Quinta-feira, 18 de Agosto de 2016

«(...) essa "cultura" [tauromáquica] não passa de depravação ética» (...)

 

Recebi este magnífico comentário de alguém que não se identificou, mas por ser tão magnífico, uma grande lição dirigida à Maria Alzira Seixo, a professora catedrática que comparou a tourada à Ópera e ao Ballet, transcrevo-o, aplaudindo de pé, quem assim escreveu…Vale a pena ler.

(Isabel A. Ferreira)

 

TOURADA.jpg

 

Anónimo, deixou um comentário ao post Professora catedrática defende a selvajaria tauromáquica com uma monumental ignorância às 19:08, 2016-08-18.

 

Comentário:

 

Prezada Senhora Maria Alzira Seixo: colocar-se-ia no lugar do touro, para levar a tal "injecção intramuscular"? (trabalhando como médico há quase 30 anos, fiquei intrigado com a comparação de agulhas hipodérmicas, usualmente de 25x7 mm, com um arpão de 40x20 mm

(http://tauromaquia-esfd.blogspot.ch/.../instrumentos-de...).

 

Além do mais, agulhas são meios terapêuticos, e não artefactos de tortura (por mais que alguns miúdos possam discordar de mim). Diante da ameaça, lutaria pela sua vida? Nenhum touro contou-nos isso, mas até alunos com alguma escolaridade já aprenderam que quando acuado, a inevitável resposta fisiológica de "luta ou fuga", seja de que animal for (no caso em questão, do touro, esse herbívoro "selvagem, tal leão, tigre e leopardo" - mas o touro não é apascentado nas ganadarias? Tem piada comparar um herbívoro com grandes felinos originalmente selvagens, que se calhar seriam até bem mais mal dispostos que o mal-afamado touro, afinal são predadores carnívoros, até impossíveis de “lidar”, tornando-se historicamente obsoletos para “espectáculos” quando o Cristianismo conquistou Roma acabando com a "bucha" ao vivo).

 

Mas como dizia, a tal resposta fisiológica será sempre investir para frente, nem que o obstáculo seja a Sétima cavalaria americana, com Búfalo Bill e tudo. É que é a luta da vida dele. Admito humildemente minha ignorância acerca dos detalhes da "arte", descritos por si com a maestria de um Edgar Alan Poe a nos fazer gelar até os ossos. Em minha defesa, porém, confesso que métodos de tortura e sadismo não são minha primeira opção literária. De todo jeito, essa “cultura” para mim não passa de depravação ética, escrita para tolos e lunáticos em geral. Manuais como o "Malleus Maleficarum" ou "Mein Kampf", podem impressionar incautos, mas são o que são, vergonhas para a humanidade. Tal qual a caça às bruxas e o III Reich, também um dia tombará a tourada, quero dizer: "um espectáculo sério, de silêncio… de arte… e força de ânimo, como a ópera… e o ballet…(que) exige conhecimento para se apreciar...". Não imagina o alivio que trouxe à minha pobre consciência, ao esclarecer que "tudo que se diga como tormentos e crueldade é pura imaginação da observação empírica, ignorante e leviana". Raios partam minha ignorância tauromáquica! Ainda bem que esses textos esclarecedores e peliculas como "Matrix", trazem-nos mais para perto da verdade.

 

Qualquer dia desses, algum aficionado levanta-se e grita, imerso nos aplausos (ou vaias): "silêncio, que vai começar a tourada!" ("NINGUÉM SE DIVERTE", certo?) E para finalizar, apanho outra boleia, na citação do poeta e diplomata pernambucano João Cabral de Melo Neto. Ele próprio, um brasileiro aficionado, procurou na tauromaquia uma analogia para o seu processo criativo. E da sua obra passo a citar um excerto de "Tecendo a manhã", que pode suscitar em todos nós, homens e mulheres de paz desse planeta, o sentido de união e luta pelos nossos ideais: "Um galo sozinho não tece uma manhã: ele precisará sempre de outros galos. De um que apanhe esse grito que ele e o lance a outro; de um outro galo que apanhe o grito de um galo antes e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzem os fios de sol de seus gritos de galo, para que a manhã, desde uma teia ténue, se vá tecendo, entre todos os galos (…)"

 

***

O autor deste magnífico comentário/resposta a Maria Alzira Seixo deixou este outro comentário.

Bem me parecia que o anonimato saiu por engano.

Muito obrigada, José Francisco Duarte Rodrigues Silva. Fica assim identificado quem nos proporcionou tão brilhante texto.

 

José Francisco Duarte Rodrigues Silva, deixou um comentário ao comentário Professora catedrática defende a selvajaria tauromáquica com uma monumental ignorância  às 16:26, 2016-08-19.

 

Comentário:

 

Boa tarde, lamento que minha postagem tenha saído como anónima, sou um blogger em começo de carreira... agradeço o elogio, mas mais ainda que tenha passado adiante a mensagem. Sou seguidor de seu blog, nem é preciso dizer o quanto admiro seus textos. Espero que possa honrar-me e seguir meu novo blog também. Cumprimentos

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:37

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 12 de Abril de 2015

A EDUCAÇÃO QUE TEMOS ROUBA DOS JOVENS A CONSCIÊNCIA, O TEMPO E A VIDA

 

(Um magnífico texto que vai ao cuidado do nosso Ministro da Educação e Ciência e restantes governantes portugueses)

 

Quando ouvimos este psiquiatra chileno de 75 anos, temos a sensação de estarmos diante de um Jean-Jacques Rousseau do nosso tempo. Ele conta-nos que esteve bastante adormecido até aos anos 60, quando se mudou para os EUA, tornou-se discípulo de Fritz Perls, um dos grandes terapeutas do século XX, e passou a integrar a equipa de terapeutas do Instituto Esalen da Califórnia. A partir deste momento passou a ter profundas experiências no mundo terapêutico e espiritual. Entrou em contacto com o Sufismo e tornou-se um dos introdutores do Eneagrama no Ocidente. Ele também bebeu do budismo tibetano e do zen.

 

claudio-naranjo-1024x682 EDUCAÇÃO.jpg

 

Claudio Naranjo tem dedicado a sua vida à pesquisa e ao ensino em universidades como Harvard e Berkeley. Fundou o programa SAT, uma integração de Gestalt-terapia, o Eneagrama e Meditação para enriquecer a formação de terapeutas professores. Neste momento, lança um alerta contundente: ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar.

 

- Você diz que para mudar o mundo é preciso mudar a educação. Qual é o problema da educação e qual é a sua proposta?

 

O problema da educação não é de forma alguma o que os educadores pensam que é. Acreditam que os alunos não querem mais o que eles têm para oferecer. Aos alunos vão querer impor uma educação irrelevante e estes defendem-se com distúrbios de atenção e com a desmotivação. Eu acho que a educação não está ao serviço da evolução humana, mas sim da produção ou socialização. Esta educação serve para adestrar as pessoas de geração em geração, a fim de continuarem a ser manipuladas pelos cordeiros dos media. Este é um grande mal social. Você quer usar a educação como uma maneira de embutir na mente das pessoas um modo de ver as coisas que irá atender ao sistema e à burocracia. A nossa maior necessidade é evoluir na educação, para que as pessoas sejam o que elas poderiam ser.

 

A crise da educação não é uma crise entre as muitas crises que temos, uma vez que a educação é o cerne do problema. O mundo está numa profunda crise porque não temos uma educação para a consciência. Nós temos uma educação de uma forma que está a roubar as pessoas da sua consciência, do seu tempo e da sua vida.

 

O modelo de desenvolvimento económico de hoje tem ofuscado o desenvolvimento da pessoa.

 

- Como seria uma educação para a qual sejamos seres completos?

 

A educação ensina as pessoas a passar por exames, não em pensar por si mesmas. É um exame no qual não se mede a compreensão, mede-se então a capacidade de repetir. É ridículo, perde-se uma grande quantidade de energia! Ao invés de uma educação para a informação, precisamos de uma educação que aborde o aspecto emocional e uma educação da mente profunda. Para mim parece que estamos presos entre uma alternativa idiota, que é a educação secular e uma educação autoritária, que é a educação religiosa tradicional. Está tudo bem separar o Estado e a Igreja mas, por exemplo, a Espanha, tem descartado o espírito, como se religião e espírito fossem a mesma coisa. Precisamos que a educação também atenda à mente profunda.

 

- Quando você fala sobre a espiritualidade e a mente profunda o que quer dizer exactamente?

 

Tem a ver com a própria consciência. Tem a ver com essa parte da mente da qual depende o sentido da vida. Está-se a educar as pessoas sem este sentido. Tampouco é uma educação de valores, porque a educação de valores é demasiadamente retórica e intelectual. Os valores deveriam ser cultivados através de um processo de transformação pessoal e esta transformação está longe da educação actual.

 

A educação deve também incluir um aspecto terapêutico. O desenvolvimento pessoal não pode ser separado do crescimento emocional. Os jovens estão muito danificados afectiva e emocionalmente pelo facto de que o mercado de trabalho está a absorver os pais que não têm mais disponibilidade para os filhos. Há muita carência amorosa e muitos desequilíbrios nas crianças. Não pode aprender intelectualmente uma pessoa que está emocionalmente danificada.

 

O lado terapêutico tem muito a ver com resgatar na pessoa a liberdade, a espontaneidade e a capacidade de satisfazer os seus próprios desejos. O mundo civilizado é um mundo domesticado e tanto a formação como a criança são instrumentos desta domesticação. Temos uma civilização doente que os artistas perceberam há muito tempo e agora cada vez mais pensadores, percebem também.

 

- A educação parece interessada apenas em desenvolver as pessoas racionais. Que outras partes mais poderiam ser desenvolvidas?

 

Eu enfatizo o facto de sermos seres com três cérebros: temos cabeça (cérebro intelectual), coração (cérebro emocional) e intestino (cérebro visceral ou instintivo). A civilização está intimamente ligada à tomada do poder pelo cérebro racional. No momento em que os homens predominaram no controle político, cerca de 6000 anos atrás, instaura-se o que chamamos de civilização. E não é só o domínio masculino e nem só o domínio da razão, mas também a razão instrumental e prática, que se associa com a tecnologia; é este predomínio da razão instrumental sob o afecto e a sabedoria instintiva que nos tem empobrecido. A plenitude só pode viver numa pessoa que tem os três cérebros ordenados e coordenados. Deste meu ponto de vista, precisamos de uma educação para os seres com três cérebros. Uma educação que poderia ser chamada de holística ou integral. Se vamos educar a pessoa como um todo, devemos ter em mente que a pessoa não é apenas razão.

 

Ao sistema convém que cada pessoa não esteja em contacto consigo mesma e nem que pense por si mesma. Por mais que se levante a bandeira da democracia, ela tem muito medo que as pessoas tenham uma voz e estejam conscientes. A classe política não está disposta a investir em educação.

 

- A educação nos faz mergulhar num mar de conceitos que nos separam da realidade e nos aprisiona na nossa própria mente. Como se pode sair desta prisão?

 

Esta é uma grande questão e é uma questão necessária no mundo educacional. A ideia de que o conceitual é uma prisão requer uma certa experiência de que a vida é mais que isto. Para quem já tem interesse em sair da prisão intelectual, é muito importante ter disciplina para parar a mente, ter a disciplina do silêncio, como praticado em todas as tradições espirituais: cristianismo, budismo, yoga, xamanismo… Parar os diálogos internos em todas as tradições do desenvolvimento humano tem sido visto como algo muito importante. A pessoa precisa de se alimentar de mais coisas do que apenas conceitos. A educação quer aprisionar a pessoa num lugar onde ela é submetida a uma educação conceitual forçada, como se não houvesse outra coisa na vida. É muito importante, por exemplo, a beleza… A capacidade de reverência, admiração, veneração, de devoção. Isto não tem a ver necessariamente com uma religião ou com um sistema de crenças. É uma parte importante da vida interior que está a perder-se, da mesma forma que estão a perder-se belas áreas da superfície da Terra, à medida que se constrói e se urbaniza.

 

- Precisamente quero saber sua opinião sobre a crise ecológica que vivemos.

 

Ela é uma crise muito evidente, é a ameaça mais tangível de todas. Você pode facilmente prever que, com o aquecimento global, com o envenenamento dos oceanos e outros desastres que estão a acontecer, muitas pessoas não poderão sobreviver.

 

Estamos a viver graças ao petróleo e consumimos mais recursos do que a terra produz. É uma contagem regressiva. Quando ficarmos sem o combustível, será um desastre para o mundo tecnológico que temos.

 

As pessoas que chamamos primitivas, como os índios, têm uma maneira de tratar a Natureza que não vem do sentido utilitário. Na ecologia, na economia e em outras coisas, temos dispensado a consciência e trabalhado apenas com argumentos racionais que estão a levar-nos ao desastre. A crise ecológica só pode ser interrompida com uma mudança pelo coração, com a verdadeira transformação que só um processo educativo pode dar. Com isto, eu não tenho muita fé nas terapias ou religiões. Só uma educação holística poderia evitar a deterioração da mente e do Planeta.

 

- Poderíamos dizer que você encontrou um equilíbrio na sua vida nesse momento?

 

Eu diria que mais e mais, apesar de eu não ter terminado a jornada. Eu sou uma pessoa com muita satisfação, a satisfação de ajudar o mundo em que estou. Vivo feliz, se é que se pode ser feliz nesta situação trágica em que todos nós estamos.

 

- A partir da sua experiência, da sua carreira e da sua maturidade, como você processa a questão da morte?

 

Em todas as tradições espirituais é-se aconselhado a viver com a morte ao lado. Você tem de chegar a essa evidência de que somos mortais e que levar a morte a sério não será vaidade. Não tens tanto medo das coisas pequenas, quando tens uma coisa grande com que te preocupas mais. Acredito que a morte só é superada para aqueles que de alguma forma morrem antes de morrer. Um tem de morrer para a parte mortal, para a parte que não transcende. Aqueles que têm tempo e suficiente dedicação e que vão suficientemente longe nesta viagem interior, finalmente encontram o seu verdadeiro eu. E este ser interior ou este ser que é um, é algo que não tem tempo e que dá a uma pessoa uma certa paz ou um sentimento de invulnerabilidade. Estamos tão absortos nas nossas vidas diárias, nos nossos pensamentos de alegria, tristeza, etc.… Nós não estamos em nós, não temos conhecimento de quem somos. Para isso, precisamos de estar muito sintonizados com a nossa experiência de tempo. Esta é a condição humana, estamos a viver no passado e no futuro, é o aspecto horizontal das nossas vidas. Mas desatentos para a dimensão vertical da nossa vida, para o aspecto mais alto e mais profundo, e este é nosso espírito e o nosso ser, e a chave para o acesso é o aqui e o agora.

 

Às vezes vamos estar em busca do ‘Ser’ e às vezes ficamos confusos em busca de outras coisas menos importantes, como a glória.

 

Fonte:

http://estaremsi.com.br/a-educacao-que-temos-rouba-dos-jovens-a-consciencia-o-tempo-e-a-vida/

 

(Texto transcrito para a Língua Portuguesa. Os bolds do texto são da lavra da autora do Blogue).

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:19

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)
Domingo, 18 de Janeiro de 2015

«SERMÃO DE PAZ PARA OS ANIMAIS»

 

Publico este texto sublime “dedicando-o” àqueles que se dizem católicos, e vão a todas as missas, confessam-se, comungam, rodeiam os templos, andam sempre com a palavra “Deus” na ponta da língua, mas nada sabem de Cristianismo, de misericórdia, de piedade, de compaixão, de humanidade, e agem como os carrascos que cruxificaram Jesus Cristo.

 

“Dedico-o” aos que dizem ser representantes de Deus na Terra, mas não têm o “toque divino” para poderem fazer um sermão de paz como este, proferido a 22 de Dezembro de 2014, em Amsterdam, por Hans Bouma.

 

HANS BOUMA.jpg

Hans Bouma (pastor e poeta, Amsterdam, Maarten Lutherkerk)

 

«No que respeita à relação entre animal humano e animal não-humano - especialmente os animais moralmente excluídos, humilhados e escravizados - a inevitável pergunta que se coloca é: que tipo de homem queres tu ser, e até onde vai a tua humanidade?

 

No decurso da história, seguramente temos progredido no nosso caminho humano, de respeito e compaixão para com os outros seres. Nós expandimos o sentido das nossas responsabilidades e percebemos que, como seres humanos, formamos uma comunidade global. Os maiores exemplos da evolução da nossa consciência ética são a Amnistia Internacional e Médicos Sem Fronteiras.

 

Embora estes organismos sejam, certamente, dignos de reconhecimento, não são ainda o nosso objectivo final. Até agora a preocupação deles tem sido as pessoas, os seus semelhantes, os representantes da mesma espécie. Mas os animais estão também aqui. É claro que eles não pertencem à nossa espécie, mas isso não é motivo para excluí-los da nossa moralidade. Eles também participam do mistério chamado “Vida”.

 

Que tipo de homem queres tu ser? Segues o caminho escolhido do respeito e da compaixão? O caminho para o moralmente correcto, mas ainda ignorando os animais não-humanos? Interpretarás a humanidade tão generosamente para nela incluíres os animais não-humanos?

 

O próximo passo é mais difícil: a etapa do companheiro humano ao companheiro creaturety (uma palavra que inventei) criaturidade; mas o que podemos fazer se a língua ou a cultura nos falha, neste ponto? Se nós não dermos este passo, se não dermos ao animal não-humano nenhum lugar na nossa agenda moral, então seguramente estaremos a ser incoerentes. Então teremos de falar de uma humanidade degradada e, consequentemente, desonesta e incredível. Nós chamamos a isso, discriminação.

 

O próximo passo.

 

Se tu és humano, por favor, sê benévolo, sê homem ou mulher plenamente. Se valores como a justiça, a compaixão, a solidariedade, o respeito e amor tiverem apenas significado para a espécie humana, então pouco ou nada compreendemos do mundo. Estes valores são de natureza universal e devem, portanto, ser aplicados universalmente e não restritamente à nossa própria espécie.

 

Que tipo de homem queres tu ser? Podes dizer que apenas um arrogante sentimento de superioridade pode levar-te a manter os animais fora da ética. Mas é diferente. As pessoas que se recusam a dar o próximo passo têm uma baixa auto-estima e estão sujeitas a sentimentos pungentes de inferioridade.

 

Que tipo de homem poderias tu ser? Poderias ser tão maravilhoso, porque tens tudo para tratares todos os seres viventes com respeito e compaixão. Se ficares preso ao desenvolvimento da tua humanidade, mantendo os animais não-humanos fora do teu horizonte moral, então vendes-te barato, vivendo claramente abaixo do teu nível. É isso que queres?

 

É irracional dizerem às pessoas que defendem os animais que ao defendê-los estão a trair os da própria espécie. Mas se eu excluísse os animais não-humanos da minha humanidade, aí sim, estaria a trair-me a mim próprio e a abandonar-me. Então estaria a agredir a minha própria humanidade.

 

O próximo passo.

 

É uma questão de pertença, uma crescente consciência de afinidade. Os animais não-humanos começam a fazer parte da tua família, parte da tua vida. Estas são expressões preciosas do mesmo mistério que te envolve na tua própria maneira de ser. E tu não comes a tua família, nem fazes experiências com ela. E Família é o que tu respeitas, o que tu valorizas e o que tu amas.

 

União e afinidade. Além de acontecer entre as pessoas, as situações de reconhecimento mútuo podem desenvolver-se entre um ser humano e um ser não-humano. Aquilo que o filósofo judeu Martin Buber chama: «Eu e Tu». É possível um diálogo íntimo entre um ser humano e um ser não-humano. «Os olhos de um animal», escreveu Buber, "têm uma imensa força comunicativa». Uma vez que sejas capaz de ser sensível à linguagem dos olhos dos animais não-humanos, o teu mundo torna-se cada vez mais rico. O quanto poderás ver, ouvir e partilhar!

 

É comovente, ou de cortar o coração, quando olhas nos olhos dos animais encerrados num laboratório, ou nos olhos de um animal num matadouro.

 

Eu tive oportunidade de olhar nesses olhos, de entender a linguagem deles, e fiquei destroçado. Aquela «imensa força comunicativa» foi a de uma queixa, de uma acusação. Por que estás a fazer isto connosco? O que deu em ti? Que tipo de pessoa és tu?

 

Está longe de mim minimizar o sofrimento das pessoas, mas também penso no sofrimento dos animais não-humanos. O sofrimento deles tem uma profundidade, uma dimensão desconhecida para nós. Quando sofremos, podemos tirar proveito de todos os tipos de escapes culturais, sociais e religiosos. Nós temos a bênção da fuga espiritual. Nós podemos dar ao nosso sofrimento um sentido, situá-lo numa qualquer perspectiva, sublimá-lo ou transcendê-lo.

 

Temos inúmeras maneiras de aliviar o nosso sofrimento. Só o facto de podermos verbalizá-lo é já um privilégio.

 

Mas os animais não-humanos não têm palavras para o sofrimento. Eles não conseguem verbalizar o seu sofrimento. Nunca poderemos explicar aos animais que são maltratados pela indústria ou laboratórios o motivo por que eles estão a sofrer.

 

Eles nunca entenderão os nossos argumentos e desculpas. Eles enfrentam o mistério de um tempo de vida ou de morte sem o mínimo sentido. Numa interminável tristeza, sem esperança que se funda com o sofrimento que os deprime. Eles vivem num grotesco inferno.

 

Tu não tens de ser um crente para defender vigorosamente o direito dos animais não-humanos de serem criaturas com um valor absoluto. A partir do simples ponto de vista da tua humanidade tens todos os motivos para agir. Se és religioso, se és cristão, judeu, muçulmano, hindu ou budista, então tens uma razão acrescida para incluir os animais não-humanos na tua consciência ética.

 

Sejam quais forem as suas diferenças, todas as religiões assumem que a Terra teve uma origem divina. Concebida por um criador, um Deus muito criativo. Um Deus que é tão poderoso e generoso que se deu a conhecer na realidade física deste planeta. O facto de que a Terra é uma criação divina dá-lhe uma característica particular. Tudo e todos têm o seu próprio propósito e o seu próprio segredo. Quer se trate de uma árvore, um animal não-humano ou um homem, tudo o que vive possui o seu próprio direito exclusivo de existir.

 

Todas as religiões estão centradas na criação de relações e fazer a ponte entre as distâncias em três direcções: horizontal, a respeito de outros seres humanos; vertical, em relação a Deus ou ao divino; e para baixo, em relação à Terra. A palavra religião deriva do latim “religare”: tem o significado de religação, uma nova ligação entre o homem e Deus. Todas as religiões são religiões de salvação.

 

Salvação significa o todo.

 

As pessoas precisam de ser reintegradas na sua relação com o mundo. O homem isolado é apenas um fragmento. Para ser completo, ele deve agregar três vertentes: os outros homens, a Terra, e Deus ou o divino.

 

Como lidas com as criações, com toda a vida que te foi confiada pelo Criador? Essa é a questão vital, inevitavelmente proporcionada por todas as religiões. A tua relação com a vida e a criação de Deus só é salutar se o teu relacionamento com os teus semelhantes e a Terra for ideal. Na tua benevolência para com a vida no seu todo, está o âmago da tua própria vida.

 

O filósofo e teólogo, músico e médico Albert Schweitzer compreendeu isto perfeitamente. A sua crença é a seguinte: «Eu sou vida que quer viver, rodeada de vida que quer viver». Ele define a religião como «o respeito pela vida posto em prática».

 

Para Schweitzer religião não é teoria, mas prática. Por exemplo, tu és crente com garfo e faca: comendo carne estás a comer o sofrimento. Que gosto tem isto? Durante décadas Albert trabalhou como médico na selva africana, em Lambaréné; foi um homem extremamente benevolente para com o povo, não apenas para com as pessoas, mas também para com os animais não-humanos. A religião coloca-te na realidade terrena.

 

Um conceito-chave na tradição judaica e cristã é: êxodo, viagem. Em muitas circunstâncias, tanto os seres humanos, como os seres não-humanos podem ser levados a situações de cativeiro. Eles não têm a liberdade de viver a vida como deve ser vivida, ou em relação aos não-humanos, como é da natureza deles.

 

Pensa nos animais utilizados na indústria da carne ou em laboratórios. O êxodo em massa é um projecto de libertação, um objectivo de reabilitação moral, assente directamente nas intenções do criador. É um plano que tem um carácter intrínseco. Nada nem ninguém é excluído. Assim como as pessoas devem ser libertadas de situações desumanas, os animais não humanos devem ser libertados de situações degradantes.

 

Então ponha-se um fim à exploração animal na indústria, nos laboratórios e em todas as situações degradantes em que o homem os coloca. Estou a lembrar-me da morte horrível de 2/3 triliões de animais mortos anualmente pelas indústrias da pesca. Isso é terrível e repugnante.

 

Não só o Judaísmo e o Cristianismo, mas também outras religiões seguem a chamada «regra de ouro»: «Não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem a ti». O outro pode ser um ser humano, mas também um ser não-humano que, tal como tu, é um ser vivo com emoções e desejos, um ser que pode sofrer e chorar, que pode brincar e festejar. Todos carecem de bem-estar e felicidade, de desenvolvimento e harmonia que podes conceder a ti mesmo, ou a um teu semelhante, mas também a um animal não-humano. Ou vice-versa: tu proteges os outros, pessoas e animais não-humanos, contra tudo o que também queres ser protegido: a violência, a injustiça, a prisão, a humilhação ou a exploração.

 

Para os crentes, o compromisso com os animais não-humanos, respeito e compaixão por tudo o que vive deve ser uma questão da maior urgência; isto deve ser nada menos do que um acto de fé. Para tudo o que te rodeia, encontras as mesmas razões para partilhar com os animais não-humanos a tua humanidade.

 

Se a religião não te inspira a compaixão, a respeitar a vida, então ela perde toda a sua relevância. O que resta do Deus criativo quando Ele só pode ser o Deus das pessoas? Pobre Deus, esse!

 

Agora estamos a comemorar o Natal, a festa da paz. Mas só teremos algo para celebrar, se pudermos olhar, olhos nos olhos, além dos seres humanos, também os animais não-humanos. Aqueles olhos, como diz Martin Buber, com um imenso poder comunicativo.

 

Mas neste momento, quantos animais – e apenas para esta festa - fecham os olhos depois de uma vida que não foi mais do que um processo de morte lenta? Para eles, não houve saída, nem paz.

 

Agora, milhões e milhões de animais estão à nossa espera.

 

À espera de pessoas que também serão verdadeiramente humanas.

Religiosos ou não, nós sabemos o que temos de fazer.

 

A libertação dos animais não-humanos.

 

Temos razões suficientes para o fazer.

 

(Traduzido da versão inglesa por Isabel A. Ferreira)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 1 de Março de 2013

O LIVRO NEGRO DA TAUROMAQUIA

 

Para memória futura

 

 

Um destes dias, fui confrontada com: «o que é isso do livro negro da tauromaquia?»

 

Nada de surpreendente.

 

Trata-se de uma obra que está a ser escrita (e já tem muitas páginas) sobre a tauromaquia, em todas as suas vertentes, tanto em Portugal como nos sete países terceiro-mundistas, onde essa prática sanguinária ainda é permitida pelos governos vigentes no ano de 2013, ano/limite para que esta prática de brutos desapareça do mundo.

 

Por isso, um pouco por esses países, está a dar-se oportunidade a todos os governantes, a nível central e a nível local, para que não se verguem aos grupos de pressão tauricidas, e contribuam para limpar o mundo deste lixo medieval. Ou seja, que legislem no sentido da abolição definitiva destes “espectáculos” degradantes, onde se cultiva a crueldade e a tortura, condenáveis à luz da moral e da ética humanas, e que só desprestigiam esses países.

 

O livro contém todos os textos que estão a ser publicados neste Blog (por isso as ameaças dos hackers contra o Arco de Almedina valem zero, pois ergueria milhares de outros Arcos, com os mesmos textos (e muitos outros), que estão gravados e fechados a sete chaves, incluindo as fotos e respectivas fontes), nos quais estão registados, os nomes, as fotos, os locais, de todos os que em 2013 estão a recusar-se a abolir uma das grandes nódoas negras da civilização do século XXI d.C., ou seja, a tortura e a crueldade perpetrada contra seres vivos, para divertir sádicos bêbados, covardes, gente de maus instintos, ignorantes e sobretudo gente sem senso e sensibilidade, dois atributos indispensáveis a quem nasceu Ser Humano.

 

Nesta lista já constam em definitivo, Mourão e Granja (Alentejo); Lisboa, e os seus actuais autarcas; a Escola Profissional do Montijo; e respectivos nomes e fotos dos responsáveis e intervenientes nos eventos sanguinários, que já realizaram; o ex-forcado Nuno Marta-Carvalho, e todo o rebotalho ligado ao campo pequeno; a federação prótoiro, com a respectiva lista e fotos dos responsáveis pelos tauricídios; a Igreja Católica Portuguesa, e os nomes dos cúmplices da barbárie cometida em nome de Santos e do próprio Deus (não nos esqueçamos da celebração do Corpo de Deus em Ponte de Lima, com a estúpida “festa da Vaca das Cordas”; e obviamente os ganadeiros, e os deputados aficionados que estão na Assembleia da República com o único fito de servir a tauromaquia e não o País, e ainda todos os autarcas das localidades taurinas, e muitos, muitos mais…

 

A lista já vai longa… e no entanto são uma minoria.

 

Há muitos Livros Negros publicados, tais como o da Revolução Francesa, o do Comunismo, o da Descolonização, o do Empreendedor, o dos Segredos, o do Cristianismo, enfim, livros que tornam públicos crimes, corrupção, terror, repressão, falta de ética, enfim, as barbaridades cometidas contra a Humanidade.

 

O Livro Negro da Tauromaquia perpetuará os nomes e as caras e os feitos imperfeitos daqueles que praticaram, aplaudiram, apoiaram e foram cúmplices da tortura e crueldade para com Touros e Cavalos, seres sencientes e animais que sofrem a dor, e todas as emoções tal como nós, também animais, e que todos esses bárbaros, por simples ignorância ou interesses económicos, martirizaram.

 

Este é um livro que não cala a irracionalidade daqueles que tinham obrigação de ser racionais, só pelo facto de estarem a ocupar cargos públicos, os quais necessitam de muito saber e discernimento.

Este é um livro que ficará para memória futura.

 

Quando todos os animais forem livres, os vindouros saberão quem foram os seus carrascos, no ano em que tiveram a oportunidade de deixar de o ser.

 

Hoje é o dia1 de Março de 2013.

 

Os verdugos dos Touros e dos Cavalos ainda não se aperceberam de que ficarão para a História como os grandes covardes do tempo deles.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:01

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«(...) essa "cultura" [t...

A EDUCAÇÃO QUE TEMOS ROUB...

«SERMÃO DE PAZ PARA OS AN...

O LIVRO NEGRO DA TAUROMAQ...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt