Sexta-feira, 9 de Março de 2018

AS GARRAIADAS SÃO A PROVA PROVADA DE QUE FREQUENTAR UMA UNIVERSIDADE NÃO DÁ ESTATUTO SUPERIOR A QUEM JÁ NASCE COM TENDÊNCIA PARA SER INFERIOR

 

O mês de Maio, o mês das Rosas e do renascer da Natureza, em Portugal, mancha-se com um comportamento imbecil, praticado por quem se diz “estudante do ensino superior” e demonstra instintos dos mais básicos, agravados por uma ignorância atascada, que envergonha os verdadeiros estudantes e a Universidade de Coimbra -  a ÚNICA NO MUNDO que apoia a tortura de jovens e inocentes bovinos, que sofrem a dor física e psicológica tal como nós.

 

 

 

 

 

Em nenhuma Universidade Europeia e do mundo, os estudantes, que têm o privilégio de entrar para o Ensino Superior, o qual, em princípio, serve para formar intelectualmente os que hão-de fazer EVOLUIR os países, se vêem estas iniciativas, que apenas dizem da inferioridade intelectual dos que nelas participam.

 

 É a nódoa negra do Ensino Superior em Portugal, que em nada dignifica o país, e a classe estudantil.

 

E o que fazem os Reitores e os Dux Veteranorum, expoentes máximos da Academia, para travarem esta onda de estupidez universitária?

 

APOIAM ESTA ESTUPIDEZ.

 

E quem apoia a estupidez como se designará?

 

E eis o que temos no mês de Maio, o mês das Rosas e do renascer da Natureza:

 

Um bando de ignorantes, já bem bebidos (o que é outra demonstração da inferioridade intelectual desses interventores), vai para uma arena, onde garraios, ou seja, touros de 2 e 3 anos, são cobardemente torturados psicológica e fisicamente, num jogo parvo, cruel e inútil, para o qual não estão preparados: puxam-lhes o rabo, obrigam-nos a andar à roda, molestando-os sem dó nem piedade. Parvamente.

 

Por vezes chegam a provocar-lhes a morte, como já aconteceu na arena da Póvoa de Varzim, (a cidade mais carniceira do Norte do País).  

 

Ainda que a “garraiada” seja uma variante “light” da tourada, os tormentos pelos quais passam os pequenos bovinos, ainda inexperientes, provocam-lhes fracturas várias, lesões internas, e ataques de ansiedade, bastante nocivos ao bem-estar deles.

 

Tudo isto é de uma cobardia e de uma falta de inteligência atroz.

 

Os “estudantes” que participam nesta estupidez académica deviam ser expulsos do Ensino Superior por não reunirem as faculdades mentais saudáveis requeridas para poderem frequentar tal Ensino, tais como espírito crítico, lucidez, consciência e posições esclarecidas, condizentes com o desenvolvimento científico e a evolução das mentalidades, para uma formação superior e capaz de fazer EVOLUIR um país.

 

É por estas e por outras que temos o País que temos: um pequeno paraíso terrestre cheio de gente inculta nos lugares-chave da governação.

 

Concluindo: se as garraiadas ainda persistem por ignorância dos “estudantes” que as incluem nos seus programas “académicos”, aqui deixamos este registo, para que saiam dessa ignorância e possam EVOLUIR.

 

Se persistirem na ignorância, melhor será desistirem de querer ser “doutores” porque simplesmente nunca passarão de parvos.

 

 Nota marginal:

 

E para os que criticam a minha linguagem, aqui deixo uma nota marginal: eu não estou a dissertar sobre POESIA.

 

Estou a discorrer sobre GARRAIADAS, uma prática parva, cruel e inútil, por isso, as palavras têm de ser adequadas às circunstâncias.

 

GARRAIADA COIMBRA.png

 

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 1 de Março de 2017

QUEREMOS A QUEIMA DAS FITAS DE COIMBRA LIVRE DE SOFRIMENTO DE BOVINOS BEBÉS

 

QUEIMA.jpg

 A cobardia de um grupo de marmanjos contra um indefeso bovino bebé…

 

Queremos que a Queima das Fitas de Coimbra deixe de estar manchada pelo divertimento à custa de sofrimento e exploração animal.

 

É MUITO IMPORTANTE mostrar que na academia, na sociedade coimbrã e na sociedade portuguesa em geral, a esmagadora maioria não concorda com a inclusão da garraiada na Queima das Fitas, e por isso apelamos que enviem uma mensagem às entidades responsáveis.

 

Vamos dar voz a quem não a tem!

 

Destinatários:

geral@academica.pt;cveteranos@gmail.com; geral@queimadasfitascoimbra.pt; gbreitor@uc.pt

CC: queimadasfarpas@gmail.com

 

 

 

 

Mensagem (adaptada da original):

 

A garraiada é uma actividade cruel e violenta que maltrata física e psicologicamente bovinos ainda bebés. Não há razão alguma para a incluir numa festa de estudantes, que se dizem do Ensino Superior.

 

Que superioridade haverá na cobardia de atacarem um indefeso bovino bebé?

 

Consideramos que a capacidade de ver um mundo novo e a coragem de lutar por ele é a verdadeira tradição Coimbrã, que não podemos deixar morrer e por isso aqui estamos a pedir que se acabe com a garraiada, onde se maltrata bezerrinhos bebés, uma prática que envergonha a Universidade e a cidade de Coimbra.

 

Pedimos aos organizadores da Queima das Fitas de Coimbra que em nome da Evolução, da Civilização e da Cultura Culta, cresçam como universitários, que devem prezar-se de o ser.

 

Em nenhuma outra academia, os estudantes baixam de nível, ao ponto de se divertirem à moda dos broncos.

 

É da Ética, do Bom Senso e da Racionalidade que as entidades relacionadas com a denominada “Cidade do Conhecimento” (não é assim que a apresentam ao mundo?) e com a própria Universidade de Coimbra, tomem uma posição pública contra esta prática cobarde que desprestigia toda a Humanidade.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:08

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 11 de Abril de 2016

GARRAIADA: O DUX VETERANORUM DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DESCONHECE O SIGNIFICADO DE “VIOLÊNCIA”

 

Que vergonha!

 

João Luís Jesus, dux veteranorum do conselho de veteranos da Universidade de Coimbra, consulte um dicionário e aprenda o significado de “violência” e sinta as vibrações da ignorância das suas declarações a tanger ao seu redor…

 

GARRAIADA.jpg

(Imagem: Arquivo Global Imagens)

 

Isto que vemos na imagem pode não fazer sangue, mas é violência, é crueldade, é brutalidade exercida sobre um ser senciente, que se vê bruscamente retirado do seu habitat (o que só por si é já uma violência), depois é rudemente enfiado num transporte (o que é outra violência) e depois de várias horas submetido à escuridão desse transporte, sem água e sem alimentos (o que é outra violência) é finalmente e estupidamente atirado a uma arena (o que é outra violência), onde o esperam uma cambada de bêbados que, sadicamente, o torturam de todas as maneiras (o que é o máximo das violências) e ainda que não lhe espetem farpas e bandarilhas e não o sangrem, estão a violentá-lo brutalmente.

 

E chamam a isto “divertimento de estudantes do ensino superior”?

 

Disse o dux: «Acabou-se com a parte violenta da Garraiada».

 

Como disse, João Luís Jesus?

 

É dux veteranorum do conselho de veteranos da Universidade de Coimbra, diz-se estudante do Ensino Superior, e fala como um ignorante, desconhecendo o significado da palavra VIOLÊNCIA?

 

Para sua informação, violência é brutalidade, atrocidade, crueldade, não só física como também psicológica, e tudo isso continua a existir na prática primitiva e parva da “garraiada”, que não é tradição na Queima das Fitas de Coimbra, mas tão-só um costumezinho bárbaro e primitivo, infiltrado numa festa que devia ser de estudantes do ensino SUPERIOR e não passa de uma brincadeira de muito mau gosto de rapaziada de baixo nível moral, cultural e social. E até podem dizer que são filhinhos do papá e da mamã, muito endinheirados, porque isto não muda a vossa condição de apoucados.

 

Ao dizerem que se retirou os (cobardes) toureiros e forcados e montadores de cavalos e os sanguinários bandarilheiros, das garraiadas de Coimbra significa apenas que poderá eventualmente não haver SANGUE. E apenas isso.

 

Mas sangue não é sinónimo de violência, dux veteranorum.

 

Você pode ser brutalmente espancado (que é o que acontece aos garraios) e não ficar a sangrar, e isso não significa que não tenha sido vítima de violência.

 

INTELIGÊNCIA.jpg

 

Experimente colocar-se no lugar do garraio. Deixe que o agarrem pelos cabelos (uma vez que não tem rabo) e andem consigo às voltas na arena, ao som dos gritos histéricos de uma assistência sádica e sedenta de parvoíce, e depois diga-me se gostou.

 

O dux, achando que estava a dizer algo muito cultural, afirmou que no lugar do que chamou “novilhada popular", será introduzida "uma actividade ligada à tauromaquia", com prática e tradição em Espanha, em que “profissionais” vão dar um "espectáculo de acrobacias, de forma divertida, em que não há qualquer contacto directo com o animal».

 

Barbarismos vindos de Espanha?

 

Não terão os falsos estudantes do “ensino superior” nada mais civilizado para se divertirem a não ser à custa do tormento de um animal, que é atirado a uma arena, e mesmo que ninguém lhe toque, está a sofrer horrores psicologicamente, porque o seu lugar não é numa arena, mas sim num prado, a ruminar as ervas pacificamente?

 

Não conseguirá o dux veteranorum de Coimbra avaliar a situação anormal a que é atirado um animal não humano retirado do seu habitat natural?

 

Apregoam que a “garraiada”, começará com um desfile de fitados, e termina com a “vacada”, em que estudantes fazem pegas a garraios, sendo "introduzidas regras" para que não haja "tantos estudantes de volta do animal", protegendo "ao máximo" o garraio e garantindo "o mínimo de contacto".

 

Mas serão assim tão incapazes de fazer a vossa festa apenas animais humanos? Não sabem divertir-se civilizadamente, sem ser a torturar animais não humanos, ainda que digam não lhes toquem?

 

Não são capazes de pensar? De agir conforme a ética humana (sim porque até os animais não humanbos têm uma ética)? E andam vocês a estudar numa universidade para quê?

 

Ainda de acordo com o dux, «com estas alterações, cujos pormenores ainda estão "em fase de estudo", será possível anular "a violência que era contestada", "salvaguardar a integridade do animal" e manter, ao mesmo tempo, "a tradição tauromáquica na Queima das Fitas».

 

A violência tão contestada continuará a existir, enquanto o vosso divertimento assentar na tortura (ainda que psicológica) de um animal indefeso, inocente e inofensivo, que não tem voz para dizer NÃO QUERO ESTAR ALI, e que sente esse tormento tanto quanto sentiria o dux veteranorum se um bando de terroristas islâmicos o apanhassem para brincar à torturazinha psicológica.

 

O sentimento de medo é exactamente o mesmo. É testemunho da maior ignorância ou intenção de ludíbrio, o afirmar-se que algum animal em qualquer situação possa não sentir medo e dor, se for ameaçado ou ferido.

 

A ciência revela que a anatomia, a fisiologia e a neurologia do touro, do cavalo e do homem são extremamente semelhantes. O ADN destes três animais é quase coincidente.

 

As reacções destas espécies são análogas perante a ameaça, o susto e o ferimento.

 

Estes pseudo-estudantes do ensino “superior” de Coimbra serão tão incapazes de fazer este raciocínio básico?

 

12963497_1715122238729456_7022357356895491936_n[1]

Lamentável que os organizadores da Queima das Fitas não tenham tido a lucidez da Queima das Farpas.
Origem da imagem:

https://www.facebook.com/Queima.das.Farpas/photos/a.1585670385007976.1073741828.1568326173409064/1715122238729456/?type=3&theater

 

Ponham os olhos na evolução da Academia do Porto, que em boa hora aboliu esta prática mesquinha, medíocre, que só diz da inferioridade e da vulgaridade de quem a executa.

 

Para terminar, farei minhas as palavras que Carlos Loures escreveu a propósito desta falta de lucidez que se chama tauromaquia:

 

«Não há tolerância que possa ser invocada para desculpar o gosto pelas touradas, aquilo que em bom português se designa por afición. Como, a não ser por uma tara, ou por uma perversão do carácter, pode alguém gostar de ver um animal a ser torturado? Se o aficionado professa a fé católica, está a pecar, se pensa que é boa pessoa, desiluda-se, é um monstro, se se julga culto, um intelectual, por assim dizer, não pense uma coisa dessas, porque é uma besta. Se é nobre e usa um brasão num anel, nesse caso, está certo – a nobreza diz bem com a tourada – em termos de fé, no plano da ética, no da cultura…

Não há nada para compreender. Quem se diverte com a tortura de um animal é um sádico. Quem procura esconder o sadismo sob uma capa de mística, a não ser que seja nobre, é um estúpido

 

Evolua, dux veteranorum do conselho de veteranos da Universidade de Coimbra, para poder ser digno de liderar uma academia civilizada.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:19

link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 1 de Março de 2016

DIREITO À INDIGNAÇÃO

 

(Faço minhas as palavras de Raquel Henriques da Silva (historiadora de arte portuguesa) que se indignou com a atitude de João Soares ao subestimar o competente António Lamas, que será substituído pelo incompetente Elísio Summavielle, no CCB

(I. A. F.)

 

 

923129 RAQUEL.jpgTexto de Raquel Henriques da Silva 

29/02/2016 - 01:15

 

Decidi tomar posição para exprimir a minha profunda indignação pelo modo como António Lamas tem sido enxovalhado.

 

Por estes dias, tenho estado na expectativa de que a discussão do orçamento de Estado pudesse ser momento adequado para que o Ministro da Cultura (MC) enunciasse as linhas mestras da estratégia política para um sector que, há mais de uma década, não tem linha de rumo consistente. Desejaria, por exemplo, saber se o Conselho Nacional de Cultura vai finalmente ser um órgão com alguma relevância para democraticamente se discutir o campo patrimonial, em primeiro lugar se a problemática DGPC se deve manter no seu gigantismo de pés de barro e na sua escandalosa falta de meios. Pensar este tópico, envolve também o desempenho das Direcções Regionais de Cultura nas suas funções de gestão de museus e monumentos, a passagem da gestão de museus destes organismos para Câmaras Municipais, a gravíssima perda de autonomia dos museus nacionais, o futuro do quase abandonado Forte de Sacavém que, no entanto, é a alma e o corpo da memória patrimonial portuguesa. E pode envolver ainda questões aparentemente menos estruturais, como o preço dos ingressos nos museus que vai da gratuitidade da Colecção Berardo (paga por todos nós) aos valores que considero excessivos da nova bilhética da Fundação de Serralves.

 

Compensando a ausência do que mais interessaria, o MC tem-se desdobrado em declarações sobre dois tópicos, especialmente mediáticos: a decisão “incontornável” de que “os Mirós” vão ficar em Portugal e a extinção da Estrutura de Projecto para a gestão conjunta do eixo Belém-Ajuda. Neste caso, foi-se percebendo que o MC visou também (ou sobretudo?) afastar António Lamas da direcção do CCB, para ser substituído por “alguém com experiência, bastante mais jovem, com provas dadas, nomeadamente ao nível de responsabilidades públicas num ministério” (Público on line 26 Fev.). Já antes, o Ministro se referira a Lamas como “alguém que não tem legitimidade democrática, que é metido por razões disto ou daquilo” (Expresso, 20 de Fev.).

 

É com desgosto que refiro este linguajar trauliteiro, infeliz num ministro da nação e, mais, naturalmente, no Ministro da Cultura. Não pretendo neste momento pronunciar-me sobra a extinção da Estrutura de Projecto e sei que, em caso de conflito de personalidades como é o caso, um Ministro dispõe de legitimidade de demitir. Mas decidi tomar posição para exprimir a minha profunda indignação pelo modo como António Lamas tem sido enxovalhado, fazendo tábua rasa do facto incontornável de ele ser um dos mais brilhantes e dedicados gestores culturais em Portugal a que o nosso património muito deve.

 

Gostaria de perguntar ao MC (que tanto apreciou o Museu Grão Vasco, modernizado pelo arq. Eduardo Souto Moura) se ele sabe que foi António Lamas (sendo Secretária de Estado da Cultura, Teresa Gouveia) que, no final dos anos de 1980, delineou e pôs em movimento a modernização não só do Museu Grão Vasco mas do Museu Soares dos Reis, do Museu de Aveiro, do Museu de Évora, do Museu do Abade Baçal, do Museu Nacional de Arte Contemporânea, convidando para o efeito arquitectos como Fernando Távora, Alcino Soutinho, Hestnes Ferreira, António Portugal e Manuel Maria Reis e Jean Michel Wilmotte, abrindo assim o mais extraordinário período de obras de requalificação dos museus portugueses de todo o século XX. Que envolveu (saberá o Ministro?) o projecto do próprio CCB que nunca existiria sem o rasgo e a determinação do então Presidente do IPPC que tantos contestaram como inútil e faraónica obra que escondia a cenografia estadonovista dos Jerónimos!

 

Mais recentemente, antes de chegar à direcção do CCB, Lamas foi (saberá o Ministro?) presidente da empresa Parques de Sintra, Monte da Lua que, sob a sua direcção, passou de um organismo inútil (estou a ser benevolente) para a mais inovadora experiência de gestão cultural em Portugal, traduzida em factos: a valorização do Castelo dos Mouros e envolvente, a renovação museológica e museográfica do Palácio da Pena, o restauro integral do Palácio de Monserrate e do Chalet da Condessa de Edla, a aquisição de novas propriedades, o restauro e renovação dos jardins, matas e florestas. Não pense o Ministro (ou os eventuais leitores) que exagero: basta ir e fruir o estado presente daquele património notabilíssimo. E se os proventos das bilheteiras e das lojas galoparam, em função de exponencial crescimento dos públicos, não é possível, como pretenderam alguns, falar de opções mercantilistas: nunca, como a partir de António Lamas, aquele património foi estudado, conservado, ampliado e valorizado.

 

A minha indignação assenta, portanto, na inaceitável atitude de um recém-chegado Ministro que ainda não provou nada, para com um homem que, há mais de trinta anos, vem servindo com raro brilhantismo e respeito pela coisa pública, o património português. Esta notável herança tem de ser considerada e, mais propositivamente, seria, para qualquer político avisado, um repto para pensar o futuro. Porque, não tenha qualquer dúvida o Ministro, e a estranha equipa que o rodeia, que urge ter ideias, estratégias e linhas de acção, aproveitando, com projectos complexos, inovadores e fundamentados, as parcerias que o Ministério da Ciência, da Tecnologia e do Ensino Superior tem vindo a propor, neste caso com uma consistência que nos enche de esperança.

Professora FCSH-UNL

Fonte:

http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/direito-a-indignacao-1724694?page=2#/follow

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:10

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 27 de Março de 2015

QUEIMA DAS FITAS 2015 DO PORTO MANTERÁ A ABOMINÁVEL PRÁTICA DA GARRAIADA

 

Acabou de ser decidido na assembleia geral da FAP que a garraiada fará parte do programa da Queima das Fitas 2015, por 13 contra 12 votos. A AEFLUP lamenta este resultado e reafirma que continuará a desenvolver esforços para que esta actividade deixe de pertencer ao programa da Queima das Fitas.

 

A AEFLUP felicita ainda a AEFCUP, AEFAUP, AEFMUP, AFDUP, AEFPCEUP, AEFBAUP, AEFCNAUP, AEICBAS, AEFDUCP, AEESEP e AEISSSP pela sua posição contra esta actividade.

 

10308565_452853201546048_1681355115586543420_n[1].

Fonte: https://www.facebook.com/AELetras/photos/a.245201988977838.1073741836.244981575666546/452853201546048/?type=1&theater

 

***

Realmente é de lamentar que estudantes do ensino SUPERIOR sejam tão inferiores nas suas opções de divertimento.

 

Isso só demonstra que a Cultura Culta ou vem no ADN e se desenvolve ao longo da vida de um estudante, ou não vem, e não haverá ensino, por mais SUPERIOR que seja, que o faça EVOLUIR.

 

É lamentável, que no programa da Queima das Fitas 2015 esteja incluída uma actividade bronca, que só os BRONCOS praticam, aplaudem e mantêm.

 

PETIÇÃO PELO FIM DAS GARRAIADAS ACADÉMICAS NA UNIVERSIDADE DO PORTO

 

76631_1[1] PORTO.jpg

 

Para: Federação Académica do Porto; Associações de Estudantes da Universidade do Porto

 

A Federação Académica do Porto (FAP) tem vindo a incluir no seu programa da Queima das Fitas a garraiada académica. Esta é apresentada aos estudantes universitários como um evento de convívio, que promove o espírito de união e a entreajuda entre estudantes, bem como de demonstração de coragem.

 

O que se chama de demonstração de coragem não é nada mais, nada menos do que um evento tauromáquico em que algumas dezenas de estudantes na arena perseguem, agarram e atormentam um garraio (pequeno touro jovem) indefeso, já com os cornos serrados, para divertimento de estudantes que assistem. Da violência inerente à garraiada resultam frequentemente lesões, fraturas e/ou ataques de ansiedade que podem levar o garraio à morte.

 

Vários têm sido os estudos científicos publicados que demonstram que, a par dos humanos, os animais, são seres sencientes, com capacidade física e emocional de sentirem dor, angústia, medo e prazer. Os garraios não são excepção não devendo ser, por isso, submetidos a actos de malvadez como o são nas garraiadas.

A garraiada académica teve início, na cidade do Porto, apenas em 1997, não sendo por isso, uma prática transmitida ao longo de gerações, com forte tradição académica.

 

É com esperança de se encontrar uma alternativa que vá ao encontro de valores morais e éticos leccionados na Universidade do Porto que os/as subscritores/as desta petição apelam à FAP e às Associações de Estudantes para que se acabe na Academia do Porto com a prática cruel da garraiada e que se incite o pensamento crítico e o respeito pelos animais.

 

Assinem a petição, por favor,

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=P2013N34953

 

A MEDIOCRIDADE NUNCA FEZ AVANÇAR O MUNDO

SER ESTUDANTE IMPLICA EVOLUÇÃO

 

FERRO FAP.png

A “Estrela de Ferro” é atribuída a todos os municípios, empresas, associações, organismos e estabelecimentos de ensino que apoiam a selvajaria tauromáquica

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:13

link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos

EMBORA COIMBRA TENHA MAIS ENCANTO SEM SANGUE NA DESPEDIDA, A ABOMINÁVEL GARRAIADA MANTER-SE-Á NA QUEIMA DAS FITAS EM 2015

 

A selvajaria tauromáquica é a "arte" dos imbecis, a "tradição" dos broncos e a "identidade cultural" dos incultos, não se ajustando, de modo algum, a uma prática de estudantes que frequentam o Ensino Superior.

 

O secretário-geral da Comissão Organizadora da Queima das Fitas e o Dux Veteranorum da Universidade de Coimbra já nasceram velhos, por isso vivem com os pés fincados no passado.

 

Que pode esperar o nosso País de tanto atraso mental?

 

Coimbra precisa de livrar-se urgentemente desta praga, para poder viver plenamente e civilizadamente a modernidade.

 

ng4083350 GARRAIADA COIMBRA.jpg

Fotografia © Arquivo / Bruno Pires

 

Ler esta sinistra notícia, que não dignifica a academia coimbrã, aqui:

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4479159&fb_action_ids=1026836590663766&fb_action_types=og.comments

 

***

A MEDIOCRIDADE NUNCA FEZ AVANÇAR O MUNDO

SER ESTUDANTE IMPLICA EVOLUÇÃO

 

FERRO AAC.png

A “Estrela de Ferro” é atribuída a todos os municípios, empresas, associações, organismos e estabelecimentos de ensino que apoiam a selvajaria tauromáquica

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 23 de Março de 2015

PETIÇÃO PARA A ABOLIÇÃO DA GARRAIADA E DE TODOS OS ESPECTÁCULOS COM TOUROS DA QUEIMA DAS FITAS DE COIMBRA

 

 

11075191_1585696171672064_4791438773781729475_n[1]

 Origem da imagem: 

https://www.facebook.com/Queima.das.Farpas/photos/a.1585670385007976.1073741828.1568326173409064/1585696171672064/?type=1&theater

 

Se a Academia de Coimbra chega ao ano de 2015 da era cristã ainda a praticar selvajaria tauromáquica, o que andam a fazer na Universidade esses estudantes de baixo nível cultural e moral?

 

A queimar o dinheiro dos pais?

 

A demonstrar que a Estupidez é uma cadeira comum a todos os cursos universitários, apenas frequentada por uma minoria ignorante que envergonha a Cidade do Conhecimento?

 

Por favor, não desçam de nível. Lembrem-se que frequentam o Ensino Superior.

 

 

Repito: Ensino SUPERIOR. Não é o ensino inferior, herdado dos vossos antepassados broncos.

Evoluam! É mais do que tempo de EVOLUÍREM (IAF)

 

76551_1 QUEIMA.png 

Para: Comissão Organizadora da Queima das Fitas; Conselho de Veteranos da Universidade de Coimbra; Direcção Geral da Associação Académica da Universidade de Coimbra

Atendendo a que:

  1. a tauromaquia é uma aberração legislativa, uma vez que a lei portuguesa proíbe expressamente maltratar animais para fins recreativos, exceptuando os espectáculos tauromáquicos por se constituírem como tradição;
  2. a universidade deveria ser o baluarte no questionamento de tradições e convenções, propondo caminhos alternativos aos que se conhecem e trilham, promovendo uma cultura de valores como a justiça, a solidariedade, o respeito e o civismo; não uma cultura que ritualiza e glorifica exercícios de domínio, de subjugação e de violência;
  3. na sociedade actual o bullying é a forma mais comum e encapotada de violência, contaminando transversalmente as suas estruturas;
  4. cerca de 80%* dos estudantes universitários não concordam com a existência da garraiada no contexto das festas académicas;
  5. as verbas utilizadas na organização da garraiada poderiam ser canalizadas para actividades mais consensuais, como actividades culturais, desportivas, dinamização dos núcleos e secções da Associação Académica de Coimbra bem como o apoio à saudável integração de todos os estudantes na vida académica;

Entendemos que chegou a altura da Comissão Organizadora da Queima das Fitas deixar de promover essa actividade obsoleta.

 

Que seja Coimbra, a primeira capital nacional da cultura, em 2003, também a primeira a abolir práticas que obscurecem a aura de uma cidade com nove séculos de história e uma Universidade que se orgulha de ser das mais antigas e prestigiadas da Europa.

 

Nesse sentido, apelamos à Comissão Organizadora da Queima das Fitas que erradique os espectáculos tauromáquicos do programa da Queima das Fitas de Coimbra.

 

Coimbra tem mais encanto sem sangue na despedida.

 

Queima das Farpas, Coimbra, 20 de Março de 2015

 

* Dados da pesquisa Culturas Juvenis e Participação Cívica: diferença, indiferença e novos desafios democráticos, coordenada por Elísio Estanque e Rui Bebiano e realizada no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra entre 2003 e 2006. Projecto financiado pela FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia/ Ministério da Ciência e do Ensino Superior, no POCTI/SOC/45489/2002

 

ASSINAR PETIÇÃO

 

 

Fonte:

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/03/21/peticao-pela-abolicao-da-garraiada-e-de-todos-os-espectaculos-com-touros-da-queima-das-fitas-de-coimbra/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:11

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 7 de Março de 2015

A ÉTICA DA VIDA QUE TANTOS DESCONHECEM

 

Até muitos dos que tiveram a oportunidade de frequentar o ensino superior e ocupam cargos de poder, são professores catedráticos, comentadores de televisão, mas nada aprenderam sobre a Ética da Vida

 

Como é lamentável!

 

984127_579198175444714_707607113_n[1].jpg

Repare-se  na expressão de felicidade deste porquinho, que a Ciência considera o terceiro animal mais inteligente depois do Homo Sapiens (porque a  inteligência no animal homem-predador é nula)

 

Todos têm direito á vida pelo seu nascimento e pela sua existência!

A palavra Ética só faz sentido se for aplicada a todos os seres vivos.
E nisto reside a superioridade moral do Homem.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/medicina.veterinaria/photos/a.135904329774103.16366.129645703733299/579198175444714/?type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 14 de Maio de 2013

POSIÇÃO DOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE ARQUITECTURA DO PORTO SOBRE A GARRAIADA NO CONTEXTO DA SEMANA ACADÉMICA

 

Com estudantes esclarecidos temos futuro...

 

«A direcção da AEFAUP vem por este meio divulgar a tomada de posição apresentada e aprovada em Assembleia Geral, durante a tarde de hoje»

 

 

É assim, belo, imponente e digno que os que têm mentes sãs gostam de ver um Touro

 

 

«Os estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, reunidos em Assembleia Geral, declaram-se veementemente contra as touradas e garraiadas, nomeadamente as que são promovidas, anualmente, no âmbito da Semana Académica.

 

Mais entendem que a defesa de uma Universidade humanista, plural, livre, aberta e progressista não é compatível com abjectas demonstrações de injúria sobre a vida e, particularmente, sobre a vida animal.

 

É nosso entender que a Garraiada, que é incorretamente revestida de ‘’tradição académica’’, não deve permanecer um ano mais, sequer, na Semana Académica do Porto, por corresponder a uma prática desumana e retrógrada e que, por isso, deve envergonhar os estudantes da Universidade do Porto e de outras instituições de ensino superior da Área Metropolitana do Porto.

 

A história da academia, essencialmente depois da Revolta Estudantil dos anos 60, exige dos estudantes e das suas diversas formas de organização uma conduta vanguardista e não que se constituam verdadeiras forças de bloqueio para o progresso, como parece ser, nesta circunstância em particular, o caso.

 

Num período em que todas as energias dos estudantes e suas formas de organização devem estar concentradas na defesa do caráter público e universal Ensino Superior português, na luta por uma legislação inclusiva de atribuição de bolsas de estudo, por um financiamento que não atrofie as Instituições de Ensino Superior, por uma participação proporcionalmente aceitável dos estudantes nos órgãos de gestão da Universidade ou por um tratamento justo dos estudantes que se encontram inscritos situações de redobrada dificuldade e exigência, como é o caso dos estudantes trabalhadores, a organização de uma tourada por nossa iniciativa é ainda mais inadmissível e incompreensível.

 

Colocar em causa a dignidade animal é, pois, neste contexto, colocar em causa a dignidade humana; a subsistência deste evento – a Garraiada – no cartaz da Semana Académica, organizado pela Federação Académica do Porto, não é mais do que uma expressão de que à Academia a que pertencemos resta um longo caminho pela frente para se poder considerar verdadeiramente aberta, crítica e defensora da dignidade e do valor da vida.

 

Pelo disposto, os estudantes da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, reunidos em plenário, propõem que se decida pela exclusão definitiva deste evento da Semana Académica a partir do próximo ano.

 

Esta posição será enviada, sob forma de proposta, à Assembleia Geral da Federação Académica do Porto e para informação às Associações de Estudantes da Academia do Porto, à Reitoria da Universidade do Porto e às Unidades Orgânicas da Universidade do Porto.»

 

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=574582165905834&set=a.266658950031492.68013.266649160032471&type=1&theater

 

***

PARABÉNS ESTUDANTES DA FACULDADE DE ARQUITECTURA DO PORTO, PELA LUCIDEZ DA VOSSA POSIÇÃO

 

AINDA HÁ ESPERANÇA!

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:01

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 9 de Maio de 2013

«ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS CONTINUAM A TORTURAR ANIMAIS – VACADA NA LUSÍADA»

 

 

 

«Chega a época da queima das fitas e certos estudantes universitários pensam que a melhor maneira de se entreterem é organizando garraiadas e vacadas.

 

Com muito álcool no organismo, um bando de energúmenos, diverte-se a torturar fisicamente garraios e vacas, dando largas à imaginação para ver quem é o mais cobarde e o que mais danos físicos pode provocar aos animais.

 

Obviamente que nem todos os estudantes alinham e a maioria está contra, mas existe sempre um grupo de rascas para os quais torturar animais é divertido.

 

Curiosamente ou talvez não, são estes mesmos tipos que quando terminam os seus estudos acabam na política e demonstram que se em vez de torturarem animais tivessem estudado, não só não seriam iletrados como também não seriam uma cambada de incompetentes.

 

Hoje, a Universidade Lusíada, organiza a sua XX vacada com cervejas e sangria a 0,50 euros e bifanas a 1,50 euros. A comida é mais cara que o álcool…

 

Percebe-se porquê, precisam de combustível para tentar ser corajosos porque na realidade não passam de um bando de cobardolas.

 

Prótouro

Pelos touros em liberdade»

 

Fonte:

http://protouro.wordpress.com/2013/05/09/estudantes-universitarios-continuam-a-torturar-animais/

 

***

Este é o mundo pequenino de uns tantos portuguesinhos que desonram o Ensino Superior, com a sua inferioridade mental e intelectual.

 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 09:13

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

AS GARRAIADAS SÃO A PROVA...

QUEREMOS A QUEIMA DAS FIT...

GARRAIADA: O DUX VETERANO...

DIREITO À INDIGNAÇÃO

QUEIMA DAS FITAS 2015 DO ...

EMBORA COIMBRA TENHA MAIS...

PETIÇÃO PARA A ABOLIÇÃO D...

A ÉTICA DA VIDA QUE TANTO...

POSIÇÃO DOS ESTUDANTES DA...

«ESTUDANTES UNIVERSITÁRIO...

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt