito quem gosta.

 

A verdade é que com este tipo de atitudes estão a ser cúmplices de um espectáculo que não deveria continuar a ser legal neste país ou em qualquer outro país.

 

Senhores indiferentes, não se pode respeitar quem gosta. Quem gosta de assistir a um espectáculo deste tipo, que ao contrário do que dizem os aficionados, não é nenhum enfrentamento entre o homem e o touro e não é nenhum acto de coragem, não pode ser respeitado.

 

E por falar em coragem, que coragem?
 

Entre 1771 e 1987 morreram em praças de touros 55 toureiros (de acordo com dados da website ganaderos de lidia). Se tivermos em conta o número de touros mortos anualmente em todos os países com touradas, facilmente se verificará que as touradas mais não são que um extermínio de touros e não uma luta corajosa entre um homem e um touro.

 

Uma coisa é dizer não gosto de ópera, não vejo mas respeito quem gosta, porquanto na ópera não se torturam animais em nome do entretenimento.

 

Enterrar a cabeça na areia, tal como a avestruz é não ter a coragem de reagir contra aquilo que a maioria sabe que está errado, mas aceita porque é a liberdade dos outros. Meus senhores não é a liberdade dos outros, não é a liberdade de ninguém, porque a liberdade dos outros, quando toca ao sofrimento de um animal não é um direito.

 

Todos temos direitos e deveres, mas enquanto que torturar um animal não é um direito, mesmo que a lei o permita, proteger esse mesmo animal de não ser torturado, é um dever, uma obrigação de todos, mesmo dos indiferentes.

 

Prótouro

Pelos touros em liberdade»

 

http://protouro.wordpress.com/2012/10/03/direitos-deveres-e-obrigacoes/

 

***

 

OS INDIFERENTES NUNCA CONTRIBUÍRAM PARA A EVOLUÇÃO DO MUNDO.

 

SÃO COMO SONÂMBULOS, A VAGUEAR NA ESCURIDÃO.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

NA MOITA MORRE-SE ESTUPID...

OS MEUS VOTOS (ABOLICIONI...

«DIREITOS, DEVERES E OBRI...

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt