Segunda-feira, 11 de Maio de 2020

«O vírus, o Estado social e o nosso modo de vida»

 

«Fomos obrigados a deixar a “fast-vida”, a correria, o massacre da competição e do tempo sem tempo. Com burnout, agora, só os profissionais de saúde. E se pudéssemos aproveitar para mudar?»

 

Um texto de leitura obrigatória.

 

CORONA.png

 

Por:

Isabel do Carmo/Jaime Teixeira Mendes/João Durão Carvalho/Martins Guerreiro

 

«Médicos, um engenheiro hospitalar e um militar, integrados em respectivas associações, entendem juntar-se para em conjunto exprimir que esta pandemia nos coloca problemas políticos que dizem respeito ao Estado em geral e ao Estado social em particular, ao desempenho dos vários actores políticos nesta crise e ao nosso Serviço Nacional de Saúde (SNS). Colocam-se também questões sociais e até filosóficas mais latas, relativas ao ser humano no ecossistema e no modo de vida.

 

Vários pensamentos esperam do Estado coisas diferentes. Alguns esperam segurança e voz de comando. Outros, como nós, esperam, para além disso, o funcionamento do Estado social. O que é que este significou e significa. Foi a seguir à Segunda Guerra que o Estado Social se corporizou. As decisões dos governos das democracias foram tomadas após grandes movimentos das massas trabalhadoras em geral e dos sindicatos em particular. Portugal, Espanha e Grécia ficaram debaixo do tapete das democracias e bem sabemos as consequências. O espírito que atravessou as democracias, com liderança do Reino Unido e dos países escandinavos, consistiu na nacionalização das grandes indústrias e do caminho-de-ferro. Num levantamento de estruturas de habitação, de saúde e de educação a partir do Orçamento Geral do Estado. Constituído este a partir de impostos progressivos de acordo com o rendimento. Foi um grande salto para diminuir a desigualdade entre as pessoas, com a qual elas nascem. Foram precisos 30 anos para Portugal, após Abril de 1974, adoptar a mesma estrutura, estabelecendo-se informalmente após a revolução, mas só se tornando lei em 1978. O SNS estabeleceu-se e a sua concepção é idêntica à do Reino Unido e dos países escandinavos. Chama-se beveridgiana porque o seu legislador em Inglaterra foi Beveridge. Os outros países da Comunidade Europeia também têm cobertura universal mas na base de seguros obrigatórios ou segurança social.

 

O problema é que a nossa legislação foi na contra-onda que entretanto se estabelecia na Europa e nos EUA em 1979/80, com R. Reagan e M. Thatcher. Para esta última, segundo as suas palavras, não havia “sociedade”, só havia “indivíduos”. A partir daí o pensamento progressivamente hegemónico foram as privatizações das fontes de rendimento do Estado e a redução progressiva dos serviços públicos a favor da “concorrência” com os privados. Porque o espírito foi e é: mercado, concorrência, individualismo. Está expresso na Lei de Bases da Saúde de 1993, aprovada por um parlamento com maioria de direita.

 

O nosso medíocre cavaquismo foi o thatcherismo luso, inspiração para uma grande parte da direita portuguesa. Liberais, com várias designações, que falam contra a “carga fiscal” (ressalva-se as dificuldades das pequenas e médias empresas), sabendo que é daí que vem dinheiro para a educação e a saúde, falam contra as “taxas e taxinhas”, quando são aplicadas às bebidas açucaradas, são os que falam em “menos Estado, melhor Estado” (mas qual é que escolhem?). Infelizmente, a pandemia veio demonstrar o que é ter ainda algum Estado social ou não ter nenhum, como acontece nos EUA.

 

A resposta da Direcção-Geral da Saúde (DGS) e do Ministério da Saúde (MS) foi adequada, serena e resistente ao desgaste do trabalho exaustivo, e dos ataques directos ou enviesados. Duas mulheres sem experiência de uma pandemia, porque ninguém a tem, enfrentaram a crise com inteligência e coragem, tomando medidas proporcionais. O primeiro-ministro tem a liderança necessária com a mesma sabedoria. Realce-se o conhecimento transmitido por cientistas portugueses, virologistas, infecciologistas, pneumologistas, epidemiologistas ao nível do melhor pensamento internacional. Não é por acaso. Tiveram formação e experiência no SNS. Os profissionais de saúde têm feito um trabalho extraordinário com risco de vida, como se constata pelo número de infectados em percentagem superior ao da população em geral. Continuem nesse caminho de generosidade e profissionalismo.

 

Não é de estranhar, mas é de denunciar o aproveitamento político daqueles que acham o momento bom para atacar a DGS e o MS, evidenciando carências que existem e outras que poderão vir a existir. Mais não fazem do que alarmar, lançando o pânico. Não é boa altura para guerrilhas. É igualmente de denunciar todos os aproveitamentos comerciais de grandes empresas fornecedoras.

 

Nós sabemos que há muitas questões a colocar no futuro relativamente ao SNS: orçamentação, estrutura hospitalocêntrica, necessidade de auto-suficiência em grande parte dos meios auxiliares de diagnóstico nos Cuidados Primários e articulação destes com os centros hospitalares, retenção dos jovens especialistas no serviço público através de estímulo material (muitos estão agora nas urgências dos privados e bastante falta nos fazem no SNS), substituição e actualização tecnológica de equipamento. Destacamos a perda de 4000 camas de agudos no SNS desde 1995 (de 25.000 para 21.000), agora com 2,1 camas por mil habitantes, macas nos corredores e taxas de ocupação superiores a 90% em vez dos normais 85%. Camas públicas e privadas, temos 3,3 camas por mil habitantes, a França tem 6,2 e a Alemanha 8,2 (Fonte: Eurostat, 2017). Consequência de muitos anos de politica neoliberal com enorme investimento e crescimento dos serviços privados. Para que servem agora? Seria interessante perguntar porque só a 23 de Março os hospitais privados, Luz e Lusíadas, admitem doentes com covid-19 . O que é que têm feito aos doentes com covid que lhes aparecem? E os ventiladores da CUF vieram sozinhos ou com doentes? É certo que a CUF no Porto e na Infante Santo ofereceram-se para entrar na rede. Mas a que preço? E qual é o preço dos testes que fazem? Os serviços privados ofereceram-se também para receber doentes não contaminados para libertar camas do público. A que preço? E qual é o jogo do mercado no fornecimento de materiais de defesa da desinfecção? Tudo isto devia ser transparente.

 

Verifica-se também que a União Europeia só serve para regular mercados financeiros. Não tem nenhum mecanismo para actuar em casos de pandemia ou catástrofe humanitária. Acentuam-se já as assimetrias dos países do sul da Europa em relação aos do norte. A falta de solidariedade europeia contrasta com a solidariedade da China e Cuba. O tempo é de solidariedade e não de egoísmos nacionais ou de grupo.

 

No meio do infortúnio torna-se dia-a-dia evidente, através dos contactos à distância, que as pessoas estão a gostar de se sentir no colectivo, que encontraram tempo e paciência para a família, que os sentimentos bons ressurgiram, o desfrute da arte erudita e popular aconteceu. Fomos obrigados a deixar a “fast-vida”, a correria, o massacre da competição e do tempo sem tempo. Com burnout, agora, só os profissionais de saúde.

 

E se pudéssemos aproveitar para mudar?

 

É também altura para lembrar que não vivemos sozinhos na terra. Não somos os reis do Universo, nem este é humanocêntrico. Os vírus e muitos outros seres vivos coexistem connosco num ecossistema. Não é Satanás, nem uma conspiração. É o acaso ou é aquilo que cabe no nosso enorme desconhecimento. Mas será a ciência, a divulgação, a paixão de saber que, tal como o vírus, não podem ter preço nem fronteiras, a permitir que se vença este inimigo, tal como já foram vencidas muitas bactérias e como foi prolongada a esperança de vida nos países desenvolvidos.»

 

Isabel do Carmo, médica, professora da Faculdade de Medicina de Lisboa, associada da Associação de Médicos Portugueses em Defesa da Saúde (AMPDS); Jaime Teixeira Mendes, médico, presidente da AMPDS; João Durão Carvalho, Engenheiro, membro da direcção da Associação de Técnicos de Engenharia Hospitalar Portuguesa; Martins Guerreiro, almirante, militar de Abril

 

Fonte: https://www.publico.pt/2020/03/27/sociedade/opiniao/virus-estado-social-modo-vida-1909170

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:47

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

«Por falar de Galgos...»

 

Um excelente  texto de Teresa Botelho, publicado no seu Blogue Retalhos de Outono.

Neste texto, Teresa Botelho suplanta a reportagem da TVI, e diz-nos mais alguma coisa sobre este submundo das corridas de galgos, onde o Poder tem um poder obscuro…

 

Galgo.png

 

Texto de Teresa Botelho

 

«Quando se fala de Galgos, vislumbra-se de imediato um negócio sujo e obscuro, do qual a TVI teve a coragem de levantar o véu, embora sem ir directamente ao fundo da questão e às implicações indecorosas que estes negócios de maltrato animal têm no esbanjamento de dinheiros públicos, assumidos descaradamente por certos municípios.

 

Todos sabemos que a maior parte das Câmaras deste país, são regidas por partidos e portanto, dizer-se que certas actividades se situam "longe das autoridades", como foi dito na referida reportagem do dia 15 de Outubro do corrente ano, não só serviu, para atirar areia para os olhos (já de si turvos), da maioria dos submissos contribuintes, como é redondamente falso!

 

As corridas de galgos, têm ocorrido na maioria das feiras de caça, agricultura, pecuária, pesca, turismo, etc., feitas no nosso país de norte a sul, ano após ano e todas elas apoiadas e organizadas pelos respectivos poderes locais, senão, vejamos alguns exemplos: Macedo de Cavaleiros, Ponte de Lima, Castro Verde, Beja e muitas outras que trazem nos seus programas corridas de galgos, entre outras demonstrações igualmente violentas de caça, exposição de espécies cinegéticas, falcoaria, etc..

 

Às alegadas Associações de Galgueiros, como a legislação não contempla os seus registos unicamente pela prática da exploração dos cães, mais precisamente galgos, apresentam-se como associações de caça ou lebreiras, como acontece entre outras, com a Associação Galgueira e Lebreira do Norte, com inúmeras actividades, campeonatos nacionais de galgos pelo país inteiro, divididos por idades, sexos e até proveniência, como acontece com as exibições de animais importados em corridas. 

 

A Federação Nacional de Galgueiros que abrange as referidas associações de "caça", promove treinos privados com lebres vivas e a Associação Galgueira e Lebreira de Vila do Conde, integra nas suas actividades "desportivas" a mesma conduta, alertando para o facto de serem espectáculos para "estômagos fortes".

 

Em 2011, houve uma largada de lebres vivas numa reserva dos arredores de Cuba, onde participaram galgos de canis de Alenquer, Faro, Albufeira, Famalicão, Cadaval, Rio Maior, Vila do Conde e Venda do Pinheiro e perante a quantidade de cães envolvidos, podemos imaginar quantas dezenas ou mais de lebres foram trituradas para gozo da assistência, mas como é evidente, o espectáculo não terá sido aberto, porque só em 2015, a câmara CDU inaugurou a maior pista de corridas de galgos do país, construída com dinheiros públicos, numa zona envelhecida e carenciada, mas cujos valores despendidos na sua construção, não foram divulgados ao público. Contudo, não é só em Cuba que existe uma infra-estrutura deste tipo, porque também em Castro Verde há uma pista municipal para corridas de galgos, entre outras a que não tive acesso. 

 

Na feira de Mértola, a realizar no próximo dia 25 do corrente mês, a organização e responsabilidade, pertencem igualmente à Câmara Municipal e com ela colaboram, além de Associações de Galgueiros do Sul e de caça, entre outros, o Agrupamento de Escolas de Mértola. 

 

Pelo menos, duas ou três corridas de galgos serão realizadas durante a feira, junto à escola e os eventos de caça serão diários, para que o gosto de matar e ver sofrer, se integrem no dia a dia das crianças e adolescentes, como actos pedagógicos dignos de serem perpetuados e banalizados como divertimentos sadios para as novas gerações.

 

Perante isto e como o texto já vai longo, não entrarei no real tratamento deste cães, na curta e difícil sobrevivência dos animais envolvidos, nos treinos selvagens, no negócio das apostas clandestinas, na venda de sangue, etc., visto o programa da Alexandra Borges e o posterior debate, terem sido elucidativos quanto baste, sobretudo quanto à legislação omissa e tendenciosa de 2014 sobre protecção de animais de companhia, tão bem explicada pelo advogado Garcia Pereira, mas que só conseguiu ser aprovada, com a introdução das tão oportunas salvaguardas que ao serem impostas e adicionadas aos textos originais do PAN e BE pelos restantes partidos adeptos destas práticas de maltrato animal, permitiu ao Parlamento reprovar posteriormente a pretensão de se proibirem as corridas de galgos e até a tauromaquia e seus derivados em Portugal.

 


Perante tudo o que se viu e ouviu, deveria restar no povo português, uma enorme preocupação, quanto às habilitações académicas e literacia dos nossos governantes que ignoram a existência de tais espectáculos, quando eles próprios visitam essas feiras e não conseguem soletrar sequer os seus programas, onde não se escondem tais eventos, como aconteceu frequentemente durante o "reinado" do Ministro Capoulas Santos e o seu secretário de Estado que manifestaram total desconhecimento sobre semelhantes espectáculos, a que provavelmente assistiram, mas que já não se recordam. 

 

Enfim, talvez após este incidente televisivo que tanto contrariou os envolvidos, apareça finalmente uma legislação apropriada à continuação destes espectáculos, com regras tão eficazes como a das touradas que estabelecem as regras de bem massacrar touros e cavalos, mas cuja fiscalização não repara, porque a corrupção galopa de alto a baixo neste país de governantes tão honestos, democráticos e bem falantes que este povinho explorado elege por ignorância, medo, ou simples  tolerância, porque se acostumaram tão bem aos cabrestos que lhes foram colocando, ano após ano que pelos vistos, lhes passaram a assentar que nem luvas...»

 

Fonte:

https://retalhosdeoutono.blogspot.com/2019/10/por-falar-de-galgos.html?showComment=1571318573560#c6687312843779749731

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:27

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 8 de Setembro de 2017

COM ESTE TEXTO RESPONDO A TODOS OS COMENTÁRIOS INSANOS E DIFAMATÓRIOS QUE RECEBI A PROPÓSITO DA MORTE DO FORCADO DE CUBA

 

Obrigada, Maria Helena Capeto, pela sua LUCIDEZ.

 

Não há nada mais gratificante do que ser lida por pessoas que sabem interpretar a LÍNGUA PORTUGUESA.

 

A ILITERACIA dos aficionados só demonstrou o estado cultural paupérrimo em que os governantes portugueses mantêm este povo.

 

ANTI-TOURADA21150117_1965179750424509_890632140385

 Legenda da imagem: «Eu sou anti-tourada porque guardar silêncio faz-me cúmplice da sua tortura»

 

Texto de Maria Helena Capeto

 

«Vão ver no perfil da Isabel A. Ferreira (no Facebook) as ofensas a que esta grande defensora dos animais tem sido sujeita!

 

Isabel A. Ferreira publicou este texto sobre a morte do forcado.

 

MORREU UM FORCADO QUANDO TORTURAVA UM TOURO MORIBUNDO

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/morreu-um-forcado-quando-torturava-um-738420

 

Segundo ela, acabou por ter que colocar uma advertência. Nos comentários feitos nas suas publicações tem sido ofendida da forma mais vil, ameaças incluídas. Não só por ser anti-tourada mas porque o português pelos visto se revela ser uma língua difícil de compreender...

 

Diz Isabel A. Ferreira: "Não aplaudo a morte de um carrasco."

 

"Não aplaudo a morte de um carrasco" = não bato palmas = não fico feliz = não me regozijo = não digo "olé "saltando de contentamento.

 

Diz Isabel A. Ferreira: "Mas também não a choro."

 

"Mas também não a choro." = não a lamento = não tenho pena = não fico infeliz.

 

"Mas também não a choro." NÃO SIGNIFICA que me regozijo (ou seja, que fico feliz) com isso! Há dicionários online que poderiam ser consultados antes de se fazerem certos comentários.

 

Diz Isabel A. Ferreira: "É de lamentar que ninguém aprenda nada com estas mortes inúteis, insanas e inglórias."

 

Como é possível alguém interpretar que alguém se está a regozijar com esta morte?! Será algum problema com a palavra "insanas"? Até o mais rasca dicionário online dá o significado dela!

 

Os defensores dos animais não se regozijam com estas mortes, como não se regozijam com a morte cruel, torcionária e desportiva de nenhum outro ser vivo. Os defensores dos animais defendem o direito à vida e à dignidade da vida de todas as espécies, reconhecendo que a morte natural faz parte da vida e que todos os seres vivos se alimentam uns dos outros. Assim é o ecossistema da Terra.

 

Os defensores dos animais defendem todos os animais por igual, humanos incluídos pois estes também são animais. Porque os verdadeiros defensores dos animais não são especistas, eles não defendem só os de companhia, defendem TODOS!

 

Quem celebra a morte de alguém é quem aplaude espectáculos selváticos, bárbaros, quem incita à prática desses desportos e quem os pratica. São as palmas e os olés nas bancadas e nas arenas que aplaudem a morte dos participantes numa barbárie incivilizacional.

 

MARIA HELENA CAPETO»

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:40

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 6 de Setembro de 2017

Morreu um forcado quando torturava um Touro moribundo

 

ADITAMENTO A ESTE TEXTO!

Este texto não deve ser lido por gente que sofre de iliteracia! Não irão entender nada!

(7 de Setembro de 2017)

 

Morreu o forcado colhido pelo Touro que estava a torturar, e o qual, apesar de moribundo, conseguiu reunir derradeiras forças para se defender do seu carrasco, como é de seu direito e instinto.

 

Não aplaudo a morte de um carrasco. Obviamente. Mas também não a choro. O mundo libertou-se de uma criatura que passou a vida a torturar Touros moribundos. Não surpreende que tivesse acabado a vida deste modo, porque colheu simplesmente o que plantou.

(Quem com ferros mata, com ferros morre! Onde é que eu já ouvi isto?)

 

FORCADO MORTO.png

Pedro Primo, à esquerda, não resistiu aos ferimentos…

Fonte da imagem:

http://www.jn.pt/local/noticias/beja/beja/interior/morreu-o-jovem-forcado-dos-amadores-de-cuba-ferido-durante-corrida-de-touros-8751039.html

 

O mais insólito disto tudo, é que esta e outras mortes como esta, levam o carimbo do governo português, que nada faz para abolir esta prática cruel e violenta, que mata animais não-humanos (Touros e Cavalos) mas também animais desumanos (os seus carrascos), numa escalada de violência que, ultimamente, tem-se verificado com muita frequência.

 

O forcado Pedro Primo, que tinha apenas 25 anos, e pertencia aos Amadores de Cuba, morreu esta terça-feira, num hospital em Lisboa, depois de ter sido colhido por um Touro moribundo, que reuniu as últimas forças, para se defender, com bravura, do ataque selvagem e cobarde dos forcados.

 

Pedro Primo despedia-se das arenas no passado sábado, em Cuba (Beja), durante uma corrida de touros à portuguesa, a mais cruel, a mais selvática de todas as actividades tauromáquicas.

 

Se ao menos os pais do Pedro lhe tivessem incutido valores humanos quando era criança...! O que fazem os pais aficionados? Incitam as crianças a tornarem-se violentas e cruéis, inúteis e parasitas da sociedade. E isto tudo com o aval dos governantes e dos responsáveis pela Protecção de Menores... e da Igreja Católica...

 

O forcado, que sofreu lesões no fígado, foi transportado para o Hospital de Beja, onde foi submetido a várias transfusões sanguíneas ao ponto de esgotar o banco de sangue do hospital, sendo mais tarde transferido de helicóptero para o Hospital Curry Cabral, em Lisboa, onde acabou por morrer.

 

Escusado será dizer que todas as despesas foram pagas com os nossos impostos.

 

É de lamentar que ninguém aprenda nada com estas mortes inúteis,  insanas e inglórias.

 

Ao Pedro Primo já não poderemos perguntar se valeu a pena andar a torturar Touros, cobardemente, para morrer sem glória, numa arena, rodeado e aplaudido por sádicos.

 

Lamento a inutilidade da sua vida, e ainda mais a insanidade da sua morte.

 

Mas aos outros forcados, pergunto: vale a pena semear violência?  É que os carrascos não terminam a vida tranquilamente, deitados na relva de um jardim, porque não o merecem. A Lei do Retorno é infalível e implacável. E colhemos sempre aquilo que semeamos.

 

Mais uma morte, na longa lista de mortos e mutilados nestas práticas violentas e cruéis, avalizadas pelo governo português e pela igreja católica.

Quantos mais precisarão de morrer, para se acabar com isto?

 

Isabel A. Ferreira

***

Post Scriptum:

(20 de Setembro de 2017)

 

Pedro Primo, que fazia a última pega quando morreu, vivia num quarto alugado em casa de amigos e não tinha ligações à família. Dizem que teve uma infância difícil, trabalhava no campo para um empresário da tauromaquia, de nome Inácio Ramos Jr., e andava nos forcados há 10 anos, ou seja, desde a menoridade… Segundo uma senhora, que se me apresentou como mãe deste forcado, Pedro Primo não queria ir para a arena, neste dia, mas foi obrigado. Quem o obrigou? Quem o atirou para a morte? Esses sim, são os que se regozijam com a morte destes infelizes, tanto quanto se regozijam com a morte dos Touros. O que lhes interessa é que possam continuar a viver à tripa forra, à custa dos nossos impostos e da ignorância do povo.

 

***

Ainda sobre esta matéria podem ler:


COM ESTE TEXTO RESPONDO A TODOS OS COMENTÁRIOS INSANOS E DIFAMATÓRIOS QUE RECEBI A PROPÓSITO DA MORTE DO FORCADO DE CUBA

 

AS LÁGRIMAS DE CROCODILO DOS QUE LEVARAM À MORTE O FORCADO PEDRO PRIMA

 

AO CUIDADO DO PS, PSD, CDS/PP, PCP E IGREJA CATÓLICA PORTUGUESA QUE APADRINHAM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:04

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 3 de Outubro de 2016

Ó ALENTEJANOS DE CUBA, AINDA CONTINUAM A CONFUNDIR ATRASO CIVILIZACIONAL E MENTAL COM CULTURA, ÉTICA E LUCIDEZ…?

 

Ainda continuam a confundir verdades com insultos?

 

Neste passado fim-de-semana, tive de ausentar-me, e quando me ausento, desligo-me do mundo ao qual não pertenço, ou seja, ao mundo dos que se recusam a evoluir.

 

Porém, como tenho um compromisso com a VIDA e com os que não têm voz para se defenderem de primitivos e perversos algozes, hoje, ao regressar a este mundinho, deparo-me com um derrame de comentários de alentejanos de Cuba que foram desenterrar um texto que escrevi em 29 de Setembro de 2015, sob o título «Atraso Civilizacional de um Lugar Alentejano chamado Cuba” inserido neste link:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/atraso-civilizacional-de-um-lugar-582422

 

GALGOS1.jpg

 

onde, com palavras correctamente aplicadas, às quais os alentejanos de Cuba, por uma genuína ignorância, chamam de insultos, critico e denuncio o atraso civilizacional e o retrocesso de Cuba quando inaugurou um recinto de tortura de Galgos, os quais, naquela localidade de fim-de-mundo, não são considerados nem cães nem sequer animais como os outros.

 

Nesse artigo escrevi (e repito, não lhe retirando uma só vírgula):

 

«Cuba, um lugarejo situado nos confins do Alentejo, com cerca de apenas 3.200 habitantes, em vez de EVOLUIR, retrocede de um modo desprezível.

 

(disse de um modo desprezível, porque é desprezível o modo como tratam os animais, nomeadamente os Galgos, em Cuba)

 

A vergonhosa notícia de que foi inaugurado um recinto para tortura de Galgos, que são animais, pelos vistos, não reconhecidos como tais, naquela localidade, só diz do atraso civilizacional em que vive um povo, cujos governantes só têm para lhe oferecer o que há de mais repugnante no carácter dos que se dizem "homens": o seu baixo nível moral, cultural e social.

 

(disse de baixo nível moral, cultural e social porque fazer o que fazem aos Galgos é tudo isso, e muito mais, como se verá mais adiante)

 

«Fiquei perplexa, ao ter conhecimento de mais este retrocesso em território português, depois de tudo o que sabemos que se tem passado em Espanha e noutros países...

 

Os Galgos são Cães bastante sensíveis.

 

(mas os alentejanos de Cuba acham que são “coisas” feitas de pau, como os “cavalinhos” com que as crianças costumam brincar).

 

E os Cães, tal como todos os outros animais que habitam o nosso Planeta, não existem para servir de divertimento a sádicos, que se comprazem com o sofrimento alheio.

 

(e ainda por cima, ganham muito dinheiro, e é isso que os move, à custa do sofrimento de animais tão sencientes).

 

«Enquanto o mundo evolui, Portugal transforma-se no paraíso dos mentecaptos.

 

De acordo com uma fonte municipal, nas mãos da CDU, esta iniciativa tem em vista a captação de visitantes e quer afirmar Cuba como a capital dos Galgos de corrida.»

 

(o que significa dizer que os governantes locais, querem transformar Cuba na capital do “divertimento sádico”)

 

«Enganam-se aqueles que pretendem promover Cuba deste modo desactualizado e primitivo, explorando e torturando animais, com dinheiros públicos.

 

Saberão os responsáveis por esta iniciativa retrógrada que, ao contrário do que pensam, só afastarão visitantes?»

 

Quem, no seu juízo perfeito, irá a Cuba assistir a tão degradante “coisa” (não podemos chamar “àquilo” espectáculo)?

 

Apenas os parvos.

 

Inaugurem pavilhões desportivos; escolas de música, de dança e de artes plásticas; salas de teatro...

 

Enfim, inaugurem algo civilizado que possa chamar a Cuba turistas cultos e oferecer aos jovens locais divertimentos que os façam evoluir.

 

Agora, inaugurarem uma pista municipal de Galgos é algo que só desprestigia a vila e a coloca no rol das terrinhas portuguesas condenadas ao abandono e ao desprezo da sociedade civilizada.

 

Abaixo Cuba!»

 

GALGOS2.jpg

 Quem tiver olhos de ver, olhe bem para os olhos deste desventurado animal, que não nasceu para isto, e veja-se a angústia reflectida no espelho dos seus olhos… E os de Cuba ganham muito dinheiro à custa desta angústia.

 

O PAN - Pessoas, Animais e Natureza (um partido que levou á Assembleia da República um discurso novo), já denunciou aosMinistério Público os maus tratos a que os galgos estão sujeitos para que energúmenos encham os bolsos, e os sádicos se divirtam.

 

De entre os vários maus tratos denunciados está a suspeita do uso de drogas estimulantes, como cocaína, cafeína, eritropoietina e anfetaminas, bem como anti-inflamatórios não esteróides ou corticosteróides.

 

Todos nós sabemos que esta é uma actividade que «representa um negócio altamente lucrativo que vive à custa da exploração do alto nível da actuação dos galgos, pela exigência dos violentos treinos a que são sujeitos, com choques eléctricos, administração de drogas estimulantes altamente prejudiciais à sua saúde e um desgaste bruta.

 

E todos nós sabemos também que, quando os Galgos, aniquilados pelo uso e abuso de tudo isto, já não dão lucro, são ignobilmente abandonados para morrerem à fome, sem qualquer direito a tratamento, ou abatidos sem dó nem piedade.

 

Além disto tudo, fazem-se apostas ilegais (e quem também não sabe disto?) até porque em Portugal, tudo o que meta a exploração de animais, faz-se com muita ilegalidade à mistura.

 

A corrida de galgos não estará regulamentada, mas a corrida de touros está, e as ilegalidades são mais que muitas, e quem de direito não mexe uma palha para fazer valer o regulamento.

 

Se perguntamos às autoridades se a fiscalização a estas actividades existe, elas não respondem, o que poderá significar que essa fiscalização não existe e tudo se faz na maior das ilegalidades.

 

GALGOS3.jpg

Quem tiver olhos de ver continue a reparar na expressão desesperada dos Galgos…

 

Para aqueles alentejanos de Cuba que enviaram comentários ordinários (porque é assim que os cobardes defendem estas actividades lucrativas e abominábeis, com a intenção de calar as vozes que defendem a Vida, qualquer Vida) acrescento que em muitos países esta prática perversa já foi proibida.

 

Há pouco tempo leu-se aqui http://domtotal.com/noticia.php?notId=1045793

 

que o estado australiano de Nova Gales do Sul proibiu a corrida de Galgos depois de uma investigação que revelou o uso de iscas vivas (porcos pequenos, coelhos e gambás, que no final são devorados pelos cães), e o sacrifício de milhares de Cães considerados muito lentos.

 

De acordo com essa investigação, pelo menos 68 mil Cães foram sacrificados nos últimos doze anos.

 

Nessa notícia lê-se ainda que "as corridas de Galgos foram proibidas em muitos países e em muitos estados dos Estados Unidos e são legais em apenas oito países do mundo" (tal como as corridas de touros são legais em apenas oito tristes países do mundo, um dos quais, vergonhosamente, é Portugal).

 

Concluindo:

Alentejanos de Cuba, antes de abrirem essas vossas bocas sujas, para expelirem obscenidades (que é o único modo que sabem utilizar para tentar defender o abuso e tortura de animais sencientes) inteirem-se do que se passa no mundo, ao redor de Cuba, que continua a ser uma vila enterrada no meio do Alentejo, onde a evolução ainda não chegou.

 

E saibam que não tenho medo de ameaças de cobardes.

 

Entretanto vejam neste link quem são os atrasados mentais:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/cubenses-alentejanos-nao-confundam-583576

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:48

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2015

CUBENSES ALENTEJANOS, NÃO CONFUNDAM “COISAS” COM CULTURA, MORAL E ÉTICA…

 

Por favor… Só vos fica mal.

 

A propósito de um texto meu aqui publicado sob o título: «Atraso Civilizacional de um Lugar Alentejano Chamado Cuba», recebi dois comentários curiosos, porque demonstram a iliteracia que vagueia por aí, como uma ventania desnorteada…

 

Esmiucemos os ditos comentários… para que fique claro quem são os atrasados mentais…

 

11813348_996435373711002_7415402028849658613_n[1].

O Rui Silva disse:

 

Comentário no post ATRASO CIVILIZACIONAL DE UM LUGAR ALENTEJANO CHAMADO CUBA

 

 

Para o atrasado mental ou atrasada mental que descreveu a vila de Cuba com um vilarejo nos confins do alentejo, saiba que é muito estupido porque Cuba é das vilas mais desenvolvidas do baixo alentejo tem estação de comboio com terminal rodoviario para… Para o atrasado mental ou atrasada mental que descreveu a vila de Cuba com um vilarejo nos confins do alentejo, saiba que é muito estupido porque Cuba é das vilas mais desenvolvidas do baixo alentejo tem estação de comboio com terminal rodoviario para servir todas as vilas e aldeias em seu redor esta a 5 quilometros do aeroporto de Beja quando beja tem o mesmo aeroporto a 15 quilometros é uma vila com lindos jardins pavilhao desportivo piscina campo de futebol alimentou durante muitos anos funcionarios da base aerea n.11 e da antiga base aerea dos alemães tem boa gastronomia bancos, tribunal, correios, farmacias, GNR, hospital, casa da mesiricordia, bombeiros,escolas, varias igrejas e capelas, Canto alentejano com varias medalhas, restaurantes discotecas supermercados de renome parece que o que escreveu esta noticia sobre a vila é que é ignorante e que por causa de meia duzia de atrasados mentais que vivem na vila e apoiam esta ideia mandar abaixo o resto da populaçao, sou acérrimo defensor da causa animal competamente contra isto tudo, mas quando escreverem merdas cruxifiquem as bestas que tiveram esta ideia e nao uma vila linda e evoluida e um povo simpatico.

 

Rui Silva a 29 de Setembro 2015, 22:36

 

***

Então vamos lá a ver:

 

Cuba é das vilas mais desenvolvidas do Baixo Alentejo porque tem uma estação de comboio, com terminal rodoviário para servir todas as vilas e aldeias em seu redor; está a 5 quilómetros do aeroporto de Beja; é uma vila com lindos jardins; pavilhão desportivo; piscina; campo de futebol; alimentou durante muitos anos funcionários da base aérea nº 11 e da antiga base aérea dos alemães; tem boa gastronomia; bancos; tribunal; correios; farmácias; GNR; hospital; Casa da Misericórdia; bombeiros; escolas; várias igrejas e capelas; Canto Alentejano com várias medalhas; restaurantes; discotecas; e supermercados de renome…?

 

E isto faz da Cuba alentejana uma vila moralmente, socialmente, culturalmente e eticamente evoluída?

 

Um lugar que realiza uma feira, no ano da era cristã de 2015, e à semelhança de anos transactos (de acordo com fonte municipal)   e nela incluí uma abominável “coisa” chamada encerro, touradas à vara larga, largada de Touros, na praça central da vila, e a mais cruel prática tauromáquica, que dá pelo nome de corrida de Touros à portuguesa?

 

E se a estas crueldades juntarmos uma outra atrocidade que é a corrida de Galgos, ficamos com uma noção, nua e crua, da barbárie que vai por terras da Cuba alentejana, que tem muitas “coisas”, mas não tem a mínima DIGNIDADE HUMANA.

 

E a isto chama-se atraso civilizacional.

 

Não confunda “coisas” com “loisas”, ou “alhos” com “bugalhos”.

 

Os insensatos autarcas cubenses colocaram Cuba no rol das terrinhas atrasadas civilizacionalmente, no Alentejo profundo…

 

Podem ter discotecas, caminhos-de-ferro, hospitais, farmácias, correios, bancos, restaurantes e alcatrão nas ruas… mas não têm nem CULTURA, nem MORAL, nem ÉTICA.

 

E esta é a mais pura verdade.

 

E há mais:

 

ENVIADO PARA O MEU E-MAIL:

 

«Por mais que nos esforcemos a favor do BEM-ESTAR ANIMAL, há sempre alguém que tenta destruir esse esforço!! E com a complacência das autoridades governamentais!!

 

Corridas de galgos PARA QUÊ? Só posso concluir que é, sacrificando estes animais, para alguém encher os bolsos!!!

 

Sabem como são tratados e o que fazem a estes galgos para que corram mais que os outros? Não sabe? Então informe-se e vai ver que não apoiará esta iniciativa!!!

Abraços tristes!

Carlos Ricardo

 

***

E ainda mais:

 

«Cuba Quer Ser a Capital Portuguesa do Maltrato Animal

 

Certas autarquias deste país teimam em viver nas trevas ao invés de evoluir e a vila de Cuba é um exemplo.

 

Em 2009 a câmara inaugurou uma praça de touros para torturar bovinos em touradas e ontem inaugurou uma pista municipal para corridas de galgos.

 

De acordo com uma fonte municipal esta iniciativa tem em vista a captação de visitantes e quer afirmar Cuba como a capital dos galgos de corrida.

 

Quando é que será que todas estas vilórias que desbaratam dinheiros públicos para explorar e torturar animais vão perceber de uma vez por todas que ao contrário de atraírem visitantes só os afastam.

 

Cuba a partir de agora será reconhecida como a capital do maltrato animal.

 

Prótouro

Pelos touros em liberdade

 

COMENTÁRIO:

Protagonismo vaidoso de mentalidades incultas, que pensam ser luminárias e que vão ficar famosas, mas que só sobressaem por esbanjar já escassos dinheiros públicos e fomentarem exploração, maltrato, doping dos galgos e o vício e a corrupção em apostas nas corridas. Algo semelhante com as corridas de cavalos e o que as respectivas máfias fazem. (Vasco Manuel Martins Reis)

 

in https://protouro.wordpress.com/2015/09/27/cuba-quer-ser-a-capital-portuguesa-do-maltrato-animal/

 

E a isto chama-se atraso civilizacional.

 

***

E mais:

 

COMENTÁRIOS ao texto em causa, no Facebook:

 

«Este Portugal cada vez está pior, já não basta toda a selvajaria existente, que surge sempre mais, fruto de mentes distorcidas vindas da negritude dos tempos. Adianta que tenhamos a geração mais qualificada de sempre pois, em termos de ideais, cada vez estamos pior...» (José Costa)

 

***

«Pois, eu, vivi lá, por vontade do destino, durante uns quatro anos e nunca me tinha apercebido de que uma terra poderia ser tão atrasada, é como diz, Isabel, nos confins do Alentejo, e vive na idade da pedra.

 

Vai essa estupidez de actividade ser um êxito, não tenho a menor duvida, visto ali á volta ter outras terriolas tão estúpidas e atrasadas como Cuba e de onde vão sair os nativos suficientes para que seja uma actividade de sucesso, com apostas e essas coisas. Nessas terras ainda é "normal "deixar os cães amarrados às árvores com uma corrente de um metro durante uma vida inteira, quando acham que o animal já não serve para nada vão abandona-lo bem longe para que morra, isto e muito mais, as corridas de galgos está longe de ser o pior que se pode fazer naquela zona aos animais. (Judite Corte-real Amaral)

 

***

«É uma terra que adoro, pela minha 'costela' alentejana, mas que agora desceu muito na minha consideração...» (Maria Do Carmo Torres)

 

***

E a propósito… não vi no rol das "coisas" que Cuba tem, uma BIBLIOTECA, um TEATRO, algo assim mais... CULTURAL...

 

***

E agora nós, Rudolfo Coimbra:

 

Comentário no post ATRASO CIVILIZACIONAL DE UM LUGAR ALENTEJANO CHAMADO CUBA

 

independentemente de concordar que a exist~encia de tal recinto nao devia sequer ser cogitada, acho lamentável que não saiba distinguir Cuba de dois ou três decisores políticos que estão em Cuba. Que vergonha.

 

Rudolfo Coimbra a 1 de Outubro 2015, 08:13

 

***

Pois Rudolfo Coimbra, VERGONHA é o que o povo da Cuba alentejana faz por Cuba.

 

As localidades são aquilo que o povo faz delas.

 

Quem vota nos dois ou três decisores políticos que estão em Cuba a desgovernar?

 

Quem faz de Cuba uma vila com um atraso civilizacional considerável?

 

Nem todos os cubenses são incultos.

 

Acredito que sim. Nem todos serão.

 

Mas será culto quem vota em autarcas incultos?

 

Se eles lá estão (no poder), não é por mero acaso.

 

Pense nisso.

 

É que quem não quer ser INCULTO não lhe vista a pele.

 

Não são os belos jardins, as farmácias, os supermercados, os tribunais, os correios, os bancos, enfim, todos esses “serviços” que fazem de um lugar, um lugar civilizado.

 

O que dá bom nome a um lugar e o faz ser evoluído são as actividades civilizadas, nele realizadas, e a atitude dignificante dos autarcas e do povo que vota nesses autarcas.

 

Logo, a Cuba, um lugar perdido nos confins do Alentejo profundo, basta a selvajaria tauromáquica e a corrida de Galgos, para sujar o nome do lugar e colocá-lo no rol das terrinhas com um atraso civilizacional bastante acentuado.

 

***

 

Portanto, atrasados mentais são, pois, os que se recusam a evoluir, numa época em que o maltrato animal está a ser posto em causa e a ser rejeitado por todo o mundo civilizado.

 

Apenas Portugal segue na senda do retrocesso.


Se não houvesse espectadores para essas selvajarias... elas não existiriam...

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:53

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 29 de Setembro de 2015

ATRASO CIVILIZACIONAL DE UM LUGAR ALENTEJANO CHAMADO CUBA

 

GALGOS.jpg

(Origem da imagem: Internet)

 

Cuba, um lugarejo situado nos confins do Alentejo, com cerca de apenas 3.200 habitantes, em vez de EVOLUIR, retrocede de um modo desprezível.

 

A vergonhosa notícia de que foi inaugurado um recinto para tortura de Galgos, que são animais, pelos vistos, não reconhecidos como tais, naquela localidade, só diz do atraso civilizacional em que vive um povo, cujos governantes só têm para lhe oferecer o que há de mais repugnante no carácter dos que se dizem "homens": o seu baixo nível moral, cultural e social.

 

Fiquei perplexa, ao ter conhecimento de mais este retrocesso em território português, depois de tudo o que sabemos que se tem passado em Espanha e noutros países...

 

Os Galgos são Cães bastante sensíveis.

 

E os Cães, tal como todos os outros animais que habitam o nosso Planeta, não existem para servir de divertimento a sádicos, que se comprazem com o sofrimento alheio.

 

Enquanto o mundo evolui, Portugal transforma-se no paraíso dos mentecaptos.

 

De acordo com uma fonte municipal, nas mãos da CDU, esta iniciativa tem em vista a captação de visitantes e quer afirmar Cuba como a capital dos Galgos de corrida.

 

Enganam-se aqueles que pretendem promover Cuba deste modo desactualizado e primitivo, explorando e torturando animais, com dinheiros públicos.

 

Saberão os responsáveis por esta iniciativa retrógrada que, ao contrário do que pensam, só afastarão visitantes?

 

Quem, no seu juízo perfeito, irá a Cuba assistir a tão degradante “coisa” (não podemos chamar “àquilo” espectáculo)?

 

Apenas os parvos.

 

Inaugurem pavilhões desportivos; escolas de música, de dança e de artes plásticas; salas de teatro...

 

Enfim, inaugurem algo civilizado que possa chamar a Cuba turistas cultos e oferecer aos jovens locais divertimentos que os façam evoluir.

 

Agora, inaugurarem uma pista municipal de Galgos é algo que só desprestigia a vila e a coloca no rol das terrinhas portuguesas condenadas ao abandono e ao desprezo da sociedade civilizada.

 

Abaixo Cuba!

Uma velhariazinha primitiva a boicotar.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:02

link do post | Comentar | Ver comentários (11) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«O vírus, o Estado social...

«Por falar de Galgos...»

COM ESTE TEXTO RESPONDO A...

Morreu um forcado quando ...

Ó ALENTEJANOS DE CUBA, AI...

CUBENSES ALENTEJANOS, NÃO...

ATRASO CIVILIZACIONAL DE ...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt