Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2015

Lula diz que a culpa pelos atrasos na educação no Brasil é dos Portugueses

 

Esta é a anedota do ano publicada, hoje, dia 11 de Dezembro de 2015, no Diário de Notícias.

Porém, o que este indivíduo diz faz parte da IGNORÂNCIA dos brasileiros ignorantes, porque os há cultos, e estes não dizem tamanhos disparates.

 

LULA.jpg

 Álvaro Isidoro / Global Imagens

 

«De quem é culpa pelos atrasos na Educação? É dos portugueses, diz Lula

 

«Eu sei que isto não agrada aos portugueses», afirma o ex-presidente do Brasil.

 

O ex-presidente do Brasil Lula da Silva culpabilizou hoje a colonização portuguesa pelos atrasos na educação brasileira, afirmando que Álvares Cabral descobriu o país em 1500 e a primeira universidade brasileira apenas foi criada em 1922.

 

"Eu sei que isto não agrada aos portugueses, mas Cristóvão Colombo chegou a Santo Domingo [actual República Dominicana] em 1492 e em 1507 já ali tinha sido criada a Universidade. No Peru em 1550, na Bolívia em 1624. No Brasil a primeira universidade surgiu apenas em 1922", disse hoje Lula da Silva, numa conferência em Madrid, organizada pelo diário El País.

 

Para Lula da Silva, que comparou as atitudes dos países colonizadores Espanha e Portugal nas respectivas áreas de influência, este facto "justifica os atrasos na educação do Brasil".

 

A primeira universidade brasileira foi a Universidade do Rio de Janeiro, que resultou na junção das Faculdades de Medicina, Direito e Engenharia. Ao contrário de outras ocasiões, Lula da Silva não referiu que as bases do Ensino Superior brasileiro foram lançadas muito antes, no final de século XVII e XVIII.

 

Em 1792, foi criada a Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, instituição de ensino superior precursora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1808 foi criada a Faculdade de Medicina da Baía, na sequência da chegada ao Brasil da Coroa portuguesa.

 

O Brasil tornou-se independente de Portugal em 1822.

 

A argumentação de Lula da Silva em Madrid visava sobretudo as "elites brasileiras" dos últimos 100 anos, em comparação com o "legado" dos seus anos à frente do Brasil. Lula argumenta que o seu Governo triplicou o orçamento da Educação, construiu 18 novas universidades federais, 173 novos "campus" no interior do Brasil e três vezes mais escolas técnicas do que últimos 100 anos.»

 

Fonte:

http://www.dn.pt/mundo/interior/de-quem-e-culpa-pelos-atrasos-na-educacao-e-dos-portugueses-diz-lula-4925166.html

 

***

Lula, ao dizer o que diz só demonstra uma profunda ignorância sobre a História da Colonização Portuguesa no Brasil.

 

Não me surpreende.

 

Se eu me tivesse ficado pelo que estudei no Brasil independente, era uma ANALFABETA das GRANDES.

 

Ao dizer o que disse, Lula não só escarrou em cima dos antepassados dele, como escarrou em cima dele próprio.

 

Os Brasileiros têm agora um novo livro para APRENDEREM a sua verdadeira História:

«A Colonização Portuguesa do Brasil - Verdades e Mentiras - Contestação e Repúdio aos livros "1808" e 1822"», da autoria de António Neto Guerreiro e José Verdasca.

 

Neste livro está tudo o que o Lula e os ignorantes como o Lula devem saber sobre a colonização portuguesa no Brasil.

 

O Lula leu os livros errados, onde se diz os maiores disparates da História, e ficou ignorante.

 

Os portugueses deixaram no Brasil Escolas Superiores, e foi numa dessas escolas que se formou o Padre António Vieira, um dos expoentes máximos da Cultura Portuguesa e também Brasileira.

Os Brasileiros mutilaram a Língua Portuguesa, Culta e Europeia, para reduzirem o índice de analfabetismo no Brasil, e agora querem impingi-la aos Portugueses, através do famigerado Acordo Ortográfico de 1990.

 

Ora o que aconteceu foi que os Brasileiros, pós-independência, que ocuparam o Poder, não tiveram capacidade intelectual para utilizar inteligentemente as FERRAMENTAS deixadas no Brasil, pelos Portugueses CULTOS.

 

Agora choram a INCAPACIDADE INTELECTUAL deles e a INCULTURA deles e colocam a culpa nos colonizadores?

 

Era o que mais faltava!

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:17

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 3 de Março de 2010

Ao sabor do "Correntes d'Escritas"»...

 

 Copyright © Isabel A. Ferreira 2010
 
Cerimónia de abertura do Correntes d'Escritas, no Casino da Póvoa de Varzim, com Luís Diamantino, Vereador da Cultura, no uso da palavra
 
Realizou-se na Póvoa de Varzim, a 11ª edição do «Correntes d’Escritas», um encontro de Escritores Ibero-americanos, sempre muito concorrido, que decorreu entre 24 e 27 de Fevereiro passado.
Sigo este evento desde a sua 2.ª edição.
Na 1.ª encontrava-me tão afundada no lodo de um poço, para onde uns predadores me atiraram, arrancando-me o meu trabalho, feito de um jornalismo incómodo, deixando-me desnuda no meio da rua, como uma qualquer. Logo a mim, que amava as palavras (e ainda amo). A mim, para quem escrever era a própria vida (e ainda é)! Como ir ouvir falar de palavras, estando eu no fundo de um poço lodoso?
Não assisti àquela 1.ª edição, portanto.
À segunda, já mais liberta, mas ainda profundamente magoada, não resisti, e decidi ir ouvir os escritores.
Depois desta primeira vez, confesso, fiquei viciada.
Não vou fazer um relato do que se passou nesta edição, porque a tal não sou obrigada. Não estou ao serviço de ninguém. Hoje em dia, só escrevo o que me apetece. O que detém o meu olhar. O que me toca o coração. O que agita os meus sentidos.
De modo que, ater-me-ei apenas àquilo que mais me chamou a atenção, entre tudo o que vi e ouvi.
Devo dizer que o que mais gosto no Correntes d’Escritas é das “Mesas”, que não são redondas, mas rectangulares, onde grupos de cinco escritores e um moderador “esgrimam” ao redor de temas, quase sempre complexos, de difícil compreensão, autênticos desafios à imaginação e à criatividade.
E é isso que me fascina, pois todos, de um modo ou de outro, acabam por rodear a questão ou mergulhar nela, até ao fundo, lá, onde se escondem os segredos das palavras, e cada autor cria um universo inteiro ao redor dos temas.
E o que se descobre entre tanta diversidade de ideias, de vivências, de imaginação, de pura criação literária!
Depois há aquela Feira do Livro, que é uma tentação! Livros. Tantos! Venho sempre carregada deles, e nem sempre consigo dar vazão à leitura, de um ano para o outro. Mas isso que importa, se os tenho junto a mim, a aguardar vez?
E há também os momentos inesperados, aos quais não resisto e deixo registados em fotografias!
Este ano, houve alguns pormenores que me “tocaram” (para o bem e para o mal) e é deles de que me ocuparei.
 
A ministra da Educação do actual governo  
 
Isabel Alçada, na sua conferência
 
O «Correntes» abriu com uma palestra proferida por Isabel Alçada, Ministra da Educação do nosso actual Governo, sob o tema «Leitura, Escrita e Educação».
Eu conhecia-a como escritora, e não me desiludiu. Por vezes desiludo-me com as pessoas que sobem a um certo pedestal (quase sempre de barro) e tornam-se vedetas de coisa nenhuma.
Isabel Alçada foi ela própria: simpática, culta, acessível. E gostei do que disse, políticas da educação à parte.
 
A guilhotina dos editores
 
 Maria Teresa Horta (ao centro) ladeada por Luís Naves e Gilda Nunes Barata
 
Maria Teresa Horta, na sua intervenção, e a propósito de alguém ter dito que uns tantos livros do Poeta Eugénio de Andrade haviam sido queimados, disse que a sua editora guilhotinou 500 dos seus livros (sem o conhecimento dela), e que ela pensava que estavam esgotados.
Estarreci-me, embora soubesse que tal poderia acontecer, uma vez que já tinha assinado um contrato, em que uma das cláusulas se referia precisamente à destruição dos exemplares que não fossem vendidos. Dava-se ao autor a oportunidade de os “comprar” por um preço abaixo do mercado, e se ele não quisesse, então os livros seriam destruídos.
Foi um choque para mim, aquela cláusula. Ainda barafustei. Era a minha primeira vez, nestas coisas. Confesso que não gostei, fazendo-me lembrar o tempo da Inquisição e da Ditadura e do pré-25 de Abril, em que se queimavam aqueles livros que incomodavam as pessoas de mentalidade pequenina.
Se é para guilhotinar ou queimar livros então melhor deixá-los nos bancos dos jardins, para que as pessoas os levem para casa. Seria um modo de “fazer” leitores. Uma utopia? Quem não as tem?
 
O trabalho da escrita desvalorizado
 
Ouvi, pela boca de muitos escritores presentes, falar do pouco valor que se dá ao trabalho de um escritor, que passa horas, dias, semanas e até anos a escrever um livro, e só tem direito às migalhas do pão, porque existem os intermediários (editores, distribuidores, livreiros) que levam o pão inteiro.
Se um autor vai falar sobre algum tema, a algum lado, ninguém lhe pergunta quanto custa o trabalho que teve ao preparar o tema. Quando é convidado a escrever algo, é o mesmo vazio.
É como se quem escreve tivesse a obrigação de escrever, e de se alimentar da água da chuva e do ar, que é o que não se tem de pagar (ainda).
Se o escritor quer ser e aparecer sujeita-se a esta humilhação. E não há lei nenhuma que proteja o trabalhador, cujo instrumento de trabalho são as palavras.
Isto é uma coisa muito à portuguesinho, e que não combina com uma coisa chamada Cultura Culta.
 
Bernardo Carvalho: um brasileiro insatisfeito
 
 Bernardo Carvalho (o primeiro a contar da esquerda)
 
Chocou-me a intervenção do conceituado escritor brasileiro Bernardo Carvalho, que teve a insensatez de dizer que a colonização portuguesa e a escravatura no Brasil foram as piores de todas as colonizações e escravatura. Tendo sido convidado para vir ao "Correntes d'Escrita, teve a ousadia de insultar a inteligência dos Portugueses, com a lavagem cerebral que lhe fizeram no Brasil, relativamente à História da Colonização. Muito lamentável.
Estive para intervir, porém, considerei que aquele nem era o lugar nem o momento próprios para contestar um naco da nossa História que, no Brasil, está muito mal ensinada, deturpada e cheia de mentiras. Bernardo repetiu o erro de Laurentino Gomes, no livro «1808», contestado por mim. Desconhecerão os brasileiros as colonizações espanhola, francesa, inglesa, holandesa, e por aí fora? Os Portugueses foram, ainda assim, os menos cruéis.
Este é um assunto ao qual terei de regressar com o escritor.
 
Homenagem a Rosa Lobato Faria
 
Uma frequentadora do “Correntes”, que para sempre estará ausente. Contudo, ficaram os seus versos, os seus romances, as suas fotografias que transmitem uma beleza serena. E o «Correntes» homenageou-a através da leitura de poemas ditos por Aurelino Costa, poeta e “dizeur” por quem tenho grande apreço.
 
Aurelino Costa, Poeta e "dizeur"
 
Esta homenagem foi um momento discreto,  marcadamente comovente. Vi lágrimas na assistência.
 
Lançamento de "História com Recadinho", da escritora Luísa Dacosta  
 
Luísa Dacosta ao centro, ladeada de Leonor Xavier e do seu editor
 
Sigo desde 1983 a carreira desta escritora, considerada uma das maiores estilistas da Língua Portuguesa do século XX.
Trata-se de uma das minhas autoras preferidas, pela beleza de uma escrita invulgar.
Por isso dediquei-lhe um livro intitulado «Luísa Dacosta: “no sonho, a liberdade...”», um mal amado livro, onde abordo toda a sua obra, o seu pensamento, a sua vida, ilustrado com fotografias, a maior parte delas, que só eu tenho.
É sempre com muita mágoa, pois, que quando assisto a uma intervenção pública da Luísa Dacosta, verifico que ela ignora este livro único, sobre a sua pessoa, e a ele nunca se refere.
Na Feira do Livro do «Correntes d’Escritas» encontravam-se alguns dos seus livros à venda (o que também é coisa rara). Aproveitei então a oportunidade para pôr o meu «Luísa», à venda também, junto dos seus (o que muito agradeço ao Alfredo Costa, da Livraria Locus, da Póvoa de Varzim).
Contudo, não consegui vender nem um só exemplar.
Se ao menos a homenageada lhe fizesse jus (ao livro!), talvez alguém se interessasse por ele. Um livro que não foi devidamente divulgado, por opção dos divulgadores. Distribuo livros para divulgação e é como se os deitasse ao caixote do lixo (está tudo registado). Essa tem sido a minha grande mágoa.
Na Universidade de Nanterre, em Paris, este meu livro serviu de consulta para a tese que uma estudante elaborou sobre o livro de Luísa Dacosta, «Corpo Recusado», e várias vezes foi citado, nesse trabalho.
Este e outros episódios similares, se bem que raros, recompensa-me, de certa forma, do mau acolhimento em certos meios, cá dos nossos.
Será que em Portugal uma tal obra não interessará aos estudiosos da obra de uma autora portuguesa, da craveira de Luísa Dacosta?
 
Isabel A. Ferreira
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 18:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

«Opinião sobre “Contestação do Livro “1808” de Laurentino Gomes” de autoria de Isabel A. Ferreira»

 

 

 

 Por Quintino Geraldo Diniz de Melo *
 
Tenho a honra de, a pedido da autora, manifestar minha opinião sobre a interessante obra “CONTESTAÇÃO – De como Portugal tem o dever de defender a sua Honra e a sua História” (Chiado Editora, Portugal, 2008), da insigne historiadora e jornalista luso-brasileira, Isabel A. Ferreira.
 
A autora discorre com uma simplicidade e honestidade cativantes, revelando que seu empreendimento foi inspirado pelo amor à sua terra natal, sendo um “contributo no sentido de resgatar o bom-nome de Portugal”.
 
Dividido em dezesseis capítulos com sugestivos títulos, tais como De como D. João, Príncipe Regente de Portugal, teve a coragem de não se vergar aos pés de Napoleão Bonaparte (Cap. 1), De como um império dito decadente consegue sobreviver e impor-se entre impérios poderosos (Cap. 5), De como a Inglaterra deve a uma Rainha portuguesa o requintado costume do “five o’clock tea” (Cap. 11), De como não pode haver requinte longe da civilização (Cap. 13), De como Portugal não perdeu a honra nem esteve nunca abandonado (Cap. 14), De como os brasileiros deveriam orgulhar-se das suas origens (Cap. 16), o texto da Drª Isabel é de gostosa e fácil leitura, com sabor de uma crônica jornalística.
 
Buscando uma explicação psicológica, ela atribui o tom agressivo da narrativa de Laurentino Gomes a uma certa rejeição natural que o colonizado nutre por seu colonizador. Seria essa a razão porque tantos brasileiros procuram menosprezar Portugal e seus feitos.
 
Registre-se que a obra é impregnada, do início ao fim, da ideologia do politicamente correto, sendo uma preocupação constante da autora frisar que não aprova o colonialismo, mesmo o português, que para ela foi tão “mau” quanto os colonialismos inglês, francês ou qualquer outro.
 
Daí a ausência de elogios à colossal obra missionária e civilizadora empreendida por Portugal e Espanha, que é seu principal legado e mais importante patrimônio imaterial dos latino-americanos.
 
Ademais, a mestiçagem promovida pelos colonizadores ibero-católicos, e ausente nas áreas de colonização protestante, é outro grande feito da engenharia política portuguesa pouco explorado pela autora.
 
É de se admitir que o resultado dessa abertura do português para as outras raças, tão bem sintetizada pelo pernambucano Gilberto Freire em sua obra-prima “Casa Grande e Senzala”, é responsável pela inviabilidade política de um nacionalismo étnico no Brasil.
 
Ser brasileiro, portanto, é ser mestiço, se não no corpo ao menos na alma.
 
E isto só foi possível por todos os diferenciais da colonização portuguesa em relação à colonização promovida por outros povos.
 
Talvez fosse interessante, no que toca ao tema principal da obra contestada - a “fuga” da Corte -, acrescentar que esta veio de encontro a um antigo e estratégico projeto de transferência do Governo Português para a sua maior e mais rica colônia. Há inúmeros estudos nesse sentido.
 
Embora o objetivo imediato de D. João VI fosse o de salvar sua dinastia, este incompreendido monarca luso-brasileiro tinha seu olhar mais longe, querendo a unidade política e espiritual do império lusitano.
 
Denúncia bem articulada contra a pena politicamente incorreta do Sr. Laurentino Gomes, “Contestação” é uma leitura que vale a pena.
 
Recife, 28 de dezembro de 2008.
 
 
* Quintino Geraldo Diniz de Melo, é Promotor de Justiça em Pernambuco-Brasil.
 
 
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 17:56

link do post | Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
15
16
17
19
20
21
22
23
24
26
28
29
30
31

Posts recentes

Lula diz que a culpa pelo...

Ao sabor do "Correntes d'...

«Opinião sobre “Contesta...

Arquivos

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt