Quarta-feira, 18 de Julho de 2018

MORREU ANTINO DO TOJAL, UM DOS MAIORES ESCRITORES PORTUGUESES CONTEMPORÂNEOS

 

O escritor e jornalista Altino do Tojal morreu, no passado domingo, dia 15 de Julho, em Brunhais, Póvoa de Lanhoso.

Nascido em Braga, a 26 de Julho de 1939, partiu a poucos dias de completar 79 anos.

Morreu um Escritor que soube honrar a Língua Portuguesa.

Aqui lhe presto a minha mais humilde homenagem.

Altino era, é, um dos escritores portugueses contemporâneos da minha maior predilecção.

O seu funeral realiza-se hoje, às 15 horas, na Igreja de Sobradelo da Goma, na Póvoa de Lanhoso. O corpo seguirá depois para o Porto, onde será cremado, como era seu desejo.

 

digitalizar0001.jpg

 

Altino do Tojal deu-me a honra de publicar a minha fotografia de um tojo, na capa desta 30.ª edição de «Os Putos - Contos Escolhidos». Éramos (somos, sempre seremos) amigos. Corria o ano de 2009, e Altino disse-me que precisava de uma fotografia de um tojo, para o seu livro, sabendo que a fotografia era (é) uma das minhas grandes paixões, e já conhecia o meu trabalho fotográfico no jornal «O Comércio do Porto», onde ambos trabalhámos. É que, disse-me ele (que residia em Lisboa), raramente os encontro. Se eu poderia fotografar um, para ele. Eu havia-lhe dito que bem perto de onde eu morava havia um tojal florido, à beira da estrada. E esta é a origem da foto desta capa, inspirada no conto “De Joelhos Perante um Tojo”, inserido nesta 30.ª edição da obra que o catapultou para a eternidade.

 

Antes de conhecer Altino do Tojal já havia lido “Os Putos”. Já era muito sua fã. Apaixonada pela sua prosa escorreita, onde as palavras, sempre bem seleccionadas, têm força, e transmitem-nos emoções, e descrevem realidades, umas, vividas, outras, observadas. Magnificamente.

 

Ler Altino do Tojal é entrar num mundo extraordinariamente emocionante. Eu, que sou grande apreciadora de Contos, devorei-os um a um. Possuo toda a sua obra autografada. Traguei-a de um só fôlego. E absorvi o extraordinário poder da escrita de Altino.

 

Um dia, no já longínquo Março de 1979, aceitaram-me no jornal «O Comércio do Porto». E a primeira vez que entrei na Redacção, conheci o Altino, um dos redactores do Jornal.

 

A emoção foi enorme, pois se Altino era um dos meus escritores preferidos! Ali logo lho disse. E uma profunda amizade começou então, naquele dia, naquele momento.

 

Altino era um cavalheiro, algo tímido. Um homem extremamente sensível. Uma alma desassossegada, como é apanágio dos grandes escritores. Encontrávamo-nos frequentemente, em Vila do Conde e Póvoa de Varzim, para almoçar, conversar e trocar confidências. Conhecer a vida de um escritor de tão alto nível é um privilégio para qualquer leitor, porque nos ajuda a entender a sua obra.

 

Foi a partir desta convivência que comecei a ler os outros livros de Altino. É que Altino não é só «Os Putos», dos quais existem dezenas de edições. Altino é «Viagem a Ver o Que Dá»; é «O Oráculo de Jamais»; é «Histórias de Macau»; é «Orvalho do Oriente»; é «A Colina dos Espantalhos Sonhadores»; é «Jogos de Luz e Outros Natais». Um outro mundo. O mundo de Altino do Total. Absolutamente único, misterioso, fantástico.

 

Foi Altino que me levou a um restaurante chinês, pela primeira vez. Desconhecia aquela gastronomia. Ficou-me a lembrança da sobremesa, “banana fa-si”, com a qual me deliciei. Altino viveu um tempo em Macau, e do oriente trouxe-nos as magníficas histórias e o subtil orvalho. E memórias. Muitas memórias.

 

Depois de o Jornal «O Comércio do Porto», sedeado na cidade do Porto, se ter extinguido, Altino foi viver para Lisboa, onde, aliás, já mantinha alugada uma casa. Nunca deixámos de nos comunicar. De vez em quando vinha visitar-me.

 

Em 2008, esteve presente no lançamento do meu livro «Contestação», em Lisboa, e juntamente com um casal amigo, passámos um dia extraordinário, a conhecer a cidade, os seus becos, o seu palpitar. Nesse dia, Altino estava muito feliz. E quando o Altino estava feliz e descontraído era um extraordinário contador de histórias.

 

A última vez que falei com ele foi há dois anos, pelo Natal. Disse-me que andava adoentado. Depois disto perdi-lhe o rasto.

 

Foi com enorme consternação que soube da sua morte.

Morte, apenas física, porque Altino do Tojal viverá eternamente através da sua obra, que, espero, jamais seja conspurcada pelo fétido cadáver ortográfico, que anda por aí a empestar a Língua Portuguesa, que Altino tão magnificamente soube honrar.

 

Até sempre, caríssimo Amigo! Que a tua alma possa descansar naquela paz que nunca tiveste em vida!

 

Isabel A. Ferreira

 

Altino de Tojal viveu em Braga até aos 27 anos. Trabalhou em vários jornais, entre eles o "Jornal de Notícias", depois no lisboeta "O Século", até ao seu encerramento, e depois n’ "O Comércio do Porto". Trabalhou também durante alguns anos na Biblioteca de Braga.

 

Mas foi na escrita de ficção que se destacou com dezenas de obras. A sua obra "Os Putos" foi adaptada ao teatro, à televisão e à banda desenhada. A primeira versão deste livro surgiu ainda em 1964, com o título "Sardinhas e Lua".

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:54

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 16 de Setembro de 2013

UM AFICIONADO ANÓNIMO (QUE JÁ NÃO É MAIS ANÓNIMO) DEFENDE A TOURADA À CORDA, NA ILHA TERCEIRA, BASEADO NO TEXTO DE UM VIGARISTA PAGO PARA DENEGRIR A MINHA IMAGEM

 
 
 

Esta é a face dos cavernícolas, que não tendo argumentos racionais para defender o ponto de vista deles, usam o estratagema dos vigaristas para tentarem destruir a imagem de quem lhes faz frente

 

 

A história já tem barbas brancas. A prótoiro, já a utilizou pelos mesmos motivos, em Maio de 2012, numa tentativa frustrada de me calarem. Já estamos em Setembro de 2013 e continuo a denunciar o que tenho o DEVER de denunciar (de outro modo seria tão bronca como eles) e ainda há quem tente, com o mesmo estratagema desleal e covarde, calar quem nasceu com sentido crítico e não anda no mundo só por ver andar os outros.   

 

Ultimamente anda por aí um energúmeno (o qual, por enquanto, não vou identificar) que regressou à caverna onde vivem os ogres, e resolveu desenterrar uma tabuinha de argila, do género das da Babilónia, onde um vigarista mercenário pago para me difamar escreveu um texto denominado «A sofista decadente».

 

Para quem não sabe o que é um ogre, aqui deixo a informação: trata-se de um gigante de aparência brutal, feio e muito desajeitado. Na mitologia, quase sempre é retratado como um monstro que habita florestas isoladas e lúgubres. São criaturas que possuem um cérebro reduzido, o que justifica os seus actos de insanidade, falta de competência e uma capacidade mental reduzida.

 

Diz o aficionado que já não é anónimo: «Covarde é você que se esconde atrás de um computador, e que todos sabem a merda de mulher que você é todos sabem e todos também já sabem a fraude que você é que nem o curso superior tirou no Brasil chumbo esse que causou a sua extradição para Portugal, ao ter acusado os Brasileiro de racismo por ter chumbado no exame de acesso ao ensino superior Brasileiro. Como vê já toda a gente sabe a merda de fraude que você é.

 

Pois agora chame-lhe mercenário, que aqui toda a gente já sabe quem é essa pessoa que a desmascarou e que contou toda a verdade sobre a Isabel e toda a história por detrás da vinda da mesma para Portugal, depois de ter acusado uma universidade Brasileira de racismo só porque não passou nos exames de acesso ao ensino superior, Isabel A. Ferreira é uma das maiores farsas, que nem jornalista como afirma ser é, o que é totalmente notório devido à falta de educação e formação em escrita Portuguesa»

 

Eu poderia ignorar isto. Como ignoro as obscenidades com que me “mimoseiam” e que decidi publicar, para que corra mundo o baixo nível moral destas criaturas.

 

O que diz este “anónimo” é CRIME DE DIFAMAÇÃO, assim como FOI CRIME DE DIFAMAÇÃO o que escreveu o mercenário.

 

Quem tiver curiosidade de ler esse texto está neste link:

 

http://danilofirmino.blogs.sapo.pt/8371.html

 

Para desmontar esta MONSTRUOSA MENTIRA basta ler o meu livro “Contestação”, e quem não for sofrer de iliteracia, verificará, que o Danilo distorceu, propositadamente, tudo o que DEFENDO no livro.

 

Quanto à minha passagem pela “Gama Filho” é tão fácil derrubar a calúnia! Os DOCUMENTOS OFICIAIS NÃO MENTEM.

 

Mas agora CHEGA! Acabou-se a brincadeira. Para tudo há um limite. Cansei-me do jogo do ogre.   

 

Este DESANÓNIMO tem de ser desmascarado, publicamente, assim como foi desmascarado o autor do texto difamatório, que não fez mais do que dizer mentiras e parvoeiras, desvirtuando tudo o que é público a respeito da minha pessoa.

 

Não admira que o aficionado ogre português o tivesse aproveitado.

 

O Arco de Almedina faz mossa aos tauricidas e a todos os que gravitam ao redor do negócio sujo e bárbaro da tauromaquia. Muita mossa. A todos eles. E eles não gostam de ler as verdades, que nunca lhes foram ditas tão causticamente.

 

E como este energúmeno não tem argumentos racionais e lógicos para defender a tortura de bovinos para divertir sádicos e pacóvios, aproveitou-se deste texto de um IRRACIONAL, encomendado por um determinado lobby brasileiro, o qual um sujeito sem quaisquer escrúpulos aceitou escrever, a troco de dinheiro, para me desacreditar.

 

Quem acreditou no que o mercenário escreveu?

 

Apenas os parvos.

 

E a história da “sofista decadente” tem origem num livro que escrevi, intitulado “CONTESTAÇÃO” que contesta o livro «1808», de Laurentino Gomes, o jornalista brasileiro, best-seller, que nesse livro trata os portugueses abaixo de “porcos, feios, maus e ignorantes”, não contextualizando os factos históricos que narra, e desvirtuando a verdade histórica que está por detrás da sua narrativa, o que me irritou, como portuguesa e como historiadora. Vai daí, contestei e repus a verdade dos factos.

 

Ora, isto descredibilizou o «1808», que além de conter graves despropósitos, foi um plágio de um livro escrito por um australiano.

 

O autor do texto encomendado para me descredibilizar, e adestrado por um determinado lobby, fez-se passar por uma pessoa de bem, e encomendou-me o meu livro (pois ele não foi comercializado no Brasil, por aselhice da minha editora) e enviei-o pelo correio, na boa-fé. Ora o adestrado não era pessoa de bem (pelo que veio a demonstrar depois, em mensagens privadas e públicas); além disso não pagou o que me devia: o livro e os portes de envio pelo correio.

 

Ora quem não paga é CALOTEIRO.

 

Pois foi isso que lhe chamei.

 

Além de não gostar de ter sido chamado de caloteiro, aproveitou para escrever o que escreveu, a soldo do lobby, para me desacreditar junto ao meio editorial brasileiro, com o intuito de que o meu livro não fosse publicado na sua versão brasileira, no Brasil. O que nunca veio a acontecer.

Todas as tentativas de publicação foram BOICOTADAS.

 

Eis a génese do texto que este anónimo (que já não é mais anónimo) está a utilizar para “defender a tourada à corda na Ilha Terceira”, à falta de argumentos racionais, pensando que com isso credibiliza a irracionalidade da tortura de bovinos, e me faz mossa a mim.

 

Engana-se redondamente.

 

***

 

AFICIONADOS, da próxima vez que utilizarem o texto do Danilo Firmino, não se esqueçam de colocar este meu texto também. Faz parte da HONESTIDADE INTELECTUAL (se é que sabem o que isso é) apresentar as DUAS VERSÕES: a verdade e a mentira.  

 
publicado por Isabel A. Ferreira às 19:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 27 de Agosto de 2013

TORTURAR UM TOURO QUE NÃO PODE DEFENDER-SE É DE COVARDES, E FORJAR MENTIRAS SOBRE ALGUÉM QUE TEM OBRA PÚBLICA É DE PSICÓTICOS DELIRANTES

 

 ATENÇÃO ILHA TERCEIRA!

 

Este texto é para aqueles que não tendo argumentos que justifiquem a anormalidade da tourada à corda, comportam-se como psicóticos delirantes

 
 
 

Os terceirenses, adeptos das touradas à corda, andam tão desesperados com o que nunca lhes disseram, nem sequer imaginavam que pudesse ser realidade, pois nunca nenhum governante terceirense foi suficientemente lúcido para lhes dar a oportunidade de evoluírem, de se instruírem, ou de os tirar daquele submundinho tauromáquico em que vivem, não conhecendo nada mais do mundo, a não ser o pior que o dito ser humano tem: a crueldade.

 

Na sequência disso, recebi centenas de comentários a textos em que abordo a aberração da tourada à corda na Ilha Terceira (como já o fiz para Ponte de Lima, outra terra atrasada), e entre esses, este que vou destacar pelo delírio do seu autor, que foi apanhado numa armadilha, forjando mentiras a meu respeito, com o intuito, de me fazer calar.

 

Mas quem não deve não teme, e eu nunca me calo.

 

Já certa vez a prótoiro utilizou o mesmo estratagema, e deu-se mal, e este Gustavo Couto, foi repescar as patranhadas da protóiro e vai dar-se mal também.

 

Então eis o que diz este psicótico delirante (o bolt sublinhado é meu):

 

Gustavo Couto, deixou um comentário ao post O FLORIBERTO LUZ É UM AFICIONADO DA TOURADA À CORDA DOS AÇORES QUE DEIXOU ESTES COMENTÁRIOS NO MEU BLOG às 13:47, 2013-08-27.

Comentário:

«Bom dia, apenas hoje tomei conhecimento de toda a polémica que havido em torno dos seus comentários sobre as touradas na Ilha Terceira e apesar de saber que "é o combate que a apraz, e não a vitória", escrevo estas linhas.

 

É verdade os toiros são corridos nas ruas (tanto que mostra alguns vídeos), tal como é verdade que foi desclassificada no exame de vestibular para a Universidade Pública do Rio de Janeiro e que alega que tal aconteceu por preconceito e não por incompetência. (1)

 

É verdade que nos divertimos com os toiros a correram na rua (principalmente quando apanham alguém, lol), tal como é verdade que acabou o 1º ano do curso com distinção na Universidade Gama Filho (particular uma vez que não entrou noutra). (2)

 

É verdade que se bebe e se diverte em todas as touradas e que muito lixo se faz, como é verdade que comenta as nossas tradições (entre elas as touradas) sem que as tenha alguma vez visto nem tão pouco falado com alguém sobre o mesmo.

 

É verdade que nem todos os Terceirenses são aficionados, mas também é verdade que até esses já tiveram mais contacto com o toiro (no pasto e na rua) do que a Dra.

 

É verdade que o touro é exposto a uma carga de stress de cerca de 25 minutos quando é toureado na rua, como é verdade que defende a estratificação da sociedade e a superioridade étnica que legitima a escravidão dos negros e índios que durou anos. Quero com isto dizer que posso tirar uma conclusão acerca da sua pessoa com base apenas nestes fragmentos da sua vida e que em nada correspondem à verdade. (3)

 

Concluo com um link para para aquele que é para mim o melhor anúncio de todos os tempos e que foi realizado no Brasil para o "Folha de São Paulo" e que gostaria que desse bom uso ao mesmo. http://www.youtube.com/watch?v=8wEkNYErcdE P.S.

 

Vivemos numa era global e quem muito se expõe fica sujeito a que muito facilmente se recolha informação acerca de si, pelo que não está assim tão anónima... (4)

 

***

 

(Sem falsa modéstia):

 

(1) Esta é verdade. Já a contei em público. Fiz o exame de vestibular para a Universidade Pública, e o primeiro foi Português, e tirei a nota máxima (o único 10 entre todos os alunos que se apresentaram a exame); no segundo, História do Brasil, o examinador achando-me “exótica” perguntou-me a nacionalidade. Podia ter dito que era inglesa, como disse muitas vezes para poder trazer mais leite para casa, ou pão, ou açúcar, no tempo dos racionamentos.

 

Mas naquele dia, tinha de dizer a verdade, porque havia papéis. E a minha folha de exame foi logo marcada. E claro, uma portuguesa nunca entraria numa Universidade do Estado. E não fui só eu. A um outro português, com um bigode que não enganava ninguém, chamado António, aconteceu-lhe o mesmo.

 

E não tivemos outra hipótese senão ir fazer a segunda chamada na Universidade Gama Filho, a mais conceituada da América Latina. As vagas eram 14. Os candidatos mais de 250. Entrei eu e o António também.

 

A MENTIRA é que NÃO FUI DESCLASSIFICADA E O PRECONCEITO NÃO FOI MEU.

 

(2) Também é verdade. A Universidade Pública não aceitava estrangeiros, tive de ir para a privada (ESTA É A VERDADE) e entrei para a melhor Universidade da América Latina (onde se pagava os olhos da cara) com as melhores notas. Acabei o primeiro ano com distinção, e fui das que por aquela Universidade passaram que teve as notas mais altas, por isso ofereceram-me uma Bolsa de Estudo para vir estudar para Coimbra (um sonho meu).

 

- Até aqui nada de especial. É verdade e é público.

 

(3) Este ponto, porém, é absolutamente de alguém que delira, que não me conhece e não conhece a minha obra, os valores que defendo.

 

Gustavo Couto, se é que tem CAPACIDADE DE LER, leia o meu livro CONTESTAÇÃO, e verá lá os valores que defendo, e que pratico. Se ainda não esgotou, está à venda na livraria online da Chiado Editora.

 

(4) É verdade, vivemos numa era global, e todas as VERDADES se sabem.

 

E obviamente não sou nenhuma ANÓNIMA. Assinei milhares de textos, durante VINTE ANOS, a trabalhar para diversos jornais diários portugueses, como correspondente de imprensa, e tenho oito obras publicadas. Mas não admira que na Ilha Terceira não saibam quem sou.

 

Agora, as MENTIRAS forjam-nas os psicopatas, que não tendo argumentos para defender uma aberração, tentam DIFAMAR (e isto sim, é difamar, se me chamar bronca, não me difama, apenas diz algo que não me faz enfiar carapuças), quem tem um nome público.

 

Também existe na Ilha Terceira alguém chamado Popeye, que inventou alguém que diz que me conheceu no Brasil… e até anda a escrever um folhetim sobre a minha pessoa…  

 

O nome pelo qual era conhecida no Brasil não é o mesmo pelo qual sou conhecida hoje. O Popeye é um MENTIROSO.     

 

Hoje adopto um nome literário. E isabéis… há muitas, como os chapéus….


Enfim…

 

Mas uma coisa ficou aqui provada pelo próprio comentador: é verdade que a tourada à corda é um costume de broncos.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:42

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2012

«(...) AS TOURADAS»

 

  

O texto que aqui transcrevo é a opinião de um ser humano CULTO e CIVILIZADO. E  os seres humanos cultos e civilizados são, inevitavelmente, contra as touradas. Quem poderá dizer-se culto e civilizado e gostar da imagem que aqui vemos?

 

 

Por ARTHUR VIRMOND DE LACERDA NETO 

(brasileiro e positivista ortodoxo)

 

(Texto inserido num artigo seu denominado «O Positivismo, os animais, a hipofagia e as touradas».

 

«Assim como corresponderia a retrocesso a hipofagia, corresponderá a progresso a abolição das touradas, quer as de morte, que se praticam em Espanha (com o abate do touro na arena), quer as que se “limitam” a provocá-lo e a espetá-lo na arena e a abatê-lo às ocultas do público.

 

Consistem as touradas em espetáculos profundamente imorais: é profundamente imoral a exibição em que se açula um animal (com o pano vermelho), em que se lhe cravam no dorso espetos que lhe ocasionam hemorragias e que termina (na Espanha) com uma estocada mortal, tudo mediante o júbilo da assistência, inteiramente insensível ao sofrimento do animal.

 

Nenhum espectador admitiria, certamente, sujeitar a violência equivalente um ser humano; todos eles admitem-na, ao contrário, em relação aos touros que sofrem, fisicamente, tanto quanto qualquer pessoa padeceria, naquelas circunstâncias. Não apenas há indiferença pelos padecimentos do animal; pior do que isto, há júbilo coletivo, com exclamações e aplausos, pelos movimentos destros em que o toureiro esquiva-se das marradas e em que o acutila mortalmente.

 

Tudo isto é profundamente repugnante, odioso e indigno da moralidade humana.

“É uma tradição”, alegar-se-á: há tradições que devem desaparecer e que, aliás, sequer deveriam haver surgido.

 

Nem a condição tradicional da tourada, nem a destinação do animal abatido para alimentação, nem o divertimento que se propicia aos espectadores justificam o tratamento cruel que se inflinge à vítima.

 

Há deveres do homem em relação aos touros, dos quais o primeiro corresponde ao de poupá-los à monstruosidade das touradas e, com isto, respeitá-los na sua condição de seres capazes de sofrer. É o mínimo que se deve exigir; é o quanto nenhuma pessoa minimamente sensível pode recusar a estes irmãos inferiores[15] dos homens.»

 

[15] Inferiores na acepção zoológica.

 

Fonte:http://positivismodeacomte.wordpress.com/2011/12/14/o-positivismo-os-animais-a-hipofagia-e-as-touradas/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

Já à venda a Contestação ao Livro «1808», de Laurentino Gomes

 

 Copyright © Isabel A. Ferreira 2008
 
 
 
 
 
 
De como Portugal tem o dever de defender a sua Honra e a sua História 
 
Prefaciado pelo Dr. Mendo Castro Henriques, Professor de Filosofia Política na Universidade Católica Portuguesa, Presidente do Instituto da Democracia Portuguesa e Biógrafo oficial e membro do conselho privado de S. A. R. D. Duarte Pio de Bragança; e de João Gomes, editor de política, da Chiado Editora (a minha editora), este livro contesta o modo como a história de D. João VI foi apresentada pelo jornalista brasileiro Laurentino Gomes, no seu livro «1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil», cuja narrativa amesquinha Portugal, a Monarquia Portuguesa e os Portugueses.
 
Esta CONTESTAÇÃO pretende repor o período da História contada no livro «1808», e que é altamente desprestigiante para Portugal e para os Portugueses, essencialmente para D. João VI, que apesar de não ter sido “talhado” para reinar, reinou o melhor que pôde, conservando a dinastia de Bragança e o império português, com dignidade, não se vergando ao grande e poderoso Napoleão Bonaparte, que subjugou praticamente todos os monarcas europeus da época. Tento integrar as circunstâncias dos acontecimentos históricos apresentados no «1808», no contexto da época; analiso, sem preconceitos, as acções e consequências dos actos assinalados; e realço as virtudes da alma grande portuguesa.
 
Para Laurentino Gomes, D. João VI era um rei covarde.
Para mim (e para muitos historiadores), um rei corajoso, que deixou uma obra notável no Brasil.
 
Ao ler-se o livro de Laurentino Gomes chega-se ao final com a ideia de que os Portugueses foram (e ainda são) Feios, Porcos, Maus e Ignorantes. Os factos que o Laurentino narrou, fora do seu contexto, soam a preconceito. Logo, defender a Honra e a História de Portugal foi um dever que se me impôs.
 
 
 
ÍNDICE
 
 
PREFÁCIO
 
NOTA INTRODUTÓRIA
 
1 – DE COMO D. JOÃO, PRÍNCIPE REGENTE DE PORTUGAL, TEVE A CORAGEM DE NÃO SE VERGAR AOS PÉS DE NAPOLEÃO BONAPARTE
 
2 – DE COMO OS FACTOS HISTÓRICOS FORAM “DESVIADOS”
 
3 – DE COMO UM PEQUENO REINO SE FEZ IMPÉRIO, E DE COMO DETERMINADAS CIRCUNSTÂNCIAS FAZEM TODA A DIFERENÇA
 
4 – DE COMO A MÁ UTILIZAÇÃO DAS PALAVRAS PODE DISTORCER A REALIDADE
 
5 – DE COMO UM IMPÉRIO DITO DECADENTE CONSEGUE SOBREVIVER E IMPOR-SE ENTRE IMPÉRIOS PODEROSOS
 
 
6 – DE COMO SE DIZ QUE TUDO ESTAVA MAL NO REINO DE PORTUGAL SEM SE TEREM EM CONTA AS CIRCUNSTÂNCIAS
 
7 – DE COMO VIAJAR EM 1808 NÃO ERA PROPRIAMENTE CRUZAR OS MARES EM PAQUETES DE LUXO
 
8 – DE COMO A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ENGRANDECEU O IMPÉRIO BRITÂNICO À CUSTA DA EXPLORAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INFANTIL E DAS MULHERES
 
9 – DE COMO PODEMOS CONFIAR NUM REPÓRTER IMPROVISADO MAIS DO QUE EM FONTES FACCIOSAS
 
10 – DE COMO SE “FABRICAM” MONSTROS COM BASE NO PRECONCEITO
 
11 – DE COMO A INGLATERRA DEVE A UMA RAINHA PORTUGUESA O REQUINTADO COSTUME DO «FIVE O’CLOCK TEA»
 
12 – DE COMO A ESCRAVATURA FOI A NÓDOA NEGRA NA SEDA BRANCA DE TODOS OS POVOS COLONIZADORES
 
13 – DE COMO NÃO PODE HAVER REQUINTE LONGE DA CIVILIZAÇÃO
 
14 – DE COMO PORTUGAL NÃO PERDEU A HONRA NEM ESTEVE NUNCA ABANDONADO
 
15 – DE COMO D. JOÃO VI NÃO SE LIVROU DE SER HUMILHADO
 
16 – DE COMO OS BRASILEIROS DEVERIAM ORGULHAR-SE DAS SUAS ORIGENS
 
ESCLARECIMENTO
 
 
***
 
 
Prefácio ao livro “Contestação”
 
 
Temos por certo que o estudo e a interpretação da nossa história, são duas tarefas fundamentais para a nossa definição enquanto povo e, mais do que isso, para a nossa afirmação actual enquanto país. Com identidade, o que é próprio de qualquer nação, mas acima de tudo com uma história riquíssima, do que nem todas se podem gabar.
 
Gabamos, no entanto, o trabalho de investigação de Laurentino Gomes que trouxe a público a importância da transferência da Corte para o Brasil, evento cujo Bicentenário comemoramos em 2008. Reconhecemos o Brasil como um país amigo e os brasileiros como um povo irmão onde João Ubaldo Ribeiro acaba de ganhar o Prémio Camões. E vemos na língua portuguesa a marca distintiva da Lusoesfera, passo evolutivo da Lusofonia, numa época em que Portugal pode ter influência para além dos países de língua portuguesa. Exemplo disso são as recentes aproximações à Comunidade de Países de Língua Portuguesa por parte de Galiza, Croácia, Venezuela, Ucrânia, Guiné Equatorial, Marrocos e Ilhas Maurícias, povos e Estados que a história aproximou de Portugal.
 
Como portugueses, temos um compromisso com a história, que nos leva a defender as aproximações à verdade e contestar os desvios da mesma. Por esse motivo, aceitámos prefaciar o livro da jornalista Isabel A. Ferreira. Assertivo e forte, patriótico e escrito com muita limpidez e, acima de tudo, um exemplo “de como Portugal tem o dever de defender a sua honra e a sua História”.
 
O livro de Laurentino Gomes é interessantíssimo do ponto de vista hermenêutico porque acumula quase todos os erros possíveis ao interpretar figuras históricas: falta de contextualização, acumulação de informação não tratada, confusão nos critérios de relevância, teoria explicativa deficiente, etc., etc. Sabemos hoje que D. João VI, ao contrário do que Laurentino Gomes nos afirma, não era um monarca cobarde, tendo sido um dos únicos príncipes europeus que não se vergou perante Napoleão Bonaparte. Poucos reis, durante a nossa história, foram tão perseguidos por motivos pessoais, como D. João VI. Quer pela loucura de sua mãe, quer pelo seu casamento infeliz e as conspirações de sua mulher e de fidalgos visando a sua abdicação. E contudo, poucos reis, na nossa história, foram tão consistentemente vencedores nos projectos a que se abalançaram, de mãos dadas com o seu povo e dirigentes. A sua permanência por treze anos no Brasil, permitiu-lhe ser o governante que garantiu a unidade do Estado, a que o Povo Brasileiro justamente acrescentou a independência.
 
Concluamos, pois, que a lenda negra que pairou sobre o monarca português que nos trouxe ao “Portugal Contemporâneo” é muito bem contestada neste livro, deixando à opinião dos leitores avaliar onde está a verdade. Por este motivo, elogiamos o trabalho de Isabel A. Ferreira. Que esta obra ajude a clarificar o legado de D. João VI, o monarca luso-brasileiro!
 
Mendo Henriques
João Gomes
 
 
 
(Pintura de Debret) 
 
 
 
Nota Introdutória
 
A presente crónica «De como Portugal tem o dever de defender a sua Honra e a sua História» nasceu da indignação de ver o meu país amesquinhado no livro, apesar de tudo, interessante, «1808Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil», da autoria do muito ilustre jornalista brasileiro Laurentino Gomes.
 
Uma vez mais, Portugal e os Portugueses foram expostos ao ridículo, publicamente. Recentemente, na série televisiva «Os Tudors», apresentada num canal de televisão estatal, a corte portuguesa foi retratada com enorme desprestígio e leviandade. Há bem pouco tempo, e a propósito do caso do desaparecimento de Madeleine McCann, no Algarve, Portugal foi extremamente enxovalhado pela imprensa britânica. Isto apenas para falar de casos mais recentes.
 
Basta!
Portugal é um país territorialmente pequeno, mas não deve deixar que o amesquinhem deste modo tão acintoso, porque a sua alma é grande. Um povo deve celebrar os valores do seu país mais do que gritar ao mundo as suas desvirtudes. Estas devem ser redimidas na intimidade da sua auto-estima.
 
E porque tudo vale a pena quando a alma não é pequena (citando Fernando Pessoa), este é o meu contributo no sentido de resgatar o bom-nome de Portugal.
 
Todos os povos têm virtudes e defeitos. Portugal não foge à regra. Contudo, o maior defeito do povo Português é o de não acreditar nas suas virtudes, e encolher-se perante os juízos menores que dele fazem os que desconhecem a grandeza do seu percurso histórico, e de como sempre conseguiu manter-se na corda bamba, sem nunca perder completamente o equilíbrio.
 
E isso não é coisa pouca!
São essas virtudes que pretendo realçar nesta crónica.
          
Isabel A. Ferreira
 
 
(Esgotado)
 
música: http://www.livapolo.pt/index.php?action=artigo_detalhes&arti
publicado por Isabel A. Ferreira às 14:40

link do post | Comentar | Ver comentários (36) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
18
20
25
26
28

Posts recentes

MORREU ANTINO DO TOJAL, U...

UM AFICIONADO ANÓNIMO (QU...

TORTURAR UM TOURO QUE NÃO...

«(...) AS TOURADAS»

Já à venda a Contestação ...

Arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt