Segunda-feira, 25 de Novembro de 2013

«A DECADÊNCIA DA TAUROMAQUIA»

 

Este é um excelente texto escrito por um espanhol, relativo à dita “festa brava” em Espanha.

No entanto, podemos lê-lo como se no lugar de Espanha estivesse escrito Portugal, porque a situação é exactamente a mesma.

Sem tirar, nem pôr… Por isso…

… EXIGIMOS A ABOLIÇÃO DAS TOURADAS JÁ!

 


«Agoniza em declínio e ferida de morte», estas seriam as palavras com as quais, nos dias de hoje, se definiria a situação da tauromaquia em Espanha. Palavras que começam a ouvir-se da boca dos próprios ganadeiros, empresários, jornalistas, críticos taurinos, aficionados e toureiros.


A consciência social, a apatia dos aficionados da tourada, a falta de dinheiro, a forte crise financeira que golpeia Espanha, e o querer de alguns municípios estão a fazer com que hoje, mais do que nunca, a tauromaquia esteja mais próximo do precipício.


Desde 2007, as “festas” taurinas decresceram 47% em toda a Espanha. Os ganadeiros já destinam mais reses para os matadouros do que para as praças de Touros, e de dia para dia, contam com grandes perdas económicas, e já se pensa seriamente na alternativa dos matadouros como única via de escape.


A ferida aberta pela Catalunha em 2010, proibindo as corridas de touros, longe de cicatrizar, aprofunda-se cada vez mais, á medida que as Organizações de Defesa dos Animais, com o apoio de mais de 73% da população, continuam a trabalhar no sentido de abolir esta cruel “tradição”, digna de um povo primitivo.


Dois anos depois da sua proibição na Catalunha, parece que chega a vez de San Sebastián, onde o seu alcaide quer por fim a esta atrocidade e, deste modo, não derramar mais sangue inocente nas arenas.


«O sofrimento dos animais não deve converter-se num espectáculo público”, refere o alcaide Juan Carlos Izaguirre.


Não deixa de ser notório que com um país à beira de pedir resgate financeiro, se esbanjem mais de 500 milhões de euros em “festas” taurinas e apesar de usarem a palavra “austeridade” muitos municípios continuam a endividar-se ano após ano, realizando corridas de touros em praças cada vez mais vazias.


Apesar de 73% dos cidadãos estarem contra ou serem indiferentes à tauromaquia, o Governo central faz ouvidos de mercador ao grito unânime do povo, que pede a abolição da tortura e da morte de milhares de Touros todos os anos, em Espanha.


A tauromaquia sobrevive graças aos interesses privados de alguns políticos, ao endividamento dos municípios, à grande oferta de entradas a polos escolares e algumas colectividades, e do engano de turistas.


A estes últimos são vendidos espectáculos de dança entre um touro e um cavalo, em que em nenhum momento o touro é maltratado. Uma vez iniciada a corrida, os turistas saem horrorizados, com lágrimas nos olhos, devido ao que estão a assistir.


A Organização Internacional para a Defesa dos Animais, AnimaNaturalis, continuará a trabalhar para que num futuro bem próximo, esta mal denominada “festa nacional” acabe por ser abolida em toda a Espanha e deixe de envergonhar a maioria dos cidadãos que não querem ser identificados com tamanha atrocidade.»


Guillermo Amengual

(Coordenador para a Espanha da Campanha Anti-Tauromaquia).

Fonte:

 

 http://www.animanaturalis.org/p/1584

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«A DECADÊNCIA DA TAUROMAQ...

Arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt