Quinta-feira, 1 de Abril de 2010

Mário Viegas - Evocação da sua Arte de Bem Dizer Poesia...

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2010

 

(N. Santarém, 10 de Novembro de 1948 — F. Lisboa, 1 de Abril de 1996)

 

 

(Origem da foto: Internet)

 

 

Naquela manhã, como era hábito, enquanto tomava o pequeno-almoço, liguei o rádio para ouvir as notícias. E mal eu acabara de o ligar as palavras soltavam-se: «Morreu Mário Viegas». Era o dia 1 de Abril. A primeira coisa que me veio à cabeça foi que tudo aquilo não passava de uma brincadeira de mau gosto do realizador do programa ou do próprio Viegas (sabendo como sabia que era muito brincalhão e gostava de ironizar com as coisas mais sérias). Era o Dia das Mentiras. Logo, não podia ser verdade.

 

Contudo era verdade. Ironia das ironias: Viegas morria no Dia das Mentiras. E passaram já 14 anos. E continua a ser mentira. Viegas ficou entre nós com a sua Arte inteira, genuína, magnífica.

 

Certo dia, para quebrar o monótono desencanto de uma vida vivida numa cidade onde o único poema é o mar e os seus insondáveis mistérios e as suas revoltas, mas também singelezas, decidi escrever uma crónica sobre poetas, para poder levar o sonho à minha existência, daqueles que, noutros tempos e noutros lugares, nos deixaram retalhos da própria vida, em forma de palavras.

 

Por essa altura, andava no ar, na RTP1, todos os sábados, por volta das 18 horas, o programa «Palavras Vivas», um autêntico oásis cultural, no grande deserto da produção televisiva portuguesa da época (estávamos em 1991).

 

Para quem gostava de Poetas, de Poesia e da arte de bem dizer, «Palavras Vivas» era, de facto, um programa extremamente bem concebido, onde as imagens, a música, as palavras dos poetas e a voz inconfundível de Mário Viegas nos transportavam para ambiências pertencentes a um passado não muito distante, mas, ainda assim, passado.

 

Ele próprio, Mário Viegas, grande actor, um homem com uma cultura poética extraordinária, era um autêntico poeta, na forma como nos dava a conhecer os nossos maiores poetas, por entre ambientes românticos, que despertavam (pelo menos em mim) uma saudade de tempos nunca vividos, de lugares nunca visitados, de pessoas nunca conhecidas.

 

Decidi dedicar-lhe essa Crónica.

 

Recordo-me do programa sobre Camilo Pessanha, cujo livro de poemas «Clepsidra», levou Mário Viegas a procurar uma paisagem de um rio de águas claras, arvoredo e velhas pedras. Insignificâncias para uns, mas para o poeta, autênticas jóias raras que adornam a existência. O poeta do tormento e da nostalgia, marcado por sarcasmo cáustico, sendo a sua obra considerada um dos grandes marcos do simbolismo português. O poeta que imortalizou as pedrinhas.

 

Nas coisas mais simples e mais naturais está a poesia da vida, contudo, essas coisas apenas os verdadeiros poetas conseguem ver, sentir e transformar em palavras.

 

Se não fossem eles, os poetas, as humildes pedrinhas que jazem inconscientes no leito dos rios, não viveriam na memória dos Homens comuns, porque esses nunca se lembrariam de as olhar com olhos carinhosos. Essas pequenas insignificâncias da Natureza, a quem ninguém mais dá valor, a não ser os poetas.

 

Mário Viegas, que era, sem a menor sombra de dúvida um dos nossos melhores diseurs (na minha opinião, obviamente) deu-nos a conhecer um pouco da vida e da obra de grandes poetas portugueses, introduzindo-nos, igualmente, outros intelectuais de cada época.

 

Logo no seu primeiro programa, tendo como cenário o Círculo Cultural Scalabitano, em Santarém, sua terra natal, Mário Viegas apresentou-nos alguns poetas com quem manteve relações de amizade, como Raul de Carvalho (questionando na altura o espólio “perdido” do poeta); José Gomes Ferreira; e o (também meu) saudoso Zeca Afonso, dando-nos oportunidade de ouvir algumas das suas mais belas canções.

 

Recordando Ruy Belo, Mário Viegas conduziu-nos por Santarém, terra onde o poeta viveu e estudou; por São João da Ribeira onde nasceu e quis ser sepultado, e por Vila do Conde, terra de gratas recordações do poeta.

 

Dizendo alguns dos seus mais expressivos poemas, Mário Viegas deu-nos a conhecer a poética de Ruy Belo, para mim, na altura, um quase desconhecido.

 

Depois veio a evocação de Fernando Pessoa, numa antiga casa em Campo de Ourique, vazia e abandonada, onde viveu o poeta. Através desta evocação, contactámos também os amigos de Fernando Pessoa, e ficámos alertados para a necessidade de preservar os “lugares sagrados” que são os pousos dos poetas.

 

Mário de Sá Carneiro foi relembrado entre um cenário insólito, como insólita foi a sua vida, vivida em grandes tormentos.

 

Um dos programas mais vibrantes foi o dedicado a Almada Negreiros, no Teatro da Casa da Comédia, onde Mário Viegas além de recordar essa figura ímpar da Cultura Portuguesa, leu, com extraordinário fulgor, como só ele sabia, o célebre Manifesto Anti-Dantas, uma obra-prima do humor culto português.

 

De seguida, do Alto de Santo Amaro, tendo como cenário de fundo a cidade de Lisboa, Mário Viegas falou-nos de Cesário Verde, “o poeta de todos os poetas”, conforme ele próprio referiu. Momentos inesquecíveis e de rara sensibilidade e beleza.

 

...

 

A crónica que dediquei a Mário Viegas e ao seu programa terminei-a assim: «Por tudo o que me tem dado, pela fuga que me proporciona, agradeço publicamente a Mário Viegas, as palavras dos nossos poetas, às quais ele incute com a sua arte de bem dizer um inspirado sopro de vida, fazendo renascer cada poeta, em cada poema, a cada momento.»

 

Para que Mário Viegas tivesse conhecimento dessa homenagem que lhe prestei, enviei-lhe pelo correio o jornal, onde ela foi publicada.

 

Passado uns tempos, ele escreveu-me um postal, a agradecer-me, onde contava que estava a escrever-me de “fofo” para o ar, porque partira um pé, uma costela e uma vértebra, numa queda que dera, quando andava a fazer quatro peças em dois teatros diferentes. E numa dessas correrias...

 

...

 

No dia 19 de Março de 1991, veio à Póvoa de Varzim, fazer uma palestra, convidado pela Cooperativa «A Filantrópica» no tempo em que era seu director o Luís Alberto Oliveira. Sabendo da minha admiração pelo Viegas, o Luís convidou-me para o jantar que aquela instituição cultural ofereceu ao convidado.

 

 

 

 

É a fotografia desse jantar que aqui reproduzo, estando de frente o Mário Viegas, junto do actor João Nuno Carracedo, que por sua vez está ao lado do pintor poveiro Francisco Nova. De costas, estou eu (a da trança) a iniciar um brinde, a Maria da Luz, mulher do Luís Alberto, que está a seu lado.

 

Hoje, passados 14 anos sobre a sua morte, recordo-o com muita saudade.

Este é  o meu contributo para que Mário Viegas, apesar de já ter partido, esteja sempre entre nós.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 09:28

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Mário Viegas - Evocação ...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt